Saltar para o conteúdo

o «snob» e o «merceeiro»

12 Dezembro, 2013
by

Logo após um equilibrado e sensato artigo, que há dois dias publicou sobre Nelson Mandela, o expoente máximo da nossa esquerda caviar, Daniel Oliveira, prontamente reparou o equívoco e cuidou de repor o equilíbrio natural das coisas, com um texto dedicado a Alexandre Soares dos Santos e a uma sua entrevista concedida ao Jornal de Negócios.

Depois de longamente se referir, desdenhosamente, ao empresário como “merceeiro”, vendedor de “iogurtes de pedaços, bacalhau demolhado da Noruega e champôs anticaspa”, “de Oreos e rolos Renova”, Oliveira conclui que ele não passa de um “analfabeto político” (ainda que possa ser um “génio do retalho”, escreve o brincalhão), e que, consequentemente, se deverá ficar pelos assuntos do seu interesse (o bacalhau demolhado e o papel higiénico) e deixar a política às sumidades e às grandes inteligências, como, provavelmente, ele mesmo, Daniel Oliveira.

Esta posição, que Daniel Oliveira, num assombro de superior humildade, assume como possivelmente «snob», mais não é do que um velho preconceito, que une uma certa esquerda com uma certa direita contra o comércio e a burguesia endinheirada mas supostamente iletrada, que já o jovem Marx abominava, tal e qual as velhas famílias aristocráticas do seu tempo, que se sentiam ultrapassadas pela classe que emergia graças ao esforço e ao trabalho, coisas que nem Marx nem os grandes titulares nobiliárquicos apreciavam por aí além. É esse mesmo nojo aristocrático e revolucionário contra o «vil metal», sem o qual o mundo era e seria perfeito, que motivou a uns e a outros. Ao tempo, porque uns o estavam a perder, perdendo também, por isso, poder e influência, enquanto os outros ainda os não tinham, nem ao dinheiro, nem àquilo que ele faculta. No fim de contas, trata-se da aversão profunda ao mérito, por parte de quem julga que a ascensão social ou a conservação de um status superior lhes pertence por direito próprio ou divino, a mesma coisa, para este efeito.

É por estas águas de presunção e aristocratismo patético, de quem julga que tudo lhe é devido, que navega Daniel Oliveira na crítica a Soares dos Santos. E, bem vistas as coisas, na sua ruptura com o Bloco de Esquerda, onde Francisco Louçã tomou o mesmo papel do empresário.

28 comentários leave one →
  1. 12 Dezembro, 2013 02:31

    analfabeto político ou não todo o cidadão grego tem direito a botar discurso na agora ou a escrevê-lo se o souber fazer

    já se fosse bárbaro ou uma gaja nã adevia meter-se nesses assuntos

    já o Amorim deve ser um letrado político porque vai prá cama com todos e lucra com todos desde a extrema-esquerda à extrema que endireita

    é muite triste termos letrados políticos como o jjpimenta e o amorim

    e iletrados como o merceeiro….

    Gostar

  2. 12 Dezembro, 2013 02:34

    já o snob pode botar a sua opinião sobre a alfabetização dos alfas e betos políticos do país

    que tamém é dele aí 1:10,000,000 dele dá uns 9000 metros quadrados mais cousa menos cousa

    assinado gama gama delta delta

    Gostar

  3. lucklucky permalink
    12 Dezembro, 2013 04:34

    Aristocracia sempre teve desprezo pelas actividades e necessidades básicas das pessoas.

    A Esquerda ao tomar o poder das instituições do Estado Moderno naturalmente tornou-se na Aristocracia.

    Logo não admira que para Daniel Oliveira um “merceeiro” seja uma pessoa inferior que deve é estar calada e limitar-se a pagar as dízimas e taxas que um Fidalgo de Esquerda como ele julga que tem direito.

    Mas julgo que não é só este factor.
    O nojo da esquerda aos Soares do Santos deste mundo é também porque a Esquerda
    é incapaz de produzir para providenciar as necessidades dos pobres.
    E Cuba e URSS importam/importavam comida dos EUA para sobreviver.

    Mas como não toleram que alguém que não seja a Esquerda contacte/influencie os, atacam sem piedade quem quer que o faça.
    É por isso que também instituições privadas de solidariedade são atacadas pela esquerda sempre que vêem uma oportunidade para o fazer.

    Estão a entrar num território- os pobres -coutada da Esquerda.

    Pobre que tal como servos, são propriedade de um senhor.

    Gostar

  4. jhb permalink
    12 Dezembro, 2013 08:20

    “A Esquerda ao tomar o poder das instituições do Estado Moderno naturalmente tornou-se na Aristocracia. ”

    Que interessante. Essa é a teoria do Bourdieu no “State Nobility”: a nova aristocracia é o funcionarismo público de alto escalão. Que seja a esquerda no geral a ocupar essas posições neo-aristocráticas nao estou seguro, mas seria engraçado que assim fosse.

    Gostar

    • lucklucky permalink
      12 Dezembro, 2013 20:19

      Precisamente. Existiu uma grande transformação da natureza do Estado Moderno desde o início do Século XX até aos nossos dias.

      Em Portugal pode dizer-se que essa transformação se deu nos últimos anos da Ditadura quando começaram a crescer os gastos sociais.

      O Estado no passado era a defesa, segurança, justiça e obras publicas. No início do Século XX o orçamento da defesa era um dos principais onde se gastava o dinheiro dos impostos – ou da dívida – hoje está reduzido a meros 4% do Orçamento do Estado ou cerca de 2% do PIB.

      A Esquerda tomou conta do Estado por via dos crescentes gastos sociais e de um sistema onde a Democracia estrangula e mata a Republica.
      No essencial um sistema populista.

      Mas ainda mais engraçado é que a Aristocracia de Esquerda é formada essencialmente por burgueses que passaram pelas instituições que dão os títulos nobiliárquicos de hoje: Universidades.

      E com o Nobiliárquico título Universitário passam a arrogar-se das prerrogativas da Aristocracia para controlar, obrigar, taxar, limitar os Outros.

      Mas com uma importante ressalva, raramente em cursos de ciências exactas.

      Gostar

  5. Tiro ao Alvo permalink
    12 Dezembro, 2013 09:17

    Bem visto, Rui A. Se caíssemos nas mãos desta gente, estávamos lixados.

    Gostar

  6. 12 Dezembro, 2013 09:20

    É verdade, ninguém atribui o justo valor a quem subiu na vida pelo próprio esforço: http://lishbuna.blogspot.pt/2013/12/pim.html

    Gostar

  7. 12 Dezembro, 2013 09:41

    There is only one thing in life worse than being talked about, and that is not being talked about.

    Mas vocês estão a dar publicidade gratuita aquela insignificância mental e social para quê?
    Acham que ele é o Oscar Wilde tuga?

    Gostar

  8. Castrol permalink
    12 Dezembro, 2013 09:48

    Mas quem é Daniel Oliveira???!!!

    Gostar

  9. Américo Vicente permalink
    12 Dezembro, 2013 09:55

    Excelente post!
    Antes um merceeiro que cria emprego, logo riqueza, que um “intelectual” que incentiva à destruição da mesma…
    Seria interessante saber o que fez Daniel Oliveira na vida, que tenha gerado uma mais valia para a sociedade ou para terceiros…

    Gostar

  10. 12 Dezembro, 2013 10:05

    O Sr. Pingo Doce é um traste político.
    Foi e é responsável por Passos Coelho levar o país à falência. No entanto, já enriqueceu mais 11% e tem mais impostos pagos na Holanda.
    É um merceeiro muito esperto!

    Gostar

    • Joker Alhinho permalink
      13 Dezembro, 2013 01:49

      Tudo jóia, mas a estupidez que exibes também devia pagar imposto. Nem que fosse em Bissau, onde ficavas bem a explorar uma taberna.

      Gostar

  11. A.Silva permalink
    12 Dezembro, 2013 11:14

    Olha um admirador de merceeiros rançosos.

    Que gente táo grotesca, fosga-se!

    Gostar

  12. BELIAL permalink
    12 Dezembro, 2013 12:13

    Sarrafaçana daniel: OUTRA “pluma caprichosa”.
    Dão-lhe pilhas…

    Gostar

  13. 12 Dezembro, 2013 13:13

    Se o mérito é aferido pela conta bancária…
    estamos conversados.

    Gostar

    • 12 Dezembro, 2013 13:40

      Se o mérito é aferido pela bondade e benevolência…
      estamos conversados.
      R.

      Gostar

    • Joker Alhinho permalink
      13 Dezembro, 2013 01:32

      Não minha besta, é medido por exemplo pelo número de empregos que cria,(e não só), particularmente num país de desempregados, e não a escrever merdas.

      Gostar

  14. 12 Dezembro, 2013 13:35

    Vou “roubar”

    Gostar

  15. JSP permalink
    12 Dezembro, 2013 13:39

    Este tipo , além de parasita, é um cretino invejoso.
    A posição mental, para lhe chamar de alguma maneira, desta escória muito contribuiu para o estado de (des)graça alcançado pelo rectângulo.
    Vistas bem as coisas , trata-se simplesmente do repúdio, e fuga, ao trabalho concreto e produtivo.
    Tudo o resto são balelas de néscios e calões.

    Gostar

  16. Manolo Heredia permalink
    12 Dezembro, 2013 14:06

    Eu li a entrevista e acho que o homem é mesmo merceiro. Então não não´que ele diz que o pai dele morreu aos 59 anos e que ele irá morrer aos 89 e que por isso a idade da reforma devia ser aos 70!
    Mas não explica por razão não se vêm pessoas com mais de 60 anos a trabalhar nos Pingos Doces. Devem ter sido todas transferidas para o Conselho de Administração quando atingiram essa idade…

    Gostar

  17. Bento Norte permalink
    12 Dezembro, 2013 14:34

    Pelo lado da destruição do próprio podemos estar descansados com esta esquerda de arraial, pela simples razão de que nada constroem para o poder fazer. Assim, com a cegueira da própria falência atiram-se ao alheio de martelo demolidor em riste mas sem perceber que o instrumento não tem abastecimento da energia, que sempre teria que lhes ser fornecida de borla.

    Gostar

  18. jojoratazana permalink
    12 Dezembro, 2013 15:16

    É impressionante, o numero de empregados, que o merceeiro tem, principalmente no ramo de facilitadores de negócio, por esse motivo fica explicado, que quem produz riqueza naquela empresa, seja tão mal pago.

    Gostar

  19. José de Brito Pires permalink
    12 Dezembro, 2013 18:06

    É-me indiferente a opinião do Daniel Oliveira, mas já não é a a de Alexandre Soares do Santos, um dos maiores empresários portugueses, e quando ele na citada entrevista diz, e cito: “Não me importo de perder a minha soberania se, em troca, me derem alguma coisa melhor” lembro-me Mark Twain que dizia “Mais vale estar calado e passar por tonto, do que abrir a boca, e esclarecer qualquer dúvida”.

    Gostar

  20. Gasel permalink
    12 Dezembro, 2013 20:19

    Bem, a postura do DO até pode ser snob, mas por outro lado, o discurso do ASS é pura e simplesmente cabotino!
    Numa coisa o DO tem razão: é assustadora a relavancia que se dá a opiniões destas!

    Gostar

    • Joker Alhinho permalink
      13 Dezembro, 2013 01:43

      De acordo, é (assustadora, não) ridícula a (ralavância, não) relevância que se dá a inúteis improdutivos e de escolaridade duvidosa como o sr. DO. É dessa publicidade imbecil que o camarada vive.

      Gostar

Trackbacks

  1. O “tudólogo” inteligente e o merceeiro analfabeto | O Insurgente
  2. Eu no governo, claro que sim | BLASFÉMIAS

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: