Saltar para o conteúdo

No meu tempo era mais simples, mas sabíamos a tabuada.

12 Maio, 2008
by

“Na escola desejável, alunos e professores encontram no seu quotidiano um fio condutor apelativo e comum, que é o de aprender e ensinar competências, num cenário estruturante e holístico onde ser pessoa é ser tolerante, flexível, crítico, e é, também, ser capaz de desempenhos ajustados à exigência de uma sociedade global multidiferenciada, que apela a saberes mobilizáveis, conhecimentos reais e instrumentais, muito para lá da simples informação trazida pelos conteúdos, em si mesmos redutores e simplistas.”

Miriam Rodrigues Aço, Professora Titular, hoje no Público.

42 comentários leave one →
  1. Xelb permalink
    12 Maio, 2008 10:53

    A senhora fala muito bem…

    Gostar

  2. 12 Maio, 2008 10:57

    Esta “Miriam Aço” é tão complicada no nome, como nas palavras.

    Há a Rainha da Sucata.

    A Miriam é a Rainha do Eduquês! Não há como nos livrarmos desta gente.

    Mas, as Miriam também não se livram de nós e da voragem da Globalização.

    Gostar

  3. Duriense permalink
    12 Maio, 2008 11:00

    enquanto não acabarem com as escolas superiores de educação e as taradase tarados que por lá andam, vamos continuar a produzir gerações de “underperformers” (com anglicismo e tudo). P.Q.P.

    Gostar

  4. 12 Maio, 2008 11:00

    LOL … Estes textos lembram-me sempre um livro que li do prémio nobel da física o Feynman que uma vez fez parte de uma comissão de avaliação de livros escolares nos Estados Unidos.
    O livro chama-se “Deve estar a brincar Sr. Feynman” e deveria ser leitura obrigatória no Ministério da Educação …

    Gostar

  5. 12 Maio, 2008 11:01

    Só falta falar de outros chavões típicos do “eduquês”: o “paradigma ecológico” da escola (leia-se, meio social envolvente), “aprender a sorrir” e “evoluir na gestão da aprendizagem” (entre outras expressões típicas de um nominalismo vazio e pomposo).

    Claro que isso da tabuada, ler e escrever, ter alguns conhecimentos básicos da realidade da vida, capaciade de trabalho e de concentração são coisas atávicas que já não se usam! (Com os resultados que conhecemos…)

    Gostar

  6. 12 Maio, 2008 11:18

    O piorzinho é se mandam dividir as orações da frase.

    Gostar

  7. Luís Lavoura permalink
    12 Maio, 2008 11:20

    Hoje em dia um bom aluno também é estimulado a saber a tabuada. O meu filho anda no 2º ano e a professora farta-se de lhe ensinar a tabuada, e estimula-o a sabê-la na ponta da língua. Não pense o jcd que as realidades mudaram assim tanto. Hoje continua a haver boas escolas com boas professoras que ensinam bem a tabuada aos alunos.

    Gostar

  8. 12 Maio, 2008 11:23

    A senhora apanhou-lhe o jeito. Vai longe. A imbecilidade compensa.

    Gostar

  9. 12 Maio, 2008 11:25

    Citação da mesma autora

    Ser professor é também, pois, aqui, neste tempo em movimento, procurar o chão teórico onde assentem os nossos pés e que pode vir na forma de uma pedagogia diferenciadora, garantida na promoção das interacções e na qualidade dos processos e mesmo dos produtos; mas que, por mais que nos sirva de fundamento, nos dá também a consciência de que, neste gesto quotidiano de ensinar, não há receitas, nem absolutos, e que só nos resta mesmo caminhar em busca de gestos renovados, conscientes de qualquer taxonomia, qualquer paradigma pedagógico, nos tranquiliza o espírito por instantes, anos até, talvez, mas não nos retira esta necessidade de procura, esta assumpção renovada de que é no olhar crítico e disponível que criamos as condições para deixar entrar em nós o desejo permanente de inovar.

    Gostar

  10. 12 Maio, 2008 11:27

    Ou esta:

    Afinal, o que a Pedagogia do Afecto pretende é levar o sujeito/professor a uma compreensão de si próprio de um modo globalizante e à aceitação pessoal do ser e do dever ser como critérios paritários da existência, podendo constituir um momento formativo essencial na descoberta de uma interioridade renovada, que possibilite ao professor um perfil em permanente acomodação, face às exigências de uma cada vez maior autenticidade e disponibilidade psico-afectiva, que lhe permitirá saber gerir e aceitar as diferentes interacções afectivas e emocionais e tomar ao mesmo tempo consciência do modo como os sentimentos e as emoções determinam as opções, as escolhas e as construções, no domínio das praxis intelectual ou atitudinal, no seu quotidiano profissional.

    Gostar

  11. 12 Maio, 2008 11:34

    E ninguém vomita? É esta linguagem que está a destruir as escolas por dentro. Não é só esta. É também o gestionês e o sociologês e outros idiolectos de gente que incapaz de pensar seja o que for debita uma miscelânea de palavras, acreditando que o facto de aparecerem organizadas em frases essas palavras significam alguma coisa. Mas não percamos a esperança: a coisa vai piorar ainda muito mais.

    Gostar

  12. Filipe permalink
    12 Maio, 2008 11:41

    Rodrigues Aço? Será familia do Ferro Rodrigues?

    Gostar

  13. lucklucky permalink
    12 Maio, 2008 12:00

    Quem consegue falar num código tão estranho á sociedade já há muito deixou de vê-la e entendê-la.

    Gostar

  14. Vaz de Caminha permalink
    12 Maio, 2008 12:40

    Hoje em dia um bom aluno também é estimulado a saber a tabuada. O meu filho anda no 2º ano e a professora farta-se de lhe ensinar a tabuada, e estimula-o a sabê-la na ponta da língua

    A professora do meu filho também lhe pergunta a tabuada.
    Mas confere as respostas pela máquina de calcular.

    Gostar

  15. Elcaseiimunitates permalink
    12 Maio, 2008 12:42

    Mas querem apostar comigo que lendo esta senhora muitos professores se revem nela?

    Gostar

  16. ideiafixa permalink
    12 Maio, 2008 12:48

    A Miriam diz coisas, mas será que as compreende?

    Gostar

  17. José permalink
    12 Maio, 2008 12:53

    Piscoiso:

    Tente lá dividir esta oração:

    “O piorzinho é se mandam dividir as orações da frase.”

    ~PS: Supondo que será o verdadeiro Piscoiso e não o avatar que por aqui aparece, num exercício humorístico escusado.

    Gostar

  18. José permalink
    12 Maio, 2008 12:55

    O segredo destas coisas, reside neste conceito, de um autor conhecido: a inteligência e a imbecilidade andam muito próximas uma da outra. Por vezes, trocam de lugar.

    Gostar

  19. José permalink
    12 Maio, 2008 12:56

    A Miriam, por causa disso, anda confusa.

    Gostar

  20. Morais Silva permalink
    12 Maio, 2008 14:06

    Vejam lá se não faz sentido:

    “Na empresa desejável, todos os colaboradores encontram no seu quotidiano um fio condutor apelativo e comum, que é o de aprender e ensinar competências, num cenário estruturante e holístico onde ser pessoa é ser tolerante, flexível, crítico, e é, também, ser capaz de desempenhos ajustados à exigência de uma sociedade global multidiferenciada, que apela a saberes mobilizáveis, conhecimentos reais e instrumentais, muito para lá da simples informação trazida pelos conteúdos, em si mesmos redutores e simplistas.”

    ou ainda:

    “No clube de futebol desejável, direcção, técnicos e jogadores encontram no seu quotidiano um fio condutor apelativo e comum, que é o de aprender e ensinar competências, num cenário estruturante e holístico onde ser pessoa é ser tolerante, flexível, crítico, e é, também, ser capaz de desempenhos ajustados à exigência de uma sociedade global multidiferenciada, que apela a saberes mobilizáveis, conhecimentos reais e instrumentais, muito para lá da simples informação trazida pelos conteúdos, em si mesmos redutores e simplistas.”

    Este discurso é, como se constata, de “largo espectro”, “útil” e “instrutivo”.
    O problema é que esta respeitável senhora, que tão bem domina as “ciências ocultas” é professora titular! Estará este “excesso de erudição” correlacionado com a posição da nossa escola na UE?

    Gostar

  21. 12 Maio, 2008 14:10

    “Mas querem apostar comigo que lendo esta senhora muitos professores se revem nela?”

    Não sei. Espero que muito poucos. Mas sem dúvida que o texto poderia ser usado para testar o estado de saúde mental da “comunidade educativa” (deliciosa expressão). Quem for capaz de o ler sem desatar a rir precisa de apoio psiquiátrico urgente. Para quem for capaz de escrever um texto semelhante já não há nada a fazer, até porque essa pessoa já deverá estar nos altos quadros do ministério ou de uma escola de educação, traçando objectivos e normas para avaliar professores.

    Gostar

  22. roídodefundo permalink
    12 Maio, 2008 14:17

    Estes textos estão tão bem elaborados que mesmo trocando os termos o sentido pouco se altera.

    Na escola desejável, alunos e professores encontram no seu quotidiano uma sociedade global multidiferenciada pelos conteúdos, onde ser pessoa é ser tolerante, flexível, crítico, e é, também, ser capaz de aprender e ensinar conhecimentos reais e instrumentais, muito para lá da simples informação trazida por um fio condutor apelativo e comum, em si mesmos redutores e simplistas de competências e desempenhos ajustados à exigência ,que é o que apela a saberes mobilizáveis, num cenário estruturante e holístico.

    Gostar

  23. 12 Maio, 2008 14:23

    Acho indecente que haja tão poucas vozes a apoiar tão douta professora. Mas vai uma apostinha que, para lá deste discurso, ela tem uma prática das mais empedernidamente burocráticas?

    Gostar

  24. 12 Maio, 2008 14:37

    Caro José,
    Não sou professor, nem seu aluno.
    Nem tenho a presunção de catalogar comentadores em inteligentes ou imbecis.
    Quando uma frase é construida por 76 palavras (citada no post), só pode ser considerada incontinência verbal.
    Há quem lhe chame diarreia.

    Gostar

  25. Lololinhazinha permalink
    12 Maio, 2008 14:54

    Vocês são especialistas na arte de mal dizer, caramba. Um texto tão lindo!
    Se calhar a senhora até é professora de filosofia!

    Gostar

  26. Lololinhazinha permalink
    12 Maio, 2008 14:56

    ~”Quando uma frase é construida por 76 palavras (citada no post), só pode ser considerada incontinência verbal.”

    Piscoiso,

    Olhe que foi por essas e por outras que o saramago ganhou o nobel.

    Gostar

  27. 12 Maio, 2008 15:01

    Lololinhazinha

    Lembrei-me de si. Na próxima sexta-feira arranjo-lhe um quiz.

    Gostar

  28. J.Pereira permalink
    12 Maio, 2008 15:10

    “Aldrabo,logo…ensino.” Lema do “ensino” oficial portuga dos últimos 30 anos – mais coisa ,menos coisa.

    Vivó Regime!

    Gostar

  29. Lololinhazinha permalink
    12 Maio, 2008 15:12

    jcd,

    Vou cobrar isso. Sou tarada por quiz!

    Gostar

  30. 12 Maio, 2008 15:13

    Mas que imbecilidade… LOL

    Gostar

  31. Pi-Erre permalink
    12 Maio, 2008 15:18

    Safa!… Com textos destes prefiro ler o Alcorão.

    Gostar

  32. Lololinhazinha permalink
    12 Maio, 2008 15:29

    Pi-Erre,

    Mas sabe que o corão até se lê muito bem. E tem partes (acho que a palavra certa é suras) bastante divertidas para quem não tem que viver de acordo com o que está lá escrito. Pena não haverem boas traduções para português de portugal do corão.
    É… já li pior.

    Gostar

  33. J.Pereira permalink
    12 Maio, 2008 17:12

    E ainda nos perguntamos o porquê do atraso(endémico)da paróquia…

    Gostar

  34. Anónimo permalink
    12 Maio, 2008 17:56

    Ai que isto remete-nos para EPC ou, numa de alpinismo metafisico, mesmo Manuel Machado …

    Gostar

  35. 12 Maio, 2008 18:21

    Para Lololinhazinha (32)

    Sobre o nome do livro sagrado do Islão, diz o linguista José Pedro Machado: “Alcorão e não Corão, porque a palavra «Alcorão» entrou e fixou-sena língua portuguesa, à semelhança das palavras «Algarve», «Alcântara», etc.».

    Sobre traduções. Tenho uma do mesmo José Pedro Machado, feita directamente do Árabe. A minha edição, a 2.ª, de 1980, custou 500$00 por volta de 82. Para completar a informação, a obra foi editada pela Junta de Investigações Científicas do Ultramar.

    A tradução não sei se é boa, mas foi validada com um prefácio de Suleiman Vali Mamede e o tradutor é um linguista sério. Pronto, acabou-se a informação.

    Gostar

  36. 12 Maio, 2008 18:32

    Sobre o texto e a adesão dos professores a ele, posso acrescentar que em todas as escolas parece existir um pequeníssimo grupo de iniciados na coisa. Por norma, são olhados com desconfiança pelos outros professores que vêem neles, não sem razão e como Pedro Braz Teixeira nota, uns autênticos burocratas. Sobre a qualidade das aulas deles, enfim… Há imensas narrativas que circulam pelo bas-fond educativo. Felizmente nunca assisti aulas dessa gente.

    Já agora, os iniciados, que se apresentam como titulares vão ser os grandes timoneiros que conduzirão, escola a escola, a magnífica reforma da insigne ministra da educação – aquela que despertou tantos calores e aprovações em certos rostos mais liberais. Portanto, habituem-se, a escola é desses senhores e com o apoio de muita gente que agora se revolta contra este tipo de «língua de pau». Aqueles professores que se opuserem tenazmente contra este tipo de coisas vão ser postos a milhas, ou já foram postos no concurso de profs. titulares, também largamente aplaudido. Já agora, a avaliação de profs é para pôr todos como esta senhora. Não acreditam? Esperam uns meses… É a vida, como dizia o Eng.º Guterres.

    Gostar

  37. 12 Maio, 2008 19:01

    O texto é erudito, incompreensivel.. bom… mau, conforme os gosto. Mas esclarecam-me por favor. Não tem erros de concordancia?

    Gostar

  38. 12 Maio, 2008 23:04

    É incompreensível e literariamente abaixo de mau. Parece-me tudo menos erudito. Assenta exclusivamente no uso de um vocabulário oco, que enquadra este tipo de redacções numa escrita automática de muito mau gosto.

    Gostar

  39. Levy permalink
    12 Maio, 2008 23:39

    “muito para lá da simples informação trazida pelos conteúdos, em si mesmos redutores e simplistas”

    Está tudo dito. Pode-se fazer tudo menos ensinar a matéria, porque isso é redutor e simplista. E não é apelativo. Os meninos maçam-se se lhe dermos a materia, em vez de fazermos essas coisas que essa minha colega titular sugere.

    A unica coisa que lhe posso dizer, é que ainda é pior do que o JCD pensa que é. Basta pegar em 2 documentos: o estatuto do aluno e o curriculo nacional do ensino básico, e verificará que os 2 estão escritos nessa mesma linguagem redonda, pouco objectiva e vazia.

    Gostar

  40. 12 Maio, 2008 23:45

    A senhora professora titular Miriam d’Aço é um exemplo acabado das ESE. Para mim como docente, só tenho uma frase para dizer a essa colega. Faça o favor de estar calada!!!

    Gostar

  41. Anónimo permalink
    13 Maio, 2008 10:58

    Tenho um filho no 11º ano, na àrea das ciências e tecnologias.

    Por vezes tento ajudá-lo na disciplina de Português e tenho muita dificuldade pois o manual também utiliza este tipo de linguagem encriptada e é quase impossível de decifrar. Por vezes não se entende bem que conhecimentos é que aí se pretende transmitir, a matéria é confusa e as perguntas são incompreensíveis. Isto já para não falar de algumas das novas regras gramaticais ou “funcionamento da língua”, muitas também incompreensíveis e de utilidade nula.

    Gostar

  42. Anónimo permalink
    14 Maio, 2008 17:03

    Isto são textos feministas. A autora é também feminista e querem agora por esta linguaguem nas escolas pra ficar tudo às aranhas.

    Miriam Rodrigues Aço — “Quatro Gerações de Diáspora no Feminino: Matrizes Identitárias e Estórias de Vida”
    );

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: