Saltar para o conteúdo

Racismo, dizem eles

2 Fevereiro, 2020

Os mesmos que em 1974 acharam que a “devolução” de um milhão de pessoas era tão natural, inevitável e justa que até lhes chamaram retornados, impedindo que fossem designadas como refugiados, pretendem agora que é um crime de racismo André Ventura ter escrito a propósito da proposta da devolução do património das ex-colónias portuguesas feita pelo Livre, “Eu proponho que a própria deputada Joacine seja devolvida ao seu país de origem. Seria muito mais tranquilo para todos… inclusivamente para o seu partido! Mas sobretudo para Portugal!” Se pesquisarmos nos debates parlamentares constataremos que a frase não tem nada que a destaque de tantas outras trocadas entre deputados, e nem sequer estou a incluir nesta lista os debates entre Sousa Tavares e Jerónimo de Sousa!

10 comentários leave one →
  1. Manuel Assis Teixeira permalink
    2 Fevereiro, 2020 10:26

    O Ventura apenas disse o que 70% da população pensa! Nada mais do que isso! E vai continuar a dizer outras e por isso vai continuar a crescer! E isto está a ficar do melhor, com as virgens ofendidas a darem gritinhos contra o racismo e contra a extrema direita sem perceberem que fora do eixo Bairro Alto Principe Real onde tomam os seus brunchs ninguem os ouve e ninguem os lê! O povão nem sabe quem eles são, não os lê, não os ouve! Mas ouve o Ventura…Preparem-se! Está a começar uma revolução contra o politicamente correcto que não vai parar… e isso diverte-me! Por muito que os Danieis Oliveiras os Pachecos Pereiras , as Claras Alves perorem ( não, não refiro o Marques Lopes porque alem de tudo éum idiota) armados em oráculos do regime vociferem ! O fim está por aí… e a culpa não vai ser de Passos Coelho

    Liked by 3 people

  2. Oscar Maximo permalink
    2 Fevereiro, 2020 12:13

    Quando a Margarida Martins de Arroios sugeriu a maioria dos brasileiros voltarem ao Brasil, parece que nenhum partido se incomodou com tal coisa. Que poupa o inimigo, ás suas mãos morre. Como já se sabia, aquando da vinda da troika.

    Gostar

  3. Anónimo permalink
    2 Fevereiro, 2020 12:33

    O virus “raciismo !”, propagado pelo Livre, infectou a AR.

    Gostar

  4. 2 Fevereiro, 2020 17:34

    Vejo duas possibilidades de abordar o problema :
    » 1ª – Considerar a J.K. uma “obra de arte africana”, e nesse caso a sugestão do A.V. é mesmo pertinente.
    » 2ª – Aplicar a legislação de protecção do consumidor, caso ainda esteja em garantia ! Mas esta é mesmo muito má …
    pessoalmente prefiro a 1ª abordagem 🙂

    Liked by 1 person

    • Velho do Restelo permalink
      3 Fevereiro, 2020 09:52

      Aliás, vendo bem as coisas, o intermediário da transacção tentou seguir a 2ª via, e como não conseguiu, saltou fora do negócio depois de enumerar alguns dos “defeitos” detectados na mercadoria !

      Gostar

  5. G. O. permalink
    2 Fevereiro, 2020 19:01

    Ó Helena, quem é o censor que anda selectivamente a eliminar comentários ao seu artigo lá no Observador, deixando incólumes os comentários dos trolls de esquerda?

    Gostar

  6. Albano Silva permalink
    2 Fevereiro, 2020 19:05

    Já que estamos numa de devoluções e uma vez que a Helena lembra, e bem, os retornados, acho que há uma forma esplêndida de a Joacine se redimir como deputada perante os portugueses, de que é parte: exigir aos angolanos, moçambicanos e guineenses a devolução dos bens e valores pessoais que os ditos retornados deixaram nos países daqueles. Seria uma tarefa relativamente fácil.
    Porque ao contrário do património cultural que ela invocou, cujos proprietários não são fáceis de identificar, o dos retornados é facílimo; muitos deles ainda são vivos e lembram-se bem onde os deixaram, e os que não são têm herdeiros perfeitamente identificáveis.
    Será que ela aceita esta forma de redenção? Isso sim, teria o meu voto para reeleição!

    Liked by 1 person

  7. José Monteiro permalink
    2 Fevereiro, 2020 19:27

    Eduardo Mondlane
    A) 10/09/51 – Não sou cidadão da África do Sul, embora tenha sido educado em Johansburgo. Nasci na África Ocidental Portuguesa, na capital, chamada Lourenço Marques.
    (…) Os problemas sociais, políticos e económicos do meu país são um pouco diferentes dos da União da África do Sul. Por exemplo, nós não temos uma barreira de cor ou discriminação racial no nosso país.
    (…) Pessoalmente penso que há duas maneiras que ajudarão os africanos:
    1.Educação massiva…
    2.O espalhar da verdadeira cristandade.
    (…) É esta a razão porque eu tenho a obrigação de regressar a África para fazer tudo o que puder para contribuir com a pequena parte de boa vontade com que eu sei que Deus quer que eu contribua na vida.
    B) 24/09/51 – Lembra-te que eu próprio não sou cidadão sul-africano. Sou cidadão português. No meu país não temos leis de segregação… Eu farei tudo para lutar pelos direitos do meu povo no meu próprio país…
    C) 24/04/54 – O meu desacordo com o governo tem pouco a ver com a sua política racial porque, embora não seja a ideal, não é tão má como a dos países vizinhos… O que não posso suportar é a falta de liberdade de expressão. Isto é verdade para todos os cidadãos portugueses, em Portugal e em África.
    PS: enxertos das cartas de Mondlane a sua mulher Janet.
    Livro de Nadja Manguezi, Maputo 2001, Centro de Estudos Africanos e Livraria Universitária:
    Com “Uma história da vida de Janet Mondlane” com o título “O Meu Coração está nas Mãos de um Africano”
    PS: primeiro presidente da FRELIMO.

    Gostar

  8. Mario Figueiredo permalink
    3 Fevereiro, 2020 07:13

    O Observador acabou de “limpar” metade dos comentários neste artigo da Helena e no do JMA. Estamos bonitos…

    Gostar

  9. 3 Fevereiro, 2020 13:48

    Como já aqui referi, ainda resido numa zona dos arredores de Lx onde o processo de africanização já está bastante avançado, o que de certo modo me coloca numa posição privilegiada para observar o fenómeno!
    Hoje pude assistir a mais um daqueles momentos que merecia ser documentado, mas apanhou-me desprevenido.
    Uma mulher vistosa, autêntica obra de arte africana, atravessava exuberante a passadeira de peões mas com o sinal vermelho !
    Um condutor reclama com uma provocação : “Vai para a tua terra”!
    O verniz da beldade estalou, e deu a resposta esperada : “Racista …”!
    O carro pára, e sai de lá um condutor negro que reclama :” Quem é que é racista ? Aprende mas é a ver os sinais, senão volta para a tua terra” !
    Não me pareceu que o condutor fosse o A.V. camuflado, mas nunca se sabe …

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: