Saltar para o conteúdo

Vasco da Gama: ponte ou poço sem fundo?

27 Março, 2012

“Só há agora uma solução justa: a expropriação da Ponte Vasco da Gama.”
No Correio da Manhã

30 comentários leave one →
  1. Sebastien De Vries permalink
    27 Março, 2012 13:42

    A PPP do TI cavaca!

    Gostar

  2. 27 Março, 2012 13:57

    A pioneira das PPP e um alerta a que nenhum dos partidos do poder deu importância (ou talvez tenha dado de outra maneira…).

    Gostar

  3. Carlos permalink
    27 Março, 2012 14:09

    Esta solução só poderá vir de um governo com uma postura liberal face à economia, situação que manifestamente está a ficar fora de prazo (vide novo posicionamento do governo/psd). Logo não vos preocupeis, a coisa vai ficar na mesma…

    Gostar

  4. neototo permalink
    27 Março, 2012 14:11

    A todo esto.
    O pessoal do Porto que tem até 6 pontes 6 que quando nao gostam de passar por uma vao para outra e os probes de Lisboa pilhados no monopolio da Lusoponte que ou bem pagam tal como em 2011, classe 1: 1,45 euros, classe 2: 3,40 euros, classe 3: 4,85 euros, classe 4: 6,35 euros ou pagam para passar pelo outro (O ponte Vasco de Gama) que tal qual na Idade Media também tem as taxas de peagem para cruçar pontes .
    Coitadinhos os do Porto. Pronto deduzem que o “Estado” os maltrata e que por isso e nao sei quantos des-privilegios mais estao precissando ser “independentes”…

    Gostar

  5. PMP permalink
    27 Março, 2012 14:34

    Muito Bem Paulo Morais,
    .
    Este caso foi o inicio da maior aldrabice feita em portugal, as PPP’s.
    Esta é uma das mais vergonhosas.

    Gostar

  6. the lost horizon permalink
    27 Março, 2012 14:37

    Mas essa foi a época das vacas gordas, da VdG, do CCB, do BPN, do fim das pescas e da agricultura, do deixem-me trabahar; foi o tempo do cavaquistão a plantar o seu eucaliptal. Foi o fartar vilanagem, mas para esta realidade a justiça é cega? Como convém.

    Gostar

  7. Aliazs permalink
    27 Março, 2012 14:48

    O antigo presidente do BCE referiu Portugal como exemplo de um país onde é necessário implementar reformas estruturais devido a desequilibrios internos…”QUE VÊM DE LONGE!”.
    Sobre o imposto sobre transacções financeiras, também conhecido como Taxa Tobin, Trichet salientou a importância desta ser implementada a nível global e disse que os bancos deveriam contribuir, com dinheiro, para solucionar a crise.
    http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=547239

    Gostar

  8. Maria permalink
    27 Março, 2012 14:50

    Não sei a expropriação é caminho: para mim é mais mandá-los para a cadeia e suspender de imediato o pagamento. Acho que já lucraram que chegue!

    Gostar

  9. Cruzado permalink
    27 Março, 2012 14:56

    Essa das ponte do Porto não serem portajadas é bem pensada. A Ponte Vasco da Gama tem 17 Km de extensão. A Ponte da Arrábida 650m… Logo se na Ponte Vasco da Gama se paga 1,45€ para veículos da classe 1, à mesma razão, ficava-se a pagar 0,05€ no Porto. Bem visto

    Gostar

  10. A C da Silveira permalink
    27 Março, 2012 15:05

    Paulo Morais, o cruzado anti-corrupção cá da parvonia, devia explicar melhor quem negociou o quê com a Lusoponte. Admito que o primeiro contracto não fosse muito vantajoso para o estado. Mas todas as oito negociações posteriores, essas sim grandemente gravosas para o estado, foram negociadas pelos governos socialistas, quer o de Guterres, quer o de Socrates. E já agora recordar, que toda esta confusão começou com o celebre buzinão.

    Gostar

  11. neototo permalink
    27 Março, 2012 15:07

    Sobre o imposto sobre transacções financeiras, também conhecido como Taxa Tobin…

    ….
    Os porkitos continuamos surfando na onda…expansiva. Porque tal o Trichet o Juncker também tem palabras neste caso vao para a Irlanda…Que nunca deixem de falar de um ainda que seja para mal.

    http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=547235&pn=1

    Gostar

  12. bandarra permalink
    27 Março, 2012 16:27

    A.C.da SILVEIRA
    Cumprimentos.
    Deve ler o contrato leonino feito com a LusoPonte ao tempo em que era Ministro o actual seu Presidente do Conselho de Administração que alias nunca foi preso …

    Gostar

  13. 27 Março, 2012 16:32

    Pelo contrário. Esta foi talvez uma das poucas PPP que não continha obrigações futuras para o estado, até Guterres prometer alterar os pressupostos – manter o baixo preço da Ponte 25A, não cobrar Agosto, etc, e entrar no ciclo infindável dos reequilibrios financeiros.

    Claro que a expropriação seria trágica – o resgate já está prevista no contrato de concessão e tem o preço pré-estabelecido, pelo que a Lusoponte batia as palminhas de felicidade.

    Gostar

  14. 27 Março, 2012 16:37

    Auxiliar de memória:

    A Lusoponte, O Concedente e os Outros

    Hoje, no Público, os bocadinhos que todos os dias vão pescar aos blogues versam o tema da Lusoponte, do escândalo, disto e daquilo. Todos no mesmo sentido e todos errados. Este artigo de Mário Crespo, por exemplo, tão citado nos últimos dias, tem tantas incorrecções que só demonstra que em história, uma década é uma eternidade para o esquecimento.
    .
    Em 1991, o governo de Cavaco Silva lançou um concurso público internacional para a construção de uma ponte entre Sacavém e o Montijo. O caderno de encargos previa, entre outros pressupostos, que o vencedor ficaria com o monopólio da travessia rodoviária do Tejo por ‘x’ anos. Os concorrentes seriam seleccionados, em função de algumas variáveis, entre elas, os preços a praticar nas portagens das duas pontes e o montante de apoios pedidos ao estado. Não me recordo se o prazo também era uma das variáveis em jogo (*).
    .
    Dos concorrentes iniciais (4, salvo erro) foram pré-seleccionados 2 para a fase de negociação final. Um liderado pela construtora inglesa Trafalgar House e outro liderado pela francesa Bouygues. Nesta fase, os dois consórcios gastaram muito dinheiro. Os custos com a banca de investimentos, gabinetes de estudos, advogados e projectistas eram tão elevados que havia um compromisso do vencedor indemnizar o derrotado.
    .
    Após uma disputa ao sprint, o consórcio liderado pela Trafalgar House foi declarado vencedor, entre outros motivos, porque pediu menos dinheiro ao estado do que os outros interessados.
    .
    O consórcio vencedor ganhou obrigações e direitos. Por um lado, a obrigação de investir num Project Finance de 900 milhões de euros e de garantir a manutenção das duas pontes durante todo o prazo de concessão. Do outro lado, o direito a cobrar portagens, a preços de concurso, em regime de monopólio, desde a foz do Tejo até 30Km para jusante e o direito a uma comparticipação pública que representava cerca de 25% do valor do projecto.
    .
    A complexa montagem financeira desta operação, decorreu tal como previsto na proposta vencedora. Cerca de 1/3 do financiamento foi um empréstimo do Banco Europeu de Investimentos, cujo risco foi integralmente coberto por um sindicato de bancos comerciais. Outro terço foi entregue pelo Fundo de Coesão. O restante, e que em parte decidiu o concurso, é a repartição entre capitais accionista (cerca de 60 milhões, se a memória não falha) e a comparticipação do estado que, conforme constava do caderno de encargos, incluía a entrega da ponte 25 de Abril, cujo valor não me recordo mas não chegava para cobrir nem 10% dos investimentos. Nesta altura partia-se do princípio que os preços das portagens nas duas pontes seriam iguais ao longo de todo o período de concessão.
    .
    A ponte foi construída pelo ACE das empresas vencedoras. Acabada a obra, constituíram uma empresa chamada Lusoponte onde parquearam as concessões.
    .
    Uma das grandes dificuldades associadas à montagem financeira deste tipo de projectos é a cobertura de risco. Estamos perante um Project Finance – não há risco adicional para os accionistas para lá do Capital Social realizado. Se a Lusoponte não pagasse ao BEI, seriam os bancos comerciais a fazê-lo – CGD à cabeça. As condições do sindicato financeiro, como é óbvio, impunham que todo e qualquer risco fosse identificado e para cada tipo de risco estivesse prevista uma cobertura adequada. Para muitas categorias de risco, as seguradoras servem. Para outras categorias, não. Por exemplo, para o risco político. Os governos, atacados pelo vírus do populismo, pretendem muitas vezes alterar aquilo com que se comprometeram, os partidos de poder mudam, os políticos fazem promessas fáceis porque são pagas com o dinheiro dos outros.
    .
    Todos nos lembramos das manifestações, do buzinão e de um líder socialista (hoje gestor de topo de um dos bancos que financia a Lusoponte) passar a portagem sem pagar. Guterres cavalgou a contestação e mal chegou ao poder, resolveu que as portagens da Ponte 25 de Abril não subiriam de acordo com o previsto. Como é óbvio, se no concurso não se estabelecessem regras claras quanto à portagem da Ponte 25 de Abril, as comparticipações exigidas ao estado teriam sido muito maiores. As duas pontes estão em concorrência e as previsões de tráfego dependem não só dos preços praticados mas também da relação de preço entre ambas. O risco de algo deste género acontecer, estava muito bem protegido nos contratos, quer no de concessão, quer nos contratos de financiamento.
    .
    Quando o governo quer negociar alterações, tem de negociar não só com a Lusoponte, mas também com os sindicatos bancários cujos membros ficam com as costas a arder se o negócio der para o torto. Neste caso, o sindicato tinha mais de uma dúzia de membros, e todos eles tinham uma palavra a dizer. Todos podiam dizer não.
    .
    Para conseguir um acordo que lhe permitisse mostrar a sensibilidade social de um governo que se diz socialista, Guterres empurrou a concessão à Lusoponte para 2030 e baixou o IVA (isto é, aumentou o montante recebido por veículo pela Lusoponte). Foi isto que a Lusoponte e a banca aceitaram. E aqui, não houve concurso público, para encontrar a solução mais barata. O governo apenas deu. Mas, aquilo era o governo de Guterres, dar era o verbo mais conjugado e ainda hoje estamos a pagar a factura de tantas dádivas.
    .
    E isto é um resumo da história que tantos demonstram ignorar. É apenas de memória, espero que me perdoem eventuais incorrecções. Não serão muito significativas.
    .
    Hoje temos uma ponte porque os privados que a construíram, sem derrapagens, se atiraram para a frente, compraram-na em leilão. Os protestos a 15 anos de distância, sugerem que teríamos a mesma ponte sem os custos que tiveram de ser suportados para a ter. Almoçámos e agora protestamos pela factura, ignorando os preços que vinham na ementa.
    .
    Sobre Ferreira do Amaral, se eu fosse accionista da Lusoponte também o contrataria. A competência é um bem escasso, por estas bandas.
    .
    (*) Update: Estabeleceu-se no contrato que a concessão terminaria quando as pontes fossem atravessadas por 2.250 milhões de veículos.

    Gostar

  15. JP Ribeiro permalink
    27 Março, 2012 16:46

    O Louçã não diria melhor! Ver isto exposto num blogue dito liberal diz muito sobre o futuro do liberalismo em Portugal, e do respeito que a iniciativa privada(e os seus contratos) merecem. Os investidores estrangeiros (os nacionais já aprenderam) agradecem tanta franqueza.

    Gostar

  16. Lissabon permalink
    27 Março, 2012 17:18

    jcd, é de não esquecer também que essas manifestações da ponte 25 de Abril foram lideradas por 2 irmãos camionistas que mais tarde viriam ser condenados por tráfico de droga, gente de bem portanto.

    Gostar

  17. A C da Silveira permalink
    27 Março, 2012 17:39

    Parece-me que já seria altura de ser contada a verdadeira “historia” do buzinão: quem o inventou, quem o organizou, quem o financiou, quem com isso lucrou financeira e politicamente, e porque é que um dos irmãos Pintos foi preso, acusado de ser traficante de droga.
    Convem não esquecer que poucas semanas antes de ser apanhado com um saco de, salvo erro cocaina, na ponte de VRdeSTAntonio, o mano Pinto deu uma entrevista ao Expresso a dizer que ia contar toda a verdade.
    Esta “historia” dava um belo filme, mas tinha de ser dirigido pelo Scorcese ou pelo Copolla, que como sabemos são especialistas em filmes de gangsters e de mafiosos.

    Gostar

  18. aremandus permalink
    27 Março, 2012 17:48

    a concessão terminaria quando as pontes fossem atravessadas por 2.250 milhões de veículos.
    os advogados estavam todos a ressacar da heroína,claro…
    os 2.250 milhões de veículos serão atingidos,salvo erro, no ano de 2489…..

    Gostar

  19. 27 Março, 2012 18:04

    “os 2.250 milhões de veículos serão atingidos,salvo erro, no ano de 2489…..”

    Entre 2029 e 2032 se a memória não me falha.

    Gostar

  20. A C da Silveira permalink
    27 Março, 2012 18:28

    O Portela sempre a armar-se em engraçado. Vai lá perguntar aos milhões de portugueses que têm as suas parcas economias nos bancos, se querem que eles vão pró cano. Os bancos portugueses, por quem eu não tenho simpatia nenhuma, estão como estão por terem emprestado o que tinham e não tinham ao estado nos ultimos 12-14 anos, principalmente no periodo entre 2005-2011.

    Gostar

  21. Costa Cabral permalink
    27 Março, 2012 18:45

    Claro. Expropriar a Ponte Vasco da Gama, pois quem a pagou e está a pagar sãos contribuintes.
    Ou, em alternativa, fechar os acessos.
    Os automobilistas palonços ainda não compreenderam que têm um poder imenso.
    Aquilo é o exemplo acabado de negócio de chulos e mânfios!

    Gostar

  22. Portela Menos 1 permalink
    27 Março, 2012 21:09

    A C da Silveira Posted 27 Março, 2012 at 18:28O disse: Portela sempre a armar-se em engraçado.
    .
    e o Silveira a armar-se em defensor do desgraçadinhos dos banqueiros.
    Banqueiros que têm sido dos maiores contribuintes líquidos para sairmos da crise, não é Silveira?

    Gostar

  23. Regina Nabais permalink
    27 Março, 2012 22:16

    Gostei muito que o comentador deste post, jcd, em 27 Março, 2012 at 16:32, no seu comentário que intitulou “Auxiliar de memória”, tivesse «desenterrado um defunto velho», porque é sempre útil recordar como as coisas se passaram para se formar opinião fundamentada.

    Gostar

  24. 27 Março, 2012 22:27

    JCD:
    Excelente
    assim se mostra como o analfabetismo anda á solta…….
    e controla a propaganda mediática…
    guterres era isso mesmo.dar os €€€€ dos outros para ganhar eleições
    fez isso com as portagens da CREL 15 dias antes da eleições
    fez isso com as viagens para os açores…….15 dias antes das eleições
    tudo em 95

    sempre, sempre a afundar portugal
    sempre sempre a cavar a bancarrota
    guterres no seu esplendor.

    Gostar

  25. neototo permalink
    28 Março, 2012 07:17

    O auxiliar de memoria do JCD ainda que sendo magnifico entra nos modelos de perda de memoria por vellice. Quanto mais actuais sao os sucesos mais fuxem em desbandada e contrariamente ficao tao sé e bem gravados a fogo todos aqueles que aconteceram no passado remoto.
    Claro, pois da por bem feito que todo o mundo fica no cabo da actualidade para enterarse de que:

    “A Lusoponte já recebeu em rendas do Estado e em receitas de portagens o dobro do que investiu na construção da Ponte Vasco da Gama. A empresa detida, maioritariamente, pela Mota-Engil investiu 578 milhões de euros na construção da segunda travessia do rio Tejo e, desde 1995, já recebeu 364 milhões de euros em indemnizações, mais 746 milhões de euros em receitas de portagens das pontes 25 de Abril e Vasco da Gama. No total, recebeu 1,1 mil milhões de euros”.

    http://sol.sapo.pt/inicio/Economia/Interior.aspx?content_id=44685

    Gostar

  26. 28 Março, 2012 09:04

    Gosto dessa malta que vem para aqui agitar o papão da fuga dos investidores estrangeiros, caso se tomem medidas que corrijam as vigarices. Que investidores? Os que interessam. pelo contrário, fogem do caminho que isto está a levar.

    Gostar

  27. votoembranco permalink
    28 Março, 2012 10:14

    O Amaral da Lusoponte deve ser muito competente a encher a encher a mala do homen da mala do partido.

    Gostar

  28. simil permalink
    28 Março, 2012 12:49

    dia há-de vir que o povo cansa, depois que a maltosa ignara dê conta de como os vampiros lhe comem na careca, à toa, por ser tão atrasadinha, tão burra que, definitivamente, há-de votar nos mesmos que a padrada lhe indicou para seus donos – e é bem feito que pague, a ver se aprende algum dia, zé
    oh, há-de aprender, albertina, a seu tempo, se deus assim o quiser .

    Gostar

Trackbacks

  1. PONTE VASCO DA GAMA | Total Blog

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: