Skip to content

Sócrates

5 Janeiro, 2009

na SIC

1. As estatísticas mostram que o investimento estrangeiro baixou. Sócrates responde com casos particulares vistosos (Repsol em Sines, Pescanova, Ikea etc). Infelizmente estes casos não provam que o investimento estrangeiro aumentou. Apenas mostram que Sócrates é um bom ilusionista.

2. Sócrates diz que o problema do défice externo resulta das importações de energia. E depois diz que resolveu o problema com o investimento em eólicas, energia solar e ondas. Infelizmente, estes investimentos tornam a economia portuguesa menos eficiente, o que implica que apenas transferem o défice externo do sector da energia para o sector da tecnologia.

3. Sócrates acredita que o Estado faz esforços de investimento. Nope. O contribuinte é que faz esse esforço.

4. Não pode salvar todas as empresas …

Sócrates: salvaremos todas as que pudermos.

5. Sócrates diz que salvou a Qimonda porque é uma exportadora tecnológica. É claro que também salvou Aerosoles, que exporta sapatos, e as Pirites que exportava minério.

6. A salvação das Pirites não custou nada ao Estado, excepto a atribuição gratuita de uma nova concessão.

7. Frases da entrevista de Sócrates na SIC

8. Recessão

9. Somos os maiores!

10. O Primeiro Ministro mentiu

11. A entrevista à SIC-Notícias

12. Não fosse o aumento da esperança média de vida…

13. vocabulogia

Anúncios
70 comentários leave one →
  1. 5 Janeiro, 2009 21:09

    Assim que o gajo aparece na tv, mudo logo de canal.
    Da-se!!!

    Gostar

  2. 5 Janeiro, 2009 21:09

    Este tipo não vive no mesmo país que eu de certeza….

    Gostar

  3. 5 Janeiro, 2009 21:11

    Um verdadeiro energúmeno.

    Gostar

  4. 5 Janeiro, 2009 21:12

    João Barros Diz:
    5 Janeiro, 2009 às 9:09 pm

    Eu acho mesmo que o tipo não anda a governar Portugal, mas uma cantinho do país das maravilhas.
    139.000 postos de trabalho? A desonestidade em dose maciça é uma coisa com piada.

    Gostar

  5. 5 Janeiro, 2009 21:16

    Rest In Peace

    Gostar

  6. 5 Janeiro, 2009 21:19

    Quando vejo esse javardão na pantalha
    aptece-me defecar!

    Gostar

  7. A. Padeiro permalink
    5 Janeiro, 2009 21:28

    Quando vejo esse javardão na pantalha
    aptece-me defecar!

    Quando não consigo urinar ponho uma torneira a correr.
    Perante a água a correr, apetece-me urinar.

    Porque será que quando vejo merda a correr se me fecha o cú?
    E ao contrário de si não me apetece defecar?
    Será por defesa?
    Ao pensar em olhos do cú abertos fecho o meu?
    Provo ao mundo que o meu cú não está relaxado, como os que andam para aí sempre a abrir?

    Gostar

  8. 5 Janeiro, 2009 21:29

    Não vejo.

    Não porque me recuse a ouvir Sócrates-O-Pirro(*), mas como vejo e ouço sómente o Canal Parlamento….

    (*) Cognome atribuído por Mr.CAA

    Gostar

  9. henrique permalink
    5 Janeiro, 2009 21:32

    “…vamos lá ver…”; “…se puder falar…”;”…estamos…”;”eu gostaria…”;”presumo…”;”se me permite…”; “…bem…sabem…bem.”.”…só!…”;”…se me der licença…”;”…aahhmmm…”;”…mas, oh…”;”…portugueses…”;”…desculpe…”;”…em primeiro lugar…”;”…não,não!”;”…digo-lhe uma coisa…”;”…ah!muito bem!”;”…já agora digo-vos o seguinte…” e por aí adiante…vai ser assim. e já estou a ver o Ricardo a ter um orgasmo em directo!

    Gostar

  10. 5 Janeiro, 2009 21:36

    “Primeiro o editorial, depois a pergunta.” “Pode responder agora, o banco é seu.”

    Muito bom!

    Gostar

  11. Mr. Hyde permalink
    5 Janeiro, 2009 21:37

    Tu quoque, Sofia!

    Gostar

  12. Anónimo permalink
    5 Janeiro, 2009 21:41

    olha , eu tou a ver ” desafio total”. como ficção é ben mais jeitoso e os actores mais bonitos. nem sei como têm pachorra para filmes série d.

    Gostar

  13. 5 Janeiro, 2009 21:41

    João Miranda, mostre lá onde é que o investimento nas renováveis tornam a economia menos eficiente sff.

    Gostar

  14. 5 Janeiro, 2009 21:41

    estava aqui a ler a internet (com a tv acesa ali ao canto) e a dada altura pensei: aqueles tipos da quadratura do círculo fazem cá uma chinfrineira… quando fui mudar de canal apercebi-me que afinal era o PM e os seus entrevistadores!

    Gostar

  15. JoaoMiranda permalink*
    5 Janeiro, 2009 21:51

    ««João Miranda, mostre lá onde é que o investimento nas renováveis tornam a economia menos eficiente sff.»»

    É fácil: as renováveis são subsidiadas, o que implica que são dos investimentos menos rentáveis que se pode fazer.

    Gostar

  16. ana permalink
    5 Janeiro, 2009 21:54

    O PM está a aguentar-se bem.
    Não sejam ressabiados.

    Gostar

  17. 5 Janeiro, 2009 21:58

    Com todo o respeito Ana, o facto de usar o termo “aguentar” é, em si, sintomático.

    Gostar

  18. 5 Janeiro, 2009 22:03

    “É fácil: as renováveis são subsidiadas, o que implica que são dos investimentos menos rentáveis que se pode fazer”

    É verdade, para já pelo menos, como todas as centrais termoeléctricas que usam combustíveis fósseis o foram, e como as centrais nucleares o são…

    Gostar

  19. 5 Janeiro, 2009 22:06

    Também disse que temos as duas maiores centrais solares do mundo. Na verdade não sabe do que fala: temos a 3ª e 37ª, neste momento!
    Ecotretas
    http://ecotretas.blogspot.com/2009/01/somos-os-maiores.html

    Gostar

  20. 5 Janeiro, 2009 22:13

    O contentamento é tanto, que em todo este bairro as pessoas aumentaram o volume de som das televisões.
    Pelo que fui “obrigado” a ouvir as perguntas e as respostas.

    “Aguentou-se”. Para um peso-leve da política lutando num ring acéfalo e anestesiado, contra “ousados” entrevistadores, não esteve mal.

    Diz a padeira deste bairro: “as pessoas que aparecem na televisão têm sempre valor”. Nem mais, Miss Verónica Magalhães de Telles Albarroada.

    Gostar

  21. Zenóbio permalink
    5 Janeiro, 2009 22:14

    Não lamento o tempo de antena porque já não há pachorra para ver o animal. Lamento apenas a triste figura dos pseudo jornalistas.

    Gostar

  22. JoaoMiranda permalink*
    5 Janeiro, 2009 22:14

    ««É verdade, para já pelo menos, como todas as centrais termoeléctricas que usam combustíveis fósseis o foram, »»

    As termoeléctricas já existentes são custo afundado.

    Ninguém obriga o Governo a subsidiar as termoeléctricas futuras. Se isso não chega para rentabilizar as eólicas, então é porque elas tornam a economia mais ineficiente.

    Gostar

  23. 5 Janeiro, 2009 22:18

    O casos bancos roubados, agricultura e Manuel Alegre, é que quase o levaram ao tapete !

    Uma entrevista “anormal” para um peso-leve político normal.
    (Oportuna após as duas intervenções de Cavaco Silva).

    Gostar

  24. Zenóbio permalink
    5 Janeiro, 2009 22:25

    Foi pena o Sócrates não ter como entrevistadores o Medina Carreira e o Sousa Tavares. Dá para imaginar?

    Gostar

  25. Levy permalink
    5 Janeiro, 2009 22:30

    Teve a lata de dizer que retirou as notas atribuidas aos alunos da avaliação dos professores, porque “esse trabalho não estava pronto”.
    Ora se há coisa que está pronta nas escolas são as notas dadas pelos professores aos alunos.
    Tentaram por isso em lei, tentaram condicionar as avaliações dos alunos pela dos professores, tudo a bem da estatística. Essa é que é a verdade que ninguém lhe disse.

    Também acho estranho que o 1º ministro diga que as contas públicas estão em ordem com 3% de deficit. As contas só estão em ordem quando o deficit for 0%. Porque é que ninguém lhe diz isto?

    Gostar

  26. 5 Janeiro, 2009 22:33

    Zenóbio,

    Imaginemos….
    Imaginemos que uma estação de TV anunciava cinco ou seis dias antes, uma entrevista ou debate Medina Carreira vs “menino de ouro do PS”… Alcançaria um dos maiores shares das televisões em Portugal.

    Gostar

  27. rxc permalink
    5 Janeiro, 2009 22:35

    Nuno Abrantes, a energia produzida por certas fontes renováveis (eólica, solar) é muito mais cara, sendo o seu custo pago por subsídio de todos nós, além de que não são verdes a 100% (e.g. produção de painéis fotovoltaicos). Apostar hoje “à doida” em tecnologia ainda não provada, e com uma densidade energética muitíssimo baixa, é no mínimo arriscado. Ver o caso da famosa energia das ondas, que deve ter um custo por habitação várias vezes superior às casas que vai fornecer. Mas fica bonito, é moderno e progressista.
    Já a eficiência energética, o outro braço da balança, resume-se à distribuição avulsa de lâmpadas compactas (que são altamente poluentes, devido ao mercúrio que contêm). Veja o que se faz na Finlândia e noutros países, com fontes alternativas e com um custo economicamente racional. De notar que continuamos a ser dos países que pior utiliza a energia a nível europeu. Valha-nos a hídrica, que continuamos a aproveitar enquanto pudermos.

    Pena que os entrevistadores o tenham deixado escapar quando não lhes respondia às perguntas e se prolongava em propaganda barata, em jeito de auto-elogio. E tão pragmático que ele é, esbanjando alegremente o dinheiro dos outros, assente em…teoria keynesiana de intervenção estatal! Afinal o jeitoso também gosta da teoria.

    Gostar

  28. Raskolnikov permalink
    5 Janeiro, 2009 22:35

    Ana 16:

    Por favor, não seja a Ana ressabiada: nem o Primeiro-Ministro se aguentou; nem os portugueses o aguentam mais!

    Gostar

  29. agonia permalink
    5 Janeiro, 2009 22:47

    Ana 16, quem se vai ter que aguentar somos nós.

    Gostar

  30. ourição permalink
    5 Janeiro, 2009 22:55

    A palavra chave da entrevista que saltava a todo o instante foi “DESCULPE”. Hipocrisia balofa porque o energúnemo nunca pensou nem pensará que vai ter de pedir desculpa a ninguém.
    O estribilho chave de sempre foi a “MENTIRA”, como exemplo o alegado “bota abaixo” da oposição. A cabecinha não entende as propostas feitas pelos respectivos partidos ao longo da legislatura. Ou é surdo, ou de compreensão lenta. Tendo em vista o seu precurso académico é fácil perceber. Não tem remédio.

    Gostar

  31. 5 Janeiro, 2009 22:56

    “As termoeléctricas já existentes são custo afundado”

    Não é completamente verdade, o rendimento das centrais termoélectricas mais antigas é significativamente mais baixo que as mais modernas o que se traduz em ineficiências (que é igual a dinheiro mal gasto em combustível fóssil).

    Adicionalmente, se considerarmos o ciclo dos combustíveis fósseis desde a extracção até à sua utilização final para produção de electricidade, verificamos que as externalidades são muito superiores às geradas pela geração de electricidade a partir de fontes renováveis, o vento por exemplo.

    Adicione-se ainda o facto de, actualmente, Portugal ser um país produtor de várias componentes dos aerogeradores, e a afirmação inicial do João Miranda (“Infelizmente, estes investimentos (em renováveis) tornam a economia portuguesa menos eficiente”) torna-se, no mínimo, muito discutível….

    Gostar

  32. a prima permalink
    5 Janeiro, 2009 23:00

    E no dia em que a qimonda for à vida, segundo especialistas na matéria não estará longe disso, apesar do reforço de capital?

    Gostar

  33. lica permalink
    5 Janeiro, 2009 23:02

    quando ele acabou de falar eu descarreguei o autoclismo

    Gostar

  34. José permalink
    5 Janeiro, 2009 23:02

    Entrevista toda aqui, comentada. Uma entrevista tipo intervenção quinzenal na AR.

    Um par de jornalistas incapazes de lhe perguntarem directamente: foi o Balsemão quem lhe pediu para salvar o BPP?

    Pergunta inevitável,mas evitada.

    Gostar

  35. José permalink
    5 Janeiro, 2009 23:05

    Este PM passeia-se nas entrevistas. Evita as perguntas difíceis, não lhes responde directamente e cria factores de diversão quando as respostas se apresentam inevitáveis.

    Não adianta mais entrevistas deste género. Adiantam factos. E factos e mais factos.

    E eles vão chegar, não demora nada.

    Gostar

  36. José permalink
    5 Janeiro, 2009 23:06

    Este tipo não tem remédio, de facto. Só a empurrão sairá do Governo. E à força.

    Gostar

  37. Anónimo permalink
    5 Janeiro, 2009 23:07

    .
    Quantos anos dura um aerogerador ou uma placa solar ? Quantos anos dura uma barragem hidroelèctrica antes de ir para o lixo ?

    Gostar

  38. JoaoMiranda permalink*
    5 Janeiro, 2009 23:13

    ««Não é completamente verdade, o rendimento das centrais termoélectricas mais antigas é significativamente mais baixo que as mais modernas o que se traduz em ineficiências (que é igual a dinheiro mal gasto em combustível fóssil).»»

    Se forem piores que as eólicas, então as empresas de energia não precisam de subsídios para as substituir por eólicas.

    ««Adicionalmente, se considerarmos o ciclo dos combustíveis fósseis desde a extracção até à sua utilização final para produção de electricidade, verificamos que as externalidades são muito superiores às geradas pela geração de electricidade a partir de fontes renováveis, o vento por exemplo.»»

    Se é assim, então o governo devia cobrar pelas externalidades.

    ««Adicione-se ainda o facto de, actualmente, Portugal ser um país produtor de várias componentes dos aerogeradores,»»

    Esses projectos foram impostos aos produtores. Não resultam de uma vantagem competitiva do país.

    Gostar

  39. 5 Janeiro, 2009 23:17

    Sobre a possibilidade de criação de um novo partido (Alegre), nicles, o PM jogou para canto!

    Gostar

  40. Levy permalink
    5 Janeiro, 2009 23:20

    MIGUEL PORTA DÁ UMA LIÇÃO NOS PRÓS E PRÓS

    Gostar

  41. José permalink
    5 Janeiro, 2009 23:24

    Miguel Portas disse o que deve ser dito, agora mesmo: em primeiro lugar é preciso saber em que crise estamos.

    Gostar

  42. Ruben permalink
    5 Janeiro, 2009 23:24

    Sem surpresa, continua muito atrazado ao ritmo da ampulheta que avisou que a Crise nunca chegaria a Portugal e que a Recessão não atingia o “oàsis” quando já cá estava em força

    Se há no Governo capacidade de previsão e informação de nivel só tem que assumir a DEFLAÇÃO / DEPRESSÃO e sobre ela programar e agir. O resto é demagogia e insucesso completo.
    .
    Já em todo o lado se sabe que os bailouts à Banca falharam excepto na parte de garantia dos depositos e poupanças dos Cidadãos em termos provisórios. Está tudo descalço sem Plano B depois de ter queimado o arsenal.
    .

    Gostar

  43. 5 Janeiro, 2009 23:36

    “Se forem piores que as eólicas, então as empresas de energia não precisam de subsídios para as substituir por eólicas”

    Não são as empresas de energia, são os impostos.

    “Se é assim, então o governo devia cobrar pelas externalidades”

    Pois devia, mas não estou certo que não o faça já.

    “Esses projectos foram impostos aos produtores. Não resultam de uma vantagem competitiva do país”

    Não é uma questão de “resultar de uma vantagem”, mas sim, resultar numa vantagem. Veja-se como exemplo positivo o que a Espanha fez com a indústria automóvel em termos de regulação proteccionista, o que lhe permitiu ter um conjunto de fornecedores muito fortes no sector, e mesmo uma marca própria de sucesso – Seat.

    Gostar

  44. mussulo permalink
    5 Janeiro, 2009 23:43

    Ouvidos de mercador
    “Portugal está na cauda da Zona Euro. Perdeu poder de compra entre 2005 e 2007 e já foi ultrapassado por Chipre, Eslovénia, Malta e República Checa, que só integraram a União Europeia em 2004. A distância em relação ao poder de compra de outros novos Estados-membros, como a Eslováquia, Polónia e Lituânia, é cada vez mais curta.” João Cândido da Silva (j. Negócios).
    Eh pá vocês tugas ainda têem que vir até cá lavrar as fazendas que deixaram abandonadas depois dos soldados terem fugido de cá.

    Gostar

  45. 5 Janeiro, 2009 23:49

    Neste preciso momento, há estas questões que não compreendo:

    1 – Porque é que os padres pecam e confessam pecadores;
    2 – Porque é que os médicos curam e morrem;
    3 – Como foi possível o meu SLBenfica, depois de VAzevedo, ter como presidente o Vieira;
    4 – Porquê o triste destino dos portugueses ao terem depois de Santana, o Sócrates como PM.

    Gostar

  46. JoaoMiranda permalink*
    5 Janeiro, 2009 23:54

    ««Não é uma questão de “resultar de uma vantagem”, mas sim, resultar numa vantagem. »»

    Não está a perceber. Um país não tem qualquer interesse em manter actividades em que não tenha vantagens competitivas. Portugal não tem vantagem competitiva no sector da construção de eólicas. Se tivesse, as fábricas teriam aparecido muito antes de o governo as tornar obrigatórias nos concursos dos parques eólicos.

    ««Veja-se como exemplo positivo o que a Espanha fez com a indústria automóvel em termos de regulação proteccionista, o que lhe permitiu ter um conjunto de fornecedores muito fortes no sector, e mesmo uma marca própria de sucesso – Seat.»»

    Claro que quem acredita no proteccionismo acreditará em qualquer indústria que aparente ser bem sucedida, mesmo que dependa de subsídios. É sempre possível subsidiar uma indústria até ela se tornar viável. Isso dificilmente é uma prova de qualidade do tecido económico. É sim um sinal de que existem actividades mais produtivas que estão a subsidiar a industria protegida.

    Gostar

  47. José permalink
    5 Janeiro, 2009 23:55

    O Sócrates tem boa onda, porque ninguém as agita.

    Fica tudo pelas meias palavras, pelo paleio de enrolar e nunca vão directo ao sumo das questões.

    Gostar

  48. 5 Janeiro, 2009 23:56

    1. Prova que são tão poucos os exemplos significativos que os sabe de cor.

    2. Metade das importações de energia são combustíveis. O resto resolvia-se com uma nuclear, mas não é esse o lobby vigente.

    3. Quem é o Estado?

    4. Ora aí está uma maneira de desincentivar o empreendorismo de que eu nunca me iria lembrar.
    Será ainda tarde para criar uma empresa na hora insolvente?

    7. Bom ou mau, o que interessa é pagar juros! E adiar os problemas para depois das eleições

    8. O raciocínio do ano de 2008 terá de ser este:
    Manuel Pinho diz que “o Banco de Portugal prevê uma desaceleração do crescimento em Portugal bastante menor que em vários países europeus que estão à beira de uma recessão”.

    Manuel Pinho exemplificou com os casos de Espanha e do Reino Unido.

    9. Areia para os olhos…

    10. Nada de novo, nada de anormal. O outro é que é capaz de ficar chateado…

    11. O circo do costume. Deviam ter levado o Louçã, aí é que era o pandã total.

    Isto vai acabar mal…

    Gostar

  49. José permalink
    6 Janeiro, 2009 00:04

    O watchdog em serviço de vigilância à oposição, sempre na causa dele, já comentou. Acha que o PM não esteve tão bem no seguinte ( mas no geral esteve, claro):

    “b) Obras públicas – faltou sublinhar que (i) a maior parte das grandes obras públicas (aeroporto, estradas, TGV) são financiadas essencialmente pelo investimento privado, que (ii) se pagarão em grande parte a si mesmas e que (iii) é justo que as gerações futuras compartilhem dos seus custos porque também beneficiarão delas.
    c) Avaliação dos professores – pareceu-me haver menos firmeza na sua determinação para levar a cabo esta reforma.
    d) Eventual coincidência da data das eleições legislativas e locais – não pareceram fortes os argumentos contra, quando comparados com os argumentos a favor.

    Gostar

  50. 6 Janeiro, 2009 00:06

    Desculpem, mas também já tenho 2 candidatos a frase do ano para 2009.

    “Fazer um esforço para salvar empresas que estão em dificuldades mas têm viabilidade económica”

    e

    “Quero a maioria absoluta, é disso que o país precisa”

    Gostar

  51. 6 Janeiro, 2009 00:16

    H.Ramos, 49 e 50

    Muito bem os seus realces às respostas do “6º Mais Elegante do Mundo”.

    Eu já nem quero memorizar, o que o “Zé faz falta”-PM(*) diz…
    Conheço-lhe “a pinta”: um peso-leve da política com pauta diária, em terra de anestesiados e orgulhosamente auto-ignorantes…

    (*) Quer mais uma maioria absoluta…

    Obs: Por onde andam, nesta noite e no Blasfémias, os acérrimos defensores e apparatchiks do “menino de ouro do PS” ?

    Gostar

  52. Anónimo permalink
    6 Janeiro, 2009 00:21

    Grandes comentários ressabiados.
    É só rir.

    Gostar

  53. 6 Janeiro, 2009 00:23

    “Não está a perceber. Um país não tem qualquer interesse em manter actividades em que não tenha vantagens competitivas. Portugal não tem vantagem competitiva no sector da construção de eólicas. Se tivesse, as fábricas teriam aparecido muito antes de o governo as tornar obrigatórias nos concursos dos parques eólicos”

    Estou a perceber, estou. O problema está no facto de não vivermos num mercado perfeito. Todos os estados, mesmo os mais liberais protegem as suas empresas. Veja-se o “plano Barroso” de combate á crise. Vejam-se as medidas proteccionistas que os EUA já tomaram e que com Obama vão reforçar. O problema é que o mundo não é liberal, e não pode ser um país de 10 milhões de habitantes a liderar pelo exemplo neste aspecto. Não durávamos 5 minutos na selva…

    Gostar

  54. 6 Janeiro, 2009 00:29

    Ao que eu escrevi no comentário 46,
    acrescento outra minha não compreensão:
    — Porque é que os advogados mediáticos fazem-se acompanhar por vistosas assistentes louraças e normalmente apetitosas ?

    Gostar

  55. 6 Janeiro, 2009 00:34

    53,

    Ria-se á-vontade !

    Por mim, desde uma magnífica ceia com amigos após a passagem de ano, bem longe deste “sítio”, que não me ria tanto como hoje, ao escutar algumas afirmações e ver estudados trejeitos do “6º Mais Elegante do Mundo”…

    Gostar

  56. 6 Janeiro, 2009 00:34

    Mas isto é tão geral como a propalada crise… Vê-se o sr. Rui Rio a desviar-se da Educação com a Justiça, outros fazem o contrário, as crises económicas e falcatruas diversas disfarçam-se com guerras mais velhas que o ir à mata e gripes das aves ou então não… e enquanto falamos em aquecimento global neva em Las Vegas.

    Gostar

  57. Textículos permalink
    6 Janeiro, 2009 00:34

    Num plano privado, mediático e também político a argumentação deveria cumprir as seguintes premissas.

    Tem de ser verdadeira e sem omissões; clara e directa; éticamente inquestionável; credível e aprovada no teste do ridículo; e não poderá regressar para nos atormentar.

    Juntar tudo é uma singularidade complicada. E ou se está consciente deste risco, ou se faz uma ideia da coisa ou é-se o idiota útil.

    Gostar

  58. JoaoMiranda permalink*
    6 Janeiro, 2009 00:34

    «« O problema está no facto de não vivermos num mercado perfeito. »»

    Esse problema não melhora com medidas proteccionistas. Só piora.

    ««Todos os estados, mesmo os mais liberais protegem as suas empresas.»»

    É um erro. A forma mais inteligente de responder a isso é não subsidiar nada, o que até nos permitiria beneficiar dos subsídios pagos pelos outros via importações.

    «« Veja-se o “plano Barroso” de combate á crise.»»

    Uma asneira. Como é que uma crise de excesso de crédito se pode resolver com medidas que geram endividamento?

    «« Vejam-se as medidas proteccionistas que os EUA já tomaram e que com Obama vão reforçar.»»

    Outra asneira.

    ««O problema é que o mundo não é liberal, e não pode ser um país de 10 milhões de habitantes a liderar pelo exemplo neste aspecto. Não durávamos 5 minutos na selva…»»

    Se os outros não são liberais, só se prejudicam a si próprios. Quem for liberal adquire uma vantagem competitiva.

    Gostar

  59. André permalink
    6 Janeiro, 2009 00:36

    Quando olho para trás penso que só pode ter havido um motivo para José Sócrates ter ganho por maioria absoluta: O mito de Sebastianismo esta bem presente na cabeça dos idosos…. ah e tal D. Sebastião vai voltar e salvar o nosso povo.

    O que será que viram nele ? Juventude, Esperança…

    Gostar

  60. 6 Janeiro, 2009 00:39

    “Se os outros não são liberais, só se prejudicam a si próprios”

    O “orgulhosamente sós” não nos trouxe grandes resultados no passado…

    Gostar

  61. ... permalink
    6 Janeiro, 2009 05:36

    Nuno Abrantes Diz:
    6 Janeiro, 2009 às 12:39 am

    “O “orgulhosamente sós” não nos trouxe grandes resultados no passado…”

    O orgulhosamente sós do passado não presta, mas o orgulhosamente sós do proteccionismo já funcionaria?

    Gostar

  62. ... permalink
    6 Janeiro, 2009 05:57

    Além disso, acha que é uma vantagem competitiva andarmos a pagar energia N vezes mais cara que os nossos concorrentes que continuam a usar o petróleo? Qual o passo seguinte? Boicote às mercadorias que escorrem carbono, o mais recente poluente que conhecemos (antes até dava jeito, agora é poluente, pelos dislates que por aí se ouvem)?

    Eólicas, algumas solares e ondas são brincadeiras com que alguns se entretêm com dinheiro alheio, sem o qual essas brincadeiras nunca teriam existido. A tecnologia que torna algumas delas verdadeiramente eficientes só agora está a aparecer. Entretanto, milhões foram deitados ao lixo estimulados por mentiras quando podiam ter sido usados em investigação séria. Quem é que acha que suporta a rede eléctrica nos dias em que não há vento ou nos dias de ondas de 1 cm? Talvez seja o que se queima em Abrantes e o que se fissa na Espanha, não contando com as hídricas, que infelizmente não são suficientes…

    Falem em verdadeiras alternativas, nuclear, fusão fria ou quente, solar eficiente, as novas descobertas em redor da electrólise, Nikola Tesla, o eterno esquecido. Eólicas? Ondas? Sinceramente… Só se servirem mesmo para encher as barragens com a água que delas sai, a única aplicação excelente que elas têm…

    Gostar

  63. rxc permalink
    6 Janeiro, 2009 09:41

    José, o TGV vai-se pagar a si próprio? Quanto muito, os custos de exploração serão compensados pelas receitas com os utentes, chegando para não dar prejuízo anualmente.

    Em relação aos planos milagrosos, engendrados por aqueles que não faziam a mínima ideia que vinha aí esta crise (ou se calhar faziam, mas pensavam que podiam passar entre os pingos da chuva e empurrar a batata quente mais uns anos), parece que basta enunciá-los para que os objectivos fiquem automaticamente concretizados com sucesso! Vejamos se a realidade não vos prega uma partida.

    Gostar

  64. 6 Janeiro, 2009 10:28

    Sócrates não é ilusionista, bom comunicador ou blá blá… é MENTIROSO.
    Tem uma lata descomunal para mentir, com uma cara de quem está a sofrer muito do sacrificio que tem feito para salvar os portugueses….

    Enfim… patético

    Gostar

  65. José permalink
    6 Janeiro, 2009 10:51

    “Sócrates não é ilusionista, bom comunicador ou blá blá… é MENTIROSO.”

    Desde o caso do diploma que isso é notório. Alguém com poder real, se importou, de modo a correr com um mentiroso contumaz?

    Não. Todos desvalorizaram. Alguns ( Balsemão) colhem agora os frutos.

    Gostar

  66. Anónimo permalink
    6 Janeiro, 2009 11:08

    “Infelizmente, estes investimentos tornam a economia portuguesa menos eficiente, o que implica que apenas transferem o défice externo do sector da energia para o sector da tecnologia.”

    Ao ler as opiniões de JM fico sempre com a ligeira impressão que o domínio das matérias é fraquito. Há que estudar mais meu caro.

    Gostar

  67. 6 Janeiro, 2009 15:48

    também não suporto o homem, só de olhar enoja-me e o q mais me irritou ontem foi que ele nem deixava os jornalistas fazer as suas perguntas à vontade!!!

    Gostar

  68. joão cunha permalink
    6 Janeiro, 2009 22:12

    Este pseudo eng. é a maior fraude política de todos os tempos.Porque é que não se ouvem agora frases do tipo: “Obsessão pelo défice” ou “há mais vida para além do défice”. Uma vergonha mentirosa

    Gostar

  69. Tolstoi permalink
    6 Janeiro, 2009 23:53

    Gostei quando O PM justificou opções com os estudos existentes, pois é, também existiam estudos sobre a OTA, o que não existiam era estudos que comparassem diferentes alternativas, quando tal foi feito a OTA perdeu. Os Portugueses contribuintes vão ter de pagar as opções politicas do investimento público de Sócrates
    pelo que são parte interessada, normalmente quem paga, dita as regras, aqui quem paga corre o risco (perante más opções) de ter de pagar mais. A opção cimento é já clássica e esgotada, parece que uma linha estratégica para a organização dos sectores na tão apregoada economia real, não surge. Enfim se não surgir alternativa a este PS posso sempre emigrar.

    Gostar

Trackbacks

  1. O Primeiro Ministro mentiu « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: