Saltar para o conteúdo

Quando o lobo veste pele de cordeiro

8 Dezembro, 2018

O Vaticano decidiu apoiar o Pacto de Migrações da ONU condenando os países que decidiram não assinar o manhoso documento. É verdade. Deixou claro, desta forma, que religião também é política e que imiscuir-se nestes assuntos também lhe compete. Assim, declarou estar de acordo com a imposição da ONU de aceitação de migração massiva indiscriminada,  de todos os indivíduos que o quiserem, quando quiserem, seja por que motivo o quiserem, declarando ser um “direito humano”, transformando-os automaticamente  em cidadãos com pleno direitos nos países receptores, independentemente do perigo que isso representa. Porém o Vaticano, que é um Estado independente, na hora de acolher, seleccionou só famílias com mulheres e filhos maioritariamente cristãos –  e controlou o número de refugiados que aceitou – 12 famílias –  não deixando as portas escancaradas e acessíveis a todos os que quisessem lá viver. Porquê?

Não é a primeira vez que vejo  hipocrisia por essas bandas. Quando me tornei adulta, apesar de ser católica e a partir de certa data –  por via da descrença nos homens à frente da Igreja –  não praticante,  comecei cedo a questionar o que nos era ensinado na catequese mas não era seguido pela Santa Sé. Jamais me conseguiram explicar porque  o Vaticano:  era o Estado mais rico do mundo rodeado de luxos inacessíveis aos comuns mortais; porque razão vestiam Prada e tinham duplexes carríssimos em zonas caríssimas, parque de  estacionamento cheio de  carros pessoais de marcas milionárias com motoristas particulares pagos a peso de ouro; porque razão o Banco do Vaticano, o IOR,    é uma “offshore” (mais eficiente de que os Bahamas) onde todo o tipo de dinheiro, de todo o tipo de gente, vai lá parar em contas de instituições de caridade fantasma,  para aplicações em offshores e negócios  duvidosos, tudo devidamente documentado no “Dossier Dardozzi”  e guardado a sete chaves pelo Papa depois de ameaçado pela cúria (fonte “Sua Santidade – As Cartas Secretas de Bento XVI , Vatican SA – Les Archives Secrètes du Vatican, Merchants in the Temple – Inside Pope Franci’s Secret Battle Against Corruption in the Vatican de Gianluigi Nuzzi); porque razão sempre que há catástrofes humanitárias nunca se vê o Vaticano a fazer donativos; porque razão escondeu os crimes de abuso sexual dos padres às crianças; porque não deu imediatamente asilo, mesmo que temporário,  a Asia Bibi uma refugiada paquistanesa cristã em perigo, que ninguém acolhe; porque razão continuam a ignorar a crise humanitária da Venezuela e as chacinas aos fazendeiros brancos na África do Sul.

Tal como na política, há um desfasamento entre aquilo que se professa e aquilo que se pratica. Por isso cada vez há mais gente afastada, seja da religião seja da política, porque deixaram de acreditar nos líderes que não defendem as pessoas,  defendem apenas os interesses do grupo que representam, não se importando que haja um colapso social por via desse abandono.

Defender este Pacto não é defender direitos humanos. É autorizar a aglutinação dos valores culturais, religiosos, sociais, históricos, das nações aceitando o domínio de outras culturas, que não se integram e que provocarão o desaparecimento da cultura ocidental porque será feito apenas num sentido: Europa-EUA.  Vindo da própria Igreja Católica, é ter lobos em peles de cordeiro dispostos a sacrificar todo o rebanho de  ovelhas em nome de uma nova ordem mundial de substituição populacional largamente difundida por cá pela Fundação Manuel Francisco dos Santos. Não é segredo sequer. Basta ler as publicações.

Não é admissível um líder, seja de que religião for, fazer propaganda a agendas políticas muito menos se forem catastróficas para toda uma civilização. Importar e promover o Terceiro Mundo no ocidente é fomentar o retrocesso civilizacional. Que o digam os países Árabes que abertamente declinaram a aceitação desses migrantes com a mesma cultura, tendo dito que o “ Kuwait e o Conselho de Cooperação no Golfo são valiosos demais para aceitar qualquer refugiado. É muito caro realojá-los. O Kuwait é muito caro para eles, ao contrário do Líbano e da Turquia, que são baratos. Não é certo aceitarmos pessoas que são diferentes de nós. Nós não queremos pessoas que sofrem de stress interno e trauma em nosso país” – Fahad al-Shalami. 

Ao invés de nos questionarmos porque razão os países árabes se colocam de fora deste Pacto,  andamos nós feitos otários a troco de uns míseros euros, a aceitar a ditadura da ONU que mais não quer do que sacrificar-nos para concluir com êxito a ambição globalista dos Bilderberg, Rockefeller e Soros.

Se agora já é uma realidade que nalguns países europeus  não se pode festejar o Natal nas escolas e nas ruas como antigamente, o que pensam que nos espera com este pacto facilitador de migrações indiscriminadas?

Ainda havemos de ter saudades do velho continente. Principalmente a Igreja Católica.

Anúncios
45 comentários leave one →
  1. 8 Dezembro, 2018 19:31

    Isso do Bento XVI vestir Prada é patranha prot.

    Só faltava enfiarem hereges dentro do Vaticano, não?

    Gostar

  2. procópio permalink
    8 Dezembro, 2018 19:37

    O percurso do Papa Francisco deve ser visto com atenção. Oferece aspectos positivos e negativos. Como diz a Cristina, muitos vestem a pele de cordeiro na sua sombra.

    Liked by 1 person

    • 8 Dezembro, 2018 19:42

      Mas o Papa Francisco é o dos pobrezinhos. O que faz que desdenha da riqueza da instituição e começa logo a demarcar-se do antecessor, com palhaçadas mediáticas.

      A Santa é uma instituição milenar. Não é um ou outro Papa que a fazem ou alteram.

      O Estado do Vaticano é uma cidade-estado independente e não é a mesma coisa que a Santa Sé.

      Gostar

  3. 8 Dezembro, 2018 19:44

    A Santa Sé é soberana e a doutrina e concordatas emanam dela e não de um Estado que se tornou independente no início do século XX.

    Gostar

  4. procópio permalink
    8 Dezembro, 2018 19:48

    Veremos quem assina o Pacto de Marrakech.
    Ou quem, mesmo sem assinar o apoia.

    Liked by 3 people

  5. 8 Dezembro, 2018 20:50

    Rockefeller e Soros…o que eles

    Liked by 2 people

  6. 8 Dezembro, 2018 20:52

    Peço desculpa a quem ainda anda meio a dormir e ainda não acordou bem do sono.
    A Santa Sé já não está localizada em Roma, mas em New york. É de lá que vem a nova teleologia do pecado original, a salvação dos pecadores e a nova envagelização. Roma passou a sucursal . Já agora a Igreja católica sempre foi internacionalista e globalista, e de pouco Cristã. Tanto lhes faz que o fiel seja preto ou branco, desde que aumente em numero e na servidão$ à Santa sé. Dantes era em Roma que se decidia a legalidade da geopolitica, agora é em Nova York.

    Dona Cristina, a nova teleologia começou , apartir de 45. Os sagrados “direitos humanos” são na verdade uma maça envenenada à soberania dos povos, e antitéticos ao direito civil, à preservação dos povos e das suas culturas. Continuar a defender tal termo, é aceitar jogar com as regras criadas pelo inimigo que as domina. Hoje em dia uma NGO tem mais poder que a soberania de um país por causa dos “direitos humanos”. Os barcos “humanitarios” de trafego humano, continuam a navegar livremente e ninguem lhes pode fazer nada, graças aos sagrados “direitos humanos” . Outrora já tinham sido há muito afundados.

    Liked by 2 people

  7. 8 Dezembro, 2018 20:56

    ai, o que esses querem é claro: escravizar a malta e muitas cores misturadas para a judiaria passar despercebida, mas , com estes pactos imbecis , o mais certo é um remake do bigodinhos hitler. vão continuar a vagar pelo mundo, pás.

    Liked by 2 people

  8. Aónio Lourenço permalink
    8 Dezembro, 2018 20:58

    Oh Cristina Ferreira, desde quando o referido acordo impõe que os refugiados e imigrantes económicos se tornem “automaticamente em cidadãos com pleno direitos nos países receptores”? Fonte?! Ou é apenas achismo, como nos já habituou? É que eu até ia perder o tempo a ler a sua prosa, mas quando me deparo com um erro desta natureza, perco logo o respeito pelo escrivão

    Gostar

    • 8 Dezembro, 2018 21:37

      Inglaterra 88

      Inglaterra 98

      Inglaterra 2016

      Liked by 2 people

    • SRG permalink
      9 Dezembro, 2018 21:27

      Caro Aónio, a Cristina Ferreira deve estar a rir-se neste momento do seu comentário. Deve andar entretida a telefonar para o Goucha e não deve ter tempo para falar de migrações !?!?

      Liked by 1 person

  9. Aónio Lourenço permalink
    8 Dezembro, 2018 21:11

    Claro que uma pesquisa rude no Google e percebe-se que a Cristina Ferreira é uma impostora! Porque raio esta gente não estuda antes de abrir a boca ou, no presente caso, de teclar? Vamos a factos, Cristina, vamos? Bora lá:

    https://news.un.org/pt/story/2018/12/1650601

    O pacto tenta primeiramente fazer a destrinça entre migrantes regulares, migrantes irregulares e refugiados! Ajuda, certo? Que é para a horda de africanos do Senegal não vir misturada com os famélicos da Síria. Mas se a Cristina quiser adotar em qualquer caso um senegalês ou congolês para a lida da casa, excusará de ir assim ao confessionário nesse domingo remir os pecados da inveja, tendo todavia quiçá que remir os da luxúria no domingo seguinte.

    Gostar

    • 8 Dezembro, 2018 21:23

      França 86

      França 98

      França 2017

      Liked by 2 people

    • Cristina Miranda permalink
      8 Dezembro, 2018 22:51

      Aonio ouvi bem? Chamou-me impostora? Bad move.

      Liked by 1 person

    • 8 Dezembro, 2018 23:44

      Primeiro, era bom o meu caro saber a quem se dirige. Quando o vejo a chamar Cristina Ferreira à Cristina Miranda, toda a sua restante argumentação me parece, logo à partida, pelo menos suspeita.

      E depois, claro, vem com paninhos quentes onde não há lugar a tal. O pacto, quer o meu caro o queira ver ou não, na práctica extingue as soberanias nacionais e obriga os países signatários receberem todo e qualquer humano que se apresente nas suas fronteiras. Tudo o resto que se possa dizer acerca disto é conversa para boi dormir.

      Liked by 6 people

      • Aónio Lourenço permalink
        9 Dezembro, 2018 12:22

        Fonte, onde o pacto obriga a aceitação imediata de qualquer humano que se apresente às portas de um país? O pacto não é a eliminação das fronteiras.

        Gostar

    • Fernando Liz permalink
      9 Dezembro, 2018 08:41

      Eu compreendo-o porque eu também já fui assim, naife…
      Leia o meu comentário, e DESMINTA o que lá está…

      Liked by 2 people

    • Fernando Liz permalink
      9 Dezembro, 2018 09:05

      Já agora…
      uma vez que usou um url da ONU, se psquisar um bocadinho, vai descobrir outro deles relativo à directiva Replacment Migration
      (está na UN Population Division)
      Sugiro que veja primeiro este vídeo, para depois então desmentir os FACTOS aqui apresentados (ficava-lhe Muito Grato, se fizesse o favor de mostrar que neste ou naquele ponto o vídeo mente)

      Liked by 2 people

  10. Miguel Dias permalink
    8 Dezembro, 2018 21:58

    O comentário da Cristina estaria correcto se se restringisse ao pontificado do Sr. Bergoblio, porque a Santa Sé com João Paulo II ou Bento VI nunca entraria nestas tretas, mas como temos um impostor a ocupar o trono de São Pedro o resultado é este.

    Liked by 1 person

  11. 8 Dezembro, 2018 22:04

    Os futuros “escandinavos”

    Crianças holandesas aprendendo a ser “tolerantes” …

    Liked by 3 people

  12. procópio permalink
    8 Dezembro, 2018 23:27

    O aónio bateu na porta errada. À entrada do blog habitue-se a limpar os pés.
    Palavrinhas mansas não disfarçam os objectivos.
    “O Pacto Global não rejeita a detenção de migrantes: ao invés disso, cuidadosamente e judiciosamente reconhece que a detenção deve ser vista como uma medida de último recurso e encoraja os estados a trabalharem para alternativas não-custodiais. Ela lembra aos estados sua obrigação legal de garantir que os direitos humanos dos migrantes detidos são respeitados e que as decisões de detenção são tomadas de acordo com a lei, além de insistir que a detenção não seja usada como ferramenta para punir ou dissuadir os migrantes. Nada disso é uma ameaça “.
    A lei a que se refere o Pacto é uma coisa a lei do país para querem ir é outra. A ONU usa o seu estatuto para exercer pressão, tal como alguns “moralistas” da nossa praça falam do poleiro, enquanto do poleiro não caem. “Não é uma ameaça” no papel, a pressão espectável dos merdia globalistas se encarregará das pressões habituais sobre os “dissidentes”.
    Por coincidência, do alto do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin declarou recentemente: “Não tenho comentários, mas lamento que a Itália e outros Estados estejam ausentes na assinatura do Pacto Global sobre migração”. Os outros estados já são muitos. O facto de uma centena ou mais de “não estados” assinarem faz pleno sentido. Ninguém quer ir para lá, antes desejam fugir. Por acaso também é o que acontece com os indígenas do sítio.
    Sabemos que a hipocrisia domina certos ambientes como o da ONU
    Boca de mel, coracão de fel = Miel sur la bouche, fiel sur le cceur.
    Agora, qualquer energúmeno com despropósitos, perde o seu tempo.

    Liked by 3 people

    • Aónio Lourenço permalink
      9 Dezembro, 2018 12:28

      O pacto não é vinculativo, por isso não assiná-lo revela logo má fé perante os direitos humanos e visa apenas tirar dividendos políticos.

      Aliás, o pacto, como qualquer directiva da ONU, não passa de uma lista de boas práticas e generalidades miss mundo, que qualquer pessoa decente subscreve. Não assiná-lo serve apenas para marcar uma agenda política.

      Mas há coisas que o pacto e bem tenta resolver: distinguir refugiados de migração económica, e em nenhum ponto é referido que os migrantes devem poder entrar automaticamente, receber cidadania ou que feve haver abolição de fronteiras. Fake news, as usual.

      Gostar

      • lucklucky permalink
        9 Dezembro, 2018 14:01

        Aónio é um típico Marxista.

        Para começar veja-se como quer impedir os outros de terem opinião :

        A táctica do discurso é acusar os outros de fazerem política.

        Ou seja entramos no absurdo Orwelliano do Aónio em que quem não quer mais leis é acusado de fazer política !

        É o Aónio que quer mais leis e mais regras. Mas não faz política…

        É preciso um tipo de personalidade especial, de desonestidade ou simplesmente narcisista para não ver o outro.

        Liked by 3 people

      • Cristina Miranda permalink
        9 Dezembro, 2018 18:57

        Negativo. Dizem não ser vinculativo mas acarreta “sanções” a quem não assina. Mais: é facilitador retirando todos os obstáculos à obtenção de cidadania. Tem de ler mais do que aquilo q a CS mete nos jornais. Desonesto são vocês. Mas olhe à sua volta. As pessoas já estão a acordar. Os países bem Governados, também. Já ninguém engole as balelas da ONU “defensora de ALGUNS direitos Humanos” .

        Liked by 1 person

      • Aónio Lourenço permalink
        10 Dezembro, 2018 00:39

        Cristina, dê-me então fontes para “Tem de ler mais do que aquilo q a CS mete nos jornais”. Dê-me fontes independentes e credíveis, por favor, para as “sanções” e para a retirada de “todos os obstáculos à obtenção de cidadania”. Fontes independentes e credíveis, eu só peço fontes independentes e credíveis!

        Gostar

  13. Procópio permalink
    8 Dezembro, 2018 23:53

    Como o pacto de migração da ONU descarrilou
    Muitos países, incluindo os Estados Unidos, a Itália, a Áustria e a Polônia, rejeitam este texto não vinculativo a ser submetido para aprovação, em Marrakesh, nos dias 10 e 11 de dezembro. e Monde, Marie Bourreau e Marc Semo Publicado hoje às 11:01
    Além dos Estados Unidos, Itália, Áustria, Bulgária, Hungria, Polônia, República Tcheca, Eslováquia, Estônia, Letônia, Suíça, Austrália, Israel e República Dominicana decidiram não ir a Marrocos e retirar-se de um texto não vinculativo apresentado como um simples “guia de boas práticas” na migração. A Bélgica também está passando por uma grande crise, que enfraqueceu seu governo desde que seu primeiro-ministro, Charles Michel, anunciou que queria ir a Marrakech, contra o conselho de seu parceiro de coalizão, o Partido Nacionalista Flamengo (NVA).

    Liked by 1 person

  14. Procópio permalink
    9 Dezembro, 2018 00:05

    “A pior resposta às crises migratórias!”. Le Figaro.
    Nas fileiras dos republicanos, a condenação é forte. “O Pacto das Migrações da ONU representa a pior resposta às crises migratórias”, explica Éric Ciotti, especialista em questões de segurança republicana. “Esse texto prejudicial criará um chamado global por ar e uma forma de lei internacional para a migração. Em nome do interesse do Estado e de sua soberania, chamo Emmanuel Macron de se recusar a assinar este pacto “.
    “O Pacto das Nações Unidas sobre Migrantes incentivará a imigração em vez de enquadrá-la” Não pode haver direito global à migração. Em primeiro lugar, é um Estado escolher quem pode chegar ao seu território. Pierre-Henri Dumont, MP LR de Pas-de-Calais

    “Embora o texto não seja vinculativo, o sinal enviado por sua assinatura é catastrófico”, argumenta Pierre-Henri Dumont, vice-presidente da Pas-de-Calais, encarregado da imigração para a LR. “Não pode haver direito global à migração. É principalmente um estado de escolha que pode chegar ao seu território, de acordo com as necessidades do Estado. Finalmente, a assinatura deste pacto sem sequer um debate no Parlamento é mais uma prova do desprezo deste governo pelas nossas instituições.
    É também é mais uma prova de frouxidão Emmanuel Macron imigração após a aprovação da lei de asilo-imigração, que amplia as condições de reagrupamento familiar e não dá meios adicionais para expulsar os ilegais “.

    Liked by 2 people

  15. Arlindo da Costa permalink
    9 Dezembro, 2018 04:27

    Drª Cristina, mais respeito pelo Cristianismo. Não se esqueça que Jesus e sua família foram também refugiados.

    Só quem é ateia ou de civilização não cristã e europeia é que defende esses pontos de vista.

    Liked by 1 person

    • Cristina Miranda permalink
      9 Dezembro, 2018 09:26

      Arlindo, menos. Não estou a desrespeitar nada. Questionar é um acto inteligente q poucos conseguem fazer sobretudo quando se trata de religião e futebol. E o Arlindo é um deles.

      Liked by 2 people

      • Aónio Lourenço permalink
        9 Dezembro, 2018 13:39

        O problema é que as interrogações da Cristina, baseiam-se não numa análise objetiva, crítica e factual, mas no medo, do Grego “phobos”. A psicologia evolutiva também nos diz que estes fenómenos são mais incisivos nas mulheres, por diversos motivos que não vale a pena alongar. E quando são inteligentes e literatas, como a Cristina e a Helena Matos, o problema agudiza-se!

        Gostar

      • 9 Dezembro, 2018 16:07

        Aónio,

        As novas migrações andam a resultar muito bem por toda a Europa e pelos Estados Unidos, não andam? Por que é que o Ku-vaite e o Vai-te-catar não recebem refugiados? Nem a Arrábia Só-dita, casa do mameluquismo, parece gostar muito de muçulmanos.

        Liked by 2 people

      • 9 Dezembro, 2018 17:33

        Já esta menina ternurenta que se livrou do “tóxico” vicio do “Phobos”, não literada, e educada no mundo urbano da tolerância e amiguinha dos animais, que cresceu a ver mylittlepony, recebeu o prémio Darwin Awards da seleção natural. “A psicologia evolutiva explica”…

        Liked by 2 people

      • Aónio Lourenço permalink
        10 Dezembro, 2018 00:44

        Quem é a menina? Pode contextualizar? Eu, por norma, não deambulo no submundo da realimentação positiva do Phobos!

        Gostar

      • Cristina Miranda permalink
        10 Dezembro, 2018 12:20

        Aonio vá tomar café.

        Gostar

      • Aónio Lourenço permalink
        10 Dezembro, 2018 14:52

        Tomo-o neste momento!

        Gostar

    • lucklucky permalink
      9 Dezembro, 2018 14:05

      O medo é que te mantém vivo.
      Mas muitos “civilizados” narcisos com títulos de doutores são incapazes de perceberem o básico, pois o narcisismo é condição que fez a sua educação.

      Liked by 1 person

    • 9 Dezembro, 2018 16:05

      Cristo e a sua família saíram do Império Romano?

      As escrituras falham em mencioná-lo.

      Gostar

    • 9 Dezembro, 2018 17:06


      Liked by 3 people

  16. Fernando Liz permalink
    9 Dezembro, 2018 08:44

    é o Vaticano que está no Centro desta palhaçada, são eles que estão a preparar tudo isto HÁ DÉCADAS…
    Comecemos por estes 2 Pactos que vão ser assinados agora um em Marrocos, outro em NY, as linhas mestre foram publicadas em 2009 (antes da guerra da Síria etc)

    Atentem no tempo verbal do ponto 62 da Caritas in Veritate
    “Há-de ser”, ele está a descrever o futuro

    o fenómeno das migrações (…)
    Esta política HÁ-DE ser desenvolvida a partir de uma estreita colaboração entre os países donde partem os emigrantes e os países de chegada; HÁ-DE ser acompanhada por adequadas normativas internacionais capazes de harmonizar os diversos sistemas legislativos, na perspectiva de salvaguardar as EXIGÊNCIAS e os DIREITOS das pessoas e das famílias emigradas e, ao mesmo tempo, os das sociedades de chegada dos próprios emigrantes

    basta ler o ponto 67 do mesmo documento que remete para 1950…
    67 (..)
    para regulamentar os fluxos migratórios urge a presença de uma VERDADEIRA AUTORIDADE POLÍTICA MUNDIAL, delineada já pelo meu predecessor, o Beato João XXIII.

    Dizem-nos que o PAR é uma plataforma que congrega perto de 300 organizações…
    Mas QUEM MANDA, quem está no Terreno, quem faz o link com o SEF, e quem põe e dispõe é apenas UMA organização, os Jesuítas (que por acaso ?? são do mesmo “clube” do papa)
    “Jesuit Refugee Service is an international NGO which serves, accompanies and advocates on behalf of refugees and other forcibly displaced persons.”

    O JRS juntou-se à Plataforma de Apoio de Refugiados (PAR) desde a primeira hora, sendo um dos seus membros fundadores e responsável pelo seu Secretariado Técnico.
    Em outubro de 2018, o diretor-geral do JRS, André Costa Jorge, assumiu a Coordenação da Plataforma.

    Fundador/ Secretariado/ Presidente/ Linha da frente (Grécia) e ainda “Sensibilização” (white guilty)
    https://archive.fo/0utgo

    Liked by 1 person

  17. Manuel permalink
    9 Dezembro, 2018 09:47

    Muito bem Cristina. Mas o nosso jornalixo não fala do assunto. Portugal vai assinar?

    Liked by 1 person

  18. 9 Dezembro, 2018 11:33

    Republicou isto em Palhota-da-Malamala.

    Gostar

  19. Vaz permalink
    9 Dezembro, 2018 13:50

    Se alguém quiser saber a fundo quais os principais problemas dentro da igreja Católica vejam o site Churchmilitant.com e o canal deles no YT (eles não brincam…)
    Deixo aqui uns videos deles para terem ideia do tipo de investigações deles:

    Liked by 1 person

  20. vccqa permalink
    9 Dezembro, 2018 18:59

    Francisco Miguel Colaço, a sua adaptação (atrever-me-ía a chamar-lhe uma corruptela genial e com toda a propriedade) dos nomes dos países relativamente ao tema em análise é de uma ironia impagável e de uma inventividade única. Uma delícia. Fartei-me de rir.

    De facto “isto” só vai com muita ironia, sem nos esquecermos de desmascarar a politicagem mentirosa que finge que nos governa.

    Cristina, mais um texto cinco ***** para não variar.
    Maria

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: