Saltar para o conteúdo

Coesão nacional?!

5 Abril, 2010

A população de Valença do Minho começou, hoje, a colocar bandeiras espanholas na cidade. Um pouco ao jeito da campanha de Scolari, no Euro 2004, se bem que agora, em cada janela, a bandeira das quinas tenha sido substituída pela castelhana. 

Este gesto simbólico e, de certo modo, anti-nacional (e de reconhecimento pelo franquear dos serviços de saúde de Tui aos portugueses de Valença) tem um significado: a inexistência de uma verdadeira política de desenvolvimento regional sustentado, conduz, inevitavelmente, à perda de sentido de identidade nacional. O centralismo acéfalo (neste caso – bem ou mal! –  identificado pelas populações como um poder político e um Estado surdos às suas pretensões e aos seus interesses), acaba por tornar numa mera ficção qualquer ideia de identidade e de coesão nacionais.

Por alguma razão é  que notamos mais vivas e entusiásticas as celebrações das festas e efemérides nacionais, nos países cujas respectivas organizações administrativas estão, efectivamente, descentralizadas. Quanto mais regionalizado é um Estado, mais sentido de pertença (coesão) nacional existe!

Em Portugal, não falta muito para que algumas zonas do país passem, definitivamente, a fronteira… Basta ver, às segundas feiras de manhã, os fluxos de trânsito no sentido Porto – Vigo (Galiza), na A 28…. uma das SCUT’s que, em breve, será portajada.

82 comentários leave one →
  1. Semelha permalink
    5 Abril, 2010 18:40

    Olhem pra mim todo preocupado !!

    Que me interessa se são espanhóis ou franceses… metade deles são trolhas na Galiza ….
    Ora porra pró carnaval !

    Gostar

  2. Romão permalink
    5 Abril, 2010 18:47

    Exacto PMF, não fora a vizinha Espanha, com a Catalunha, País Basco e Comunidade Valenciana desmentir rotundamente a sua afirmação de que “Quanto mais regionalizado é um Estado, mais sentido de coesão nacional existe!”.

    Tirando isso é quase um bom post.

    Gostar

  3. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 18:48

    A mentalidade de serviçal continua.
    São parvos não perceberam que deram todos os direitos económicos a um Poder: Estado Social Português, são tão pouco inteligentes que agora estão dispostos a entregar esses mesmos direitos e quiçá ainda maiores a outro Poder.

    Depois admiram-se que o(s) Poder(es) façam o que lhe apetece.

    Gostar

  4. Romão permalink
    5 Abril, 2010 18:49

    Pergunte a um Catalão, com língua própria ensinada na Escola – com primazia sobre o castelhano -, sobre a coesão nacional que ele sente.

    Gostar

  5. Semelha permalink
    5 Abril, 2010 18:50

    Só os salazarentos é que não são serviçais …,

    Chiça !!

    Gostar

  6. HILÁRIO permalink
    5 Abril, 2010 18:50

    Com este governo em funções não resta dúvidas que eu prefiro ser guatemalteco!

    Gostar

  7. Romão permalink
    5 Abril, 2010 18:51

    “a Regionalização como factor de coesão nacional” – meta isso para pós-doutoramento; vai ver que o ISCTE o recebe de braços abertos.

    Gostar

  8. João Fernandes permalink
    5 Abril, 2010 19:00

    Eu tenho sempre hasteada a bandeira da antiga República Sul-Africana.

    À África do Sul eu devo tudo.

    Aproveito para lamentar a morte do Eugéne Terr’Blanche, que muito apreciava o Salazar e o Ian Smith, grandes homens que fizeram da África Austral o lugar mais desenvolvido daquele continente.

    Aquilo agora nem para amendoins…

    Gostar

  9. 5 Abril, 2010 19:00

    # 2 e 7 Romão:

    penso que se conhecesse melhor a realidade castelhana e, em particular, a Galega, veria que a minha afirmação não é desm,entida (ao contrário do que diz) pelo caso Espanhol!

    De resto, a observação a partir de outras realidades (exemplo: a belga, EUA, etc., etc.) por exemplo, é ilustrativa, para mim, do que disse. De resto, importa definirmos, para início de conversa, o que é e em que é que relevanmtemente se manifesta da identidade nacional….

    Quanto ao ISCTE, não sabia que tinham essa linha de investigação; tanto melhor que a tenham!!

    Gostar

  10. pvnam permalink
    5 Abril, 2010 19:06

    Todos Diferentes! Todos Iguais!
    TODOS os povos – quer os de maior, quer os de menor, rendimento demográfico – devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!

    -> Face à inviabilidade, óbvia, da fantasia multi-racial [os que são predadores – numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios – não são de confiança…] aquilo que aconteceu a Eugène Terre Blanche {sul-africano de várias gerações, ele ousou lutar por uma pátria branca em tão vasto país – dispondo-se inclusivamente a ficar com as piores áreas} é algo que seria de esperar…

    —> Será uma BANDALHEIRA INQUALIFICÁVEL deixar as próximas gerações de nativos europeus à mercê dos predadores que estão numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios…

    —> Não há tempo a perder com os IDIOTAS SUICIDAS (PNR’s e afins) -> estes idiotas não vêem que a maioria dos europeus (vulgo bandalhos brancos) não são de confiança: não se preocupam em constituir uma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher)… adoram fazer negociatas fáceis à custa de mão-de-obra servil ao preço da chuva…

    CONCLUSÃO: Antes que seja tarde demais, há que mobilizar aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência… SEPARATISMO-50-50… e coligação (do tipo NATO) contra o inimigo comum: os predadores insaciáveis…
    {nota: como possui armas de alta tecnologia, e como também está demograficamente ameaçada… será da máxima importância mobilizar a Russia para esta coligação}

    P.S
    -> É uma ‘situação natural’ – a História sempre foi assim: em virtude de migrações… a nova população não se revê na Identidade Nativa… e então… depois surgem novas identidades…

    Gostar

  11. Romão permalink
    5 Abril, 2010 19:19

    #9.

    PMF,

    O que está em causa no “abandeiramento” de Valença é uma chantagem sobre o valor da imagem de Portugal. Nem sequer é qualquer coisa que tenha a ver com o legítimo interesse dos valencianos de integrar a vizinha Espanha. Se houvesse alguém a propor semelhante referendo, estou certo que o mesmo se traduziria num rotundo fracasso. Os valençanos socorrem-se da fobia de uma Olivença e envergonham o Estado por via de uma acção de marketing bem conseguida.

    De resto nem precisamos de emigrar para encontrar exemplos que desmentem a sua tese: uma das duas regiões com privilégios de autonomia expandidos (a Madeira) exibe constantemente o fantasma da secessão quando quer qualquer coisa (normalmente mais dinheiro) e tem como cabeça de cartaz um cacique que faz as delícias dos anti-regionalistas que vêem na regionalização uma incubadora de Jardim’s e outros que tais. Não deveriam os madeirenses, segundo o seu exemplo e a sua tese, serem os mais lusitanos dos lusitanos?

    Gostar

  12. Romão permalink
    5 Abril, 2010 19:25

    #9.

    A realidade Americana é tão complexa e tão movida por fantasmas e utopias que dizer que a coesão nacional provém do seu carácter federal é como dizer que a velocidade das chitas têm a ver com o tamanho do pêlo.

    A América é uma ideia que precede um país que precede os seus habitantes. Podia ser assim como podia ser de outro modo, como já foi. Como é uma ideia recente, tem o vigor da juventude. E como é uma ideia capitalista (ou o expoente máximo da ideia capitalista) não é coincidência ter sido executada de forma a canalizar de forma mais eficiente o modelo pelo qual o capitalismo se pode exprimir melhor. E o modelo é o actual federalismo americano, que pode ser qualquer outro dependendo das circunstâncias e da forma que o capitalismo encontrar para maximizar-se. Porque a América é a ideia do dinheiro e o dinheiro é a verdadeira ideologia americana: com estados ou sem estados.

    Gostar

  13. 5 Abril, 2010 19:26

    Queiram ou não nas zonas da raia o sentimento de nacionalidade está cada vez mais esbatido e a isso muito se deve a retirada do Estado de todo um amplo corredor ao longo da fronteira.

    Gostar

  14. Romão permalink
    5 Abril, 2010 19:31

    #9.

    Não conheço a Galiza o suficiente para debater. Mas conheço a Catalunha o suficiente para saber que não é com fatias de autonomia progressiva que por lá se aumenta o sentimento de pertença e amor a Espanha. Pelo contrário. Os catalães foram tendo cada vez mais independência com a promessa de que um dia lhes chegaria. Obviamente quanto mais têm mais pedem.

    Gostar

  15. Voorttrekker permalink
    5 Abril, 2010 19:34

    #8 Caro João Fernandes, essa é que é a verdade! O resto, é tragédia canhota de resultados dramáticos e irremediáveis. Nós, infeliz e provadamente, somos hoje parte dela mas, não só, também da urdidura de tamanho descalabro.
    E a procissão ainda vai no adro… daí as bandeiras em lugar das colchas.

    Gostar

  16. 5 Abril, 2010 19:35

    #14.

    “Amor a Espanha”!?!?…Temo que não estejamos, como já referiod acima, no mesmo cumprimento de onda.

    Interessaria, mesmo, começar por definir os parâmetros relevantes para efeito de definição do que é a identidade nacional! Notop que isso não tem nada a ver com sentimentos (simbolicos e romanceados) de “amor á pátria”, a Portugal e coisas quejandas…. Desde logo, tem a ver com interesses concretos que materializam o sentimento de pertença ou de comunidade…

    Gostar

  17. Tripeiro permalink
    5 Abril, 2010 19:47

    Nós cá no NORTE damo-mos bem com os Galegos, aliás aquela região nunca devia ser dividida, separada, ou lá o que seja. Eles identificam-se connosco e nós com eles.
    E se estamos perto e os serviços são melhores que os nossos, porque os PULHAS destes governos deixaram tudo ao abandono, QUE SE LIXE. E digo mais é lá faço compras, é lá que faço as revisões dos carros, é lá que como o mellhor peixe e marisco. Estou a pensar seriamente em ir para lá viver.

    Gostar

  18. 5 Abril, 2010 19:48

    Bom post, Mr. PMFroufe.

    A população de Valença tem muita razão para se manifestar, e do modo como entender !, inclusivé com o hasteamento (simbólico) de bandeiras espanholas.

    Não é um gesto anti-nacional.
    Talvez mais desrespeitador pelo Estado de Direito, pela Constituição, é a provocadora colocação, desde há uns meses, de bandeiras monárquicas em Lisboa ou Cascais, inclusivé em locais públicos, como a varanda da câmara lisboeta.

    Gostar

  19. 5 Abril, 2010 19:50

    Santinhos, a coesão nacional só existe à volta do Benfica contra o FCPorco e vive versa.
    Qualquer benfiquista prefere que um clube espanhol ganhe ao FCPorco seja ela da Catalunha, Galiza ou donde quer que seja.
    1640 foi a data mais trágica por engano, hoje haveria a Ibéria e seria uma grande potência mundial.
    Dentro de vinte ou trinta anos estas duas nações ou jogarão um campeonato nacional conjunto ou o futebol em Portugal ficará reduzido aos matraquilhos.
    E é, talvez, por ai que se iniciará o começo.

    Gostar

  20. Anonimo permalink
    5 Abril, 2010 19:54

    A manta é curta.Os gajos vão tapando num lado mas destapam no outro.Só na africanização é que não se poupa.Ninguém poupa.Coitadinhos que os africanos são uns pobrezinhos e tão amorosos na terra deles.Quem é que na grande maioria consome só em SIDA 2000 eurozitos por mês quem é?No total 300 milhões anuais.Portanto as periferias conformadas podem ficar de tanga… que o desvio do dinheirinho como vêm é para fazer o bem.Isso e muitas dezenas de casinhas que ainda andam a ser pagas mas já têm promessas de renovação.Pá a animação acima de tudo.Trabalho?É preciso?

    Gostar

  21. Anonimo permalink
    5 Abril, 2010 19:58

    Quanto á coesão nacional por acso o PPC pensou logo nisso ainda andava na JSD.Quer-se dizer nem é coisda precisa.Não dá lucro a ninguém.É retrógrada.Por isso é que os “portugueses” africanos(muitas centenas de milhar) nem o hino precisam de saber.Afinal o 1º amor é sempre o que fica na memória(a sua 1ªa nacionalidade).A portuguesa é a “utilitária”, é aquela que “paga”…por isso é que é só amores entre uns e outros(em especial polícias)…

    Gostar

  22. Eleutério Viegas permalink
    5 Abril, 2010 20:00

    Que pena Lisboa não ser junto à fronteira… Podíamos fazer-nos ao piso… E meter gasóleo/gasolina e fazer compras mais baratas. Aquilo também está a rebentar, mas vai aguentar melhor.

    Gostar

  23. 5 Abril, 2010 20:01

    Isso quer dizer que as bandeiras estão baratas.

    Gostar

  24. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 20:03

    Quanto mais Poder as pessoas aceitarem que o Estado lhes tire mais isto irá acontecer.

    Gostar

  25. Anonimo permalink
    5 Abril, 2010 20:04

    Quanto á regionalização a grande salvação de muitos desempregados os mal pagos comprende-se.Mas gato escaldado de água fria tem medo.O que tem de ser feito é deitar o regime todo abaixo e começar de novo em moldes responsáveis e sem constituições comunistas nem leis traidoras…entre as quais tudo o que seja REGIONALIZAÇÃO.

    Gostar

  26. Nightwish permalink
    5 Abril, 2010 20:08

    #19

    O tráfico de pneus, como vai?

    Gostar

  27. 5 Abril, 2010 20:15

    Valença tornar-se-á outra Olivença?

    Gostar

  28. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 20:44

    Olivença foi tirada à força.

    Gostar

  29. Porteiro do Júlio de Matos permalink
    5 Abril, 2010 20:45

    Bonito serviço!
    Deixaram os portões abertos…está tudo lá fora…

    Gostar

  30. 5 Abril, 2010 20:52

    É lá…..então já não há vergonha nenhuma!

    Sabem que isso é a maior afronta que se pode fazer…a bandeira é o símbolo de um ESTADO.A bandeira pela qual eu muitos juramos defender até à morte!

    Uma vergonha….e o Governo não reage?

    O que falta acontecer?

    Gostar

  31. lica permalink
    5 Abril, 2010 20:53

    já tou a tratar de mudar o meu B.I. para nacionalidade espanhola.

    Gostar

  32. João Fernandes permalink
    5 Abril, 2010 21:04

    Se eu fosse de Valença também hasteava a bandeira castelhana.

    Há muito que o governo português abandonou o interior do país, as serras e as zonas raianas.

    Tanto trabalho que os nossos reis povoadores tiveram para conquistar e ocupar territórias e esta corja socretina abandona as populações que são a guarda-avançada de Portugal contra os apetites dos Bourbons e Castelhanos em geral!

    Portugal abandou África e os portugueses africanos sem honra nem glória.

    Agora querem entregar as populações raianas aos espanhóis.

    E ainda por cima têm o descaramento de enviarem tropa para territórios que nada tem a ver com Portugal, que é o caso do Afeganistão e Kosovo, territórios sob governos fantoches maometanos!

    Gostar

  33. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 21:13

    Os habitantes de Valença do Minho deveriam dizer que agora 20% ou mais do seu IRS vai para o Centro de Saúde que eles querem e o Estado Gigante que se lixasse ou os prendesse a todos. Isso sim seria Regionalização séria.

    Gostar

  34. RIP permalink
    5 Abril, 2010 21:15

    Isto está a bater no fundo.
    A gatunagem dos partidos tomou conta do sítio.
    Depois,vêm hordas de desvairados,todos sedentos de poder(leia-se acesso ao dinheiro dos contribuintes nacionais e estrangeiros).
    Desdobram-se entre associaações e irmandades que vão da sexualidade no traseiro à cacicagem regional e à bola,
    todos ávidos,todos sequiosos,antes que acabe o maná que vem do suor dos outros.
    Vivem num país minúsculo,todos com a mesma etnia,a mesma história,a mesma cultura,mas inventam e entrincheiram-se em milhares de diferenças fantasiosas,inverosímeis.
    Serve-lhes a miséria reinante,causada pelas quadrilhas políticas em impiedosa pilhagem,para testificar da bondade dos seus delírios de ganância.
    Após oito séculos de monarquia,o poder caíu nas mãos da turba e dos mercenários.
    Malbarataram tudo num ápice,mesmo o que fora poupado pelo único Chefe de Estado que tinha a pátria como estandarte.
    Ondas de opinadores varrem as páginas dos jornais,numa acesa disputa,reclamando qual o mais traidor,qual o mais ranhoso.
    Núvens negras pairam sobre a pátria…

    Gostar

  35. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 21:15

    Infelizmente em vez de tomarem o poder de mudar as coisas nas suas mãos procuram um novo capataz.

    Gostar

  36. Galaecia permalink
    5 Abril, 2010 21:15

    Gostar

  37. Anónimo permalink
    5 Abril, 2010 21:23

    Censura do Governo Português ao jornal Liberation?
    Alertado por um comentador fui ver a edição do jornal francês “Liberation” , de 18 de Março de 2010, que o Expresso disse não ter saído em Portugal por motivos de impressão.
    Afinal tem um artigo demolidor para José Sócrates.
    Veja aqui: http://www.liberation.fr/monde/0101625174-jose-s-crates-le-portugais-ensable

    Começa agora a perceber-se porque razão aparece na comunicação social o “caso dos submarinos” neste momento.
    Caso que está mais que requentado, até na Justiça Portuguesa, pois o Mº Pº já acusou vários individuos no caso das contrapartidas.
    O caso aparece agora para tentar apagar as más notícias no estrangeiro em relação a Sócrates.
    E porque o 1º submarino será entregue em Maio e Espanha não quer.
    Então mais uma manobra dos socialistas para lançar poeira, quando afinal foi o Governo do PS de Guterres que avançou com o concurso..
    Claro que, sejam quem forem os corruptos, devem ser presos, mas o que as forças socialistas querem é tentar travar os inquéritos parlamentares e condicionar o PSD. Nâo lhes interessa prisões.
    Querem apenas manobrar.
    http://jose-maria-martins.blogspot.com/

    Gostar

  38. luikki permalink
    5 Abril, 2010 21:36

    nada como um alcaide no – caso o de tuy – para fornicar a política (toda a política) da corja governamental instalada no rectângulo…
    ele até pode contratar mais médicos para tratar os “tugas”…
    ele até pode construir um novo centro de saúde… sem taxas …

    Gostar

  39. 5 Abril, 2010 21:37

    … aliás, VALENÇA. Mas a aproximação à VALÊNCIA catalã até foi um lapsus teclae simbolicamente significativo.

    Gostar

  40. D.Urraca permalink
    5 Abril, 2010 21:45

    Os portugueses da actualidade são uns portugueses moles, abúlicos e nalguns casos andam completamente drogados.

    Os portugueses não têm governo capaz nem nenhum futuro à sua frente.

    Quem poder desenfiar-se, não se faça rogado!

    Gostar

  41. 5 Abril, 2010 21:56

    O desdém endémico que o governo central(ista) vota todas as regiões que distem 50km da capital é o maior factor de divisão nacional possível.

    Para além da falta de retorno do dinheiro que nos é esbulhado através dos impostos. Se Espanha trata melhor que deles está perto, então compreende-se a questão das bandeiras.

    Não se esqueçam que, há muitos séculos, é assim que os portugueses reagem à nossa Tradição de Mau Governo: votam com os pés, emigram, vão para outros lados longe de uma terra e de governos que os desprezam.

    Gostar

  42. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 22:19

    Errado.Os Portugueses aprovaram tudo o que aconteceu nos últimos 30 anos. Aprovaram a insustentabilidade, nunca em tempo algum o Estado conseguiu tirar mais riqueza do agora, com o voto dos Portugueses, nenhuma Ditadura ou Rei se chegou perto. E ainda tira aos que não nasceram.

    Agora têm o resultado de terem escolhido o conforto de entregar todo o poder ao Estado. Alijaram-se de responsabilidades e agora chiam porque descobriram que estão a ficar sem nada e o Estado que com tudo ficou já não os ouve – é claro que não o Estado só foi simpático quando precisou de o ser para seduzir os Portugueses a lhe darem todo o poder.

    Mas estes ainda não perceberam que ficaram sem poder algum sobre as suas vidas porque entregaram todo esse poder ao Estado.

    Gostar

  43. Ana C permalink
    5 Abril, 2010 22:28

    Ser espanholitos?

    Seria assim tão mau?

    Gostar

  44. lucklucky permalink
    5 Abril, 2010 22:38

    Ainda terias menos poder.

    Gostar

  45. Romão permalink
    5 Abril, 2010 22:49

    #16.

    PMF,

    Aparentemente, o seu conceito de amor reduz-se a uma expressão deslavada e popularucha de uma ideia que se confunde com o romantismo à Jane Austen. Pode naturalmente ver a coisa desse modo, mas é limitado, inadequado e dá azo a uma ironia sem suporte.

    Sem tirar de foco o que diz no seu post (e podemos voltar às definições conceptuais se achar necessário para clarificação do que vou escrever em seguida) podemos concluir que

    1. o PMF tira um paralelo sem qualquer tipo de suporte segundo o qual a descentralização fortalece a coesão ou identidade nacionais, porque promove a deslocalização de competências e permite que as regiões/localidades respondam melhor e mais rapidamente às necessidades dos seus habitantes.

    2. Fica por provar 1. porque nem é evidente que a regionalização funcione melhor que a centralização: a excessiva distribuição de competência pode ter como resultado a multiplicação de caciques e de políticas baseadas de one-man-show e de culto do líder, indiferentes a uma estratégia de desenvolvimento a longo prazo (vide, novamente, o exemplo de endividamento despesista da Madeira) e tampouco se demonstra, mesmo na forma tentada, que à regionalização e subsequente deslocalização de centros de decisão corresponda, de facto, um acréscimo, qualquer que ele seja, da coesão ou identidade nacional. Parece precisamente suceder o inverso em países cuja componente de coesão nacional não logra suplantar as aspirações separatistas das regiões que a compõem (o País Basco e a Catalunha são exemplos prementes do enunciado anterior, ao contrário do que PMF parece sugerir).

    3. Por último, parece-me óbvio que para os confessos praticantes da cartilha liberal não deveria haver problema em que os habitantes escolhem o país de acordo com as necessidades e conveniência de cada população. Ou a identidade nacional é uma vaca sagrada resguardada das leis do mercado?

    Gostar

  46. anonimo permalink
    5 Abril, 2010 22:56

    o realizador e os actores deste filme são os mesmos das maternidades alentejanas, entretanto passa-lhes ou descobrem que os beneficiados são os médicos e enfermeiros que ganham e folgam a dobrar para fazer 1,7 por noite.

    Gostar

  47. Ana C permalink
    5 Abril, 2010 22:56

    # 43 – tem razão Lucklucky

    é impressionante que o povo continue a votar PS

    Gostar

  48. O Observador permalink
    5 Abril, 2010 23:00

    Fantástico. Uma cambada de idiotas. organizados à volta daquelas estruturas frentistas e “unitárias” denominadas “comissões de utentes” armam-se em parvos e hasteiam bandeiras espanholas, por causa do encerramento de uma unidade irracionalmente económica.
    Já agora porque não exigirem uma central nuclear ou outra maluquice qq.
    Querem Espanha, vão para Espanha, porra. Mas não nos chateiem.

    Gostar

  49. Miguel Vasconcelos permalink
    5 Abril, 2010 23:02

    Ana C disse
    5 Abril, 2010 às 10:28 pm
    Ser espanholitos?
    Seria assim tão mau?

    A fronteira está aberta,o que a impede?
    Porque quer vender a pátria?
    Quando a espanha atravessar conjuntura idêntica,vai-se vender a quem? França? Itália?
    Nem merecem o que vos legaram!

    Gostar

  50. Minhoto permalink
    5 Abril, 2010 23:24

    É olhar para Salvaterra do Minho e Tui e fazer o contra-ponto com Monção e Valença.
    É olhar para Badajoz e fazer o contra-ponto com Elvas.
    É ir à eco-via Monção-Melgaço, ver só Espanholitos a passear e ver a Torre da Lapela a servir de estendal para roupa.
    É ver este país a afundar-se.

    Gostar

  51. Gol(pada) permalink
    6 Abril, 2010 00:07

    1,7 ou 17 por noite?

    Gostar

  52. LUSITANO permalink
    6 Abril, 2010 01:08

    Caros
    Amigos,
    Aqui fala-se muito de governo (este, nem merece letra grande), mas há um profundo equívoco da vossa parte, é que não há governo nenhum, isso, se considerarmos Governo um conjunto de políticos com ideias, com uma base moral e ética que assumam o Poder para poderem dirigir a Nação, não só para a defenderem de ameaças externas como para a engrandecerem, ora, ou eu vivo na Lua, ou não vejo nada disso há umas boas dezenas de anos aqui no quintal, o que vejo, isso sim, é uma sequência de conjuntos de criaturas sem quaisquer ideias ou projectos de futuro para esta pobre Nação, apenas movidos por interesses pessoais de momento e a debitarem muita propaganda barata indigna até do Dr. Goebbels, pois estes amadores de 3ª nem isso conseguem fazer de jeito, apesar de noutros tempos terem pedido ajuda a um vendedor de sabonetes (não sei se ainda continua), por isso, falar deste governo actualmente é estarmos a falar duma coisa digna desse nome que não existe.
    Quanto à regionalização dar mais sentido patriótico, Caro Amigo, é precisamente o contrário, isso serve, e de que maneira, o grande capital, é o destruir da identidade e unidade nacional, capital esse, que perante uma multidão de pequenos “regedores”, tem o trabalho mais facilitado para assim se poder assenhorar de quaisquer riquezas e mais-valias que esses territórios ou regiões produzam, lá diz o velho e sábio ditado: “dividir para reinar”, pensar o contrário é uma utopia ou até mesmo uma grande ingenuidade.
    Portugal, não tem presentemente, quaisquer hipóteses de sobrevivência, estamos com uma taxa de produção própria que cobre uns 50% das necessidades nacionais, muito baixa portanto, o que quer dizer, que não produzindo nós o suficiente, não há outra maneira senão pedir dinheiro emprestado para sobrevivermos, mas como é que se vai pagar esse dinheiro se não produzimos o suficiente???
    Este é um dilema que não vejo ninguém responder, e sem uma resposta qualquer projecto não passa duma verdadeira fantochada, mais cedo ou mais tarde o barco vai mesmo ao fundo, tanto mais, que o conjunto dos países “emprestadores” não estão lá muito para os “ajustes” e a Grécia já lhes está a dar muita água pelas barbas.
    Só lhes deixo esta pergunta, responderão se acharem que isso vale a apena: aonde estão os sectores primários e secundários deste país??? Ou alguém com dois dedos de testa, pensa que isto vai lá apenas com o sector terciários (comércio e serviços), ou seja, grandes super e hipermercados e centros comerciais, ainda por cima, dominados cada vez mais, por apenas meia dúzia de monopólios???
    Os meus cumprimentos.

    LUSITANO

    Gostar

  53. O Observador permalink
    6 Abril, 2010 01:51

    Esta abencerragem do LUSITANO agora vem postar para “aqui”????

    Gostar

  54. 6 Abril, 2010 08:20

    # Supra 46:

    em resposta aos pontos 1, 2 e 3:

    1. (…) é evidente. Tudo o que “permite que as regiões/localidades respondam melhor e mais rapidamente às necessidades dos seus habitantes” e que, no fundo, corresponde à lógica (pretendida) pela subsidiariedade, é positivo e traz vantagens para a qualidade do funcionamento do Estado e, por consequência, para o reforço da coesão nacional (lato sensu). Não é uma questão de “deslocalização de competências”, mas sim de efectiva descentralziação, ou seja, de reconhecimento de atribuições na esfera de poderes que mais directamente lidam com as populações, na resolução dos respectivos problemas, com legitimidade própria adveniente da legitimidade política democrática… É também uma questão de responsabilidade

    2.(…) Isso de funcionar melhor ou pior poder-se-á aferir através das organizações administrativas dos Estados que nos são próximos: na prática, só a Grécia e Portugal, na Europa dos 15 (dos 27 não sei) é que não têm uma organização administrativa descentralizada (materialmente). O resultado está à vista….Quanto aos caciques, a ideia será precisamente a contrária: eles existem porque agora, com o poder centralziadao e em função dele mesmo, nomedamente (se se refere á Madeira, por exemplo) em função de uma suposta luta contra o poder central que os desresponsabiliza…. Além disso, o argumento dos caciques é contraposto ao (actual) das decisões opacas, no corredor do poder central… As “faces ocultas” aí estão e estarão.

    3. Pois deveria ser mesmo assim; o problema é que não é assim, nem a liberdade individual chega a esse ponto, ou só chega com muita dificuldade e, portanto, sem condições de igualdade de oportunidade nessa putativa escolha!

    Gostar

  55. Antonio Lemos Soares permalink
    6 Abril, 2010 10:40

    Fico sempre espantado e desiludido com atitudes como as que, ao que parece, se estão a tomar em Valença. Não entendo duas coisas:

    1.ª – Como é possível querer integrar um país como a Espanha que, quase sempre, dá preocupantes sinais de desintegração (Catalunha; Galiza; Pais Basco; Aragão, etc.), provocados, sobretudo, por uma política de regionalização falhada e suicida, praticada nos últimos 30 anos;

    2.ª – Porque razão os Portugueses que querem ser espanhóis, não emigram de vez para Castela e afins…?

    Gostar

  56. Luis Bernardo permalink
    6 Abril, 2010 10:44

    É lógico que num país que não tem médicos para suprir as necessidades mais básicas é um autêntico disparate ter um médico de plantão para atender uma duas pessoas por noite com dores de dentes (se o caso for mais complicado têm que ir a outro lado).

    Assim, a questão de Valença é que preferem ir a Espanha, onde são estrangeiros, do que ir a Monção, dada a rivalidade de longa data.

    Em Portugal para satisfazer todos e sermos todos felizes tínhamos que ter hospitais e todo o género de serviços do Estado de 20 em 20km, para as populações não terem que sofrer a suprema humilhação de ter que se deslocar a território hostil (vila vizinha) para ir ao médico, às finanças, etc. É isto que está em casa.

    Gostar

  57. Luis Bernardo permalink
    6 Abril, 2010 10:48

    Mas é engraçado que sendo o Blasfémias um espaço onde se defende que menos Estado é melhor Estado quando o assunto é o Norte se esqueçam logo da cartilha liberal.

    Então é assim, o Estado deve ser drasticamente reduzido em todo o país e consideravelmente aumentado no Norte, sob a ameaça de porem bandeiras espanholas nas janelas, isto porque o sítio onde nascemos é sempre mais importante que as ideias que defendemos.

    Pois é, não se pode satisfazer dois amos simultaneamente…

    Gostar

  58. 6 Abril, 2010 11:24

    58,

    «Mas é engraçado que sendo o Blasfémias um espaço onde se defende que menos Estado é melhor Estado quando o assunto é o Norte se esqueçam logo da cartilha liberal.»

    Está equivocado – a primeira lógica do liberalismo é a igualdade dos cidadãos. Acontece que o modelo do SNS, ainda que pernicioso no seu princípio, deve ser aplicado a todos por igual. O que não acontece.

    As pessoas de Valença do Minho estão a ser prejudicadas porque estão ‘lá em cima’, em locais onde nenhum governo se importa nem quer saber. Donde, é natural sentirem-se melhor em Espanha já que aí são tratados como gente e não como indígenas de uma província distante.

    Gostar

  59. 6 Abril, 2010 11:28

    O meu amigo António Lemos Soares também errou o alvo – a questão não a de emigrar para Castela (para a Galiza, neste caso) mas antes, muito pior, sermos assolados há muitas dezenas de anos por uma série de Maus Governos cujo único objectivo lógico (para além dos interesses pessoais dos seus membros) é o de forçarem os portugueses a imigrarem para Lisboa e arredores para poderem ter acesso a hospitais, polícia, tribunais, empregos, escolas decentes, oportunidades….

    E é isso que esboroa a tão propalada ‘coesão nacional’…

    Gostar

  60. anonimo permalink
    6 Abril, 2010 11:31

    oh amorim! lá em cima é mais o tiroliroliro, cá em baixo é o tiroliroló. vai a elvas que eles explicam-te.

    Gostar

  61. Romão permalink
    6 Abril, 2010 11:44

    #60.

    “a imigrarem para Lisboa e arredores para poderem ter acesso a hospitais, polícia, tribunais, empregos, escolas decentes, oportunidades….”

    Eu estou em Lisboa há vários anos CAA. Não tenho um melhor acesso (mesmo que as infraestruturas existam, estão sobrelotadas de tal modo que entopem e não funcionam) a hospitais, polícia, tribunal, escolas ou oportunidades do que a grande maioria dos meus concidadãos. Não é por morar ao lado do parlamento que me convidam a lá trabalhar. Ganha-se mais, na média, a trabalhar em Lisboa, mas gasta-se igualmente mais. Não vejo onde possa estar o meu privilégio ou o fundamento da sua argumentação.

    Gostar

  62. OLP permalink
    6 Abril, 2010 11:44

    Não emigram de uma vez por todas para Castela?
    já faltou mais e o amigo também o vai fazer.
    Deixe só o califado se instalar que não vai ter onde senão em Castela.

    Gostar

  63. Antonio Lemos Soares permalink
    6 Abril, 2010 11:49

    Meu caro amigo Prof. Doutor Carlos de Abreu Amorim:

    Estou de acordo, no geral, com o seu último comentário, quanto à péssima tradição nacional de mau governo. Onde discordaremos, é na maneira de superar esta infeliz realidade.
    Quando me referi a «Castela» fi-lo em sentido figurado. Muito mal comparando, utilizei uma imagem idêntica à que Gil Vicente usou, quando avisou os Portugueses no século XVI: – «Não queirais ser genoveses; mas sim muito portugueses…».
    Irrita-me solenemente ver bandeiras estrangeiras desfraldadas nas varandas do meu País; que, por sinal, tem quase 9 séculos de história…!

    Meu Deus, ao que se chegou!

    Gostar

  64. catala permalink
    6 Abril, 2010 12:29

    onde está a bandeira castelhana,
    devia estar a bandeira galega.

    Gostar

  65. Antonio Lemos Soares permalink
    6 Abril, 2010 12:36

    Catala:

    Onde estão bandeiras espanholas, deviam estar bandeiras de Portugal! Azuis e Brancas, como no primeiro dia em que conquistamos a nossa Liberdade…!

    Gostar

  66. catala permalink
    6 Abril, 2010 14:01

    A galega é Azul e Branca

    Gostar

  67. Luis Bernardo permalink
    6 Abril, 2010 14:09

    “As pessoas de Valença do Minho estão a ser prejudicadas porque estão ‘lá em cima’, em locais onde nenhum governo se importa nem quer saber. Donde, é natural sentirem-se melhor em Espanha já que aí são tratados como gente e não como indígenas de uma província distante.”

    CAA, conhece Algueirão-Mem Martins, freguesia com 120.000 habitantes, concelho de Sintra, a escassos 20 km de S.Bento? Não há escolas primárias nem creches para todos, para uma simples consulta tem que se sujeitar a uma espera de 5-6 horas, uma urgência representa 12 horas de espera no Amadora-Sintra, o centro de saúde funciona num prédio sem acesso a deficientes, que são atendidos na entrada, não há jardins dignos desse nome, etc.

    E também podia falar de Rio de Mouro, Cacém, etc. Será que também somos “indígenas de uma província distante”?

    Gostar

  68. anonimo permalink
    6 Abril, 2010 14:13

    as azuis e brancas são boas para limpar o cu.

    Gostar

  69. Romão permalink
    6 Abril, 2010 15:37

    #55.

    PMF,

    1. “(…) é evidente. Tudo o que “permite que as regiões/localidades respondam melhor e mais rapidamente às necessidades dos seus habitantes” e que, no fundo, corresponde à lógica (pretendida) pela subsidiariedade, é positivo e traz vantagens para a qualidade do funcionamento do Estado e, por consequência, para o reforço da coesão nacional (lato sensu).” PMF, aqui vou mesmo de ter de perguntar-lhe como define, ainda que seja num par de linhas, “coesão nacional”. Porque não é nada claro ou linear que a descentralização seja factor de coesão nacional, pelo menos do ângulo que eu a vejo e que me parece ser um entendimento generalizado.

    2. Na minha perspectiva das coisas, alavancada na compreensão do actual estado da política e corredores do poder em Portugal, a descentralização será apenas a declinação do que existe já e se pode ver – um estado corrupto, sôfrego e manipulado pelos tiranetes de ocasião – numa multiplicitude de poderes intermédios (muitos Portugal dos pequeninos), cada qual a utilizar os recursos de que dispõe para favorecer-se e favorecer os seus. Não vejo por que a descentralização haveria de melhorar um sistema que padece de uma enfermidade endémica. A sua teoria pressupõe qualquer coisa como um “bon sauvage” ou um saudável mas infundado optimismo antropológico a ocorrer por milagroso acto de divisão de poderes.

    Gostar

  70. Antonio Lemos Soares permalink
    6 Abril, 2010 16:04

    Catala:

    Azul e Branca com uma Coroa Real; umas sagradas Quinas ao centro; os castelos conquistados; os cinco Reis Mouros derrotados em Ourique… Percebe de que bandeira estou a falar?
    A de Portugal…!

    Gostar

  71. catala permalink
    6 Abril, 2010 17:26

    Claro.
    Mas pareçe que mudaram as cores para verde e vermelho com uma esfera amarela.
    Quase se confunde com a bandeira marroquina

    Gostar

  72. JJPereira permalink
    6 Abril, 2010 18:00

    #72

    Ah! Afinal a mãezinha do Dr.Kotter estava cheia de razão quando nos definia como o “Marrocos de Cima”…

    Gostar

  73. Snow permalink
    6 Abril, 2010 18:47

    Luis Bernardo #68

    O serviço que tem é mau, sem dúvida. Mas tem hospital no seu concelho, ainda que funcione mal, e estão a construir um novo em Cascais para descongestionar o Amadora-Sintra.

    Em Valença do Minho, não há hospital. É preciso percorrer 53kms antes de ir esperar essas 5/6h… e acesso só pagando portagem. Acha que tem comparação?

    Gostar

  74. Snow permalink
    6 Abril, 2010 18:51

    Já agora, se morar em Melgaço, são 92kms até ao hospital de Viana, que nem sequer é hospital central. Tem razão nas suas queixas, mas acredite que há quem esteja muito, mas muito pior.

    Gostar

  75. Bento Lima permalink
    6 Abril, 2010 20:26

    Não me parece que a regionalização do país seria um factor do reforço da coesão nacional; antes pelo contrário, como acontece em países que optaram por esse processo.
    A regionalização neste país teria como efeitos:
    . o aumento da corrupção
    . O aumento das despesas públicas
    . o aparecimento de mais caciquismo
    . uma maior desigualdade entre as regiões do país, embo-
    ra uma ou outra, eventualmente, pudesse ter um
    maior crescimento económico
    . um maior egoísmo regional, logo, uma menor coesão
    nacional
    . uma maior conflitualidadede política no país, em
    virtude do surgimento de uma autoridade política
    média.
    média

    Gostar

  76. portodocrime permalink
    6 Abril, 2010 22:03

    A regionalização neste país teria como efeitos:
    . o aumento da corrupção.Pois em portugal corrupção nunca existiu.(ler portugal=lisboa)
    . O aumento das despesas públicas.Não,despesa pública gasta onde?(ler estado)
    . o aparecimento de mais caciquismo.Caciques?.bem a AR está cheia deles(sei lá talvez o ribeiro e castro,ilustre representante do Norte do paí)
    . uma maior desigualdade entre as regiões do país, embo-
    ra uma ou outra, eventualmente, pudesse ter um
    maior crescimento económico.Pois,embora uma ou outra pudesse…..(lá está o império já foi á muito tempo)
    . um maior egoísmo regional, logo, uma menor coesão
    nacional.Egoísmo?deve ser por este país ser um bocado diferente do que o estado pensa.
    . uma maior conflitualidadede política no país, em
    virtude do surgimento de uma autoridade política.E? mas os ditos cujos que estão no estado(lisboa),não andam sempre a discutir nada?(assembleia da républica)

    as respostas(algumas)
    média.

    Gostar

  77. Observador da decadência permalink
    6 Abril, 2010 22:15

    Mas quantas bandeiras foram? 5? ou 6.

    Gostar

  78. 6 Abril, 2010 22:21

    Já ninguém fala dos putos que vão nascer a Badajoz? Curioso que a grande parte deles adquire dupla nacionalidade ou fica espanhol…smarts!

    Gostar

  79. Carlos Luna permalink
    6 Abril, 2010 23:41

    EU CONHEÇO BEM OLIVENÇA… mas, antes, deixem-me dar a minha opinião sobre Valência.
    É, de facto, impressionante a cegueira das nossas autoridades no que toca a questões de
    soberania. Primeiro, foi a Maternidade de Elvas… o que priva portugueses de Direitos de
    Cidadania! Na verdade, se dentro de trinta e cinco anos um elvense quiser ser Presidente
    da República, NÃO O PODERÁ ser, por Não ter nascido em território nacional.
    Isto é uma estupidez!
    Por outro lado, Olivença… segundo as fontes espanhola… era, em 1801, uma cidade
    comparável a Badajoz (História da Extremadura Española, Col. Universidade da Extremadura,
    1996, mais ou menos). Hoje, tem dez mil habitantes, cerca de 65% do que tem Estremoz, que
    em 1801 tinha pouco mais de metade do que Olivença. Para além disso, a História, a
    Cultura, a Língua, foram apagadas ( e ainda são! Não se ensina aos oliventinos, na
    escola, NADA da sua História).
    A irresponsabilidade dos dirigentes portugueses, a sua falta de sentido de estado e de
    dignidade, parece não ter fim.
    Carlos Luna carlosluna@iol.pt

    Gostar

  80. Carlos Luna permalink
    9 Abril, 2010 16:56

    A irresponsabilidade dos dirigentes portugueses, a sua falta de sentido de estado e de
    dignidade, parece não ter fim.
    A propósito de Valença , penso que falta em Portugal uma política minimamente coerente de
    dignidade nacional. Por exemplo, conheço bem a raia alentejo-extremadura, e fico
    estupefacto quando oiço os “alcaldes” (espanhóis, obviamente) das localidades
    fronteiriças dizerem-me que, estando as suas localidades a representar Espanha na
    fronteira, têm de ser “salas de visitas”, e, portanto, estar bem cuidadas para não dar
    uma má impressão! Ora, do lado português, parece haver um cuidado extremo… mas, ao
    contrário, em mostrar e acentuar (aqui com a cumplicidade do Governo de Lisboa) o que é
    inferior, o que é mau, e em dizer, mesmo quando isso nem é assim, que “o lado espanhol é
    que é bom e desenvolvido”. Isto é suicídio político e de dignidade, digamos assim.
    Por outro lado, sejamos objectivos! O “Alcalde” de Tui não deveria afirmar que vai abrir
    um centro de SAÚDE JÁ A PENSAR NOS PORTUGUESES! Isto parece querer dizer “nós pensámos
    nos pobrezinhos (coitados!) que são os desgraçados dos nossos vizinhos de Portugal”. Vejo
    isso como uma forma de ingerência… mesmo porque sei que, se algum Presidente de Câmara
    Português tivesse um gesto semelhante para com uma localidade espanhola, logo a Imprensa
    espanhola reagiria com indignação a dizer que ” espanhóis não precisam de esmolas”, e
    “que os espanhóis resolvem os seus problemas sem recorrer a terceiros”. Esta é a grande
    diferença entre governantes actuais dos dois maiores estados ibéricos (Andorra existe!).
    Os governantes portugueses nada estão a fazer por Valença. Governantes espanhóis, perante
    um caso similar, já teriam reagido… como o fizeram quando se içaram bandeiras
    portuguesas na Galiza, a propósito de uma questão desportiva.
    Já agora, eu estive em Rio d´Onor há cinco anos, e vi, na parte espanhola,, a
    disponibilidade de helicópteros militares espanhóis de P. Sanabria para levar doentes
    para Zamora… apesar de o Hospital de Bragança estar a vinte Quilómetros…
    Há realmente, repito, muita irresponsabilidade por parte das autoridades de Lisboa. Estas
    situações criam melindres e ressentimentos. Tudo, afinal, o que pode vir a ser pouco
    saudável na
    convivência entre Estados Ibéricos…
    Ainda volto a Olivença…pois leio em blogues espanhóis a queixarem-se de que Portugal
    é ridículo nas suas reivindicações, e que acabaria por pedir São Félix dos Gallegos e
    Ceuta…francamente! São Félix dos Galegos foi cedida a Espanha nas “pazes” gerais de
    1411; Ceuta foi cedida a Espanha em 1668, por tratado. Não são casos comparáveis a
    Olivença, que LEGALMENTE deveria ter sido reentregue a Portugal. Alguns dos meus
    antepassados tiveram de sair de lá…
    E, devo dizer, pasmo com o argumento “tempo”. Depois de Duzentos anos está tudo
    resolvido… O que dizer de Gibraltar, ocupado há trezentos anos…
    Mais: este argumento permitiria que qualquer país ocupasse territórios vizinhos, mesmo de
    forma ilegal! Bastaria “aguentá-los” na sua posse durante…200 anos? Tudo ficaria
    “legal”?
    Sou pela amizade de Portugal e Espanha, mas como iguais. Não estou disposto a observar o
    que se passa em Olivença, isto é, em plena Democracia, a manutenção de um sistema de
    ensino que não informa os oliventinos, de uma toponímia colonialista, de apelidos
    falsificados.
    O Estado Português tem feito o que pode… e sem dúvida poderia e deveria fazer mais.
    Mas… como ir muito mais longe? Declarar uma Guerra? Só assim a Espanha respeitaria os
    Acordos Internacionais? Que dignidade mostraria Espanha dessa forma?
    Quero uma amizade Ibérica. Sem “rabos de palha”. Situações dessas só servem para guardar
    ressentimentos. Calados quando é conveniente. Mas… vêm ao de cimo à mínima
    dificuldade… e com violência! Olhe-se a Jugoslávia nos anos 1990!!!
    Estremoz, 09-Abril-2010
    Carlos Eduardo da Cruz Luna

    Gostar

  81. Carlos Luna permalink
    12 Abril, 2010 19:14

    VALENÇA DO MINHO E AS ELITES PORTUGUESAS (não esquecendo Elvas)
    As elites portuguesas têm um problema. Não confiam no povo de que são
    filhas. Lamentam
    o “baixo nível” do seu próprio povo. Nem sequer entendem que, agindo
    assim, e sendo elas
    por definição os “melhores” de entre o seu povo, e aqueles que, até
    certo ponto, devem
    dar o exemplo, estão a passar um atestado de incompetência a elas próprias.
    No fundo, as elites têm horror a misturar-se com o povo de que são
    filhas. E lamentam
    não viver noutro País, onde as populações não sejam tão rudes.
    Ao longo da História, as elites portuguesas têm metido os seus conterrâneos em
    aventuras de vários tipos… incluindo tentativas de se subordinarem
    ou unirem a outros
    Estados que não o Português. Estados onde, curiosamente, vivem
    populações bem menos
    acomodatícias que a portuguesa à tradicional prepotência dos “grandes”
    da Lusitânia.
    Curiosamente também, o povo português tem reagido, e destroçado as
    mesmas elites.
    Todavia, parece haver aqui um ciclo infinito. As novas elites que,
    após as muitas
    revoluções que Portugal conheceu, substituem as antigas, acabam por as
    imitar na forma
    como se vêem e vêem o seu povo. Em pouco tempo, os vícios ressurgem.
    Não me refiro apenas a nobres ou a burgueses. As elites intelectuais
    têm seguido o
    mesmo percurso. Volta e meia, temos os mesmos discursos descrentes e
    pessimistas. Foi
    assim no final do Século XIX, e de novo no início do século XX. A
    ditadura salazarista
    incompatibilizou estas elites com muitos aspectos da vida portuguesa.
    O mais curioso é que esta tendência se renova nos finais do século XX
    e começos do
    XXI. E é ver escritores (começando pelo genial Nobel Saramago,
    convencido de que a sua
    atitude é original…), de vários quadrantes, a lamentar não terem
    nascido num País maior
    e que lhes reconheça a sua “infinita grandeza” ( que marcha a par,
    demasiadas vezes com
    uma infinita presunção ), mas também economistas, grandes empresários,
    políticos, e,
    pior, governantes, a pronunciarem-se da mesma forma. Discretamente,
    neste último caso,
    claro. Mas com muita eficácia.
    Durante séculos, o povo rude ficava longe destes procedimemtos.
    Todavia, e felizmente,
    a instrução popular tem progredido. As elites são agora mais imitadas,
    mais ouvidas, ou
    desprezadas com maiores conhecimentos. Instintivamente, o povo revê-se até na
    mediocridade das mesmas elites. Para sua desgraça.
    Assim se chega a situações com a de Valença do Minho, com bandeiras
    espanholas içadas
    pelas populações. As elites aplaudirão ( “nós não dizíamos? Este povo
    não tem capacidade
    para sobreviver de forma independente; Portugal vai acabar…”), ou
    abanarão a cabeça com
    desgosto, e dirão: “Triste povo o nosso; nem patriotas são; isto só lá
    vai, mesmo, com
    uma ditadura”.
    Afinal, os habitantes de Valença do Minho nem se apercebem que, com o
    seu protesto,
    estão a ajudar e a dar razão a quem lhes quer tirar direitos. Num País
    onde as elites
    mantêm uma das mais altas taxas de desigualdade social da Europa, e
    consideram isso
    natural, o povo, a eterna vítima, em vez de exigir uma melhor
    repartição de riqueza, em
    vez de lhes exigir que abdiquem do muito que têm para que os serviços
    básicos (saúde,
    educação) não sejam afectados, mas antes melhorados, os “populares”
    entregam a resolução
    do problema ao vizinho espanhol. Que alívio para essas mesmas
    elites… em que se
    incluem os políticos governamentais e muitos dos que os apoiam.
    Não me posso esquecer do encerramento da Maternidade de Elvas a favor
    de nascimentos
    em Badajoz. Um precedente perigoso. Quantas pessoas terão consciência
    DE que, daqui a
    trinta e poucos anos, nenhum elvense se poderá candidatar a Presidente
    da República por
    não ter nascido em Portugal, conforme determina a Constituição? Onde
    está a garantia, por
    parte do Estado, do direito de cidadania para toda a população? Quanto
    sentido de
    irresponsabilidade…
    Estas não são soluções. A sujeição a estranhos nunca foi solução. Como
    os portugueses
    compreenderam em 1383/85, ou 1640, ou em 1808. E fizeram as elites
    pagar pelos seus
    erros, pela sua cobardia, pela sua falta de patriotismo.
    Talvez seja altura de o Povo se assumir como elite de si próprio. Ou
    de vigiar mais
    atentamente, e de forma muito, mas muito mais exigente, quem dirige a
    sociedade.
    Eu preferia a primeira opção. Mas a segunda já pode ser um progresso.
    Valença do Minho e as bandeiras espanholas podem ser uma lição. Já
    chega uma Olivença,
    na qual se esmagou uma cultura, uma língua, uma história, e se deteve
    o progresso durante
    um século. Situação que as elites actuais, económicas, políticas, e
    culturais (ou
    intelectuais) evitam abordar. Ou de que troçam, muitas vezes por
    ignorância, outras vezes
    por comodismo.
    A República faz cem anos. Como republicano, aplaudo. Como cidadão,
    acuso quem nos
    governa de estar a matar essa mesma República, e com ela Portugal!!!
    Estremoz, 09 de Abril de 2010
    Carlos Eduardo da Cruz Luna
    10 de Abril de 2010 13:02

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: