Saltar para o conteúdo

Paleio

13 Maio, 2013

Em Outubro do ano passado havia um grande consenso a favor de cortes na despesa. Como se tem visto na últimas semanas era apenas paleio. É praticamente impossível encontrar político, comentador ou blogger que faça uma defesa pública de cortes nas pensões.

Anúncios
25 comentários leave one →
  1. trill permalink
    13 Maio, 2013 00:39

    Here we have had our vantage, the good hour.
    Here we have had our day, your day and mine.
    Come now, before this power
    That bears us up, shall turn against the pole.

    EZRA POUND

    Gostar

  2. Joaquim Amado Lopes permalink
    13 Maio, 2013 00:54

    “É praticamente impossível encontrar político, comentador ou blogger que faça uma defesa pública de cortes nas pensões.”
    Pelos vistos, excepto Pedro Passos Coelho e Vitor Gaspar.

    Gostar

  3. Portela Menos 1 permalink
    13 Maio, 2013 01:09

    A formação de percepções erradas sobre despesa pública ou as propostas alternativas que os entendidos fazem por ignorar:
    .
    * Montante pago em salários e pensões aquém da média europeia e abaixo dos 10% do PIB.
    * Pelo contrário, a soma das despesas contratualizadas com outras entidades (investimentos, bens, serviços e consumos intermédios), totaliza cerca de 17% do PIB, pelo que gerar aí uma poupança de 10% significa poupar quase 2% do PIB (mais de 3.000 M)

    * source: Público12maio2013, página 25

    Gostar

    • JoaoMiranda permalink*
      13 Maio, 2013 01:13

      Números errados. Salários e pensões são 35% do PIB. A rubrica bens e serviços são menos de 10% do PIB (grande parte são os custos de funcionamento dos hospitais e medicamentos).

      Gostar

      • 13 Maio, 2013 01:16

        Qual é a fonte dos seus dados? Tem provas da pouca fiabilidade dos dados do Público?

        Gostar

      • trill permalink
        13 Maio, 2013 01:16

        então ponha lá um linkzinho para a fontes, jm. mto agradecidos.

        Gostar

      • JoaoMiranda permalink*
        13 Maio, 2013 01:18

        As minhas fontes são os boletins de execução orçamental e o DEO.

        Gostar

      • Portela Menos 1 permalink
        13 Maio, 2013 01:21

        eu não conheço o sr L. Valadares Tavares mas cito-o, uma vez que os editores do Blasfémias deixaram de ler o Público: (…) quem nunca viveu a experiência de administração pública ou não a estudou, tende a formar percepções erradas e a não conseguir controlar a própria despesa tal como os factos evidenciam. Talvez o melhor exemplo deste desconhecimento seja pensar que o principal problema da despesa pública seja o montante pago em salários e em pensões (…)

        Gostar

      • Portela Menos 1 permalink
        13 Maio, 2013 01:31

        os boletins de execução orçamental e o DEO também devem fazer referência a “10% de aumento em 2012 – ano de todos os cortes em salários e pensões – em despesa com aquisições de bens e serviços dos institutos públicos” ou “aumento de 50% desta rubrica na Administração Regional da Madeira”

        Gostar

      • trill permalink
        13 Maio, 2013 01:31

        o link n tem nada que ver mas aparentemente é um investigador da questão do risco e da aleatoriedade.

        Gostar

  4. tric permalink
    13 Maio, 2013 01:24

    Gostar

    • 13 Maio, 2013 11:57

      Hoje sabemos, através das novas tecnologias de informação, que o que se passa nos mundos, outrora propositadamente escondidos pelas ditas e auto proclamadas imprensas do mundo livre Ocidental, não serão verdades nem parciais quanto mais absolutas.
      Temos a feliz possibilidade e o direito em concluir, com mais segurança, onde existem os verdadeiros canalhas, terroristas ou lá como os queiram chamar.
      Enganar o pessoal tem sido fácil. Dê-se-lhes Big Brothers, TVI´s, futebol, políticos comentadeiros e outros divertimentos ditos “democráticos e livres” para que não vejam nem sintam outras realidades impostas pela lei do canalha mais forte ou com mais dinheiro.
      Durante muitas décadas gostámos de ser enganados. Convinha-nos e sabia bem. Hoje não será assim e pessoalmente arrisco dizer que muitas vezes terei dado mais créditos ao que se ouve e se vê noutras paragens anteriormente escondidas. Felizmente existem RT, PressTV, China Daily, etc e esta nova possibilidade Síria, pais que bem conheço e que tanta mas tanta mentira o Ocidente tem proclamado. Talvez um dia se arrependa. Oxalá!

      Gostar

  5. 13 Maio, 2013 01:24

    E quem diz que essas fontes são seguras João? Como se os estados não mentissem!

    Gostar

    • JoaoMiranda permalink*
      13 Maio, 2013 01:28

      É fácil de verificar. Os documentos que mencionei são públicos.

      Gostar

      • Portela Menos 1 permalink
        13 Maio, 2013 01:31

        os boletins de execução orçamental e o DEO também devem fazer referência a “10% de aumento em 2012 – ano de todos os cortes em salários e pensões – em despesa com aquisições de bens e serviços dos institutos públicos” ou “aumento de 50% desta rubrica na Administração Regional da Madeira”

        Gostar

      • trill permalink
        13 Maio, 2013 01:33

        se são tão “científicos” como os números que apresentam sobre o ensino público e as horas que os profs trabalham, então estamos conversados.

        Gostar

  6. 13 Maio, 2013 01:31

    Eu não disse que não estavam, disse é que o conteúdo podia estar errado.

    Gostar

    • 13 Maio, 2013 02:27

      Aí vai o link do INE, com os números que serão apresentados a Bruxelas (quadro “receitas e despesas das administrações públicas”):
      http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=cn_quadros&boui=95389256
      Em 2013, com a reposição dos subsídios, salários + prestações sociais ultrapassarão os 70% da despesa pública, cerca de 35% do PIB.

      Gostar

      • 13 Maio, 2013 02:38

        Eu não disse que esses dados não existiam nem nada semelhante: disse é que podiam estar empolados ou errados, algo que já aconteceu cá e noutros paises. Podem também estar certos.Vou tomá-los como certos e avançar.
        Admitindo isso,, há 2 coisas a realçar:, lá em cima, estão a dizer que adquisições de bens e serviços são aumentaram 10%,e 50% na Madeira.Depois, mais vale o corte de 10% nas pensoes da CGA

        Gostar

  7. Fincapé permalink
    13 Maio, 2013 03:46

    “É praticamente impossível encontrar político, comentador ou blogger que faça uma defesa pública de cortes nas pensões.”
    ——
    As reformas e pensões estão a ser cortadas. O problema é todos saberem, mais novos e mais velhos, que quando se ultrapassar a linha vermelha1 uma vez, ela servirá de direito consuetudinário. Quer dizer, nunca mais nenhum governo necessitará de governar porque terá sempre à mão um saco azul para a farra.
    ——
    1 Aquela que Paulo Portas disse não ultrapassar para mais facilmente dar um pulinho de contente para o outro lado – pronto, exagerei um pouquito! 😉

    Gostar

  8. YHWH permalink
    13 Maio, 2013 07:37

    O governo revela um consenso de gelatina e dependente de revelações dominicais de Portas…

    E queria consensos com o PS…

    Anedota, pois…

    Gostar

  9. murphy permalink
    13 Maio, 2013 12:10

    Por muito que em televisões, fóruns e jornais se diga o contrário, será inevitável mexer nas pensões…
    Os factos: se há 20 anos existiam 4 trabalhadores activos por cada reformado (e a esperança média de vida, i.e., o n.º de anos médio que as pessoas usufruíam da pensão era de 10 – 12 anos, alguém com o mínimo de conhecimentos de matemática pode acreditar que o mesmo sistema suportará pagar o mesmo nível de pensões quando, dentro de opucos anos, teremos 3 pensionistas por cada 4 trabalhadores activos e, apesar da subida da idade de reforma, em média as pessoas receberão as suas pensões por 20 – 25 anos?!
    http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/05/historias-que-todos-conhecem.html

    Gostar

    • Fincapé permalink
      13 Maio, 2013 15:04

      Você engravida pela vista e pelos ouvidos, Murphy. O produto e a produtividade cada vez dependem menos do trabalho das pessoas. Não se esqueça que o séc. XX foi todo passado praticamente a consolidar as oito horas de trabalho diário e as quarenta por semana. Apesar do ciclópico aumento da produção e da produtividade, praticamente não houve reduções horárias novas, com algumas exceções, como em França e pouco mais com as 35 horas, e também nalguns setores, mesmo por cá.
      Um dia será possível produzir quase tudo com um mínimo de intervenção humana. Basta pensar de novo na evolução do último século que representa praticamente zero no tempo da evolução humana.

      Gostar

  10. André permalink
    13 Maio, 2013 14:46

    Eu defendo cortes nas pensões. Primeiro, um limite máximo no valor de 2000€, sendo que a partir daí, o Estado não pagava mais nada. Para além disso, cada cidadão teria direito a apenas uma reforma, que não poderia ser acumulada com mais salário nenhum, a não ser que essa reforma fosse inferior ao salário mínimo nacional.
    Depois, podemos também fazer um corte de 5% em todas as pensões acima de 600€, mas não cortaríamos mais.
    É claro que também proibíamos, expressamente que se reformasse pessoas (tanto no público como no privado) antes dos 65 anos, a não ser em casos confirmados (por dois ou mais médicos) de invalidez.
    Não sou é a favor de cortes em pensões de 300, 400 ou 500€, esses ficavam, muito provavelmente, sem dinheiro para comer. Mas é claro, o objetivo do João Miranda é matar todos aqueles que já não possam produzir. Quero ver quando for a vez dele, ainda somos capazes de o ver como um reformado indignado.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: