Saltar para o conteúdo

Rangel atribui função estratégica aos reguladores

21 Fevereiro, 2010

Da entrevista de Rangel ao DN:

Se ganhar as eleições do PSD e vier a ser primeiro-ministro, gostaria de mudar a relação que o Estado tem com as grandes empresas portuguesas? Por exemplo, admite alienar a golden share que tem na PT e outras posições noutras grandes empresas?

Isso merece mais estudo. Na fase em que estou, não posso dar uma afirmação, a não ser sob reserva, mas posso dizer-lhe qual o meu pensamento sobre essa matéria em termos tendenciais: acho que, até por uma razão que tem a ver com o direito europeu, as golden shares devem acabar. Mas é evidente que no sector dos transportes, das telecomunicações e, designadamente, da energia…

E na banca?

Porventura também na banca, mas na banca a situação está mais resolvida, há questões estratégicas nacionais que têm de estar presentes. A forma de elas estarem presentes, do meu ponto de vista, é através das entidades reguladoras, não de participações em empresas privadas. No caso da banca, eu estaria um pouco mais sossegado porque o Banco de Portugal tem poderes de intervenção – estou a pensar por exemplo no transporte aéreo ou no ferroviário, no sector das telecomunicações…

Sectores estratégicos?

Sectores em que pode haver interesses de segurança e estratégia nacional. Acho que as golden shares não são um bom caminho.

Actualmente, o Estado usa as participações em empresas semi-públicas para bloquear a entrada de estrangeiros (subvertendo o mercado), para promover negócios de Estado (Galp na Venezuela, no Brasil e em Angola) ou para promover investimento português no estrangeiro (participação na Vivo pela PT no Brasil e investimentos da EDP nos Estados Unidos). Rangel não rejeita nenhuma destas funções das participações do Estado. Pelo contrário. Fala de interesses de “segurança e estratégia nacional”. Aquilo que Rangel defende é que a “segurança e estratégia nacional” sejam prosseguidas através das autoridades reguladoras. O que implicaria que as autoridades reguladoras teriam que subverter o mercado para impedir a entrada de empresas estrangeiras e teriam que impor às empresas nacionais comportamentos no estrangeiro que favoreçam os “interesses nacionais”. Como é evidente, essa não é a vocação das autoridades reguladoras.

Anúncios
33 comentários leave one →
  1. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:12

    Para este gordo é tudo uma questão de apetites…

    http://www.abola.pt/mundos/ver.aspx?id=194448

    Gostar

  2. SEMELHA... permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:14

    Fiquei esclarecido…….
    A parolagem está a chegar e de Renault4 ?
    Ou já têm BMW ?

    Gostar

  3. 21 Fevereiro, 2010 15:15

    Rangel acha a soberania, a grandiosidade e a projecção internacional do país mais importantes do que o totem do mercado. É um político como deve ser.

    Gostar

  4. Anónimo permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:17

    Como se tem visto no caso da PT as golden shares servem para os partidos do governo fazerem as suas negociatas e arranjarem empregos com salários chorudos aos boys. Se acham que é estrategico o estado estar presente em determinados sectores, então o estado que invista neles, e assuma isso mesmo. As golden shares são ilegais, e é acabar com elas rapidamente. Como está à vista as opções estrategicas para o futuro do país estão entregues a incompetentes. O caso do aeroporto da Ota, é paradigmatico. E do TGV, e de autoestradas que vão custar milhões e onde ninguem vai passar. Por isso tendo em conta quem nos ultimos 15 anos tem gerido o Estado, quanto menos estado, melhor.

    Gostar

  5. José Barros permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:18

    De entidades reguladoras passam a entidades manipuladoras.

    Enfim, quanto mais falam os candidatos do PSD, mais me desiludem. Os três, não só Rangel. O problema não é do partido, é do regime. O PSD é o que é por causa do país. Se houvesse muita gente a querer um partido de poder que fosse de direita já há muito que ele existiria. A verdade é que não quer e basta ver o discurso geral dos portugueses para perceber que eles não querem liberalismo, preferem mais Estado. Terão o que merecem.

    Gostar

  6. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:31

    Veja isto, lindo:

    Nome Completo
    Paulo Artur dos Santos Castro de Campos Rangel

    Data de Nascimento
    18-02-1968

    Habilitações Literárias
    Licenciatura em DIREITO;

    Profissão
    Docente Universitário e Jurisconsulto como quem diz, advogadozeco

    Cargos que desempenha
    Deputado na X Legislatura;
    Presidente do GP/PSD o que é esta merda?, alguma agremiação de província, como devido respeito?
    Membro da Direcção da Associação Comercial do Porto;
    Membro da direcção da Associação “Amigos do Coliseu”;

    Cargos exercidos
    Sec. Estado Adjunto do Ministro da Justiça do XVI Governo Constitucional (2004-07 a 2005-03);ena pá, não tem falado disto, quem era o ministro da justiça?
    Membro da Direcção da Associação “Amigos do Coliseu”;
    Membro da Direcção da Associação Comercial do Porto (desde Abril de 2002);

    o que é giro é que para encher o artista coloca nos cargos que desempenha e nos cargos exercidos exactamente a mesma coisa, como se isso lhe desse mais estatuto:

    Membro da Direcção da Associação Comercial do Porto;
    Membro da direcção da Associação “Amigos do Coliseu”;

    ORA, E SE O RAPAZOLA SE FOSSE LIXAR?

    Gostar

  7. maria permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:37

    se calhar, se fosse consultor ou administrador da PT e ganhasse 1 milhãozinho de euros tinha mais gabarito…pois…

    Gostar

  8. SEMELHA... permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:39

    Não fique FURIOSO……..
    oS BOYS DA LARANJADA, QUEREM LÁ SABER DISSO…. JÁ ESTÃO A VER OS TACHOS NO HORIZONTE, MAS CHEIRA-ME QUE VÃO TER DE ESPERAR SENTADOS !

    Gostar

  9. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:45

    Afinal o Rangel era secretário de estado adjunto do:

    José Pedro Correia de Aguiar-Branco (Porto, 18 de Julho de 1957), advogado e político português.

    Advogado (inscrito na Ordem desde 1982), licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1980). É sócio da firma José Pedro Aguiar-Branco & Associados, com sede no Porto. É árbitro do Centro de Conciliação e Mediação de Conflitos da Concórdia, do Centro de Arbitragem da Associação Comercial de Lisboa – Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa e do Instituto de Arbitragem Comercial da Associação Comercial do Porto. É presidente da Assembleia-Geral de várias sociedades, como a Semapa, a Portucel e a Impresa, entre outras.

    A par da actividade política, foi secretário-geral do Centro Unesco do Porto (1984-1985), vice-presidente da Associação Nacional de Jovens Advogados Portugueses (1988-1991), vogal (1992-1995) e presidente (2002-2004) do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, membro do Conselho Superior da Magistratura, eleito pela Assembleia da República (em 2000). Foi vice-presidente do Instituto Francisco Sá Carneiro (1999-2002).

    Após o 25 de Abril de 1974, aderiu à Juventude e ao Partido Social Democrata. Foi membro do Conselho Nacional da JSD (1977-1984); do Conselho de Jurisdição (1976 e 1995-1997), do Conselho Nacional (1982-1984 e 1988-1990) e da Comissão Política Nacional (1996-1998) do PSD. No XVI Governo Constitucional, presidido por Pedro Santana Lopes, foi nomeado Ministro da Justiça. Presidiu à Assembleia Municipal do Porto (2005-2009). É (desde 2005) deputado à Assembleia da República, pelo Círculo do Porto, presidindo (desde Outubro de 2009) ao Grupo Parlamentar do PSD.

    [editar] Funções governamentais exercidas
    XVI Governo Constitucional
    Ministro da Justiça

    Sempre tem um curriculum mais decente.

    Pena é ter sido ministro da justiça de um certo PM. Qem seria?

    Gostar

  10. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:53

    Nem todos podemos ser perfeitos, mas desculpa-se:

    Foi presidente do Sporting Club de Portugal (1995-1997).

    Se calhar até merece (?)
    Santana Lopes aposentou-se como presidente da Câmara de Lisboa em 2005, recebe uma pensão de 3178 euros e uma subvenção vitalícia superior a dois mil euros mensais.

    O que o lixa é nunca ter conseguido descolar da sua própria sombra:

    Gostar

  11. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 15:56

    Se se trata-se de imagem este também já teria bazado

    Gostar

  12. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:05

    Será que ele ainda sonha? Estará a falar para os puto(a)s do psd?

    Gostar

  13. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:09

    Se deus quizer nenhum chegará lá, parece dizer este pateta

    Gostar

  14. semelha furiosa permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:19

    Rangel ainda só é candidato. Acalmem-se.

    Gostar

  15. Ana C permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:20

    “Aquilo que Rangel defende é que a “segurança e estratégia nacional” sejam prosseguidas através das autoridades reguladoras.”

    É típico dele próprio e da imagem que dá: falta de estudo e conhecimento das questões.

    É igualzinho ao Sócrates: a mesma demagogia, os mesmos truques de campanha; Igualzinho

    Gostar

  16. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:23

    Este vai esperar…

    Até à derrota final

    Gostar

  17. 21 Fevereiro, 2010 16:29

    Não tinha lido esta parte da entrevista de Rangel ao DN. Só conhecia esta que me tinha suscitado duas interrogações: a) quanto à equipa que acompanha Rangel (quem são?); b) quanto a sua estratégia para resolver a brutal enrascada financeira onde estamos metidos (chamar a Senhora Merkel?).

    Esta segunda parte (ou será que é a primeira?) parece-me bem menos conseguida que a outra e julgo que também remete para a oportunidade de responder às duas questões que elenco. Não deixo, porém, de anotar que Rangel começa por dizer que «Isso merece mais estudo. Na fase em que estou, não posso dar uma afirmação, a não ser sob reserva(…)» o que julgo indiciar a honestidade de reconhecer que não tem (ainda?) doutrina formulada sobre esta matéria. Não obstante, não deixo de afirmar o meu desapontamento com a opinião “tendencial” de Rangel.

    Mas convirá ter presente, não menosprezando a importância da resolução das golden shares, que as questões de política económica que importa definir (e inverter) vão bem para além desta questão que, entre nós, tem relevado mais do conúbio pastoso da “política dos negócios”.

    __________________________________
    Declaração de interesses opinatórios: ainda que desprovido de capacidade electiva, julgo que Rangel é, sem necessidade de grande aprofundamento de análises, o melhor candidato para ocupar a presidência do PSD. É, apenas, matter of life que só interessem os candidatos que o são e não outros quaisquer.

    Gostar

  18. Furioso permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:30

    Conheciam-lhe esta faceta bricalhona? Quem fala na barca quer embarcar…

    Gostar

  19. 21 Fevereiro, 2010 16:31

    Não tinha lido esta parte da entrevista de Rangel ao DN. Só conhecia esta que me tinha suscitado duas interrogações: a) quanto à equipa que acompanha Rangel (quem são?); b) quanto a sua estratégia para resolver a brutal enrascada financeira onde estamos metidos (chamar a Senhora Merkel?).

    Esta segunda parte (ou será que é a primeira?) parece-me bem menos conseguida que a outra e julgo que também remete para a oportunidade de responder às duas questões que elenco. Não deixo, porém, de anotar que Rangel começa por dizer que «Isso merece mais estudo. Na fase em que estou, não posso dar uma afirmação, a não ser sob reserva(…)» o que julgo indiciar a honestidade de reconhecer que não tem (ainda?) doutrina formulada sobre esta matéria. Não obstante, não deixo de afirmar o meu desapontamento com a opinião “tendencial” de Rangel.

    Mas convirá ter presente, não menosprezando a importância da resolução das golden shares, que as questões de política económica que importa definir (e inverter) vão bem para além desta questão que, entre nós, tem relevado mais do conúbio pastoso da “política dos negócios”.

    **************************
    Declaração de interesses opinatórios: ainda que desprovido de capacidade electiva, julgo que Rangel é, sem necessidade de grande aprofundamento de análises, o melhor candidato para ocupar a presidência do PSD. É, apenas, matter of life que só interessem os candidatos que o são e não outros quaisquer.

    Gostar

  20. Observador da decadência permalink
    21 Fevereiro, 2010 16:38

    Ao abrigo da Liberdade de Expressão, venho por este meio anunciar um acontecimento ocorrido na sexta-feira dia 20 de Fevereiro no Padrão dos Descobrimentos em Lisboa, que aparentemente é do desconhecimento deste blog, e que foi o anúncio da candidatura à Presidência da República Portuguesa do Dr. Fernando Nobre, mais conhecido como presidente da AMI internacional.
    Este acontecimento constitui, na minha modesta opinião, um dos mais relevantes momentos da sociedadde portuguesa, desde o 25 de Abril.

    Muito Obrigado

    Gostar

  21. Pi-Erre permalink
    21 Fevereiro, 2010 17:18

    O Dr. Paulo Rangel parece não saber o que é regulação, quais as suas eventuais virtudes e, sobretudo, quais os seus defeitos.
    Seria pois aconselhável que, antes de falar sobre este assunto, lesse a obra “TEORIAS ECONÓMICAS DE REGULAÇÂO – Grupos de interesse, procura de renda e aprisionamento”, escrita pelo português Dr. José Fernandes Soares, edição do Instituto Piaget.
    Assim evitava meter os pés pelas mãos numa matéria que, decididamente, não domina.

    Gostar

  22. JMLM permalink
    21 Fevereiro, 2010 17:57

    Paulo Rangel, ainda vai podendo dizer que vai fazer isto e aquilo relativamente às empresas públicas ou semi públicas, quando chegar a 1º se chegar, vai engolir em seco, porque simplesmente os “abutres do partido” já estão à espera dos poleiros para pousar.
    Paulo Rangel sabe que se quiser mexer com esses sectores da economia vai ter que correr grandes riscos, a politica está refém da economia, disso Rangel não se livra.
    Já agora uma pequena nota: As eleições são só para o PSD, é para esses que Rangel deve falar e não colocar-se numa de “estadista light”, com grandes teorias formais. Reparem que na entrevista ele apenas acha que, irá pensar no assunto, fala com reserva…
    Rangel só é candidadto porque a máquina do PSD/CAVAQUISTA assim o quis, caso contrário ele seria mais um como Pedro P Coelho a quem o próprio partido faz a vida negra, menospreza.
    VIVA PORTUGAL
    Fico com a ideia que o PSD ainda vai continuar a andar no deserto, que este Paulo Rangel não é mais senão uma miragem.

    Gostar

  23. abrantes permalink
    21 Fevereiro, 2010 18:11

    # 21, enganas-te, o deserto é só com o jamé.

    Gostar

  24. 21 Fevereiro, 2010 18:29

    «Se ganhar as eleições do PSD e vier a ser primeiro-ministro»

    Despachem-se.
    O país está a precisar urgentemente do Rangel.

    Gostar

  25. 21 Fevereiro, 2010 18:39

    Caso esteja tudo doido pelo PSD e Rangel não vença as eleições para presidente do Partido, é altura de o PSD se tornar um partido residual – estará na altura de se fundar uma nova formação política com linhas programáticas claras.

    Gostar

  26. José Barros permalink
    21 Fevereiro, 2010 19:03

    Isso de estar a criticar o currículo do Rangel é de rir.

    Publiquem o do Passos Coelho (ou o de Sócrates) a ver se se aproxima do do Rangel…

    E quanto ao actual eurodeputado, o que posso dizer é que foi o segundo melhor professor que tive na faculdade. E conheço-lhe obra escrita que é boa, razão pela qual, se o argumento do currículo valesse alguma coisa – será, quando muito, condição necessária, nunca suficiente -, estaríamos, de longe, em melhores mãos com ele do que com o actual PM ou com o Passos Coelho. Como o currículo é, quando muito, um requisito mínimo de elegibilidade, a única conclusão a tirar é que o Passos Coelho já devia ter desistido.

    Gostar

  27. Anónimo permalink
    21 Fevereiro, 2010 19:45

    #25

    Ninguém está aqui a comparar curriculos. Não se trata de valores relativos. O que interessa é que, em absoluto, o currículo do Rangel indica que ainda tem muito que trabalhar antes de se apresentar como candidato a presidente do psd. Eu não sou psd mas reconheço que faz falta e quero-o, se posso dizer isto, com um líder credível e forte, não um rapazelho.

    E você está desculpado pois deve ser novo, não pensa. Falaremos daqui a mais 10 anitos.

    Gostar

  28. tina permalink
    21 Fevereiro, 2010 22:31

    Para Paulo Rangel, um português que anda lá fora a lutar pela vida e que vai voltar para nos salvar da pulhiche:

    Gostar

  29. anónimo permalink
    22 Fevereiro, 2010 03:36

    Depois de ler as “diatribes” do Furioso:
    Ficam muitas dúvidas sobre quem pode ser o artista, qual será o seu CV e o que fará na puta da vida…

    Gostar

  30. Manuel Silva permalink
    22 Fevereiro, 2010 11:18

    25.- “…o que posso dizer é que foi o segundo melhor professor que tive na faculdade…”
    Para quê fazer eleições no PSD. Já está decidido. Se o melhor professor não se candidata, é óbvio quem deve ser o futuro presidente do PSD.

    Há gente que se não mede.

    Gostar

  31. Outside permalink
    22 Fevereiro, 2010 11:32

    #27 Se o Tim ou o Zé Pedro sobessem que que tinhas associado a “alegre casinha” a esse texto de fâ adolescente pelo “Micromachines” que levava um xuto eras tu !!!

    Gostar

  32. Outside permalink
    22 Fevereiro, 2010 11:34

    “Isso de estar a criticar o currículo do Rangel é de rir.”

    Isso de estar a elogiar o currículo (mas qual currículo??) do Ranjel é de rir.

    Gostar

Trackbacks

  1. Os deslizes de Paulo Rangel « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: