Skip to content

Apoio psicológico*

23 Março, 2010

Há alguns anos os alunos duma universidade portuguesa resolveram integrar nas praxes a simulação do assalto a um banco. Pressurosa a comunicação social avisava nos dias seguintes que os ditos jovens assaltantes já contavam com apoio psicológico. Desde então a garantia de apoio psicológico não tem faltado, seja após a queda de pontes, despiste de automóveis ou o naufrágio de embarcações de pesca. Assim quando a segurança falha ou os serviços funcionam mal garantem-nos não investigação e apuramento do sucedido  mas sim psicologia, como se tudo se resumisse a uma questão de comportamentos e não de responsabilidades. Prestar apoio psicológico aos cidadãos está mesmo a tornar-se na principal vocação do Estado português: numa rua onde passo  todos os dias está uma sarjeta partida há mais de quatro anos. A junta de freguesia dessa zona tem gabinetes de apoio psicológico, terapia familiar, mediação familiar, formação parental, animação cultural para combater o isolamento,  apoio a vítimas de violência doméstica e de bullying. Arranjar sarjetas é que não está na sua vocação e creio que no dia em que algum carro se enfie na dita sarjeta ou que a mesma cause uma inundação nos garantirão apoio psicológico e dirão que a sarjeta nos sujeitou a bullying.

*PÚBLICO

Anúncios
98 comentários leave one →
  1. Pi-Erre permalink
    23 Março, 2010 15:24

    Psicologia é uma daquelas disciplinas em que não se sabe onde acaba o charlatanismo e começa a ciência.
    Por isso dá para todas as conveniências.

    Gostar

  2. 23 Março, 2010 15:27

    Acabei de escrever este comentário a um post anterior do JMF.
    e parece-me que também encaixa bem em comentário a este post.

    «“Os tugas têm este problema com o complexo de inferioridade.
    Ou se agarram ao passado imperial ou se metem à boleia nas aspirações imperiais dos outros.
    Nunca conseguem ter a noção certa das suas raízes e da sua identidade.” – Zazzie (69)

    Divido os tugas em dois grupos: os estrangeirados (e os tanto-lhes-faz) e os lusitanos ou portugueses.

    Os “estrangeirados” (ao contrário dos “lusitanos”) não valorizam as suas raízes, o seu fabuloso património civilizacional HUMANISTA, não acreditam nas suas próprias capacidades e como tal papagueiam ideias de outros totalmente descontextualizadas, sem qualquer tipo de reflexão, sem aderência à realidade, … – do tipo “por que sim”, é “modernaço”, por que vem do “estrangeiro” e todo o tipo de tangas associadas.
    Os tempos de declínio da pátria Lusa sempre estiveram associados a períodos históricos em que os Lusos, por preguiça ou ingenuidade, permitem que os Estrangeirados exerçam o Poder. Estamos a viver um destes momentos históricos de declínio.»

    Repare-se a palhaçada importada dos States de “psicologizar a sociedade” própria dum país com fraquíssimas raízes históricas e que procura uma fórmula de o fazer de formas experimentalistas, algo completamente idiota para um país/povo de raízes seculares como o nosso (!)

    Gostar

  3. 23 Março, 2010 15:29

    # 1

    Errado.

    Gostar

  4. Romão permalink
    23 Março, 2010 15:32

    #3.

    Onde?

    Gostar

  5. Rxc permalink
    23 Março, 2010 15:33

    Formam-nos e dão-lhes emprego em seguida.
    Que raio de escolha a minha, que fui para uma área produtiva, onde se criam novos produtos, e o Estado só se interessa para nos cobrar impostos…

    Gostar

  6. 23 Março, 2010 15:45

    … e os psicólogos e os arquitectos são dos licenciados com menor nível de empregabilidade

    Gostar

  7. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 15:51

    #2 Totalmente de acordo. Umas viagens que alguns responsaveis ignorantes fizeram em tempos aos paises nordicos é que puseram a educação deste país no estado em que está.

    Gostar

  8. agonia permalink
    23 Março, 2010 15:55

    Perguntem ao rui pedero soares que diz ser do fcp e a outros seus camaradas se eles precisam de apoio psicológico. Só os tótós não inscritos a tempo na central dos ratos é que precisam.

    Gostar

  9. Bruno permalink
    23 Março, 2010 15:59

    #4
    Psicologia é uma ciencia (inexacta). Está mais sujeita ao charlatanismo por basear grande parte do seu trabalho no dialogo. As outras “ciencias” (ditas “tradicionais”) baseiam-se mais na logica, trabalho pratico e seguem um metodo cientifico rigoroso.
    Além disso, poder-se-ia afirmar que quase todas as ciencias sociais podem estar sujeitas ao charlatanismo.
    Agora é errado afirmar que o charlatanismo faz parte da psicologia.

    Em relaçao ao post, peca pela simplicidade. Uma coisa nao tem nada a ver com a outra, nao é por haver apoio psicologico que as sarjetas nao estao a ser arranjadas, é simpleasmente por nao haver quem as arranje. Onde a Helena escreve “gabinetes de apoio psicológico, terapia familiar, mediação familiar, formação parental, animação cultural para combater o isolamento, apoio a vítimas de violência doméstica e de bullying” podia escrever simplesmente “dinheiro mal gasto” e isso implicaria que voce é contra o apoio psicológico. Foge ao que pensa mas é politicamente correcta…

    Gostar

  10. NGUNGA permalink
    23 Março, 2010 16:07

    Também preciso de apoio psicológico.Isso ou um produto que branqueie muito…

    Gostar

  11. helenafmatos permalink
    23 Março, 2010 16:13

    9. Uma coisa tem tudo a ver com a outra. Duvido muito que o trabalho dos psicólogos nestes gabinetes tenha algum proveito. Mas mesmo que fosse óptimo e recomendado a verdade é que as autarquias não prestam os serviços que são da sua competência e inventaram outros. Com a agravante de que psicólogos há muitos e não apenas nestes gabinetes. Quanto às sarjetas mesmo que quisesse não a posso mandar arranjar pq tal é responsabilidade da autarquia. Ainda levava uma multa!

    Gostar

  12. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:17

    #11.

    Ainda há pouco tempo estive numa conferência onde a abertura versava o tema “psicologia: que futuro?” mais coisa menos coisa. O que o orador, psicólogo de profissão e professor universitário afirmava, em versão condensada, é que a psicologia tinha tanto valor clínico como a conversa de café. E para isso citava, pasme-se, estudos em psicologia clínica e experimental. Agora só precisamos aferir o valor terapêutico da conversa de café.

    Gostar

  13. Portela Menos 1 permalink
    23 Março, 2010 16:17

    Tivesse a lei sobre a reforma da saúde – que contempla uma das maiores mudanças na sociedade americana e que já é conhecida como a lei dos direitos cívicos do século XXI – sido rejeitada pela Câmara dos Representantes e estariamos aqui a ler posts do Blasfémias a deitarem foguetes e a apanharem as canas.
    Assim, no pasa nada!

    Gostar

  14. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:19

    Até sugeria que os calceteiros e os psicólogos trocassem de mester de vez em quando. Acho que uns e outros não prejudicariam o trabalho alheio e até arejavam o espaço entre as orelhas.

    Gostar

  15. Rxc permalink
    23 Março, 2010 16:22

    13, e vai haver dinheiro para pagar isso? Já agora, percebe o que está na lei? Não é propriamente a implementação dum SNS ou NHS…Ou leu só as gordas nas bancas e os rodapés dos telejornais?

    Gostar

  16. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:22

    #13.

    Felizmente, passou. E vai mudar tudo. Infelzmente apanha a América na fase do declínio imperial e para muitos (que põem no lugar do Cristo na cruz o Dolar ou o Euro) contribuirá para o fim do Império (já acabou, só não vê quem quer arranjar desculpas a posteriori.)

    Gostar

  17. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 16:26

    É a habitual mistura de alhos com bugalhos.

    O apoio psicológico impede a reparação das sarjetas?

    Gostar

  18. Critico permalink
    23 Março, 2010 16:26

    Lá está, estas quantidades astronómicas de apoios psicológicos dúbios servem de “Cavalo de Tróia” e são aplicados a torto e a direito. Assim, estas áreas desde psciologia,sociologia e outras “ias” podem ser abordadas de forma abusiva para colmatarem de forma leviana lacunas graves.
    Com a proliferação do culto da vitima em que se vive, é natural que estas áreas que podem trilhar caminhos sinuosos possam ser utilizadas facilmente.
    O Estado,como está salientado no Post,só aproveita esta maré digamos, “humanista”, que se tem conciliado bastante bem com a politica e governação, negligenciando intencionalmente aspectos tidos como óbvios,e agora com a possibilidade de servirem de elemento distractivo e desculpabilização através de retórica barata.

    Gostar

  19. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 16:27

    Cansado de ver as figuras legendadas de natureza pornográfica explícita há mais de cinco anos escritas numa parede lateral de prédio social (ao fim dos cinco anos terminei o período de espera utilizado para aferição), virada para o jardim infantil que está exactamente em frente, fui incomodar os tipos da junta com o problema. Rapidamente, diga-se a verdade, foram lá proceder ao apagamento. Mas apagaram – borratando – apenas a parte dos genitais e deixaram ficar todo o resto da figura. É um problema cultural que só se resolve à pistola.

    Gostar

  20. 23 Março, 2010 16:31

    A Psicologia tem metodologias quantitativas e qualitativas, especialidades, profissionais, instrumentos, correntes, paradigmas, estatutos, código deontológico, Ordens e Associações de profissionais, revistas e jornais revistas por pares… Enfim… Tudo o que é necessário para ser considerada um ramo científico, estatuto que se mantém há pelo menos mais de 1 século, desde o laboratório de Wundt em Leipzig.

    Agora, é uma ciência social que lida com o objecto mais complexo que existe (ser humano, suas atitudes e comportamentos). Nada é exacto como o 1+1=2 , mas descartar todos os contributos da Psicologia (e das ciências sociais em geral) ao longo da História é retroceder civilizacionalmente.

    Se vão atacar as ciências sociais pela falta de elementos exactos, por que não começar pela Economia? É que está bastante mais sujeita a charlatães e a todo o tipo de opiniões sem propriedade. E são charlatães bem mais perigosos para o bem-estar comum…

    Espero que se deixe para trás este tipo de cinismo reinante (no post e comentários), que só revela ignorância e expõe ao ridículo.

    Gostar

  21. 23 Março, 2010 16:32

    Psicologia é uma ciencia.

    O acto clínico ou terapêutico é uma “arte”.

    Gostar

  22. o pessimista permalink
    23 Março, 2010 16:41

    Quem disse que não vamos precisar de apoio psicológico?
    É sempre bom saber o que nos espera.
    ” Germany has set three conditions on agreeing a mechanism to help Greece. First (and this chimes with the tough briefings on offer yesterday), Greece must have exhausted all chances of securing financing from the markets. Secondly, the flinty-hearted hardmen of the International Monetary Fund must be involved in the rescue package, and make a “substantial contribution” to any funding. Finally, the EU must negotiate tough new rules on debts and deficits that will impose more budgetary discipline than before, even if that involves changing the treaty change (which nobody wants to do)”.

    Gostar

  23. 23 Março, 2010 16:46

    Teríamos que questionar como são os executivos das Juntas de Freguesia (…) Tipos do aparelho da partidarite nacional, muita saloiada que vão na “onda” ou por “modas”.

    Se a Helena Matos tentasse saber de que apoio psicológico se trata perceberia que aquilo é tudo “Folklore” para papalvo “comer”.

    Mais.
    – As escolas têm rácios de 5000 alunos para um psicólogo escolar, quando o têm;
    – As Juntas de freguesia e Câmaras Municipais “estão” nas escolas e, com excepção duns meses de estágio de algum futuro psicólogo, não têm verbas para contratualizar ninguém.

    Saloiada.

    Gostar

  24. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 16:47

    Parece que para a autora do post é mais importante uma sarjeta partida do que um ser humano com a psique estilhaçada.

    Gostar

  25. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:48

    #20.

    Pelo que toca a HM, não me parece que esteja a atentar ao estatuto científico da psicologia. Apenas limita-se a chegar à conclusão não despicienda que são necessários mais cantoneiros que psicólogos. Parece óbvio, mas não é esse o entendimento político por cá.

    Relativamente ao “estatuto” e contributos da Psicologia moderna, tenho a certeza que quando as neurociências evoluírem o suficiente para explicar bem o que a Psicologia explica mal, alguém terá que – finalmente – rever os fundamentos conceptuais, que são os mesmos há quase um século.

    Gostar

  26. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:51

    Andar para a frente e ocupar postos de trabalho é engraçado e dá pão para a boca, mas à força de meter a psicologia em tudo (já nem existe gente má, outrossim “perturbada”; nem gente enfurecida, mas “descompensada”) acabam por sufocar a galinha por via da destituição de crédito científico.

    Gostar

  27. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:54

    De resto foi o natural maravilhamento da Associação Americana de Psicologia, que com o rebentar da WWII e da guerra do Vietname foi conquistado nichos de mercado até chegar aos tribunais e às famosos e tão discutidas inimputabilidades. Qualquer dia é obrigatória a consulta psicológica pré-nupcial. Até me admiro de só verem mercado no aconselhamento pós-matrimonial.

    Gostar

  28. 23 Março, 2010 16:56

    O grande trabalho dum psicólogo, sobretudo em contexto escolar, é na prevenção e no aconselhamento, quando a sintomatologia neurótica ainda não está instalada.

    No campo psicoterapêutico, de gabinete, as intervenções requerem, geralmente, um longo tempo de treino especializado numa Associação Científica pós licenciatura e muita experiência com supervisão. Muito dispendioso.

    Gostar

  29. Romão permalink
    23 Março, 2010 16:56

    Os Rorschach, os testes projectivos mais importantes da psicologia, estão, qualquer dia, ao nível clínico do ranho que se espreme no kleenex.

    Gostar

  30. Miguel permalink
    23 Março, 2010 16:57

    Dois individuos de Lisboa, radicados no Porto, conversam sobre férias, e diz o primeiro:

    – Este ano num bou seguir os teus cunseilhos!

    – Então e porquê?

    – Então, em dois mil e seis sujeriste-me o Habay. Eu fui e a Maria
    engrabidoue! Em dois mil e sete sujeriste-me a Republica Duminicana.
    Eu fui e a Maria engrabidoue! Em dois mil e oito mandaste-me pró Brazil. Eu
    fui a Maria engrabidoue! F.d.-se… num confio mais em ti, carago!

    – Deixa-te de merdas! Este ano bai mas é às Ilhas Seixeles, mas tens que
    tomar um cuidado!

    – Cuidado! que cuidado?

    – Desta bez leba a Maria cuntigo, carago!!!

    A PUREZA DO HOMEM DO SUL, CARAGO!!!!!!!!!!

    Gostar

  31. 23 Março, 2010 16:58

    Está-se mesmo a ver que uma Junta tem dinheiro para pagar a um Psicoterapeuta …

    Tangas.

    Gostar

  32. Romão permalink
    23 Março, 2010 17:00

    #31.

    Ui. Que há poucos. Quantos quer a preço de mulher-a-dias?

    Gostar

  33. 23 Março, 2010 17:01

    Em Lisboa, existia a Escola de Calceteiros. Os mestres calceteiros.

    Ainda existirá?

    As prinicipais calçadas de Lisboa estão TODAS assinadas. Uma arte portuguesa. Lindíssima.

    Gostar

  34. 23 Março, 2010 17:03

    # 32

    M/ Resposta em # 28

    Gostar

  35. Horatio César, a bordo do seu Paquete ,zarpando do Mónaco, a caminho Iraklion... permalink
    23 Março, 2010 17:05

    Uma das maiores tretas que se surgiram neste «estado social» foi as multiplas valências de «apoio» psicológico prestados pelo Estado e organismos que gravitam à sua ordem.

    Um estado completamente falhado, que não consegue criar economia e felecidade para o seu povo, anda a «engonhar» a sua população com essas tretas alegadamente cientificas.

    O qué preciso para socorrer às «doenças psiquicas» da população é emprego, liberdade de fazer e produzir, menos impostos para alimentar esses cancros da sociedade, menos impostos para alimentar o circuito legal da corrupção, menos leis e menos contrôles do Estado sobre os cidadãos.

    Deixemos de tretas

    .

    Gostar

  36. Romão permalink
    23 Março, 2010 17:06

    #34.

    Que resposta? Em #31. diz que as Juntas não têm dinheiro para psicólogos. Eu digo-lhe que o que não falta aí são psicólogos no desemprego e a trabalhar por tuta e meia para não chular os pais ou aturar o velhote que quer pornografia sem pagar no call-center da Zon. Donde, que resposta?

    Gostar

  37. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 17:09

    Abriu a guerra entre os calceteiros e os psicólogos.

    Gostar

  38. 23 Março, 2010 17:13

    Voltando ao post.

    Claro que o “apoio psicológico” e tal É MAIS UMA DAQUELAS GRANDES TANGAS. Para saloio “comer”.

    Informem-se sobre psicólogos escolares, ou psicólogos conselheiros, e tirem as vossas conclusões.

    Os psicólogos, a par dos arquitectos e outros licenciados, constituem o grosso do contingente de desempregados do país.

    Gostar

  39. 23 Março, 2010 17:14

    Informem-se sobre o número de psicólogos escolares, ou psicólogos conselheiros a trabalhar em toda a rede de escolas públicas do país, e tirem as vossas conclusões…

    Gostar

  40. 23 Março, 2010 17:15

    #25

    As “neurociências” podem ter um futuro promissor, mas se acha que a experiência humana pode ser descrita em termos fisiológicos, então a sua frase final já faz mais sentido. O seu conhecimento da Psicologia é realmente do início do séc.XX, e não quis acompanhar as diversas (r)evoluções que houve.

    De resto, o seu primeiro parágrafo faz sentido, se realmente é essa a leitura da helenafmatos. Mas parece-me óbvio que vai para além disso. Ataca mais uma vez o lugar, estatuto e necessidade de uma ciência social. Para a senhora, e a maioria dos que visitam este blogue, as soluções são fáceis, as pessoas é que são estúpidas ou fracas. Não me revejo nisso, e detesto o cinismo com que misturam assuntos (neste caso é mesmo abusivo) e desvalorizam profissões e saberes na onda…

    As vítimas de violência doméstica são umas coitadinhas, quem tem uma família disfuncional é um inepto, e quem chora familiares vítimas de acidentes têm é de se por fino rapidamente, porque a vida é mesmo assim e têm é de trabalhar!!!!

    É esta a lógica subjacente, individualista, mesquinha e uma série de outras coisas que não tenho tempo para escrever.

    Gostar

  41. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 17:16

    ó helena matos …

    tome atenção aos nutricionistas … também têm um bom lobbying para lhes arranjarem sinecura estatal …

    e tb aquela malta inefável da “acreditação” ,e “certificação de côlidade”

    há mais por aí …

    como sabe , a gente não produz nada para exportar , nem há vontade de investir na iniciativa privada … logo , ou se emigra , ou o Estado cria por efeito legislativo … uns empregozitos … seja no aconselhamento psicologico , ou qq m…. que a imprensa martele e o governo acha que dá bom spin

    Gostar

  42. helenafmatos permalink
    23 Março, 2010 17:26

    Há umas almas especialistas em dar a volta à questão. O que claramente condeno é que as juntas de freguesia e as câmaras não façam o que devem e que niguém mais pode fazer por elas

    Gostar

  43. Horatio César, a bordo do seu Paquete ,zarpando do Mónaco, a caminho Iraklion... permalink
    23 Março, 2010 17:28

    nO meu concelho a Cãmara Municipal farta-se a fazer festas, eventos e comezainas.

    Tapar os buracos e tirar os lixos da cidade é que está dificil.

    Mais obra e menos propaganda ou psicologia da batata doce.

    Gostar

  44. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 17:34

    enquanto houver gente para pagar impostos vai dando … mas com desemprego á solta , prémios de desempenho nas EPE , e a malta a reformar-se em barda mesmo com penalizações … em breve o País fecha .

    gozem !!!!! mas o Medina Carreira ia avisando … e entretanto o governo tem uns novos Audis supimpas … daqueles com faróis ás bolinhas … coisa para armar aos ricos !!!!!

    Gostar

  45. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 17:35

    armar aos ricos = politicos em Portugal

    Gostar

  46. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 17:36

    quero lá saber que seja em leasing !!!! se não é de borla , é uma escandaleira

    Gostar

  47. Forum Novas Roubalheiras permalink
    23 Março, 2010 17:54

    Quem está a precisar de apoio psicológico é o filho do Sr.Presidente dos Açores, Carlos César.

    Ora vejam aqui:

    http://metro-dos-acores.blogspot.com/2010/03/o-menino-que-bate-em-toda-gente-mas.html

    Gostar

  48. lucklucky permalink
    23 Março, 2010 18:06

    “Psicologia é uma daquelas disciplinas em que não se sabe onde acaba o charlatanismo e começa a ciência.
    Por isso dá para todas as conveniências.”

    Por causa desse comodimo intelectual e fuga das decisões difíceis onde é possível algo e o seu contrário e a justificação de tudo e mais alguma coisa que a Escola desviou-se da Matemática, Ciências e inevitavelmente da nova economia: fabricação de produtos que têm de funcionar. Para as ciências humanistas onde vale tudo com a vantagem adicional de se poder fingir com facilidade que se faz alguma coisa. Enquanto um carro que não funciona tanto o é para um neoliberal como para um ferrenho comunista ou um esquerdista politicamente correcto. Ainda não ouvi nenhum dizer que a avaria no carro é culpa da sociedade.

    Gostar

  49. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 18:17

    35 e 43

    conheço casos iguais e assino por baixo

    Gostar

  50. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 18:24

    Lucklucky

    Mais um bom exemplo :

    Bom !! a Matemática já teve melhores dias .Na sua vertente de Contabilidade , depois das auditorias geniais á Worldcom , Enron , BPN e BPP … e suas auditorias depois das broncas a seguir e em sentido inverso ás primeiras , … é o que se quer DESDE QUE SE POSSA PAGAR ao TOC e ROC ou Major Audit da area …

    Ciências Exactas , hoje não conheço … nem dá para acreditar em INEs e estudos do BPortugal …

    Acreditar em Deus é mais seguro …

    Gostar

  51. Romão permalink
    23 Março, 2010 18:24

    #40.

    A HM não necessita que eu diga que ela não faz nada disso de que a acusa (o ataque, nas suas palavras, ou a crítica, nas minhas, são meus). Diz simplesmente o que disse em #42: que os organismos se escusam a fazer o que lhes compete e que têm recursos mal alocados.

    Conquanto à sua ideia de violência doméstica e de luto, a impressão que tenho é que a psicologia serve precisamente para reconduzir as pessoas à funcionalidade: trabalhar, fazer a vida, como lhe queira chamar. É melhor porque leva mais tempo? Ou não tem tempo para explicar?

    Relativamente às (r)evoluções que menciona e que sejam verdadeiras revisões conceptuais dos fundamentos da psicologia (como o cartesianismo para a filosofia, p. exemplo) não me recordo de nenhuma. Care to share? Ou também não tem tempo senão para deixar elaboradas postas de desdém?

    Gostar

  52. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 18:28

    até os Prius da Toyota falharam …

    ao que isto chegou

    só falta o Obama conseguir um plano de saúde sem dinheiro para o pagar … ou conseguir um rating chinês qq para isso … o dalai lama é que definitivamente se lixa depois desta …

    us is defaulting as the days are passing by , we … para lá caminhamos com o nosso Tex dos Santos

    Gostar

  53. AMendes permalink
    23 Março, 2010 18:32

    Ironicamente:

    http://www.publico.pt/Sociedade/um-em-cada-cinco-portugueses-sofre-de-perturbacoes-psiquiatricas_1429031

    “Um em cada cinco portugueses sofre de perturbações psiquiátricas, […]. Em comparação com dados de outros seis países europeus Portugal é o que tem a prevalência mais alta, com números que se aproximam dos Estados Unidos

    Gostar

  54. honni soit qui mal y pense permalink
    23 Março, 2010 18:38

    53

    que tal criar um plano de combate ás perturbações psiquiatricas com portal web , aconselhamento 24 h com linha própria , quiosque multimedia em loja de cidadão , e psiquiatra de proximidade ?

    isso é que era saúde,oportunidades de emprego , e spin a dar com um pau !!!!! era abertura de telejornal e tudo( não lhes deem ideias )

    Gostar

  55. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 18:39

    este rometa é um artista, agora faz serenatas à de matos.

    Gostar

  56. JP Ribeiro permalink
    23 Março, 2010 18:47

    O que não funciona (nas Camaras e no país) não é apenas o arranjo das sarjetas ou os buracos da rua. O que não funciona são também os gabinetes de apoio psicológico, terapia familiar, mediação familiar, formação parental, animação cultural para combater o isolamento, apoio a vítimas de violência doméstica e de bullying. Tenho experiência pessoal de que tudo isso é uma aldrabice, uma treta. Todos os serviços do Estado ou não funcionam ou funcionam mal. De vez em quando investem-se milhões e lá aparece um serviço novo, para encher os olhos, e dar uns minutos de TV. Um ano depois voltou tudo ao antigamente. O Estado é assim, e as pessoas honradas que lá ainda trabalham são uma ínfima minoria.

    Gostar

  57. Choque Ratológico permalink
    23 Março, 2010 18:50

    A única diferença entre um psicólogo e um aldrabão é que no segundo todos votam.

    Gostar

  58. Anónimo permalink
    23 Março, 2010 19:12

    Cuidado com o Rometa. Não percebe aquilo que se escreve e depois comenta a eclosão dos grelos na batata.

    Gostar

  59. 23 Março, 2010 19:32

    Cresci numa daquelas saudosas veredas, 4 placas de tabique e um buraco no chão para fazer a necessidade.

    Mãe na voz do Operário, Pai pardo a cobrar dinheiro ao Fernando Pessoa, e um crescendo de heroína, prostituição, assaltos e 133.

    No caldo pós PREC, decidiram distribuir casas. Com pompa e socialismo deram (??) um t2 à minha Mãe.
    Visitaram-me 2 vezes e sempre foram pessoas extemporâneas (??) aos serviços que administravam o bairro.

    Problemas aqui e problemas ali, esses psicólogos que a Helena Matos identifica, são o garante de voto dos sucessivos governos. São gente considerada “Classe Média” que servem de capa ao socialismo Português. É o alvará da maldita cláusula da nossa Constituição que garante IGUALDADE.

    Nos gabinetes da Gebalis existem às centenas, que prontamente reconhecem o “Nosso” oproblema.

    Gostar

  60. 23 Março, 2010 20:18

    Nos gabinetes da Gebalis existem às centenas, que prontamente reconhecem o “Nosso” o problema, mas que infelizmente no “momento não é possível atender às nossas necessidades”.

    Psicólogos mas é a treta!

    Gostar

  61. 23 Março, 2010 20:19

    «Os psicólogos, a par dos arquitectos e outros licenciados, constituem o grosso do contingente de desempregados do país.»

    Porque precisamente o mercado está sobrelotado e já não há mais criatividade para criar postos.

    Gostar

  62. Forum Novas Roubalheiras permalink
    23 Março, 2010 20:21

    23% da população portuguesa sofre de doenças portuguesas.

    Realmente eu já tinha reparado que Portugal é «Júlio de Matos» ao ar livre.

    Com a permanência do Palhaço à frente do Governo é muito provável esse indíce subir para 50%!

    Gostar

  63. Dr.House permalink
    23 Março, 2010 20:22

    O QUE FALTAM É PSIQUIATRAS QUE TAMBÉM, MUITAS VEZES, SÃO MAIS DOIDOS QUE OS ALEGADOS PACIENTES.

    Gostar

  64. Forum Novas Roubalheiras permalink
    23 Março, 2010 20:25

    Correcção:

    «23% dos portugueses sofrem de doenças PSIQUIÁTRICAS»

    Obrigado,

    Gostar

  65. Choque Ratológico permalink
    23 Março, 2010 20:48

    «23% dos portugueses sofrem de doenças PSIQUIÁTRICAS»…potuguesas!

    Como por exemplo o súcialismo,que consiste em acreditar que o que é dos outros é nosso.

    Gostar

  66. Pi-Erre permalink
    23 Março, 2010 20:52

    INVERSÃO DE VALORES

    CARTA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE (ASSUNTO VERÍDICO).

    *Carta enviada de uma mãe para outra mãe no Porto, após um noticiário na TV:

    De mãe para mãe…

    ‘Vi o seu enérgico protesto diante das câmaras de televisão contra a transferência do seu filho, menor, infractor, das dependências da prisão de Custoias para outra dependência prisional em Lisboa.
    Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter, para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela mesma transferência.
    Vi também toda a cobertura que os média deram a este facto, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONG’s, etc…

    Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero, com ele, fazer coro. No entanto, como verá, também é enorme a distância que me separa do meu filho.
    Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo.
    Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

    Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou cruelmente num assalto a um vídeo-clube, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite.

    No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias ao seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores na sua humilde campa rasa, num cemitério da periferia…

    Ah! Já me ia esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, pois eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá, na última rebelião de presidiários, onde ele se encontrava cumprindo pena por ser um criminoso.
    No cemitério, ou na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante dessas ‘Entidades’ que tanto a confortam, para me dar uma só palavra de conforto, e talvez indicar quais “Os meus direitos”.

    Para terminar, ainda como mãe, peço “por favor”:
    Faça circular este manifesto! Talvez se consiga acabar com esta (falta de vergonha) inversão de valores que assola Portugal e não só…
    Direitos humanos só deveriam ser para “humanos direitos” !!!

    Gostar

  67. 23 Março, 2010 22:33

    #51

    Não tem estado atento… Tudo na Psicologia foi evoluindo, desde o objecto, aos métodos e instrumentos utilizados para o investigar, da estrutura das hipóteses à forma como os resultados devem ser interpretados. Não nego que é uma ciência diferente, mas a complexidade do ser humano a isso obriga, ou seja, não existe 1 paradigma vigente, mas vários ramos ou especialidades (Social, Industrial/Organizações, Educação, Clínica, Desviante, Personalidade, etc.) cujos percursos têm sido feitos no sentido da substituição de paradigmas por outros mais robustos. Vá a uma biblioteca ou ao Google, estude e informe-se. Deixo-lhe também alguns nomes responsáveis por várias (r)evoluções: Sigmund Freud, Serge Moscovici, Noam Chomsky, Albert Bandura, Jean Piaget, Henri Tajfel, Abraham Maslow, Philip Zimbardo, Fritz Perls, Carl Rogers…

    #42

    O seu post não é inocente. Se a helenafmatos queria apontar as responsabilidades camarárias ao nível dos pavimentos ou sarjetas, podia perfeitamente referir o caso prático que mencionou, acrescentando outros que tais e compondo o ramalhete com uma petição ou um link para um episódio do “nós por cá”. Mas não. Não resistiu a meter ao barulho as suas convicções acerca dos psicólogos e da pertinência do seu trabalho. Desdém revelou a autora, tanto dos profissionais como dos utentes.

    Só faltou dizer que aquelas instituições públicas não servem para essas mariquices e que os cidadãos não têm outras necessidades senão ter o chão que pisam em condições. Mas pronto, no fundo, só queria dizer que “a Junta tem a responsabilidade de ir arranjar a sua sarjeta” não é? Descobriu a pólvora. Já mandou uma cartinha para lá, ou é preciso ir à televisão?

    Gostar

  68. xtremis permalink
    23 Março, 2010 22:34

    #66

    Eu sei que a intenção é boa, e que provavelmente apenas “copiou-paistou” o texto que recebeu.

    Mas das duas, uma: ou se deixa o original tal como está, ou então traduz-se tudo! Não faz grande sentido dizer que é uma carta “verídica”, de uma mãe “no Porto” e depois pelo texto perceber-se perfeitamente que é uma adaptação de um texto brasileiro.

    Repito, a intenção era boa e concordo com o conteúdo. Mas estes pequenos detalhes estragam logo tudo.

    Como diria o outro: “o diabo está nos detalhes”…

    Gostar

  69. 23 Março, 2010 22:49

    Seria muito interessante os jornalistas divulgarem o número de psicólogos escolares a trabalhar na rede de escolas públicas de todo o país – os Serviços de Psicologia e Orientação (…)

    Seria muito interessante os jornalistas divulgarem o número de psicólogos clínicos a trabalhar na rede nacional de cuidados de Saúde Mental (…)

    Gostar

  70. xtremis permalink
    23 Março, 2010 22:54

    #67

    Caro DC,

    Percebo o seu ponto de vista exaltado. Pondo-me na sua pele, seria como se o post dissesse que uma qualquer camara ou junta de freguesia tem “informáticos a mais”, quando há buracos por tapar. Também ficava irritado, que diabo! É a minha profissão! (da qual, por acaso, até gosto muito)

    No entanto, há que entender o tom, por vezes um bocadinho ácido, da Helena. Temos que concordar que “tapar buracos” faz parte das funções elementares de uma junta de freguesia, dado que é justamente a essa entidade que compete zelar pelo espaço público. O que creio que a Helena pretende enfatizar é o facto das funções da junta (ou do estado, em ponto maior) se desviarem do que é o seu essencial para algo que não faz bem parte do seu “core”.

    Se é certo ajudar as vítimas, sejam elas quem forem? É certíssimo. É correcto. É humano. A psicologia tem bons e maus profissionais? Tem bons e maus momentos? Sem dúvida. Como todas as profissões e áreas. Agora, deverá ser a junta de freguesia a providenciar esse apoio? Não me parece. Nesse aspecto concordo com a Helena. E vou um bocadinho mais longe. Porque é que em vez da junta de freguesia ter sob a sua alçada todos esses serviços de apoio e acompanhamento, porque é que os mesmos não são assegurados por um centro de saúde da zona? Ou um hospital?

    Não é uma questão de “mariquices”. Repito, a psicologia tem o seu lugar e a sua validade. É mesmo uma questão de “papéis” e de cada proverbial “macaco” o seu galho. Repare, se a junta tivesse sob sua alçada um grupo de dentistas, parte de um gabinete de “luta pela saúde dentária”, se calhar ia achar deslocado. Iria, talvez, perguntar “porque não ginecologistas? Ou médicos de clínica geral?”.

    A vocação das juntas não me parece ser tratar directamente do bem estar físico e psicológico (cá está) dos cidadãos. Essa vocação será dos centros de saúde e dos hospitais e demais serviços similares.

    Não podemos é, tanto de um lado como do outro da conversa, entrar no argumento do “homem de palha”: as “mariquices das psicologias” e a “porcaria da sarjeta entupida”.

    Do meu ponto de vista, os posts da Helena devem ser sempre lidos com um “grain of salt” 🙂 Não no sentido de não concordar com eles (a esmagadora maioria das vezes concordo), mas mais no sentido de por vezes serem bastante “crus” (no bom sentido da palavra). Por contraste, por exemplo, os posts do João Miranda são sempre bastante pragmáticos. Um post do João Miranda sobre este assunto provavelmente resumir-se-ia ao seguinte:

    “orçamento da junta de freguesia de ABC para psicólogos – 100.000.000.000 €
    orçamento da junta de freguesia de ABC para calceteiros/reparadores de sarjetas – 10.000 €”

    🙂

    Obviamente estou a exagerar. E espero que nenhum dos visados se ofenda 🙂

    Gostar

  71. 23 Março, 2010 22:56

    # 67

    Não concordo consigo.

    As Juntas de Freguesia não existem para “Prestar apoio psicológico aos cidadãos está mesmo a tornar-se na principal vocação do Estado português: numa rua onde passo todos os dias está uma sarjeta partida há mais de quatro anos. A junta de freguesia dessa zona tem gabinetes de apoio psicológico, terapia familiar, mediação familiar, formação parental, animação cultural para combater o isolamento, apoio a vítimas de violência doméstica e de bullying.”
    Essa competência é dos Serviços de Saúde do SNS, do Centro de Saúde local. Certo?

    Arranjar sarjetas, entre mil e um outros aspectos, é que é a sua vocação.

    Gostar

  72. xtremis permalink
    23 Março, 2010 23:08

    #71

    Se tivéssemos combinado não tinha saído tão bem 😉

    Gostar

  73. 23 Março, 2010 23:09

    A Faculdade de Ciências Bio Médicas da UL acaba de divulgar um estudo, iniciado há dois anos, sobre a taxa de incidência de doenças mentais na população portuguesa – 23%, sendo 6% de patologia graves – psicoses (altíssima).
    É só a taxa mais elevada da Europa e consta parecida á dos EUA (…)

    Gostar

  74. 23 Março, 2010 23:19

    #70

    Também eu percebo o seu ponto de vista.

    Mas aqui temos diferenças no que se refere ao “core”. Para mim, uma instituição pública deveria avaliar continuamente as necessidades da sua população, e gerir a sua parte dos dinheiros públicos de forma a tentar supri-las.

    Se as juntas, enquanto instituições de proximidade, verificam que não existem estes serviços de intervenção psicológica, ou que estes são assegurados por consultórios (a cobrar 50€/hora) aos quais a maioria não tem acesso, então deve desenvolver esforços para providenciar estes serviços.

    Concordo com a sua sugestão de transportar estes serviços para hospitais ou centros de saúde. Ou ainda numa IPSS (como é o caso donde eu trabalho). E concordo porque 1) deve ser um serviço público 2) a saúde mental deve ser equiparada à saúde física.

    Igualmente dois problemas decorrem disto.
    Com a alínea 1) está a imaginar a onda de indignação que iria suscitar o aumento do orçamento do Ministério da Saúde, a toda esta malta que quer é privatizar o que existe actualmente?
    2) Se a sociedade portuguesa não assume esta premissa é precisamente por opiniões destas, baseadas em falsas informações, preconceitos contra os “exércitos de psicólogos”, falta de solidariedade e humanismo para com as vítimas, ridicularização dos fenómenos, desvalorização dos seus efeitos…

    Mas obrigado pelo imput, sempre dá para se discutir alguma coisa, percebendo melhor os pontos de vista diferentes…

    Gostar

  75. 23 Março, 2010 23:19

    Vou caricaturar. Imagine-se dirigirmo-nos a um Centro de Saúde para limparem “as sarjetas” …

    Gostar

  76. zazie permalink
    23 Março, 2010 23:23

    Não é por nada, mas quem é que vos disse que compete às Juntas de Freguesias tratar das sarjetas?

    A HM é que é jornalista e só conhece isto por passar, por acaso, pela rua.

    Deve ter um dom de visão espantoso- só de passagem até conhece tudo o que a Junta de Freguesia- situada ao lado da sarjeta por onde passa- faz.

    Mas aposto que nunca perguntou a algum transeunte se competia à Junta ou à Câmara resolver o problema da sarjeta.

    Gostar

  77. Joaquina permalink
    23 Março, 2010 23:26

    Pois,a Junta de Freguesia existe para prestar cuidados de saúde e para fazer relatórios à Câmara das sarjetas que precisam ser desentupidas…

    Gostar

  78. 23 Março, 2010 23:32

    É muito chic.

    Até para a censura tem criadagem.

    Gostar

  79. 23 Março, 2010 23:32

    Só para dar uma achega acerca da proposta de transferência destes serviços para hospitais ou centros de saúde.

    Vão a http://www.dgs.pt e procurem pelo Guia do Utente do Serviço Nacional de Saúde.

    Em nenhum lado se vê Intervenção Psicológica, terapia familiar, aconselhamento parental (diferente de planeamento familiar), apoio a vítimas de violência doméstica ou bullying (só para citar as que foram citadas), nem nos hospitais nem nos centros de saúde.

    Existe a possibilidade de apoio social, mas será assegurado por um/a assistente social (outra raça que deve colher ódios de estimação por aqui).

    Por outro lado estão descritas as condições de acesso a termas…

    Gostar

  80. 23 Março, 2010 23:35

    Pois. A mim também me cheirou que foi tudo inventado para vender a agit prop.

    Aposto que essa Junta de Freguesia nem existe.

    Era anormalidade a mais. E quem trata das sarjetas é a Câmara.

    Gostar

  81. 23 Março, 2010 23:38

    Um post do João Miranda sobre este assunto provavelmente resumir-se-ia ao seguinte:

    “orçamento da junta de freguesia de ABC para psicólogos – 100.000.000.000 €
    orçamento da junta de freguesia de ABC para calceteiros/reparadores de sarjetas – 10.000 €”

    ehehe

    É verdade. Mas esse não inventa.

    Gostar

  82. 23 Março, 2010 23:39

    Já agora 😮 que é uma sarjeta partida?

    ehehehehe

    Gostar

  83. 23 Março, 2010 23:40

    «numa rua onde passo todos os dias está uma sarjeta partida há mais de quatro anos»

    Partida? como é que se parte uma sarjeta?

    “:O)))))

    Gostar

  84. 23 Março, 2010 23:43

    Gostar

  85. 23 Março, 2010 23:44

    As taxas de desemprego de licenciados em Arquitectura e Psicologia são das mais elevadas do país.

    Contudo, não há dia que estes palhaços que desgovernam o país não falem de betão e de apoio psicológico e tal.

    Exemplificando.
    «Escola Secundária Poeta António Aleixo
    A Escola Secundária Poeta António Aleixo funciona num edifício construído em 1964. Era então Liceu Nacional de Portimão. Já foi alvo de várias remodelações , a última das quais há bem pouco tempo, quatro, cinco anos, que apetrecharam a escola de todas as valências e funcionalidades. Ouso até dizer que poucos serão os edifícios escolares, mesmo os mais recentes, que se lhe podem comparar. Alberga cerca de mil e trezentos alunos. Estão projectadas obras que visam ocupar quase todo o espaço livre que existe, vulgo recreios, duplicando a população escolar (o que é nitidamente uma medida sensata e inteligente, visto ser fácil gerir uma comunidade tão sensível, cada vez mais sensível…), descaracterizando o edifício e a zona onde este se insere. Preço orçamentado: 25 milhões de euros. Uma bagatela.

    Comentário de João A.
    Data: 23 de Março de 2010, 21:08
    Já que foi dado um destaque inesperado ao comentário que deixei noutro post, deixai-me acrescentar que esta Escola Poeta António Aleixo é realmente modelar nas instalações e na articulação dos espaços que a constituem. Não há alunos à chuva quando se deslocam de um para outro módulo porque… é uni-modular; tem um elevador instalado há quatro anos para facilitar a vida a quem tiver problemas de locomoção; tem um pavilhão polivalente, construído há quatro anos, a aumentar as capacidades na área da Ed. Física já razoáveis com os dois ginásios originais; tem auditório equipado com o que de mais recente se usa na área do Audio-visual. O estado de conservação é notável e espaço envolvente tem vastas zonas verdes que irão desaparecer, pelo que se pode ver na maquete.
    Claro que as obras permitirão aumentar a população escolar para cerca de dois mil e quinhentos alunos, quase o dobro dos que tem actualmente. Numa época em que a conflitualidade da população escolar é cada vez visível, esta alteração é uma decisão de alto risco.
    A insanidade mental dos decisores é cada vez maior.
    Este é apenas mais um exemplo dos efeitos dessa insanidade.
    Custo – 25 milhões.
    http://www.5dias.net/2010/03/23/escola-secundaria-poeta-antonio-aleixo/

    Gostar

  86. 23 Março, 2010 23:49

    Muitas Câmaras Municipais têm assinados protocolos com Juntas de Freguesia para transferência de um conjunto de serviços com as respectivas verbas.

    Muitos executivos de Juntas trabalham a tempo parcial (e creio mesmo inteiro)

    Gostar

  87. Eleutério Viegas permalink
    23 Março, 2010 23:52

    Muito bem, Helena. É para estes “serviços” do Estado que se escoa o $$$ que nos rouba. Serviços maus ou sofríveis, desnecessários ou sobredimensionados. Uma série de pimpinelas parolas. E pagos a peso de ouro!

    No dia em que houver um verdadeiro levantamento contra os pagamentos de impostos e taxas, estas porcarias têm mesmo que acabar.

    A propósito de sarjetas a “fantástica” câmara de Lisboa propagandeou que vai gastar este ano 9 milhões de euros a reparar os inúmeros buracos das ruas da cidade. Ó câmara incompetente, essa massa não chega nem para metade dos buracos… Preparem-se portanto para ver mais gastos em utilíssimas ciclovias e tinta para pintar bicicletas no asfalto, e as crateras continuarão.

    Gostar

  88. 23 Março, 2010 23:58

    # 89

    Vamos a uma aposta em como nunca poderá ser a Junta a arranjar a sarjeta?

    E estamos a falar de Lisboa.

    É mentira. Esta crónica foi inventada. Aposto.

    Gostar

  89. Marcos permalink
    24 Março, 2010 00:01

    “Muitos executivos de Juntas trabalham a tempo parcial (e creio mesmo inteiro)”

    Pois trabalham.A tempo inteiro,mesmo nas freguesias pequenas.
    gostava de ver quanto paga o português a toda a camarilha das Juntas e Câmaras em todo o país.
    Depois é fazer contas aos milhões que gastam na compra de votos,subsidiando até jogos de sueca.
    É um sorvedouro de dinheiro.
    As Juntas têm ao dispôr veículos novos,as Câmaras idem.
    Andam todos bem montados em pickups.
    Gasóleos pagos e repagos.Uma roubalheira das antigas.

    Gostar

  90. 24 Março, 2010 00:01

    Pois, o Viegas está a confirmar o que eu disse. Tem de ser a Câmara.

    Ao pé de mim já houve o mesmo problema e da Junta disseram logo que não era com eles.

    Quanto a apoios psicos e não sei que mais, a treta deve estar mal contada. Eles têm é coisas para velhos. Agora gabinetes médicos por junta de Freguesia é que nem em Inglaterra.

    Nos centros de saúde já estão a acabar com os médicos de família, quanto mais psicos.

    E os psicos iam agora para as Juntas? Não acredito. Isto é caso de vida à la Côncia.

    Gostar

  91. 24 Março, 2010 00:05

    # 93

    Isso é verdade. Mas é coisa recente. Dantes aquilo era uma chungaria e não servia para nada.

    Agora continua a não servir praticamente para nada mas os tipos têm brutas instalações e folclore até dizer chega.

    E já me perguntei a mim própria o mesmo- de onde vem o dinheiro e para que é preciso duplicar serviços com a Câmara.

    Eu até defendo as juntas. Mas, nesse caso, a Câmara é que devia acabar com os serviços que se podem fazer em escala mais pequena de bairro.

    É essa a tradição do Norte da Europa e é muito mais eficaz- E lá fora conseguem que esses trabalhos até sejam independentes dos partidos políticos.

    Quanto mais autonomia em pequena escala, melhor.

    Gostar

  92. 24 Março, 2010 00:18

    Está aqui a de Alcântara:

    http://www.jf-alcantara.pt/Default.aspx?Module=ArtigoForm&ID=21

    É capaz de ser verdade .Estão numa de “social”.

    Mas as sarjetas não constam porque consultei a legislação. Só se a Câmara delegar poderes e serviços.

    Isto é a imitar os nórdicos ricos e pour épater le bourgeois.

    Gostar

  93. 24 Março, 2010 00:23

    ehehe

    montões delas

    Quem é que disse que havia psicos no desemprego?
    ahahahaha
    Que coisa maluca. E estava eu a suspeitar da HM

    Gostar

  94. 24 Março, 2010 00:42

    A Câmara de Lisboa descentralizou muitas competências para as Juntas, há vários anos.

    Gostar

  95. 24 Março, 2010 00:43

    Apoio psi.

    Gostar

  96. 24 Março, 2010 00:56

    Há mais de 20 anos, a Junta de Freguesia de Benfica tinha um quadro de pessoal fixo que rondava os cem funcionários, superior a muitas Câmaras Municipais do país.

    A gestão do parque escolar autárquico, vias, acção social e muitas outras rubricas, são todas de gestão a nível de freguesia, no caso de Lisboa.

    Gostar

  97. Piscoiso permalink
    24 Março, 2010 01:39

    Todo o bom político tem quem ser bom psicólogo.A prova provada vem de S.Bento

    Gostar

  98. 24 Março, 2010 09:34

    O Público de hoje, refere que 23% de portugueses sofrem de perturbações psiquiátricas.
    Esqueceram-se de comparar com o número de sarjetas partidas.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: