Saltar para o conteúdo

Entrevista i a João César das Neves. “Só há uma maneira de resolver isto: é não haver dinheiro”

6 Setembro, 2014

João César das Neves ao I

Como é que se resolve o problema do crescimento económico?
Este é um problema da União Europeia e é complicado. A questão é que já não é possível, neste momento, gastar mais dinheiro, até porque as nossas abébias para promover o desenvolvimento não promoveram desenvolvimento coisa nenhuma, foram simplesmente para os bolsos dos do costume. Os EUA mostraram como é que isto se resolve. Temos de fazer estímulos de curto prazo e uma reestruturação brutal a médio/longo prazo que convença as pessoas de que estamos a olhar a sério para o défice e que queremos mesmo ter um défice que consigamos pagar, ou seja, zero. Só que estamos numa recessão ou a sair de uma recessão, queremos gastar algum dinheiro razoavelmente. Ninguém acredita em Portugal. O máximo era 3%, conseguimos, com um esforço, chegar a 4% e, como é óbvio, já estávamos a pedir 4,5%. Isto mostra que não fazemos a mais pequena ideia de qual é o problema. Em Portugal, ninguém está interessado em ter um Estado que consiga pagar. Mas é absolutamente indispensável, porque ninguém nos vai pagar o Estado que temos.

Como é que ficamos?

O que era absolutamente indispensável era ter juízo. O que a troika está a dizer não é estúpido, é essencial, e até devíamos fazer mais, porque a Alemanha não tem nenhuma responsabilidade de nos pagar. Nem os alemães, nem os franceses, nem ninguém, temos de ser nós a fazê-lo. E aqueles que são muito amigos do Estado, dos funcionários públicos, dos pensionistas, deviam ser os primeiros a querer ver isto feito. O governo muda daqui a poucos meses e vai à vida dele, nós ficamos cá, os contribuintes ficam cá sempre. Esta é a quinta emergência orçamental que temos nos últimos anos. O eng.º Guterres teve uma em 99 e fugiu, Durão Barroso teve outra em 2003 e fugiu, Sócrates teve outra em 2005 e fugiu, e já vamos na quinta. Isto de ir de estupidez em estupidez até à catástrofe final… Todos disseram que ia ser duro, mas que agora é que ia ficar resolvido. Não ficou e não se fez a reforma da Segurança Social, não se fez a reforma da administração pública, não se puseram as coisas no caminho da sustentabilidade.

O que é que está a travar a economia, além da falta de dinheiro?
A economia ficou completamente entupida porque nós arranjámos fiscais para tudo e mais alguma coisa, inventámos impostos para tapar todas as possibilidades, queimámos a galinha dos ovos de ouro. É evidente que a melhor maneira de proteger a língua portuguesa é não se falar. Os fiscais da ASAE e de todos esses organismos estão montados para este propósito. Eu já fui director da biblioteca aqui da Católica e sei que a melhor maneira de proteger os livros é não os emprestar aos alunos, mas isso é muito estúpido. E nós estamos um bocadinho nisto, em boa parte pelo seguidismo da UE e de directivas que são feitas para países muito mais ricos do que nós, mas que temos de adoptar. No final, cumprimos todas aquelas regras e matamos a economia. Depois há outro problema: amamos as pequenas empresas mas, quando elas começam a crescer e passam a médias, pimba! Punimos o sucesso económico.

Sobre as medidas anunciadas por Mario Draghi, são suficientes?
O BCE tem uma tarefa simples: aguentar o euro. E é o que tem feito. Anestesiou o problema, com taxas de juro baixas, para permitir a cirurgia, mas a operação, as reformas estruturais têm de ser feita pelos governos. O que assusta é quando, de um momento para o outro, as taxas de juro começarem a subir e a inflação começar a subir. Todos os governos que andaram a brincar vão estar completamente atulhados. Não sei se conhece algum aqui próximo que esteja nessas condições.

Que esperança tem na nova equipa ou equipas europeias, a começar pela Comissão?
A Comissão Europeia não existe até Delors e desde aí. Tem influência e pode estragar muito; fazer já é mais difícil. Mais uma vez escolheram uma nulidade, porque é evidente que não querem alguém com influência. Tem de ser pequenino e simpático, mas pouco interventivo, como o Juncker.

Sobre a proposta de a Alemanha ter direito de veto?
A Alemanha é a maior economia, não pode ter o peso do Luxemburgo, que é igual a Odivelas. É a Alemanha que paga esmagadoramente o dinheiro, tem um peso enorme em termos económicos; se não tiver mais influência que Portugal não é justo, não é razoável. Se há alguma coisa de que a Alemanha se pode queixar é de falta de influência, não é de excesso. Proporcionalmente, Portugal ou o Luxemburgo têm uma influência escandalosamente superior. Resmungam porque a Alemanha manda nisto? A Alemanha paga isto.

27 comentários leave one →
  1. Vicente permalink
    6 Setembro, 2014 09:17

    Depois de todas as verdades que disse, prepare-se para a indignação do pessoal dos direitos adquiridos, os parasitas a quem nòs pagamos para que não façam nada!

    Gostar

  2. 6 Setembro, 2014 09:37

    “…. O governo muda daqui a poucos meses e vai à vida dele, nós ficamos cá, os contribuintes ficam cá sempre….”.
    O governo muda e os ex-qualquer coisa vão à vida deles. Entretanto criaram-se mais uma catrefa de funcionários improdutivos com excelentes “diretos adquiridos”…
    Não resta País produtivo que aguente isto.

    Gostar

  3. neotontono permalink
    6 Setembro, 2014 09:39

    Os EUA mostraram como é que isto se resolve?
    .
    Comooooorrrrrr !

    Gostar

    • lucklucky permalink
      6 Setembro, 2014 15:45

      Pois não sei de onde essa apareceu.

      OS EUA estão a empurrar o problema.

      Gostar

  4. André permalink
    6 Setembro, 2014 09:45

    “Sócrates teve outra em 2005” Não falo das outras datas, mas com Sócrates ainda me lembro que ele formou governo em 2005, ganhou novas eleições em 2009 ou 2010 e depois manteve-se no governo até 2011. Saiu porque os seus meios para resolução de problemas (semelhantes aos que o governo PSD/CDS-PP depois usou) foram chumbados pela oposição (onde se incluía o PSD e o CDS-PP). Pessoalmente acho que ele forçou a situação para fugir, mas não o fez de maneira nenhuma em 2005…

    Gostar

    • LTR permalink
      6 Setembro, 2014 15:21

      Se calhar o que sócrates fez foi tentar o apoio da banca para ver se chegava às legislativas com os buracos tapados, só que não havia dinheiro para tantas tampas. Pode ser que da próxima as pessoas percebam todas, quando o dinheiro não cair na conta. Até lá vão esperar o Messias que está à porta. Aliás, o Messias vem sempre nestas ocasiões de necessidade, porque o povo chama. E ele vem, para servir.

      Gostar

  5. manuel permalink
    6 Setembro, 2014 10:21

    Mas a dupla Passos &Portas não mudou estruturalmente a economia e operou o milagre do crescimento e da competitividade? As reformas não foram feitas gradualmente como dizem alguns ministros ? Não se deu o milagre económico de que falam Cristas e Pires de Lima? Será que se fizeram sacrifícios e o “monstro” do estado ficou na mesma ? Pensava que o ajustamento tinha sido um sucesso? E o futuro? Pois, o BES não é o GES!

    Gostar

  6. 6 Setembro, 2014 11:10

    « amamos as pequenas empresas mas, quando elas começam a crescer e passam a médias, pimba! Punimos o sucesso económico.»

    Completamente. Se forem portuguesas são de “fassistas”. Depois põe-se de cócoras se forem estrangeiras.

    É o espírito de Abril que destruiu Portugal.

    É essa mentalidade que ainda manda. Até à destruição final.

    Que não deles, porque os capitalistas agora são de esquerda. Ficam bem para adornar qualquer coisa. Como contou o outro que entrava mudo e saía calado lá das reuniões do BES.

    Gostar

    • LTR permalink
      6 Setembro, 2014 15:14

      Quando passam a faturações interessantes (normalmente quem não percebe nada do assunto pergunta pela faturação, não pelos resultados) tendem a ser invadidas por manadas de advogados. Algumas das maiores falidas da textil nacional acabaram assim, doutoradas.

      Gostar

  7. 6 Setembro, 2014 12:06

    O sensato economista mais odiado pela esquerda consumista! Mas o ódio não lhe rouba a razão, a sensatez nem a visão realista da situação portuguesa!

    Gostar

  8. eirinhas permalink
    6 Setembro, 2014 12:18

    aprenderam alguma coisa com este artigo? Eu não! Esta gente só vê cortes à sua frente! Cortaram,cortaram e,mesmo assim,não chegou para o défice desejado! E,porque é que não chegou? Sempre pela mesma razão, que são os sucessivos buracos feitos por aqueles que nos dizem que têm de ser bem pagos porque eles,sim,é que são espertos e sabem dirigir! Nota-se! Avança o artigo que arranjaram fiscais para tudo e mais alguma coisa! Pelos vistos,não chegaram! Então,vai de mobilizar a malta,a troco de uns automóveis,não vá o vizinho,apesar de tantos fiscais,fugir aos impostos! Eu também sou,severamente,contra a fuga dos mesmos,mas não por este processo.Sou dos que queriam mais fiscais para fazer aquilo que é obrigação integra e exclusiva dum Estado de Direito. Onde é que já vimos isto?Alguém se lembra?

    Gostar

  9. Alexandre Carvalho da Silveira permalink
    6 Setembro, 2014 14:06

    Estou quase, mas mesmo quase, a aderir às teses da dupla Louçã/Ferreira do Amaral: Portugal deve sair do euro para poder ter um futuro. O futuro que os portugueses merecem, porque não foram feitos para viver em sistemas que impliquem rigor e cumprimento de regras.
    Portanto quando os problemas surgirem e irão surgir muitos e com muita frequência, temos a solução à mão de semear: desvaloriza-se o Novo Escudo e já está!
    Claro que pode acontecer que um quilo de batatas passe a custar 25 contos de réis, e pópós, télélés e férias no estrangeiro, ou seja aonde for, serão luxos a que o português médio deixará de ter acesso.
    Vem isto a propósito da frase que dá o titulo a este post.

    Gostar

  10. 6 Setembro, 2014 14:51

    Isso dos contribuintes ficarem cá sempre naoy é certo….muitos estão a bazar , muitos já estão falidos ,, etc etc e tal.

    Gostar

    • lucklucky permalink
      6 Setembro, 2014 15:42

      Muitos só fazem o minímo para ter comida roupa e abrigo e não ambicionam mais enriquecer.

      Para quê se os abutres socialistas do CDS passando pelo PSD e PS ao PCP querem tirar?

      Ou fazes parte de um grupo como a Cultura/Artistas em que consegues que a Violência do Estado esteja do teu lado para cobrar os outros ou então o melhor é estares quieto.

      Gostar

      • 6 Setembro, 2014 17:31

        Outra hipótese, proporcionada (proporcionada ??) por este governo será os tugas habitantes há X anos em determinados países adquirirem essas nacionalidades, regressarem como franceses, norte-americanos, angolanos ou australianos e usufruirem das regalias fiscais nos próximos 10 anos !…

        Gostar

  11. honi soit qui mal y pense permalink
    6 Setembro, 2014 17:05

    JCNeves aborda um problema gravissimo , tipico dos paises com um Estado macrocefalo , ora alicerçado numa economia dependente do OE , e poderes públicos , ou como agora , “com um poder dito regulador ” ” biased” esmagador , proteccionista dos poderes economicos instalados … e escudado em directivas comunitárias DE PROPOSITO indecifraveis ou apenas interpretaveis pelos advogados … do costume .
    Assim tal como diz TEMOS UM CORPO FISCAL ( de fiscalização publica ) , FASCISANTE, opressor da liberdade economica .Extorcionista a nivel central , e local .
    Só os gdes monopolios , ou oligopolios amigos do poder instalado , ou a instalar tem ethos para sobreviver .
    Entretanto … sacrificio aos mesmos , e audis para quem pede factura .

    Gostar

  12. 6 Setembro, 2014 18:54

    socrates não fugiu,foi empurrado,pois tinha que haver eleiçoes ou no partido ou no pais.sentença ditada por marco antonio imperador de metro e meio ao serviço da direita dos interesses,trabalhou com meneses varios anos.

    Gostar

  13. BELIAL permalink
    6 Setembro, 2014 18:55

    Pelo menos, no “face oculta”, há quem não se precise de preocupar com cama, mesa e roupa lavada por uns anitos.
    Um deles está sempre sorridente.
    Aquilo deve ser divertido, caramba..

    Gostar

  14. vortex permalink
    6 Setembro, 2014 19:16

    não tem cobertura ouro.
    papel fiduciário só para fins higiénicos

    Gostar

  15. PiErre permalink
    6 Setembro, 2014 22:15

    Quem irá resolver o assunto é a China, primeiro impondo o Yuan como moeda corrente nas transacções internacionais, em vez do dolar americano.
    Mais tarde será reintroduzido o padrão ouro e tudo entrará nos eixos de que nunca devia ter saído.

    Gostar

    • honi soit qui mal y pense permalink
      7 Setembro, 2014 00:14

      O padrão ouro é impossível.
      Nixon acabou com isso qd o ouro americano , que era uma enorme reserva , bazava ás pazadas para os arabes para pagar o petroleo nos anos 70.Passou a ser o dolar .Pode vir a ser o Yuan , ou barbatanas de tubarão.
      Como a coisa está na mesma , pois a arabia saudita e estados do golfo adoram ouro , e aí está o principal mercado , e com os dolares financiam o ISIS .Não acho que o padrão ouro volte .Aliás se sabe como funcionavam as compensações das transacções com a existência do padrão ouro saiba que :
      Portugal que enlouqueceu em 75/76 já não teria nada .
      Nem uma onçazita.

      Gostar

  16. honi soit qui mal y pense permalink
    7 Setembro, 2014 00:19

    Aliás a China é de uma perversidade financeira milenar .Saiba que a guerra do opio começou porque os ingleses que queriam chá ás paletes, já não podiam mais pagar com a prata … já era escassa mas que era só o que os imperadores queriam … .Assim a Inglaterra impôs com as canhoneiras … o pagamento em ópio.
    Foi o que se viu .A conta ainda mexe .Chinês não esquece … e agora compra flats e mansions in London … que não habitam e só acumulam para especulação.
    Não há casal inglês que consiga uma casita … só lá longe nas Orkneys .

    Gostar

  17. Castrol permalink
    8 Setembro, 2014 11:30

    João César das Neves é uma das mentes mais brilhantes e esclarecida em termos de politicas macroeconómicas.

    Talvez por isso nunca tenha sido convidado para Conselheiro de Estado, ou para gestor do BES…

    Gostar

  18. Alexandre Portugal permalink
    10 Setembro, 2014 23:45

    Eu não diria melhor.

    pensamentoliberalelibertario.blogspot. pt

    Gostar

  19. 11 Setembro, 2014 02:01

    Ele é odiado mas não é por isto. Por isto estais todos de acordo com ele. Odeiam-no é quando começara falar de aborto, eutanásia e homossexuais. Pois, ao contrário da massa, eu digo é que ele diz muito disparate é quando trata de economia, não quando fala de questões morais. O que diz sobre as empresas que são impedidas pela Asae é caricatura e não é verdade que tenhamos de cumprir directivas feitas para países ricos. Nós é que como parolos que somos queremos sempre ‘ir além da troika’. Em parte nenhuma da UE se proibiu o uso do galheteiro a não ser aqui. O JCN fala com um grande à vontade dos ‘funcionários públicos’, por exemplo, e ele é ‘funcionário público’ que goza de mais segurança no emprego e no rendimento do que qualquer dos seus colegas que trabalham nas universidades públicas. É fácil pôr a carga nos outros, sempre. Apesar do desastre demográfico em que vivemos que complica muito o nosso futuro, o rombo provocado pelas PPPs, pelos bancos, pelo Estado sequestrado por privados e seus serviçais do pp, psd e ps não pode ser esquecido. E JCN esquece sempre essa parte.

    Gostar

Trackbacks

  1. João César das Neves e as elites de merda | perspectivas
  2. Para compreender o buraco em que estamos metidos | O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: