Saltar para o conteúdo

o psd é de esquerda?

10 Janeiro, 2019
by

2018-01-30-2018-01-25-psd

De há uns anos para cá, começou a disseminar-se o mito de que o PSD nunca foi um partido da direita do regime democrático fundado com a Constituição de 1976.

Esse mito foi criado por figuras que ficaram na periferia do passismo, que tinham ganho alguma visibilidade durante o cavaquismo e procuraram tomar o partido na liderança de Manuela Ferreira Leite, entre elas José Pacheco Pereira. Essa versão enviesada da história do PSD teve eco, naturalmente oportunista, nos salões do PS, a quem convinha fazer de Pedro Passos Coelho um «extremista neoliberal», que renegava a tradição social-democrata, supostamente de centro-esquerda, do partido.

Nada há mais falso do que isto.

Independentemente do conceito de «direita» que se queira adoptar, admitindo que nas experiências governativas mais expressivas do PSD – os governos de Cavaco Silva e de Durão Barroso (o de Passos não conta, porque foi um governo que teve de cumprir um programa de ajustamento financeiro que lhe foi imposto de fora) o partido foi sempre, desde a sua fundação, em 1974, um partido da direita, da pequena e média burguesia que queria e quer prosperar no mercado e numa economia em que o estado compareça o mínimo possível.

Foi essa direita sociológica eleitoral que aguentou Francisco Sá Carneiro contra as derivas social-democratas e esquerdistas dos «Inadiáveis» e de Balsemão, que impôs ao país a solução reformista, de direita e não socialista, da Aliança Democrática, em 1979, que levou Cavaco Silva ao poder contra a solução social-democrata do Bloco Central, em 1985, que deu a vitória a Durão Barroso e ao seu «choque fiscal», logo imediatamente traído, a seguir às eleições, por Manuela Ferreira Leite, em 2002, que quis Santana e Passos Coelho à frente dos destinos do partido, da Câmara de Lisboa e do país, em 2002 e 2011. Dizer que Francisco Sá Carneiro era um social-democrata, quase um socialista, em 74 e 75, é, obviamente, uma fraude histórica, quer pelas contingências políticas em que se vivia nesse tempo, quer, sobretudo, porque Sá Carneiro levou o PSD ao poder, logo em 1980, com uma coligação com o CDS e o PPM exactamente com o objectivo de desmantelar o socialismo que tinha sido imposto ao país, o que começou a fazer, até morrer dramaticamente.

É verdade que houve sempre, no PSD, uma segunda via mais esquerdista muito próxima do PS, desde logo na repartição de interesses do estado. Na fundação do partido, ainda ele era PPD, foi Francisco Pinto Balsemão quem a protagonizou. Balsemão que nunca se entusiasmou com a AD e por muito pouco não cau nos braços dos «Inadiáveis». Que apoiou Salgueiro, que queria Soares na presidência, contra Cavaco, que tinha um Freitas de outras eras como candidato a Belém. No Porto, este grupo estava ligado a Miguel Veiga e, numa ala mais juvenil, a Rui Rio. Cavaco Silva afastou-os quando chegou ao poder e, para seu desespero, constituiu  a sua própria elite dirigente, onde pontificavam Fernando Nogueira, Dias Loureiro, Leonor Beleza, Miguel Cadilhe e Durão Barroso. Mas não deu qualquer protagonismo à facção histórica mais à esquerda do partido, o que, de resto, lhe valeu sempre a antipatia de Balsemão e dos órgãos de comunicação social por si controlados. Até ganhar, quase acidentalmente, a Câmara do Porto (com o apoio de Miguel Veiga e a indiferença da quase totalidade do aparelho local do partido), a facção social-democrata/esquerdista do PSD nunca ocupara postos de efectiva relevância no país. Exceptuando-se, obviamente, os governos Balsemão, de resto, com destino trágico. Só nesse momento é que Rui Rio, que sempre fora minoritário no Porto, passou a ter algum peso específico no partido e, com ele, algumas figuras subalternas, como Manuela Ferreira Leite e José Pacheco Pereira. Mas, de resto, nunca nenhuma dessas figuras da ala esquerda do partido foi capaz de ganhar uma eleição nacional ou de grande expressão local.

A verdadeira natureza ideológica e política do PSD está, portanto, no centro-direita e no centro, e muito residualmente no centro-esquerda. É assim que a maioria do eleitorado sempre olhou para esse partido, e é essa a razão que explica a sensação contra-natura com que é percepcionada esta liderança de Rui Rio, sempre encostado ao PS, sem uma agenda reformista que se veja e permanentemente a renegar todas as bandeiras políticas de uma direita mais liberal. É, obviamente por isso, que o PSD desce nas sondagens, mesmo perante um governo vulnerável do Partido Socialista.

Por isso é uma satisfação, quase um alívio, ver Luís Montenegro e de Miguel Morgado a candidatarem-se a líderes do PSD. Esperemos que um dos dois, ou os dois em bom entendimento, recoloquem o PSD naquele que é o seu espaço natural: o centro-direita reformista.

Anúncios
42 comentários leave one →
  1. Luís Ilhéu permalink
    10 Janeiro, 2019 19:29

    não sabem perder!!!

    Gostar

  2. Gil permalink
    10 Janeiro, 2019 21:12

    A social democracia portuguesa é de direita…é assim num país onde as ideias fazem dor de cabeça, e o pessoal preguiça no pensamento…

    Liked by 1 person

  3. José Ramos permalink
    10 Janeiro, 2019 21:22

    Sempre assumi o PSD (PPD, antes da actual denominação) como um partido da direita civilizada, reformista e laica. Ou assim, ou Rato II.

    Liked by 1 person

  4. Antonio Maria Lamas permalink
    10 Janeiro, 2019 21:23

    Excelente.
    Até que enfim alguém diz em voz alta o que a maioria dos votantes no PSD pensam.
    Espero que o sucessor de RR ponha outra vez o partido nos carris.
    Esta deriva, já teve consequências pelo menos para mim. Sempre votei PSD mas agora vou votar Aliança.
    PSL também percebeu bem que o partido do seu coração, já não é o mesmo.
    Semprebtive alguma dificuldade ( se calhar defeito meu) de compreender o que é a social-democracia, seja o que isso seja.

    Liked by 1 person

  5. tgy permalink
    10 Janeiro, 2019 22:14

    Qual deles não é maçon?

    Gostar

  6. AAmérico permalink
    10 Janeiro, 2019 23:03

    Foi Sá Carneiro que fez o pedido de adesão à internacional socialista, não fui eu, nem o Balsemão ou o Rio ou a Ferreira leite.
    Foi o Cavaco Silva no congresso da Figueira onde foi eleito presidente do partido que afirmou “nós somos a esquerda moderna “, não fui eu nem o Balsemão ou o Rio ou a Ferreira leite, ou o Pacheco.
    Partido popular democrático em cima de uma revolução comunista cheira a tudo menos a direita. Tanto é, que o nome foi adaptado para ppd/ psd.
    A influência ideológica de Sá Carneiro é Wilie Brandt e ollaf Palm, oriundos de partidos com forte tradição na luta sindical, o que inclusivamente levantou reservas na adesão do PS à internacional socialista que nunca teve essa tradição.
    Sim, o PSD é e sempre foi de esquerda.

    Gostar

  7. 10 Janeiro, 2019 23:37

    O PPD-PSD é a soma de centro-esquerda, de social-democracia, de liberalismo, de centrismo, e não só.
    Certo-certo, desde a sua fundação a população reviu-se muitíssimo mais nele do que no P”S”. E ainda hoje, a maioria é tendencialmente social-democrata embora muitos não saibam o que isso é.
    Que venha –se houver congresso…– o LMontenegro, que o RRio só está a prejudicar o PSD.

    Gostar

  8. Freddy Rodrigues permalink
    11 Janeiro, 2019 00:04

    Os cadernos do tempo da fundação do PSD são claríssimos… Ao objectivo é o “socialismo em liberdade”… respeito a sua opinião, mas não vamos lá a anestesiar a realidade mas sim a enfrenta-la: A Social Democracia é Marxista e a cara amiga, como muita boa gente enste país, foi enganada.

    Gostar

    • rui a. permalink*
      11 Janeiro, 2019 02:34

      Era mero verbo de encher, ditado pelas circunstâncias da época. Meses depois formaria uma coligação com o CDS e o PPM para tirar o socialismo do governo e levar para lá a direita. Veja o que conta, sobre esses tempos, o Vasco Pulido Valente, que os viveu muito perto de Sá Carneiro. Quanto à social-democracia foi sempre, em Portugal, o pelouro do PS. O PSD foi sempre um partido popular da média burguesia, conservador nos costumes e liberal no comércio e na economia. Tanto quanto se podem ser essas duas coisas em Portugal, claro. Mas esse é outro problema.

      Gostar

  9. Paulo Valente permalink
    11 Janeiro, 2019 00:37

    “Nós, Partido Social Democrata, não temos qualquer afinidade com as forças de direita, nós não somos nem seremos nunca uma força de direita.”

    Francisco Sá Carneiro, 21-05-1978, Discurso na Festa do 4º Aniversário do PSD

    Gostar

    • rui a. permalink*
      11 Janeiro, 2019 02:31

      Era mero verbo de encher, ditado pelas circunstâncias da época. Meses depois formaria uma coligação com o CDS e o PPM para tirar o socialismo do governo e levar para lá a direita. Veja o que conta, sobre esses tempos, o Vasco Pulido Valente, que os viveu muito perto de Sá Carneiro.

      Gostar

      • Paulo Valente permalink
        11 Janeiro, 2019 11:05

        Vasco Pulido Valente não foi o único a privar com Sá Carneiro.
        A AD não pretendia tirar o socialismo do governo e levar para lá a direita. A AD pretendia tirar o PS do governo e levar para lá o PSD.

        Gostar

      • Pedro permalink
        11 Janeiro, 2019 21:14

        Puxa!

        Então o Sá Carneiro era mesmo um bandalho aldrabão.

        Gostar

  10. 11 Janeiro, 2019 01:36

    PSD é o reformista que não reforma nada, é o liberal que não libera nada, é a bengala direita do PS.
    Diga-me rui.a, quando foi a última vez que um governo do PSD baixou impostos ?

    Gostar

  11. Zé Manel Tonto permalink
    11 Janeiro, 2019 02:40

    O PSD é tão de direita como eu sou uma bicicleta.

    Gostar

  12. Isabel permalink
    11 Janeiro, 2019 09:28

    Perante os desafios de hoje, o que interessa saber é se o psd é mundialista, defensor da união europeia sob a direccao da Alemanha, isto é, sem nações ou se é nacionalista defensor de uma Europa menos interventiva, com manutenção das nações.

    Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      11 Janeiro, 2019 11:40

      O PSD é, ao contrário do que pensa o blogger, de esquerda, logo, nem há dúvida sobre a sua posição nesses assuntos.

      Gostar

      • Isabel permalink
        11 Janeiro, 2019 12:12

        Portanto, psd tem posição semelhante a melanchon?

        Gostar

      • isabel permalink
        11 Janeiro, 2019 12:47

        Ou tem posição semelhante a Merkel? Melanchon é de esquerda, Merkel é de direita. Em que ficamos?

        Gostar

      • Zé Manel Tonto permalink
        11 Janeiro, 2019 22:02

        Merkel pode dizer-se ou chamarem-na de direita.

        Quem convida um milhão de bárbaros analfabetos para a Europa, para viver à conta do contribuinte, não é de direita de certeza.

        Quanto a PSD ser tão de esquerda quanto Melanchon, a merda vem com muitas texturas, cores e cheiros diferentes, não deixa de ser merda.

        Gostar

  13. Francisco Múrias permalink
    11 Janeiro, 2019 10:25

    Uma das características dos ideólogos é a falta de contacto com a realidade o que os leva com a melhor das intencoes a defenderem as maiores infâmias . A inconsciencia pura torna-se em maldade. Este meu comentário não tem nada que ver com este artigo, que nem li, confesso, nem vou ler , porque a vida do PSD me interessa tanto como a vida dis coelhos no Baixo Alentejo. O assunto é o ” liberalismo” do autor e a defesa que faz da lei das rendas. Para provar que uma lei é uma infâmia não é necessário provar que matou seis milhões de judeus por serem judeus, basta provar que matou um judeu por ser judeu como para provar que a lei das rendas é uma infâmia basta provar que comete infâmias. É uma infâmia que as leis nazis tenham confiscado aos judeus os bens que de que tinham a posse deixando-lhes as dividas que deram origem à posse desses bens como é uma infâmia que a lei das rendas tenha confiscado o trespasse aos comerciantes que tinham esse imobilizado deixando-lhes as dívidas que deram origem a esse bem. Podia arranjar mais infâmias mas esta basta para provar que a lei das rendas é uma infâmia. O RA pode a partir de agora continuar a defender a lei das rendas mas já não o pode fazer por inconsciencia, por ” boas intenções” a partir de agora fá-lo por maldade. A partir de agora defende a infâmia,

    Gostar

    • rui a. permalink*
      11 Janeiro, 2019 11:58

      Bebeu alguma coisa forte logo pela manhã?

      Gostar

      • 11 Janeiro, 2019 12:57

        Chamaram-lhe intelectualóide, sentiu-se logo.
        Pois um tacho na TV como comentador para labrego ver é que lhe ficava a matar.

        Gostar

  14. 11 Janeiro, 2019 11:48

    O Rio é xuxa a tender para marxista, ora leiam:

    O PSD está disponível para apoiar a proposta do BE de uma nova taxa sobre a especulação imobiliária – batizada ‘taxa Robles’ –, no Orçamento de 2019, depois de o PS ter recusado, pela voz do primeiro-ministro, a iniciativa. “Não é uma coisa assim tão disparatada”, reagiu Rui Rio.

    Gostar

    • Jornaleco permalink
      14 Janeiro, 2019 01:27

      A ideia é disparada, sim senhor, Rui Rio. Eu quero que o BE seja proibido. Os liberais que forem contra, que se lixem ou vão beber mais um café. Ninguém precisa deles neste país. E o Rui Rio que se ponha a andar também. Abaixo com os impostos, mai é já!!

      Gostar

  15. Duarte de Aviz permalink
    11 Janeiro, 2019 12:26

    Ora deixa-me ver se percebo a importância desta discussão – p PSD é de esquerda e de direita ao mesmo tempo. O Costa é de esquerda mas tem uma política de direita para o investimento público e o SNS. Para os professors é de Direita, mas nos impostos é de esquerda. Repõe cortes e reverte privatizações – esquerda. Corta o défice – direita.
    Muito interessante…
    Nem o Marcelo acha graça a isto.

    Gostar

    • Jornaleco permalink
      14 Janeiro, 2019 01:29

      O Marcelo é de esquerda, e eu nunca mais votarei nele. Abaixo com toda a esquerda.

      Gostar

  16. Pedro permalink
    11 Janeiro, 2019 14:12

    Realmente é muito estranho existirem discursos do Sá Carneiro a afirmar que o PSD é um partido de esquerda e ter dado ao seu partido um nome esquerdista – quando qualquer pessoa que não seja atrasada mental sabe que sempre foi um partido de direita.

    Isso cria a contradição absurda de ter de afirmar que o PSD é de esquerda ou admitir que o seu idolatrado fundador era um bandalho sem escrúpulos que andava a enganar as pessoas.

    Mas isto é natural porque a extrema direita liberal a que o PSD realmente pertence baseia a sua propaganda na burla pura e simples,

    Fingir que não existe, que não é aquilo que é, é a táctica do extremismo liberal.

    Assim o PSD, que com o Passos foi o partido mais á direita de Portugal, logo foi a nossa extrema direita, levanta estes debates da treta para atrasadinhos mentais que tentam decidir se é de esquerda ou de centro, ou de centro moderadozzzzzZZZZZ.

    Toda esta conversa porque se dissessem o que realmente querem, por exemplo a destruição do estado social, nunca tinham ganho uma eleição.

    É no engano que se vão safando.

    E indo ao pote.

    Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      11 Janeiro, 2019 22:07

      “o PSD, que com o Passos foi o partido mais á direita de Portugal”

      Carga fiscal sempre a aumentar. Cortes de despesa nem vê-los. Acabar com esse roubo chamado segurança social, está quieto.

      Quando um partido de centro esquerda é considerado por largas fatias da população como sendo de direita, está explicado porque é que a diferença entre Portugal e África são meia dúzia de quilómetros de mar.

      Gostar

      • Pedro permalink
        12 Janeiro, 2019 15:43

        A carga fiscal não aumentou, DIMINUIU para os grande empresários.

        Aumentou para todos os outros, mas para engordar os grandes empresários, o que está d acordo com os cânones da extrema direita neoliberal

        De qualquer maneira uma coisa é o que fez, outra o que gostaria de fazer.

        Com certeza que, se não fosse a resistência do tribunal constitucional, a manifestação de massas que os assustou, a aproximação das eleições que os obrigou a moderar e finalmente o terem sido corridos do governo pela nova maioria parlamentar o PPC teria feito muito mais para acabar com o estado social. Para enriquecer ainda mais os ricos, que é o vosso único objectivo.

        Gostar

      • Jornaleco permalink
        14 Janeiro, 2019 01:34

        Ó Tonto, diz porque é que o Passos chegou ao poder. Qual foram os burros, que levaram o país à bancarrota. Quantas vezes os mesmos burros leveram já o mesmo país à mesma bancarrota? Porque é que o falso e incompetente e ladráo Sócrates não está na prisão? Quais as restricçóes com qual o PPC teve que lidar?

        Gostar

      • Zé Manel Tonto permalink
        14 Janeiro, 2019 17:48

        Jornaleco,

        Se para si chega que o Passos seja o menos de esquerda do PSD, que é apenas um bocadinho menos de esquerda que a cangalhada da geringonça, tudo bem.

        Para mim nao chega. São todos iguais, todos socialistas.

        Gostar

  17. 11 Janeiro, 2019 15:06

    Paternalista, estatista, conservador, centralista, elitista, burguês, provinciano, feudal… Em suma, distribuidor de benesses com o dinheiro de todos, um “socialista de direita”! Eis o que é o PSD. Um somatório de interesses, caciquismo e mediocridade. – Liberal na economia, defensor das liberdades individuais e contra o estatismo é que não é com toda a certeza!…

    Gostar

  18. Luis Lavoura permalink
    11 Janeiro, 2019 15:35

    é uma satisfação, quase um alívio, ver Luís Montenegro e de Miguel Morgado a candidatarem-se a líderes do PSD

    Aleluia, aleluia, chegaram os Messias!

    O Rui A. nem cabe em si de satisfação.

    Mas acalme-se Rui A., primeiro não é certo que se candidatem, segundo se se candidatarem o mais provável é perderem tal e qual como Santana Lopes perdeu.

    Gostar

  19. hajapachorra permalink
    11 Janeiro, 2019 18:59

    Os votantes até podem ser de direita, e a maioria será, mas o partido não o é. Não é de direita um partido que tem estatutos típicos de partido socialista, que defende o SNS e o ensino estatal de forma mais convicta do que o ps, que apoia a legalização do aborto, do gaymónio, da eutanásia. O psd é tão de direita quanto o psdb brasileiro. O único partido de direita em Portugal – e tem dias – é o cds. Significa isto que a direita não tem representação nem terá tão cedo, não são cachopos ou hologramas liberais que vão preencher o vazio. Portugal não tem um grande partido conservador. Não há direita sem um grande partido conservador.

    Gostar

  20. Arlindo da Costa permalink
    11 Janeiro, 2019 19:32

    O PSD – anteriormente PPD – sempre foi um partido do centro-´liberal de esquerda. Basta ler os textos de Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão, Magalhães Mota, Alberto João Jardim, etc.

    Gostar

  21. Arlindo da Costa permalink
    11 Janeiro, 2019 19:34

    Quem estragou o PSD durante as últimas duas décadas foram os ex-militantes da extrema-esquerda do PREC que tomaram conta do PSD. Pessoal do MRPP, da UDP, do PCP-ML, do LUAR e até do PCP. Tudo gente catequizada no totalitarismo e nos golpes de estado.

    Por isso hoje em dia o PSD é um partido anti-português e anti-social.

    Gostar

  22. 13 Janeiro, 2019 02:22

    Na gênese era de esquerda, sim. Tinha um jornal chamado “pelo socialismo” e ainda hoje a sigla e o símbolo são devedores da social-democracia alemã.
    O PSD devia voltar a chamar-se PPD e adoptar outro símbolo, ou então rumar para o CDS. É um eterno equívoco ideológico.
    A propósito, vale a pena recordar que Pacheco Pereira era um árduo defensor de Cavaco e Durão; e que este último, e não Ferreira Leite, é que se esqueceu convenientemente do “choque fiscal”.

    Gostar

    • Pedro permalink
      13 Janeiro, 2019 05:18

      Não é equívoco, é aldrabice mesmo.

      Gostar

    • Jornaleco permalink
      14 Janeiro, 2019 01:43

      Eu não sei em que país vive. Subtilezas para quê e para quem? Quer conquistar alguma loura? Tem em consideração a nossa constituição de bananas? Tem em consideração, que praticamente todos os jornais manipulam o povo em torno da banana e do macaco? E agora também do pandeleiro, da desnorteada lésbica? Da perversidade? Porque é que não definem num quadro primeiro o que é esquerda e direita? Todos aqui têm as suas subtilezas que para nada servem, senão para roubar tempo precioso.

      De qual estão à espera? Qual de vós está inserido num partido, e trabalha para melhorar o governo deste país?

      Os inteligentes têm que começar a sondar um caminho, para pôr a esquerda, que nunca soube governar, e o liberalismo também não, num canto e proibir a mesma. Este regime leva-nos a bancarrota total. Quando o dinheiro dos alemães não chegar mais, porque a estúpida da Merkel, que é esquerdista sem cabeça, está a dar cabo de Europa, por adorar a puta do ambiente, aumentar a despes e arruinar os sectores mais importantes da economia alemã. O preço da energia a subir, e a subir. Quem é que em Europa tem carácter, para dizer não a toda estas burridades, contra o respeito pelo ser humano?

      O ambiente que se lixe. Eu quero energia barata, um caror a gasóleo e todo o espírito da esquerda proibido.

      Gostar

  23. Jornaleco permalink
    14 Janeiro, 2019 01:55

    Em Espanha, na Alemanha, toda a esquerda, toda (!) a fazer caça a todas aqueles, que discordam com eles! Quem não quer ser perverso, tem que morrer? Então, onde está e fica a tal famosa liberdade de expressão? Aonde?

    E aqui não se lê nem uma palavra, sobre esses acontecimentos?

    A esquerda a beijar o cu ao ambiente e exigir aumentos do preço da energia, só para acalmar as bruxas e os deuses falsos, que a esquerda tanto adora?

    A esquerda a odiar o bem estar da nossa sociedade europeia e a convidar os bárbaros para vir viver connosco?

    Todos os dias sucedem crimes, devido à migração ilegal em França, Alemanha, por muçulmanos e os jornais da dita esquerda ocultam esse mesmo facto. E aqui nada a dizer?

    Matar européus é bom? Destruir a nossa cultura é bom? O que é que a esquerda construi de bom?A deslealdade, a mentira, a perversidade, a intriga, a morte, a perseguição, e muito mais, isso é que é bom?

    Mostrem-me um único país, onde a esquerda mostrou saber governar bem. Um único.

    E como é que o liberalismo quer conviver com o fascismo muçulmano, sem que os últimos vos partem a cabeça mais tarde ou mais cedo? Na Holanda, dizem, que dez por cento dos deputados, já são turcos e fascistas muçulmanos. Qual será a dita Holanda de aqui uns anos? Um país liberal? Aí sim? Continuem a sonhar, filhos e filhas das famiílias abastadas, que os vossos dias estáo contados.

    Gostar

  24. Francisco G. Noné permalink
    14 Janeiro, 2019 22:31

    Claro que sim, de centro-esquerda, foi assim que Sá Carneiro o fundou, porquê a surpresa?!!!
    O que houve foram derivas liberais da chamada Escola de Chicago…
    Que aliás, deram maus resultados….
    FGN/-.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: