Skip to content

O dilema europeu

24 Junho, 2016

O Artigo 50.º do TUE prevê os procedimentos para a saída de um Estado-Membro da União. Em princípio, deverá ser celebrado um Acordo que regule a saída, “tendo em conta o quadro das suas futuras relações com a União”. Tal acordo é celebrado pelo Conselho, deliberando por maioria qualificada.

O dilema da UE serão as condições desse acordo. Se cede ao Reino Unido, mantendo a sua participação naquilo que interessa (mercado único e livre circulação), libertando-o das obrigações, abre a porta para outras saídas a curto prazo e acrescentará mais um nível de complexidade às já muito complexas relações internacionais no espaço europeu (ver gráfico, (c) The International Spectator). Se, pelo contrário, decide fechar a porta, para mostrar que a saída tem consequências, o risco de fragmentação da União não será menor. Em várias áreas, o nível de integração é muito elevado e os custos de reverter essa integração são inimagináveis.

ClopbugUoAAfYyf.jpg large

Anúncios
3 comentários leave one →
  1. 24 Junho, 2016 13:59

    Os detalhes do acordo final irão provavelmente depender do que o Reino Unido estiver disposto a ceder do seu poder financeiro a Frankfurt – e aqui vai ser travada uma “guerra” económica subversiva entre o Reino Unido e a Alemanha.

    Gostar

  2. Arlindo da Costa permalink
    25 Junho, 2016 01:38

    Ficaria muito feliz se Portugal fizesse um referendo.
    E gostaria que os Açores desanexassem de Portugal 🙂

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: