Skip to content

O Cânone Ocidental

8 Março, 2017

biblioteca

 

A Assembleia da República resolveu entregar o Prémio Direitos Humanos 2016 a António Guterres. Infelizmente, devido a um extraordinário azar, a atribuição de tal honra ao novo secretário-geral da ONU violou o regulamento previamente elaborado no âmbito deste galardão. Como a entidade que fez as regras foi a mesma que decidiu o vencedor, é natural que este contratempo tenha acontecido. E quem nunca desrespeitou uma resolução de ano novo que atire a primeira pedra.

Quando confrontado com este caso, Pedro Bacelar Vasconcelos, Presidente do júri que decidiu o prémio, encerrou a questão chamando idiota a quem não concordava com esta escolha. Gostava por isso de congratular o Deputado do PS; “idiota”, palavra que Dostoiévski usou como título de um dos seus livros, é um insulto que merece a minha estima. Se Bacelar Vasconcelos fosse um broeiro qualquer teria utilizado um palavrão tosco e deselegante para lidar com a situação. Mas como estamos a falar de um Professor Universitário e insigne constitucionalista, é natural que tenha recorrido à mais alta literatura para tratar do caso. E é por isso que proponho, como forma de prestigiar ainda mais o Parlamento, que os nossos políticos passem a usar sempre esta nobre metodologia, nomeadamente através do recurso ao cânone literário quando é necessário acalorar o discurso. Atentemos num exemplo do que seria o debate parlamentar, se todos partilhassem a cultura livresca do tribuno socialista:

 

 

– Tem a palavra o Sr. Deputado do PSD. Peço-lhe que fale alto, pois V. Exa. tem a voz subterrânea (Fiódor Dostoiévski).

 

– Muito obrigado, Sr. Presidente. Se falo baixo é apenas para não me enervar, uma vez que as graçolas do Sr. Primeiro-Ministro são lamentáveis; pensará talvez que se encontra n’ a taberna (Émile Zola).

 

– Protesto, Sr. Presidente, protesto… o Sr. Deputado, com estas afirmações, mostra apenas a sua senilidade (Italo Svevo). Não passa de um tartufo (Molière) desavergonhado, um verdadeiro filho da Madame Bovary (Gustave Flaubert).

 

– Cale-se mas é, seu Fausto (Johann Wolfgang von Goethe) socialista; venderam a alma ao diabo para constituir essa geringonça Frankenstein (Mary Shelley) e agora não querem ouvir umas verdades. Este Governo Drácula (Bram Stoker) está agarrado ao pescoço dos contribuintes, sugando-lhes todos os recursos. O país está a dirigir-se impetuosamente para o coração das trevas (Joseph Conrad).

 

– Senhores Deputados, por favor, este debate já me está a provocar uma náusea (Jean-Paul Sartre). Como Presidente deste covil (Franz Kafka), peço-vos que se concentrem no nó do problema (Graham Greene).

 

– Sr. Presidente, o ilustre Deputado do PSD é useiro e vezeiro neste tipo de observações; o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda já foi muitas vezes alvo da grosseria deste tolo (Edward Bond).

 

– Tolas são as vossas tias, suas mulherzinhas (Louisa May Alcott) esganiçadas. Agarrem-se menos às folhas de erva (Walt Whitman) para ver se não dizem disparates. Repito: estamos na presença de um executivo de salteadores (Friedrich Schiller), que se agarrou à máquina do Estado como um polvo (Frank Norris).

 

– Essa conversa é um nonsense completo (Edward Lear). O senhor, qual rinoceronte (Eugène Ionesco), leva tudo à frente com a sua falta de educação. É um verdadeiro monta-cargas (Harold Pinter) de impropérios.

 

– A bancada do CDS gostaria de se solidarizar com o colega do PSD, apoiando a sua denúncia deste inominável (Samuel Beckett) Governo, que se abateu, como a peste (Albert Camus), sobre Portugal. É o poder das trevas (Lev Tolstói) liderado por um homem sem qualidades (Robert Musil), e terá como consequência mais uma geração perdida (Aldous Huxley).

 

– Sr. Deputado, não é por envergar botões de punho dourados, qual Príncipe (Maquiavel), que ficou mais inteligente. Podemos dizer de V. Exa., com propriedade, que se transformou num autêntico asno de ouro (Apuleio).

 

– E o senhor, apesar de se armar em cândido (Voltaire), não passa de um percevejo (Vladimir Maiakovski). Sugiro que tire umas férias para relaxar. E pode aproveitar para escrever as suas memórias… Diário de um ladrão (Jean Genet), dará um belo título.

 

 

E já chega, fico por aqui. Deixo-vos com esta história contada por um idiota, cheia de som e fúria, sem sentido algum (William Faulkner? William Shakespeare? Outro William qualquer? Todas as anteriores?)

 

 

Advertisements
14 comentários leave one →
  1. piscoiso permalink
    8 Março, 2017 11:01

    Muito bem esmiuçada essa “Mensagem” (Fernando Pessoa).

    Gostar

  2. Castrol permalink
    8 Março, 2017 11:02

    Fabuloso!

    Esta gente culta, mesmo quando se insulta, tem outro nível…

    Gostar

  3. Bal permalink
    8 Março, 2017 11:45

    Bela posta, sim senhor.

    Gostar

  4. Juromenha permalink
    8 Março, 2017 14:30

    Não foi esse idiota que , nos idos de 90 e sendo governador civil de Braga (sob os auspícios do outro idiota, sampaio, que ainda circula por aí) deu protecção, contra a vontade da população de Oleiros, a um clan cigano traficante de droga,chefiado por um tal João Garcia ?
    E , mui justamente, lá abichou mais um tacho no Bar de Alterne presidido pelo tipo do caso Casa Pia, e , mais justamente ainda, decidiu atribuir o tal prémio ao choninhas que, aparentemente, acredita chefiar a sede da máfia mais ou menos global – é que nestas coisas há sempre uns “fios” soltos…Tudo como “la règle l`indique” ( em francês é mais fino…).
    Resumindo : estamos bem entregues.

    Liked by 1 person

  5. ABC permalink
    8 Março, 2017 14:50

    Portugal tem demasiadas nulidades em altos cargos. Chega a ser suspeito.
    Temos no BCE – na supervisão, nem menos – Vítor Constâncio, que é a personificação daquelas estatuetas com os macaquinhos a taparem os olhos, ouvidos, e boca.
    Temos na ONU – nem mais – um ex-PM que deu à sola.
    Tivémos na CE – como presidente da coisa – outro ex-PM que deu à sola.
    A impressão com que fico é que foram escolhidos precisamente pela incompetência. Prémios para quê? Como disse o outro, milagre é terem emprego e salário.

    Liked by 1 person

  6. 8 Março, 2017 17:08

    Óptimo post, VCunha !

    Gostar

  7. Artista Português permalink
    8 Março, 2017 18:14

    Muito bom este “post”. Parabéns ao autor e à originalidade. Em Dia Internacional da Mulher não poderia haver artigo mais adequado para celebrar esta “Branca de Neve e os sacanões” (José Vilhena).

    Gostar

  8. Arlindo da Costa permalink
    8 Março, 2017 19:00

    Caguei-te Mariano! (Arlindo da Costa), na sua obra mais recente.

    Gostar

  9. Marinheiro permalink
    8 Março, 2017 20:13

    Muito interessante, mesmo muito interessante.
    Só faltou o exemplo do Inopinado.
    O Pascácio só se assusta se, inopinadamente, lhe sair ao caminho uma senhora jornalista a querer dois dedos de conversa.
    Como diz o Arfeio, borra-se logo todo.e vai fazer companhia ao bacelar vasconcellos

    Gostar

  10. 9 Março, 2017 03:23

    O Bacelar é um intelectual porque usa cabelo grande e óculinhos.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: