Saltar para o conteúdo

Podíamos trocar umas ideias sobre os referendos na Suíça

12 Março, 2012

Volta e meia os suíços fazem referendos coisa que deixa os seus vizinhos à beira de um ataque de nervos. Em geral produzem-se notícias e mais notícias sobre os referendos na Suíça. Em 2009 o referendo sobre a construção de minaretes criou mesmo uma vaga de consternação que em Portugal tocou o paroxismo. Curiosamente os suíços fizeram em 2012 um novo referendo. Que passou quase incógnito: Em referendo, suíços rejeitam férias de 6 semanas

 

18 comentários leave one →
  1. 12 Março, 2012 09:42

    Aí está um bom exemplo do que se consegue quando se envolve a população nas decisões. Por cá, pelo contrário, desperdiçam-se boas ideias (veremos o que vai acontecer com a mobilidade na fp), devido a atitudes arrogantes e prepotentes.

    Gostar

  2. confucius permalink
    12 Março, 2012 10:21

    para quando um referendo suiço sobre “o que fazer com o ouro que os judeus mortos nos campos alemães deixaram nos nossos cofres?”

    Gostar

  3. neototo permalink
    12 Março, 2012 10:30

    Hum,

    Aquí a surpresa foi (nao tanto que a HM ficara parcialmente interessada) pelas-coisitas- e-leicitas desse pequeno mundo fora deste ámbito qual é o dos PORKITOS para o adentrarse no mundo calvinista como que a jornalista desta vez foi ( e nao tivo reparo nemhum nem escrupulo) para ir a consulta de uma fonte que-era- uma -Agencia -estatal…

    “Por ampla maioria (87% a favor), os eleitores suíços também aprovaram uma emenda à Constituição para determinar que todos os lucros de loterias e atividades que envolvam apostas sejam destinados a esportes, cultura, meio ambiente e projetos sociais que beneficiem o público.

    Vários dos referendos realizados neste domingo dizem respeito a questões locais. Em Genebra, sede de vários órgãos da ONU, os eleitores aprovaram restrições mais duras à realização de manifestações, que incluem uma multa de até 100 mil francos suíços para os participantes de protestos que não tiverem obtido permissão prévia da polícia.

    Em Zurique, os eleitores aprovaram uma resolução que determina a remoção das casas de prostituição dos bairros residenciais e a construção de uma área própria para essa atividade, que na Suíça é legalizada e regulamentada. As informações são da Associated Press.

    Fonte: Agência Estado

    Gostar

  4. 12 Março, 2012 10:43

    Lê-se no mesmo local:
    “Em Zurique, os eleitores aprovaram uma resolução que determina a remoção das casas de prostituição dos bairros residenciais e a construção de uma área própria para essa atividade, que na Suíça é legalizada e regulamentada. ”
    Valha-nos Santa Bibiana.

    Gostar

  5. JDGF permalink
    12 Março, 2012 10:48

    As questão da limitação das férias anuais são apenas um aperitivo no que diz respeito à consciencialização de um País, onde o trabalho é valorizado e, portanto, bem remunerado.
    Muitas outras questões foram referendadas na Suiça no último fim-de-semana mas, em Portugal, ao salientarmos esta, mostra como sofremos de um “complexo de culpa” (habilmente cultivado e distorcido) que nos leva a aceitar “esbugalhar” o Estado Social, de qualquer maneira, fazendo passar a ideia que, de há uns anos a esta parte, temos sido perdulários nesse terreno. A rejeição do conceito de evolução social, como motor do bem-estar e do progresso (economico, iclusive) , é dramática (para não lhe chamar “masoquista”). Na verdade, a evolução referendária helvética mostra-nos que é mais sensato adaptar à realidade do que destruir baseado-se em concepções do tipo “menos Estado, melhor Estado”, como não fossem os cidadãos que “moldassem” o Estado.
    De salientar, entre outras, o problema do custo das habitações que é inflaccionado pela profusão de “villas” onde se acoitam muitos foragidos (fiscais, políticos (ditadores), p. exº.). As limitações que o referendo impõe levará à construção de habitações modestas na montanha e à beira do lago Léman acessíveis à população residente. A que efectivamente trabalha lá. Como podemos ver uma política completamente oposta a que foi praticada no Algarve.

    Por outro lado, o referendo referente a Zurique – colocação dos prostíbulos em ghetos – levanta-me sérias dúvidas acerca do seu carácter discriminatório. Fez-me lembrar as gafarias. Enfim…

    Na verdade a democracia directa tem aspectos aliciantes. Todavia, a sua eficácia enquanto sistema depende em grande parte da educação cívica de um povo. Porque é uma forma de escrutínio muito exposta arremedos demagógicos.

    Gostar

  6. 12 Março, 2012 11:24

    “Todavia, a sua eficácia (da democracia directa) enquanto sistema depende em grande parte da educação cívica de um povo. Porque é uma forma de escrutínio muito exposta arremedos demagógicos”.
    E a outra?

    Gostar

  7. Altercando... permalink
    12 Março, 2012 14:25

    Também!

    Gostar

  8. ALS permalink
    12 Março, 2012 14:42

    O modelo suiço devia ser o utilizado pela União Europeia.
    Não se trataria de um utópico modelo federal, raramente referendado pelos povos europeus e sempre contrário às opiniões públicas dos diversos Estados. Tratar-se-ia, antes, de um processo confederal (Confederação Helvética é a designação oficial da Suiça) onde tudo é discutido e votado até ao mais pequeno pormenor por parte dos cidadãos.

    Gostar

  9. 12 Março, 2012 15:50

    Há uns anos, num Centro Comercial do centro de Genève, deparei com vários exemplares de um cartaz com o seguinte apelo aos funcionários: «Assina o baixo-assinado a favor do aumento do horário de trabalho».
    O mais curioso é que era assinado pela… Comissão de Trabalhadores!
    Claro que se pretendia que a esse aumento de horas de trabalho correspondesse um aumento de ordenado. Mas, mesmo assim, dava que pensar…

    Gostar

  10. Costa Cabral permalink
    12 Março, 2012 16:00

    Quando é que Portugal faz um referendo para saber se querem ter um Governo que governe bem e a favor do povo?

    Gostar

  11. José Gil C. Monteiro permalink
    12 Março, 2012 17:50

    Só a falta de estruturas e meios impedem o nosso modo de agir como os suiços.

    Gostar

  12. Beirão permalink
    12 Março, 2012 19:12

    Pois é! A Suiça é um país em que a democracia não é palavra vã. Os suiços levam a coisa a sério, não ‘brincam’, como por aqui, à chafurdice política. Nós odiamos os referendos, os suíços, preferem a democracia directa. Eles são realistas, disseram “não” às seis semanas de férias que, está claro, iriam custar balúrdios ao erário público (a eles mesmos, portanto); nós, por cá, queremos é férias, passar o tempo na praia ou na esplanada a mamar cervejas, numa irresponsabilidade total, sem fazer a ponta d’um corno, a gastar à fartazana à conta do orçamento e depois, claro, o último que apague a luz. E foi assim que, pela mão desse aldrabão e inimputável Sócrates e o seu bando de mão, se chegou à bancarrota. À infame miséria em que esses gajos nos deixaram…
    Como o grande Marquês de Pombal tinha carradas de razão ao dizer ao embaizador inglês, que o acusava de brutalidade: “Neste país, as coisas ou se fazem a chicote ou ficam por fazer.”

    Gostar

  13. Portela Menos 1 permalink
    12 Março, 2012 19:21

    E se trocasse-mos umas ideias sobre um referendo: as portagens na ponte 25abril, o papel da PPP Lusoponte e a sua criação no âmbito das governações laranjinhas ?

    Gostar

  14. Zuruspa permalink
    13 Março, 2012 03:15

    Quer-se dizer, continuam com 4 semanas de férias pagas, é isso?
    Cambada de calões!

    Se não for discutido até Outubro, há outro referendo sobre o aumento do salário mínimo para 4.000 CHF (3.300€)… a *Federação Patronal* já disse que para certos cantões isso é *pouco*.

    Gostar

  15. J.Silva permalink
    13 Março, 2012 14:05

    O hoje convenientemente esquecido António José Saraiva achava que os problemas do “torrãozinho de açúcar” terminariam no dia em que isto fosse habitado por suíços…

    Gostar

  16. 13 Março, 2012 20:17

    falta entender quais as razões para o “não”; será que, como muitos dos trabalhadores são imigrantes, os suiços entenderam que não deviam aumentar as férias dos imigrantes? Ou isso implica outras consequências, com o aumento das férias escolares e os pais ficaram aflitos com a ideia?
    Também é preciso entender o seguinte: imagino que na Suiça os lucros nas empresas não vão para offshores através da Holanda; ou seja, na Suiça, as pessoas beneficiam com o sucesso das suas empresas. Portanto, aumentar o tempo de férias pode ser diminuir os ganhos. Aqui não.

    Ou seja, na Suiça as pessoas estão no papel de sócios e aqui no de escravos. Faz toda a diferença, não é?

    Também fiquei a saber que 6 semanas de férias é o standard na Alemanha e na Itália… por cá, as pessoas poucas férias têm – ou andam em contratos de 6 meses ou aproveitam as férias para biscates… Quem diz que os portugueses não trabalham devem ser aqueles poucos que nada fazem e pensam que são todos como eles

    Gostar

  17. 20 Março, 2012 15:06

    Consequências desta Crise em que os ricos ficam cada vez mais ricos, e os idiotas cada vez mais idiotas.

    Gostar

Trackbacks

  1. Devem ser muito estúpidos, estes suíços… « O Insurgente

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: