Skip to content

Os números, sempre os números…

12 Fevereiro, 2012
by

O Terreiro do Paço tem 36 mil metros quadrados (podem confirmar no Google Earth, como eu fiz).

Num quadrado de um metro por um metro cabem umas três pessoas – talvez um pouco mais se for uma carruagem do metro em hora de ponto, talvez menos se pensarmos na dinâmica de uma amnifestação. Fiquemo-nos pelas três. Em média.

É pois difícil imaginar que, num Terreiro do Paço cheio de ponta a ponta coubessem muito mais de 100 mil pessoas.

Acontece que, ontem, o Terreiro do Paço não encheu. Basta atentar nestas imagens aéreas do Jornal de Notícias.

Por que foi então que a ideia de estariam lá 300 mil pessoas se espalhou acriticamente? Afinal estamos a falar de contas simples, daquelas que se aprendem no primeiro ciclo do ensino básico…

About these ads
87 Comentários leave one →
  1. esmeralda permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:03

    “Portugueses criam primeira praça elástica do mundo” disse Helena Matos!!! Pois que havemos de fazer?! Rir, claro! Não dá para entender estas estranhas “esquerdas”, estas estranhas “notícias”, esta estranha vontade de pôr tudo a fervilhar ou a ferro e fogo!!!

  2. 12 Fevereiro, 2012 19:04

    Óbvio. Deve ser a isso que chama de ética jornalística…

  3. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:19

    O jornnalista monhê deveria estar mais atento: no artigo do JN diz-se que a bófia e o governo não quiseram fazer estimativas. é bom de perceber porquê. a bófia tinha lá dois infiltrados para cada manifestante.
    agora é imbecil quem diz que 36 mil m2 não cabem 300 mil pessoas: essa área são dois estádios da Luz!!!

  4. Arlindo da Costa permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:21

    No ano passado essas «grandiosas» manifestações, quer da CGTP, quer da Geração à Rasca, quer dos indignados, eram feitas contra o Sócrates e contra o seu patriótico Governo, que para além de ter que enfrentar a crise internacional, tinha que enfrentar a ronha dum Presidente raivoso e duma Santa Aliança oposicionista (do CDS ao BE, passando pelo PSD e PCP todos bem coligadinhos!)
    Lá estavam sempre os jovens da JSD e os sindicalistas do PSD.
    Quem não se lembram da manifestação dos 100 mil ou 200 mil professores contra a Maria Lurdes Rodrigues e contra o Sócrates?
    Na altura o Sr. Professor Doutor JMF1957 «facturava» a favor dos manifestantes.
    Agora tenta minimizar a manifestação.
    Citando Camões: Mudam-se os tempos, mudam-se asvontades

  5. kafka permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:25

    Dá-me a impressão que o jmf1957 anda a precisar de umas lições de matemática ou aprender a usar melhor o Google.
    Onde é que foste buscar 36.000 m2?
    O raio da Praça (do povo) tem na melhor das hipóteses 130×130 metros que em QUADRADOS à portugêsa dá 16.900 m2.
    Se considerar-mos três por m2 – e teem que estar bem a jeito para a berlaitada – dará 50.700. Onde foste arranjar 100.000 ?

  6. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:28

    ò sujeito K se ninca esteve no terreiro do Paço clique no link. quando aquilo era um parque de carros albergava para cima duns 5 mil!

  7. Fincapé permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:28

    Já dei a sugestão à Helena Matos: comparecer na próxima manifestação com um balde de tinta e dar uma pincelada à medida que for contando as pessoas. No final baterá certinho e acabam-se as dúvidas.
    Caro jmf1957,
    sei que vou ser muito chato, mas prometo que é a última vez: ficou tão escandalizado com a elevada reforma de 1200 euros que uma médica disse receber por mês, qual é a sua opinião sobre os 27 mil do jornalista Rangel, segundo o Correio da Manhã?

  8. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:29

    muito preocupados com os 300 mil pois não querem ver o SMN a subir, estes estarolas!

  9. Rinka permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:35

    Essas imagens foram do inicio lol.
    Vejam no 5 dias.

  10. esmeralda permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:39

    Quis dizer o quê J. Pires da Cruz??? Refere-se a mim?

  11. balde-de-cal permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:41

    estavam para cima de 200 milhões de Portugueses.
    todos desde D. Afonso I

  12. Fincapé permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:41

    Aposto que, desta vez, jmf1957 está mesmo preocupado com o nível de desemprego. E o que quer dizer com os seus cálculos é que são necessários cerca de oito Terreiros dos Paços para caberem todos os desempregados do país. E não dois e pouco como diz a CGTP. Por enquanto, porque o número vai crescer bem mais. jmf1957 sempre à esquerda da CGTP. ;)

  13. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 19:50

    Deontologia foi a cadeira que JMF não fez no seu curso de jornalista…

  14. 12 Fevereiro, 2012 20:12

    Números são números… o que interessa mesmo é quem lá estava e quem lá não estava (claro está).
    De resto pode-se dizer o que se quiser, até mesmo um monte de imbecilidades.
    A Praça do Comércio não foi escolhida à toa. Seria impensável para esses crânios escolher a Alameda para juntar essa multidão.
    Contudo pode até ser que um dia lá se chegue (como noutros tempos)

  15. blitzkrieg permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:20

    Dei por mim à procura de um texto escrito num blogue português, por um professor americano, que tinha feito a contagem efectiva dos supostos 100.000 professores que tinham descido a Avenida da Liberdade, há poucos anos. A contagem, com alguma margem de erro, recordo-me que era algo como 6 mil pessoas. Tremendamente longe das mentiras descaradas dos sindicalistas.

    Também os “500 autocarros vindos do Norte” nunca apareceram – eram poucas dezenas.

    3 pessoas por m2 é muito apertado – seria um ambiente claustrofóbico de multidão – nem mesmo em concertos há esse nível de aperto. Já estive em concertos na Praça do Comércio. Garanto que no máximo a concentração seria de 2 pessoas por metro quadrado, mais denso junto ao palco, muito mais folgado no resto do recinto, mesmo assim, dando a sensação de praça cheia.

    Não estariam nem 15 mil pessoas, apesar dos 300 mil anunciados. Menos de 5%. A mentira apenas cola porque ninguém se esforça por averiguar a verdade. Como o professor americano de jornalismo se esforçou…

  16. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:26

    «3 pessoas por m2 é muito apertado – seria um ambiente claustrofóbico de multidão »
    sim,esta direita anafada exige larguesa,para o JMF e o CCA,vulgo greatia,um metro quadrado pelo menos!

  17. blitzkrieg permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:36

    Aremandus,
    Encontrei o blog do professor norte-americano com a estimativa feita por ele, com método. Esqueça lá essa paranóia ridícula com a “direita anafada”, e eduque-se.

    http://stevedoig.com/archives/398

  18. 12 Fevereiro, 2012 20:41

    O “jornalismo” de causas caracteriza a generalidade dos nossos media. Um outro elucidativo exemplo, de hoje mesmo, é este.

  19. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:46

    blitzkrieg, o quero demonstrar é o paroxismo deste tipo de exercicios;
    pessoas minimamente cultas a discutir se a minha pila tem mais milimetros que a tua,como os míudos da primária…enfim

  20. aremandus permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:50

    até o governo e a bófia, inteligentemente diga-se, escusaram-se a fazer estimativas!
    Mas para isto ser tema tão incandescente por estes lados, tal só pode significar que foi tremenda a manifestação!!!

  21. blitzkrieg permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:53

    Acresce ainda que, como escreveu o comentador KAFKA, a praça propriamente dita tem realmente 16900 m2. Para caberem lá 300 mil pessoas, teriam de estar quase 18 pessoas por m2.
    Se isto não encerra a discussão…

  22. Arlindo da Costa permalink
    12 Fevereiro, 2012 20:56

    É pá, se isto fosse no tempo do Sócrates, o JMF diria que estava no Terrero do Paço meio milhão de indígenas.
    JMF sabe-a toda. Aprendeu com distinção a interessante cadeira de Agit-Prop nos tempos da UDP e do PCP(R)!
    Não admira que ele seja um apoiante deste governo neo-comunista liberal à moda da China!
    Vão todos beber ao Livro Vermelho de Mao e aos cadernos do Pol Pot!

  23. Jose Braz permalink
    12 Fevereiro, 2012 21:31

    As contas as imagens as certezas e a realidade.
    Não discuto que 300 000 pessoas sejam um exagero, mas …
    Importa conhecer a realidade, experimentar, ver, e senão, vejamos:
    1. As Imagens: eu estive lá, exactamente naquela parte junto ao Rio, das 15:30 ás 18:30 e posso assegurar que até ás 17:00 … 17:30 ela estava muito mais cheia do que as imagens do JN (tiradas por volta das 18:00 … 18:30 como se pode ver pela sombra :) documentam. PERGUNTA: o drone andou lá a filmar a tarde toda, porque é que o JN seleccionou os dois minutinho do finalzinho do pôr do sol?
    2. As Contas: Eu estive lá e vi (como é hábito nestas coisas) as pessoas a chegarem, enrolarem os panos e irem á sua vida. Quem vai a estas coisas sabe perfeitamente que em nenhum momento destes eventos TODAS as pessoas estão lá, umas vão chegando, outras vão saindo, e há ainda quem vá apenas passando. Mas quem é que fica ali 3 horas? Só malucos como eu!
    3. As Certezas: Quando as Autoridades divulgavam os seus números (a policia tem lá sempre uns senhores com uns contadores a contarem “gente/m^2″) não havia tantas dúvidas. Lembro-me da manifestação dos professores em que estiveram 120 000 pessoas (os números dos Sindicatos e da Policia foram coincidentes) e que se limitou a encher pouco menos de dois terços do Terreiro do Paço porque o outro terço estava vedado, ora desta vez a Praça do Comércio chegou a estar cheia (aí entre as 16:30 e as 17:00).
    4. Realidade: desmontada a desonestidadezita do “horário” das imagens do JN, incluído o “vai e vem” de quem lá vai, comparadas as estimativas com as “Certezas” do tempo em que a Policia tinha autorização para divulgar números … não deixo por menos de 250 000, mas deixo-vos, aos que nunca foram a estas coisas e sabem fazer contas em casa, um conselho de quem se preocupa com os vossos 13º meses e os vossos feriados e os vossos IRS’s e os vossos IVA’s: vão lá um dia para verem, contarem, saberem, experimentarem e depois poderem “falar” e “contar” com conhecimento de causa, porque o conhecimento de “casa” pelos vistos é enganador ;)

  24. licas permalink
    12 Fevereiro, 2012 21:37

    O Arlindo não se cansa de incensar o ladrão: 300 milhões de euros
    em off-shores . . . TEM A FAMÍLIA.
    Não admira que ofereça jantares a matulas em restaurantes de luxo,
    em Paris, pessoas completamente desconhecidas dele !!!
    NÃO LHE CUSTOU A GANHAR ESSA *MASSA* . . .
    SÓ PARA OSTENTAR . . .

  25. Samuel B permalink
    12 Fevereiro, 2012 21:48

    Colocando um ponto de partida junto ao MAI até a um ponto de chegada no martinho da arcada temos 180 m. Do mesmo ponto de partida até ao claustro (junto ao rio) temos 190 m. O palco estava posicionado no vertice do quadrado junto ao martinho da arcada. Assumindo que as pessoas pudessem estar por de trás do palco. Assumindo que o palco não ocupasse qualquer área. Temos uma área total de 180×190=34.200 m quadrados.
    As 3 pessoas por metro quadrado é uma medida padrão utilizada por muitas instituições, quer ao nível governamental quer outras. Para estarem 100 mil são necessárias +/- 3 pessoas. Para estarem 200 mil são necessárias +/- 6 pessoas. Para estarem 300 mil são necessárias +/- 9 pessoas. Isto por metro quadrado! Estes numeros, infelizmente, tiram parte da credibilidade dos organizadores da manif.

  26. A. R permalink
    12 Fevereiro, 2012 21:56

    Não ponha a esquerda a fazer contas: eles não sabem. A Elena Valanciano do PSOE-PCE-FRENTE POPULAR por exemplo não acabou a licenciatura por causa de estatística e chegou aos mais altos cargos do partido com um curriculum falsificado.

  27. anti-comuna permalink
    12 Fevereiro, 2012 22:03

    Como participar no milagre económico português. Criar produtos novos e ganhar prémios internacionais.
    .
    .
    “Meio de auxílio ao diagnóstico criado por portuguesa premiado
    .
    Um novo método de auxílio de diagnóstico de determinadas doenças, especialmente da diabetes, foi premiado com o ‘Best Student Paper Award’, na conferência internacional Bioinformatics 2012, anunciou hoje a reitoria da Universidade de Coimbra (UC).
    .
    O prémio de melhor artigo científico foi atribuído a Edite Figueiras, doutoranda em engenharia biomédica, no âmbito de “uma investigação iniciada, há quatro anos”, no Centro de Instrumentação da UC, em colaboração com investigadores internacionais e financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.
    .
    A investigação permitiu criar “um protótipo de produto, que mede, com todo o rigor, o fluxo sanguíneo nos vasos mais pequenos” e, por isso, “também os mais difíceis de medir”, disse, à Agência Lusa, o investigador principal do projeto, Requicha Ferreira.
    .
    O protótipo — um fluxómetro a laser –, “não invasivo”, envia e recebe, através de fibra ótica, “informações resultantes da sua interação com os glóbulos vermelhos, medindo a velocidade de circulação do sangue”, acrescentou o especialista.”
    .
    in http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=2300308&seccao=Sa%FAde
    .
    .
    De destacar isto:
    .
    .
    “As atenções dos estudos dos investigadores do CIUC envolvidos neste projeto vão agora centrar-se na “otimização do dispositivo”, na perspetiva de o poder vir a colocar no mercado.”

  28. Eleutério Viegas permalink
    12 Fevereiro, 2012 22:05

    Estas manifs do PC & amigos são de uma parolice sem limite… Pessoal que ainda se dispõe a este “programinha” de sábado à tarde não tem nada dentro da cabeça…

  29. Portela Menos 1 permalink
    12 Fevereiro, 2012 22:44

    na dúvida, e porque estamos a falar de números, jmf pode sempre pedir opinião do ministro alemão das finanças:

    http://5dias.net/2012/02/12/eu-nao-fiquei-em-casa/#respond

  30. houve greve geral??? permalink
    12 Fevereiro, 2012 22:45

    sem querer alimentar a polémica dos 300 mil ou não… eu sou sincero: enquanto uns discutem o sexo dos anjos em torno das estimativas dos manifestantes presentes, eu nem dei conta que era dia de greve geral e nem tive feedback da mesma ao longo do dia! Eis a importância que a mesma tem para a vida dos portugueses que trabalham… é zero!

    só mesmos os meios de comunicação, que não tem mais furos jornalisticos para reportar, agarrarem-se ao momento mais alto da carreira dos sindicatos… AS GREVES!

  31. 12 Fevereiro, 2012 22:52

    aremandus Posted 12 Fevereiro, 2012 at 19:19 | Permalink
    Mais um das Novas Oportunidades.
    Reparou que o estádio da Luz é em escadas, pois bem me parecia. Próxima licenciatura deve ser feita em Paris.

  32. AML permalink
    12 Fevereiro, 2012 23:07

    No máximo eram 5 pessoas

  33. ulisses permalink
    12 Fevereiro, 2012 23:18

    depende da altura (hora) em que foi tirada a foto; confluiam quatro manifs na praça do comércio, a foto do JN foi tirada muito cedo. A praça transbordava, inclusive as ruas que lhe dão acesso.

  34. ulisses permalink
    12 Fevereiro, 2012 23:42

    se a foto fosse tirada no inicio desta filamagem, o JMF e a Helena Matos diriam que não estariam na manif mais de 5.000 pessoas.
    se o rídiculo pagasse imposto…

  35. J.Silva permalink
    12 Fevereiro, 2012 23:51

    O serviçal do pcp que está de turno na cgtp, limitou-se a repetir, aos microfones, o número democràtica, científica e prèviamente acordado.
    Depois, outros serviçais, acolitados pelos idiotas úteis do costume, disseminaram o redondo número pelas folhas de couve paroquiais e pelos caneiros televisivos – e eis-nos servidos, mais uma vez, ” com a verdade a que temos direito”.

  36. gui permalink
    13 Fevereiro, 2012 00:12

    1 – O Terreiro do Paço tem 150 X 150 metros; Área: 22500 metros quadrados.
    2- Com as pessoas praticamente encostadas umas às outras, todas de pé, sem poderem andar, já que, se alguém levantar uma perna estará a dar uma joelhada no parceiro da frente, cada pessoa ocupa uma área de 50 X 50 cm: Área 0,25 metros quadrados, ou seja 4 pessoas por metro quadrado.
    3 – Conclusão: número de pessoas que é possível armazenar nestas condições: 90 000 (22500 /0,25 = 90000)
    4 – Atendendo a que as pessoas estavam 1) bem mais à larga 2) havia clareiras na Praça, calculo que não estariam mais de 40 000 pessoas.

  37. neototo permalink
    13 Fevereiro, 2012 07:36

    Porqué e que últimamente as estadisticas mais veraçes sao as conseguidas na praça Tahir e manifs árabes?.
    Sao mais listos. Contam o nº de pés e dividem por dois. O número dos ínvalidos compensa com os que vao em carreira de rodas porque estes vao sempre sem sapatos…

    Mais, quem lhe diz a estes occidentais que as vezes deveriam corrigir erros e copiar que de quém sabe fazer bem as coisas?

  38. 13 Fevereiro, 2012 07:49

    E não há mais temas?
    Ou vão estar a semana discutir o número de cabeças?

  39. Joaquim Marques permalink
    13 Fevereiro, 2012 09:08

    Será imaginação delirante?? Foi concorrida a manifestação, mas não colossal!!

  40. Xarope permalink
    13 Fevereiro, 2012 09:45

    Porra, nem à Wikipedia sabem aceder?! “A Praça do Comércio, também conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos. É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m).”

  41. 13 Fevereiro, 2012 10:07

    Será que este assunto é mesmo importante, ou a insistência nele apenas reflete a falta de ideias e o desespero de quem apoia o atual governo?

  42. Jaime Serra permalink
    13 Fevereiro, 2012 10:31

    Considerava os Comunistas pessoa sérias… os que proclamavam que “Só a Verdade é Revolucionária”…

  43. Bem perguntado permalink
    13 Fevereiro, 2012 10:42

    Será que este assunto é mesmo importante, ou a insistência nele apenas reflete a falta de ideias e a ausência de soluções de quem apoia a GCTP?

  44. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 11:44

    Trinta e três,
    .
    A mentira e o exagero, venham donde venham, é sempre assunto importante.
    .
    Joaquim Marques,
    .
    Fazendo jus de alguns outros neologismos, a manifestação não só não era colossal, mas era pejada de um bando de piegas.

  45. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 11:46

    Piscoiso,
    .
    O número de cabeças na manifestação é sensivelmente maior do que o número de cérebros funcionais. Se contar o último, não chega aos três dígitos decimais.

  46. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 11:47

    J. Silva,
    .
    Os comunistas fingem representar os trabalhadores, mesmo os 90% que neles não votam nem nunca votariam.

  47. gui permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:07

    Porque será que tantos comentadores se vêem incomodados com a “insistência” deste tema, quando não se cansaram de invectivar Passos Coelho quando ele disse que a dívida portuguesa era “colossal”?
    Será por estarmos perante um exagero colossal?

  48. jmpg permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:08

    Coitaditos dos portugueses (nem todos) passam o tempo nestas merdas .Ide trabalhar .

  49. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:19

    jmpg,
    .
    Quase todos os manifestantes são desfuncionários públicos. Não sabem trabalhar.

  50. aremandus permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:30

    Francisco Colaço,
    não sendo funcionário público por que é que voce não está a trabalhar,malandro?

  51. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:37

    Ulisses,
    .
    Veja o minuto 2:10 do vídeo que mandou, durante o discurso. Não me parece que a praça estivesse tão pejada assim. Uma contagem de 50.000 pessoas é por excesso.
    .
    Caro Ulisses, o problema não está em serem 40.000 pessoas ou 100.000 pessoas, mas por terem clamado os organizadores 300.000 pessoas no local, o que é claramente impossível por 1) a praça não poder comportar tantos mesmo se cheia e por 2) no vídeo em que enviou há claros e amplos espaços onde há menos de uma pessoa por três ou quatro metros quadrados.
    .
    Como sempre, o PCP arroga-se à representatividade que os sufrágios lhe negam.
    .
    E com os apelos dissimulados do Arménio Carlos à violência, apetece-me ir atirar um balde de tinta vermelha à sede do PCP do Tortosendo, e colar na tinta um cartaz dando conta do milhão e cento e cinquenta mil mortos nos Campos da GULAG Soviética. Isto não é exagero ou mentira, a menos que descarte a validade das próprias estatísticas soviéticas de onde tirei estes números.
    .
    Quando a direita exagera, também eu lhe casco. Dislates, venham de onde venham, são torpes e devem ser combatidos.

  52. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 12:38

    Aremandus,
    .
    Trabalho por conta própria, com horários irregulares. Por vezes tenho tempo para comentar, por vezes passo dias sem cá vir. E o Aremandus? Está cá sempre. É funcionário público?

  53. 13 Fevereiro, 2012 15:25

    Fico na dúvida se o Colaço tem um cérebro funcional ou de funcionalismo.

  54. aremandus permalink
    13 Fevereiro, 2012 15:33

    sou funcionário do cds,a sério.

  55. ulisses permalink
    13 Fevereiro, 2012 16:13

    “E com os apelos dissimulados do Arménio Carlos à violência, apetece-me ir atirar um balde de tinta vermelha à sede do PCP do Tortosendo”

    caro Francisco Colaço
    a sorte deste país é que o descontentamento está arregimentado nas massas controladas pela CGTP, de forma orgânica, controlada, constitucional.
    Se estiver com atenção, as manifs ultimamente organizadas de forma had hoc são tendencialmente mais violentas, mais desordeiras…
    quando o descontentamento se tornar inorgânico (daqui a seis meses) o francisco colaço (mais a Lena e o José Fernandes) suspirarão pela cgtp.

  56. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 16:22

    Ulisses,
    .
    Nunca me ouvirá dizer que a CGTP não tem o direito de se manifestar. Ouvir-me-á dizer que o PCP não tem o direito de existir enquanto não renegar explicitamente os males que o comunismo fez no Mundo e os milhões de mortos que provocou, mais que qualquer religião. Mas sindicatos não são partidos políticos e não devem ter uma agenda política, apesar de os dirigentes da CGTP estarem nas reuniões da cúpula do PCP e se esconderem depois na casa de banho quando entram os jornalistas. Assim contou a Zita Seabra dos seus tempos na vermilholândia.
    .
    O PCP tem uma representação, e é a que lhe é dada nas urnas. As eleições em Portugal são livres e o voto é secreto. Quem gosta do PCP pode votar nele, e ainda assim noventa e tal por cento preferem outros partidos. Uma manifestação que reuniu 50.000 pessoas (assumindo que aqueles piegas são pessoas) já é por si um feito. Empolar esse número é que é desonesto. Mas os comunistas nunca foram honestos, e os bons amigos do Estaline iam desaparecendo um a um.
    .
    Nestes dias, perdi a consideração que tinha pelo Jerónimo de Sousa. Já não era muita, agora nenhuma é.

  57. 13 Fevereiro, 2012 17:01

    O post é um atestado sem apelo nem agravo:
    -à incompetência, ignorância, servilismo, subserviência dos moços de recados “jornalistas” perante a esquerdalhada falsa e asquerosa.
    - `a esquerdalhada falsa, mentirosa, desesperada, raivosa pq o povo cada vez mais lhes dá com os pés.
    E imagine-se a máquina do PCP a colocar autocarros “à disposição” do “povo”…….e ai daqueles que não viessem à manif…….

  58. 13 Fevereiro, 2012 17:08

    Caro Francisco Colaço.
    Lamento dizer-lhe que está redondamente enganado.
    Há provas avulsas (nem o Putin tem coragem de mandar abrir os arquivos…) de que os comunas na URSS assassinaram com armas ou á fome mais de 15 ..QUINZE…milhões de seres humanos.
    Há dois livros imprescindíveis com estes números:
    “Os Ditadores”………de Richard Overy
    “Stalin A Corte do Czar Vermelho” (principalmente este)….de Simon Montefiore….Companhia das Letras.
    Este último mostra como Stalin ultrapassava Hitler em selvajaria

  59. jorge silva permalink
    13 Fevereiro, 2012 17:44

    o jmf ainda aqui anda? então, há uns tempos o mínimo para cada manif eram 100.000 e agora isso é o máximo. vai dar banho ao cão fernandes, se tivesses vergonha já tinhas emigrado e resolvias o teu problema e o nosso ( o ar ficava mais puro)

  60. Fincapé permalink
    13 Fevereiro, 2012 17:49

    O Francisco Colaço, nos intervalos, até parece que capaz de apresentar um raciocínio lógico. Mas depois lá vem a indignação por haver pessoas que se sujeitam a concursos e os ganham, provavelmente relegando-o para segundo plano. Deve ser um pouco da raivazita helenística e jmf1958ística. Ninguém bem formado tem a lata de dizer que, uma vez que muitas empresas privadas pouco produzem, que exportamos pouco, que não se vê resultados do trabalho, que se trabalha mais horas (a encher pneus nas empresas) do que os outros produzindo pouco, etc, que se devem fechar, arrasar, acabar, sei lá mais o quê, com esses trabalhadores, com as empresas ou mesmo com as entidades patronais. Espera-se que trabalhando menos se produza mais, que se organizem as empresas, que os jovens possam trabalhar no seu país. Há tanto desempregado que, se houvesse capacidade, seria possível produzir mais e melhor e aumentar a produtividade, aplicando os pressupostos de cima. É isso que a inteligência exige. Mas não é isso que o ultraliberalismo quer. E não é um problema de quantidade. São muito poucos, mas fazem estragos como se fossem muitos. Quer um Estado fraco porque só assim consegue sobreviver. A sua obsessão pelo dinheirito, pela riqueza, pelos carritos de luxo para circular em estradas feitas pelo “seu” fraco Estado, não é mais do que uma infinita soberba.

  61. Portela Menos 1 permalink
    13 Fevereiro, 2012 18:14

    (…) Uma manifestação que reuniu 50.000 pessoas (assumindo que aqueles piegas são pessoas) já é por si um feito. Empolar esse número é que é desonesto (…)
    .
    ora aqui está um comentário honesto, não piegas e um verdadeiro feito. Mas o Sátiro agora assina FColaço?

  62. S.Martins permalink
    13 Fevereiro, 2012 18:22

    tonteria completa. a manif não era uma coisa estática. partiu de vários pontos e muita gente circulou, entrou e saiu da praça porque não tinham espaço para ficar e havia mais gente a chegar. houve gente que quando a sua parte de manif chegou já o comicio estava no fim.

  63. 13 Fevereiro, 2012 18:56

    Praça do Comércio Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    Coordenadas: 38° 42′ N 09° 08′ O

    A Praça do Comércio, também conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos. É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m).

  64. 13 Fevereiro, 2012 20:49

    Digo ipsis verbis o que disse num comentário duma tasca ali ao lado…

    Oh pá, deixem-se mas é de tretas, que aposto que o home sabe o nome e o número de telefone dos 300.000 que lá ‘tiveram…

    Nunca vi tanta gente inteligente a persistir tanto na perseguição a coisas tão parvas…

    Em algum lado foi dito que estiveram 300.000 simultaneamente? Não? Então essa lógica serve pra quê? Não podem ter passado por ali 300.000 pessoas em 24 horas? Não cabiam lá 6 blocos de 50.000 pessoas? Ou 10 de 30.000? Espaço e tempo…

    Mas o que é que essa merda interessa mesmo, afinal?

    PS: Já que sabem usar o Google Maps, façam aí um levantamento da indústria nacional, tudo descriminadinho, que dava mais jeito ao País… Disso ou doutra merda qualquer, de preferência que não esteja na wikipédia, de onde lhe deixo este excerto:

    “É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m). “

  65. 13 Fevereiro, 2012 21:20

    Estar a comentar isto ou a jogar o dominó é o mesmo.
    Afinal o que é que disseram na manif?
    Ou a manif foi sobre o número de pessoas que cabem num metro quadrado?

  66. ulisses permalink
    13 Fevereiro, 2012 21:43

    haver dirigentes da CGTP na cúpula do PCP…ai, ai, aqui del-Rei… todavia toda a gente sabe que os dirigentes da UGT são apartidários; são como a água potável: incolor, insípida e inodora. Dasss…

  67. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 22:15

    Fincapé,
    .
    Julga-me demais e pouco acerta. Para lhe dizer, JÁ FUI FUNCIONÁRIO PÚBLICO, professor numa universidade pública e ao fim de alguns anos despedi-me e fui trabalhar a sério. Logo, nunca fui preterido, salvo num concurso, uma vez no passado remoto, de que até foi admitido ter sido, enfim, manietado em prol de um cartão partidário. Olhe, veja lá bem como são escolhidos os Filhos da Política, vulgo funcionários públicos! Encontrará nas actas do meu departamento e da minha universidade vários louvores pela minha acção de colocação profissional dos alunos e por actividades além dos requisitos do dever em prol dos alunos e da Universidade, como seminar a interacção entre a universidade e as empresas. Coisas que os outros funcionários públicos se recusavam a fazer.
    .
    Como vê, o tiro saiu-lhe pela culatra, entrou-lhe pela testa, saiu-lhe pela nuca, mas teve a bondade de falhar qualquer órgão vital.

  68. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 22:20

    Fincapé,
    .
    Não gaste a sua verborreia a defender soluções vermilhóides para este país. Nos países em que tocaram a vida não lhes correu bem, e os países caíram todos no despotismo e na miséria. Se fosse num só a acontecer isto, era coisa cultural, até desculpável. Mas foi em todos!
    .
    E como foi em todos, os frutos do comunismo desaconselham replantar a árvore.

  69. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 22:25

    Fincapé,
    .
    Finalmente, Fincapé, quer ajudar o país a criar empregos? Crie voxelência uma empresa lucrativa.
    .
    Não sabe? Não quer? Não deseja? Não arrisca?
    .
    Então deixe de ser piegas e assuma a sua impotência. Se não irá fazer melhor do que os que fazem alguma coisa, agradeça até os maus empresários que temos (excepto as lapas coladas ao Estado, quase fussionários públicos).
    Se irá fazer melhor, e bem gostaria de pensar que sim, desejo ardentemente que um dia o Anti-Comuna fale aqui de si.

  70. Fincapé permalink
    13 Fevereiro, 2012 22:49

    O meu caro liberal (ultra) não respeita lá muito bem as opções das pessoas. Vai dizendo mal dos que tomam uma opção profissional na sua vida e bem de outros de forma absolutamente discriminatório. E vem sempre com aquela de criar empregos, como se todos devessem ser empresários. Deve ser esse o ultraliberalismo da moda: sejam ultraliberais desde que façam o que “eu” quero!
    Mas, uma vez que é tão socialista nesse tema, já agora digo-lhe que sim, ajudei a criar alguns empregos, trabalhando muitíssimo e à borla, durante muitos anos, para os ajudar a sustentar (os empregos).
    Enfim, coisas que o meu amigo terá dificuldades em entender, porque sempre é mais fácil criticar as opções profissionais dos outros.

  71. Fincapé permalink
    13 Fevereiro, 2012 23:03

    Pelas coisas que diz, fez bem mudar de vida. A vida universitária a sério é muito dura. Mas deixe aqueles que querem ter a vida deles sem ser controlada. Não os mande sair do seu emprego. Eles certamente gostarão, têm família para sustentar, concorreram sem cartão partidário (como sabe, só uma minoria tem cartão – por concelho são menos do que a mais pequena coletividade de recreio) e lá estão a fazer o trabalho que lhes compete.
    E solte-se mais. Não viva amargurado com as opções dos outros, nem ajude a criar situações de perseguição a pessoas que trabalham, tendo sido contratadas para isso. Não invadiram instalações, não pedincharam aos amigos donos de empresas. E uma maioria (grande) anda por aí, nos tempos que lhe pertence, a ajudar a sobreviver instituições, em direções em que não ganham tusto, e ainda por cima a gastar dinheiro do próprio bolso, como eu conheço imensos.
    E não se preocupe com soluções “vermelhóides” que eu também não. Eu sou mais de me preocupar com situações humanas, que é aquilo que eu sou desde o ato da conceção.
    Cumprimentos

  72. Francisco Colaço permalink
    13 Fevereiro, 2012 23:48

    Fincapé,
    .
    Logo eu, liberal. Está a ver que julga de mais e sabe de menos.
    .
    Lembre-se apenas de que um lugar de funcionário público não deve ser um favor, e a vida universitária é tudo menos dura. Nas empresas privadas, pelo menos das que geri, há um lugar para cada pessoa e não uma pessoa para cada lugar.
    .
    A lógica é totalmente invertida no desfuncionalismo público. Até você diz: têm família para sustentar. Pois também eu tenho, e pago os meus impostos até ao cêntimo, como toda a gente deveria pagar. Por que carga de água se justifica que eu tenha de pagar 23% de IVA e me tirem logo à cabeça 21,5% de IRS para sustentar uma máquina desfuncional, anacrónica e perra, como é a do Estado, cheia de piegas macilentos e indolentes? Uma máquina onde o bom não é distinto do mau (se me fala de avaliação arrisca-se a que o tiro lhe saia com a arma ainda no coldre.)
    .
    Consegue enxergar a lógica invertida que os vermilhóides e socializóides e outros da esquerda à falsa direita que temos têm? «Deixe-os estar, que estão bem. Têm famílias», diz o Fincapé. Pois não estão. Gastam impostos, fazem o país perder competividade fiscal e económica e, ademais, pouco fazem para se justificarem, com algumas honrosas excepções que mais não fazem que sublinhar o padrão e confirmar a regra.
    .
    Isto, caro Fincapé, nem o amigo me pode negar.
    .
    nem ajude a criar situações de perseguição a pessoas que trabalham, tendo sido contratadas para isso Trabalham? Estou curioso. Pensei que foram contratadas para 1) pagar favores, 2) para manter o domínio dos chefes de departamento, 3) ajudar o amigo e, marginalmente, porque deveriam ter sido contratadas. Deve ter sido esse o seu caso. De qualquer forma, se não são necessárias, que vão fazer pela vida, ou aceitem cortes nos ordenados. Os impostos estão demasiado altos. E se mesmo assim o SECTOR PRIVADO reage, fabrica e exporta, imagine o crescimento que teríamos sem metade das lapas que se agarram ao calhau do Estado.

  73. Fincapé permalink
    14 Fevereiro, 2012 00:02

    Quanto tenta falar com mais racionalidade, torna-se logo mais acessível. Conhecerá certamente muitos funcionários públicos (duvido é que sejams seus amigos). Refiro-me à grande maioria (a quase totalidade) dos trabalhadores sérios que se limitaram a ver as vagas no DR e concorreram com todos os outros. Acha que saõ eles que criam as vagas e que se vão lá colocar? Sabe muito bem que os concursos (nas autarquias poderá nem sempre ser assim) permitem recursos que poderão chegar a tribunal, ao contrário das empresas privadas. Se um candidato consegue o lugar, por opção e por gosto (o que é fácil, porque a maioria dos empregos qualificados estão no Estado), porque é que não há-de ficar contente? E se ele entra com concursos daqueles, que dificuldade teriam em entrar no privado se houvesse concursos para as mesmas competências? E porque hão-de agora virar costas ao trabalho que conseguiram com esforço? E qual é a diferença entre um serviço prestado ao Estado e um serviço prestado a uma empresa privada exceto na qualificação em média maior?

  74. Portela Menos 1 permalink
    14 Fevereiro, 2012 00:23

    e se se aplicasse aos “funcionários públicos vermilhóides e socializóides e outros da esquerda à falsa direita” a solução final!
    pois, teríamos um Estado sem Estado, sem funcionários públicos (ainda por cima perigosos esquerdistas), o sonho da tralha liberal, mas que não existe em lado nenhum do mundo e ainda bem.

  75. Nuno permalink
    14 Fevereiro, 2012 03:19

    .
    Contando por cabeças estava muito mais gente. Cada pessoa tem a propriamente dita que alberga a mioleira, se a tiver, as cabeças dos dedos, se não for aleijado ou tiver algum amputado, e, se for homem, tem a décima segunda a tal que funcona quando a de cima não funciona.
    .
    Quer isto dizer que estariam para ai uma 240,000 cabeças?
    .

  76. Francisco Colaço permalink
    14 Fevereiro, 2012 09:03

    Fincapé,
    .
    E porque hão-de agora virar costas ao trabalho que conseguiram com esforço?
    .
    Caro Fincapé, o sistema está inquinado. Os incumbentes passam o trabalho aos novos. Foi assim enquanto eu estive na Universidade (mais uma vez, com muito honrosas excepções, devo sublinhar, que acentuam e sublinham o padrão).
    .
    E quanto à classificação, apenas por pudor lhe escondo a média do meu curso e dos resultados posteriores. Pode é crer que muitos professores universitários que falam de galo e não são mais que intelijumentos tiveram-na bem menor do que eu, e ademais a minha licenciatura foi tirada na Universidade Católica Portuguesa e os cursos posteriores na Universidade de Coimbra. Não na Lusíada ou na Independente, nem ao Domingo.
    .
    Mil vezes prefiro estar no privado, onde não me frustra a idiotice dos superiores. Mais uma vez lhe digo que há e houve muito honrosas excepções, mas eles mesmo são párias dentro do Sistema do Eterno Descanso e Ordenado Certo locupletado dos impostos do sector privado. É por isso que eu chamo à função pública o Cemitério dos Prazeres (eterno descanso) ou a Máquina de Imbecilidade</i≳ (esta expressão última devo à nossa co-comentadora Zazie).
    .
    Pergunta-me: são precisos funcionários públicos? Certamente. São precisos TANTOS funcionários públicos? Não, e é tempo de começar a emagrecer a máquina, tirar a massa consistente que sobrou da última lubrificação e se necessário lubrificar de novo, para que a máquina funcione bem.
    .
    E quanto aos concursos, não me faça rir, meu caro Fincapé! Vou optimisticamente imaginar que o SEU concurso foi digno e honesto, e pelo modo como escreve se não o foi bem poderia ter sido, em si não acho faltas de inteligência, mesmo estando nos meus antípodas neste assunto. Agora, quando pedem para um instituto impúdico ou para uma autarquia ou para um ministério para funções em recursos humanos uma licenciatura em gestão turística ou similar e a entrevista vale 50%, diga-me lá se esse concurso, que até foi um caso real, não tem cão-di-da-to à partida?

  77. neototo permalink
    14 Fevereiro, 2012 09:38

    o sonho da tralha liberal, mas que não existe em lado nenhum do mundo e ainda bem.

    —–

    Que nao existe? Que nao existe?
    Pense bem nisso que dize…logo ja existe !!!!!!!

  78. Fincapé permalink
    14 Fevereiro, 2012 16:13

    “Mil vezes prefiro estar no privado, onde não me frustra a idiotice dos superiores.” Respeito a opção. Mas está a ver que sempre me dá alguma (ou uma espécie de) razão?
    Agora outro assunto. Não tenho qualquer dúvida que estou a trocar ideias com uma pessoa inteligente (sem me atrever a definir critérios, para os quais não me sinto habilitado). Senão, provavelmente não estaria. Também não duvido das suas classificações e do seu valor, mesmo que, por vezes, por desafio ou ironia, faça algum comentário desagradável ou que assim pareça. A minha maneira de ser é de afabilidade e cortesia, cultivando da melhor forma as relações pessoais, embora com maus humores de vez em quando (ou sempre que as circunstâncias o promovam). Talvez um pouco por isso me custam as generalizações. Boas regras e lideranças a condizer são fundamentais para que qualquer serviço, público ou privado, funcione bem. Não bastam, mas são fundamentais. Por exemplo, quando me falha a energia elétrica por sistema, até à irritação, como já aconteceu durante anos, e tenho de ligar consecutivamente a perguntar o que se passa, digo sem qualquer hesitação: “tudo o que eu disser, todos os ralhetes que eu fizer, não são consigo, nem com os trabalhadores que andam no meio dos pinhais a tentar solucionar-me o problema. São com a administração, a quem compete resolvê-los de vez.” E que, no caso, eram mais do que muitos. Tenho este hábito que já partilhei, não sei se consigo se com outra pessoa. Isto ajuda a entender a minha posição na sociedade. Quanto à política, quero mesmo uma sociedade mais justa, sem que uns sejam postos ao abandono pela sofreguidão dos outros. Pode chamar-lhe utopia ou simplemente “social-democracia”. Eu chamo-lhe o segundo nome, mas não me importo muito com isso. Cumprimentos
    PS (a sigla não tem conotação ;)): Não estou a ocupar tempo de serviço. :)

  79. 14 Fevereiro, 2012 20:51

    Ainda andam aqui?

  80. neototo permalink
    15 Fevereiro, 2012 13:26

    E se mesmo assim o SECTOR PRIVADO reage, fabrica e exporta, imagine o crescimento que teríamos sem metade das lapas que se agarram ao calhau do Estado.
    -

    Esta forma de ver e mais adereçao com um pouquito mais de optimismo et voila…ja temos o Anti-comuna II (ou um clone do AC) como vcs preferirem !!!!!!!!!

  81. alberto permalink
    15 Fevereiro, 2012 19:54

    Havia mais gente que nas manifestações no tempo do Salazar?O metodo era o mesmo:um passeio `borla a Lisboa

Trackbacks

  1. 300.000 ou 30.000 ? « O Insurgente
  2. 300.000 ou 30.000 ? « O Insurgente
  3. ALDRABICES SINDICAIS | Total Blog
  4. A Propósito De Um Blogue Em Declínio « A Educação do meu Umbigo
  5. Os números são aquilo que um homem quiser. Sobretudo se o homem for da CGTP « BLASFÉMIAS

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.885 outros seguidores

%d bloggers like this: