Saltar para o conteúdo

Em nome de Caines

9 Julho, 2009

Nos últimos tempos emergiu em Portugal uma nova espécie de economista, o Cainesiano Tuga, que, embora aparentado, pouco tem a ver com o Keyneasiano Clássico. Seguem-se as diferenças:

1. O Keynesiano Clássico compreende que a sua teoria só faz sentido em grandes economias ou em economias fechadas. Defende até que as medidas devem ter um carácter proteccionista para o efeito não se perder para o exterior. O Cainesiano Tuga insiste em aplicar a teoria a uma pequena economia aberta que previamente já tinha um elevado défice comercial. O Cainesiano Tuga é por isso um adepto do estímulo à economia dos parceiros comerciais do seu país.

2. O Keynesiano Clássico defende medidas anti-ciclicas. Defende medidas expansionistas no pico da recessão e medidas contraccionistas no pico da expansão. Defende déficit público na contracção e superavit na expansão. O Cainesiano Tuga defende medidas expansionistas sempre. Durante os períodos expansionistas defende a despesa pública porque há dinheiro para gastar. Durante a recessão defende medidas expansionistas porque, apesar de não haver dinheiro para gastar, “é necessário combater a crise”.

3. O Keynesiano Clássico compreende que as medidas de combate ao desemprego só funcionariam numa economia dominada por trabalhadores indiferenciados. O Cainesiano Tuga quer aplicar a teoria a uma economia com trabalhadores especializados, esperando que as mulheres despedidas no Vale do Ave se dediquem à construção civil no Norte do Alentejo ou que a empresa habituada a fazer prédios de raiz se dedique à reconstrução de prédios históricos no centro das cidades.

4. O Keynesiano Clássico compreende que para a coisa funcionar os estímulos públicos têm que incidir em projectos de curta duração em sectores onde exista capacidade subutilizada. Esta regra é importante de forma a que o estímulo público não compita por recursos com a retoma natural que acabará por acontecer. O Cainesiano Tuga aproveita a oportunidade para defender obras públicas colossais que só poderão começar depois de começar a retoma e que se vão prolongar por vários anos após a crise.

5. O Keynesiano Clássico compreende que o investimento tem que ter retorno. Caso contrário o défice criado com o estímulo público pesará sobre a economia, via impostos, durante o período de retoma. O Cainesiano Tuga aproveita a oportunidade para defender os seus projectos-brinquedo, ou como ele diz, “projectos com retorno social”. “Projecto com retorno social” é um eufemismo para “projecto que só dá despesa”.

6. O Keynesiano Clássico compreende a teoria e consegue discuti-la em detalhe. O Cainesiano Tuga cita Caines, Obama e Krugman (Respeito. Ganhou um prémio Nobel. Vénia, vénia).

7. O Keynesiano Clássico acredita que a economia é uma ciência objectiva sobre a qual é possível falar com rigor. O Cainesiano Tuga é um “economista de esquerda” em luta contra os “economistas neoliberais”.

70 comentários leave one →
  1. Peta permalink
    9 Julho, 2009 09:52

    É só badochas no Blasfémias….

    Gostar

  2. honni soit qui mal y pense permalink
    9 Julho, 2009 10:00

    O Cainesiano Tuga dá pelo nome de zé socrates e sus muchachus do sôcial , em contraponto ao monstro neo-liberal manelita .

    pfff

    Gostar

  3. 9 Julho, 2009 10:06

    Eu acho que o cainesiano Tuga cita, sobretudo, os políticos. Os pontos 6 e 7 resumem o essencial e, a propósito, o que me parece é que o cainesiano Tuga sofre do mesmo défice de competências matemáticas que afecta a população portuguesa escolarizada, em geral.

    Gostar

  4. 9 Julho, 2009 10:19

    Clap, clap, clap.

    Na mouche.

    Gostar

  5. 9 Julho, 2009 10:22

    Muito bem.

    Gostar

  6. Basico permalink
    9 Julho, 2009 10:31

    Muito bom.

    Particularmente relevante é a total incapacidade da generalidade dos defensores destas politicas em discutir a teoria em detalhe (nenhum economista o fez), nem porque é que a aplicacao das teorias “cainesianistas” nao funcionaram no passado em Portugal, já que andamos nesta lenga lenga ha 25 anos.

    Mais interessante ainda é ver o impacto do nosso ensino superior de segunda. Quando a ciencia economica que um país inteiro cita é um economista dos anos 30, ignorantes de tudo o que foi escrito posteriormente, é o sintoma da total irrelevancia do ensino da economia em Portugal.

    Gostar

  7. 9 Julho, 2009 10:40

    Bem visto e melhor revelado.

    Gostar

  8. Basico permalink
    9 Julho, 2009 10:59

    E enquanto em Portugal as comissoes de inquerito queriam fazer do Dr Constancio um bode espiatorio, nos EUA:

    SEC’s Richards Leaving After Unit Missed Madoff Fraud

    “Ms. Richards has worked hard over the years,” said former SEC Commissioner Edward Fleischman, now a senior counsel at the Linklaters law firm in New York. “Her resignation allows the newly cleansed and baptized SEC to say, ‘If there was anything wrong done on our part, those people are gone.’”

    http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=aTMjGQVtAdA8

    Gostar

  9. José permalink
    9 Julho, 2009 11:25

    A língua de caines é a nova língua de trapo dos tradicionais socialistas que nunca sabem onde se devem colocar para definir opções económicas de Estado. Com apetência permanente para o expansionismo do Estado, porque tal o devem à Esquerda clássica, quando dão com os burros na água, viram para o lado oposto e destam a privatizar.

    Mas sempre apoiados na língua de caines.

    Os cainesianistas são uns diletantes. Nada mais.

    Gostar

  10. K2ou3 permalink
    9 Julho, 2009 11:30

    Excelente.
    Só falta citar Sócrates. O bom ,claro.

    Gostar

  11. Paulo Nunes permalink
    9 Julho, 2009 11:41

    Está Excelente!
    Dos melhores artigos que li no Blasfemias desde há algum tempo.

    Gostar

  12. 9 Julho, 2009 11:46

    O Cainesiano Tuga cita Caines, Obama e Krugman (Respeito. Ganhou um prémio Nobel. Vénia, vénia).

    Cita… mas mal – como é costume, aliás.
    Tenho estado a ler Krugman (os livros) e não encontro muitas das ideias que lhe têm sido atribuídas.
    Devo dizer que concordo com muitas das suas críticas à chamada Nova Economia e recomendo vivamente a leitura do Accidental Theorist.

    Gostar

  13. Minhoto permalink
    9 Julho, 2009 12:15

    O cainesiano tuga não tem que ser economista, pode ser até analfabeto e quando o debate entra numa vertente mais técnica diz “conheço muitos economistas que dizem o contrário”.
    O cainesiano tuga tem uma cassete na cabeça, só sabe falar do mesmo de sempre, o debate pode ser sobre sexo que começa o discurso a falar de sexo no primeiro instante para engatar no resto do tempo na cassete, mesmo que fique a falar sozinho, tem que repetir tudo até a náusea pois trata-se do transtorno obsessivo compulsivo de que sofre e é uma das características que o identifica.

    Gostar

  14. Minhoto permalink
    9 Julho, 2009 12:16

    ah é verdade, bom post!

    Gostar

  15. Minhoto permalink
    9 Julho, 2009 12:20

    O cainesiano tuga não tem que ser economista, pode ser até analfabeto e quando o debate entra numa vertente mais técnica a refuta-lo diz “conheço muitos economistas que dizem o contrário”.
    assim está melhor

    Gostar

  16. 9 Julho, 2009 12:27

    Grande post.

    Gostar

  17. Carlos Duarte permalink
    9 Julho, 2009 12:27

    Caro João Miranda,

    Tirando isto:

    “O Keynesiano Clássico acredita que a economia é uma ciência objectiva sobre a qual é possível falar com rigor.”

    Concordo em absoluto.

    A Economia está muiiiiiiito longe de ser uma ciência objectiva, pois é, no fundo, uma ciência social (apesar da matemática toda). Dou de barato que será, provavelmente, a mais objectiva e “dura” das ciências sociais, mais é social “none the less”. Portanto, pode-se falar com rigor da mesma, mas é necessário ter em atenção que esse rigor não é matemático, mas antes assente em teorias que tentar “definir” comportamentos humanos. Ou seja, a economia é e será sempre falível e o maior disparate que se pode fazer é achar que a mesma é deterministica ou “científica”, como aliás esta crise financeira e os “quants” vieram demonstrar.

    Gostar

  18. 9 Julho, 2009 12:27

    Excelente!

    Gostar

  19. Anónimo permalink
    9 Julho, 2009 12:31

    Independentemente dos autores e das teorias, no nosso Pais, como em quase todo o mundo Ocidental, grande parte dos investimentos foram direcçionados para estruturas e infra-estruturas destinadas às indústrias de lazer. sejam transportes, hotéis e equipamentos turísticos de toda a ordem.
    Muitos não se querem dar conta que o paradigma da sociedade se encontra em mudança acelerada.
    As pessoas e as famílias foram incentivadas ao endividamento ilimitado. Surge agora a célebre crise que, mais não é, que a falta de dinheiro para cumprir os cumpromissos dos deveres assumidos.
    A paralizia da economia que tem levado ao encerramento e falência de milhares de empresas que têm lançado e continuarão a lançar, infelizmente, milhões de trabalhadores no desemprego sem meios de subsistência, a curto prazo. É inevitável que as indústrias de lazer venha a desaparecer na sua quase totalidade por falta de clientes.
    Assim sendo, que sentido fará construir aéroportos onde o trafego aéreo será extremamente reduzido por falta de passageiros. O mesmo se passará com os transportes terrestres de alta velocidade.
    Melhor teria sido investir, prioritáriamente, em meios de produção.
    Portugal já foi detentor de uma indústria naval invejável localizada principalmente nos estaleiros da Lisnave e Setnave, onde eram construidos ou reparados navios de grande porte incluindo petroleiros.
    Que melhor indústria para um País marítimo?
    Que dizer da indústria de construção de Barragens? – Que se tranformou numa escola de Engenheiros e técnicos nessa área, que construiam no País e no estrangeiro e que praticamente desapareceu.
    E a indústria pesqueira e conserveira, de que a marca Ramires será uma das poucas sobreviventes.
    Assim podia continuar a inumerar indústrias de produção e contrapolas às industrias de lazer.
    Prometer lazer e boa-vida, era muito mais agradável e rendia mais votos aos políticos que nos coduziram a este beco sem saída.

    Gostar

  20. Pizarro permalink
    9 Julho, 2009 12:44

    Muito bem JM, muito bem…

    Gostar

  21. PKS permalink
    9 Julho, 2009 13:04

    Miranda: bem dito.

    Presumo que a atividade profissional do cainesiano tuga se extenda do sociólogo de esquerda, ao primeiro-ministro atual, aos apparatchiks das jotas, ao especialista de agitprop do Bloco, ao sindicalista que já só tem o sindicato como emprego e à generalidade dos motoristas que táxi por conta de outrem.

    Sobre os projetos com retorno social, o problema não está no retorno social, este deve ser tido em conta na avaliação a fazer. O problema está nos projetos que mesmo depois de se quantificar generosamente o retorno social, a coisa continua a ter retorno total negativo.

    Gostar

  22. Rxc permalink
    9 Julho, 2009 13:06

    Excelente post, ressalvando o indicado em 18. Penso que o JM conseguiu captar bem a essência do “chico-espertismo” tuga, aplicado à área económica.

    Caro 20, ora aí está o busílis da questão. Mas por enquanto o paradigma de desenvolvimento para o país continua a ser tornar isto numa estância balnear para os cidadãos de países ricos da Europa (entenda-se, aqueles que efectivamente produzem alguma coisa que se veja) virem usufruir da hospitalidade e pitoresco da população e paisagem. Daí os largos milhares de nossos conterrâneos que todos os anos emigram para essas outras paragens, onde podem trabalhar e produzir, e com isso criar riqueza para si e para o país que escolheram. Mas por cá desde que haja muito asfalto e betão para mostrar “obra”, estamos bem…

    Gostar

  23. Anónimo permalink
    9 Julho, 2009 13:10

    BRILHANTE texto!

    Gostar

  24. lucklucky permalink
    9 Julho, 2009 13:22

    “O Cainesiano Tuga dá pelo nome de zé socrates e sus muchachus do sôcial , em contraponto ao monstro neo-liberal manelita .”

    A manelita é uma tuga cainesiana também, só um pouco menos histérica. Para ela défice de 4% e dívida pública a 60%, toca a gastar em TGV’s. O zézito com 6% de défice e 80% ou mais de dívida é só um pouco mais louco.
    Só se chama á manelita monstro neoliberal porque como bem demonstra bem o texto o portugesito tem um pouco dificuldade em ir um pouco mais fundo do que a propaganda.

    Gostar

  25. Basico permalink
    9 Julho, 2009 13:41

    A mim parece-me relevante a questao do despedimento hoje da tipa da SEC vs o limpar da imagem do Dr. Constancio… enfim, países onde ha accountability e responsabilidade.

    Gostar

  26. K2ou3 permalink
    9 Julho, 2009 13:51

    Em Portugal não se escreve caines.
    è Quainees.

    Gostar

  27. 9 Julho, 2009 13:57

    Confusao! A ver se faco sentido disto, impulsionado pelo apelo ao rigor do ponto 7.
    Ha o que o Keynes disse (anos 30). Ha o que a Sintese Neoclassica disse (Samuelson, anos 40). Ha o que os novos economistas disseram (Tobin, anos 60). Ha o que os Novos Keynesianos dizem (Stiglitz, Akerlof, Mankiw, Krugman, anos 90 e 00).

    Keynesiano classico nao sei quem seja. No ponto 1 e’ Keynes. No 2 e’ Novo Keynesiano. No 3 e’ Sintese Neoclassica. No ponto 4 e 5 nem e’ Keynesiano de qualquer estirpe, e’ talvez contabilista.

    Ja o Cainesiano Tuga e’ certamente um espantalho para levar porrada, ate porque explicitamente concorda com o douto Keynesiano classico no ponto 2 e nos outros so se distingue nos adjectivos.

    Gostar

  28. 9 Julho, 2009 14:01

    Não é um post, é uma lição de economia.
    O problema é que os caines ladram e a caravana não passa.
    Ou passa mal.

    Gostar

  29. Zé Leitão permalink
    9 Julho, 2009 14:02

    #20
    Ora aí está um dos problemas do nosso país. Falta de produção. Porquê? porque o país não tem hoje, meios de produção.
    E, na altura em que Portugal poderia finalmente fazer o inventário dos seus recursos naturais, quando poderia desenvolver os meios de produção existentes, quando poderia estabelecer objectivos de longo prazo na produção industrial e agrícola/alimentar, quando poderia finalmente iniciar um período de desenvolvimento… entrámos para a CEE…
    Resultado: cotas de produção. Para quem sabe, as nossas cotas de produção nas pescas, na agricultura, no vinho, nos lacticínios etc. são miseráveis. Está por explicar esse mistério do fim da nossa indústria naval que simplesmente deveria ser uma das nossas indústrias vitais.

    Gostar

  30. Zé Leitão permalink
    9 Julho, 2009 14:06

    Não percebo bem os conteúdos dos pontos 3 e 7 do post

    Gostar

  31. lucklucky permalink
    9 Julho, 2009 14:18

    “Está por explicar esse mistério do fim da nossa indústria naval que simplesmente deveria ser uma das nossas indústrias vitais.”

    Qual o mistério? os Coreanos e outros faziam melhor, mais rápido e mais barato.

    Gostar

  32. anti-comuna permalink
    9 Julho, 2009 14:20

    E não é apenas o Caines tuga. Também temos os empregadores verdes.

    Mas isto é mesmo chato:

    “Abstract:

    A group of studies, rapidly gaining popularity, promise that a massive program of government mandates, subsidies, and forced technological interventions will reward the nation with an economy brimming with green jobs. Not only will these jobs allegedly improve the environment, but they will pay well, be very interesting, and foster unionization. These claims are built on 7 myths about economics, forecasting, and technology. Our team of researchers from universities across the nation surveyed this green jobs literature, analyzed its assumptions, and found that the special interest groups promoting the idea of green jobs have embedded dubious assumptions and techniques within their analyses. We found that the prescribed undertaking would lead to restructuring and possibly impoverishing our society. Therefore, our citizens deserve careful analysis and informed public debate about these assumptions and resulting recommendations before our nation can move forward towards a more eco-friendly nation. To do so, we need to expose these myths so that we can see the facts more clearly.”

    Daqui: 7 Myths About Green Jobs

    http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1357440

    Ainda ontem, o Profeta do Regime dizia que tinhamos boas notíicas. O G8 ia baixar a temperatura em dois graus centígrados com a redução em 80% da emissão de CO2. lolololololol

    Quer dizer. Aquilo não é bem assim, com a Rússia na mesma altura a põr-se de fora, que não estão para brincar com os empregos russos.

    Mas pronto. A Situação manda endeusar as políticas deste desgoverno e eles vão à televisão fazer isso mesmo. Nem que seja mais indirectamente.

    anti-comuna

    Gostar

  33. 9 Julho, 2009 14:30

    Excelente post!

    Gostar

  34. Francesco permalink
    9 Julho, 2009 14:33

    O J. M. Keynes, o primeiro, era anti-socialista e o que ele tentou, no fundo, foi uma defesa muito inteligente do sistema capitalista.
    E o nosso PM? É ou não é um “cainesiano”? Talvez o Prof. C. Santos nos saiba responder.

    Gostar

  35. Nuno Gaspar permalink
    9 Julho, 2009 14:58

    Excelente.
    Este post vale mais que os três manifestos juntos.

    Gostar

  36. 9 Julho, 2009 15:01

    Um perfeito retrato de Sócrates, o executor e de João Galamba, o “teorizador”…

    Gostar

  37. 9 Julho, 2009 15:05

    Excelente post!

    Gostar

  38. 9 Julho, 2009 15:12

    35

    Não foi o Keynes que disse que ficou comovido quando leu “O Caminho para a Servidão” de Hayek?

    Gostar

  39. 9 Julho, 2009 15:24

    Post que provocou orgasmos nalguns comentadores.

    Gostar

  40. Basico permalink
    9 Julho, 2009 15:33

    Em fim de regime, dar uma maozinha aos amigos

    12. Resolução do Conselho de Ministros que nomeia o mediador do crédito

    Resolução procede à nomeação do licenciado João José Amaral Tomaz como mediador do crédito.

    O medidor do crédito tem por missão a defesa e a promoção dos direitos, garantias e interesses legítimos de quaisquer pessoas ou entidades que sejam parte em relações de crédito, bem como contribuir para melhorar o acesso ao crédito junto do sistema financeiro.

    In Correio da Manha

    João José Amaral Tomaz nasceu a 7 de Outubro de 1949 e licenciou-se em Finanças pelo Instituto Superior de Economia. Entrou para a Direcção-Geral das Contribuições e Impostos (DGCI) em 1968. Em 1990 chegou à categoria de subdirector-geral.Em 1993 vai para Bruxelas como conselheiro técnico da REPER. Regressa a Portugal em 2001. Em 2005 é nomeado secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

    26 Janeiro 2008
    Aumenta pressão sobre o Governo

    A confirmação da saída do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, João Amaral Tomaz, veio colocar uma pressão redobrada sobre o primeiro-ministro para mexer no Governo. Ontem, José Sócrates foi obrigado a admitir a saída de Amaral Tomaz, depois de este ter dado uma entrevista ao ‘Semanário Económico’ revelando que pediu para sair do Governo no Verão e que o primeiro-ministro lhe pediu para ficar e fazer a presidência portuguesa da União Europeia.
    Combinei com o secretário de Estado que trataríamos disso com a proposta do ministro das Finanças e depois de terminada a presidência”. Segundo apurou o Correio da Manhã, Amaral Tomaz terá alegado “problemas de saúde” para deixar o Governo, ficando a sua substituição em aberto até ao final deste mês.

    Problemas de Saude que rapidamente foram ultrapassados

    Gostar

  41. Tia Imunda permalink
    9 Julho, 2009 15:48

    #40,
    Piscoiso disse
    Post que provocou orgasmos nalguns comentadores.

    E tu não podias fechar a boca?

    Gostar

  42. Francesco permalink
    9 Julho, 2009 15:54

    # 39
    Efectivamente, atribuem essa reacção ao JMKeynes, mas não confirmo.

    Gostar

  43. lucklucky permalink
    9 Julho, 2009 16:21

    “12. Resolução do Conselho de Ministros que nomeia o mediador do crédito”

    Ahhh chegaram os Mediadores. Já não bastam as Comissões, os Observatórios, as Entidades Reguladoras e os Provedores.

    Gostar

  44. José permalink
    9 Julho, 2009 16:24

    Piscoiso:

    Quem diz o que não deve (#40), ouve o que não quer (#42).

    Gostar

  45. Plus permalink
    9 Julho, 2009 16:31

    Um post à João Miranda.
    Muito bom.

    Gostar

  46. 9 Julho, 2009 16:35

    #45.
    Digo o que me apetece e não o que devo, porque não devo nada a ninguém.
    Sobre o #42., define a claque.

    Gostar

  47. 9 Julho, 2009 16:52

    João Miranda,

    Deve publicar em mais locais este texto. Muito bom.

    Gostar

  48. Hugo Ricardo permalink
    9 Julho, 2009 16:54

    Um dos melhores posts de sempre deste blog. Muito bom!!!

    Devo dizer que o ponto dois resume completamente o Cainesiano Tuga: Expansionismo para sempre…défice para sempre!!!

    Gostar

  49. Pedro Lomba permalink
    9 Julho, 2009 17:24

    Grande texto.

    Gostar

  50. PMA permalink
    9 Julho, 2009 17:34

    Piscoito…força!!Continua!

    (apenas um pequeno apoio! mas quem são esse #42 e #45!?!?)

    P.S. Já agora.Grande Post!!

    Gostar

  51. Amonino permalink
    9 Julho, 2009 18:27

    .
    Excelente post.
    .
    Portugal, ilhota desnorteada neste vasto ‘oceano’:
    .
    “El avance a la estabilización será desigual. Las economías en desarrollo irán más rápido, sobre todo Asia, mientras las avanzadas no registrarán “un repunte sostenido” hasta la segunda mitad del año próximo. En su actualización para las potencias industriales, el FMI deja intacta la contracción del 3,8% para 2009 y mejora, a un crecimiento de seis décimas, la previsión para 2010.
    .
    En el caso de EE UU, las previsiones se revisan al alza. La contracción será del 2,6% este año y, en lugar de estancamiento, espera que la economía del país crezca ocho décimas en 2010. También predice una mejora para Japón. Sin embargo, en Europa no hay muchas señales de estabilización, y “se recuperará más lentamente”. El PIB de la zona euro, sostiene el Fondo, sufrirá una caída del 4,8% en 2009 y de tres décimas en 2010. Alemania se contraerá un 6,2% este año, un 5,1% Italia y un 3% Francia.
    .
    Fuera de la eurozona, Reino Unido también caerá. Un 4,2% exactamente. España es el país que sufre el recorte más destacado en las previsiones, comparado con lo dicho en abril. Y en 2010 será, además, el país que tenga el dato negativo más alto, mientras el resto mirará la recesión por el espejo retrovisor -excepto Alemania e Italia-. Para los dos ejercicios, la proyección del Fondo Monetario es medio punto peor de la anticipada por el Gobierno español.

    http://www.elpais.com/articulo/economia/FMI/empeora/pronostico/Espana/caida/PIB/elpepueco/20090709elpepieco_7/Tes

    Au G8, le Sud renâcle à suivre le Nord sur l’environnement
    http://www.lemonde.fr/international/article/2009/07/09/au-g8-le-sud-renacle-a-suivre-le-nord-sur-l-environnement_1216905_3210.html

    G8 summit proves to be outdated and useless
    http://english.pravda.ru/world/europe/09-07-2009/108026-g8_summit-0

    Global Banking Economist Warned of Coming Crisis
    http://www.spiegel.de/international/business/0,1518,635051,00.html

    THE BEAR’S LAIR
    The perils of multipolarity
    http://www.atimes.com/atimes/Global_Economy/KF24Dj01.html
    .

    Gostar

  52. 9 Julho, 2009 18:53

    Excelente resenha. O palhaço sokas deverá chamar-lhe “çarvei” (do inglês, survey), mas não gostará dela. Aliás ele é o cainesiano tuga mor, vulgo ignorante emproado.

    Gostar

  53. CSO permalink
    9 Julho, 2009 19:02

    E o que pensaria o economista Keinesiano, dos investimentos do governo em políticas de formação tornadas obsoletas em menos de 10 anos? É o caso do novo projecto de DL, que em mais uma idiossincracia cultural, prevê colocar centenas de técnicos no desemprego, após andar a formá-los à custa dos fundos comunitários, ignorando quaisquer direitos adquiridos consagrados na Constituição.

    Ah pois é, o governo quer agora decretar, à sombra dos interesses de certas ordens, que já não é a formação específica em segurança, higiene e saúde no trabalho (SHST) a necessária para assumir funções de coordenação de segurança no sector da construção civil e obras públicas, mas a formação em engenharia civil ou em arquitectura, pelo menos nas obras de maior valor, porque no mercado residual das obras baratitas, os técnicos com formação específica já podem! O governo quer ainda regular esta pretensão com efeitos retroactivos!!

    Será que estamos na presença de um desses economistas ditos não clássicos, no caso ao serviço do governo, que descobriu que o melhor para combater a crise e o desemprego é promover o acesso ao emprego a ritmos alternados: agoras estas licenciaturas, depois aquelas, depois a ver para que lado vamos…ora vejam: http://aventar.eu/2009/07/04/as-trapalhadas-socialistas/

    Gostar

  54. Pizarro permalink
    9 Julho, 2009 19:31

    Piscoiso está com ciúmes. Ele é que queria provocar orgasmos em alguém.

    Gostar

  55. Pifas permalink
    9 Julho, 2009 20:55

    Quem ainda acredita que a política à portuguesa tem alguma coisa a ver com um autor (à excepção talvez de Marx, Groucho Marx) da vasta literatura que se tem produzido sobre essa coisa vaga a que chamam Economia está em vias de ter grandes desilusões. Os problemas dos portugueses derivam de questões de cultura mais gerais. Os conceitos económicos enunciados pelos economistas são infinitamente menos operativos do que as redes sociais de padrinhos e compadres só para citar um exemplo. Se Sócrates erra não é por certo devido às más influências deste ou daquele autor. É muito mais provável que as más decisões sejam influenciadas por um economista sim, mas um com quem ele priva diáriamente. Este campeonato entre ideólogos da Economia é apenas mais um sintoma da nossa imaturidade.

    Gostar

  56. Anónimo permalink
    9 Julho, 2009 21:19

    muito bem. isto anda-me mesmo a lembrar africa , a morrerem de fome numa terra que dá 2 colheitas por ano.

    Gostar

  57. João Paulo Magalhães permalink
    9 Julho, 2009 21:48

    João Miranda,

    Parabéns!

    Costumo admirar muito o tom certeiro e a concisão dos seus textos. Este atingiu um nivel de refinamento climáctico. Faça lá favor de o pôr noutros sítios também.

    Gostar

  58. Anónimo permalink
    9 Julho, 2009 22:05

    e cá para mim ainda ninguém percebeu que o sector serviços já não dá para expandir mais…no tempo do Keynes aposto que 60% da população (em 2005 , em 2008 já devia ser mais ) não trabalhava nos serviços.. 1.8% era a % de população no sector primário em 2005 : comidinha , coisa sem a qual ninguém passa ; 38 % no sector secundário ( a maior parte deve ser construção , se calhar mais de metade – não sei , o resto é aquilo de que alguém falou para aí , as quase inexistentes indústrias ) .

    Mesmo sério que não acham que há alguma coisa de muito errado? mesmo sério que há falta de doutores cainesianos e outros ?

    Gostar

  59. 9 Julho, 2009 22:21

    ah ah ah esta posta do Miranda é uma maravilha. Portugal o país do “Cainesiano Tuga”. Nada é a sério cá. Primeiro tivemos o “fassismo”, depois as “comprativas” e por fim o “xuxialismo”.

    Gostar

  60. Pi-Erre permalink
    9 Julho, 2009 23:33

    O cainesianismo tuga cai sobre os contribuintes tugas.

    Gostar

  61. Micas permalink
    10 Julho, 2009 00:05

    Inspirado!
    (vénia, vénia)
    🙂

    Gostar

  62. 10 Julho, 2009 01:19

    Simplesmente genial João Miranda. Tomei a liberdade de lhe “roubar” este post na íntegra lá para o burgo.

    Gostar

  63. 10 Julho, 2009 10:43

    …e portanto só o neoliberalismo nos salvará, visto que os princípios teóricos de Keynes, não têm (nem tiveram) aplicação em quase nenhuma das economias mundiais, utilizando para isso as mesmas “soluções” que nos conduziram a esta Crise?

    Gostar

  64. Basico permalink
    10 Julho, 2009 11:19

    Para os ignorantes que nao sabem onde comecou a crise, ha um momento no tempo que definiu o seu comeco, e foi quando o Governo norte americano obrigou a Freddie Mac e a Fannie Mae a manter uma determinada quota de emprestimos a habitacao a minorias etnicas e a clientes de fracos recursos, i.e., a clientes sub-prime.
    Ou seja, foi uma medida socialista, e os erros de supervisao que nos trouxeram a este ponto.

    Gostar

  65. Anónimo permalink
    10 Julho, 2009 16:16

    A nossa indústria naval desapareceu porque, entre outras coisas, a partir de determinada altura que me dispenso referir, os operários trabalavam mais à mesa das marisqueira do que nos locais de trabalho dos estaleiros.
    Como nessa altura os contratos ainda eram para cumprir, a prática era fazer o menos possível durante os horários normais de trabalho,para cumprir os prazos à base de horas extraordinárias aos fins de semana. Peço desculpa aos trabalhadores para quem estou a ser injusto mas foi o que aconteceu de uma maneira geral.
    Assim não admira que: “Os coreanos e outros faziam melhor, mais rápido e mais barato.”

    Gostar

  66. Anónimo permalink
    10 Julho, 2009 17:30

    Depois de uma leitura atenta, quer do post inicial, quer dos comentários ao mesmo, pode concluir-se que a generalidade dos intervenientes não leu e muito menos estudou Keynes.
    A partir dum “boneco” do keynesianismo pintado pelo JM, desenvolve-se toda uma argumentação (?) que não tem qualquer espécie de validade teorica, mas que serve perfeitamente para animar as hostes dos ditos neo-liberais e anarco-capitalistas.
    Nesta lógica, o post do JM até se afigura certeiro, pois correspondeu integralmente aos desejos do seu público alvo…

    Gostar

  67. Zé Leitão permalink
    10 Julho, 2009 23:37

    Alguns dados :

    Em Portugal existem cerca de 236 mil micro empresas(fonte da AEP e AIP). Considera-se micro empresa, a que tem até 9 trabalhadores. Sabe-se que destas 236 mil uma grande parte (não quantificada), tem entre 3 e 4 trabalhadores. Destas 236 mil, metade, factura até 150 mil euros/ano.

    Pergunta : algum governante, ministro, secretário de estado, deputado ou político tem noção desta realidade. Alguma dessas pessoas tem a noção do que representa esta realidade na economia do nosso país?

    Como é possível compreender as “medidas” que este governo anuncia ou toma, afirmando que são de apoio à nossa economia, ou, como é possível compreender as “propostas” de quem se apresenta como substituta do actual primeiro ministro.

    Somos governados por incompetentes há mais de 2 décadas e assim vamos continuar infelizmente. E, o mais engraçado é que continuaremos a cantar e a rir, como aqui neste blog por exemplo.

    Gostar

  68. joão permalink
    22 Julho, 2009 20:00

    Caro João Miranda,

    Meteu a pata na poça num dos exemplos sobre a indiferenciação dos trabalhos: qualquer empresa de construção civil está habilitada a fazer reabilitação de imóveis, bastando para isso que siga o caderno de encargos e as especificações ditadas pelos projectos de arquitectura e engenharia.
    O motivo para isto é que os trabalhos de construção não são muito diferentes para uns e outros: um carpinteiro tanto recuperará um pavimento em madeira num prédio antigo como colocará um num novo.
    Há uma diferença entre restauro, que tem de ser feito por empresas especializadas, pela aplicação de técnicas não agressivas em superfícies sensíveis, e reabilitação.

    Gostar

Trackbacks

  1. Keynesianismo Clássico vs. Keynesianismo Popular Português « O Insurgente
  2. destruição criativa - Esta fez-me lembrar um autarca que uma vez me disse que é «neo-keynesiano»

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: