Saltar para o conteúdo

Fim de linha

26 Outubro, 2011

Tudo na mesma.  A mesma falta de vontade, a mesma incompetência, a mesma impotência.

.

No Jornal de Negócios: «Redução da despesa no próximo ano resulta de cortes nos gastos com pessoal, nas prestações sociais e no investimento.


As despesas com consumos intermédios e subsídios da Administração Central (ministérios e seus serviços, institutos públicos e Serviço Nacional de Saúde), as duas rubricas mais vezes associadas ao funcionamento do Estado, vão aumentar em 2012. Segundo o Relatório do OE, praticamente toda a poupança nos gastos da Administração Central é feita através de cortes que não tocam na “máquina”. A redução da factura salarial é de 15%, as transferências sociais caem 11% e as despesas de capital (que incluem investimento e transferências para autarquias, regiões e empresas) “mingam” em 15%. Já o consumo intermédio sobe 1% e os subsídios à actividade económica “saltam” 15% face ao anterior.»

30 comentários leave one →
  1. jorge silva permalink
    26 Outubro, 2011 17:12

    eu agradecia que o gabriel silva me explicasse onde se deveria cortar, ou melhor, quais são as famosas gorduras que com a sua extinçõ reslveriam o problema. quando o psd e cds diziam que tinham estudos a provar que cortando as tais gorduras se resolveria o problema da despesa excessiva eu percebi quye mentiam. do pouco que sei não percebo como se corta despesa sem ir o grosso, isto é, despesa com pessoal e prestações sociais. no dia em ue aparecer um político a admiti-lo antes de eleições , eu voto nele. agora estes que nos iludiram com as gorduras não valem um… e diziam queo o outro é que era mentiroso

    Gostar

  2. 26 Outubro, 2011 17:50

    Eu proponho 100 mil despedimentos na FP.

    Gostar

  3. 26 Outubro, 2011 17:58

    Corte nos “custos intermédios”. Mas não era disso que mais falava o Catroga, o Moedas, o Miguel Macedo, o Relvas, o Passos e toda a laranjada quando no tempo do outro Governo o PSD apresentava as suas soluções para fazer baixar o défice. E também não era o corte nas “gorduras do Estado” que sempre esteve em primeiro lugar nos objectivos (no papel apenas) do PSD para controlar o défice e a despesa pública? Era tudo tão fácil, bastava apenas carregar no botão que o PSD tinha na sua posse e, num ápice, tudo se resolveria. Na oposição, cortar o décimo terceiro mês, nem pensar. Cortar o décimo mês e o subsídio de férias era uma ideia tenebrosa que nunca passou pela cabeça do Passos. A TSU era a grande medida, estrural, para fazer galopar a nossa economia. Tudo ao contrário. Mentiu, e muito, o Passos.

    PS: A Helena foi ou não enganada pelo Passos no que respeita ao cumprimento das promessas eleitorais? Eu fui, e muito.

    Gostar

  4. 26 Outubro, 2011 18:05

    Há aqui um problema grave.
    Já passou quase hora e meia e o anti-comuna ainda não lançou nenhum lençol, estará no intervalo para café?

    Gostar

  5. 26 Outubro, 2011 18:11

    Falam da gordura do estado…
    mas eu nem sei onde está a febra.

    Gostar

  6. Zebedeu Flautista permalink
    26 Outubro, 2011 18:11

    Alguém me pode elucidar sobre quais são esses subsídios à actividade económica que sobem 15%? Quais as medidas de fundo?
    Não me digam que só se acaba com a parasitagem dos proletários e dos pequenos burgueses ao Estado e o resto ainda aumenta.

    Gostar

  7. castanheira antigo permalink
    26 Outubro, 2011 18:29

    Vivemos num regime em que 2 partidos mais ou menos socialistas têm alternado ao longo de muitos anos .
    Ambos têm governado sem visão e sem rasgo .Mentiram sempre para poderem ganhar as eleições .Socrates foi o apogeu da mentira , da irresponsabilidade e do descontrolo total e completo que nos trouxe á bancarrota e á perda de soberania .
    Ao governo de PPC falta coragem para acabar de vez com a sangria que mata a economia com tantos impostos ,com tantas leis , com tanta regulação que o ideal de cada cidadão era ser funcionario publico .
    A solução até é simples , não havendo coragem para a aplicar :
    1º Lei igual para todos os portugueses sem excepção
    2º Se a reforma é a partir dos 65 anos seria assim para todos
    3º Sistema de saúde igual para todos
    4º RTP vendida por qualquer preço (=poupança de € 375milhoes por ano (Idem para TAP)
    5º Subvençoes , subsidios de qualquer tipo , mordomias diversas expressamente punidas.
    6º Fundações de politicos influentes escrutinadas e proibidos quaisquer fundos públicos para as mesmas
    7º todos os institutos publicos que duplicam e por vezes triplicam as mesmas funçoes liminarmente extintos
    8º estado fora totalmente de qualquer negocio
    9º dedicação do governo á segurança e á justiça

    Gostar

  8. pedro permalink
    26 Outubro, 2011 18:32

    Espero que um deputado da maioria, por exemplo um independente, interrogue o primeiro ministro sobre o não corte nas despesas intermédias.. Se calhar vou esperar sentado.

    Gostar

  9. Pável Rodrigues permalink
    26 Outubro, 2011 18:36

    Qual é a solução que advogam os críticos do Governo – patão de um Estado falido? Que despeça os trabalhadores seus assalariados, ou seja, os funcionários públicos, passando estes a receber o subsídio de desemprego a que têm direito, à semelhança das centenas de milhares de trabalhadores do privado, cujos patrões faliram?
    Atenção, não brinquem com o fogo. Muito por causa destas intermináveis e estéreis querelas por causa dos inevitáveis cortes na despesa do Estado, começam a surgir vozes na cena internacional a pôr em causa a ajuda de que Portugal necessita – literalmente- como de pão para a boca.
    Aqui: http://wGww.tsf.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1826232

    Gostar

  10. Zebedeu Flautista permalink
    26 Outubro, 2011 18:42

    Pável você leu o artigo ou trabalha como assessor de imprensa do Mira Amaral?

    Gostar

  11. Jose permalink
    26 Outubro, 2011 18:49

    “Qual é a solução que advogam os críticos do Governo?”

    Para começar, ir ao blogue do Ministro da Economia, ver as milhares de entidades que dependem do Estado, e acabar com a maioria delas.

    Com que critério? O que resulta da redefinição das funções do Estado, reduzindo-o a fazer bem aquilo que é da sua exclusiva competência: justiça e segurança. O resto ( televisões, rádios, milho, vinho, cultura, filmes, etc, etc) é perfeitamente factível pelas entidades privadas. E se o estado achar que a educação é um investimento, não precisa de contratar professores e construir grandiosos centros escolares..basta pagar o serviço a quem o faça.
    É assim que os americanos fabricam os melhores aviões de guerra….contratam empresas civis para os fazerem.
    Esta é que é a verdadeira reforma que se aguarda e sem a qual, continuaremos a ser um estado social(ista) e, em consequência, pobre como Job.

    Gostar

  12. ze da lota permalink
    26 Outubro, 2011 18:58

    Como é que estes gajos cortam-me o subsidio de natal e de férias e continuam a orçamentar milhões de euros para subvenções aos partidos politicos e campanhas eleitorais…..que ética e moralidade teem??????? é inadmissivel!!!……..e já agora onde anda o paulinho da feiras?? que nada diz!!???

    Gostar

  13. Scorpius permalink
    26 Outubro, 2011 19:26

    Cada vez que vejo e ouço o ministro da economia esfrego automàticamente os olhos e ouvidos para me certificar de que estou vivo.É que este personagem,vindo segundo dizem do Canadá,não estimula qualquer ser dotado de um mínimo de massa cinzenta.O tom monocórdico com que expõe as suas teorias ultra liberais que mais parece um eco vindo do àlém,repete-se permanentemente em cada uma das aparições públicas .É um baú cheio de ideias e teorias anti sociais que apenas servem para envenenar a pouca auto estima que ainda nos possa restar.Este personagem não passa,em suma,de um teórico sem qualquer aptidão para decidir.Senhor Pereira:faça as malas e volte para o reino dos esquimós.

    Gostar

  14. Almeida Alves permalink
    26 Outubro, 2011 19:38

    Eu apoio a proposta do ccz: despedir 100 mil FP’s. com o corte de dois salários anuais muito provavelmente já compensa ir para o subsídio de desemprego. é uma questão de fazer contas. não se gasta dinheiro em transportes e alimentação e passa-se a ter uma vida santa sem ter que aturar o filho da pata do chefe que só lá está porque é do PSD (ou do PS). “óbalhamedeus”!

    P.S.- perguntarão: e quando acabar o subsídio de desemprego? resposta: nessa altura esta trampa já faliu (é inevitável com este “empobrecimento”), vcs já estão todos na bosta e os despedidos ganharam dois anos finais de boa vida 😉

    Gostar

  15. taxpayer permalink
    26 Outubro, 2011 19:42

    Perguntam onde estão as gorduras??!?!?!!

    Basta pescar à sorte nos Planos de actividade (uma espécie de Relatório e Contas) que Institutos e outros organismos estatais vão publicando na Internet.

    Dou um exemplo. Organismo do Ministério das Finanças chamado SSAP. Não sabia o que era. Fui ver significa “Serviços Sociais da Administração Pública. Orçamento total: 17 milhões de euros, com quase 170 funcionários.
    O que faz este organismo:
    – Apoio social a funcionários públicos: creches e subsídios
    – Actividades socio-culturais, onde se incluem centros de convívio (770k€), festa de Natal em Lisboa (79K€), no Porto (41k€) e Passagem de ano sénior (93k€), além de Circo (sim, circo).
    – Refeições: gere 28 refeitórios e 20 cafetarias
    – Alojamentos de férias: Casa Alice Félix (em Sta Cruz da Trapa), Estalagem do Cruzeiro em Aljubarrota, Pousada de Évora, Casas do Outão, Pousadinha da Tocha, e Apartamento S. Pedro do Sul. Custos de 1.3M€ ao todo;
    – Protocolos e acordos de saúde (não confiam no Estado?); creches e jardins de infância, lares, casas comerciais, etc.

    Eu fechava este organismo. Todo. Entregava a gestão dos refeitórios e cafetarias à secretaria geral do ministério ou a outro qualquer organismo onde hajam 4 ou 5 marmanjos de braços cruzados (o que por definição significa “qualquer organismo do Estado Português”) e mandava estes todos para a mobilidade especial.

    É uma ideia…

    Gostar

  16. A. C. da Silveira permalink
    26 Outubro, 2011 19:56

    Tenham calma que isto está só a começar, é o warm-up. A legislatura em principio dura quatro anos e já está tudo impaciente ao fim de quatro meses. Se o Gasparinho cortasse tudo em 2012, o que é que ficava para cortar nos proximos anos? Na minha terra costumam dizer que “as cadelas apressadas parem os cães cegos”. Este ainda não é o orçamento da verdade, é só para os credores perceberem que a rapaziada do governo não está a brincar como o PS fazia com os PECs. O próximo é que vai ser o dos cortes a serio, e aposto aqui com quem quiser, que para alem dos organismos do estado que vão mesmo fechar, as reformas vão ter um tecto (talvez entre 1500 e 2000 euros) e os reformados vão passar a receber apenas 12 meses, e os 13º e 14º mes dos funcionarios publicos vão de vez à vida. E tudo isto por uma razão simples: se o governo não tomar estas e outras medidas, não consegue cumprir os compromissos que Portugal tomou.

    Gostar

  17. Pi-Erre permalink
    26 Outubro, 2011 20:30

    Abandonai toda a esperança, vós que entrais.

    Gostar

  18. Pi-Erre permalink
    26 Outubro, 2011 20:33

    Lasciate ogni speranza, voi che entrate

    Gostar

  19. 26 Outubro, 2011 21:04

    Com petróleo no beato.

    R.

    Gostar

  20. Almeida Alves permalink
    26 Outubro, 2011 21:39

    “os 13º e 14º mes dos funcionarios publicos vão de vez à vida. ” é provável. mas a patronagem “privada” não deixará de imitar (em dobro) a muito breve prazo. folgai ó distraídos ,-)

    Gostar

  21. 26 Outubro, 2011 22:48

    Tenham calma… Todos sabemos que há muito por fazer, mas Roma e Pavia não se fizeram num dia.
    Também sou dos que está impaciente para ver os famosos cortes anunciados em campanha, mas por enquanto ainda merecem o benefício da dúvida. Não se esqueçam que cortar despesas significa acabar com o ganha pão de muita gente. Ou vocês acham que nas fundações, institutos e empresas públicas só trabalham os seus milionários administradores?

    Gostar

  22. 27 Outubro, 2011 01:06

    É gente como esta que faz com que cheire mal neste país.!
    Em Novembro de 2010 Ângelo Correia, que durante anos ajudou Passos Coelho a alimentar-se, dizia que os direitos adquiridos são uma burla, falava no programa “Plano Inclinado” da SIC, da responsabilidade de Mário Crespo, referia-se então aos direitos adquiridos dos outros.
    Parece que estando em causa os seus “direitos adquiridos” e apesar de serem trocos ao lado da sua imensa fortuna estes deixam de ser uma burla e ganham o estatuto de intocáveis.

    «Por uma questão de “identificação” com os cidadãos que vão ficar sem subsídio de férias e de Natal, Ângelo Correia, antigo deputado e ministro, afirma aceitar o corte de 14% nas subvenções vitalícias de ex-políticos que trabalhem no setor privado, tal como foi já anunciado pelo ministro das Finanças. Já quanto à eliminação pura e simples dessa pensão, no caso de antigos titulares de cargos públicos que estejam a trabalhar no privado (tal como prevê uma medida defendida pela maioria parlamentar PSD/CDS), Ângelo Correia não concorda, por se tratar de um “direito adquirido”.» [RTP]

    Gostar

  23. tric permalink
    27 Outubro, 2011 01:22

    O Estado continua a financiar o Genocideo…é o Estado Passista!!! há que mudar o Estado…mas preservar…o Estado Passista-Abortista “pede” Esperança…a Esperança Abortista…

    Gostar

  24. Tiro ao Alvo permalink
    27 Outubro, 2011 11:47

    Não tinha reparado que grande parte das gorduras do Estado está numa rubrica chamada “despesas com o Pessoal”?
    Será por isso que os cortes nessas despesas, para si, nunca podem ser considerados cortes nas gorduras? Mas não é assim como pensa: o Estado tem muita gordura dessa, que, para bem de nós todos, é urgente eliminar. E as outras gorduras também, claro!

    Gostar

  25. 27 Outubro, 2011 11:53

    Este filme já fez a sua rodagem em tempos não muito distantes.Como sempre fui incapaz de ver o mesmo filme mais que uma vez,sinto-me bastante defraudado com a sua repetição.

    Gostar

  26. Nuno permalink
    27 Outubro, 2011 23:54

    *****
    tric
    Posted 27 Outubro, 2011 at 01:22 | Permalink
    «O Estado continua a financiar o Genocideo…é o Estado Passista!!! »
    *
    Pois, meu caro tric. Ninguém quis abordar o escabroso assunto que apresentou.
    Será por terem vergonha? Ou por não a terem?

    Gostar

  27. AAA permalink
    29 Outubro, 2011 08:34

    Parece-me que a bota não bate com a perdigota do Gabriel:
    Governo extingue 146 organismos públicos
    http://aeiou.expresso.pt/governo-extingue-146-organismos-publicos=f683728

    Gostar

Trackbacks

  1. «Fim de linha» « Memória Virtual

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: