Skip to content

um erro de casting

8 Janeiro, 2018
by

img_797x448$2014_11_296095Lembro-me de Rui Rio, ao longo de décadas, ser uma espécie de eterno candidato a candidato perdedor da Distrital do PSD do Porto contra Menezes – o seu ódio de estimação (devidamente retribuído, saliente-se) – em parceria com o também desenraizado Aguiar Branco. Durante esse tempo, Rio pertencia a uma espécie de ala esquerda-aristocrática da Foz do Douro do PSD, que tinha como referência moral e política Miguel Veiga, e como facto histórico fundador a ancestral zanga deste advogado com Francisco Sá Carneiro, logo nos primórdios da existência do partido laranja, que provocou uma «cisão» de que só o advogado da Foz se apercebeu. Para todos os efeitos, este «grupo» representava, dentro do PSD, uma tendência mais à esquerda do que o «populismo» de Sá Carneiro, e assim se manteve pelos anos seguintes contra os «populismos» de Menezes, Santana e Passos Coelho. Teve proximidades a Balsemão e ao grupo dos «Inadiáveis», mais tarde a Ramalho Eanes, flertou com a ASDI e com o «Soares a Presidente» e, muito recentemente, no Porto, mais por princípios geográficos e bairristas do que políticos, com a primeira candidatura de Rui Moreira, que para Miguel Veiga significava a conquista da Câmara pela «intelligentsia» política da Foz, que ele sempre cultivara, e, para Rio, um acerto de contas com o seu eterno rival.

Quando Fernando Gomes regressou de Lisboa para «retomar» a Câmara do Porto, era presidente da distrital do PSD Luís Filipe Menezes ou alguém, cujo nome não me recordo agora, em sua substituição. Como, para os estrategas locais do PSD, a Câmara estava perdida, o candidato do partido laranja seria sempre uma vítima sacrificial, como outras que, de resto, tinham já existido no passado recente. Menezes ofereceu em forma de «missão» da maior importância, esse presente envenenado a Rio e este não teve outra saída que não aceitá-lo: se o recusasse, seria visto como alguém que virava as costas ao partido nos momentos de dificuldade e o laranjal não aprecia esse tipo de atitude. Só lhe faltava ir a jogo e Rui Rio foi, mas sempre convencido que não tinha qualquer hipótese de vitória e que o que ali se discutia era a maioria absoluta do candidato socialista. Só que a cidade do Porto não paga a «traidores» e não perdoou a ida de Gomes para Lisboa. De um momento para o outro, Rui Rio viu-se presidente da Câmara da sua cidade.

Nas funções de autarca portuense, há que o dizer, apesar de erros, a acção de Rio foi muito mais positiva do que negativa. Pôs as contas em ordem e preparou a cidade para o desenvolvimento que ela hoje conhece. Mas, politicamente, Rui Rio foi sempre um zero à esquerda, e foi durante os seus três mandatos autárquicos que, pela ausência da liderança que necessariamente tem de caber ao edil portuense, o Porto e a Região Norte ficaram condenados à irrelevância política onde ainda hoje se encontram.

Não são, por isso, de estranhar as sucessivas argoladas do Rio candidato a líder do PSD, como esta de dizer, a menos de uma semana as eleições, que está disponível para suportar, no Parlamento, um governo minoritário de António Costa. É que, na verdade, Rui Rio não sabe o que é ganhar uma eleição por mérito próprio e, muito provavelmente, teimoso como é, irá perder esta. Não duvido que seria um primeiro-ministro mais competente que António Costa ou Santana Lopes. O que não acredito é que alguma vez lá chegue.

Anúncios
8 comentários leave one →
  1. Rocco permalink
    8 Janeiro, 2018 11:58

    Santana ainda vai fazer muita gente engolir impropérios…

    Gostar

  2. LDM permalink
    8 Janeiro, 2018 14:24

    É o que há …

    Gostar

  3. 8 Janeiro, 2018 15:49

    E destrói-se um partido com quezílias próprias de um harém. Parecem mouras

    Gostar

  4. Arlindo da Costa permalink
    8 Janeiro, 2018 18:21

    Rui Rio é social-democrata. Está é no partido errado. Não é preciso acrescentar mais nada.

    Gostar

  5. Euro2cent permalink
    8 Janeiro, 2018 23:05

    as sucessivas argoladas do Rio candidato

    Abriu logo a falar das “trapalhadas” passadas, como se fosse um assessor do Compaio a debitar desculpas de mau pagador.

    Gostar

  6. Luís Marques permalink
    8 Janeiro, 2018 23:34

    A cidade do Porto não paga a traidores…blá, blá, blá. Não reelege fracassados, tal como Lisboa fez com João Soares em proveito de Santana Lopes.

    Gostar

  7. Jose Sousa permalink
    9 Janeiro, 2018 17:05

    Se o sr Rui A. entende e proclama que não duvida que Rui Rio “seria um primeiro-ministro mais competente que António Costa ou Santana Lopes”, porque se compraz em dar um contributo para destruir a hipótese de Rui Rio vir a ser primeiro-ministro, bolsando aleivosias contra ele? Ter-se-á de concluir que, dos cenários em apreciação, prefere aquele de que resulte um primeiro-ministro menos competente. Deve ser por puro masoquismo, do foro psiquiátrico…

    Gostar

    • rui a. permalink*
      9 Janeiro, 2018 17:23

      O Sr. Rui A. não se compraz nem deixa de se comprazer, nem dá ou retira contributos seja para o que for nesta campanha interna do PSD. O Sr. Rui A. analisa, com os elementos que tem disponíveis, os factos e estes parecem-lhe ser os seguintes: a) que RR tem mais capacidade para ser pm do país; b) que RR tem menos capacidades para ganhar as eleições a PSL; em consequência do que c) é mais provável que PSL ganhe essas eleições. Só isto.

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: