Saltar para o conteúdo

Uma questão de fé

12 Março, 2011

É espantosa a convicção instalada nos manifestantes de que o Estado deve e pode resolver-lhes o problema do emprego em particular e da felicidade em geral.

49 comentários leave one →
  1. 12 Março, 2011 15:46

    Detecto um pouco de sarcasmo na frase dita por vossa Excª.

    Mais espantoso é este pseudo governo , marioneta do capitalismo centro europeio.

    Gostar

  2. 12 Março, 2011 15:50

    Mesmo antes de que tenham sequer tempo de curar a ressaca da queima das fitas…!

    Gostar

  3. A. R permalink
    12 Março, 2011 15:59

    Esta esquerda está em desagregação total. Se pudessem mandavam os bota-abaixistas para Gulags ou lagoais e os restantes para o Campo Pequeno experimentar o “Homem Novo” e a sociedade sem classes.

    Gostar

  4. 12 Março, 2011 16:03

    Até há 30% de portugueses que ainda hoje acreditam no José Sócrates!

    Gostar

  5. Jaimen permalink
    12 Março, 2011 16:08

    É… os manifestantes são todos estúpidos, em particular e de modo geral…

    Gostar

  6. 12 Março, 2011 16:10

    Espantoso é como ainda há gente que considere a defesa do estado como coisa da esquerda, quando há esquerda contra o estado e direita vivendo à pala do estado.

    Gostar

  7. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 16:14

    Depois do Pai Biológico querem o Pai Estado.
    .
    Há alguma razão porque o Estado Novo durou 40 anos…

    Gostar

  8. João Santos permalink
    12 Março, 2011 16:16

    Os talicases – talibans do liberalismo caseiro – vão prescindir do Estado para suas reformas, saúde e educação. O que merece uma bruta gargalhada: primeiro por que são ridiculamente escassos e segundo porque se o fizessem seriam coerentes. E para os talicases, a incoerência é uma questão de fé.

    Gostar

  9. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 16:17

    Claro piscoiso afinal os comunistas que trabalham em empresas privadas são todos capitalistas.
    E os gajos do bloco que usam Mac pro idem…

    Gostar

  10. 12 Março, 2011 16:20

    Deixemo-nos de tretas e de conversas moles diferentes daquelas informais que temos todos os dias com as pessoas com quem discutimos a situação do nosso país. Isto que vem a seguir não é um texto produzido por um foragido de hospital psiquiátrico para doentes profundos, é mesmo uma notícia de hoje no CM sobre uma declaração do PM deste baldio, tal como publicada:
    “…Sócrates enunciou ainda uma série de medidas tomadas ao longo dos últimos seis anos, desde que é primeiro-ministro, e que classificou como “política de modernidade” e de “defesa dos jovens”, tais como “a lei mais justa na interrupção voluntária da gravidez”, “a lei da paridade, para que mais mulheres tenham acesso à vida política”, a iniciativa legislativa no campo do divórcio litigioso ou “a lei que permite em Portugal o casamento entre pessoas do mesmo sexo”. “É assim que se constrói uma política de modernidade e uma política para o futuro”, disse. “

    Gostar

  11. será permalink
    12 Março, 2011 16:24

    os vermelhos do psd já andam a levar no focinho:
    rui gomes da silva

    Gostar

  12. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 16:27

    Espera-se que o “coerente” João Santos para começar abdique de impostar os Liberais.
    Concerteza o “coerente” João Santos não quer forçar os Liberais a pagar para algo com que não concordam.
    Depois o João Santos pode continuar na sua coerência:
    -Apoiantes de partidos de esquerda devem deixar de trabalhar em empresas privadas.
    Os trabalhadores que votam no PCP, BE devem deixar de trabalhar em empresas e fazer Comunas, Kolkhozes e Sovkhozes não trabalhar em empresas capitalistas.
    -Além disso apoiantes de partidos de esquerda especialmente comunistas e bloquistas só podem comprar produtos de Comunas.
    -Os apoiantes do PS é requerido que pelo menos 30% do que comprem sejam a Comunas.
    -Os remédios para tratamento também devem ser produzidos em Cuba ou na Coreia…
    Nada de ir ao shopping, ter TV digital, e escrever na Internet essa “escrita suja” do Capitalismo.
    Para a extrema esquerda só analógico.

    Gostar

  13. João Santos permalink
    12 Março, 2011 16:32

    Um mergulho ocasional neste blogueiro sitio, contemporâneo das ideias do laissez-faire, laissez-passer é o meu elixir da juventude. Chego aqui como que rasga três séculos de civilização humana.

    Gostar

  14. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 16:43

    Três séculos. Obviamente só poderia ser um homem do “Terror “. Como era de esperar.
    Nunca mais acaba o Ventoso e começa o Germinal…isto de guilhotinar gente com esta humidade é uma chatice…

    Gostar

  15. 12 Março, 2011 17:00

    O Estado não pode resolver o problema mas se não complicasse já era uma grande ajuda.

    Gostar

  16. A. R permalink
    12 Março, 2011 18:12

    E Para estes não há nada além do PM e do Balconista das Terras Frias:

    Looking for a work? Is an activity that requires some preparation, efforts and costs.
    We can’t give you a good job and a big salary, but we can help you to get it easier!
    The education is a ticket to the adult and independent life.
    You can buy a diploma based on your life experiences and spend your time on the right way – work, develop and progress! You will be able to choose a profession according to your interests.
    Bachelor’s, Master’s and Doctorate (PHD) Diplomas!

    Gostar

  17. campos de minas permalink
    12 Março, 2011 18:14

    mesmo agora vejo um jovem pai com duas filhas a dizer que está alí não por interesse próprio,porque não é precário,mas porque não é egoísta.
    mas os aqui individuos egoístas não entendem tal…

    Gostar

  18. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 18:32

    campos de minas durante quanto tempo você julga que esses truques da linguagem esquerdista ainda vão funcionar?
    .
    O Estado Social subornou-os e especulou com eles. Eles e os Papás aceitaram.

    Gostar

  19. Tomas permalink
    12 Março, 2011 18:52

    Mas o estado deve sim! Eliminando o excesso de protecção laboral e flexibilizando o mercado de trabalho…

    Se não for o estado a fazer isto nada se resolve!

    Gostar

  20. João XXI permalink
    12 Março, 2011 20:29

    Tenho um problema com isto tudo: não vejo ninguém falar do real problema. E esse é que o Estado se tornou no maior ladrão, porque controlado por ladrões. Ninguém protesta porque fomos roubados e obrigados a endividar-nos até aos 500 000 000 000 de euros, que a dívida externa tenha crescido com o Sócrates perto de 40 pontos percentuais, de circa 70% para circa 110%, entre outras coisas, como fundações, comissões e tenções, ou seja, tenças grandes, prebendas maiores e benesses enormes. E sim, se o Godinho de Ovar tinha de dar robalos para singrar, esperar que possam os incautos criar riqueza e emprego e ser felizes com o estado a salivar por cima do ombro à espera de roubar mais e mais, sim, a manifestação teria razão de ser. Mas foram os esquerdistas palermas e de serviço, porque parte do problema, assim como direitistas no nome, porque Nacionais Socialistas, seja lá o que for em Portugal, que trataram de controlar ou tentar controlar o caso. Não, não e nã0! Se uma organização promove o crime deve ser punida. E o nosso problema começa com os partidos que temos, que são a fonte de muitos males e a principal razão para que um tipo execrável como o Sócrates seja hoje primeiro-ministro. E depois vêm os maçons, cheios de orgulho e presunção, achando impolutos e perfeitos, portadores de segredos só deles conhecidos, que enganam muitos nas suas fileiras, mas são um dos maiores cancros de Portugal. Por isso ilegalizar por consequência de organização criminosa e actos de lesa-estado, e no nosso caso, até lesa-pátria, porque se pôs em risco a sobrevivência de Portugal, os nossos actuais partidos e proibir organizações de obediência absoluta e secretismo máximo, que também põem em risco a democracia como a gostaríamos de ter e nunca tivémos seria o primeiro passo. Mas isso leva tempo e os palermas dos Portugueses andam atrás do gambuzino. O problema do estado português é ser ladrão e servir para o roubo e a satisfação das comichões desses tipos de baixa rês que de nada valem e por isso como feras correm atrás do bolo. Depois, com honestos lá, e as coisas redimensionadas, mas nem por isso menos solidárias, dentro das posses, bem visto!, então acho que Portugal cresceria numa década a 3% ao ano em média, no mínimo. Sem isto, e podem gritar, que é como ser roubado, gritar “ó da guarda!” e depois ver o ladrão confraternizar com o polícia, ver o polícia a ser ladrão e o ladrão a ser patrão do polícia, e depois de chamar a atenção dos seus vizinhos ainda ouvir respostas como “eles têm legitimidade” e “lá vens tu com as tuas coisas”… Acham que isto dura para sempre? Um país sem guerra civil há 177 anos, quando tiver a próxima, pode não sobreviver. Eu diria que não vai.

    Gostar

  21. Ana C permalink
    12 Março, 2011 20:30

    Malta, então? Claro que o governo tem de resolver o problema. Todos sabemos que o governo tem de reduzir – e de que maneira – os funcionários públicos, baixar reformas de maneira a estarem de acordo com o que hoje se ganha (duas e três vezes menos que há dez anos); acabar com “N” institutos e emprezas públicas, comissões, observatórios, grupos de trabalho, baixar os impostos e estimular / facilitar / dar linhas de créditos às empresas. É evidente que sem estas medidas que têm de ser necessariamente tomadas pelo Estado, nós estamos todos aflitos e com a economia paralizada, mesmo aqueles que são hiper-trabalhadores e nem são parvos

    Gostar

  22. Eleutério Viegas permalink
    12 Março, 2011 20:57

    Pessoal, reforço o que a Ana C aí acima escreve:
    Vocês vão ter que estudar outras coisas. Esqueçam as “ralações” internacionais e a gestão “coltural”! Vão ter que aprender Matemática, Química. Biologia, Economia, Geografia, História, Português, Espanhol e Inglês, mas a sério, ao mesmo tempo que trabalham a sério, preocupados com a qualidade do que fazem. Lancem empresas de preferência, não esperem que os outros vos resolvam os problemas…

    Gostar

  23. Joao Santos permalink
    12 Março, 2011 21:05

    Lá vem esta gente com a porra das empresas, tudo doido com este sistema capitalista, mas com razão, o melhor mesmo neste sistema é ser capitalista. Ser vencedor. O resto são os vencidos. Os derrubados, os explorados, os incapazes, os reformados, os aleijados, os velhinhos, as crianças pequenas. O liberalismo serôdio, este de agora, é a peste do século XXI.

    Gostar

  24. Andreia permalink
    12 Março, 2011 21:10

    Se o Estado fechar a RTP, RDP, os Governos Civis (etc etc etc) se se deixar de TGV e outros sonhos molhados e ainda cortar a sério nos institutos e nas empresas públicas, essas poupanças permitirão baixar os impostos e dessa forma não só os jovens não terão que pagar taxas de IRS que são um roubo, como também as empresas terão que pagar menos impostos e terão mais condições para contratar. É assim tão dificil perceber ?

    Gostar

  25. pedro permalink
    12 Março, 2011 21:11

    Caro comentador João Santos, vá lá, não seja Calimero…

    Gostar

  26. pedro permalink
    12 Março, 2011 21:12

    O país está teso, falido, gasta mais 20% daquilo que pode, não há volta a dar a isto…

    Gostar

  27. Joao Santos permalink
    12 Março, 2011 21:23

    Obrigado Pedro! Mas acho que há volta sim senhor. Você sabe que, segundo números oficiais do MNE reportados a 2007, há 4.981.408 portugueses e luso-descendentes que vivem fora de Portugal? Serão hoje bem mais de cinco milhões, com os « incentivos» da socratagem. A emigração é um velho caminho conhecido dos portugueses. E estão a demonstrá-lo mais uma vez. É a válvula que durante séculos, assegurou a paz e a integridade física de uma elite chula, incompetente, metida a besta, arrogante e orgulhosa, que teve recursos globais na suas mãos em séculos de colonialismo e que nunca foi capaz de engendrar um plano de desenvolvimento para este país. Com um terço da população fora, poderemos arredar pé daqui até metade ou mesmo dois terços. E deixar isso às mesmíssimas elites e aos seus valets de chambre formados em diversas faculdades mas todos a olhar para o mesmo sítio: o próprio umbigo.

    Gostar

  28. pedro permalink
    12 Março, 2011 21:44

    A única volta a dar é deixar de gastar o que não se pode e inverter a situação para se poder pagar o que se deve a quem nos emprestou…

    Gostar

  29. pedro permalink
    12 Março, 2011 21:47

    A forma de o conseguir é que varia (muito!) entre grupos de opinião. E há ainda quem diga que o quer e na realidade se está a marimbar para isso (como a nossa desgraça de PM que infelizmente temos).

    Gostar

  30. lucklucky permalink
    12 Março, 2011 21:51

    O João Santos quer um plano desenvolvimento! Um!
    Onde todos estarão sobre a alçada do plano desenvolvimento e se correr mal vão todos ao fundo.
    Será Quinquenal?
    .
    Parece aquele plano de colocar todo o ensino sobre a alçada única do Ministério da Educação.

    Gostar

  31. Eleutério Viegas permalink
    12 Março, 2011 22:00

    Ó Santos, como queres resolver os problemas da escassez sem ser num sistema capitalista, pá? Há gajos que não aprenderam nada na escola nem na vida. É por isso que há gajos à rasca… são vencidos porque são ignorantes e calaceiros e não querem deixar de o ser.
    O problema da escassez resulta da natureza humana, não há nada a fazer: só o capitalismo o resolve.

    Gostar

  32. Eleutério Viegas permalink
    12 Março, 2011 22:04

    Isto que existe “cá” não é capitalismo nem é nada. É a ladroagem estatal comandada a partir dos computadores (até os cães e os gatos vão passar a ser obrigados a ter NIF). E desperdício em merdas que não lembra nem ao Pai Natal (bimbalhães, rendimentos de “enserção”, lambecus assessores, “obras”merdosas tipo metro do sul do Tejo e TGV, etc.)…

    Gostar

  33. A. Trigueiro permalink
    12 Março, 2011 22:14

    Mas porque raio a D. Helena se acha capacitada para avaliar “a convicção instalada nos manifestantes” ?
    Eu também não estou, mas julgo que não será possível encontrar apenas uma convicção, a não ser a de que as coisa como estão não podem continuar.

    Gostar

  34. João Santos permalink
    12 Março, 2011 22:20

    Um plano de desenvolvimento (e isso não consta no catecismo liberalóide) não tem nada a ver com experiências quinquenais nem anais nem outras que tais. Basta ter a inteligência de olhar para a história e verificar que, por cá, essa gente das elites nunca gerou para o país um caminho industrioso, agregador de recursos, organizado e cativante. Mais de cinco milhões de portugueses vivem fora de Portugal, no que é o maior atestado de incompetência dessas ditas elites. O que delas resta anda hoje pendurada num estado que depois das especiarias das ìndias, do ouro dos brasis e de muito mais acabou por atolar-se na imesa vaga de dinheiros europeus ( e também alheios) que inundou o país, curiosamente, no preciso momento em que o actual presidente assumia dez anos à frente do governo. E, claro, ninguém teve culpa nesse cartório de bom clima e boa mesa a norte do Magrebe.

    Gostar

  35. 12 Março, 2011 22:45

    Há saída, como já houve de outras vezes na nossa longa história, nem sempre exemplar. E nem precisamos de mudar de cultura nem de nos deitar-mos às oito da noite e afogar-nos em álcool ao fim de semana, como fazem os povos do Norte que querem que imitemos à viva força.
    .
    Temos que trabalhar mais e gastar menos, é uma verdade que muitos já entenderam.
    .
    Mas, sobretudo, temos que ser mais cuidado com quem escolhemos para nos governar e recusar aquilo que nos põem no prato, só porque não temos alternativa.
    .
    Numa palavra sermos… exigentes!

    Gostar

  36. Arlindo da Costa permalink
    12 Março, 2011 23:58

    A verdade é que os banqueiros, o alto empresariado, os gestores dos monopólios, o aslto funcionalismo, e a aristocracia partidária é que vivem à custa do Estado.
    Quase toda a Direita – basta olhar para os seus rostos e propriedades – todos eles vivem ou viveram à custa do Estado e todo o seu património foi conseguido com contratos e negócios com o Estado.
    Não é preciso ser-se «medinacarreira» para descobrir uma das maiores mentiras que têm sido propaladas, ou seja, dizer que a esquerda é que vive à custa do Estado, quando é precisamente o contrário!
    Os votantes nas esquerdas estão absolutamente à rasca, trabalham por conta d’outrem, são pescadores, agricultores, feirantes, camionistas, profissionais liberais, pequenos empresários e comerciantes,etc. Estes sim, é que sabem o que é o trabalho, a concorrência, o mercado e o risco!
    Os da Direita, ou são empresários subsidiados, advogados do Estado, banqueiros do Estado, gestores de empresas públicas, magistrados, diplomatas, médicos, engenheiros, consultores, construtores civis, deputados, autarcas, etc,etxc, todos eles vivendo e auferindo principescamente por conta do Estado e à custa do nosso endividamento.
    Definitivamente a ilustrimissa Drª Helena Matos não conhece a actual sociedade portuguesa nem a economia portuguesa.
    Viver à simbra do Estado-Papá é uma ideia muito de Direita, um ideia muito salazarista.
    Abrem a janela, olhem lá para fora e digam-me se tenho ou não razão….

    Gostar

  37. 13 Março, 2011 00:50

    os blasfemos estão a ficar aflitos. a rua pode chegar a portugal e ao mundo ocidental.

    Gostar

  38. pedro permalink
    13 Março, 2011 01:02

    A rua (no sentido de violência) vai, infelizmente, chegar mesmo a Portugal caso as coisas continuem assim.

    Gostar

  39. pedro permalink
    13 Março, 2011 01:04

    Quanto às ideias acima propaladas pelo comentador Arlindo são perfeitamente idiotas e não correspondem à realidade.

    Gostar

  40. A. Trigueiro permalink
    13 Março, 2011 01:20

    Agora é que o Arlindo descobriu muitas carecas…

    Gostar

  41. Arlindo da Costa permalink
    13 Março, 2011 01:20

    Ó Pedro:
    O tio Arlindo conhece muito bem o sistema.
    O actual «sucialismo» e o actual «Estado Social» tem sido bom para as classes de melhores rendimentos, que têm ganho fortunas à custa dos mais pobres e explorados, já para não falar do saque constante que fazem aos pequenos contribuintes.
    Os grandes beneficiários do regime do Sr. Engº Sócrates, não são aqueles, que auferem o Rendimento Mínimo Garantido, mas sim quem recebe o Rendimento Máximo Garantido.
    E é essa corja que tem de ser enxotada da mesa do Orçamento, e alguns que alegam que são pessoas insubstituíveis e coisa tal, podem ir para o estrangeiro ou podem ir juntar.se à insurgência contra o coronel Kadafi.
    Essa corja é que durante estas duas últimas décadas puseram Portugal no atoleiro.
    Dizer o contrário é fazer pouco dos pobres, dos excluidos, dos velhos com reformas de 200 euros, enquanto há por aí reformas de 10.000 e mais.
    E não vale a pena dizer quem são, pois toda a gente conhece.
    Essa ladroagem é que devia pagar a actual crise.
    Sócrates foi um burro ao apoiar essa corja, e desguarnecer os mais pobres, explorados e frágeis da sociedade portuguesa!

    Gostar

  42. Micas permalink
    13 Março, 2011 01:25

    Helena, vc não percebeu absolutamente nada do que se passou na Av. da Liberdade hoje, pois não?

    Gostar

  43. pedro permalink
    13 Março, 2011 01:37

    Caro comentador Arlindo, até concordo com muitas coisas que diz, não compreendo é como pode defender o actual primeiro ministro quando, com 6 anos de governação, é o responsável directo e objectivo pelas desgraças que enumera; quanto ao que acima disse sobre direita e esquerda não corresponde à realidade, misturou alhos com bugalhos e utilizou maniqueísmo bom=esquerda / mau=direita que não corresponde minimamente à realidade…

    Gostar

  44. pedro permalink
    13 Março, 2011 01:44

    Das pessoas à rasca, parte quer que o estado lhes garanta e continue a garantir tudo (esquerda?), a restante parte quer que o estado as deixe em paz, não se intrometa e não as esmifre (direita?).

    Gostar

  45. Arlindo da Costa permalink
    13 Março, 2011 01:50

    Apoio o actual 1º Ministro. Contudo constato que foi na «cantiga» dos srs banqueiros e de todos os interesses corporativos instalados e esqueceu-se do povo e da generalidade dos contribuintes que pagam as mordomias à corja que suga o pouco sangue que já existe.
    O grande erro do 1º Ministro foi pensar que dar mais «droga» (isto é, dinheiro) aos mesmos de sempre, que a economia ria arrancar. Negativo.
    Esqueceu-se dos pequenos e médios produtores; dos pequenos e médios empresários; perseguiu fiscalmente (ASAE e Fisco) os pequenos contribuintes, destruindo assim a confiança na economia e deixando o campo aberto para os grandes tubarões da distribuição, dos monopólios dos serviços, da agiotagem financeira dos bancos e da voragem dos grandes empreiteiros e construtores civis do regime.
    Além do mais, deu um tiro no pé, ao seguir as politicas preconizadas pelo PSD, que agora estão à vista de todos que provocam ainda mais desemprego, recessão e desconfiança no consumidor e nervosismo no contribuinte.
    Claro que o PSD, se fôr para o Governo, vai abandonar os trabalhadores, os agricultores e vai fazer a pulhítica dos Belarminos, dos Pingos Doce, dos Salgados, das PTs, das Edps, das Motas-Enguias e de todos conglomerados que exploram o consumidor português.
    Não devemos ter ilusões.
    A única saída digna para Portugal é sair do Euro e da União Europeia.
    A actual União Europeia é uma treta pegada e é um dos factores do nosso subdesenvolvimento.

    Gostar

  46. maria permalink
    13 Março, 2011 11:51

    Talvez porque foi este governo, com o seu”desgoverno” que nos conduziu a este buraco.
    Força … toca a correr com estes políticos corruptos .

    Gostar

  47. PMP permalink
    13 Março, 2011 12:46

    A autora deste artigo continua a não perceber como funciona a economia moderna.
    .
    Só com uma boa articulação e coordenação entre o estado e o sector privado é possivel desenvolver um país, numa economia globalizada.
    E para isso são necessários Planos de Desenvolvimento (até o Cavaco já o disse agora) tal como existiram na Coreia, Japão, Taiwan, CHina, Alemanha, Suécia, EUA (defesa e espaço), Brasil, etc.
    .
    Portugal ainda tem a dificuldade acrescida de estar no euro e por isso não poder desvalorizar a moeda.
    .
    O principal problema em Portugal é o deficit externo que é cerca de 10% do PIB há muitos anos.
    .
    A autora nunca deve ter criado nem gerido empresas por isso acha fácil que outros o façam.

    Gostar

Trackbacks

  1. O manifesto da “Geração à Rasca” « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: