Saltar para o conteúdo

Financiamente privado do Estado II

5 Março, 2008

João Galamba tenta discutir um tema cuja essencia não compreende, como mostra esta frase:

Se os Portugueses que somos precisaram do Estado, onde é vamos buscar os portugueses que poderíamos ser?

Vale a pena lembrar, de vez em quando, que são os portugueses que sustentam o Estado. Não é o Estado que sustenta os portugueses. É fácil de ver quem precisa de quem.

14 comentários leave one →
  1. 5 Março, 2008 20:26

    Se eu fosse mazinha ou quisesse brincar ao Sr. do post acima, punha-o de castigo, com orelhas de burro no canto da sala, a ler o contrato social.

    Gostar

  2. 5 Março, 2008 20:27

    Que é como quem diz: se o Estado é uma invenção tão estúpida e que, ainda por cima, nos sai cara, como é que não há registo (actual) de comunidades que se organizem de outra forma?

    Gostar

  3. JoaoMiranda permalink*
    5 Março, 2008 20:31

    ««Que é como quem diz: se o Estado é uma invenção tão estúpida e que, ainda por cima, nos sai cara, como é que não há registo (actual) de comunidades que se organizem de outra forma?»»

    O que não faltam são comunidades que se organizam de outra forma.

    Gostar

  4. 5 Março, 2008 20:37

    «O que não faltam são comunidades que se organizam de outra forma.»

    Comunidades políticas? Com um território e identificação cultural? Quais?

    Gostar

  5. JoaoMiranda permalink*
    5 Março, 2008 20:40

    ««Comunidades políticas? Com um território e identificação cultural? Quais?»»

    Não estava a falar de comunidades? Mas porque é que uma comunidade se haveria de organizar de um modo político e territorial?

    Gostar

  6. 5 Março, 2008 20:45

    Não estava a falar de Estados?
    Os Estados caracterizam-se, precisamante, por serem organizações funcionais de comunidades que pessoas que se sentem identificadas entre si e que se situal, obviamente, num determinado território. É disto que falo quando me reporto as um “Estado”. E o JM?
    Quando fala de Estado fala do quê? Se calhar se ilustrar com exemplos de comunidades que não se organizam em Estados, eu percebo.

    Gostar

  7. 5 Março, 2008 22:10

    «Não é o Estado que sustenta os portugueses. É fácil de ver quem precisa de quem.»

    Há alguns portugueses que mais do que sustentados, são verdadeiramente apaparicados:

    Miguel Sousa Tavares – Expresso 07/01/2006

    «Todos vimos nas faustosas cerimónias de apresentação dos projectos [Ota e TGV], […] os empresários de obras públicas e os banqueiros que irão cobrar um terço dos custos em juros dos empréstimos. Vai chegar para todos e vai custar caro, muito caro, aos restantes portugueses. O grande dinheiro agradece e aproveita.»

    «Lá dentro, no «inner circle» do poder – político, económico, financeiro, há grandes jogadas feitas na sombra, como nas salas reservadas dos casinos. Se olharmos com atenção, veremos que são mais ou menos os mesmos de sempre.»

    Gostar

  8. Pay Day permalink
    5 Março, 2008 23:19

    O Diogo, com essa citação o MST até parece inteligente, sobretudo se confrontado com as besteiras do JM (eu acho que só são provocações do JM, que gosta de dizer umas graças).

    Gostar

  9. Amadeus permalink
    5 Março, 2008 23:35

    Segundo me parece, o Estado sustenta o genial Miranda.

    Gostar

  10. lucklucky permalink
    6 Março, 2008 00:09

    “Que é como quem diz: se o Estado é uma invenção tão estúpida e que, ainda por cima, nos sai cara, como é que não há registo (actual) de comunidades que se organizem de outra forma?”

    O Estado a partir de determinada dimensão passa a ter vida e poderes próprios sem terem sido delegados e subornar cidadãos para lhe darem ainda mais poder.

    Gostar

  11. 6 Março, 2008 00:47

    A FASE ECONOMICO-EUGENICA, no TEMPO PASSADO, apostou num filho por casal e noutras limitações da natalidade (aborto, pílula etc);
    .
    os Cidadãos financiavam os Governos, o Colectivo, com um cabaz de Contribuições em cascata(IRS, IRC, IVA, Segurança Social, IP etc);
    .
    os Governos gastavam esse dinheiro dos Cidadãos, Tesouro Nacional, em rubricas (lista) inflexíveis de gastos públicos (emprego publico, obras publicas, instalações e veículos do Estado, subsídios estatais etc etc)sendo que a Segurança Social financiada por mais permitia universalmente Reformas e Pensões a menos bem como leques de Pensões com mínimo mas sem máximo controlado.
    .
    Dessa politica Economico-Eugénica no Passado certa resultou o Presente errado que transitoriamente pensaram ser resoluvel pela Emigração.
    .
    Os TRADICIONALISTAS parados no Tempo defendem a Doutrina expressa na noticia, mais do mesmo mas doutra forma: não mexer nas rubricas (lista) inflexíveis de gastos públicos optando por não cumprir o Contrato Social Estado/Cidadão “os Cidadãos trabalhem mais tempo”;
    .
    “gato escondido com rabo de fora”: SOBRE-EMPREGO a montante (os velhos, mais velhos), SUBEMPREGO e DESEMPREGO a jusante (os jovens). Isto é, tapam dum lado e destapam do outro, não gastam num lado para gastarem no outro. E tem de ser assim para se defenderem da revolta social que altere o Tradicionalismo. Convite ao trabalho dum lado, convite ao ócio e maus costumes do outro. A mesma gestão dos dinheiros públicos, insustentável e sem futuro imediato ou longínquo; remendos.
    .
    os PROGRESSISTAS, no TEMPO PRESENTE e FUTURO, defendem: é imperativo anular várias rubricas (lista) antigamente inflexíveis de gastos públicos optando por os Governos, pessoas de bem, cumprirem o Contrato Social Estado/Cidadão, primeiro as Pessoas depois as Coisas nos gastos dos dinheiros nacionais dos Cidadãos, Tesouro Nacional. Outra gestão governamental dos dinheiros públicos, sustentável, lógica e rentável económica e socialmente. Prioridade á Educação, Saúde e Pensões
    .
    Tradicionalistas e Progressistas são transversais da Esquerda á Direita porque se trata apenas do fracturante e incontornavel: como está HOJE o Estado Social na Europa ? Como se adapta, sem acabar, á Globalização ? A Nova Europa versus a Velha corcunda de vícios públicos paridos pelo Muro de Berlim, Guerra Fria pos II Guerra.

    Gostar

  12. bipennis permalink
    6 Março, 2008 10:03

    nesta republiqueta socialista dos frankensteins e dráculas do afundanço verifica-se
    estado versus contribuintes
    resultado:
    2 milhões de pobres (crianças com fome ao lado das gordas)
    1/2 de desempregados

    Gostar

  13. Anónimo permalink
    6 Março, 2008 11:13

    A pouco e pouco o João Miranda vai mostrando a vacuidade das suas teorias.
    Mas topete não lhe falta. Diz ele que os outros é que não compreendem os conceitos que ele mostra que está longe de compreender.

    Gostar

Trackbacks

  1. cinco dias » Liberal Marxismo

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: