Saltar para o conteúdo

Judeu não entra *

27 Fevereiro, 2009
by

«A tenista Shahar Pe’er não participou num torneio internacional de ténis. Não por escolha sua. Não estava lesionada, nem mesmo tinha uma simples constipação: o torneio era no Dubai e as autoridades dos Emirados recusaram-se a emitir o visto que lhe permitiria entrar no país.
Ou seja, Shahar não pôde jogar o torneio porque é judia. Só isso.
Se esta exibição de ódio tivesse outro alvo, se Shahar fosse árabe, preta ou de outra minoria do catálogo tido e aceite pelo ‘politicamente correcto’, imagine-se o berreiro que existiria! Mas Shahar é judia e quase todos se calaram.
Agora o americano Andy Roddick, sozinho, pôs-se ao lado de Shahar e boicotou o torneio do Dubai. Não gosto de ténis mas o jogo de Roddick é também o meu. Já somos dois.»

* CM, 25.II.2009

40 comentários leave one →
  1. Luis Moreira permalink
    27 Fevereiro, 2009 11:19

    É bem verdade, caro CAA, a luta a favor das minorias é do mais sectário que há!Justa mas sectária!

    Gostar

  2. Euroliberal permalink
    27 Fevereiro, 2009 11:24

    Os atletas palestinianos estão impedidos há décadas de participarem em competicões internacionais pelas autoridades sionistas que controlam os guettos em que estão internados. Por que é que uma criminosa de guerra das SS Tsahal devia ter tratamento diferente ?

    Gostar

  3. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2009 11:39

    a versão traduzida está com 2 dias de atrazo. a dona elena já tinha bostado essa coisa. só entra quem eu quero e depois qual é o problema? tão chateados. sai subscrição para fazer muro à volta
    do dubai. deixem de comprar gasoil. façam bombardeamento preventivo que os gajos passam a ter mais respeito.

    Gostar

  4. 27 Fevereiro, 2009 11:57

    A minha questão é tão somente: O silêncio em volta deste (muito infleiz) incidente acontece porque a jogadora é judia ou porque o Dubai é produtor de petróleo ou um dos grandes players em real estate (que me lembre os avisos da HRW também caíram em saco roto)?

    Gostar

  5. dói muito? isso passa permalink
    27 Fevereiro, 2009 11:58

    Ai..ai…que o rabino CAA não se cansa de fazer de Israel vitima e de nós todos parvos. Se a tenista fosse da Alemanha nazi também ficava à porta, caro rabino. Percebeu agora? E, pelos vistos, não mataram a tenista nem lhe destruiram a casa e a família toda.

    Gostar

  6. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Fevereiro, 2009 12:01

    Muito bem.

    Vão comer merda no Burj Al Arab.Nazistas nojentos , imperialistas asquerosos.

    As dificuldades que o mundo passa por causa de uns filhos da puta comedores de tamaras que nunca trabalharam na vida a viver do pitrole , filhos e netos de esclavagistas nojentos e de ladrões celerados … que nunca acrescentaram nada de positivo ao mundo … que vivem e exploram o resto do mundo com um cartel nojento … sim ou não é ? se fosse cá censurava-se o cartel como nunca , se fosse um cartel ianque era vilipendiado de cima abaixo … agora como é constituido por ladrões que nunca trabalharam e vivem em palácios de marmore e vivem no deserto não há censura a fazer…fica mal .

    E ainda temos que gramar os odiozinhos de estimação caseiros ao melhor estilo sporting-benfica entre nós … estilo comentario 2 … o que interessa é contrariar, mesmo que se saiba que não tem razão nenhuma .

    ora …

    Gostar

  7. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Fevereiro, 2009 12:02

    e o 4 já agora

    Gostar

  8. honni soit qui mal y pense permalink
    27 Fevereiro, 2009 12:11

    o que nos divide é que nos vai tramar

    ou Bin Ladem dixit :

    o que vos divide bem nos vai ajudar

    Gostar

  9. 27 Fevereiro, 2009 12:16

    Se estivermos atentos e solidários, ganharemos a luta, tal como aconteceu em 1945.

    Gostar

  10. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2009 14:10

    CAA,

    Com toda a simpatia que tenho pelos seus pontos de vista, lembro-lhe que os Israelitas judeus, não são uma minoria perseguida. Detêm as alavancas económicas e politicas em países como os EUA, Argentina e França. São um Estado beligerante e colonialista, que se recusa a cumprir as resoluções da ONU, logo, devem ter um tratamento adequado à sua praxis.

    Gostar

  11. francisco permalink
    27 Fevereiro, 2009 14:22

    Em 2002,o realizador iraniano Abbas Kiarostami não pude entrar no USA (foi-lhe recusado o visto) para apresentar um dos seus filmes num Festival de Nova-Iorque. Em matéria de indignação o CAA é muito selectivo.

    Gostar

  12. Anónimo permalink
    27 Fevereiro, 2009 14:36

    Euroliberal disse

    Por que é que uma criminosa de guerra das SS Tsahal devia ter tratamento diferente ?

    Por aqui se vê a doença perigosa deste indivíduo. Não há ninguém que interne urgentemente este tipo numa ala psiquiátrica ? Shahar Peer cumpriu serviço militar como todos no país pois é obrigatório, serviço que cumpriu em tempo parcial em tarefas administrativas.

    Trate-se !

    Gostar

  13. 27 Fevereiro, 2009 14:44

    A contragosto o Dubai concedeu o visto a Andy Ram que permitou ao isrealita competir no torneio de ténis do emirato, o mesmo não aconteceu com Shahar Pe’er à poucos dias e ficou de fora.

    Daqui a umas semanas disputa-se a eliminatória da Taça Davis entre a Suécia e Israel em Malmo à porta fechada porque as autoridades suecas não garantem a segurança do jogadores, devido às manifestações de extrema-esquerda já anunciadas.

    Gostar

  14. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 14:44

    Abbas Kiarostami não esperou 90 dias para obter o visto. As autoridades americanas após o 11/9 restringiram obviamente as excepções. Aliás, o próprio Abbas Kiarostami admitiu que de facto não tinha mais direitos que qualquer outro cidadão estrangeiro que tente entrar nos US.

    De facto, consegue-se ser muito selectivo.

    Gostar

  15. francisco permalink
    27 Fevereiro, 2009 15:35

    “Kiarostami has faced opposition in the United States as well. In 2002, he was refused a visa to attend the New York Film Festival in the wake of the September 11, 2001 attacks on the World Trade Center.[62][63] Festival director Richard Peña, who had invited him said, “It’s a terrible sign of what’s happening in my country today that no one seems to realize or care about the kind of negative signal this sends out to the entire Muslim world”.[59] Finnish film director Aki Kaurismäki boycotted the festival in protest.[64] Kiarostami had been invited by the New York International Film Festival, as well as Ohio University and Harvard University.” in wikipédia.
    Relativamente às declarações do realizador, como não sou da Mossad não as encontrei!

    Gostar

  16. 27 Fevereiro, 2009 16:31

    Atender às finas subtilezas entre ser-se ‘judeu’ ou ‘israelita’ no contexto do texto e da situação que aí se narra só pode querer significar que se quer ‘compreender’ a atitude das autoridades do Dubai – alinhando no politicamente correcto anti-israleita (ou anti-judeu) – ou, então se está cheio de vontade de desconversar.

    Nas críticas a este texto ainda não vi muito mais do que isso.

    Gostar

  17. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2009 16:33

    “Daqui a umas semanas disputa-se a eliminatória da Taça Davis entre a Suécia e Israel em Malmo à porta fechada porque as autoridades suecas não garantem a segurança do jogadores”

    É só comparar a atitude das autoridades suecas e a covardia e servilismo das nossas autoridades. Alguma vez os Suecos tolerariam o fecho duma rua sem autorização camarária, o controlo agressivo sobre moradores ou passeantes, que a Embaixada de Israel exerce em Lisboa? Só num país de bananas.

    Gostar

  18. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2009 16:39

    CAA,

    Se chama fina à subtileza entre ter direitos completos, ou ser nacional de segunda na sua própria pátria,entendo às mil maravilhas o seu comentário

    Gostar

  19. 27 Fevereiro, 2009 16:46

    CAA,
    em relação ao número de jogadores, peço~lhe o favor de contar com mais um…
    Em relação á maioria dos comentários, percebe-se perfeitamente o porquê da decadência (quase irreversível) do chamado “ocidente”.

    Gostar

  20. Perigoso pró-Israelita permalink
    27 Fevereiro, 2009 16:46

    Repare-se que esse texto não diz porque foi recusado o visto. Na verdade teria que esperar até 90 dias.

    É fácil, basta pesquisar um pouco. Mas eu liberto a Mossad que há em mim (e no google, salon, guardian, etc):

    Officials at the embassy told the festival that they would require at least 90 days to investigate Kiarostami’s background

    Kiarostami – “I certainly do not deserve an entry visa any more than the aging mother hoping to visit her children in the U.S. perhaps for the last time in her life … For my part, I feel this decision is somehow what I deserve.”

    http://dir.salon.com/story/ent/movies/2002/09/27/kiarostami/index.html

    Artists from all over the world are being refused entry to the US on security grounds
    http://www.guardian.co.uk/artanddesign/2004/feb/18/artspolicy.usa

    Says Richard Pena, director of the NYFF and a professor at Columbia University. “Someone like Kiarostami is not just anyone”
    É este o problema, os artistas são tratados como qualquer outro, estavam habituados à excepção…

    Gostar

  21. burns permalink
    27 Fevereiro, 2009 17:25

    euroloberal
    para os palestinianos participarem em provas internacionais teem primeiro que implementarem a prova de atirar pedras ou misseis qassam que é a unica coisa que sabem fazer(felizmente a pontaria é miseravel)
    mande para la o vicente moura e se quiser va tambem com ele
    ps-é lamentavel que os anti-xenofobos de sofa apregoem a xenofobia contra judeus

    Gostar

  22. 27 Fevereiro, 2009 17:29

    “que vivem e exploram o resto do mundo com um cartel nojento … sim ou não é ? se fosse cá censurava-se o cartel como nunca , se fosse um cartel ianque era vilipendiado de cima abaixo …2

    Bem observado, Honni.

    Gostar

  23. alice permalink
    27 Fevereiro, 2009 17:37

    Depois de ler tanta boçalidade racista, anti-semita e pro assassinos bombistas, aproveitadores dos estúpidos europeus que se põem de cócoras ante aos que usam crianças como bombistas. Meu dinheiro nunca irá para esses assassinos. Se pessoas de boa formação ética acham que essa atitude é correcta então que vão morar para lá e deixem que Portugal continue europeu com valores da vida. Quantos desses que destilam tanto ódio mesquinho já viveram com essas culturas e tem a noção de quanto são falsos? Falo por experiência pessoal no trabalho, como tratam as mulheres com completo desrespeito…Conheço e convivi durante anos com os dois lados…

    Gostar

  24. Draguinho permalink
    27 Fevereiro, 2009 18:52

    Tem toda a razão. Eu sectário me confesso.

    Gostar

  25. Confucio permalink
    27 Fevereiro, 2009 21:38

    Só oiço a cambada, hipocritamente, defender os direitos dos palestinianos.
    No outro dia, na laica e democratica Turquia, um deputado curdo cometeu o crime de falar, no parlamento, na sua lingua e vai ser processado. Li não sei onde que Marrocos proibiu os nomes berberes por atentarem contra a identidade marroquina. Então esta gente não é gente? Os Euroliberais cá da praça não se indignam? Que nojo!

    Gostar

  26. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2009 21:45

    Alice,

    Fazia-lhe bem tomar chá. Agora. Lendo o que escreveu, não deve ter tomado em pequena.

    Gostar

  27. 27 Fevereiro, 2009 23:15

    Se todos os tivessem no sítio, deixavam lá os mouros entre eles a enteterem-se com o petróleo. Por mim até o podem beber!!!

    Gostar

  28. Zenóbio permalink
    27 Fevereiro, 2009 23:59

    Confucio,

    E nas liberais, modernas, europeias e democráticas Letónia e Estónia com importantes minorias russas (30-40% da população) que são obrigadas a mudar os nomes sofrendo exclusão social e uma ataque infame à sua identidade cultural e linguistica?

    Gostar

  29. fnv permalink
    28 Fevereiro, 2009 00:34

    Vá lá, vá lá, ainda não foi preciso o Tide Máquina.

    Gostar

  30. 28 Fevereiro, 2009 12:19

    Gostaria de perceber o porque de o meu comentario nao ter sido publicado.
    Democracia? Liberdade de expressao? Livre circulacao de informacao na Internet?
    Moderaçao de comentarios em blogues!????
    VAYA!!!

    Gostar

  31. nuno granja permalink
    28 Fevereiro, 2009 12:42

    Como considero Israel um estado racista onde vigora um apartheid de facto e os atletas sul africanos foram proibidos durante anos de participar em competições por causa do apartheid, não vejo grande diferença relativamente a esta proibição a atletas israelitas

    Não tenho a menor simpatia pelos regimes árabes, e esse sentimento de animosidade aumenta com o grau islámização de cada pais..

    No entanto este facto não me faz esquecer que Israel é um estado ladrão com prática reiterada e quotidiana, de território, recursos e dignidade aos palestinianos. conforme por exemplo está muito bem descrito numa National Geographic Magazine que li à uns poucos de anos.

    A condescendência com os Judeus/Israel que lá porque sofreram o Holocausto, não se lhes pode dizer nada em nome do politicamente correcto irrita-me tanto como a condescendeência com os muçulmanos na europa, provavelmente haverá alguns moderados, mas de onde só vem discursos tipo “mata e esfola os infieis” (e se puderem matam mesmo), enquanto se proibe o deputado holandes Geert Wilders de mostrar o seu Fitna ou entrar em Inglaterra

    A forma como Israel trata os portugueses que em portugal ali para ao lado da Filipe Folque tem o azar de morar perto da embaixada Israelita, dá-nos uma amostra da forma como se devem comportar de redea solta com os palestiniandos

    Gostar

  32. Zenóbio permalink
    28 Fevereiro, 2009 12:47

    Nuno Granja,

    Proponho um abaixo assinado para mudar a Embaixada de Israel para longe de bairros habitacionais.

    Gostar

  33. Zenóbio permalink
    28 Fevereiro, 2009 12:54

    Vivemos na Faixa de Gaza?
    Rua de Lisboa cortada ao trânsito a pedido da embaixada israelita.
    Vizinhos da Embaixada de Israel sentem-se “escudos humanos”. Partidos políticos querem o fim do “bunker” que foi instalado na Rua António Enes, em Lisboa.
    O trânsito cortado na Rua António Enes (cruzamento com a Filipe Folque), baralha as contas dos condutores. Muitos deles ficam alguns segundos no meio da rua a repensar o itinerário. Paragens repentinas que dão origem a buzinadelas. Há também quem estacione em segunda fila, a poucos metros de distância, apenas para observar a diversificada sinalética da rua da embaixada. O sinal de proibição colocado nas cancelas automáticas (uma mão branca sob um fundo vermelho) é o mais ‘sui generis’ e, aparentemente, não está regulamentado em Portugal. Os vários ‘pilares’ antibomba que circundam os vinte metros de asfalto fechados ao trânsito causam também estranheza entre os transeuntes. Curiosidade: servem também de vasos para plantas. “São regados com a água do nosso condomínio, que é paga pelos moradores”, queixa-se Virgínia Barbosa.Os mais condescendentes chamam-lhe “check-point”. Os mais irados preferem usar expressões como “bunker” ou ‘faixa de Gaza’.

    http://pslumiar.blogs.sapo.pt/2008/08/?page=2

    Gostar

  34. Zenóbio permalink
    28 Fevereiro, 2009 17:50

    Euroliberal,

    Um blog não é obrigado a aceitar todos os comentários. O Abrupto, por exemplo, não permite comentários. Muita pachorra tem os pós-neocons do Blasfémias, pessoas como você ou eu, moemos-lhes bem o juízo.

    Gostar

  35. Euroliberal permalink
    28 Fevereiro, 2009 19:26

    Zenóbio: há uma ética no debate político que deve ser aceite quando se aceitam caixas de comentários. Se depois se mantêm os comentários a favor e se apagam os discordantes não há contraditório nem debate. Pior, há uma mistificação de debate, porque as caixas de comentários fazem presumir que este é livre. Sobretudo para liberais…

    Gostar

  36. anti-liberal permalink
    1 Março, 2009 04:29

    Problema:
    Todos nós sabemos que os judeus estão tramados se entrarem em Dubai. Proclamar que eles seriam bem recebidos é mentir descaradamente. Por isso os judeus não põem os pés nesse nem em outros países árabes.
    Os israelitas, também não vão a essas terras de má fé e por uma simples razão: se lá forem é para escaqueirar aquilo tudo e de uma ves por todas. Deixá-los viver em paz nos seus harens e com os seus eunucos euroliberais.

    Nuno

    Gostar

  37. atila VELO permalink
    26 Março, 2009 11:46

    Zenóbio disse

    Com toda a simpatia que tenho pelos seus pontos de vista, lembro-lhe que os Israelitas judeus, não são uma minoria perseguida. Detêm as alavancas económicas e politicas em países como os EUA, Argentina e França. São um Estado beligerante e colonialista, que se recusa a cumprir as resoluções da ONU, logo, devem ter um tratamento adequado à sua praxis.

    Explicou bem, de forma diplomática e racional. Bravo!

    Gostar

  38. Elefant permalink
    19 Setembro, 2009 12:15

    Reflita: As economias asiáticas (China, Japão, Coréia)prosperaram somente porque lá, judeu não entra…

    Gostar

  39. Licas permalink
    5 Janeiro, 2010 21:20

    29.Zenóbio disse
    27 Fevereiro, 2009 às 11:59 pm
    Confucio,

    E nas liberais, modernas, europeias e democráticas Letónia e Estónia com importantes minorias russas (30-40% da população) que são obrigadas a mudar os nomes sofrendo exclusão social e uma ataque infame à sua identidade cultural e linguistica?
    ***************************

    É MESMO MUITA POUCA COISA comparado com a anexação/colonização pela U.R.S.S. no início da 2ª Grande Guerra: o Povo, se não for contrariado, NUNCA ESQUECE.

    Gostar

Trackbacks

  1. Demagogia « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: