Saltar para o conteúdo

Em papel azul de 25 linhas?

3 Fevereiro, 2012
by

Uma das coisas fascinantes nos defensores do “serviço público” é eles próprios fornecerem os melhores argumentos contra o dito “serviço público”. Reparem bem nesta pérola:

Quem alguma vez trabalhou  no sector público (seja qual for) aprende, à entrada, duas ou três coisas. Por exemplo:

– Quando se recebe  uma indicação de um superior hierárquico com a qual não se concorda ou sobre a qual se têm dúvidas quanto à pertinência, justiça, adequação, etc., o subordinado tem duas hipóteses: ou concorda  e  executa; ou não concorda e, neste caso, pede que a indicação lhe seja dada por escrito acompanhada da devida justificação e das duas uma:

a) as dúvidas que possui são esclarecidas, aceita a indicação e comunica  também por escrito ao superior hierárquico essa sua posição;

b) as justificações do superior hierárquico não o convencem. Responde-lhe então, também por escrito, informando-o e justificando a  recusa em  aceitar  a indicação.  Apresenta simultaneamente  a demissão de todos os cargos que desempenha, solicitando o regresso à situação anterior à nomeação para os cargos que desempenha.  

É difícil imaginar um retrato mais perfeito do ambiente de desconfiança e instrumentalização que deve reinar nestes ditos “serviços públicos”. Pelo que só me fica uma dúvida: tanta troca de mensagens escritas é feita em papel azul de 25 linhas? E a assinatura tem de ser reconhecida?

PS. Quanto ao tema de fundo deste e de outros posts da mesma autora sobre o mesmo assunto, o pudor impede-me de os comentar publicamente. 

30 comentários leave one →
  1. 3 Fevereiro, 2012 16:40

    É em papel selado.

    Gostar

  2. Castanheira permalink
    3 Fevereiro, 2012 16:49

    Exactamente o que defendo : para termos uma função publica confiante, informal e tranquila deveriam estar todos a frequentar lojas maçónicas até porque esses formalismos de ter de escrever tudo, acaba sempre por entalar alguém que não devia. Veja-se o caso dos pacientes que cegaram e logo veio alguém com a mania que teria de haver um manual de procedimentos. Para quê?

    Gostar

  3. 3 Fevereiro, 2012 17:04

    Caro JMF1957,
    no seu entender como deveria um funcionário público proceder quando lhe é dada uma ordem com a qual não concorda por ter dúvidas quanto à pertinência, legalidade, legitimidade, oportunidade ou sensatez?
    Fico à espera da solução.

    Gostar

  4. joao manuel permalink
    3 Fevereiro, 2012 17:09

    entrar em greve de zelo, não ?

    Gostar

  5. aremandus permalink
    3 Fevereiro, 2012 17:10

    o contabilista da invicta proíbe portuenses de urinar na rua e cuspir para o chão

    Gostar

  6. aremandus permalink
    3 Fevereiro, 2012 17:16

    eu como não sou um morcão portuense,quando lá for defenestro a minha escatologia nos termos da lei.

    Gostar

  7. Zebedeu Flautista permalink
    3 Fevereiro, 2012 17:20

    O país enterrado em bosta até ao pescoço e anda-se a discutir pintelhices. O Dr. PRM , a direcção da Antena 1 e porque não o Dr. jmf1957 montem mas é uma fabrica de chouriços para exportação!

    Gostar

  8. 3 Fevereiro, 2012 18:19

    Qual é a novidade?
    Toda a gente sabe que é assim.
    Quanto a soluções… tá quedo!

    Gostar

  9. Nightwish permalink
    3 Fevereiro, 2012 18:29

    Os funcionários do estado começaram a achar boa ideia depois de num certo julgamento dizerem que apenas estavam a cumprir ordens não lhes ter salvo a vida.
    Obviamente numa proporção diferente, desobedecer e denunciar ilegalidades é a obrigação de todos os cidadãos num estado de direito. Claro que aquilo que o jmf prefere antes o estado de emergência permanente…

    Gostar

  10. Tiro ao Alvo permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:11

    Se não estou enganado, o que vale para a função pública, vale para todos os trabalhadores, inclusive do sector privado. E está correcto. E deve ser assim. Desta vez não entendi o post do JMF.

    Gostar

  11. xico permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:34

    isto aplica-se, e está no regime do funcionário, a casos em que o funcionário duvide da legalidade da ordem, e tão só. Caso contrário o funcionário fica co-responsável pela ilegalidade. É um garante da normalidade democrática e da defesa dos cidadãos contra a prepotência de um qualquer chefe. Porque os chefes, na função pública, ao contrário do privado, são-no em nome da população. Só um estatuto que garante ao funcionário liberdade de acção pode garantir aos cidadãos a defesa dos seus direitos. Se acham que deva ser diferente, expliquem como.

    Gostar

  12. Maria Portugal permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:45

    Gostar

  13. Maria Portugal permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:49

    Gostar

  14. Maria Portugal permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:53

    Gostar

  15. Maria Portugal permalink
    3 Fevereiro, 2012 19:58

    Gostar

  16. Maria Portugal permalink
    3 Fevereiro, 2012 20:05

    Gostar

  17. Zebedeu Flautista permalink
    3 Fevereiro, 2012 20:36

    Gostar

  18. Zebedeu Flautista permalink
    3 Fevereiro, 2012 20:39

    Gostar

  19. Zebedeu Flautista permalink
    3 Fevereiro, 2012 20:42

    Gostar

  20. Zebedeu Flautista permalink
    3 Fevereiro, 2012 20:44

    Gostar

  21. simil permalink
    3 Fevereiro, 2012 21:36

    É complicado, à vista do exposto, e eu, c’um caraigo, andei por lá e nem sequer dei por nada .

    Gostar

  22. simil permalink
    3 Fevereiro, 2012 21:40

    E se não tem que saber, talvez amanhã, em levantado o sol, eu pegue do Zebedeu Flautista e vá tirar à pardalada .

    Gostar

  23. simil permalink
    3 Fevereiro, 2012 21:46

    E ao fim, o problema só o entende o Castanheira, que a função pública devia frequentar as lojas e armazéns onde tudo se explica e cozinha às ordens da maçonaria.
    Que não me admira nada, um dia ainda havemos de passar a Sicília e a Calábria, ser o maior couto da cosa nostr, camorra e maphia .

    Gostar

  24. Silvério Coutinho permalink
    3 Fevereiro, 2012 22:12

    Quando o autor do post se deslocar a um serviço público, mas não a uma empresa pública, pois são coisas diferentes, e o dirigente desse serviço transmitir a um seu subordinado que dê duas bofetadas em JMF e o ponha na rua, o que deve ser feito?
    Pois……..

    Gostar

  25. Arlindo da Costa permalink
    3 Fevereiro, 2012 22:49

    Lembro quando o Mário Crespo fez aquelas macacadas com t-shirts na Assembleia da República, acusando o José Sócrates de perseguir os «jornalistas»…
    Agora, onde estão esses palhaços? Estão com medo de não haver guito no fim do mês?
    Cobardes!

    Gostar

  26. JCA permalink
    4 Fevereiro, 2012 06:05

    .
    O outro lado da moeda, os que não acreditam no Euro:
    .
    -The experts’ view on the euro’s future: it doesn’t have one
    Leading economists and politicians issue stark warning over eurozone
    http://www.independent.co.uk/news/world/europe/the-experts-view-on-the-euros-future-it-doesnt-have-one-6298180.html
    .
    Assim como assim vá calculando as suas calorias para a Austeridade:
    .
    -Calculate your calorie count
    http://www.telegraph.co.uk/financialservices/insurance/aviva-medical-insurance/7865241/Calculate-your-calorie-count.html?utm_source=tmg&utm_medium=WGT_calories&utm_campaign=aviva&WT.ac=8122041
    .

    Gostar

  27. Maria Portugal permalink
    4 Fevereiro, 2012 19:04

    “It´s hard but know its worth the fight, who cares what COWARDS THINK ANYWAY”
    Teimosia é arrogância não é coerência nem sabedoria é a mais pura incompetência, querem tratar os portugueses como burros mas estes um dia irão decidir que unidos têem muita força e que não se vergarão perante cobardes ávidos por uma fatia de dinheiro decididos a vender pessoas como uma mercadoria. O sr. primeiro ministro disse que era uma vergonha não pagar a dívida, o que não disse foi que quer por os portugueses a passar um cheque em branco. A luta contra a indecência está nas nossas mãos e vale a pena lutar por ela, nós não nos vergaremos à escumalha que até vende a mãe por dinheiro.

    Gostar

Trackbacks

  1. A privatização do crime | Aventar
  2. O fascinante mundo do “serviço público” « O Insurgente
  3. Há traumas que ficam para sempre | VAI E VEM

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: