Saltar para o conteúdo

Asserção do dia

24 Julho, 2009
by

A saúde não é um direito, pelo Joaquim.

Vale a pena ler o longo texto que lhe serviu de base, Health Care Mythology, um excelente manifesto contra os mitos da “saúde pública e universal”.

123 comentários leave one →
  1. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 10:50

    A saude é ou não um direito conforme a sociedade quiser ou não quiser que seja. Quem é o Joaquim para decidir isso sozinho?

    Gostar

  2. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 10:55

    O que a saúde não devia ser é um negócio.
    Depois acontecem como a gripe A ou guerras por causa do avastin.

    Gostar

  3. Carlos Duarte permalink
    24 Julho, 2009 11:00

    Caro LR,

    Da mesma maneira que a segurança não é um direito. E posso usar os mesmos argumentos que o Joaquim. Logo, se alguém o assaltar na rua, ou Vc. sabe defender-se ou “lixa-se”. Porque carga de água é que o Estado deve garantir a sua segurança? Tudo bem, “aceito” que deve providenciar a parte judicial, mas vá Vc. mesmo atrás do larápio e arraste-o em frente a um juiz. E, já agora, o juiz condena o larápio a 1 ano de cadeia e Vc. que providencie isso mesmo. O Estado não tem que providenciar cadeias.

    Pode-se discutir limites de responsabilidade do Estado, aonde acaba esta e começa a do indivíduo, mas cair em absolutismos ridículos é isso mesmo, ridículo!

    Gostar

  4. 24 Julho, 2009 11:13

    Carlos Duarte,

    Leu os textos que linkei? Transcrevo apenas esta pequena parte:

    “Os direitos sãos coisas que podemos fazer sem interferência (liberdade de expressão) ou coisas que não nos podem fazer sem a nossa autorização (entrar em nossa casa e apreender bens). Os direitos são protecções, não são prendas de bens materiais. Os bens materiais têm de ser tirados a outros ou retirados do trabalho de outros, ora acreditar que temos um direito absoluto a esses bens, quando os outros têm outro entendimento, é o mesmo que afirmar que temos o direito de os “roubar”. E o direito fundamental dos outros de não serem roubados?”

    Gostar

  5. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 11:16

    Aquele texto tem um erro
    A palavra direito deve ser substituida por negócio

    Gostar

  6. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 11:22

    “Os direitos sãos coisas que podemos fazer sem interferência (liberdade de expressão)”

    E a liberdade de expressão é um direito a que propósito? O outro pode não o querer ouvir e estar no sossego. Que direito tem alguém de interferir com o silencio do outro por causa da liberdade de expressão?

    Quando alguém aparece na tv a exercer a sua liberdade de expressão está a entrar em nossa casa, é um bem material retirado a alguém e trabalhao dos outros. O direito de antena por exemplo?

    Gostar

  7. António Carlos permalink
    24 Julho, 2009 11:25

    Depois de começar a ler o texto “Health Care Mythology” fiquei convencido que os Americanos são mesmo tótós: pagam a saúde dos seus vizinhos Canadianos, dos países Nórdicos, …
    A questão que se coloca é a seguinte: sendo os Americanos tótós (facto) e querendo continuar a ser tótós (segundo depreendo do artigo) então a melhor estratégia dos restantes países é imitar os Canadianos e os países Nórdicos (facto).

    Gostar

  8. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 11:26

    Com pessoas da “direita” o mundo vai retroceder aí uns 500 anos e voltar à idade média
    É impressionante. Não se consegue perceber como chegámos a isto. Deve ser qualquer coisa que lhes aconteceu nas universidades.

    Gostar

  9. 24 Julho, 2009 11:29

    A Declaração Universal dos Direitos do Homem pode ser debatida ponto por ponto.
    É levar à Assembleia Geral da ONU a “Declaração Universal dos Direitos do Joaquim” para ratificação.

    Gostar

  10. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 11:58

    Se um Direito Humano onora outro Humano ou onora Humanos em partes não iguais então não é Direito Humano, é um Direito Discriminatório.

    Podem existir Direitos Discrimintórios num contexto de um acordo de livre vontade de duas partes.

    Gostar

  11. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 11:58

    Desculpem: Discriminatórios

    Gostar

  12. Francesco permalink
    24 Julho, 2009 12:08

    É tão fácil sonhar!
    É assim que se constroem as utopias.

    Gostar

  13. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:13

    Desde quando é que a Declaração Universal dos Direitos do Homem é lei interna?Quer-se dizer o que é que tem a minha carteira a ver com por exemplo com a SIDA em África?Se vierem todos os SIDOSOS lá do sitio aplica-se a todos os tratamento de 2000 euros/mês que cada um custa agora aos que já cá andam?Se metade da população dicidir apanhar no cuzinho e ficar infectada eu tenho que pagar?

    Gostar

  14. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:22

    alguma coisa se passou na educação para ter produzido pessoas com o pensamento da lusitanea.
    o mundo é um lugar estranho. Anos e anos de evolução e continua a existir a tremenda estupidez, maldade, e egoísmo.

    Gostar

  15. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:22

    O politicamente correcto transformou Portugal numa imensa casa pia cujos missionários já não são os padres no meio do sertão mas os revolucionários da máxima de que os trabalhadores não têm pátria(o pitrol, diamantes e outras riquezas é que não).Portugal é a Suiça da Europa.De borla.Dá nacionalidade , cura, ensina e depois logo se vê no que vai dar…para os indígenas já se vê no que deu…

    Gostar

  16. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:25

    Quase que aposto que o lusitanea é um católico praticante. Acertei?
    Não perde uma cerimonia de Fátima e o papa?

    Gostar

  17. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:27

    Ó 14
    Posso ser issso tudo o que dizes, mas estúpido é que não.Recuso ser africanizado pelos traidores que depois de descolonizarem , agora nos colonizam ainda por cima obrigando todos a pagar.

    Gostar

  18. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:27

    .. ou entaõ são apenas muito católicos praticantes e vão à missa aos domingos.

    Gostar

  19. 24 Julho, 2009 12:29

    mas pelos vistos a imbecilidade é um direito…

    Gostar

  20. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:30

    É o Caos!!! Isto contado ninguém acredita! Também eles!!??!! ó my god.. o mal está em toda a parte. Em toda o lado aparecem ovelhas tresmalhadas.

    http://economico.sapo.pt/noticias/fbi-prende-dezenas-de-politicos-e-rabinos-por-corrupcao_65882.html

    Uma gigantesca rusga por parte do FBI levou à detenção de 44 políticos e rabinos nos Estados Unidos, por levarem a cabo actividades criminosas que vão da lavagem de dinheiro ao tráfico de órgãos humanos.

    Gostar

  21. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:32

    Enquanto os trabalhadores indígenas não regirem à bruta contra a africanização das suas vidas e até famílias esses merdosos traidores ao povo Português irão sempre “avançando” para o nivelamento com África enquanto eles roubam por aí à vontade a combater a “pobreza”, em especial aquela que anda nops suburbios das grandes cidades que a do interior indígena está longe dos meios de propaganda e não está “organizada”

    Gostar

  22. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:35

    “Recuso ser africanizado pelos traidores que depois de descolonizarem”

    E isso de ser africanizado em que consiste?

    Ver pessoas na rua de outros tons ou no dia a dia? Pode ser um médico que o atenda?
    Ouvir a maravilhosa musica de Cabo Verde em vez do hip hop americanizado?

    A que é qeu chama ser africanizado?
    Eu por exemplo não tenho nenhum problema nisso. O lusitanea teria algum problema de ter netos descendetes de uma africano se um dos seus filhos s eapaixonasse por alguém de Africa? Vive no século das trevas?

    Gostar

  23. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:38

    lusitanea vou-lhe contar um segredo que pode não acreditar nem aceitar. Mas o problema está no lusitanea. É o lusitanea que está errado. E posso lhe garantir que se o lusitanea viver bastantes anos vai mudar de opinião porque ninguém é tão burro a vida inteira. Só se quiser.

    Gostar

  24. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 12:39

    Caro LR,

    O texto original é de uma simplificação atroz. Começando pelo “direito”. Aqui não há leis naturais. Aquilo a que o individuo tem direito é o que a sociedade quiser. O exemplo da Saúde vs. Segurança é falacioso quanto mais não seja porque em ambos a responsabilidade individual pode ser invocada. Um individuo escolheu fumar outro escolheu passear por zonas pouco recomendadas. Se ambos sofrerem as piores consequências de ambos os actos (doença ou assalto) a resolução residirá no trabalho dos outros (médicos e forças policiais).

    Da mesma forma podemos igualmente contestar que direito tem um individuo à propriedade? Que eu saiba nenhum homem conseguiu criar uma árvore ou uma pedra. Quem tem um terreno, por exemplo, comprou-o ou herdou-o. Mas originalmente que direito teve alguém de dizer “este pedaço de terra é meu”? Nenhum. Provavelmente tratou-se do individuo com a maior espada ou com a maior arma. O que depois fez não interessa. Se à luz das leis dos dias de hoje eu decidir limpar um terreno, abrir covas para alicerces e construir uma casa. Se o proprietário aparecer e provar que o terreno é dele, eu terei a minha casa demolida. Recuando uns milhares de anos atrás veremos que o conceito de propriedade derivou apenas da força. Os mais fortes apropriaram-se do que queriam, os mais fracos tiveram de se resignar.

    Este palavreado todo apenas para dizer que a Saúde, bem como a Segurança, a Propriedade, etc. são convenções que a maior parte das sociedades deste mundo acharam por bem criar. A ideia fundamental é a criação de uma sociedade estável e unida que permita ao Homem dividir os riscos por todos e protegerem-se mutuamente. Todos, TODOS, os direitos são pois garantidos pelo trabalho do individuo e restantes membros da sociedade. E sendo todas as sociedades diferentes pode-se argumentar se um dado Direito é melhor ou pior para uma dada sociedade mas nisto não existem vacas sagradas. O Direito Natural é algo que não existe. É tudo uma convenção e essas podem ser alteradas consoante o sabor dos tempos.

    Gostar

  25. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:41

    O nosso SNS trata tudo o que cá andar seja legal ou ilegal.Uma vez uma médica espanhola deu uma entrevista acerca dos “tratamentos” de SIDA no maior hospital de África(o Amadora-Sintra) a 2000 euros/mês dados a quem mal tinha para comer.Quem paga este internacionalismo em que as leis da imigração e NACIONALIDADE foram “negociadas” pelos interessados?Interessados que poucos anos antes corriam os Portugas de armas na mão e sem bagagens… e isto de tal forma que até os “libertadores” já se renacionalizam…
    Se isto é governar um país…

    Gostar

  26. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:42

    Um outros segredo de borla: o que faz mexer a humanidade é o amor.
    Por isso pensem uma coisa. Quem está errado?

    Gostar

  27. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:45

    Ó 23
    E posso lhe
    Se eu fosse brasileiro também defendia o bem bom por conta do “outro”

    Gostar

  28. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 12:51

    As contas da falência de portugal internacionalista são muito simples de entender:
    Imigrantes legais:500000
    Imigrantes ilegais:desconhecido, mas são mais da centena de milhar
    Nacionalizados em 2008:45000(desconhecido ao longo dos anos)
    RSI:350000(a subir)
    Desempregados:500000

    Com tão pouquinhos a pagar impostos e com tantos direitos na constituição…

    Gostar

  29. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 12:55

    E também tinhamos de debater se no espectro actual das doenças qual a responsabilidade dos indivíduos. Acho que é pacificamente aceite por todos que a gripe das aves e a gripe suína surgiram a partir de criações massivas de aves (na China) e porcos (no México). O ambiente de cultura intensiva é propicio à propagação do vírus da gripe e subsequentes mutações. Assim se eu contrair Gripe A quem é o responsável? Eu ou multinacionais como a Tyson?

    Gostar

  30. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 12:56

    Lusitânea,

    Eu sou emigrante e espero que os meus compatriotas recebam os imigrantes em Portugal tão bem como fui recebido no país em que estou.

    Gostar

  31. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 12:58

    lusitanea: assim parece que precisamos de mais imigrantes que somos poucos. Dizem que o interior está deserto. Temos muito espaço.

    Gostar

  32. Francesco permalink
    24 Julho, 2009 12:59

    # 24 Sergio

    Interessante o seu comentário. Mas eu diria: para uma parte significativa das escolas e doutrinas jurídicas o direito natural existe mas não cobre tudo, “naturalmente”. A sua posição reflecte apenas uma visão de alguns filósofos do Direito. Porém, a questão não deixa de ser curiosa e revela-se sobretudo nas discussões sobre a pena de morte. Se uma sociedade decidir instituí-la poderá alguém invocar um “direito natural” à vida? Por outro lado, há um facto que nenhuma sociedade conseguirá alterar que é o “darwinismo” genético e, consequentemente social. As leis do Darwin não se aplicam apenas às espécies animais. Com ou sem direitos, o Homem não lhes poderá escapar.

    Gostar

  33. Francesco permalink
    24 Julho, 2009 13:04

    # 30 ainda Sérgio

    Se Vc é emigrante, saiba que eu também o fui muitos anos. Agora estou seguro de que se Vc. foi bem recebido no país para onde emigrou certamente terá contribuido para isso a qualidade do seu trabalho e o respeito pelas normas e tradições do país que o recebeu. Ou estou enganado?

    Gostar

  34. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 13:11

    Agora cita a o Joaquim.
    Qualquer dia vejo aqui citado o Pedro Arroja, o Pedro Marques Lopes e todos os imbecis da blogosfera.

    Gostar

  35. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 13:17

    “Um individuo escolheu fumar outro escolheu passear por zonas pouco recomendadas. Se ambos sofrerem as piores consequências de ambos os actos (doença ou assalto) a resolução residirá no trabalho dos outros (médicos e forças policiais).”

    Óbviamente uma falácia. Uma pessoa tem o Direito Humano de não ser agredida , violentada onde quer que seja por outrém . Se em vez disso fumar tabaco e este de facto for o causador dos seus problemas está-se a a agredir a si próprio. Muito diferente.

    “E sendo todas as sociedades diferentes pode-se argumentar se um dado Direito é melhor ou pior para uma dada sociedade mas nisto não existem vacas sagradas. O Direito Natural é algo que não existe.”

    O Direito Natural são o Direitos que não oneram outros Humanos de forma diferente.

    É uma distinção muito importante a fazer por esse mesmo facto. Você pode dizer que podem existir outros Direitos e pôr a fasquia onde quiser, mas não escapa ao facto que há Direitos que não oneram outros Humanos e por isso são distintos e merecem essa distinção.

    Gostar

  36. Paulo Nunes permalink
    24 Julho, 2009 13:27

    Se eu, como cidadão, pagar (coercivamente ou não através de impostos) para ter direito a ser tratado por entidades credenciadas para o efeito (médicos, enfermeiros, hospitais, centros de saúde, etc) se tiver um problema de saúde, então então

    Gostar

  37. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 13:33

    Caro LR,

    Se eu, como cidadão, pagar uma parcela mensal (de forma coerciva ou não através de impostos) para ter o direito de ser atendido e ser tratado através do SNS, então eu tenho direito a ser tratado de acordo com as condições referidas.

    Se essa parcela mensal incluir o tratamento de outras pessoas que não fizeram a mesma contribuição, então elas também têm direito ao mesmo (seja ou não injusto).

    Estamos a falar de um contrato entre os cidadãos e o estado. Não estamos a falar de filsofia.

    Gostar

  38. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 13:34

    Lucky,

    Isto “O Direito Natural são o Direitos que não oneram outros Humanos de forma diferente.” é apenas uma opinião ou se preferir, uma filosofia. É a mais correcta para si e não A CORRECTA. Percebe?

    Gostar

  39. Paulo Nunes permalink
    24 Julho, 2009 13:34

    (houve um problema com o meu comentário anterior… acho que a cupla foi minha mas aqui vai mais ou menos de novo)

    Caro LR,

    Se eu, como cidadão, pagar uma parcela mensal (de forma coerciva ou não através de impostos) para ter o direito de ser atendido e ser tratado através do SNS, então eu tenho direito a ser tratado de acordo com as condições referidas.

    Se essa parcela mensal incluir o tratamento de outras pessoas que não fizeram a mesma contribuição, então elas também têm direito ao mesmo (seja ou não injusto).

    Estamos a falar de um contrato entre os cidadãos e o estado. Não estamos a falar de filsofia.

    Gostar

  40. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 13:41

    Francesco,

    Não está enganado. Mas eu nunca tive a rua com babysitter e nunca vi o interior de uma barraca. Eu compreendo o que está a querer dizer e eu também não sou daqueles para quem todos os males residem na sociedade. Mas há coisas impossíveis de se ignorar.

    Gostar

  41. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 13:55

    Aos nacionalistas austríacos a homofobia passou num instantinho.
    É so esperar que se saibam as histórias do Mário Machado na prisão!

    Gostar

  42. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 14:09

    Ó 41
    O problema vai ser quando houver muitos Mários Machados nas ruas pois que qualquer propaganda tem sempre um fim.Lá que o internacionalismo se encarregou de vigiar e punir quem mije fora do seu penico ninguém tem dúvidas.Quem se mete leva!!!
    Quando for encostar ao paredão fogem como ratos…

    Gostar

  43. Peta permalink
    24 Julho, 2009 14:19

    Ó lusitânea vai mas é levar no rabo de um skinhead qualquer…

    Gostar

  44. 24 Julho, 2009 14:46

    Paulo Nunes,

    “Se essa parcela mensal incluir o tratamento de outras pessoas que não fizeram a mesma contribuição, então elas também têm direito ao mesmo (seja ou não injusto).”

    Independentemente das contribuições de outrém, você pode estar a pagar o cancro que um terceiro contraiu por fumar; ou doenças decorrentes da obesidade por má dieta alimentar. Eles terão todos os direitos, você o dever (coercivo) de financiar a irresponsabilidade alheia.

    “Estamos a falar de um contrato entre os cidadãos e o estado. Não estamos a falar de filsofia.”

    Errado. Você nunca contratualizou nada com o Estado nem em nenhum sítio do mundo os cidadãos se lembraram de pedir ao Estado que lhes prestasse serviços de saúde. Foram sempre os políticos que, na eterna obsessão da caça ao voto, se puseram a inventar e a prometer serviços criando a ilusão da “gratuitidade”. Foi assim com a saúde, com a educação, com a segurança social. No fundo passaram a comprar votos pagos com o dinheiro de quem lhos vendia e chegámos à situação actual de Estados super obesos. Com a agravante de que toda a gratuitidade gera consumos excessivos e desperdícios incontroláveis a prazo.

    Gostar

  45. Quim permalink
    24 Julho, 2009 15:04

    ESTES BLASFEMOS PSEUDO LIBERAIS ACHAM QUE O FUTURO É A IDADE DA PEDRA,
    Um dia descobrirão que é, afinal, o passado.

    Gostar

  46. 24 Julho, 2009 15:29

    Centenas de anos de evolução sociológica, “derrubados” por um infeliz…
    “Se na Pré história não havia vacinas da gripe, poderia efectivamente morrer-se dela!!!”
    “Atender ao estado da evolução da técnica” diz-lhe alguma coisa???
    Deve ser mais um “nerd” que jogou demasiado Fallout 3 e sonha como o apocalipse Pós nuclear…
    Nos últimos 150 anos a esperança média de vida aumentou cerca de 30 anos, parece-lhe mal???
    A saúde não é um direito de todos, nem a segurança, nem o trabalho, nem nada, então para que temos um governo e órgãos de admnistração, para nada também!!!
    Podemos apenas marcar o nosso terreno com vedação e criar a nossa Lei!!! Isto vira o Faroeste…
    Mas dou-lhe o crédito de ter admitido que iria ser insultado ferozmente no inicio do post…

    Gostar

  47. 24 Julho, 2009 15:32

    Outro indicador de saúde pública é o da mortalidade infantil que tem vindo a reduzir drasticamente nos últimos 100 anos… espero que não torne a subir com medidas do tipo fecho de maternidades…

    Gostar

  48. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 15:34

    43.Peta disse
    24 Julho, 2009 às 2:19 pm
    Ó lusitânea vai mas é levar no rabo de um skinhead qualquer…

    Para me cruzar contigo?Vade retro satanás…
    Não tarda nada estás desempregado.Isto vai ruir mas podes sempre voltar àmãe áfrica…

    Gostar

  49. 24 Julho, 2009 15:35

    Claro que podemos privatizar tudo… O estado não fica menos obeso, o serviços não melhoram, (como temos visto) e o contribuinte “incha” mais…Claramente “benéfico” para todos…

    Gostar

  50. Peta permalink
    24 Julho, 2009 15:36

    Ó Lusitânea, tem piada que já cá tou, na mãe África, de onde todo nós saímos, até vocês, nacionalistas impotentes.

    Gostar

  51. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 15:36

    Só gostaria de saber quem paga os centros de intoxicação e propaganda que todos os dias no querem aqui fazer a cabeçinha por forma baixarmos voluntariamente a cueca para sermos enrrabados…

    Gostar

  52. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 15:41

    A droga que importam dos seus santuários e vendem com o beneplácito do politicamente correcto e das garantias totais da “esquerda” servem para fragilizar e dissolver as “vontades” dos indígenas mas daí retiram lucros.Agora “propaganda” subversiva e traidora quem é que a paga?Quem paga a tanto esquerdista que aqui anda a afundar Portugal?

    Gostar

  53. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 15:41

    bom , se me sacam impostos a dizer que é para a saúde , penso que é claro que tenho direito aos cuidados de saúde que tenho andado a pagar na eventualidade de os precisar ( espero não precisar).

    Gostar

  54. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 15:41

    Isto “O Direito Natural são o Direitos que não oneram outros Humanos de forma diferente.”
    “é apenas uma opinião ou se preferir, uma filosofia. É a mais correcta para si e não A CORRECTA. Percebe?”

    Óbviamente, parece que não entendeu que é por causa disso que eu defendo o que defendo. Como é que em coerência defende a igualdade de todos exporem as suas ideias e ao mesmo tempo defende impor direitos discriminatórios?
    Se todos temos direitos iguais a defender ideias temos também direitos iguais a recusá-las.

    Os Direitos discriminatórios só podem existir se houver um contrato livre entre partes. Se há 100000 que se cotizam para ter um sistema de Saúde(e podem fazer cotizações progressivas ou iguais ou como quiserem) estão no seu direito. Não podem é impor que alguém que não queira entrar NA SUA FILOSOFIA pague também.

    Gostar

  55. 24 Julho, 2009 15:44

    Ó Lusitânea, a sua doença só tem essa reacção em relação aos africanos, ou também em relação aos outros continentes?
    Os asiáticos também lhe fazem esse prurido?

    Gostar

  56. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 15:44

    “Independentemente das contribuições de outrém, você pode estar a pagar o cancro que um terceiro contraiu por fumar”

    E um cancro causado pela proximidade de uma fábrica que liberte químicos cancerígenos para o ar? Não tenho qualquer estatística a este respeito mas acredito que a larga maioria de vitimas de cancro do pulmão são não-fumadores.

    Gostar

  57. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:03

    55.Piscoiso disse
    24 Julho, 2009 às 3:44 pm
    Ó Lusitânea, a sua doença só tem essa reacção em relação aos africanos, ou também em relação aos outros continentes?
    Os asiáticos também lhe fazem esse prurido?

    Ó Piscoiso aqui da cruz alta estou a topar o horizonte a ver se vejo o vapor de água de sai da sua cabeçinha pensadora de beirão desnaturado.
    A mim ninguém me cala como diz o poeta também beirão desnaturado.Desnaturados e traidores aos montes é o que mais existe nas beiras… porra!
    Não sou contra ninguém.Nem africano, nem asiático, nem contra religião.Sou contra os traidores que nos desgovernam!
    Que tanto descolonizam, como colonizam sempre apresentando umas virtudes do caraças.Como o de se pagarem impostos para distribuir a quem não deveria ter direito a eles.A quem nos anda a caçar cá no torrãozinho sem serem incomodados.E a serem tartados como se fossem uma riqueza caída não em Fátima mas no largo dos ratos!

    Gostar

  58. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:04

    Piscoiso:

    Mas que os filhos da puta começam a medir as suas palavras e obras começa… sabe-se lá porquê….

    Gostar

  59. 24 Julho, 2009 16:10

    Como “beirão desnaturado” segundo a sua terminologia, não falo de cruz nenhuma, nem sei de que traições fala.
    Estimo-lhe as melhoras.

    Gostar

  60. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:21

    O Piscoiso faz-se desentendido.Não ando doente para me desejar as melhoras, mas que é uma forma de desqualificação do adversário.Por falta de argumentos.
    O povo Português é conhecido pela sua inacção e deixa andar.Podem fazer dele o que quiserem que nem refila.
    O politicamenbte correcto traidor sabe disso e está de albardá-lo com impostos para o colonizar com “genes frescos” que rapidamente nacionalizam vindos das mais desvairadas partes do planeta.Sem sequer serem precisos.Mas pobres, muito pobres para participarem na divisão do bolo.
    Os políticos que nos andam assim a colonizar são traidores puros e simples.Sem sentido nenhum, como os números demonstram.Seria de admirar o país não estar à beira da falência com tamanho desgoverno.Fazendo frente à mais vasta campanha de propaganda que algum dia existiu em Portugal hei-de continuar a acusar esses traidores de merda para as asneiras que andam a fazer.Muitas das vezes pela calada e nas costas dos eleitores.Portugal não é deles.Também é meu.E tudo farei para que deixe de ficar africanizado.

    Gostar

  61. Paulo Nunes permalink
    24 Julho, 2009 16:24

    LR Errado. Você nunca contratualizou nada com o Estado nem em nenhum sítio do mundo os cidadãos se lembraram de pedir ao Estado que lhes prestasse serviços de saúde. Foram sempre os políticos que, na eterna obsessão da caça ao voto, se puseram a inventar e a prometer serviços criando a ilusão da “gratuitidade”. Foi assim com a saúde, com a educação, com a segurança social.

    O Serviço Nacional de Saúde (SNS) é financiado pelo Orçamento de Estado (OE). As actividades descritas no Orçamento de Estado são projectadas (teoricamente e num país ideal) segundo as necessidades e possibilidades desse país. Se um país necessita de um SNS, então são projectados impostos para que haja dinheiro para que o SNS esteja incluído no SNS.

    Quando eu me refiro a um “contrato”, não me estou a referir a um documento escrito entre mim (cidadão) e o estado. Estou-me a referir um montante “X” que me é retirado para satisfazer as actividades descritas no OE. Se o SNS não estiver contemplado no OE, então, teoricamente, eu pagaria “X-Y”, em que Y é a parcela que me cabe na contribuição para o SNS. É a esta contrato implícito a que me referia.

    De qualquer maneira, o problema do SNS não é o seu princípio, mas sim a forma como este mesmo princípio é gerido e aplicado. Num país como o nosso, em que a organização é escassa e o controlo financeiro do SNS é mínimo, tendencioso e corrupto, é óbvio que um SNS é um buraco sem fundo sorvedor de dinheiro.

    Quanto à parte “filosófica” da questão, podemos extrapolar que tipo de sociedade pretendemos contruir. Se uma em que a lei do mais forte prevalece (e, quase sempre, está implícito que o mais forte é o que menos escrúpulos tem) ou uma sociedade que pretende atingir um equilíbrio entre os seus cidadãos de forma a que estes tenham a melhor qualidade de vida possível.

    Gostar

  62. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:26

    O meu boletim clínico para o Piscoiso:
    http://cobracascavel007.blogspot.com/

    Gostar

  63. 24 Julho, 2009 16:36

    #60.
    E tudo farei para que deixe de ficar africanizado.

    E se ficar asiático, também conta?

    Gostar

  64. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:38

    Se vierem todos os chineses que o Sampaio nacionalizou e se vierem ao do orçamento nem duvide…

    Gostar

  65. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 16:43

    A censura politicamente correcta seve para esconder a tragédia que provocou.As televisões em vez de andarem a passear pelo Portugal profundo deveria ir dar programas nas dezenas e dezenas de bairros sociais multiculturais à volta de Lisboa, Amadora, Sintra, Cascais , oeiras, setúbal. Almada, etc. etc acompanhados com os “técnicos” da seg social que nos fossem relatando do que é que vivem esses valiosos portugueses(e os primos deles à espera do tempo para o serem).Desafio o politcamente correcto a mostrar isso e o custo dos bairros, da saúde, educação, reeducação e prisões…

    Gostar

  66. per caso permalink
    24 Julho, 2009 16:51

    E alguém há que vislumbre neste Portugal do Sócrates algum direito à saúde? Há é o direito à morte, às portas da morgue, nos hospitais. Lá, nas cidades do Litoral, onde é que se ajuntam os médicos portugas todos, ao invés de algum espanhol e da américa latina que lá vá para o Interior. Porém, direito à saúde, só se for dos ricos que bem a paguem, como da gente adrede aos dois grandes partidos, que é que mandam, que empregam os médicos portugas, mais dados à morte, e por lista de espera, senhores.
    Agora, saúde, por direito universal, extensivo aos pobres, quem é que quer saber disso? Que governo?, que ministro, ainda o mais retinto como o nosso socrático, aí? Da saúde que se leve às pessoas vivas, aos pobres, quais desgraçados, sem costumes nem saber de saúde, higiene e alimentação. Da gente toda que desde sempre não vai além do básico caldo de couves galegas e pote de bacalhau, se o têm. Onde o pessoal, que o haverá, melhor que enfermeiros, formado em serviços sociais, para ensinar, ajudar, levar saúde a essa gente pobre, analfabeta, ignorante, que já vem da idade média, do tempo dos nossos reis? Porque aí começaria o preparo da saúde das pessoas, não ao fim, à entrada do seu último bafo, de caminho para a morgue do nosso grande serviço de saúde, à porta dos hospitais.

    Entretanto, a nossa ministra achou poleiro altaneiro nos média e televisões, cada dia na proa das notícias que lá dão mais dez casos de gripe A, suína, sem ao menos uma morte a contar, ai, que é que seria a notícia final. Mal se dizendo que dos 186 casos, bem 167 já passaram as tormentas, se se encontram sãozinhos da silva como um qualquer de nós. Mas conta para a lçista, vai contar ad infinitum, que nisto, muito além da mesma China, cá nós contamos e somos notícia, se não ficamos atrás de ninguém.

    Que até esquece que, sazonalmente, em Portugal, morrem de gripe, das outras gripes, para aí duas mil pessoas, sem importância, diante da gripe da américa, suína à origem, nos média A rebaptizada, limpa, de forma a encher telejornais.

    E assim vai o espectáculo, a palhaçada, o circo à portuguesa, conforme às regras liberais.

    Gostar

  67. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 17:06

    Quais Liberais não há nada Liberal na saúde, temos é um Sistema Social-Coorporativo ,para começar você não pode escolher o Hospital.
    Não há escolha algo essencial num sistema Liberal.
    Depois das asneiras em Santa Maria quem vive na área é obrigado a lá continuar a ir. Como era de esperar ninguém veio falar contra o SNS após os 6 casos de cegueira mas se tivesse ocorrido num Hospital Privado poderia postar que todas as TV’s e jornais estariam a falar de como os privados são isto e aquilo apesar de todos eles administrarem de forma diferente.

    Gostar

  68. lucklucky permalink
    24 Julho, 2009 17:11

    Notícias que não aparecem por cá: O Sistema Nacional de Saúde Britânico decidiu não fazer um transplante:

    http://www.thisislondon.co.uk/standard/article-23721474-details/Family+s+grief+as+alcoholic+son+dies+after+being+denied+a+transplant/article.do

    http://www.dailymail.co.uk/news/article-1200692/Please-help-Mum-I-dont-want-die-Last-words-alcoholic-22-died-refused-liver-transplant.html;jsessionid=D09CD7F60C3935C03103AB3FDC999850

    ‘Please help me Mum, I don’t want to die’: Last words of alcoholic, 22, who died after being refused liver transplant

    A young alcoholic denied a liver transplant because he was too ill to prove he could stay sober outside hospital had begged his mother to help him live.
    Gary Reinbach, 22, was terrified and pleaded with his mother to do something hours before his death. His last words to her were: ‘Please help me Mum, I don’t want to die.’
    Mr Reinbach had the worst case of cirrhosis that doctors had ever seen in a man of his age but they refused to give him a new liver which could have saved his life.
    National guidelines dictate that to qualify for a donor organ, a potential recipient must prove he has the determination to stop drinking by remaining abstinent for six months.

    Gostar

  69. 24 Julho, 2009 17:16

    AO LER ALGUNS DOS COMENTÁRIOS DESTE POST FICO COM A CERTEZA, QUE ESTE PAÍS NÃO TEM FUTURO COM ESTA GENTE.
    NÃO PASSAM DE LIXO,QUE NOJO.
    jojoratazana

    Gostar

  70. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 17:23

    traição | s. f.
    derivação fem. sing. de trair

    traição

    s. f.1. Acto!Ato ou efeito de trair.
    2. Perfídia.
    3. Entrega aleivosa.
    4. Quebra aleivosa da fé prometida e empenhada.
    5. Infidelidade conjugal.
    6. Emboscada desleal; surpresa vil.
    À traição: traiçoeiramente, aleivosamente.
    Pelas costas, à falsa fé.

    trair (í) – Conjugar

    v. tr.1. Atraiçoar.
    2. Denunciar.
    3. Não cumprir.
    4. Falsear.
    5. Ser infiel a.
    v. pron.6. Revelar (o que se desejaria ocultar); descobrir-se.

    Gostar

  71. Justiniano permalink
    24 Julho, 2009 17:26

    LR!
    Esta posta não tem ponta por onde se lhe pegue!!
    Pretenderá o LR discutir a natureza jurídica das prestações de saúde prestadas pelo SNS!?
    Não se percebe, mas o argumento, aparente, aparenta deficiencias e alguma mediocridade!
    É imperscrutável o contributo do post para o esclarecimento sobre o que quer que seja.

    Gostar

  72. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 17:37

    Trair:
    enganar por traição;atraiçoar;falsear;faltar ao cumprimento de;ser infiela;
    Povo:
    conjunto dos habitantes de um país, de uma região, cidade , vila, etç
    nacionalidade:
    qualidade de nacional;vínculo político e jurídico que obriga um indivíduo perante um Estado;grupo social unido por uma comunhão de raça ou , pelo menos, de civilização, um atradição histórica e aspirações comuns

    Gostar

  73. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 17:41

    Artigo 308.º – Traição à Pátria

    Aquele que, por meio de usurpação ou abuso de funções de soberania:

    a) Tentar separar da Mãe-Pátria ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira todo o território português ou parte dele; ou
    b) Ofender ou puser em perigo a independência do País;

    é punido com pena de prisão de dez a vinte anos.

    Gostar

  74. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 17:49

    Hoje em dia trair não é desertar e levar o avião para o inimigo e vir anos depois querer pensão de anti-fassista
    Hoje trair é abrir as portas e fazer despesas desnecessárias criando guetos fora da administração do país sem ser pela força das armas.É quebrar a coesão social e cultural do povo.É querer governar-se iludindo-nos com o governo do mundo…

    Gostar

  75. Paulo Nunes permalink
    24 Julho, 2009 18:04

    Sr. Lusitânea,

    Independentemente do maior ou menor grau de razão que lhe assistem em algumas das suas afirmações, a forma como as exprime, assim como a insistência e a cólera que transparece nas suas palavras, denota uma pessoa que está perturbada com a visão que tem de certas situações do país.
    Todos nós temos algum grau de perturbação com certas situações, mas o seu grau é notoriamente superior ao da maioria das pessoas. Aconselho-o profundamente a procurar ajuda profissional especializada. Não pretendo com esta opinião afrontá-lo ou ofende-lo. O grau de cólera demonstrado só lhe faz mal a si, uma vez que as situações que a provocam não serão ser resolvidas tão depressa (se é que o serão alguma vez).
    Sendo assim, e a continuar com esses níveis de irritação, acabará por desenvolver problemas de saúde mais ou menos graves ao que, indo de encontro ao tema deste artigo, terá que recorrer ao SNS que, para seu azar, poderia ser o hospital Amadora-Sintra, agravando assim a sua condição.

    Como vê, está apenas nas suas mãos evitar uma situação do tipo bola-de-neve.

    Cumprimentos e tenha calma

    Gostar

  76. ourição permalink
    24 Julho, 2009 18:19

    # 61, muita confusão aqui vai. Salva-se Paulo Nunes:
    “Num país como o nosso, em que a organização é escassa e o controlo financeiro do SNS é mínimo, tendencioso e corrupto, é óbvio que um SNS é um buraco sem fundo sorvedor de dinheiro”. O únicá ressalva é a de que o país deixou de ser nosso Há 4 anos pelo menos. O País é “deles” e deixam-nos cá viver enquanto pagarmos impostos. De facto um SNS é um serviço que para não descambar tem que ser respeitado pelos utilizadores e muito bem gerido. Acontece que muitos dos farsantes que o defendem são de dois tipos – A e B.
    A – Arrota esquerda diz-se grande defensor do SNS, fuma e bebe em excesso, não se protege sexualmente, mexe-se na cadeira do café quando vê o futebol ou quando vê a telenovela, as raras vezes que trabalha nunca se protege minimamente, come como uma besta, isto é, facimente contrai diabetes, hipertensão com o cortejo pesado de doenças cerebro vasculares, DST, reumatismo, depressão, traumatismos de tipo vário. Às vezes a maria que o sustenta trabalha na limpeza, a filha na administração a preencher papéis. A despeza que um/a tipo destes faz em regra é descomunal, pode safar-se uma, duas vezes, internamentos, consultas nso centros de doença, mas faz sempre asneira.
    B – Garanhão em negociatas da saúde, medicamentos a rodos, alta tecnologia, informática em regra completamente desfasada com a realidade para justificar vastas sequências de compras a esmo, convenções, contactualizações, falsos concursos. Está adaptado à bandalheira e move-se como uma enguia em águas pestilentas. Nunca frequentou nem pensa frequentar um estabelecimento do SNS.
    Estes tipo de personagem porventura dilacera mais os recursos que o tipo A com que nunca se cruza na rua.
    Em suma estamos feitos, a menos que as queixas se sucedam em catadupa até ao Tribunal Europeu, todos os dias se justificm milhares de queixas, criar uma situação insustentável até os responsáveis pelo descalabro sofram as consequências do seu modo de vida e sua irresponsabilidade – Tipo A, ver # 68 e os outros finórios sejam julgados por gestão danosa compulsiva. Até hoje o correia de campos ainda não justificou a aquisição de registos informáticos no valo de milhões sem concurso público durante o seu consulado.

    Gostar

  77. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 18:42

    LUSITÂNEA
    – Os celtas nao quebraram a coesao social dos iberos quando invadiram a peninsula e deram origem aos lusitanos?

    Gostar

  78. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 18:50

    75.Paulo Nunes disse
    24 Julho, 2009 às 6:04 pm
    Sr. Lusitânea,

    Sr. Paulo Nunes
    Obrigado pela sua procupação acerca do meu bem estar futuro.Mas fique descansado.O Louçã faz isto hà muito mais tempo e como vê anda aí são como um pero, embora já se lhe note a careca.Recomendo á mulher que é viseense(os beirões que viraram o bico ao prego são aos montes não é?)e médica que lhe receite alguma loção que evite a queda do cabelo.Que isso o resto eu tenho tudo.O meu discurso enquanto não mudarem as leis merdosas que fizeram vão continuar a ouvir sejam quais forem os protagonistas…

    Gostar

  79. 24 Julho, 2009 19:16

    Justiniano,

    “Esta posta não tem ponta por onde se lhe pegue!!
    Pretenderá o LR discutir a natureza jurídica das prestações de saúde prestadas pelo SNS!?
    Não se percebe, mas o argumento, aparente, aparenta deficiencias e alguma mediocridade!
    É imperscrutável o contributo do post para o esclarecimento sobre o que quer que seja.”

    Leu os links? Já ouviu falar na diferença entre direitos naturais ou negativos e direitos positivos? O direito à saúde enquadra-se nestes.

    Gostar

  80. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 19:18

    Ó 77
    Qual dos dois grupos que falas veio de África?

    Gostar

  81. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 19:21

    É que o que sei é que invasões pacíficas de inicio já foram muitas e deram depois para o torto.A de 711 dos berberes foi a última e não topo por aí berberes.Bem berberes dos antigos que no Martim Moniz era preciso tirar o DNA à maioria da população para ver donde vieram, já que “sem papéis” é isso mesmo.”Acolhidos”

    Gostar

  82. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 19:29

    “Já ouviu falar na diferença entre direitos naturais ou negativos e direitos positivos?”

    Eu já. E novamente aponto que estes são construções sociais e não Matemática. Os direitos são o que uma dada sociedade quiser por isso se quiser debater o assunto não o faça como quem defende que a Terra gira á volta do Sol. A sua verdade é apenas UMA verdade por isso para defender a sua visão da sociedade tem de o fazer da seguinte forma:

    a) Explicitando qual é para si o objectivo da organização humana em sociedade.
    b) Porque é que a sua maneira é a mais certa para atingir esse objectivo.

    Agora debater aquilo que é puramente subjectivo como se fossem verdades observáveis é que não me parece muito correcto. Mas enfim, é a velha história da brasa e da sardinha. 🙂

    Gostar

  83. 24 Julho, 2009 19:35

    Sérgio,

    Para mim, o direito à vida, à liberdade e à propriedade são algo de muito objectivo. Respeitá-los, não custa nada a ninguém, apenas abster-se de penalizar idênticos direitos de outrém. O direito à saúde e outros direitos positivos, implica sempre o poder coercivo de Estado para pretender estabelecê-los. E a extorsão fiscal a todos, concordem ou não com o seu estabelecimento. O caminho da servidão também passa por aqui.

    Gostar

  84. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 19:39

    Eu vejo por aqui uns pensadores que só falta legislarem acerca da família no sentido da “humanidade”, do género cada uma deve ter e sustentar um africano e um chinês para ser correcta…

    Gostar

  85. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 19:42

    No país é isso que decretam.Quase um milhão de estrangeiros, muitos já “nacionalizados” a viverem numa grande maioria por conta dos impostos.A não ser que nos demonstrem onde trabalham… e nos mostrem os impostos que pagam…

    Gostar

  86. 24 Julho, 2009 19:50

    “AO LER ALGUNS DOS COMENTÁRIOS DESTE POST FICO COM A CERTEZA, QUE ESTE PAÍS NÃO TEM FUTURO COM ESTA GENTE.
    NÃO PASSAM DE LIXO,QUE NOJO.
    jojoratazana”

    Cá estamos outra vez. Espécime perfeito.

    Gostar

  87. Sérgio permalink
    24 Julho, 2009 19:55

    “[Para mim], o direito à vida, à liberdade e à propriedade são algo de muito [objectivo].” 🙂

    Posto isto pergunto o seguinte: se o seu direito á vida colidir com o direito à vida de outro (se quiser posso dar um exemplo concreto ainda que extremo) qual o direito que se sobrepõe? Em relação à propriedade, esse é um “direito” que teria de ser debatido. A propriedade deriva do quê? E para ser dono de algo implica que outros não o sejam. A conversa dos Direitos sempre foi muito tricky porque podemos todos chegar a conclusões que não nos convêm.

    Para mim o direito à saúde nunca devia passar pelo Estado. Falando por mim, agradar-me-ia viver numa sociedade próspera e saudável, onde a pobreza não exista e todos assumissem um papel produtivo não lhes sendo vedada a dignidade mediante a profissão. Um varredor de ruas ou operário indiferenciado deveria poder aceder, por exemplo, a quimioterapia ou a outros tratamentos de que precisasse. Todos deveriam pagar a sua saúde na medida das suas possibilidades e o resto que proviesse de um fundo comum que poderia ser gerido por privados. 🙂

    Não me parece que o que temos seja de todo o ideal. Mas pelo menos é menos exclusivo que o darwinismo social que defende. Já aí estivemos sabe? Esse período ficou conhecido como Idade das Trevas. A única diferença é que no mundo que defende os servos da gleba teriam liberdade para ir morrer em outro lado.

    Gostar

  88. Diz que permalink
    24 Julho, 2009 21:39

    Quim disse
    24 Julho, 2009 às 3:04 pm

    ESTES BLASFEMOS PSEUDO LIBERAIS ACHAM QUE O FUTURO É A IDADE DA PEDRA,
    Um dia descobrirão que é, afinal, o passado.

    Gostar

  89. Anónimo permalink
    24 Julho, 2009 21:49

    Os fundamentos da vida em comunidade são a dignidade humana, a solidariedade e a subsidiariedade. A dignidade de cada pessoa é o pilar essencial da vida em comunidade.

    Isto é verdade para os seres humanos bem formados.
    Para os blasfemos…

    Gostar

  90. Anonimo 77 permalink
    24 Julho, 2009 22:17

    Sr. Lusitanea
    escreveu: qual dos dois grupos veio de africa?

    Vieram da Suiça. E’ por isso que gostamos tanto de voltar la. Nem que seja para empregada de limpeza ou trolha.

    Folgo saber que o seu DNA e´ de luxo. E e´ nobre ou plebeu?

    Gostar

  91. LUSITÂNEA permalink
    24 Julho, 2009 23:21

    Sr 90
    Os iberos devem ter atravessado o mediterrâneo numa época antiquíssima e desse temo são os bascos o grupo herdeiro.
    Os celtas não vieram da Suiça de certeza pois que foram o grupo que mais expansão teve na europa desde a irlanda, UK, frança, espanha etc
    Em portugal o Rio Tejo separa de grosso modo os dois grupos embora haja uma série de castros, típicos dos celtas a sul dele.
    A malta de esquerda confunde duas coisas:racismo e nacionalismo.Antes do 25 Portugal era pluracial e pluricontinental.Com lei igual para todos.Isso foi objecto de lutas internas a soldo de potências estrangeiras- o internacionalismo da URSS e da China e acabou por se verem os Portugueses brancos expulsos e sem bens de África.Descolonização exemplar.Pergunto eu qual a razão de terem agora os mesmos (a esquerda) feito leis que prejudicam novamente os Portugueses ao darem a nacionalidade a quem a rejeitou anteriormente?E sem dados de arrependimento?Só porque recebem mais do que na terra deles?Para o que os Portugueses têm que receber menos?Sem sequer serem necessários?Por caridade?Pobres na sua esmagadora maioria?
    A quem aplicam discriminações positivas que nunca nenhum indígena teve?Mas a lei é igual para todos ou quê?Para onde foge um Português criminoso?Quem lhe dá uma segunda nacionalidade?
    O que andam a fazer é uma colonização a sério e não uma necessidade de mão de obra.Que é neste momento imparável.Face à inacção contra os ilegais, às reuniões familiares, aos casamentos e a todos os artifícios usados a que o poder político actual fecha os olhos.Perseguindo quem se oponha.Com uma propaganda imensa a condicionar o zé povinho da bondade da coisa.Prometiam que iriam pagar as reformas dos velhinhos mas os velhinhos vão ficando é sem reforma…
    Contra as pessoas africanas não tenho nada.Tenho é contra os vendilhões do templo, com os cata ventos que tanto fazem uma coisa como o seu contrário.Uns gatunos que fazem o que fazem só para ir distraindo o zé povinho das falcatruas com que se enchem.
    E os defensores desta situação são poucos, a propaganda é que amplia o parecerem muitos.Que como vc nem a cara dá.Anónimo como a maioria…

    Gostar

  92. Anonimo 77 permalink
    24 Julho, 2009 23:51

    Caro Sr. Lusitanea,

    disse: Que como vc nem a cara da?

    Lusitanea é nome proprio??? Jacinto Lusitanea?

    Se os iberos atravessaram o mediterraneo tambem nao sao de Portugal, os cabroes. Ha que expulsa-los.

    Os celtas vieram do centro da Europa. Cultive-se antes de dizer asneira. A viagem foi ao contrario.
    Da Iberia para a Irlanda.

    Caro: Nao sou de esquerda, nem sequer vivo em Portugal e vivo do meu trabalho. Da-me pena ouvir vozes de burro como a sua num pais de emigrantes como o nosso.

    Gostar

  93. 25 Julho, 2009 01:05

    Sérgio,

    “Posto isto pergunto o seguinte: se o seu direito á vida colidir com o direito à vida de outro (se quiser posso dar um exemplo concreto ainda que extremo) qual o direito que se sobrepõe? Em relação à propriedade, esse é um “direito” que teria de ser debatido. A propriedade deriva do quê? E para ser dono de algo implica que outros não o sejam. A conversa dos Direitos sempre foi muito tricky porque podemos todos chegar a conclusões que não nos convêm.”

    O único caso extremo que equaciono é o da legítima defesa. Quando os liberais falam em direito à propriedade estão sempre a considerar que ela nunca é obtida de forma ilícita: decorre do produto do trabalho ou de doações / heranças. E essa que se é dono de algo por extorsão a outrém é das maiores falácias em que a esquerda insiste sempre. A ser verdade, nunca se criaria riqueza e jamais sairíamos da idade das trevas.

    “Para mim o direito à saúde nunca devia passar pelo Estado.”

    Perfeitamente de acordo e esse é o meu ponto. Nada impede que as pessoas se associem e criem mútuas para as quais se cotizem. Se for um “direito” imposto pelo Estado, a liberdade individual sairá sempre a perder.

    Gostar

  94. Anónimo permalink
    25 Julho, 2009 01:55

    Um direito imposto…

    Ele há cada imbecil.

    Com que então uma pessoa poder-se tratar sem ter de andar a mendigar a meio mundo ajuda para pagar o negócio da medicina é um direito imposto pelo Estado que lhes tira a liberdade?

    Olha lá, e a tua estupidez? cá para mim é uma dívida da natureza para contigo.

    Gostar

  95. 25 Julho, 2009 09:05

    LR

    93. “Nada impede que as pessoas se associem e criem mútuas para as quais se cotizem.”

    Mas o que quer dizer “para as quais se cotizem”?

    Gostar

  96. Justiniano permalink
    25 Julho, 2009 09:37

    LR!
    “Leu os links? Já ouviu falar na diferença entre direitos naturais ou negativos e direitos positivos? O direito à saúde enquadra-se nestes.”
    Li os links…já!
    Pior a emenda que o soneto…Não me leve a mal.
    Pela insistencia, o LR pretende, mesmo, discutir a natureza jurídica da coisa.
    Não é o sítio mais apropriado, e não parece que a questão, relevante, se prenda com a natureza Absoluta ou relativa deste direito (pelo menos do ponto de vista constitucional a questão é evidente no sentido relativo)…Parece-me mais relevante, e interessante, reconhecer que este se apoia na densificação da dignidade da pessoa humana.
    Quanto à propriedade (e outros direitos reais) tem caracteristicas absolutas por via do lado passivo da relação jurídica mas não tem, pelo menos pós Revolução Francesa, natureza absoluta na doutrina constitucional de construção e reconhecimento de direitos.
    O liberalismo não se revê, exclusivamente, na lógica proto civilistica que o LR quer ver..

    Gostar

  97. LUSITÂNEA permalink
    25 Julho, 2009 09:42

    ó 92
    O seu verniz partiu-se muito facilmente.Faz certamente parte da propaganda paga para cobrir a colonização de Portugal.Tavez até um deles.Ainda por cima burro a interpretar o que os outros dizem.
    Para mim só existe uma verdade:Quem descolonizou como o fez não tem direito a colonizar-nos como andam a fazer. percebeu ou precisa e explicador?E se são a nossa “riqueza” que nos castiguem deixando-nos pobres…

    Gostar

  98. LUSITÂNEA permalink
    25 Julho, 2009 09:47

    E os que “lutaram” para ser independentes não devem ter direito a nacionalidade “PORTUGUESA”nunca mais.Mas infelizmente já muitos andam por aí, com a família toda, por conta do contribuinte Portuga…face à traição que por aqui o internacionalismo consegue transformar em “virtude”.

    Gostar

  99. LUSITÂNEA permalink
    25 Julho, 2009 10:03

    Ó 92 inteligentíssimo
    “Da-me pena ouvir vozes de burro como a sua num pais de emigrantes como o nosso.”

    A africanidade imigrante e os “nacionalizados” é que obrigam os portugueses a emigrar que não é certamente o seu caso que vive da propaganda traidora colonizadora.
    Fico preocupadíssimo de os países africanos retaliarem e expulsarem os portugueses que por lá andarem…levarão em cima deles dezenas de milhar de vezes mais…
    E ainda lhe digo mais para seu desgosto.Faça um inquérito aos indígenas e pergunte se eles consideram os recem “nacionalizados” verdadeiros “portugueses”…um papel não faz um Português.E um papel até pode servir para limpar o cú percebe seu merdoso?

    Gostar

  100. 25 Julho, 2009 14:23

    Justiniano,

    “Pela insistencia, o LR pretende, mesmo, discutir a natureza jurídica da coisa.”

    Não só. Também se pode discutir a natureza económica. Quando o Estado “impõe” o direito à saúde, fá-lo sempre pela via da extorsão fiscal a todos. Mas se as comunidades se associarem em mútuas, como já eventei acima, estão a conquistar esse direito por voluntarismo próprio, socializando na mesma os custos. Só que não estão a fazê-lo contra ninguém.

    Gostar

  101. Anonimo 77 permalink
    25 Julho, 2009 15:07

    Caro Sr. Lusitanea,

    Eu nao trabalho em propaganda. Cuido de deficientes mentais. Dai gostar tanto de falar consigo.

    Voce limpa o cu ao papel? Pensei que dado as suas tradicoes celtas limpasse o cu com caruma.

    Gostar

  102. 25 Julho, 2009 15:20

    101 – “Cuido de deficientes mentais. Dai gostar tanto de falar consigo.”

    Que falta de gosto.

    Gostar

  103. 25 Julho, 2009 15:21

    No menos. 😀

    Gostar

  104. Anónimo permalink
    25 Julho, 2009 15:37

    Ó tolinho:

    e alguém impede as pessoas de associarem?

    Se não impede porque é que não se associam?

    E alguém impede que quem pode, não se meta à frente de quem não pode e pague a clínica o que não paga no Estado?

    Então porque é que todos estes beneméritos desconhecidos, apenas se lembram do egoísmo privado, naquilo que descontam do que já lucraram, contra o mesmo e até mais que outros descontam do que apenas recebem e nem lhes sobra para qualquer lucro?

    Gostar

  105. zazie permalink
    25 Julho, 2009 15:42

    E, desde quando é que se chama propriedade privada ao que nem teve contrato de solo ou de bem, ou escritura pública a determinar-lhe posse eterna?

    Acaso não é descontado para imposto toda a venda que se faz através de recibo?

    Que “espoliação” diferente é que existe quando o mesmo que é retirado passa a ser aplicado para ajudar a pagar tratamentos caríssimos a quem não ganha, nem numa vida inteira, para os poder pagar?

    É algo de diferente dos pagamentos para esgotos ou serviços públicos como electricidade e água e estradas que servem para todos?

    Ou será que entre a doença de alguém e o lucro do médico de clínica privada- que quer passar a receber do Estado como intermediário na manigância- o segundo é mais sagrado que o primeiro

    Gostar

  106. zazie permalink
    25 Julho, 2009 15:46

    E, dentro desses impostos que vão para a cobrir despesas a quem não tem posses de as pagar em lucros privados, onde cabe os gastos gigantescos com financiamentos de material e bens, e outros intermediários e ainda os que directamente são pagos pelo Estado para trabalharem como médicos e não o fazem- porque andam com outro pé no negócio privado- e ainda recebem prémios de incentivo brutais, como é o caso dos cirurgiões?

    Quem é o “espoliador” e o “espoliado” nestes casos?

    Ou estes casos não existem porque os únicos que vos importam são os desgraçados que ficam doentes sem o terem pedido e que nada lucram com a doença?

    Gostar

  107. zazie permalink
    25 Julho, 2009 15:53

    E para acabar:

    O JM andou a fazer uma série de posts acerca da “incompatibilidade de interesses” a propósito da publicidade da Cáncio nos media em prol do namorado PM.

    Eu concordei, embora não lhe chamasse propriamente incompatibilidade de interesses. E v.s todos concordaram.

    Pois bem- neste caso temos um médico que anda em lobbying com políticos e caciques locais, para fazer aprovar no futuro uma alteração do SNS em que o próprio já reconheceu- com todas as letras- que tem interesses pessoais a defender.

    Esses interesses incluem clínicas que passavam a ter contratos com o SNS e bancos e companhia de seguros que faziam de intermediários no investimento em que o Estado deixava de ter responsabilidade.

    Isso tudo implicava brutal competição pela fatia- já que as clínicas e os médicos ou donos delas não viveriam apenas da venda particular dos seus serviços- pelo contrário- passavam a ser mais um “agente” a receber os nossos impostos para esses serviços.

    E isso, para ser conseguido de forma mais “expedita” precisa dos mesmos bastidores com caciques locais, onde todas as regras da democracia e concursos conseguem ser subvertidos “de forma legal”.

    Fica então a pergunta: o que tem um liberal a ver com o espírito destas jogadas?

    Gostar

  108. 25 Julho, 2009 15:55

    Era eu, zazie- fica aí o link para o Cocanha, para que não haja dúvidas.

    Em relação ao resto do conto do vigário do Joaquim quem quiser siga lá, nas caixinhas de comentários do Portugal Contemporâneo, o que disse sobre o assunto.

    Gostar

  109. 25 Julho, 2009 16:04

    Caríssima Zazie

    Hoje cruzei-me com as suas fabulosas intervenções lá no Portugal Contemporâneo.

    Fiquei feliz com o que disse e defendeu, Zazie.

    Grande mulher que você é, caramba, passe o você. Não por estar de acordo comigo, mas por saber ver tão claramente.

    Tentei dizer lá qualquer coisa, em forma de comentário, mas, não faço ideia porque, não consegui, – por alguma razão tecnica.

    Vénia!

    Gostar

  110. LUSITÂNEA permalink
    25 Julho, 2009 16:41

    Ó menina 109
    A menina saiu-me cá uma artista…
    Pelos vistos tudo que seja socialismo, divisão, acolhimento, amor ao próximo é consigo…e de certeza muita kultura! de preferência subsidiada!
    Olhe eu costumo ser grosso com quem é comigo.Sou educado mas nunca gostei de dar a outra face percebe?
    A política é uma ciência nobre que deveria ser vedada a chalatões e oportunistas carteiristas vendilhões dum povo.Pode não concordar, tem o seu voto, eu tenho meu.Vivemos num país livre com direito ao direito de livre expressão.E tenho todo o direito a reclamar do que considero um verdadeiro crime que é a africanização de Portugal sem ser necessária economicamnete, o que só agrava a situação dos indígenas.Daí partirem para psiquiatrias e outros mimos…
    Mas espere para ver o que de facro vai acontecer.Se isto vai dar uma volta ou não…

    Gostar

  111. 25 Julho, 2009 16:49

    Ó Lusitânea de nobre Mar!
    ?
    Olhe, leia lá o que eu disse mais outra vez, e tente ver de outra perspectiva, que parece que está a ler o Blasfémias de pernas para o ar. hahahaha.

    Gostar

  112. 25 Julho, 2009 17:00

    Zzzie, agora me lembro – e continuo sem conseguir comentar lá no Port. cont. – o que eu queria dizer é que o Joaquim aconselha a ler Rand. Imagine-se!!! Isso explica tudo! Hehehe. É uma espécie de aranha venenosa para os ignorantes.

    Eu também sou ignorante. Mas sou intuitiva. De maneira que vou ao menos sabendo limpar a casa e vejo as aranhas com toda a clareza.

    Por outro lado, os ignorantes sem percepção e sem apreensão, são envenenados por demências mentais como Ayn Rand. Embuste do princípio ao fim.

    Gostar

  113. 25 Julho, 2009 19:19

    Beijoca, Terspsichore.

    O musaranho já se encarregou de fazer post para ajudarmos todos os Quim.
    …………..

    Lusitânea:

    Retire lá a pala africana por uns minutos e morda-me a ciganice do Quim, que isto nem é altura para se falar a sério de nada, quanto mais do SNS.

    Cada coisa no seu lugar.

    Este trafulha anda a querer chegar-se à frente e a brincadeira não é apenas teórica ou virtual.

    Quanto ao resto eu nada escrevi que pudesse inferir-se que defendo socialismos ou coisas no género.

    Eu até sou conhecida por “uber-fascista” e tenho tanto pó a comunismos como v.s

    Mas pior que isso são os ciganos que se aproveitam das tramas dos bastidores democráticos para subverterem as regras.

    E, em ditadura ainda havia uma coisa que agora se perdeu- vergonha na cara.

    Gostar

  114. 25 Julho, 2009 19:25

    Quanto aos totós liberais são isto que se pode ver: capazes de apadrinhar um cigano que quer socializar a carteira por encosto ao Estado.

    E são capazes porque vivem de palavras. Mera bizantinice de palavras vazias.

    De todo o modo, quem defende as políticas do internacionalismo do carcanhol e porta-aberta para importação de clandestinos e mão-de-obra escrava, também são eles.

    Depois querem o quê?

    Querem o bom do Estado Social que só se aguenta com regras para uns tantos, a ser saqueado por excedente de tudo e, principalmente, por intermediários que se montam em tudo o que está a descoberto?

    Metam esta treta na cabeça de uma vez por todas- Estado Social viável só pode existir em sociais democracias. E esta anormalidade da planetarização do mercado é bruto tiro no pé para as mais valias que se tinham conquistado.

    Gostar

  115. 25 Julho, 2009 19:30

    Mas, neste caso a estupidez é tão grande que ele lá, nem de liberais com olhinhos na cara consegue ter apoio.

    Por uma questão óbvia- mesmo dentro do credo liberal do “cada um por si e que se foda o colectivo” o gajo está a querer o contrário- está a querer que os impostos ainda sirvam para dar lucro a quem monta negócio de saúde e nem para capitalista tem jeito.

    Gostar

  116. 25 Julho, 2009 19:41

    Só para se ter uma ligeira ideia da trafulhice do Quim, com aqueles números que apresenta “pour épater le bourgeois”.

    Calculou que o modelo dele era capaz de gastar apenas 8,4% do PIB.
    Aquele 4 é uma delícia, nem foi oito e meio felliniano, foi 4, à “economista”.

    Só que fez essas contas julgando que o valor se indiciava por Indices de Desenvolvimento e não por PIB per capita.

    Depois, alterou a patacoada, mas manteve o valor da percentagem, inventada sabe-se lá como.

    Gostar

  117. 25 Julho, 2009 19:42

    Quanto à Rand é como o John Locke- foram colegas de carteira.

    “:O))))

    Gostar

  118. 25 Julho, 2009 19:42

    Liberais liberais mas quando toca a pagar socorro estado paga..olhem a quarentena da gripe A….
    Porque não o fazem quando têm lucros astronómicos…?Simples porque com rara excepções os nossos empresários são a perfeita figura de chulos ….

    Gostar

  119. Magistral_estratega permalink
    26 Julho, 2009 03:23

    Oxalá que os que defendem a extinção do SNS, ou dos moldes em que ele existe actualmente, em que cada um de nós paga uma parcela do seu custo, como forma de garantir um dos pilares da nossa sociedade, da nossa humanidade, o direito à saúde, não tenham um AVC hemorrágico provocado pelo rebentamento de um aneurisma e fiquem a definhar durante anos, a cagar e mijar para a própria fralda, até que o dinheiro para as comprar se extinga e ela não possa ser trocada e então levem toda a sua família à falência para pagar os custos do seu tratamento ou cuidado paliativo… Sim! Porque eu que fumo, sou obeso, sou negro mas incrivelmente nunca tive de gastar um tostão em saúde, não tenho de pagar pela anormalidade genética que é esse cérebro dinamite!

    Só pode ter opiniões destas quem é deficiente cognitivo ou quem é profundamente ignorante! Reflictam nisso… Os acasos acontecem… Não abusem da sorte… Um dia pode calhar-vos a vocês e é nessa altura que entra a solidariedade, o direito à saúde!

    Agora um pouco mais seriamente, analisem o caso dos estados que não têm SNS… paradoxalmente gastam mais dinheiro em saúde que os que têm… Vá-se lá saber porquê… Os EUA que têm um modelo parecido com o que aparentemente desejam, tem um sistema menos eficiente e com piores resultados que o nosso. Não queiram ficar reféns de insituições (seguradoras, insitituições privadas, etc etc etc) que na hora da aflição só verão isso como uma forma de vos extorquir mais dinheiro.

    Guardem as doutrinas liberais para outros assuntos mas por favor, e para vosso próprio bem, deixem a Saúde em paz!

    Gostar

  120. Justiniano permalink
    27 Julho, 2009 17:13

    LR (100)
    É, exactamente, uma das razões que nos divide no campo do liberalismo (a admissão do princípio da socialidade)…que fazer com aqueles indivíduos cujas características intrínsecas sejam de modo e condição que o seu concurso para a produção de riqueza seja equivalente a nada ou seja, mesmo, negativo???
    Diga…

    Gostar

Trackbacks

  1. Leitura recomendada « Ágora Social

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: