Saltar para o conteúdo

bipolaridade austeritária

21 Agosto, 2018
by

O PS vive momentos de animada bipolaridade política com alguns dos seus dirigentes e responsáveis a fazerem de conta que Mário Centeno não é presidente do Eurogrupo e com Mário Centeno a fazer de conta que aquilo que agora diz é igual ao que disse no passado e ao que fez e faz no presente. O nó cego é, essencialmente, o da célebre «austeridade», mas diga-se em abono da verdade que o vídeo do presidente do Eurogrupo, que pôs a esquerda da geringonça a simular achaques e ataques de indignação, é somente uma singela cereja em cima de um enorme bolo que já dura há três anos. É que nem a austeridade acabou em Portugal, nem acabou na Grécia, nem o que Centeno diz sobre a saída grega contraria o que ele por aqui faz, embora contrarie muito do que ele por aqui disse. Mas o que interessa é a cena de palco, o teatro com que os protestantes julgam poder amealhar algum crédito na opinião pública e dentro dos seus partidos. Depois de Galamba, que parece não ter ainda percebido por que deixou de ser porta-voz do PS, dos bloquistas e de outros do género (por acaso, não dei conta do PC…), agora foi a vez da Senhora Ana Catarina Mendes, a nº 2 do aparelho socialista, meter a sua colherada, em suposta defesa de Centeno, tendo bocejado esta frase estonteante:

«saudar esta saída é perceber que na Europa se desenha um novo futuro, que a reforma da zona euro se impõe e que a solidariedade é mais importante que a austeridade!»

Vamos decompor isto, para melhor entendermos a indigência da coisa:

«saudar esta saída é perceber que na Europa se desenha um novo futuro». Porquê? Qual futuro? Em que consiste essa esperançosa promessa? E que raio tem o facto da Grécia ter começado a pôr as suas contas públicas em ordem e a pagar as suas dívidas aos credores com «um novo futuro para a Europa»? Nonsense.

«a reforma da zona euro se impõe». Esta afirmação é ainda mais enigmática do que a anterior. O que significa «reformar a zona Euro»? Será acabar com a moeda única? Isso não seria uma reforma, mas uma extinção. Será deixar de impor limites aos gastos orçamentais dos estados? Isso seria igual ao fim do euro, pelo que voltamos à hipótese anterior. Consequentemente, não é possível perceber o que diz a deputada Ana. E julgo que ela mesma não terá compreendido o que disse.

«a solidariedade é mais importante que a austeridade». Quando se celebra o fim, supostamente bem sucedido, pelo menos é o que diz o ministro Centeno, de um programa de austeridade, como se pode dizer que o que se está a comemorar é o seu oposto? A não ser que a deputada Catarina Santos ache que esta austeridade foi solidária, no que não estaria longe da verdade, tendo em conta os muitos milhões que os credores puseram nos cofres públicos gregos para que estes pudessem pagar os custos das suas muitas asneiras. Mas acredito que não fosse isso que lhe ia no espírito. Nem isto, nem coisa nenhuma.

De asneira em asneira, de disparate em disparate, o PS, o Bloco e o PC continuam a fazer de conta que Portugal não vive em austeridade, que tudo vai bem, que os portugueses já não passam dificuldades e que as cativações de Centeno são melhores do que os cortes de Gaspar. De tempos a tempos têm de fazer-se de virgens púdicas e ofendidas para os eleitores não repararem que fazem deles lorpas. É só isto.

Anúncios
27 comentários leave one →
  1. Manuel Peleteiro permalink
    21 Agosto, 2018 15:28

    Sinceramente, a mim já me chateia demais esta democracia, ou muda ou uma ditadura já seria bem-vinda.

    Liked by 2 people

  2. 21 Agosto, 2018 17:07

    Faz parte do ADN do P’S’ a vigarice, trafulhice, mentira, calunia, oportunismo, incompetencia…e os jobs for the boys que necessitem.

    Gostar

  3. Procópio permalink
    21 Agosto, 2018 17:20

    A verdade não circulará enquanto as mentiras da geringonça forem o consolo dos indígenas.
    Os ratos seguem a regra básica de Lord Palmerston: ” Não temos aliados eternos, e muito menos inimigos perpétuos. Só os nossos interesses são eternos e perpétuos”.
    É o que faz o kosta na senda do 44,
    Só ainda não caiu na asneira de mobilar o apartamento em Paris.

    Gostar

    • 21 Agosto, 2018 19:41

      Comentario perfeito !

      Fez-me lembrar aquela do Almeida Santos: ‘Para os adversarios nada; para os inimigos a justica, para nos tudo’.

      Gostar

  4. Procópio permalink
    21 Agosto, 2018 17:28

    Por agora andam pelas IPês, mas ameaçam invadir outros lugares.
    https://static.globalnoticias.pt/jn/image.aspx?brand=JN&type=generate&guid=053a3f3c-3406-4be3-b720-27c1e9272cf0&t=20180821155200

    Gostar

  5. Mario Figueiredo permalink
    21 Agosto, 2018 18:58

    Tudo isto é código:

    «saudar esta saída é perceber que na Europa se desenha um novo futuro»

    E o futuro é o novo sistema de orçamentação europeia e a criação do Ministro Europeu das Finanças, cargo que extinguirá a posição actualmente tomada pelo Mário Centeno (ele será o último presidente do Eurogrupo). Neste futuro tão desejado por essa gaja — não me apetece chamá-la pelo nome, como até a um cão eu faria — a UE finalmente põe em prática o desejo de sempre de criar uma Europa a várias velocidades.

    «a reforma da zona euro se impõe»

    Ora cá está a supra-citada reforma que coloca Portugal na cauda da Europa e aí o manterá por força duma orçamentação com assinatura ministerial feita à medida não do desenvolvimento desejado — como procuraria fazer um estado-nação — mas do desenvolvimento previamente obtido, como sempre fará um organismo de controle. Não se orçamenta com base em objectivos, mas em resultados.

    Nunca mais vamos ter banca-rotas (ou assim nos querem fazer acreditar) e o preço a pagar é a União Orçamental. Mais uma valente machadada na nossa autonomia.

    «a solidariedade é mais importante que a austeridade»

    O que é uma forma de dizer que é preciso negociar a dívida e que esta reforma será um excelente veículo para tal. Se depois nos enterramos ainda mais na aparelho europeu de onde não conseguiremos nunca sair, que se lixe.

    Liked by 2 people

    • JgMenos permalink
      21 Agosto, 2018 21:21

      O que nos enterra é a dívida e não há político nesta choldra que não pense em meios e artimanhas para acrescer à dívida, agora oportunisticamente reduzida a percentagem promotora do consumismo.

      Gostar

    • Sérgio Gonçalves permalink
      23 Agosto, 2018 09:22

      Mario,

      Mas já demos provas algumas de nos sabermos governar?

      Gostar

  6. maria permalink
    21 Agosto, 2018 19:19

    Acrescento: Como a propaganda lava tantos milhares de cérebros! Tive um aumento de 18,79€ mas como o IRS passou de 12% para 13,1%, descontei mais 18€. Conclusão, tive um aumento de 0,79 €. Como é possível ninguém reagir a esta falsidade? Foram comprados ou vendidos por migalhas?

    Liked by 1 person

  7. lucklucky permalink
    21 Agosto, 2018 19:21

    Isto é tudo gente que cria palavras más para as atacar e assim parecer bem.

    Gostar

    • 21 Agosto, 2018 19:38

      Sao especialistas –e unicos na vida governamental tuga– em colocar ‘hipoteses’, noticias e o mais que se sabe, para aquilatar as reaccoes –normalmnte poucas– dos tugas distraidos ou bovinamente aparvalhados. Se ‘a coisa’ passa pelos pingos da chuva, decretam; se nao, nunca mais falam no assunto…com a conivencia de certa comunicacao social.

      Gostar

  8. Procópio permalink
    21 Agosto, 2018 19:33

    Maria, vamos ao Procópio beber uma mini a meias?
    Com 0,79 € até se pode ter momentos de descontração!
    Convidamos a Zazie para abrir a garrafa, ou se ela quiser beber a minha parte, abro-a eu.
    Estou por tudo.

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      21 Agosto, 2018 19:38

      Tu queres é gajas, malandro.
      Vê lá se ele convida os manos. É o convidas!

      Gostar

  9. Procópio permalink
    21 Agosto, 2018 19:39

    Minúcias à parte da bipolaridade.
    “Ouve lá ó afonso, queres ir para o Panteão?”
    “Nem pensar, porra, estão lá o Carmona e o Sidónio, ainda me davam uma bordoada!”
    Respeitem-se as vontades.

    Gostar

    • 21 Agosto, 2018 19:44

      Nao percebi. Quem e o Afonso que quer ir para o Panteao ?

      Gostar

      • Mario Figueiredo permalink
        21 Agosto, 2018 20:29

        Foi a Sociedade Portuguesa de Autores. Sugeriram que o Zeca Afonso devia ir para o Panteão.

        Em abono da verdade, a malta já tinha rebentado com qualquer réstia de dignidade que o monumento pudesse ainda ter. Isto para mim é a SPA a trolar a malta.

        Liked by 1 person

  10. 21 Agosto, 2018 21:17

    MFigueiredo,
    grato.
    A SPA, ‘socialista’, sempre que o governo e P’S’ ressurge com mais poder na manjedoura. Portanto, nao ficarei surpreendido se insistirem nesse favor ao P’S’-obrigadinho-o-Letria, em 2019, ano de legislativas. Mas nao acredito que a proposta passe na Assembleia da Republica.
    Zeca Afonso nao foi um compositor, musico e interprete qualquer. Tem alguns trabalhos admiraveis e historicos — mas…no Panteao ? Bem, entao tantos outros musicos e compositores, muito mais importantes, deveriam la estar… A SPA criou uma ‘vaga de fundo’, ‘a pedido de varias familias’. Pela sua ansia de protagonismo e servilismo, banalizou-se e banalizou o local.

    Gostar

  11. sam permalink
    21 Agosto, 2018 22:34

    Bruno Carvalho ao Panteão!

    Gostar

  12. Arlindo da Costa permalink
    21 Agosto, 2018 23:28

    A Zona Euro foi salva com o advento da geringonça portuguesa. Foi Portugal e o governo português que amansou a fera e deu uma nova orientação monetária na Europa. Os fundamentalistas austeritários perderam em toda a linha.

    Alguém tem dúvidas?

    Gostar

    • sam permalink
      21 Agosto, 2018 23:44

      Os de Pedrógão têm, Arlindinho.

      Gostar

    • A. R permalink
      22 Agosto, 2018 08:45

      “A Zona Euro foi salva com o advento da geringonça portuguesa. Foi Portugal e o governo português que amansou a fera” Acho que foi mais Portugal e a Geringonça sofrem chibatada mas em silêncio e depois negam em casa: uma espécie de violação num beco escuro.

      Gostar

  13. JCA permalink
    22 Agosto, 2018 02:01

    Chegam 2 perguntas;
    .
    se um país da Europa (todos devem) é que tem divida que não é da Europa, que coisa é essa que coisa é essa a que se chama de União Europeia com Euro comum etc ?
    .
    Aceitam os ‘nacionais’ dos outros Estados assumirem coletivamente as divida ‘nacional’ dos outros (como por exemplo sucede com os Estados do Brasil, dos EUA ou da propria Alemanha) ?
    .
    Quais os ‘nacionais’ dos outros Estados da UE que ganham riqueza e postos de trabalho lucrando com o comercio livre sem fronteiras dentro da União Europeia, a moeda unica e os emprestimos para aumentar o consumo dos outros em beneficio daqueles ?
    .
    Nao é preciso mais nada, nem de retorica nem de teorias.

    É claro que isto não tem pernas para andar nem para ser. Sugere uma ‘chico espertice’ de alta escala. Mas …. pois ….. E no lavar dos cestos …. o costume na Europa … salvo se … mas é tão dificil resolver o impossivel, quanto mais quando tudo joga para sobreviver no possivel que no caso não existe por insustentado. Mas vai-se vivendo como dizia o ‘trengo morcão’ ….
    .

    Gostar

  14. 22 Agosto, 2018 09:02

    Uma indignidade está corja da seita da geringonça. A senhora Ana Catarina diz coisas, mas, vai-se a ver, não sabe o que realmente diz. Boa Rui. Chrgue-lhes forte e feio.

    Gostar

Trackbacks

  1. As cativações de Centeno e os cortes de Gaspar – O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: