Saltar para o conteúdo

o ministro da queca

3 Abril, 2013
by

«Hoje uma mulher que pretenda ser mãe, mais do que a disponibilidade financeira, reclama por disponibilidade para uma maior dedicação. Se tempo tivesse para os acompanhar teria mais filhos»; «Queremos usar verbas europeias para suportar a empregabilidade parcial»; «Uma mãe ou um pai pode vir mais cedo para casa, pode eventualmente vir a trabalhar apenas meio-dia que o Estado suporta o restante».

.

Palavras de Pedro Mota Soares, o Ministro da Sexualidade Solidariedade e Segurança Social, preocupado com a quebra da natalidade em Portugal. Um autêntico benemérito, este ministro do governo mais liberal que Portugal já teve, criador de incentivos à procriação, com oferta de emprego a tempo reduzido, salário cheio e tempo de sobra para o lazer, durante o qual tanto se pode tratar dos filhos como de cuidar de fazer mais alguns. Se conseguir executar este plano deixará obra de vulto. Deverá, pois então, passar à História com o epíteto do «Ministro da Queca».

.

Adenda: Apesar do adiantado da hora a que foi escrito e editado, este post já suscitou alguma agitação nas redes sociais, acusando-se o autor de ter redigido um texto «ridículo», na versão mais branda, e «idiota», numa abordagem menos light. Reconheço as críticas, aceito a censura e, apesar de não ser ainda subsidiado (o que espero vir a conseguir), assumo a paternidade da coisa. Tentando emendar a mão e contribuir, de forma positiva, para este tema, sugiro ao Senhor Ministro que especifique, no diploma legislativo que venha a consagrar esta sábia reforma, se o direito ao subsídio é anterior ou posterior à procriação. E que, se possível, evite entregar a redacção da lei ao Dr. Paulo Rangel, de modo a não termos que andar a discutir, nos próximos anos, se se trata de um subsídio «de» procriação ou «da» procriação.

23 comentários leave one →
  1. 4 Abril, 2013 00:04

    O aumento da natalidade é bom. Mas uns óbitos aqui e ali também faziam falta: http://lishbuna.blogspot.pt/2013/04/blog-post_9315.html

    Gostar

  2. Duarte de Aviz permalink
    4 Abril, 2013 00:04

    Bem em linha com o pensamento socialista que preside à desastrosa governação, em que o governo acha que tem que se meter no que os portugueses fazem, ou não fazem, na cama. Se isto não foi tirado de um livrito do Mao, parece.

    Gostar

  3. piscoiso permalink
    4 Abril, 2013 01:12

    Vá lá que ele não se lembrou de proibir a venda de preservativos.

    Gostar

  4. eramasfoice permalink
    4 Abril, 2013 01:14

    post idiota

    Gostar

  5. 4 Abril, 2013 01:37

    pois , como se trabalhar a tempo parcial tivesse algum efeito na recusa em parir escravos ou futuros emigrantes.

    Gostar

  6. André permalink
    4 Abril, 2013 06:17

    Tudo bem, lembre-se que o Estado precisa de (pelo menos) manter a população do país para sustentar as reformas. Claro, se o senhor quiser trabalhar até aos 80, isso é consigo, mas eu não me sentiria seguro num autocarro se lá tivesse um motorista praticamente cego e surdo. Também acho que as obras ficariam espetaculares, uns quantos velhos a construir e arranjar edifícios mas sem força para o fazer. Sim, era bom que o governo se preocupasse mais com a natalidade. É claro que seria ainda melhor se não obrigassem uma grande percentagem da população ativa a mudar de país, mas claro, nisso o governo prefere não pensar.

    Gostar

  7. PiErre permalink
    4 Abril, 2013 07:57

    Ó André, não queiras ser velho, pá, olha que é uma grande chatice!…

    Gostar

  8. Monti permalink
    4 Abril, 2013 08:10

    Afinal, Sócrates também tinha razão:
    Cheque Bebé, Já.

    Gostar

  9. Churchill permalink
    4 Abril, 2013 08:37

    Há um problema grave identificado, a baixa natalidade.
    Como é normal é necessário pensar políticas que promovam.
    Esta ideia do ministro é boa, apesar de insuficiente para o grau do problema. Mas é positiva.
    .
    Não conheço o Rui A., mas posso garantir-lhe que com duas horas a menos por dia muitos pais podiam levar. Trazer os filhos da escola, o que de outra forma é complicado (especialmente para horário de 10 e mais horas).
    .
    Por isso como já alguém disse não só o post é idiota como ignorante.

    Gostar

  10. Churchill permalink
    4 Abril, 2013 08:38

    Monti
    Entre tanta asneira também terá participado em algumas ideias positivas.
    O problema é o saldo

    Gostar

  11. PiErre permalink
    4 Abril, 2013 09:04

    “Uma mãe ou um pai pode vir mais cedo para casa, pode eventualmente vir a trabalhar apenas meio-dia que o Estado suporta o restante”.
    .
    Isto prova que o Estado, ou está podre de rico, ou está apenas podre.

    Gostar

  12. Grunho permalink
    4 Abril, 2013 10:08

    Só me espanta ainda citares o parvo do Lambreta.

    Gostar

  13. General permalink
    4 Abril, 2013 10:45

    E as senhoras que trabalham a tempo inteiro a queca ! Quem acompanha os filhos ? Isto de fazer leis não está nada fácil.

    Gostar

  14. Tim permalink
    4 Abril, 2013 11:28

    Mota «vespa» Soares é uma anedota ministerial.

    Quando não anda disfarçado de ministro-fantasma sai-se com pérolas destas.

    Gostar

  15. Pedro Martins permalink
    4 Abril, 2013 11:48

    É, obviamente, uma medida parva e (apenas) propagandista. Cairá à primeira fraude ou consequência adversa para os trabalhadores (sim…é tudo muito bonito, quando associado a uma maior flexibilidade do vínculo laboral. Não dá a cara com a careta, digo eu, que não percebo nada disto!)

    Gostar

  16. maranus permalink
    4 Abril, 2013 12:56

    Houvesse investimento, incentivo ao trabalho e emprego, com a produção de riqueza advinda e não faltaria multidão de gente a acorrer de toda a parte, já toda feita e apta a contribuir para o enriquecimento do País. Mas ninguém lembrará o ministro, atarefado a promover a ‘queca’, nem mesmo o autor da posta?, pois era ganho e poupança certa, não despicienda da economia, já diz Cícero, que alguma vez li e me orientou altamente .

    Gostar

  17. maranus permalink
    4 Abril, 2013 14:51

    Governo quer criar part-times para fazer filhos, já formados e mestrados, frescos, se possível, quantos mais, que a Alemanha está desejosa deles …

    Gostar

  18. Joaquim Amado Lopes permalink
    4 Abril, 2013 14:57

    André,
    “Tudo bem, lembre-se que o Estado precisa de (pelo menos) manter a população do país para sustentar as reformas.”
    Quanto dinheiro se vai gastar nesta imbecilidade “ultraliberal”?
    Quantas crianças a mais nascerão devido a ela?
    Quando crescerem, quantas dessas crianças ficarão a trabalhar no país?
    Quantos trabalhadores decidirão abandonar o país para não terem que pagar tantas imbecilidades “ultraliberais”?
    .
    Reformar a Segurança Social (p.e. acabando com as pensões elevadas e com uma enormidade de subsídios que não fazem qualquer sentido) não entra na cabeça destes “ultraliberais” que julgam que o dinheiro a distribuir surge por geração espontânea e não tem que ser retirado a ninguém.

    Gostar

  19. Fincapé permalink
    4 Abril, 2013 16:51

    “…este post já suscitou alguma agitação nas redes sociais, acusando-se o autor de ter redigido um texto «ridículo»…”
    Caro, rui a.
    É para ver o tipo de gente com que anda metido. 🙂 Fico sem saber se o diácono Remédios é uma caricatura deles ou se, pelo contrário, eles é que são uma caricatura do diácono Remédios. Mas para o efeito tanto faz.

    Gostar

  20. Fincapé permalink
    4 Abril, 2013 21:56

    “… com quem anda metido.” 🙂

    Gostar

  21. André permalink
    5 Abril, 2013 08:43

    Joaquim Amado Lopes,
    Obviamente que é preciso reformar em larga escala a Segurança Social e eu não coloco isso em causa. Mas não há nenhum modo alternativo de pagar pensões se não houver habitantes em idade ativa a produzir.
    Muitos trabalhadores não abandonam o país por terem de pagar a Segurança Social e suas “imbecilidades”. Muitos trabalhadores abandonam o país porque não têm trabalho. Porque não há quem consuma, e se não há quem consuma, não há empresa que escoe os produtos que produz (a lei mais capitalista que existe). E também há muitos que não querem voltar porque para além de Portugal ser como é, nos outros países ganham mais e ainda têm Estados que os protegem.
    As crianças que nascerem agora talvez fiquem a trabalhar no país, tudo depende se alguém está interessado AGORA em voltar a ter grandes níveis de consumo. Infelizmente, dentro deste governo, ainda não vi ninguém que o quisesse fazer.

    Gostar

Trackbacks

  1. Penso que isto será fruto de excesso de voluntarismo (e de tempo livre) | O Insurgente
  2. Até dava para rir se não fosse trágico | O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: