Skip to content

Principal causa do abrandamento da recessão

11 Setembro, 2013

nece_financiamento

Este é talvez o principal motivo pelo qual Portugal poderá já ter saído da recessão. No final de 2012 Portugal passou a ter capacidade financeira posítiva. Ou seja, em termos agregados a economia portuguesa atingiu as condições teóricas para deixar de se endividar, embora ainda sejam evidentes as colossais necessidades de financiamento do Estado. Isto implica que as necessidades de crédito deixaram de limitar a actividade de grande parte da economia, a qual consegue-se financiar a si própria. A capacidade de financiamento da economia atingiu os 2,5% do PIB no 2º trimestre de 2013.

Como é que isto se conseguiu? Através da redução do consumo interno, que fez aumentar a poupança das famílias, e do aumento das exportações e das receitas do turismo, que permitiram a um conjunto específico de empresas de financiar a actividade com receitas mais elevadas.

Os cainesianos não vão perceber isto nunca. Para um cainesiano existe financiamento infinito para qualquer estímulo que se possa conceber e a falta de crédito não é nunca um problema.

Anúncios
86 comentários leave one →
  1. politologo permalink
    11 Setembro, 2013 14:01

    esta gente masturba-se com números intencionalmente viciados antes das eleições !!!

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 14:43

      não kaynes ou cai nes’sa não tem edade para masturbações com números que não são pessoas….mim ispilica em simplex

      Gostar

      • und permalink
        11 Setembro, 2013 15:06

        O tal Abismo fiscal ornamentado de filigranas de fósforo branco e de pingentes barris de petróleo que escoa a inflação para todo o mundo

        é o problema, quer pare a impressora e deixe de exportar inflação

        e exporte recessão

        quer continue a imprimir durante mais umas guerras civis

        e uns bombardeamentos pacificadores com pombas de paz

        ou bombas de pax uma dessas

        e os U.S of A tal como um moderno comodoro Perry bombardeia os jap’s que querem fugir à globalização ou os piratas de Tripoli que andam a ter sucesso demais no comércio global

        determinam o fim e o começo de recessões imensas de tectos resplandecentes com brilhantes falsos

        Este é talvez o principal ou principais motivos pelo qual Portugal poderá já não ter saído da recessão.

        No final de 2012 Portugal passou a ter uma minúscula capacidade financeira posítiva.

        Ou seja, em termos agregados a economia portuguesa atingiu as condições teóricas para deixar de se endividar, embora ainda seja
        a última esquina onde se vê Jesus ou Marx a pedir esmola à poderosa Europa cavalgada por Zeus que no Olimpolimpo vive falido

        Como é que este MILAGRE DE FÁTIMA FILHA DE MAO MÉ ou MAO TSÉ se conseguiu?

        Através da redução do rendimento das famílias e obviamente admito-o do consumo interno, que fez aumentar a poupança de ALGUMAS famílias, e LEVARAM À FALÊNCIA MUTAS OUTRAS

        e se NÃO SE VENDE CÁ DENTRO OU SE EXPORTA OU SE FECHA A CERÂMICA DE MIJATÒRIOS DE VALADARES POIS A PARQUE ESCOLAR PREFERE MIJATÒRIOS E CAGATÒRIOS MAIS FINOS

        ASSIS OU ASSAD o aumento das exportações e das receitas do turismo, com falta de reservas nos hotéis do club MED pois os da Tunísia são ruidosos e os da Síria em remodelação e os TURCOS E EGÍPCIOS em MANIFESTAÇão permanente desviaram charters de cruzeiros GAYS E DE GAY CHINESES E MAIS GAY’S ESCURINHOS que permitiram a um conjunto específico de empresas de financiar a actividade com receitas mais elevadas.

        é CON JUNTO RAL ou REAL ? ou é mais RUPIA QUE ARREPIA?

        Os cain e si anus muito anais ou anaes não vão perceber isto nunca.

        Para um cai nesse ano de nine of eleven existe financiamento infinito para qualquer estímulo que se possa conceber e a falta de crédito não é nunca um problema…………

        nine ? eleven?

        e o crédito existe mesmo sem guerras comerciais com alavancagem?

        que sacanagem….

        é seu nacib bonito

        na narrativa de socrates o grego acredito…..

        Gostar

      • RCAS permalink
        11 Setembro, 2013 17:54

        Ora/Und o Pitio adora divulgar os seus oráculos diariamente… o deus Grego olha-o atónico…

        Gostar

      • und permalink
        12 Setembro, 2013 01:50

        ora cu los? bolas pá vai engatar noutro sítio

        os gregos têm deuses gregos?

        pensava que os importavam

        até onassis comprou uma deusa americana pró olimpolimpo

        já a graça machel….

        e oráculo é uma interface com o futuro

        faz previsões

        no dizer do philip k.dick faz pré-cognições é um precog

        agente nunca acerta no eurromilhões nem em escudos

        agente nem sabe se bai estar vivo amanhã…..ou mesmo hoje

        Gostar

  2. Castrol permalink
    11 Setembro, 2013 14:30

    Os cainesianos não vão perceber isto nunca, porque sempre tiveram tudo o que quiseram à custa dos outros. Têm uma noção abastrata do dinheiro, para eles apenas existem previlégios e direitos adquiridos… Que o Camarada Joaquim defende com unhas e dentes…

    Gostar

    • RCAS permalink
      11 Setembro, 2013 18:04

      Cainesianos? ai garanto-te que não percebem não…

      Gostar

      • Fincapé permalink
        11 Setembro, 2013 19:45

        Também não percebo esta: quando o “k” não fazia parte do alfabeto escrevíamos “keinesianos”. Agora escrevemos “cainesianos” “previlegiados”. 😉

        Gostar

      • und permalink
        11 Setembro, 2013 19:50

        nas faculfafes d’inconomia era keynesianos

        pri vil égio é tã egrégio…..

        o k tau tau é tão grego como nossos avós

        o kappa e o ypsilón sempre apareceram na grafia

        Gostar

      • Fincapé permalink
        11 Setembro, 2013 23:24

        Sim, os nomes, unidades, etc. eram escritos com “k”, “y” e “w”.

        Gostar

  3. Ricciardi permalink
    11 Setembro, 2013 14:36

    Joao Miranda,

    Como é que explica então que a Posição de Investimento Internacional (PII) que mede a diferença entre Activos e Passivos de Portugal face ao exterior se tenha degradado fortemente no 2º trimestre de 2013, passando de -107% para -121%.
    .
    Como é que explica que tendo as exportações aumentado e as importações diminuido que a PII se tenha agravado muito?
    .
    A resposta a esta pergunta que lhe faço comprova que as necessidades de financiamento ao exterior se agravaram, em vez de terem melhorado. Ao contrário do que pensa os Passivos do país correram a um ritmo superior aos Activos.
    .
    A razão pode estar no facto de se estar a produzir sem margem de lucro… ou com margens muitissimo pequenas.
    .
    O país não está a ganhar dinheiro com o aumento das exportações. As empresas estão a sobreviver e baixam as calças até ao limite a ver se vêm melhores dias.
    .
    Em suma, o aumento de exportações em vez de estar a criar Valor ao país está a retirar Valor ao país, como quem diz, está a retirar activos.
    .
    Quando as exportações se estiverem a fazer pelos bons motivos, com geração de Valor, a PII teria de melhorar.
    .
    Rb

    Gostar

    • Trinta e três permalink
      11 Setembro, 2013 15:41

      “Como explica”? Não explica. Nisto de economía, há os que gostam da virtual, made in Excel e que dá jeito à propaganda e os que dão o coiro e o cabelo no mundo real. Os primeiros não explicam coisa alguma; os segundos, chegam a ter dúvidas se é a realidade que está errada. A propaganda é tramada…

      Gostar

      • ora permalink
        11 Setembro, 2013 15:47

        a tua?

        é

        essa não tenta sequer explicar-se

        Gostar

      • Trinta e três permalink
        11 Setembro, 2013 17:03

        Ó puto, vai buscar o “h”, ora bolas.

        Gostar

      • ora permalink
        11 Setembro, 2013 19:38

        o agá khan ? yes we can’t…….ele nã deixa

        só se agarrar no cavaco e puxar por ele

        Gostar

    • Fmp permalink
      15 Setembro, 2013 18:14

      Tem a ver com o facto dos activos portugueses detidos por esteangeiros se terem apreciado, enquanto o inverso aconteceu nalguns activos estrangeiros detidos por portugueses…. Eh um efeito non cash, q n invalida o argumento do jm

      Gostar

  4. 11 Setembro, 2013 14:41

    Talvez os “Keynesianos” entendam, ou quiçá, ninguém entenda, o que aparentemente é a melhor opção para a numerologia.

    Gostar

  5. 11 Setembro, 2013 14:44

    Os gráficos, deste post e dos dois anteriores, não passam de tentativas de manipulação.
    É sabido que um gráfico é uma forma de expressão visual de valores numéricos.
    Já no pré-escolar se ensina o número 3 com três maçãs, três laranjas ou três rosas.
    A manipulação está nos valores numéricos seleccionados, que podem ser positivos ou negativos.
    É evidente que nem tudo será negativo neste Governo coelhal.
    O serviço destes cromos, JM e VC, é esmiuçarem tudo à procura de qualquer coisinha positiva no coelhal, para depois escarrapacharem aqui em forma de barras coloridas para a bovinidade engolir.
    Bom proveito.

    Gostar

    • 11 Setembro, 2013 15:33

      Piscoiso HIPERLIGAÇÃO PERMANENTE
      11 Setembro, 2013 14:44
      Os gráficos, deste post e dos dois anteriores, não passam de tentativas de manipulação.
      É sabido que um gráfico é uma forma de expressão visual de valores numéricos.
      Já no pré-escolar se ensina o número 3 com três maçãs, três laranjas ou três rosas.
      A manipulação está nos valores numéricos seleccionados, que podem ser positivos ou negativos.
      É evidente que nem tudo será negativo neste Governo coelhal.
      O serviço destes cromos, JM e VC, é esmiuçarem tudo à procura de qualquer coisinha positiva no coelhal, para depois escarrapacharem aqui em forma de barras coloridas para a bovinidade engolir.
      Bom proveito.
      ______________

      A este Piscoiso ainda vai acontecer ao que se deu com Álvaro Cunhal
      (o engraxa – sapatos da política universal).
      Bejnev: Cunhal ? Não o conheço . . .
      Daqui a um par de anos.
      Sócrates: Quem diz? Piscoiso? Não sei quem é . . .

      Gostar

      • ora permalink
        11 Setembro, 2013 15:46

        Brejnev ….ex-major do estalinismo militante nã phodia lembrar-se de todos os sicários mesmo dos que tinha a gostinho do neto

        ser escurinho em moscovita hospital

        é geralmente fatal

        Gostar

    • 11 Setembro, 2013 17:01

      E?
      Parece-me bem legítimo.
      R.

      Gostar

  6. EMS permalink
    11 Setembro, 2013 14:46

    As familias que entregaram as casas aos bancos deixaram de ter necessidade de endividamento.
    As “sociedade financeiras” tambem não precisam de se endividar mais. O estado endividou-se para lhes oferecer seis mil milhões de euros.

    Gostar

  7. murphy permalink
    11 Setembro, 2013 14:48

    Concordo com quase tudo o que João Miranda posta. Não é o caso, i.e., que o “principal motivo” seja o apontado. Pessoalmente, “palpita-me” que os portugueses recomeçaram a consumir (depoIs de serem atingidos máximos históricos de poupança).

    Por outro lado, ao passar “pelos caminhos de Portugal” e ver tanta “obra de proximidade”, talvez o ano de eleições autárquicas tenha vindo ajudar a retoma…
    http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/08/sobre-os-recentes-dados-estatisticos-da.html

    Gostar

  8. Ricciardi permalink
    11 Setembro, 2013 14:52

    Os macroeconimistas nunca vão entender isto. Para eles a diferença entre o que sai e o que entra, quais manga de alpacas, é suficiente para tomar decisões. E eu conheço tantas empresas que vendem mais com prejuizos….
    .
    … por isso, não interessa se as exportações aumentam ou se as vendas aumentam; interessa, isso sim, se a empresa ou o país tem lucros.
    .
    Se os passivos da empresa aumentam e ela vende muito mais, então o preço a que vende os seus produtos deve ser o problema. Ou não?
    .
    Das duas uma, ou muda de vida e procura vender produtos a preços melhor ou a prazo terá de fechar porque está, cada dia que passa, a agravar o problema. os dias que correm em Portugal passasse isso. Parece que estamos melhor porque vendemos mais ao exterior, mas na verdade estamos pior porque estamos a perder dinheiro. O indicador para medir isto é o PII.
    .
    Rb

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 15:09

      ou se é uma transitária com 300 camiões muda-se para Paris

      também serve para empresas em nome individual mas de capitaes anónimos que andam a pagar bolsas d’études

      Gostar

    • Surprese permalink
      11 Setembro, 2013 18:46

      “A” PII também mede o investimento português no estrangeiro.
      E o agravar ou melhorar da posição internacional de investimento tem muito a ver com câmbios, especialmente com o câmbio USD a que estão valorizadas as participações que as empresas portuguesas tem em empresas (bancos e construtoras) angolanas e moçambicanas.
      Esse indicador é importante, mas não tem nada a ver com crescimento económico, nem com fluxos correntes.
      O saldo da balança corrente não afecta a PII, pois a balança corrente mede um fluxo de dinheiro, é um mapa de tesouraria.
      A PII é uma fotografia de participações sociais, é um balanço.

      Gostar

  9. André permalink
    11 Setembro, 2013 15:07

    Sabe João, o que me consola é que falta menos de um mês para o fim do fim da recessão. Ou seja, em meados de outubro, grande parte dos sinais positivos na economia terão sido acontecimentos casuais que foram mal interpretados e voltaremos a um longo período de recessão.
    Já agora, essa das poupanças das famílias tem piada. Quem é que está a poupar? A classe alta que continua a ganhar mais e mais dinheiro à custa dos salários miseráveis na classe baixa, ou a classe média que não se consegue libertar das hipotecas dos anos 80, 90 e 2000 e que vê os seus postos de trabalho a serem desvalorizados? É essa classe média que não consegue pagar contas que está a poupar? A mim parece-me que o João só está a referir o lado positivo daquilo que os economistas chamam de aumento das desigualdades sociais. No fundo, uns poucos têm de sobra, os outros não conseguem viver. Para a economia está tudo bem.
    É que eu estou mesmo curioso para ver o mês de outubro. Mas sim, as exportações continuarão a aumentar, o desemprego, com sorte, até diminuirá, mas será baseado em part-times mal pagos a pessoas que continuarão a depender do Estado para viver, Estado esse que se continuará a financiar através de organismos internacionais ou dos mercados, grande parte deles exteriores à economia portuguesa. Resumindo, o problema continuará eternamente porque ninguém foi capaz de o resolver eficazmente. Mas sim, haverá sempre uma boa concentração de riqueza nalgumas famílias aqui do cantinho à beira mar plantado.

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 15:13

      claro a tua não abre falência desde que limpavas crores de pimenta aos hindus……

      há famiglias que aguentam todos os regimes

      e dietas mesmo dietas alemãs ou dietas bávaras….

      o desemprego diminuiu 100 a 150 mil emigrados por ano

      e carradas de brasucas e moldavos a quem acaba o subsídio….

      e 100 mil morrem por ano

      e outros 100 mil reformam-se….

      Gostar

  10. 11 Setembro, 2013 15:25

    Um minuto de silêncio por favor.
    R.

    Gostar

    • ora permalink
      11 Setembro, 2013 15:41

      pelos bombeiros ou pelas senhorias assassinadas pelos inquilinos

      ou pelos falidos que cortam à catanada a família

      cê num ispilica

      suicidas económicos tem havido poucos

      as 6 mães que mataram ou assaram os filhos nos últimos 3 anos não o fizeram para os comer

      duas delas inté eram brasucas

      é o churrasco

      da crise mental?

      UM BLOGUE PARA INCONGRUÊNCIAS VÁRIAS DE PESSOAL QUE ACHA O SNS MUITO BOM MAS FOGE DELE COMO O DIABO DO ARMÉNIO CARLOS QUE É UMA CRUZ – PRÓ SNS EU? VÃO VOCÊS CARAGO
      Wednesday, 11 September 2013
      O MASSACRE DOS BIT CON’S-

      SE NO KRATOS CREIO

      E EXPANSÃO E CRESCIMENTO NÃO JOGAM

      METO CRÉDITO DE PERMEIO

      QUE EM BENS DE CURTO PRAZO S’AFOGAM ?

      ispilica lá o minuto de silêncio é pela morte do crédito?

      ou da virtude fácil?

      e nã phodem ser dois anos de silêncio é que este b-log é barulhento paca

      felizmente agente é tudo surdo-mudo

      Gostar

  11. Ricciardi permalink
    11 Setembro, 2013 15:29

    Mas eu concordo com o JM. A crise não é uma espiral recessiva. É recessiva estruturalmente. O PiB potencial de Portugal está na casa dos 0,40%. É o quese pode esperar para o futuro.
    .
    Isto quer dizer que só a partir deste valor é que teoricamente o país podia começar a reduzir o desemprego. O Pedro explica isto muito bem. Anyway, o PiB tem destas coisas estranhas.
    .
    Se um gajo Importar uma aeronave contribuiu negativamente para a balança comercial e é indiferente para o PiB. Mas se a mesma aeronave for importada por uma empresa e revendida posteriormente a outra passa a ser PiB.Se se revender muitas vezes a mesma aeronave teremos um PiB fabuloso.
    .
    Estes truques contabilisticos são fantásticos…. para quem não anda atento.
    .
    E ainda mais fantástico se torna quando vemos liberais a festejar um aumento no PiB cuja contribuição maior (66%) proveio de um aumento no consumo interno e apenas 33% por parte da procura externa. E dessa parte do consumo interno o principal foi… a construção civil.
    .
    Um crescimento sustentável, portanto, na linha Socretina da coisa… até na parte do endividamento.
    .
    A única boa noticia no que a contas externas diz respeito é o Turismo… e a menor necessidade de importações de energia por causa das Alternativas. peso embora o aumento no turismo ser causa da primavera arabe e a diminuição de importações de energia se ter feito à custa de aumentos de preços nos consumidores.
    .

    .
    Rb

    Gostar

    • ora permalink
      11 Setembro, 2013 15:35

      A MENOR necessidade energética porque a energia alternativa do desempregado é a energia mecânica dos carretos da bicicleta

      e as velas e o candeeiro de pitroil onde a edp cortou a luz….

      e desmpregado num tem $ para internetes logo baixa o com sumo de facebook’s e bi-log’s

      e os turcos e mexicanos não são árabes

      os brasileiros também não

      e turista que vai pró brasil para manifestação num inverno que parece verão

      é tarado….

      e se vai para Acapulco em feriado

      acaba baleado

      ou violado

      como suissa por hindus

      que le foram aos é’cus

      Gostar

    • ora permalink
      11 Setembro, 2013 15:52

      por exemplo as poupanças das famílias aumentaram de facto

      ou transferiram-se de outros lados?

      os certificados de aforro perderam 10 mil milhões desde 2008´

      os bancos fora o BPN aumentaram quanto os depósitos em 5 anos?

      e famílias encharcadas em crédito bancário aumentaram as poupanças de quê

      dívida?

      só se venderam a casa e foram emigrar após 20 anos a pagar os créditos em dívida

      aqui no deserto tamos cheios de aumentos da poupança desses

      Gostar

    • YHWH permalink
      11 Setembro, 2013 16:35

      Tal qual o esquema que as petrolíferas montaram para inflaccionar significativamente o preço do barril de petróleo: vendê-lo várias vezes por dia, em cadeia, por «intermediários criados e colocados para tal», para que a procura daquele barril reflicta ao fim do dia 15-20 compradores ao invés dos reais 1-2 compradores…

      E assim se constroem preços artificiais manipulando o conceito de oferta/procura pelo lado mais conveniente.

      E tudo politicamente legalizado a pedido do sector petrolífero…

      Chapeau!…

      Gostar

      • und permalink
        11 Setembro, 2013 19:52

        mas é necessário sem esse con trolle o ouro já tinha sido todo comprado pelos chinocas

        o ouro negro e o outro

        Gostar

  12. PiErre permalink
    11 Setembro, 2013 16:07

    “Como é que isto se conseguiu? Através da redução do consumo interno, que fez aumentar a poupança das famílias,…”
    .
    Ou seja: aumentando os impostos e reduzindo as pensões, consegue-se que as famílias aumentem as suas poupancas. Esta é a lógica de um autêntico cabo de esquadra!…
    Nem merece mais comentários.

    Gostar

  13. javitudo permalink
    11 Setembro, 2013 16:15

    De facto existem gráficos para todos os gostos.
    Continuemos com o ponto 2
    2.1. Em 2014 a crise crise financeira mundial estarácá. Tempos de deslocamento maciço da população. Em 2014, as empresas teraõ mais poder do que qualquer governo no planeta. Elas têm feito os governos falir e foram subordinados aos interesses da elite. Irá tudo acabar na World Company, SA

    Entretanto a competição por recursos energéticos degrada a paisagem económica. A degradação ambiental, a intensificação da agricultura e do ritmo da urbanização reduziram a fertilidade da terra. A insegurança alimentar causará migração global. Há uma grave escassez de água em alguns dos mais densamente povoados do mundo: Índia, China e Paquistão, causando conflitos em regiões já instáveis e se desencadeia um conflito militar e dos movimentos populacionais em grande escala.
    A humanidade está em perigo. A mudança é inevitável. Não é o fim do mundo, mas não se recomenda. O ar, a água, vão ficando cada vez mais poluídos.
    “Autoridades alertam para o risco da poluição do ar provocada pelos incêndios
    João Ricardo de Vasconcelos/ Pedro Carvalhinho
    26 Ago, 2013, 13:38 / atualizado em 26 Ago, 2013, 14:12
    Os principais incêndios das últimas semanas lavraram no centro e no norte do país. As nuvens de fumo e partículas que resultam destes fogos percorrem quilómetros e acabam por atingir outras áreas muito distantes das chamas. As autoridades de saúde alertam para a poluição do ar e recomendam restrições nas atividades ao ar livre”.
    Como é o nosso futuro? Amanhã, em um ano, daqui a uma geração? Vários estudos secreto do governo dos EUA e do Reino Unido prevêem um futuro assustador. Nos próximos 20 anos, o mundo vai se tornar um pesadelo com uma pequena elite rica prospera em uma população faminta.
    “Os conceitos de democracia e de liberdade vão desaparendo. Serão substituídos por uma ditadura baseada vigilância tecnológica, controle, doutrinação através dos meios de comunicação social, a opressão policial e divisão radical das classes sociais. Já é bem visível em quase todo o lado. Não se notarm que no Brasil será proibido a partir de agora usar máscara em manifestações.
    “Rio de Janeiro – Os deputados estaduais do Rio aprovaram hoje (10) projeto de lei que proíbe o uso de máscaras em manifestações. De um total de 70 deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), 62 estavam presentes e 12 votaram contra.
    O projeto estabelece, em seu Artigo 2º, que “é especialmente proibido o uso de máscaras ou qualquer outra forma de ocultar o rosto do cidadão com o propósito de impedir-lhe a identificação”. O texto também informa que será necessário avisar a autoridade policial para a reunião pública, havendo comunicação prévia à delegacia policial na região em que ocorra o protesto”.
    Não sei se conhecem o Patriotic Act, a referência a partir de agora para justificar todo o tipo de intervenções abusivas da liberdade dos cidadãos.
    A grande maioria dos cidadãos continuará a viver em condições de terceiro mundo e será continuamente submetido a pobreza ” dois fome, doenças e extermínio.

    Em 2014, a elite verá a oportunidade para a humanidade a se mover em direção a uma nova idade das trevas, de tomar as rédeas da “sobrevivência do mais apto” perversamente racista teoria evolutiva da seleção natural de Darwin, e aplicar os princípios sociais para desenvolver um darwinismo social.
    Para a maioria isto pode parecer o enredo de um filme de ficção científica de Hollywood, mas é real. Acontece à nossa volta.

    Gostar

    • Fincapé permalink
      11 Setembro, 2013 20:48

      Afinal, estamos mais próximos do que parecia, como você tinha escrito há uns dias. Admitindo, quanto ao assunto que aborda, que não sei a aceleração dos acontecimentos. Mas não sou otimista.
      (Ah! E como disse lá para trás, gosto muito de poesia. Penso que tinha entendido que não por causa da minha “boca”).

      Gostar

  14. YHWH permalink
    11 Setembro, 2013 16:27

    O caso do JM é bem mais grave que o de um qualquer Keynesiano: o JM não compreende a Realidade de raíz.

    Saberá quanta da regressão do consumo interno se deve simplesmente à súbita incapacidade de financiar o consumo usual, comparativamente à parte da baixa do consumo que se relaciona com o aumento (relativo) de poupança?

    Gostar

  15. JCA permalink
    11 Setembro, 2013 16:35

    .
    É proibido dizer o porquê porque a Troika está a chegar. Mas é gato rafeiro com rabo escondido.
    .
    Vamos admitir dialeticamente que eles não sabem porquê. Ora, ora mais sonhos de Verão da elite tuga do grande ‘designio nacional’ o regresso aos mercados para desde 2008 verdade verdadinha é que conseguiram vender ‘mais do mesmo’ sonhando que com meia duzia de tretas megafonadas pela Comunicação Social afinal não mexemos em nada, nada inovamos e ganhámos a partida contra os estranjas.
    .
    Conseguimos dar a volta em 010-2013, assegurámos que ‘os brasis’, as ‘indias’, as ‘africas’ mesmo sem as termos continuamos a mamar ora na Oropa.
    .
    É pena terem arriscado tanto, terem enfiado tantos na falencia, tantas familias na miséria, tantos jovens na nova emogração da ‘mala de cartão, ora dita da ‘tshirt’ para a merda que fizeram e a merda que nunca atingirão porque essa do 2014 regresso aos mercados só contaram para você.
    .
    Salvo se para manterem o mais do mesmo estejam a fabricar desde 2009 a habitual culpa tuga ‘dos outros’, a saída do Euro para continuar o mais do mesmo.
    .
    Por vezes por distração ou adormecimento no Tempo, chama-se conselho ao saber-além que mão alcançamos, senão chamar-lhe-iamos troca de opiniões ou dialogo etc se ao mesmo nivel de saber e ser.
    .

    Gostar

  16. JCA permalink
    11 Setembro, 2013 16:54

    .
    .
    Adenda, nem me interessa o que está a ser exatamente agora a ser discutido, justificado, pretextado, inventado, sonhado, proposto, regenarado, revolucionado, reformada ou seja lá o que for na Assembleia da Republica, seja por uns ou por outros. Palavras Têm-as levado o vento, leva e levará. Tudo na mesma ontem, hoje e amanhã.
    .
    O que está em causa é o ULTIMATUM que aí vem de quem já está farto de aturar malandros em exames e mais exames,
    .
    exatamente ao igual aos fanáticos da Siria por outro tipo de fanatismo.
    .
    Perguntar-me-ão, gostarás desse ultimatum a Portugal ? NÃO. Mas alguns puseram-me, puseram-nos, continuam a pôr a jeito com tal jeito que a culpa é dos anteriores, destes dos anteriores até ao Afonso Henriques.
    .
    O resto se verá. Afinal corre bem para os prós e para os contra. Depois se verá. E concerteza alguma coisa se vai ver. Nem que seja MUITO MAIS EMPOBRECIMENTO e outro afinal AINDA NÃO TINHAMOS CHEGADO AO FUNDO, por cá há sempre mais FUNDOS e fundos.
    .
    A alternativa destes talvez seria-fosse-é aparecer por aí algum novo Alves dos Reis ……. que safasse o atual ‘designio’ que até o Mao prometia para já não falar dos ‘ines’ estalines, lenines etc ou dos ‘ongs’ lá das coreias.
    .

    Gostar

  17. Cáustico permalink
    11 Setembro, 2013 17:14

    “…a economia portuguesa atingiu as condições teóricas para deixar de se endividar”.
    Estou solidário com a economia portuguesa.
    Atingi as condições teóricas para deixar de me endividar.
    Estou falido…

    Gostar

    • RCAS permalink
      11 Setembro, 2013 18:21

      Eu também… mas já à algum tempo!…

      Gostar

      • und permalink
        12 Setembro, 2013 01:55

        escreve-se;há algum tempo

        bolas és a maior portela de erros que já vi…..ó reaça camelô árabe saudita

        camelô num é camelo tá….

        tás falido e tens neta?

        da inter claro

        bolas agente falido nem aquecimento tinha …..

        Gostar

  18. JCA permalink
    11 Setembro, 2013 17:20

    .
    Sem ofensa a ninguém apenas as circunstâncias da vida de cada um que até podem ultrapssar, ‘crença minha’ que muito me agradava; dizem as más linguas uns na rua a troçar outros no café a suarem preocupados:
    .
    seguro não sabe para onde se há-de virar, Passos não se pode demitir vá se lá saber porquê, jeronimo já se sabe a nomenklatura estatista a viver à grande e à francesa dos incensados trabalhadores, o bloco a blocar parole-parole, o portas sidecar não tem porta levanta-se a perna para entrar e sair,
    .
    o resto por lá é paisagem. Numa coisa o inenarravel botas tinha razão, é preciso um valente safanão ou então vamos todos para a paraia com umas sardinhadas e uns copos depois se verá ou viva o estalinismo bora tudo para funcionarios publicos e tá tudo igual ou emigremos em pessoa ou capitais e poupanças.
    .
    Portanto todas as opções neste mais do mesmo SÃO MESMO A TRISTEZA ABSOLUTA, sonhos e fantasias.
    .
    Romperemos isto em Liberdade, Democracia e principalemnte em DIREITOS CIVILIZACIONAIS IRREVERSIVEIS respeitando em ABSOLUTO A PROPRIEDADE PRIVADA que atualmente não é nem privada nem estatal, é nada ?
    .
    Conseguiremos LIBERTAR os Cidadãos e o País ou aprofundar-se-á a ditadura de velude ? Um mau sinal, a questão das TVp’s recusarem a propaganda das várias correntes autarquicas. Afinal para que são precisas as autárquicas se os Partidos são lá votados e chegaria nomeraem depois os autarcas dirão eles, os da Ditadura de Veludo em curso ?
    .
    Pois é.
    .

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 17:26

      de velude ou de verblude?

      se é veludo….parece mais de sarja

      vamos para o escudo

      vende-se o ouro aos chineses para pagarmos a impressão de notas

      por falar nisso tenho 50 chapas 2 da série alves dos reys -vasco da gama

      queres comprar por 60 bit con’s….ou pita cona’s agente aceita tude ó velude

      verblude que li velude……

      Gostar

      • JCA permalink
        12 Setembro, 2013 15:48

        .
        Quiz esmo dizer velude, cotim.
        .
        Se fosse ditadura de veludo então era mesmo impressão de notas feitas de sacos de plastico e tudo sugere que aí por essa Oropa fora, e não só, há ‘euros alves dos reis’ até dizer chega. Dessas chapas e doutras …
        .
        Afinal no Planeta qual é a quantidade de notas e moedas realmente em circulação ? Ninguém sabe. Mesmo os fmis, troikas, ou de qualquer coisa. Então sustentadamente estamos a discutir o quê ?
        .
        Por cima dessas ciencias todas está a cupula (mande ciencias leva acento circunflexo mas não confunda cupula com cópula embora também fiesse sentido). Qual é ?
        .
        O mecanismo economico e financeiro medieval, mercado medieval a FEIRA, igual ao de Alguidares de Baixo ou da aldeia Pixa, hoje academicocientificamente chamada Bolsa e o LEILÃO onde impera o acaso dos leiloeiros e da assistência que licita. É isto a Economia e as Finanças, no TOPO, no vertice da piramide. Tanta ciência, tanto acadesimo para acabar na FEIRA e no LEILÃO. Alguém cá dentro anda a bater mal do esférico, e cientificamente a demolir os Portugueses
        .
        Sobre os bitcoins, por ora não quero um. Mas até era uma boa como moeda complementar.Esta é para o amigo que gosto bastante de ler (e é verdade, é criativo com humor acima do básico mal disposto velho do restelo) discorrer, assim numa de brainstorming.
        .

        .

        Gostar

  19. tric permalink
    11 Setembro, 2013 17:22

    “Daniela Ruah vai casar-se em Portugal”
    .
    O Governo Judaico de Portugal prepara-se presentear a família da noiva com a reintingração de um dos maiores traidores de Portugal no exército de …
    .
    “Quando ainda jovem, Barros Basto soube por via de seu avô, quando este se encontrava no leito de morte, que tinha antepassados Judeus. A sua família já não mantinha os preceitos judaicos e este apenas teve conhecimento da existência de Judeus em Portugal em 1904 quando leu um artigo de jornal, referente à inauguração da sinagoga Shaaré Tikva, em Lisboa.
    Anos mais tarde, iniciou a sua vida militar e, quando o exército o mandou frequentar um curso na Escola Politécnica de Lisboa, o jovem Barros Basto dirigiu-se à sinagoga da cidade, numa tentativa de ser ai admitido. Os dirigentes da sinagoga não permitiram mas Barros Basto não desistiu.
    Quando foi implantada a Republica, em 1910 Barros Bastos foi aquele que hasteou a bandeira republicana na cidade do Porto.
    Na Primeira Guerra Mundial, já tenente do exército comandou um batalhão do Corpo Expedicionário Português na frente da Flandres. Pelos seus actos de bravura e honra no campo de batalha foi condecorado e promovido a capitão.
    Barros Basto era um autodidacta e, após aprender hebraico foi viver uns tempos para Marrocos onde iniciou formalmente um processo de conversão ao Judaísmo (conhecido em hebreu por Geirus). Viu o seu processo concluído quando, em Tânger foi circuncidado e mais tarde submetido a um tribunal rabínico (Beit Din).1 Passou assim a chamar-se Abraham Israel Ben-Rosh.
    Regressado a Lisboa, casou-se com Lea Israel Montero Azancot, da Comunidade Israelita de Lisboa, de quem teve um filho e uma filha. Teve também vários netos e bisnetos, a sua neta Isabel Ferreira Lopes, é actual vice-presidente da Comunidade Israelita do Porto. É também tio-bisavô da actriz Daniela Ruah(…).
    .


    .

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 17:27

      escreve-se reintegração….tiraste a escolaridade básica na tropa foi…..

      Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 17:30

      e como tenente não poderia comandar um batalhão

      até sidónio paes teve de ser promovido de major para general para ocupar a presidência

      até uma companhia tinha capitão

      e um batalhão deve ter pelo menos um major mesmo que falte o corno ao tenente-cornel

      Gostar

  20. tric permalink
    11 Setembro, 2013 18:07

    “400 quilómetros pela independência
    .
    Os independentistas celebram o Dia Nacional da Catalunha com uma corrente humana de milhares de pessoas. Mas a realização de um referendo em 2014 é tudo menos certa.
    .
    A cadeia, que passa por locais emblemáticos como o Parlamento regional (cuja presidente, Núria de Gispert, e vários deputados servem de elos da corrente) ou uma bancada do Camp Nou (estádio do Futebol Clube Barcelona, um símbolo nacionalista), é a forma escolhida pelos separatistas para assinalar a “Diada”, o dia nacional catalão.”
    .
    o Qatar a destabilizar o Médio-Oriente…a destabilizar a Peninsula Ibérica…e a ainda são coroados com Organizações Desportivas Mundiais!!!??? como foi possivel terem deixado chegar a este ponto…a Aliança Qatar-Jacobinos-Israelitas….
    .

    Gostar

    • A C da Silveira permalink
      11 Setembro, 2013 18:27

      Parece que desta é que vão fazer o referendo. Não acredito no sim à indepedência da Catalunha, mas se isso acontecer, representa a implosão do país Espanha tal como o conhecemos hoje, porque atrás dos catalães vão os bascos, os andaluzes, e mais não sei quem. Convinha começarmos aqui em Portugal a pensar nos efeitos que tais transformações politicas e sociais no nosso unico vizinho terá no nosso país.

      Gostar

      • ora permalink
        11 Setembro, 2013 19:37

        não implosão é para dentro

        o que se pretende é cahir fora de espanha ou da hispania

        logo o termo cu reto é_______________

        vcomplete a frase e ganha um lugar de crato de 2º grau

        os andaluzes sem subsídios chamam-se falidos…..

        Gostar

      • A C da Silveira permalink
        11 Setembro, 2013 20:08

        ora tás enganado: é implosão…quanto aos andaluzes, estamos de acordo.

        Gostar

  21. A C da Silveira permalink
    11 Setembro, 2013 18:20

    Não “tenho estudos” para vir práqui participar em discussões académicas, discutir gráficos etc e tal. mas há duas ou três coisas que me parecem evidentes: com mais ou menos dor, mais ou menos sacrificios, as familias e as empresas privadas, que são o motor da economia, já fizeram os seus ajustamentos e isso está a reflectir-se na economia: as empresas tornaram-se mais competitivas, e as familias recomeçaram a consumir mais, mas com as suas poupanças, e não com crédito; só o estado ainda não fez a totalidade da sua parte, embora já tenha diminuido a despesa publica em mais de 10000 milhões. Mas ainda falta diminuir quase 7000 milhões!

    Gostar

    • silver permalink
      11 Setembro, 2013 20:13

      Alexandre,o governo governa desde 2011,e ainda não fez nenhuma reforma da despesa.Basicamente optou por cortar impostos.É a esse que tem de se queixar

      Gostar

      • A C da Silveira permalink
        11 Setembro, 2013 21:06

        Cortar impostos é o que o governo tem feito mais…

        Gostar

      • silver permalink
        12 Setembro, 2013 13:14

        Desculpe-me,aumentos :).Sim,agora está correcto.Aumentos de impostos.Quem me dera que fosse cortes…

        Gostar

  22. Portela Menos 1 permalink
    11 Setembro, 2013 19:21

    pelo menos este diz logo ao que vem e não está cá com merdas acerca de cainesianos e liberais:
    .
    JOÃO CÉSAR DAS NEVES09 setembro 2013

    “Nos anos 1960, Portugal era um país pacato e trabalhador, poupado e prudente, que se sacrificava generosamente, labutando dia e noite para cumprir os deveres. Frequentemente emigrava e procurava vida melhor noutras terras. E os patrões, franceses ou alemães, suíços ou americanos, gostavam dele, por ser pacato e trabalhador, poupado e prudente. Havia quem abusasse da sua dedicação, e ele sabia-o. Sentia-se enganado, mas apesar disso trabalhava com afinco”
    .
    http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3409764&seccao=Jo%E3o+C%E9sar+das+Neves&tag=Opini%E3o+-+Em+Foco&page=-1

    Gostar

    • ora permalink
      11 Setembro, 2013 19:32

      ele não diz ele escreveu…..bolas tás cada vez mais janado

      marx ordena-te que marches contra os hereges alemães?

      ides pôr o delfim no trono

      olha quisso dá fogueira

      Kynar (PVDF) – A high performance fluorpolymer resin with excellent chemical …. Alcohol Isobutyl (2-Methyl-1-Propanol). C. A … Alcohol Isopropyl (2-Propanol).

      Grade PTFE Filter Cartridge
      File Format: PDF/Adobe Acrobat
      Every Microfluor FP filter cartridge is backed by …. Methyl Isobutyl Ketone. G … 20 . 1.25. 60% Isopropyl. Alcohol. 18. 10. 10. 0.8. 25% Tertiary Butyl. Alcohol.

      ide fazer organofosforados com flúor ide….

      bolas até o líder cego da verdade suprema o com seguiu

      tu com segues com 800 machões tomas lisboa ao mouro de veneza

      ao othelo claro o costa é mais o hindu de veneza

      hoje andamos todos na net a fingir que travalhamos é isse?

      bolas que fascista ó maria dá-me aí essa lata de cerveja queu tou a trabalhare

      Gostar

      • 11 Setembro, 2013 19:46

        O hindu de veneza, não- o monhé do Intendente

        “:O)))))))))

        Gostar

    • A C da Silveira permalink
      11 Setembro, 2013 20:28

      A esquerda anda piursa com o artigo do César das Neves. Não percebo porquê, porque o que ele escreveu, com mais ou menos figuras de estilo, é tudo verdade. Foge um bocado à História de Portugal que a comunagem insiste em escrever, e é beato, por isso têm dito do homem o que mofama não diz do toicinho.
      A historiadora Raquel Varela então, muniu-se de estatisticas e citações para desmontar o que o Neves não tinha escrito. É formidavel!
      Em 1961, Portugal era o país mais atrasado da Europa ocidental, quer dizer, não contando com os paises que então estavam sob a protecção do paraiso soviético. Na actualidade, Portugal continua a ser o mais atrasado dos paises da Europa ocidental, e até já foi ultrapassado por alguns dos que estiveram décadas escravizados pelos comunistas. É obra, mas este facto singelo, ou seja, a nossa apetência secular para sermos atrasados, parece não preocupar a esquerda e a tia Raquel, que acha que somos muito evoluidos porque a mortalidade infantil deixou de ter indices parecidos com o Burkina Fasso, e agora os putos vão todos à escola, alguns até vão para a universidade, mas apesar disso, muitos deles nunca chegam a aprender a ler e a contar em condições…

      Gostar

      • silver permalink
        12 Setembro, 2013 13:17

        A verdade Alexandre,é sempre algo subjetivo.Raquel Varela conta o que quer contar,e César das Neves conta também o que que quer.E nenhum deles acerta na realidade completamente.Mas.. percebo o que a Raquel quis dizer: que os indicadores melhoraram face aos outros tempos.O que não me parece mentira.Depois descrever os trabalhadores daqueles tempos como honraros e poupados,não é a forma mais veridica.Diria antes,que os trabalhadores foram maltratados e explorados durante anos.

        Gostar

  23. JDGF permalink
    11 Setembro, 2013 19:26

    “Este é talvez o principal motivo pelo qual Portugal poderá já ter saído da recessão”…
    Poderá já ter saído?
    Esta é mesmo de oráculo. Não vale a pena meter o Keynes nesta ‘profissão de fé’.

    Gostar

    • ora permalink
      11 Setembro, 2013 19:34

      não a economia é fé….

      a psicologia das multidões é insondável

      se a catalunha entra em secessão a espanha que sobrar nunca mais se safa da recessão

      con preendido?

      nã?

      bom atão o luís de camões precisa de um técnico com o curso de direito

      o lyceu nã a estátua tá….

      Gostar

  24. ora permalink
    11 Setembro, 2013 19:40

    amanhã os juros disparam em españa em todos os prazos

    sabe-se lá se a cessão à recensão dá rescisão da recessão

    Gostar

    • und permalink
      11 Setembro, 2013 19:53

      GSPG10YR:IND
      4.49 0.03 0.60%

      Share

      .
      .
      .
      As of 11:59:00 ET on 09/11/2013.

      Gostar

  25. 11 Setembro, 2013 19:54

    Olha que coisa mai linda para o Estado subsidiar. É koltura, estúpidos!

    http://ainanas.com/must-see/arte-must-see/borralho-galante-espetaculo-merda-portugal/

    Gostar

  26. 11 Setembro, 2013 19:55

    Resumindo ainda mais a coisa (e passando ao lado da ideologia) caminhamos, alguns mais alegremente que outros, para o modelo económico tipo filipinas. Não entendo porque não se usará mais esta comparação em discursos e comícios (e já agora posts).

    Gostar

  27. Fincapé permalink
    11 Setembro, 2013 21:11

    Os keynesianos podem até entender a ideia que subjaz às políticas liberais, mas não têm de as defender. Têm de defender as suas, corrigindo-as e melhorando-as à luz das novas experiências. Keynes não era contra a poupança. Até era a favor. O Estado só pode gastar mais em tempo de crise se houver poupanças. Mesmo que tenha de recorrer a crédito, não o poderá fazer se a dívida já for suficientemente elevada.
    Pior estão os liberais que acreditam que tudo se resolve por obra e graça do divino espírito santo. Perdão, dos mercados e da desrregulamentação. E estes já mostraram várias vezes ao logo do século XX e no século XXI que dão maus resultados.

    Gostar

    • Guillaume Tell permalink
      11 Setembro, 2013 22:42

      E pode nos comunicar três exemplos de maus resultados causados por mercados e desregulamentações. A sério e não as tretas tipo privatização dos caminhos de ferro britânicos, da electricidade na Califórnia ou ainda da farsa da nossa EDP.

      http://discutir-portugal.wikidot.com/forum/t-576076/economia#post-1622472

      http://minarchiste.wordpress.com/2009/10/16/la-crise-de-lelectricite-californienne-de-2000-2001-lechec-du-marche/

      E uns três exemplos de bom intervencionismo, que tenham dado resultados óptimos rapidamente. É que ao liberalismo exige-se tudo e depressa, o intervencionismo pode demorar anos e anos a fazer as coisas e não se põe a ideia geral em causa.

      Já agora convem lembrar que o malvado mercado são as pessoas, eu, você, os keynesianos, os liberais (perdão estes não são pessoas), por isso o mercado não é perfeito. Tal como o Estado só que este pode obrigar os outros a fazer o que quiser, quando quiser e como quiser.

      Gostar

      • Fincapé permalink
        11 Setembro, 2013 23:47

        Com toda a cordialidade, Guillaume Tell, mas devo dizer-lhe que não aprecio nada a esperteza saloia liberal que passa a vida a tentar disfarçar o que toda a gente sabe. O capitalismo financeiro, completamente à deriva, desregulamentado, foi o causador da crise que ainda vivemos. Toda a gente reconheceu isso, até os banqueiros americanos, embora tenham agido da forma repugnante que lhes é habitual ao fugirem à melhoria do sistema assim que começaram a recuperar.
        Quer três exemplos para quê? Acha este pequeno? Pode vir com o excesso de endividamento do Estado português, coisa que, aliás, beneficiou sobretudo o capitalismo financeiro à custa de quem agora tem de o pagar. Mas não vale a pena vir com esse argumento porque ninguém mentalmente saudável defende o despesismo que foi feito. Exceto os senhores que você defende, obviamente, e que deles beneficiaram.
        ———
        Três exemplos de intervencionismo? Eu falei em regulamentação, não em intervencionismo. Mas destrua todas as estradas do país construídas pelo Estado, bem como praças, passeios, escolas, hospitais, museus, redes de abastecimento de água, mercados municipais, postos da GNR e da polícia, tribunais, prisões…
        Rasgue depois todas as leis e regulamentos… e diga-me como é que vivia. Desculpe ter dado mais de três exemplos.

        Gostar

      • Guillaume Tell permalink
        12 Setembro, 2013 12:57

        E sem nenhuma cordialidade Fincapé (se me ler até ao fim vai perceber porquê) devo dizer-lhe que eu não aprecio nada a esperteza saloia estatista que consiste em lançar afirmações sem nenhum sustento sólido e abrangente.

        O capitalismo financeiro não está nada completamente desregulamentado, primeiro porque como o diz mais longe é subsidiado pelo Estado que o utiliza para pagar as suas despesas, para se ter direito do Estado a alguma coisa é preciso responder positivamente às suas regras (o que por definição elimina a dicotomia que faz entre intervencionismo e regulamentação estatal, um vai com o outro). Segundo não está nada desregulado. Você tem consciência da quantidade de regras que há sobre como fazer as trocas, a obrigação de ser notado por agências de notação, que o que é considerado reserva é definido pelo Estado etc.

        http://www.contrepoints.org/2013/08/15/134807-bale-et-les-defaillances-du-marche


        Eu acho esta incrível de você afirmar que os liberais são responsáveis do despesismo. Quer dizer o Estado gasta para multitude de coisas, é incapaz de pagar tudo com o que rouba via impostos então vai fornecer-se aos bancos e isto é liberalismo na sua opinião? O liberalismo é contra o Estado gastar dinheiro. Ponto parágrafo.


        Anda a acusar-me, e possivelmente a filosofia liberal em regra geral, de defender os banqueiros, os capitalistas financeiros. Vamos ser claro; não se defende aqui ninguém em particular. Eu não ando a advogar o fim dos subsídios e da regulamentação arbitrária para depois achar que os banqueiros devem ser protegidos. Como diz o outro estou a borrifar-me para eles.

        Tal não é caso dos estatistas que precisam deles, porque para pagar as despesas deles é, no mínimo, necessário haver pessoas que conseguem suportar a carga fiscal. Sem ricos o estatismo, independentemente da sua intensidade, precisa de pessoas com capacidade de pagar. Se não as encontra tem de escravizar os outros. Ou seja “capitalismo financeiro doido” é parte integrante do estatismo qualquer que seja.

        É aliás por causa de estas acusações de favorecer uns em detrimento de outros que me fez que o meu comentário é sem cordialidade.


        “Mas destrua todas as estradas do país construídas pelo Estado, bem como praças, passeios, escolas, hospitais, museus, redes de abastecimento de água, mercados municipais, postos da GNR e da polícia, tribunais, prisões…”

        Muitas dessas coisas já eram sustentadas directamente pelo privado (aliás em muitas coisas mesmo nesses domínios o privado já é maioritário; na Suíça a Saúde já é dirigida e sustentada em maioria por privados) antes dos Estados começarem progressivamente em se apropriar de isso tudo no final do século XIX (em regra geral), pondo depois entraves para impedir ao privado de agir nesses domínios, e mesmo assim ainda se vê que há oferta privada nesses domínios. Claro não podemos esperar milagres quando se sabe a quantidade de regras e impostos que é preciso pagar para frequentar esses mercados. E o Estado ainda tem à disposição um financiamento praticamente “ilimitado” e faz as regras que lhe apetecer.

        Pode depois criticar e bem aqueles privados subsidiados e protegidos que fornecem um serviço caro e de má qualidade. Mas mais uma vez o problema não tem os privados, é os Estados roubarem dinheiro aos outros e impedi-los de agir nesses mercados, porque se estes privados continuavam com esses comportamentos em mercados livres não se aguentariam muito tempo.

        Outra coisa de incrível é dizer que se não estivesse aqui o Estado não teríamos os serviços essenciais baratos (qualidade as pessoas já não parecem esperam do Estado). Ora para um serviço ser barato é necessário haver tecnologia para o tornar barato; se o Estado se lembra-se de criar autocarros voadores hoje seriam caros na mesma. Poderia disfarçar uns tempos mas dia menos dia a factura cairia. Agora se fosse o privado a fornecer os serviços caros e que demorassem para ser implementados nada.

        É a tal coisa, criticam que antes do Estado Novo não havia Saúde, Educação e Saneamento universal, culpando os privados por isso já que o Estado não construía isso (ignorando os impedimentos a que eram submetidos, mas adiantes). Mas não lhes importa esperar 20, 30 ou 40 anos quando é o Estado que o faz. Quando é que começou a haver esses serviços um pouco por todo o lado em Portugal? Basicamente com o Cavaquismo, ou seja uns 20 anos de seca e ainda agora estou à espera por ver isso por todo o lado e com uma certa qualidade, porque dizer que há saúde, educação, saneamento, polícia, justiça etc. por todo lado e de qualidade é estar a brincar com o pessoal. Podemos recuar aos tempos abençoados do Guterrismo nada de isto estava como descrevi.

        Ou seja isto demonstra uma coisa; o Estado pode bem dizer que faz e até se empenhar mas se não houver riqueza suficiente acumulada nada de isto sairá. E para haver riqueza é preciso…


        Para concluir, pessoalmente estou a borrifar-me por saber quem me fornece os serviços que citou, sejam privados, o Estado, os alemães ou os extraterrestres. Eu apenas os quero no melhor rácio preço/qualidade e recusou-me a estar a pagar aquele dos outros como recusou que me paguem os meus.

        Gostar

  28. A. R permalink
    11 Setembro, 2013 23:49

    Caíram uma série de mitos: só se cria emprego com 2% de crescimento, aumento de impostos causa recessão e outros da esquerda tonta. Se a esquerda tonta tivesse razão Cuba não teria caído da 13º posição na economia mundial antes de Castro para o lugar abaixo do 150. Lembrar hoje o valente General Augusto Pinochet que sem mortos, contra os 100000 massacrados de Castro, conseguiu criar uma economia com menos de 10% de pobres.

    Gostar

  29. Buiça permalink
    11 Setembro, 2013 23:56

    Não invalidando o ponto do consumo interno com que concordo ou o do garrote aos gastos do Estado que obrigou as empresas a largarem o vício para sobreviverem exportando, as colunas das “Sociedades Financeiras” estão uma delícia… quer decompô-la nas várias “sociedades financeiras” que temos para nos rirmos um bocadinho?

    Gostar

  30. 12 Setembro, 2013 00:00

    as exportações continua a ser a galp ;; a redução do consumo deveu-se à falta de dinheiro , não aumentou poupança nenhuma ; o aumento de consumo dos últimos 2 meses foi devido para uns 60% aos estranjas ( uma sorte , este ano serem muitos e comprarem ) ; portanto , deixem poisar o inverno…… é que na suiça e assim não há conflitos , nem na serra nevada.

    Gostar

  31. javitudo permalink
    12 Setembro, 2013 00:05

    Ponto 3.
    Anda muita gente preocupada com o TC. Até ao dia em que os ex.mos juízes deixarem de receber ordenado em euros.
    Para não fazer figura de parvo e acusar todos e mais alguém até ao Afonso Henriques que não sabia o que fazia
    Para não ter a ilusão quem parece mandar nos protetorados pode fazer algo inteligente,
    Para não sonhar em devaneios radicais que seriam placados em dois tempos,
    convirá conhecer ao menos as linhas mestras das “Tendências estratégicas para o período 2007-2036”), é um relatório de noventa e uma páginas, é um roteiro para futuras necessidades estratégicas nacionais do governo do Reino Unido, através da análise dos principais riscos e impactos futuros na tecnológica, demográfica, política, económica e financeira, bem como nos mercados. O destaque do relatório é uma análise multidimensional do futuro contexto de defesa no período coberto por uma geração.

    O relatório Strategic Trends é a espinha dorsal da política de defesa do Reino Unido. O futuro, de acordo com o relatório, “é caracterizado por uma enorme quantidade de variáveis inter-relacionadas”.

    Em 2014, mais de 50 por cento da população mundial viverá em ambiente urbano e rural. “Não se prevê aumento significativo de favelas ou bairros de lata”
    Habitação pobre, pobre infra-estrutura, uma marginalização óbvia, privação social, níveis de pobreza e diferenças capazes de gerar sentimentos de injustiça que se vai transformar em questões políticas pendentes “, podendo levar a ativismo violento transnacional variando a intensidade e impacto. ”

    O relatório vai mais longe ao identificar possíveis futuras ameaças militares, e analisa a evolução em âmbitos que vão moldar o contexto estratégico mais amplo no qual a defesa terá que interagir. O tema subjacente do relatório aborda a população e os recursos do planeta Terra. Fala num maior risco de catástrofe humanitária causada por uma mistura de mudanças climáticas, a pressão sobre os recursos, a distribuição desigual da riqueza, o efeito de doenças e da incapacidade das autoridades para contra o crescimento da população e da urbanização.
    Entre 2007 e 2036, a população mundial passou de sete bilhões de pessoas para quase dez bilhões, e os países menos desenvolvidos se juntar a 98 por cento do crescimento da população global. Em 2036, cerca de dois terços da população mundial viverá em regiões com escassez de água. A falta de alimentos, água, medicamentos, higiene, educação e satisfação das necessidades humanas básicas levar ao colapso.

    O relatório afirma explicitamente, sem alarde: “É provável que o fosso crescente entre a maioria e um número pequeno de proeminentes superricos representa uma ameaça crescente para a ordem social e estabilidade. Diante desses desafios, desfavorecidos do mundo pode se unir, utilizando o acesso aos conhecimentos, competências e recursos para modelar processos transnacionais que favorecem os interesses de sua própria classe. “. O resultado do crescente desespero vai gerar ” guerras civis, a violência comunal, motins, crime generalizado e desordem”.

    Diante de uma queda vertiginosa dos mercados financeiros eo colapso económico global, o relatório prevê uma “grande choque de preços, possivelmente causada por um pico de energia ou uma série de perdas de colheitas desencadeando um efeito dominó que implicará o colapso dos principais mercados internacionais em diversos setores. “. O impacto deste colapso, transmitida em toda a economia global, poderia causar o colapso do sistema político internacional e o colapso económico absoluto.
    Não há-de ser nada digo eu…
    Com a “erosão das liberdades civis somada aos avanços tecnológicos de vigilância onipresente.” As evidências são óbvias: “bancos de dados intrusivos muito eficientes e acessíveis estão já a dar lugar ao aparecimento da” sociedade da vigilância, restrição de privacidade até aos lençóis da cama com efeitos barbaros sobre as liberdades civis e os direitos humanos” .

    Gostar

    • und permalink
      12 Setembro, 2013 01:58

      em escudos os juízes vão continuar a ganhar o mesmo

      já o resto do pessoal nem por isso

      os hindus já perderam 20 por cento nestes meses

      Gostar

  32. 12 Setembro, 2013 00:11

    A belíssima “explicação técnica” do texto corre o risco de chocar com a mais pueril realidade: os portugueses, empregados e empregadores começam a recuperar da operação “choque e pavor” (proveniente da garganta despudorada do “líder”) e a fazer pela vidinha… Primeiro assustaram-se, agora verificam que afinal o sol continua a nascer todos os dias.
    É por isso que a ciência económica é uma chatice: explica melhor os factos do passado do que as projecções do futuro… Exemplo: software ExcelGaspar Ver. 2011
    Não obstante, agora que os “civis” já começam a levantar a cabeça, o Dr. Estado já emagreceu? Ah, sim… Já sei! A “culpa” é do Tribunal Constitucional…

    Gostar

  33. tric permalink
    12 Setembro, 2013 00:13

    Gostar

    • und permalink
      12 Setembro, 2013 01:56

      agente sempre pensou que os dois eram panasqueiros

      gente com duas filhas ou é panasquero ou cuadotante

      Gostar

  34. Expatriado permalink
    12 Setembro, 2013 02:51

    Um ossito para os marcianos se entreterem
    .
    http://www.tvi24.iol.pt/programa/4407/91

    Gostar

    • neotonto permalink
      12 Setembro, 2013 08:10

      Parece que sim, mas vamos ver… Basta correrem com o Gaspar, que é o nosso “seguro de vida”, para isto entrar em convulsão.

      .

      Eu também sou da mesma opiniao, ja por aí apontada. Que mais que andar buscando motivos económicos e de agulhas em enormes palheiros…Nao será mais razoavel estoutra: Foise um tal Gaspar. Fim da recessao.:)

      Gostar

Trackbacks

  1. Uma explicação simples para a queda do desemprego | BLASFÉMIAS

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: