Skip to content

O colchão é uma ideia perigosa

2 Dezembro, 2013

A blogosfera jugulante sedenta de sabe-se-lá-o-quê anda fascinada com um tal de Mark Blyth que afirma que a “austeridade é uma ideia perigosa”. Genial!
A ideia é mais ou menos esta: se todos poupam ao mesmo tempo, ninguém gasta; se ninguém gasta, não é preciso produzir, desemprego rebenta a escala e lá se vai a poupança a subsidiar burros-de-Miranda. Brilhante! Genial! Como é que ninguém se lembrou disso antes? Como é que ninguém pensou na brilhante ideia que é gastar dinheiro quando acaba quem empreste dinheiro, isto para ganhar dinheiro que permita gastar dinheiro para… bem, para comprar livros ao Mark Blyth?

O problema é que alguém se lembrou antes. Tanto que se lembrou que o fez, originando o terceiro resgate da história pós–25 de Abril. Mas isso agora não interessa nada: o que interessa é que os alemães e outros que tais são mauzões porque gastam menos do que o que deviam gastar para que nós não tivessemos que poupar tanto quanto deveríamos poupar para também podermos gastar o que não devíamos gastar. Aguentem lá um bocadinho, isto não é particularmente fácil de escrever depois dos 12 anos de idade.

A parte que não se compreende neste regabofe é o que faz Mark Blyth em Portugal. Não é suposto ir convencer alemães a gastarem dinheiro? Que adianta andar em Lisboa a dizer que o Hans devia fazer mais férias em Mykonos, onde é muito bem recebido, se poucos Hans residentes em Portugal estão interessados na historieta? Faria muito mais sentido ir pregar para Berlim, onde realmente o dinheiro pode ser gasto, para que nós possamos não poupar e então gastar o que não temos, isto de forma a podermos usufruir de consumo que nos permita comprar livros do Mark Blyth.

Anúncios
53 comentários leave one →
  1. zeca marreca de braga permalink
    2 Dezembro, 2013 17:16

    Burros de Miranda, pá, de Miranda. Mirandela não tem burros, só asnos!

    Aí o escriba…

    Gostar

    • vitorcunha permalink*
      2 Dezembro, 2013 17:17

      Obrigado. Corrigido.

      Gostar

      • Estou a ver... permalink
        2 Dezembro, 2013 21:19

        Subsidiamos burros GPS!

        Gostar

      • ora permalink
        2 Dezembro, 2013 21:25

        subsidiar burros é salvar duas espécies

        a dos Equus asinus que nos servem desde há 3 pirâmides e meia antes das torres de babel

        animal burro mesmo incapaz de sobreviver sem ser subsidiado

        pois quem serve o Homo vasquensis….

        Gostar

    • und permalink
      2 Dezembro, 2013 18:06

      Mirandela tem burros, alheiras e até asnos que gamam…..o problema do texto está na propaganda económica simplex. os alemães gastam e muito basta ver o Psi 4 riot no media markt
      não gastam é em produtos de sus hermanitos preguiçosos

      do mesmo modo que em Portugal muitos gastam em merdocas de importação e em restaurantes français et apartements

      mas num gastam cá na parvónia e o betão tem de voltar pró brasil em vez de servir comida ao quilo

      Gostar

  2. 2 Dezembro, 2013 17:30

    Como ganhar dinheiro em 3 easy steps:

    1) Pega-se no paradoxo da poupança (paradox of thrift) do Keynes e enrola-se numa retórica bonita século XXI, decorada q.b. de neologismos;
    2) Divulga-se essa narrativa num livro bonito e dissemina-se entre os intelectuais de esquerda para servir de malhete retórico contra os arautos neoliberais da austeridade;
    3) Profit!

    Gostar

    • vitorcunha permalink*
      2 Dezembro, 2013 17:38

      Espero que tenha um capítulo a explicar porque é que as pessoas compram ouro ou bitcoins. Assim o livro critica-se a ele próprio.

      Gostar

      • 2 Dezembro, 2013 21:51

        bom o problema é similar ao do homem de pau feito, ignoras os pontos positivos para a propaganda na mensagem do adversário

        o ouro é raro na superfície terrestre logo é um recurso e além disso brilha

        já os bitcoins tal como os sub-primes ou os bolbos de túlipa são moeda especulativa cujo valor intrínseco depende da pancada na tola do caveat emptor

        Edit
        AboutMedia Control: The Spectacular Achievements of Propaganda
        Book
        Noam Chomsky’s backpocket classic on wartime propaganda and opinion control begins by asserting two models of democracy–one in which the public actively participates, and one in which the public is manipulated and controlled. According to Chomsky, “propaganda is to democracy as the bludgeon is to a totalitarian state,” and the mass media is the primary vehicle for delivering propaganda in the United States. From an examination of how Woodrow Wilson’s Creel Commission “succeeded, within six months, in turning a pacifist population into a hysterical, war-mongering population,” to Bush Sr.’s war on Iraq, Chomsky examines how the mass media and public relations industries have been used as propaganda to generate public support for going to war. Chomsky further touches on how the modern public relations industry has been influenced by Walter Lippmann’s theory of “spectator democracy,” in which the public is seen as a “bewildered herd” that needs to be directed, not empowered; and how the public relations industry in the United States focuses on “controlling the public mind,” and not on informing it. Media Control is an invaluable primer on the secret workings of disinformation in democratic societies.

        o home de pau feite tamém adevia ler iste

        bom tentar ler

        caxo cu gadjó sofre de iliteracia in cunómica prpagandística
        deve ser por isse cafoi pra jurnalista

        Gostar

  3. J. Madeira permalink
    2 Dezembro, 2013 17:48

    O que está em causa é única e simplesmente o resultado
    das políticas austeritárias do des-governo do Quintal !
    Confesso que só li os excertos da carta de demissão do
    criador dos desvios colossais, publicados na imprensa,
    era claro que mago dos modelo/s para o ajustamento saíu
    reconhecendo o falhanço! Outra verdade, por cá existem
    muitos alemães os Hans, os Maçaes, os Cunhas etc. etc.!
    O resto é palha para os asnos que a queiram comer!!!

    Gostar

    • ora permalink
      2 Dezembro, 2013 18:44

      do dez governo? o Sócrates demitiu-se? ou o santana lopes? e escreveram cartas?
      deve estar a fazer confusão com o soares

      sahiu reconhecendo que este governo nã cortou na despesa?

      e a fundação e os amigos dos pareceres nunca serão cortados?

      como propagandista és mais homme de palha cu cunha

      Gostar

      • und permalink
        2 Dezembro, 2013 19:30

        é tão fraquinho este madeira

        AS CAMPANHAS POLÍTICO-ECONÓMICAS

        PROMOVEM A IDEIA DA MORAL EM ECONOMIA

        QUANDO PELA SUA NATUREZA A ECONOMIA É A ACTIVIDADE MAIS IMORAL

        QUE O HOMO LUDENS OU O HOMO SOVIETICUS ABRAÇARAM

        A ECONOMIA MASSACRA AS GENTES E TRITURA-LHE AS CARNES E OS OSSOS

        E É MAIS QUE IMORAL

        É AMORAL NOS SEUS MASSACRES

        ATÉ A ECONOMIA MAIS ALTRUÍSTA TEM DE ALIMENTAR A ÉLITE BUDISTA

        À CUSTA DA DIETA DOS FIÉIS

        QUE SERÃO RECOMPENSADOS ECONOMICAMENTE EM ENCARNAÇÕES POSTERIORES

        DAÍ TER COMO SÍMBOLO ECONÓMICO PROPAGANDÍSTICO A RODA

        QUE DIGA-SE DE PASSAGEM É UM SÍMBOLO DE SERVIDÃO AO PODER

        MUITO MAIS MANSO QUE OS LEÕES BABILÓNIOS

        OU AS ÁGUIAS ROMANAS OU OUTRAS SIMBOLOGIAS BICÉFALAS COM PENAS

        OU SEM ELAS…DESDE SERPENTES EMPLUMADAS A CULTURAS TOTÉMICAS

        COM TABUS ECONÓMICOS VÁRIOS

        MESMO UMA CULTURA EM QUE TEM O VERDE DO PROFETA COMO SÍMBOLO

        E A NEGAÇÃO DO JURO COMO LEI

        A BANCA ISLÂMICA PARTILHA O LUCRO

        LOGO NÃO HÁ ECONOMIA MODERNA EM QUE NÃO HAJA SONEGAÇÃO DE RECURSOS

        PORQUE O LUCRO DE UNS É SEMPRE O PREJUÍZO DE OUTROS…..

        CALHOU-NOS DESTA VEZ A PARTILHA DOS RISCOS DOS LUCROS DE OUTROS

        É ARRISCADO PARTILHAR RISCOS SEM PARTILHAR LUCROS

        MAS É NORMAL ACONTECEREM ESSAS COUSAS À PIOLHEIRA

        AFINAL HÁ MESTRES E HÁ SERVOS

        É A ORDEM NATURAL DAS COUSAS

        há mastros e há madeiros

        Gostar

      • J. Madeira permalink
        2 Dezembro, 2013 21:35

        Ora e Und, lá bem no fundo vocês sabem que não
        lhes assiste um mínimo de razão, procuram com
        alguns trocadilhos confundir os comentadores que
        espírito aberto coloca objeções às vossas “verdades”!
        Por vezes, a economia é como se gere uma casa e,
        não se gasta mais do que se recebe outras, querem-
        -na fazer passar por uma ciência ao alcance de meia
        dúzia de génios … é caso para perguntar onde está a
        lógica? Se a melhor ordem é precisamente o caos que
        temos … até ver! Também sou da opinião que os há!!!

        Gostar

      • ora permalink
        2 Dezembro, 2013 21:41

        bom filha não sabes ler?
        está escrito que a economia é imoral e amoral

        a economia mata ….basta ver os mongóis
        ou os tutsis
        ou o perigo amarelo do kaiser….

        já o stakanovismo matava por exaustão
        mas nem por isso deixava de ser económico

        e filha a economia é uma actividade humana logo está ao alcance de todos e esse é o problema….é por isso que temos 400 ppm de co2 na atmosfera

        só os dinossauros conseguiram isso….eram bons economistas

        eram génios como tu…ó homem de pau feito

        tenta usar a outra cabeça pró argumentario tá….
        estes garotos….

        Gostar

  4. Fincapé permalink
    2 Dezembro, 2013 17:51

    O Vítor tinha confundido burros com alheiras, o que é natural: são parecidos. 🙂
    ————-
    Quanto aos livros de Mark Blyth, acho que, mais uma vez, o Vítor não tem razão. Quer que leiamos o quê? Compra-se um livrito do JCN, do RA, do MF, do H, do M ou de um desses e temos primeiro de nos espantar, depois, quase linha a linha, corrigir ou então a imaginar, talvez em Marte, aquilo que escrevem.
    ————
    Mas dou-lhe razão numa coisa: em vez de andarem por aí a dizer o óbvio, bem poderiam fazer os cálculos, que imagino relativamente fáceis, embora dessem um bom livrinho, daquilo que a Alemanha ganhou a emprestar dinheiro para os sulistas gastadores derreterem, antes da crise, do que ganhou já depois da crise, do que ganhou com as limitações à produção e a destruição das economias do sul, mantendo ela os setores que quis, do que ganhou com a entrado do “seu” euro, do que ganhou após a segunda guerra e do que não pagou a quem devia, do que ganhou com o não pagamento das multas quando foi a primeira a ultrapassar o défice de 3%…
    Bom, o Mark Blyth que se amanhe e escreva ele o livro. Daqui a nada basta-lhe copiar este comentário e vai ele ganhar o dinheiro com o livro e direitos de autor, enquanto eu continuo um sulista pobre. 😉

    Gostar

    • 2 Dezembro, 2013 17:53

      Fincapé, esse comentário preconiza bem a mentalidade portuguesa. A culpa é sempre dos outros.

      Gostar

      • Trinta e três permalink
        2 Dezembro, 2013 17:56

        Correção: a “culpa” TAMBÉM é dos outros.

        Gostar

      • 2 Dezembro, 2013 18:00

        Não existem santos em lado nenhum. A questão é o que nós controlamos. E, tanto quanto sei, somos um país em 28 numa união monetária de 17. O que controlamos é o nosso orçamento de estado e, muito remotamente, a economia. Quando a discussão sobre isso estiver terminada, podemos passar à crítica aos alemães. Até lá, é atirar areia para os olhos.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Dezembro, 2013 18:01

        Eu não disse isso. Se um banco me emprestasse dinheiro sem qualquer garantia, eu poderia ter uma culpazita, mas se me dissessem que o banco não tinha nenhuma eu não acreditava. A diferença é que os “outros” davam sempre como garantido o retorno, nem que fosse pondo-nos uma bola de ferro ligada por uma corrente ao tornozelo. E eles ainda não perderam o jeito.
        ————
        Mas eu apenas propus uma coisa séria: alguém investigar e escrever um livro sobre um assunto que parece que ninguém quer abordar. Isso seria mau? Acho que venderia bem. 😉

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        2 Dezembro, 2013 18:03

        É bom ver o Fincapé a perceber as subidas dos juros em 2011.

        Gostar

      • 2 Dezembro, 2013 18:04

        Se existe informação assimétrica e seleção adversa, quem pede emprestado sabe muito melhor do que o banco se tem capacidade para pagar o crédito solicitado ou não. Se o banco for à falência e perder as suas poupanças, então sim, a culpa é garantidamente do banco. Caso contrário, é sua. Não vejo a nebulosidade aqui.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Dezembro, 2013 18:14

        Vítor, com a sua ajuda consigo perceber quase tudo. Às vezes. basta-me inverter o raciocínio. 🙂

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        2 Dezembro, 2013 18:15

        Eu pessoalmente estou satisfeito. Disse que o PEC 4 era inútil

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        2 Dezembro, 2013 18:16

        Pessoalmente estou satisfeito com o atestado de irrelevante para o PEC 4.

        Gostar

      • Trinta e três permalink
        2 Dezembro, 2013 18:15

        “Até lá, é atirar areia para os olhos”.
        Errado! É, pelo contrário, a única discussão que interessa. Os países do sul estão fartos de convidar Portugal para ela. Mas há para aí uns palermas baixos e morenos que se poem nos bicos dos pés e pintam o cabelo de loiro.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Dezembro, 2013 18:20

        Mário Amorim Lopes,
        Acha que se a Alemanha passasse por uma grave crise (como já passou) mesmo resultante das suas asneiras (como já aconteceu) as soluções seriam deste género (está provado que não foram)?
        Curiosamente, a seguir à guerra um dos maiores defensores de que se deveria ajudar a Alemanha a reconstruir-se e a recuperar a sua economia foi Keynes. Se tivesse acontecido o que outros dos vencedores com espírito mais vingativo, a Alemanha não seria hoje o que é.
        As voltas que a vida dá!

        Gostar

      • vitorcunha permalink*
        2 Dezembro, 2013 18:24

        Devíamos bombardear o Terreiro do Paço para reforçar esse argumento.

        Gostar

      • Fincapé permalink
        2 Dezembro, 2013 18:31

        Não vale a pena desperdiçar munições, Vítor. O efeito de Koch… perdão, o efeito de estufa tratará do assunto. 😉

        Gostar

      • um judeusito permalink
        2 Dezembro, 2013 23:39

        “Se existe informação assimétrica e selecção adversa, quem pede emprestado sabe muito melhor do que o banco se tem capacidade para pagar o crédito solicitado ou não.”

        Pra começar, o Banco tem de ter as garantias que acha necessárias, de quem pede, antes de emprestar o dinheiro. Quantas vezes se emprestou dinheiro sem nexo, titularizando as dividas em “Produtos financeiros tóxicos”, que veio a causar bolhas imobiliárias, culpando depois os pobres ? Muitas

        Quantas vezes o Banco sabe melhor que o cliente, como vai a economia evoluir? Sempre.

        Quantas situações de conflito de interesses existiram em vários bancos, entre os negócios que fazem por si e para seus lucros, e os negócios que aceitam dos clientes? Várias. O caso mais conhecido, o Lehman Brotheres pedia dinheiro ao JPMorgan e ao Goldman Sachs, e estes “apostavam na descida das acções do cliente”. Short-sales. Como as acções desciam, ficava mais difícil ainda pagar o empréstimo.

        As assimetrias de informação, funcionam a favor dos mais ricos e poderosos, e não o oposto.
        Stiglitz dixit.

        Gostar

      • 3 Dezembro, 2013 09:57

        Fincapé, lá por eu achar que não devemos andar a viver à custa do financiamento alemão, isso não significa que eu queira que Portugal assine um Tratado de Versalhes onde seríamos espoliados dos nossos recursos e obrigados a pagar quase as custas da I Guerra. Que foi o que aconteceu à Alemanha e, nesse caso, compreende-se a posição de Keynes.

        Gostar

  5. Trinta e três permalink
    2 Dezembro, 2013 17:55

    Não conheço, não ouvi nem li o senhor Mark Blyth. No entanto, o cenário que o vitorcunha diz que ele descreveu, não anda longe da realidade que, aliás, já teve sinais de travagem com ajuda de caixa lá pelas terras da senhora Merkel (veja-se a decisão sobre o ordenado mínimo). Mas, pior ainda, a situação atual começa a ter semelhanças preocupantes com a que monsieur Colbert engendrou lá pelos idos de XVII e que deu maus resultados (embora, hoje, não possamos aplicar os mesmos conceitos de nacionalidade). Porque o problema não está em não se poder andar a gastar o dinheiro alheio (admitindo este simplismo como válido). O problema está em nada ser feito para criar riqueza própria. Muito pelo contrário. A situação atual está a provocar a descapitalização selvagem do país (de todos os intervencionados), não se vê iniciativa privada com interesse em substituir o Estado, a não ser em setores monopolistas e a estrutura produtiva portuguesa não tem qualquer hipótese de ser reconvertida. A continuar assim, não é difícil imaginar o final da história.

    Gostar

    • Fincapé permalink
      2 Dezembro, 2013 18:11

      Obviamente. Quando as nossas (falsas) elites meteram na cabeça que o problema do défice não se colocaria numa união monetário, não foi só em resultado do seu descabelamento mental. Foi pelas conversas que tinham com outras (falsas) elites europeias.
      De resto, eles que foram os incentivadores e os financiadores dos tais “gastos excessivos” ainda vão ganhar com a má prática.

      Gostar

      • 2 Dezembro, 2013 20:31

        há élites verdadeiras?

        e têm o colchão como bandeira?

        essa é nova ó rerum novarum

        que por coin in cedência foi posto no prelo no ano da bancarrota de 1891

        UM BLOGUE PARA CONSUMO RÁPIDO ENTRE DOIS CIGARROS OU UMA DOSE DE CAVALO
        Monday, 2 December 2013
        NAS CORRIDAS PELO PODER A COR CONSOME-SE NA PROPAGANDA QUENTE OU FRIA OU MORNA DEPENDE DA SIMBOLOGIA QUE AS ADORNA
        COMO SIMBOLOGIA

        A COR LARANJA NÃO SERVE PARA UMA GUERRA PELO PODER

        POIS NÃO É A COR IDEAL PARA UMA GUERRA DAS ROSAS

        A COR É MUITO DESLAVADA

        NEM É VERMELHA DE SANGUE COMO A ROSA DE LANCASTER

        NEM É BRANCA COMO A ROSA DA PURA COMPETIÇÃO PELO TRONO

        NEM É ROSA COMO A QUE SUCEDEU AO PODER DO SOCIALISMO ESVENTRADO

        PELO CAPITALISMO TRIUNFANTE…..

        AS CORES SÃO MUITO IMPORTANTES NAS SIMBOLOGIAS DO PODER

        E LARANJA TÁ COM NADA NÃO

        INDA SE FOSSE UMA COR MAIS PROPAGANDÍSTICA

        SE BEM QUE DIZEM QUE O VERDE ACALMA OS LOUCOS

        E O PROFETA CONSEGUIU O EFEITO CONTRÁRIO

        JÁ OS OMÍADAS PREFERIRAM O CONTRÁRIO DO ESCURINHO

        JÁ OS ABÁSSIDAS NÃO FORAM PELO BRANCO POIS BLACK É O POWER

        E NEGRA É A BANDEIRA DA CONQUISTA

        OS ABÁSSIDAS ANTECEDEM OS ANARQUISTAS

        NA BANDEIRA PARA DESTRUIR TODAS AS BANDEIRAS

        DESDE O VERMELHO DOS JANÍSSAROS

        AO VERMELHO DO LABOUR PARTY

        LONGAS SIMBOLOGIAS DE SANGUE DERRAMADO DESFILAM NOS ASSALTOS AO PODER

        AS IDENTIFICAÇÕES CORPORATIVAS SURGEM NUMA PALETE DE CORES

        DO NEGRO DOS JUÍZES CONSTITUCIONAIS ÀS S.S.

        SPQR SENATUS POPULUSQUE ROMANUS É UMA BANDEIRA DO PODER SENATORIAL

        TEM ROMANUS ET POPULUSQUE NÃO TEM É MUITOS….

        A BANDEIRA DO PODER NÃO É PARA QUEM QUER …….

        TAMBÉM SE PODE USAR A BANDEIRA COMO AVENTAL
        Posted by Em Prego o que tu queres é em prego
        Labels: ISSO É AVENTAL DA MAÇONARIA? NAH É UMA BANDEIRA PARA PHODER PHODER QUANDO SE QUER…

        Gostar

  6. 2 Dezembro, 2013 18:02

    Venho aqui defender o senhor Blyth cujo pai, o senhor Myth lhe aconselhou vir a Portugal onde seria bem recebido, e foi.
    Ficou, como muitos outros, encantado com “a luz de Lisboa”, com os fados e com o fado dos tugas e com o carinho que as Câncios lhe reservaram.
    E queria o senhor Vitor Cunha que ele fosse para Berlim onde faz um frio do caraças e corria o risco de ninguém dar pela sua presença?
    Nem sequer lá sabem fazer um bom salmonete grelhado.
    Tenha piedade.

    Gostar

  7. joao permalink
    2 Dezembro, 2013 18:17

    tem as portas abertas da SIC, tal com o outro da ONU.

    Gostar

  8. Alexandre Carvalho da Silveira permalink
    2 Dezembro, 2013 18:45

    No final deste ano estima-se que a divida total de Portugal, estado+empresas+familias, será de 713 mil milhões de euros, dos quais cerca de 170 mil milhões, +/- 100% do PIB, diz respeito às familias. Sabemos que nos ultimos 15-18 anos o consumo das familias foi maioritáriamente feito com recurso não às poupanças, mas ao crédito. Gostava que me explicassem até aonde é que se pode continuar a consumir com recurso ao crédito, que é práticamente a única maneira de as familias poderem consumir aos niveis que os Blyths deste país defendem para sair da crise.

    Gostar

    • vitorcunha permalink*
      2 Dezembro, 2013 19:22

      A ideia é mais engraçada ainda: quem tem que consumir são os outros, os alemães. É como proteger a prostituição subsidiando os clientes.

      Gostar

      • und permalink
        2 Dezembro, 2013 19:28

        CLARO os alimões uns santos

        DAS LETRAS QUE SE PROPAGAM E SE PAGAM EM PROPAGANDAS VÁRIAS

        OS UNTERMENSCHEN QUE SE APRESENTEM NAS CÂMARAS DE GÁS SE FAZ FAVOR…e se possível paguem o gás com antecedência

        e com juros….

        Gostar

  9. JSP permalink
    2 Dezembro, 2013 19:04

    O “torrão zinho de açúcar” é o Eldorado de qualuer aldrabão , principalmente se vier com tintas canhotas “lá de fora”.
    É êxito garantido – com o precioso aval daquilo que por aqui passa por “intelligentsia” ( vide a acaciana “aula magna”…)

    Gostar

  10. JSP permalink
    2 Dezembro, 2013 19:26

    Errata, “qualquer”.

    Gostar

  11. Fincapé permalink
    2 Dezembro, 2013 20:26

    “Regulador europeu detetou falhas graves no trabalho das grandes agências de rating”, na RTP1.
    Mas também aqui:
    http://www.publico.pt/economia/noticia/autoridade-europeia-detecta-falhas-graves-nos-ratings-da-standarpoors-moodys-e-fitch-1614732
    Está, portanto, na hora de o nosso liberalismo começar o ataque a estas notícias. 😉

    Gostar

    • 2 Dezembro, 2013 20:45

      o liberalismo é vosso?

      e tem de atacar as notícias?

      é uma caricatura de phoder?

      SE BEM QUE O ASSALTO AO PHODER TAMBÉM SINGRA BEM EM CARICATURA

      BASTA VER AS IDENTIDADES CORPORATIVAS DO CAPITALISMO IMPERIALISTA COLONIALISTA

      O TIO SAM …UNCLE SAM FOR SOCRATES EL GRECO….

      E O SEU ANTECESSOR O JOHN BULL

      UNCLE SAM NECESSITA DE SI PRA MATAR A CONCORRÊNCIA

      É VERDADE QUE A CONCORRÊNCIA DO YANKEE UNCLE SAM

      E DO GORDO QUE NEM UM BOI JOHN BULL

      TAMBÉM USAM SIMBOLOGIAS UNIFICADORAS

      MAS SE BEM QUE SIRVAM PARA CARICATURAR

      SÃO USADAS SOB A FORMA DE VESTUÁRIO
      O LENÇO DOS TUGS QUE MATAM PARA MAIOR GLÓRIA DE KALI

      KALI MA…

      AS CAMISAS NEGRAS CASTANHAS E ATÉ VERDES DO GETÚLIO VARGAS

      O TURBANTE AMARELO DOS SIKHS

      OU O VESTUÁRIO BRANCO DO KU-KLUX-KLAN

      Gostar

  12. 2 Dezembro, 2013 20:55

    Gostar

  13. @!@ permalink
    2 Dezembro, 2013 21:09

    Seguindo o pensamento de César das Neves, vem o fogo, queima o colchão, vem a água alaga o colchão e …………..esquisito.

    Gostar

    • 2 Dezembro, 2013 21:17

      ET bien dou meia-hora aos meninos pra fazerem o tpc e é só iste….sinceramente

      tentem evoluir um pouquinho melhor ahn

      volto daqui a uma hora ou duas….volto sem mexere o culo….

      desempregado ingorda i inda dizem que passamos fomi

      Etichetaţi postările

      DOMINI CANES ARE DOGS OF WAR UNCLE SAM? IN YENZI ….TUEZ-LES TOUS ….É OBVIAMENTE ADMITO-O UMA PERGUNTA DE RETÓRICA

      E A SOCRATES E A PASSOS COELHO?, VOCÊ COMPRARIA UM CARRO USADO A NIXON OU A OBAMA?
      Bandalheira paralítica

      É A TROIKA ILEGAL WELL IS UNCLEAR BECAUSE THE TROIKA IS A VIRTUAL ENTITY MADE BY POLITICAL NON EN TI TIES COM MUITOS TIES EN TI AND TEA FOR TWO NUM TEA PARTY ESQUIZOFRÉNICO QUE SE ENTORTA QUANDO SE ENDIREITA E SE ENDIREITA QUANDO SE ENTORTA

      É A TROIKA EM LETRA MORTA LATINA TRIUMVIRUM

      Gostar

      • @!@ permalink
        2 Dezembro, 2013 21:46

        Tanta excitação pelo Sporting estar na frente???

        Gostar

      • 2 Dezembro, 2013 22:04

        foi fraco

        REPARE-SE QUE O JOGO SEMPRE FOI
        PROPAGANDA POLÍTICO-ECONÓMICA

        SEJA O SPORTING OU OS SUPER-DRAGÕES DO PORTO

        ONDE SE INVESTIU MUITO EM TERMOS ECONÓMICOS

        PORQUE DAVA DIVIDENDOS OU DÍVIDAS EM TERMOS POLÍTICOS

        OS ROMANOS GASTARAM UMA PIPA DE MASSA NO CIRCUS MAXIMUS

        PELA MESMA RAZÃO….

        OU SE DÁ JOGOS OU SE DÁ PÃO OU SE DÃO OS DOIS EM MEIAS DOSES

        ATÉ AS CARTAS DE JOGAR ENCORAJARAM ELISABETH LA PRIMEIRA

        A DERRUBAR O DUQUE DE ESSEX

        A POLÍTICA É UM JOGO E TODO O JOGO É POLÍTICO

        E SENDO POLÍTICO O JOGO É OBVIAMENTE ECONÓMICO

        A POLÍTICA REGULA A ECONOMIA ATRAVÉS DE JOGOS VÁRIOS

        SEJAM DA CARICA DO BERLINDE OU DA MOEDA….

        DE TODAS AS EMOÇÕES QUE A PROPAGANDA EXPLORA

        É A EXCITAÇÃO DA VITÓRIA

        E O AZEDUME DA DERROTA

        QUE MAIS PONTOS CONTAM NO JOGO PUBLICITÁRIO ECO CÓMICO

        ÇA IRA? AI ÇA IRA ÇA IRA

        POIS A PROPAGANDA NÃO AGUENTA A CONTRA-PROPAGANDA

        DURANTE MUITO TEMPO

        AI NÃO AGUENTA NÃO AGUENTA

        ÇA IRA?

        ÇA VA…..

        Gostar

  14. colono permalink
    2 Dezembro, 2013 21:52

    A mim as “economias” e “finanças” portuguesas dão-me um gozo do camando:

    — Desde que deixámos de gamar nas colónias, ninguém se entende! Então agora que os meus patrícios estão comprar ao desbarato a sucata portuga…. mais me rebolo!

    Trabalhem malandros, habituastes a viver de chulagem…agora pega na marreta…

    !Como aquele “Kafunda” de Angola que falou pra capataz da grande construtora Soares da Costa ( Maioritariamente angolana) — Ué agora tu que pegas nos picareta, pá! Eu que sou os” capatase” Toma!

    Gostar

    • 2 Dezembro, 2013 22:16

      A min que tens o dinheiro debaixo do colchão? ou a ti que tens pensão estatal até ao escudo voltar?

      nã te preocupes pá a economia mundial tá lixada vais afogar-te em pretos que há mil milhões pra exportar….
      O PODER JOGA O JOGO ECONÓMICO QUE JOGA O JOGO POLITICAMENTE CORRETO DE PROMETER O PARAÍSO NUM JOGO DE SORTE E AZAR ….E GERALMENTE PERDE-SE

      APOSTO 50% NAS CAMISAS NEGRAS du cólon E 50% NOS PIONEIROS ESTALINISTAS….que comem pretos por onde a alemanha perdeu a guerra

      ou são comidos quando vão pró cadafalso….

      principalmente os que fogem pró dubai…

      Gostar

  15. eramasfoice permalink
    3 Dezembro, 2013 01:26

    Gosto dos gajos que dizem e escrevem ‘eu pessoalmente’. São pessoas, porra.

    Gostar

  16. JDGF permalink
    3 Dezembro, 2013 10:45

    Mark Blyth e outros não deverão interferir no ‘ajustamento’ em curso.
    Independentemente dos resultados que estão por apurar (não só dos ‘nossos’ mas também dos ‘credores’).
    A hora do balanço está a ser compulsivamente adiada. Para daqui a meia dúzia de meses. E, nessa altura, ai daquele que não entenda o ‘fim do protectorado’… e as incomensuráveis benesses que, então, se anunciarão (para 2015).
    Com as noites frias de um Inverno que se aproxima ‘histórias da carochinha’ à lareira – ou no colchão – são tidas como boas para incautos, mas infelizmente Hans não as percebe ou não as quer ouvir. Uma pena!
    Entretanto, continuamos entretidos com a reedição adaptada da historieta “E agora, Zé?”. E enquanto estivermos entretidos ou ‘surdos’ aos clamores a festa continua. Ou, para usar a expressão do post, o ‘regabofe’…

    Gostar

  17. Ricardo Sebastião permalink
    3 Dezembro, 2013 12:20

    O mito de que tudo bloqueia sem o consumo não passa disso mesmo, de um mito… Vejamos: se não se consome e se poupa, a poupança não é algo etéreo que fique no ar à espera de ordens do consumo para alimentar a economia… Pelo contrário, a poupança mais tarde ou mais cedo alimenta inevitavelmente o investimento e isso irá provocar um aumento da produção (realocada em segmentos mais eficientes), do rendimento e do consumo no futuro…

    Gostar

  18. 3 Dezembro, 2013 13:59

    Ainda há um par de meses, o próprio Passos Coelho veio dizer que um dos problemas actuais é que os portugueses estão a consumir pouco (ou a poupar muito – já não sei).

    O próprio professor Marcelo gozou com isso no domingo seguinte: «Então andaram a querer que poupássemos, e agora acusam-nos de poupar?!».

    Os vídeos dessas intervenções ainda devem estar no YouTube.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: