Saltar para o conteúdo

Dívida, procura interna, impostos e cortes na despesa

16 Outubro, 2012

Antes da crise, Portugal tinha cerca de 20 mil milhões de euros por ano de procura interna que eram claramente financiados por endividamento.  O dinheiro era injectado via fornecedores do Estado e funcionários públicos. Sem financiamento externo do Estado, essa procura interna tem que desaparecer. Se se cortar na despesa, corta-se o fluxo de dinheiro que gerava a tal procura interna de 20 mil milhões. Se, pelo contrário se aumentar impostos, parte dessa procura interna é preservada. Cortes na despesa implicam uma libertação de meios para satisfazer procura externa. Aumento de impostos (sobretudo IRS, IRC) implica cobrar impostos a quem produz para o mercado externo para financiar a procura interna. Portanto, das duas soluções para cortar no défice, aumentar impostos é a que melhor favorece a procura interna. Mas é interessante ver a Maria João Marques a defender em simultâneo cortes na despesa e a procura interna.

23 comentários leave one →
  1. neotonto permalink
    16 Outubro, 2012 14:39

    Antes da crise,

    Crise, what crisis? Em verdade existiu a tal crise?

    Gostar

  2. 16 Outubro, 2012 15:23

    João Miranda
    Li o seu artigo e o da Maria João Marques. O seu está confuso e gera-me muitas dúvidas. O da Maria João Marques está claro , incisivo, e percebe-se muito bem. Lendo um e outro, concordo com o que a MJM escreveu.

    Gostar

  3. fredo permalink
    16 Outubro, 2012 15:26

    Não à alternativa
    Não à alternativa
    Não à alternativa
    “=====================”
    ” OH RELVAS, VAI ESTUDAR! ”
    “=====================”

    Gostar

  4. jojoratazana permalink
    16 Outubro, 2012 15:44

    A autor fez-me abrir os olhos,
    Tenho uma barbearia, em Lisboa, estava a pensar abrir uma em Braga e outra em Faro.
    Mas depois de ler o post do Miranda, vou fechar a barbearia de Lisboa e vou abrir uma em Madrid.
    Já que como diz a autor não faz falta ao mercado interno a minha barbearia, o ideal, é virem cadeias de barbearias estrangeiras, assim como de restaurantes, empresas de transportes, e tudo aquilo que não faz falta segundo este senhor deve imigrar.
    Estes neoconnada na cabeça, são de partir o coco a rir.

    Gostar

  5. JEM permalink
    16 Outubro, 2012 16:11

    Há um erro comum nos críticos dos aumentos de impostos deste governo, pois julgam que o peso do estado na economia ou a carga tributária se mede pelo ratio impostos / pib. É um erro.

    O ratio relevante é despesa / pib.

    Se o nível de cobrança de impostos for inferior ao da despesa, simplesmente quer dizer que se deixou para os governos seguintes a tarefa inevitável de cobrar mais impostos ou desvalorizar a moeda (o que é o mesmo, numa versão mais opaca). É um truque populista, que para além de acarretar o pagamento de juros, cria uma falsa sensação de riqueza e induz a um desequilíbrio nada saudável entre sector transaccionável e não transaccionável, debilitando o primeiro em favor do último.

    Era interessante vermos a evolução do ratio de despesa / pib ao longo dos últimos anos. Descobriríamos que este governo foi, nos últimos 25 anos, na realidade o único que diminuiu o peso do estado e a carga tributária sobre os cidadãos. O que não quer dizer que deva e possa ir mais longe.

    Gostar

  6. carlos moreira permalink
    16 Outubro, 2012 16:23

    está tudo maluco?
    o post inicial é uma baralhada de frases sem sentido e o anterior ao meu chega á conclusão “que este governo foi o unico que diminuiu a carga tributaria”
    ???????????????? fonix

    Gostar

  7. Ricardo Guerra permalink
    16 Outubro, 2012 16:32

    Aumento de impostos nos governos socialistas = caminho para a servidão
    Aumento de impostos nos governos pêpêdê = amanhãs que cantam
    Nobel da economia para o Miranda e para o Gaspar, ex aequo, JÁ!

    Gostar

  8. Pedro M permalink
    16 Outubro, 2012 16:35

    Li os 2 artigos, este e o da MJM.
    O da MJM faz todo o sentido, este nem se percebe o que quer dizer (perceber até se percebe, mas é de tal forma sinistro que prefiro fazer de conta que não se percebe).

    Gostar

  9. Azarado permalink
    16 Outubro, 2012 16:36

    Neste blog a Economia e as Finanças são tratadas como sendo artes circenses?
    Se a opção é por malabarismos, preimeiro aprendam a fazer esses malabarismos por forma a que o resultado final tenha alguma credibilidade.
    Assim é que não !!!

    Gostar

  10. Pedro M permalink
    16 Outubro, 2012 16:39

    Já agora, o que vai acontecer ao Gaspar quando este projecto falhar dentro de uns meses?

    Gostar

  11. 16 Outubro, 2012 16:51

    Que contributo teve a degradação do “mercado interno” no falhanço colossal das metas do défice para 2012?

    Gostar

  12. gastão permalink
    16 Outubro, 2012 17:03

    Moral da história: o totalitarismo ultraliberal conduz à esquizofrenia.

    Gostar

  13. JDGF permalink
    16 Outubro, 2012 18:33

    Mais uma acrobacia especulativa na senda da credibilização de um orçamento sinistro.
    Assim, não!

    Gostar

  14. Francisco d'Orey permalink
    16 Outubro, 2012 18:55

    O posts de MJM são normalmente um autêntico chorrilho de disparates não sei como sequer a deixam publica-los!

    Gostar

  15. Rebelo permalink
    16 Outubro, 2012 19:07

    Foi desta!

    O João Miranda virou neo-comunista! Mas o que é que se passa com esta direita? Tá tudo louco? É por estas bacoradas que já ninguém dá crédito a afirmações ditas de pessoas de direita.

    Quanto a isto… “o totalitarismo ultraliberal conduz à esquizofrenia.”

    Nem sei o que dizer.. O grau de hipocrisia à direita só consegue equivaler a ignorância e de demagogia. Alguém que me explique como é que um modelo político pode ser ultraliberal (anarco-capitalista) e simultaneamente totalitarista. Fico à espera.

    Gostar

  16. Rebelo permalink
    16 Outubro, 2012 19:08

    *demagogia da esquerda (…)

    Gostar

  17. Fean Rolo permalink
    17 Outubro, 2012 00:39

    Caro João Miranda,
    Os impostos se não forem cobrados, ou se pelo menos diminuírem, é mais rendimento disponível que fica nas famílias e nas empresas, logo terá igualmente a sua “procura interna”.
    No entanto, tanto num caso como noutro, nada lhe garante que essa procura não seja por bens externos – importações. Aliás, com a nossas empresas a fechar, cada vez mais as poupanças e o dinheiro de empréstimos (por exemplo o da Troika) acabam por ir para o estrangeiro sob a forma de importações.
    Tal como a MJM, também eu defendo uma redução da despesa PÚBLICA em simultâneo com uma redução de impostos (famílias e empresas).
    Tal como estamos, com uma carga brutal de impostos, não vale a pena abrir empresas nem sequer trabalhar. Desta forma as empresas vão falindo, o desemprego vai subindo e a base tributária diminui, diminuído a receita absoluta em impostos.

    Gostar

    • JoaoMiranda permalink*
      17 Outubro, 2012 07:54

      Fean Rolo,
      .
      Faz ideia quanto se teria que cortar na despesa pública para baixar impostos e cumprir as metas do défice?

      Gostar

  18. PMP permalink
    17 Outubro, 2012 08:12

    O JM, o Passos e o Gaspar (o Borges parece que já foi de vela !) ainda não entenderam que é impossivel o dificit baixar para 4,5%.
    .
    O FMI já vem dizendo isso, e qualquer pessoa que saiba um minimo de macroeconomia sabe isso.
    .
    Insistir nos 4,5% é de gente que vive no mundo da Lua.

    Gostar

    • JoaoMiranda permalink*
      17 Outubro, 2012 09:10

      PMP,
      .
      Explique-me como é que o país se vai financiar quando acabar o programa da troika e eu estou disposto a concordar consigo.

      Gostar

  19. Fean Rolo permalink
    19 Outubro, 2012 00:43

    Caro João Miranda,
    Basta ler a proposta de OE para 2013…
    No documento constam 17.286 M€ para despesas de pessoal.
    Sabemos que a FP trabalha 35 horas por semana enquanto que, no privado são 40. Sendo o ordenado mínimo igual para ambos, para manter o princípio da equidade, tão defendido pelo Presidente da República e pelo Tribunal Constitucional, há que tornar o valor hora igual. Assim, reduziríamos o valor dos vencimentos da FP nesta mesma proporção: 12,5%.
    Pouparíamos 2.1601 M€ e poderíamos portanto reduzir o IRS em 18% (o valor pago em IRS, cujo valor previsto no OE2013 é de 12.066€).

    Existem inúmeros pontos para reduzir ou mesmo cortar. É só consultar a proposta de orçamento e verificar.

    Por exemplo, em relação à Defesa. Há poucos países da Europa que gastem (percentualmente ao PIB) tanto como Portugal – Espanha gasta metade!. Será que as FA destacadas no estrangeiro (54M€) são mesmo necessárias? Será que é moralmente aceitável ter militares na reserva, alguns com pouco mais de 40 anos de idade a ganhar mensalmente uns milhares de Euros para nada fazerem? (111M€ no total).

    Sei que estou a fazer uma injustiça com os militares pois eles são apenas um exemplo do problema e não o problema em si, mas a falta de tempo não me permite esmiuçar outras áreas.

    Mas a quantidade de desperdício e de abuso no Estado é flagrante. A lista é quase interminável: PPP, professores com horário zero, professores em sindicatos, pessoal a “trabalhar” em observatórios, fundações, empresas públicas, etc.

    Enfim, o que não falta é sítios onde cortar. O que falta é decisão e coragem política.

    Gostar

Trackbacks

  1. Apre, que nem com um desenho « O Insurgente
  2. Cortem no Estado e não nas pessoas « BLASFÉMIAS

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: