Saltar para o conteúdo

O primeiro debate a 4

9 Março, 2010
by

Realizou-se ontem numa Assembleia Distrital do PSD no Porto:

Castanheira de Barros – folclórico; o PSD é a via verde do país, substituição de cada funcionário público que saia, defesa da linha Porto-Vigo para beneficiar o aeroporto de Vigo, combate ao centralismo lisboeta com a construção de uma nova capital…

José Pedro Aguiar-Branco – a mesma veia agressiva revelada no debate da SIC com Rangel; revela maturidade e consistência nas suas posições; tem propostas com maior profundidade do que aquela que transmitiu na sua intervenção; o seu apelo ao típico “self-made man” laranja remete para valores fundacionais.

Paulo Rangel – estridente, comicieiro e demagógico, claro vencedor nas claques; faz da redução da dívida um desígnio, mas recusa privatizar a RTP ou a CGD; defende um modelo de regionalização que arrisca centralizar ainda mais.

Pedro Passos Coelho – discurso fluido, sabe estar em palco; posição dúbia quanto aos mega-projectos; as PPPs (parcerias público-privadas) de Sócrates são más, as do PSD serão puras e castas; para disfarçar a sua postura centralista, inventou uma bizarra (e inconstitucional) região-piloto.

Entretanto, vem-se falando com insistência crescente na possibilidade de aparecerem mais candidatos. O que terá grandes hipóteses de vir a acontecer, se o próximo Congresso alterar os Estatutos no sentido de permitir a 2ª volta. Marcelo é o mais desejado: o D. Sebastião para uns, a estimulante hipótese de destruir o mito nas urnas para outros (em especial Menezes). Mas também se vai falando de Rui Rio…

Anúncios
14 comentários leave one →
  1. Pi-Erre permalink
    9 Março, 2010 08:35

    O pagode está todo à beira da falésia para ver se enxerga o D. Sebastião.
    Está um nevoeiro cerrado.

    Gostar

  2. 9 Março, 2010 09:40

    É o que se chama literalmente um partido…, em cacos!

    Gostar

  3. 9 Março, 2010 10:08

    Vi de relançe na televisão o Aguiar Branco falar em poupar nos telemóveis, etc.

    Acho muito bem, mas acho que isso não tem nada a ver com o PEC!!!

    Gostar

  4. 9 Março, 2010 10:35

    Realmente, a questão das claques, algumas vindas de fora da GAMP, foi notória e despropositada, mas enfim, populismos estilo RGA. Julgo que a presença da comunicação social no evento condicionou o discurso dos candidatos pois tiveram de medir as palavras entre o discurso para dentro sem os prejudicar fora e o discurso para fora mas sabendo que quem voto são os de dentro.
    Rangel prefere, para já, seguir o estilo populista à Portas. Aguiar Branco demonstra que, infelizmente, partiu tarde pois vale bem mais do que a “relação de forças” apresentada. Já Passos Coelho pareceu muito condicionado pela procura de um discurso para dentro que não prejudique fora, o que se entende por ser, francamente, aquele com mais hipóteses de vir a ser PM.

    Gostar

  5. 9 Março, 2010 10:57

    Marcelo, para já, está concentrado na Liga.
    Se o Braga for campeão, avançará então.

    Gostar

  6. Baltazar, Gaspar, Melchior e ... Bernardo Maria! permalink
    9 Março, 2010 11:29

    Que venha o «Rei D. Sebastião», o quanto antes…!

    Gostar

  7. o desiludido permalink
    9 Março, 2010 13:06

    Imaginem uma arena onde se vai iniciar uma corrida a tres,
    com várias voltas ao recinto.Nos camarotes pouca assistencia e sem muito entusiasmo,batem tímidas palminhas.
    Entram os aletas!!!O primeiro airoso bem parecido,bem falante e acompanhado por grosso apoio,outro surge parece o
    “Malhadinhas de Aquilino”,o homem da meseta ibérica e acompanham-no …os do costume.Ele ,eufórico,não disfarça a
    certeza da vitória.Por fim o terceiro atleta,um perfeito
    produto portuense,de ideias sérias mas “blasê” e sem apoiantes.
    E….inícia-se a funçao que cedo se revela pouco entusiasmante e os assistentes passm a ficar indiferentes
    quanto ao final.
    Do primeiro atleta logo se percebeu que não passva de má
    paisagem e que corria para todos os lados,dreita,esquerda,
    lados,para cima,para baixo…o desejo de vencer cegou-o e cegou os acólitos.O segundo ,que vinha romper,corria a passos muito curtinhos e incapaz de abrir um “buraquinho”.
    O “facies” de vitória,inicial esvaneceu-se,os apoiantes en_
    traram em panico…O Terceiro concorrente,não corria,andava
    em passos largos,mas firmes e bem medidos…mas corridas
    ganham-se a correr…E o público da dúvida inicial passou
    ao assobio,daí à exgencia e em alvoroço grita–Queremos
    gente capaz,Queremos atletas..e não “taparueres”
    Infelizmente este é o momento,actual.. .do PSd

    Gostar

  8. 9 Março, 2010 14:04

    Uma nota rápida só para dizer que claro que a região-piloto proposta por PPC é inconstitucional, por isso é que ele propõe a alteração da constituição nesse ponto!

    A questão, agora digo eu, nem é tanto ser piloto ou não ser, é a obrigatoriedade de as regiões todas serem criadas em simultâneo e segundo o mesmo modelo. Isso não faz sentido nenhum.

    Gostar

  9. 9 Março, 2010 14:38

    TAF,

    De acordo. Mas o ponto é que o PPC inventou a região-piloto sem qualquer convicção e só para agradar a gregos e a troianos e não alienar o apoio do Marco António. Assuma-se como centralista, que é uma posição tão respeitável como a regionalista.

    Gostar

  10. 9 Março, 2010 14:44

    Caro LR, o debate sobre se é “com convicção” ou “sem convicção” é estéril. Cada um tem a sua opinião.
    O que interessa é saber se a proposta faz ou não sentido. Eu acho que faz todo o sentido:

    1) que as regiões não sejam necessariamente simultâneas;
    2) que cada uma possa ter o seu modelo de acordo com a escolha da sua população;
    3) que se houver uma em estado de criação mais avançado possa ser usada como experiência.

    Já leste o livro do PPC? Pode ser que mudes de opinião sobre se as propostas dele são ou não centralistas. 😉

    Gostar

  11. 9 Março, 2010 14:47

    TAF,

    “Caro LR, o debate sobre se é “com convicção” ou “sem convicção” é estéril.”

    Não é nada estéril. Pode ser um indicador precioso da capacidade e da vontade de implementar o que se promete.

    Gostar

  12. 9 Março, 2010 14:52

    #11 É estéril no sentido de que é impossível saber qual é a verdade. É quase como pedir prova da existência de Deus. 😉

    Gostar

  13. 9 Março, 2010 14:57

    TAF,

    A minha dedução decorre apenas de declarações e atitudes, presentes e passadas. Ok, o homem poderá evoluir no futuro…

    Gostar

  14. 10 Março, 2010 00:54

    Paulo Rangel é uma espécie de Marcelo que berra. Ambos falam muito, mas ainda não se decidiram a apresentar propostas concretas. Perdem-se em soundbytes e intrigas. O primeiro, de candidatura assumida, herdou o populismo do primeiro partido que o acolheu e ao segundo reserva-se-lhe uma cobardia que contrasta com a coragem de quem fundou o partido.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: