Saltar para o conteúdo

Crime passional ou violência de género?

27 Setembro, 2018

Alguém sabe ao certo porque falam hoje os jornais de crime passional e não de crime de violência de género?

Anúncios
32 comentários leave one →
  1. 27 Setembro, 2018 09:07

    Porque o caso não mudaria em nenhum aspecto essencial se o casal em questão fosse homossexual. Nem tudo é ideologia, Helena Matos; não se precipite tantas vezes.

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      27 Setembro, 2018 10:23

      Você não percebeu mesmo.

      Liked by 1 person

      • 27 Setembro, 2018 10:49

        O passional é linguagem obsoleta que ainda serve para preencher quando não se aplica semântica de causa.

        Liked by 3 people

      • André Silva permalink
        27 Setembro, 2018 11:02

        Se ele percebesse é que seria de estranhar. tem o cérebro embrutecido pelo marxismo.

        Liked by 2 people

      • 27 Setembro, 2018 19:36

        Ver que o pensamento maniqueísta e primário de Helena Matos faz discípulos deixa qualquer um sem esperança. Curiosamente, a Helena “cultural warrior” Matos consegue estragar teses aceitáveis com os seus exemplos forçados, mas não vou perder mais tempo a discutir com claques que nem um argumento conseguem avançar e desconhecem a subtileza, reduzindo tudo e todos a rótulos.

        Gostar

    • 28 Setembro, 2018 08:39

      Não mudava pelo mesmo motivo que aqui se enuncia. A linguagem obsoleta ainda serve quando em questão estão as ditas “minorias” a praticarem crimes.

      Se escapar à gaveta entre minorias, então tem de haver crime maior e aí entra a novilíngua com a nova Inquisição para a fogueira de culpados maiores. Usando o “género”, por exemplo.

      Gostar

  2. Andre Miguel permalink
    27 Setembro, 2018 09:55

    Jornalismo marxista. Vitima femea: violencia de genero. Vitima macho: crime passional.
    Todos sabemos que as mulheres matam por paixão, só os homens, esses grunhos, matam por matar.

    Liked by 7 people

    • lucklucky permalink
      27 Setembro, 2018 14:08

      Obrigado André Miguel mais uma para a lista das definições do Jornalismo Marxista:

      Activistas – chama-se a alguém de esquerda faz violência
      Extremistas – chama-se a alguém de direita faz ou não faz violência.

      Exilados – refugiados de ditadores que o Jornalismo Marxistas não defende.
      Dissidentes – refugiados de ditadores que o Jornalismo Marxistas defende.

      Líderes – Ditadores que o Jornalismo Marxista defende
      o líder Cubano, líder Sírio, líder Líbio ou um elogio ainda maior : Líder Histórico
      Ditadores – Ditadores que o Jornalismo Marxista não defende.
      o ditador Chileno, ditador Pspanhol, ditador Português

      Populista – chama-se a coisas ou pessoas que o povo gosta e o Jornalismo não gosta que o povo goste.
      Democrático – chama-se a coisas e pessoas que o povo gosta e o Jornalismo gosta que o povo goste.

      Protestos – Ataques que o jornalismo apoia
      Ataques – Ataques que o jornalismo não apoia

      Morrem- pessoas mortas em ataques mas que não interessa aos jornalismo Marxista designar quem atacou ” israelitas morrem em explosão”
      Mata – pessoas mortas em ataques mas que interessa ao jornalismo Marxista designar quem matou. “Ataque israelita mata palestinanos ”

      Indignação – caracterização de protestos quando o Governo não é apoiado pelo jornalistas.
      Raiva- caracterização de protestos quando o Governo é apoiado pelo jornalistas

      Coerente- uma pessoa de esquerda é coerente
      Inflexível – uma pessoa de direita é inflexível

      Gastos – se o jornalista não gosta
      Investimento – se o jornalista gosta

      Apaixonada – uma pessoa de esquerda é apaixonada
      Controversa/polémica – uma pessoa de direita é controversa e polémica

      Denuncia, levanta questões – se a esquerda critica algo
      Aproveitamento, Incitamento, oportunismo – se a direita critica algo.

      Oposição Firme- A esquerda faz oposição firme
      Obstrução- A direita faz obstrução

      Convicções e Princípios- A Esquerda tem convicções e princípios.
      Ideologia -já a Direita é ideológica.

      Vitima femea: violencia de genero.
      Vitima macho: crime passional.
      (Helena Matos, André Miguel)

      Ganância: se queremos manter o nosso dinheiro
      Social: se queremos o dinheiro dos outros.

      Liked by 6 people

    • Os corruptos que se cuidem permalink
      27 Setembro, 2018 20:03

      Ora aí está, André Miguel! Uma formulação simples e elucidativa do problema que até o Eremita conseguirá compreender.

      Gostar

      • 27 Setembro, 2018 22:14

        Ainda bem que está tão satisfeito com a sua perspicácia.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 08:47

        Não sei se também não se lhe aplica o que julga detectar nos escritos.
        A precipitação não vem do post. É bem capaz de vir da introdução de uma dicotomia que não estava em causa- hetero/homo.

        O que estava em causa é crime ser passional se a vítima for homem e a agressor for mulher; e violência de género se for o inverso.

        A primeira expressão era a tradicional e era assim que se dizia, antes do lobby jacobino das causas deitar as unhas às Leis.

        Gostar

      • lucklucky permalink
        28 Setembro, 2018 12:43

        “Ainda bem que está tão satisfeito com a sua perspicácia.”

        Por outras palavras não tem argumento.

        Gostar

  3. Rão Arques permalink
    27 Setembro, 2018 12:17

    Género mesmo é quando elas matam devagarinho.

    Gostar

    • 28 Setembro, 2018 09:58

      Só introduzi a dicotomia para tirar o género da equação e mostrar que o crime ainda manteria as suas características (a acreditar nos jornais: a premeditação, a cumplicidade de uma terceira pessoa, a encenação subsequente). Pareceu-me um argumento lógico e não percebo, sinceramente, que seja entendido como precipitação. Aliás, espero que a claque da Helena Matos reconheça esta evidência, pois o que vos incomoda é o “marxismo cultural”: não este crime ser descrito como “passional” mas os crimes dos homens sobre as mulheres serem descritos como “violência de género”. Podemos discutir se há dois pesos e duas medidas, mas fazê-lo a partir de um exemplo em que o termo foi bem aplicado é um pouco paradoxal. Faria mais sentido discutir o assunto se um caso com exactamente as mesmas características mas com inversão de papéis fosse descrito como violência de género. Mas um dos problemas é que os casos de continuada violência, como a cena clássica do homem embriagado que bate na mulher ao serão, são diferentes do caso presente e correspondem efectivamente muito mais a violência de género do que a crimes passionais, e nestes casos a mulher é quase sempre a vítima. A menos que esta estatística também vos pareça uma invenção “marxista” para derrotar o “heteropatriarcado”, o que não me surpreenderia.

      Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:06

        Não sei a que título vem o “vos”. Eu falo por mim e isto é uma questão semântica.

        Não estava em causa qualquer tipo de violência (nela também entra a psicológica e em ambos os sentidos, já que existe em relação a animais).

        Apenas a expressão: “crime passional”. Esta expressão entrou em desuso. E o motivo é a substituição quando pode entrar militância de causa da moda.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:08

        Aliás, a própria causa da moda- incluindo feminismo é um remake também obsoleto.

        Tudo muda, e na mudança existem óperas-bufas. As actuais parecem-me apenas palavras e trompetas. Mas legislam. São inquisitoriais e tiram discernimento a demasiada gente.

        Principalmente quando a resposta quer pegar em chavões e responde com chavões inversos.

        É mais fácil.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:12

        Nem se trata de averiguar se há 2 pesos e 2 medidas.

        Não estava em causa nada disso. Estava apenas um cabeçalho, um título com expressão antiga que dantes servia para caracterizar tudo e agora só serve para proteger o que se tornou sagrado.

        Quanto a mim, a questão mais maluca é mesmo a sacralização às avessas.

        E aí entra algo mais engraçado também transformado em facto político como a cena do Mapplethorpe.

        As indignações cegas vêm da militância. Não vêm de pequenos posts que atingem a cegueira dos que actuam.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:15

        E sim, pode mesmo ser marxismo cultural. Pode ser o levar à prática do que academia teorizou nos anos 60. Pode até ser praxis gramsciana.

        Incomoda chamar-lhe assim?
        Azar. É difícil querer fazer passar-se por aquilo que se não é, para não dar o mau aspecto marxista.
        O marxismo é um molho que entra em tudo.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:17

        A mim não incomoda nem deixa de incomodar a mudança da linguagem.

        Penso é que é demasiado importante para não ser ela em si mesma a questão principal e o resto adorno.

        Gostar

  4. mg42 permalink
    27 Setembro, 2018 13:17

    Dona Helena, esta sua mensagem talvez devesse ser dirigida antes ao seu amigos(?) José Manuel Fernandes e ao Miguel Pinheiro. Talvez dessa maneira pudessemos começar a ouvir uma narrativa diferente. Mas estou a ler aqui que é o “jornalismo marxista”.

    Gostar

    • 28 Setembro, 2018 10:19

      É inegável que hoje se dá muito mais atenção à violência doméstica e que a língua mudou. Uns estão preocupados com a brutal assimetria de género associada à violência doméstica, outros estão mais preocupados em identificar tiques de “marxismo cultural” na imprensa, escolhendo até os piores exemplos para a sua causa. São opções.

      Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:23

        Bom, mas nessa dita “violência doméstica” também só entra o que tem lobby. Não inclui crianças nem velhos.

        E aumenta o que se fala dela, assim como aumentam os casos, na proporção directa da emancipação das mulheres.

        Assim como aumenta entre namorados novinhos, enquanto que dantes era entre casados.

        Estas são questões a equacionar. E não é pelos lobbies que são tratadas.

        Penso mesmo que os lobbies apenas usam a grelha para proselitismo. É tudo em circuito fechado e às cegas mas de bocarra bem aberta e leis na manga para fazer culpados.

        Gostar

      • 28 Setembro, 2018 10:26

        Por outro lado existe a grande assimetria dos que criticam e dos que detêm poder e podem legislar.

        Na prática seria como noutros tempos se falar à boca pequena acerca de milícias inquisidoras e quejandas e pertencer-se a elas e fazer agit prop.

        Uns são poder; os outros não.

        Gostar

  5. 28 Setembro, 2018 10:40

    Só entra o que tem “lobby”? Não inclui crianças e velhos? Está a par do que Joana Maques fazia antes de chegar a PGR? Já percebi que não gosta das “Capazes”, mas não devemos viver na mesma realidade.

    Gostar

    • 28 Setembro, 2018 10:43

      Não faço ideia do que fazia quem. Estou a falar de lobbies internacionais.
      As Capazes também hão-de ser ramificação de coisas internacionais. Há aclimatações da coisa mas a coisa é Grande.

      Gostar

    • 28 Setembro, 2018 10:46

      O que pessoas concretas fazem não é resposta para a semântica da causa e das manifs.

      Apenas referi o poder do verbo do flash-mob e das variantes jacobinas com Poder de fazer processos por se falar e até mandar prender por crime anti-causa. Aqueles do hate americano às batatas fritas que foram traduzidos por “ódio”.

      Gostar

    • 28 Setembro, 2018 10:47

      Já viu alguma mobilização de rua por causa de milhares de exemplos de violência sobre velhos?

      Gostar

  6. 28 Setembro, 2018 11:02

    Não vi e provavelmente não verei. Mas usar essa evidência como um argumento contra manifestações de feministas, por exemplo, é a melhor forma de paralisia social que conheço. E é precisamente essa lógica à Helena Matos (não consegue pensar de outro modo) que recuso.

    Gostar

    • 28 Setembro, 2018 11:08

      Manif de feministas sem queimarem soutiens como foi noutros tempos, também não lhe encontro piada.

      Não reparei que a HM tenha bloqueado feministas. Até porque elas não deixam. Só vi uma negra a dar lambadas com a mala na cara de uma que insultava o Papa.

      Mas isso é lá fora. Na origem das coisas. Por cá é sempre suplemento tardio e em terceira-mão.

      Gostar

    • 28 Setembro, 2018 11:10

      Mas a HM não era feminista?

      Tenho ideia que sim. Até militou juntamente naquela coisa do abortício. Se não foi por isso, foi a que título?

      Gostar

    • 28 Setembro, 2018 11:10

      Paralisia social só fechando o facebook

      Gostar

  7. 28 Setembro, 2018 11:38

    A Helena Matos, como sabe, já foi muitas coisas.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: