Saltar para o conteúdo

A ver também

21 Julho, 2013

Como de costume o parlamento que se inibe de pronunciar sobre matérias da sua competência como a legislação sobre os candidatos às autárquicas  continua na sua gesta da engenharia social e assim no dia 24 de Julho vai ser votada a co-adopção por casais do mesmo sexo.  Ao contrário do que foi afirmado no Prós & Contras pelos defensores da co-adopção  o nome dos pais consta no cartão de cidadão. Conhecer a identidade dos seus pais é um direito das crianças e não um artifício legal  para que pessoas que optam por uniões estéreis possam ter a alegria de ver o nome de ambas inscrito como pais ou mães

cartao-do-cidadao

 

Anúncios
31 comentários leave one →
  1. permalink
    21 Julho, 2013 10:32

    Os resultados desta engenharia social têm sido brilhantes como se pode constatar – um país falido e só com velhos.

    Gostar

    • Pedro permalink
      21 Julho, 2013 11:45

      Paleio fiado. Dá o teu contributo: enriquece e faz mais filhos.

      Gostar

      • YHWH permalink
        21 Julho, 2013 13:38

        LOL!!!

        Isso é que é mesmo paleio.

        Alemanha, país mais rico da UE: taxa de natalidade similar à portuguesa…

        Gostar

      • Pedro permalink
        21 Julho, 2013 16:20

        Eu não tenho problema nenhum com isso, não fui eu que me queixei. Acham que não há crianças? Toca a fazer, não sejam egoístas.

        Gostar

  2. André permalink
    21 Julho, 2013 10:50

    Chama “engenharia social” à votação de propostas de lei? Bem, tendo em conta que as leis devem existir para promover o bem estar social, certamente que a Helena concordará que o parlamento tem o dever de discutir este e qualquer outro assunto relacionado com a legislação portuguesa, uma vez que essa legislação é lá redigida e aprovada.
    Já sobre a legislação das candidaturas às autárquicas, ela foi aprovada, como tal, quem agora tem de decidir são os tribunais (não o tribunal constitucional, uma vez que o assunto não é da Constituição, mas talvez um Supremo Tribunal Administrativo, ou algo do género).
    Já agora Helena, endo em conta que a adoção (e co-adoção) é um assunto que tem de ter o consentimento do Estado, o facto de o Estado não se pronunciar sobre esse assunto não seria, por si só, engenharia social. Uma engenharia social contrária àquela que a Helena diz que existe, mas ainda assim, uma engenharia social.

    Gostar

  3. nacionalista permalink
    21 Julho, 2013 10:53

    Os palhaços dos nossos políticos não conseguiram fazer a lei em condições e sem segundas interpretações … deviam ter vergonha em atirar para os Tribunais a resolução desses assuntos !

    Gostar

  4. YHWH permalink
    21 Julho, 2013 11:09

    Pobre ser aquele que necessite de saber quem é (ou quem são os pais, ou o país) através de um cartão…

    As lições de vida de Agostinho da Silva (o homem que não tinha cartões…) aproveitaram, visivelmente, a muito poucos.

    Gostar

  5. 21 Julho, 2013 11:54

    Como já se sabe qual seria o resultado do referendo…não há referendo.

    Gostar

  6. Pedro permalink
    21 Julho, 2013 11:59

    “Conhecer a identidade dos seus pais é um direito das crianças e não um artifício legal para que pessoas que optam por uniões estéreis possam ter a alegria de ver o nome de ambas inscrito como pais ou mães”

    E qual é o seu problema com a alegria das pessoas? Eu sou pai de uma criança que adoptámos e sou feliz por no seu BI aparecer o meu nome como pai. Pode conhecer o seu pai natural quando quiser, temos a documentação. A Helena é fiscal da alegria dos outros?

    Gostar

  7. helenafmatos permalink
    21 Julho, 2013 12:06

    Então digamos que têm a tristeza. O que está em causa para mim é a criação de uma ficção na filiação de algumas crianças – não há dois pais nem duas mães – a gosto dos adultos. E de modo algum este é um problema dos homossexuais. Nas barrigas de aluguer o caso é anda mais grave pois está-se a interferir com a figura materna

    Gostar

    • Pedro permalink
      21 Julho, 2013 12:52

      Eu comentei o trecho que transcrevi. Os filhos adoptados têm o direito de conhecer os pais naturais, nunca ninguém colocou isso em causa, mas no BI consta o nome dos pais adoptantes. Sim os pais ficam alegres, aguente isso. Sobre a “tristeza”, que sabe a Helena sobre a tristeza ou alegria das crianças dos outros?

      Gostar

  8. 21 Julho, 2013 12:56

    Percentagem elevada dos deputados estão-se marimbando para o destino do país ! Interessalhes isso sim, os seus futuros e dos partidos que os colocaram, espalharam por lá, entraram cercados por “cabrestos”/partidos… — veja a não-afluência às bancadas, durante a semana, de 50% dessa maltosa…

    Gostar

  9. Joaquim C. Tapadinhas permalink
    21 Julho, 2013 12:59

    Um milhão de cidadãos abaixo do limiar da pobreza e a AR, preocupada, e trazendo a primeiro plano, leis de cu-adopção, como se fosse o problema mais importante do moimento. Estes 230 não valem 1.

    Gostar

    • Renato permalink
      21 Julho, 2013 13:06

      “Um milhão de cidadãos abaixo do limiar da pobreza”

      Propaganda bloquista

      Gostar

      • 21 Julho, 2013 13:08

        Não goze com a situação. Ou, informe-se.

        Gostar

      • Renato permalink
        21 Julho, 2013 13:30

        Informo-me, onde? Há quem diga que as pessoas apenas corrigiram maus hábitos e que voltaram a uma vida simples. Por exemplo, a culpa das crianças passarem fome, é dos pais. Esclareça-me.

        Gostar

    • 21 Julho, 2013 13:07

      Também não vale “1 corno” quem, sabendo que os partidos A e B estão-se marimbando para os tugas, reincidem no erro de votar nesses “representantes” em S.Bento…

      Gostar

  10. 21 Julho, 2013 13:10

    Para HM parece haver apenas um tipo de filiação que é a biológica.
    No entanto há a filiação por adopção, por muitas e variadas razões que não cabem na cabeça de quem vê a família como um conjunto de pessoas com um grau de parentesco entre si.
    E um cartão do Benfica, não tem?

    Gostar

  11. 21 Julho, 2013 13:13

    Lá está a veia maoista da postadora:
    http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/honraras-pai-e-mae-por-lei

    Gostar

  12. 21 Julho, 2013 13:29

    Sobre o caso, HMatos só aceita resultados, vivências e leis via sexo-e-só-por-sexo, e unicamente o acasalamento para uma família tradicional “e portuguesa com certeza”.
    Outros, optam por afectos específicos e vivências diferentes.
    (Os humanos, e outros bichos, são assim, HM).

    Gostar

    • licas permalink
      21 Julho, 2013 16:21

      MJRB: diz bem AFECTOS ESPECÌFICOS, e tão *específicos*
      que a generalidade dos cidadãos classifica de *viciosos/anormais* . . .

      Gostar

      • 21 Julho, 2013 16:52

        Respeito esses afectos específicos. Respeito também a não-aceitação da “generalidade” dos cidadãos.
        Uns e outros estão (estamos) ainda no início duma OUTRA fase peculiar das relações humanas e familiares.

        Gostar

  13. 21 Julho, 2013 13:46

    Renato
    13:30,
    Vc. não ouve nem lê notícias, reportagens, depoimentos, estatísticas, do que está a acontecer no país ?

    Gostar

  14. Portela Menos 1 permalink
    21 Julho, 2013 14:35

    Liberais na economia (às vezes) reaccionários nos costumes (sempre).

    Gostar

    • licas permalink
      21 Julho, 2013 16:35

      Todo o *reaccionarismo* contra aqueles que excluem
      a liberdade generalizada de opinião/expressão é bem-vinda . . .
      AQUELES QUE ADJECTIVAM a liberdade de expressão usando *Fascista* (Tiago)
      apenas revelam sem sombra de dúvida que não são Democratas . .

      Gostar

      • Portela Menos 1 permalink
        21 Julho, 2013 19:30

        e social-fascista, pode chamar? 🙂

        Gostar

  15. Fincapé permalink
    21 Julho, 2013 15:34

    Proponho a seguinte alteração nos futuros cartões do cidadão:
    Que as duas faces se passem a designar “frente” e “costas” em vez de “frente” e “verso”. 😉

    Gostar

  16. Carlos Dias permalink
    21 Julho, 2013 15:48

    Não concordo com o Fincapé, embora a sugestão seja melhor que a actual.
    Mas para haver uma igualdade absoluta o cartão deveria ter duas frentes, basta de desigualdades reacionárias.

    Gostar

  17. maria ferreira permalink
    21 Julho, 2013 19:11

    Caricato, meia dúzia querem inversão de valores. Se um homem ou mulher tendo filhos se juntam ou casam, são chamados de Padrasto ou Madrasta. Grandes cientistas!

    Gostar

  18. Trinta e três permalink
    21 Julho, 2013 20:17

    Tudo depende da adoção ser restrita ou plena. Se for restrita, o nome que permanece é o dos pais biológicos.

    Gostar

  19. Paulo Afonso permalink
    22 Julho, 2013 13:24

    Este argumento saiu de um baú empoeirado, como de certeza toda essa sua ideologia… acorde, veja a sociedade como ela é e não como gostaria que ela fosse. Minha cara, as mentalidades mudam, logo as leis também… por essa ordem de ideias, você continuaria em casa a cuidar dos filhos, à volta dos tachos e bordados, porque é isso que se esperaria de uma mulher.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: