Skip to content

A minha sugestão para ministro da Cultura

9 Abril, 2016

O director do Jornal de Notícias. Tem um apelido histórico – Camões – que ó logo uma mais valia quando vai aos sítios. Idem para o nome próprio: Afonso. Assim duma penada temos logo resolvida aquela coisa das referências obrigatórias à Literatura e à nacionalidade. A isto que já é muitissimo junta-se o interesse manifestado pelo mesmo em servir como general prussiano. Ora que coisa faz mais falta no Palácio da Ajuda do que um prussiano? Depois dos ataques de ego de João Soares não vejo ninguém melhor para aquelas funções que o actual director do Jornal de Notícias.

Advertisements
42 comentários leave one →
  1. 9 Abril, 2016 12:06

    Ná, o Zarolho não vai para lado nenhum, faz muita falta lá no pasquim …

    Gostar

  2. Manuel permalink
    9 Abril, 2016 12:36

    A Dra Helena era uma boa solução, mas num governo patriótico e de salvação, por este andar, lá chegaremos. Nas actuais condições e considerando que cultura é aquilo que o orçamento de estado permite gastar eu reduziria o Ministério a uma direcção e faria um “emagrecimento”, em conformidade,de toda a estrutura. Não sei se vai ser no meu tempo, mas dentro de 20 a 30 anos, quando formos uns 9 milhões não teremos alternativa. A demografia vai ser mais implacável, que défices, dívida ou crescimento do PIB.

    Gostar

  3. Prova Indirecta permalink
    9 Abril, 2016 12:53

    Eu propunha esse grande mecenas que foi Carlos Santos Silva . Sem o seu patrocínio não tinha dado à estampa esses dois clássicos da literatura portuguesa , ” A confiança no mundo ” e ” As escutas da operação Marquês ” .

    Liked by 2 people

  4. 9 Abril, 2016 12:54

    E porque não apostarmos novamente na Ilustríssima doutoura Gabriela Canavilhas. Não tem nome compatível, mas tem um ar altamente culto. Fala, pinta o cabelo e os olhos, esconde as rugas e veste bem e tem ideias como demonstrou no seu anterior mandato ao decidir instalar o Museu da Música na Casa Pia de Évora. E tornava mais visível a continuidade das políticas de Esquerda do Sr Engenheiro José Sócrates.
    E assim é que levávamos Cultura a sério aos locais mais ermos de um Portugal atrasado pela política ultra liberal de Passos Coelho, que o diabo o leve, que tanto mal causou às pessoas cultas que vestem bem, se arranjam bem e recebem uma boa reforma do Estado pelos bons serviços prestados aos portugueses mais necessitados.
    Amen.

    Gostar

    • Manuel permalink
      9 Abril, 2016 13:02

      O orçamento da cultura parece muito grande, mas é irrisório, pois tem no global o orçamento da RTP, quem saca mais é o Fernando Mendes, Malato e a Catarina. O ministro é um verbo de encher que só decide se dá mais aos maçons, aos gays ou aos hetero, o património material e imaterial vai sobrevivendo com os bilhetes pagos e dádivas.

      Liked by 1 person

      • 9 Abril, 2016 14:45

        O Fernando Mendes e o Malato Mediocre não faço ideia do que ganham.
        Mas a Mascote do Regime!
        Essa, upa, upa…

        Gostar

    • 9 Abril, 2016 13:19

      E também dá erros gramaticais, como o anterior, ainda que consiga falar mais caro sem se perceber nada.

      Gostar

  5. Arlindo da Costa permalink
    9 Abril, 2016 13:09

    Pena a Drª Helena não se ter lembrado da minha humilde pessoa…

    Gostar

    • PiErre permalink
      9 Abril, 2016 15:44

      Vai cavar a horta que já é cultura.

      Gostar

      • Arlindo da Costa permalink
        9 Abril, 2016 20:10

        Não tenho horta. Tenho uma herdade.

        Gostar

  6. LTR permalink
    9 Abril, 2016 13:48

    Ora veja lá quem eles nas últimas horas descobriram que existia:

    «O JN identifica Diogo Lacerda Machado, ex-secretário de Estado da Justiça quando António Costa era ministro da Justiça, como amigo pessoal do primeiro-ministro. O jornal refere ainda que este é o representante do Governo nas negociações para a reversão da privatização da TAP.»

    Uma saída da sombra jornaleira, repentinamente, precisamente no dia e na hora em que já não dava para esconder mais porque era preciso noticiar as buscas.

    Gostar

  7. Expatriado permalink
    9 Abril, 2016 13:49

    Pacheco Pereira vai ser promovido…

    Gostar

  8. basto_eu permalink
    9 Abril, 2016 14:11

    Tenha calma dra. Helena,
    A causa das coisas é infinita (e do MEC) também.
    E quando as coisas são como são…
    Não há volta a dar, era o que tinha de ser.
    As coisas podiam ser de outra forma mas não,
    uma galheta na tromba prometida
    é uma galheta na tromba devida.
    E atão se a galheta na tromba prometida (e devida) é feita por um ministro-carroceiro, a coisa é como é,
    devido a que filho de pai-carroceiro quem sai aos seus não degenera.
    O sinistro-quadrado (mais redondo que quadrado) bem podia ter feito as coisas de outra maneira,
    bastava para isso que mandasse dois jagunços do PS, assapar em dois velhos doentes de tudo menos da tola.
    Mas as coisas são como são.
    A Nação está de luto pela perda desse inesgotável poço de sabedoria e cultura e a dra. Helena já está aflita por substituí-lo.
    As lágrimas aos quartilhos ainda brotam dos olhos dos súbditos que não se cansam de depositar velinhas à porta do defunto sinistro com bandeira a meia haste e tudo, e a dra. Helena já quer arranjar outro inútil?
    “As coisas são como são,
    e por cada atentado que ocorre, há dezenas de outros que não ocorreram.”
    como disse essa sumidade impante de extraordinária inteligência que é, o dr. Costa.
    Por isso tenha calma dra. Helena
    deixe fazer o luto.

    Gostar

  9. 9 Abril, 2016 14:15

    o melhor de todos os nomes já “aventados” é…o Adão Silva. Ou o Lacão,Jorge. Ou o António Pimpão. Mas a Graça Alcoitão também daria uma boa ministra, “não desfazendo” nas capacidades do José Alcoitão, marido da Graça.
    Tem é de ser um nome com um “ão”. Para ficar no ouvido e impor respeito.

    Gostar

    • O Bronco permalink
      9 Abril, 2016 17:10

      Caro MJRB,

      Boas soluções. No entanto, verifico com espanto que ninguém se lembrou da maestrina do PS, (não sei se ainda) casada com o outrora cantautor da muralha de aço.

      Gostar

      • 9 Abril, 2016 17:42

        “Acho” que ainda não tiraram a rifa com um nome, “ao calhas”.. O AC-DC está em viagens.
        A maestrina está bem, obrigado.
        A pianista idem.

        Gostar

  10. Fernando de Matos permalink
    9 Abril, 2016 14:58

    Eu cá por mim, dou todo o apoio.

    Gostar

  11. Prova Indirecta permalink
    9 Abril, 2016 15:05

    O António da Nódoa dava um boneco perfeito. Apostava nele .

    Liked by 1 person

  12. Bolota permalink
    9 Abril, 2016 15:38

    Eu propunha o nome do ultimo Ministro da Cultura de um Governo PSD.

    Gostar

  13. LTR permalink
    9 Abril, 2016 15:52

    Pronto, está tudo explicado:

    “Houve um problema de comunicação com o ministro da Cultura. Teve que vir o primeiro-ministro…”, gracejou o chefe de Governo

    Gostar

  14. 9 Abril, 2016 16:08

    É desta que o PC ou o BE metem um seu como ministro.
    Ou um “independente”, Rui Tavares. Ou um P”SD”, JPPereira.

    Gostar

    • Expatriado permalink
      9 Abril, 2016 16:21

      Aos 4′, Mariana Mortagua diz que o BE nao assume o Ministerio da Cultura porque o dinheiro disponivel nao chega….

      Gostar

      • 9 Abril, 2016 16:52

        Não sabia desta…
        Se houvesse mais massaroca, desejariam o ministério. Criatividade e conhecimento é coisa desnecessária…

        Grato.

        Liked by 1 person

      • Expatriado permalink
        9 Abril, 2016 17:07

        Pois é!! Não havia ‘dinheiro dos outros’ em quantidade suficiente para fazer umas ‘flores’…

        Par for the course!

        Gostar

      • piscoiso permalink
        9 Abril, 2016 17:39

        Olha olha, a falar do Panamá? Julgava que era tabú.

        Liked by 1 person

      • Duarte de Aviz permalink
        9 Abril, 2016 20:01

        Fez-me lembrar as conversas das reuniões da associação de estudantes… Que ternura.

        Gostar

      • Duarte de Aviz permalink
        9 Abril, 2016 20:11

        Adoro a menina Mortágua. A candura arrogante com que ela exibe a sua ignorâcia sobre quase tudo, só suplantada pela múmia intervistadora… Nem no tempo em que os animais falavam havia histórias tão bonitas.

        Gostar

  15. procópio permalink
    9 Abril, 2016 17:06

    Impossível arranjar substituto à altura do bofetada.
    A nação contrita terá que aranjar forças para encontrar alguém.
    O que somos nós sem cultura?
    Vamos arriscar. O joe berardo. Se ele não aceitar, a língua portuguesa é traiçoeira, há sempre a canavilhas e com ela a possibilidade de patrocinar uma entrevista com o nº 1.
    A estadia em Évora pode-lhe ter proporcionado ainda mais cultura. O nº 2 tem-se aproveitado da situação, nunca o chama a terreiro para defender a sua pulhítica.
    Além disso o inocente anda muito esquecido da populaça, o que não é recomendável.

    Gostar

  16. procópio permalink
    9 Abril, 2016 17:37

    O MJRB põe aqui uma questão transcendente.
    A importância da massaroca nas decisões culturais e outras dos nossos pulhíticos.
    Longe de mim que eles se aproveitem do milho. A questão crucial é saber até que ponto o milho engorda. De facto vemos bastantes pulhíticos e outros agentes culturais que sempre têm acesso ao milho ficam progressivamente anafados. Claro que ele tem calorias, mas o que realmente engorda são os “acompanhamentos”, como manteiga, offshores, excesso de sal, branqueamentos, açúcar, pó, muito pó e óleos.
    Os óleos ajudam ao escorregar, tal como no sistema “cascata”. Exemplo:
    O Grupo Espírito Santo tinha quatro empresas fiduciárias (a ES Services, a Gestar, a Eurofin e o Banque Privée Espírito Santo), que recorriam à Mossack Fonseca para criar empresas offshore. O esquema funcionava numa complexa cascata: a ES Enterprises era, de acordo com a investigação, dona de outras empresas offshore, que por sua vez também detinham outras empresas. Muitas, porém, não tinham sede no Panamá, mas sim noutros paraísos fiscais, como é o caso de Niue, uma minúscula ilha no Pacífico Sul, das Ilhas Virgens Britânicas, das Bahamas e de Samoa.
    Por cá pouco se fala no senhor. É pena porque ele auxiliou muitas culturas.

    Gostar

    • 9 Abril, 2016 17:57

      Uma quantidade razoável de políticos tugas aceitam ou oferecem-se para cargos sem perceberem patavina da “matéria”. JSoares foi um deles. O rei na barriga cresceu com a inclusão “ministro” no CVitae, viajou até mais não, exibiu a consabida vaidade, mas apresentar um projecto para o país, para as várias áreas de criatividade, para o património, dava-lha uma trabalheira do carago !
      Ao ser retirado(!) sentir-se-á aliviado, ainda mais vaidoso por ter-se tornado uma super star “socialista” e nada melhor do que adormecer no sofá a reler os episódios das bofetadas queirosianas e outras do Séc.XIX. Um ex-ministro ultrapassado, nada contemporâneo embora se esforçasse para perceber a actualidade.

      Gostar

      • licas permalink
        9 Abril, 2016 18:49

        MRJB
        Naquele tempo ofereciam-se de preferência_____bengaladas
        (é mais forte e não faz doer as costas_____________da mão)

        Gostar

  17. 9 Abril, 2016 17:47

    Piscoiso,

    Nenhum tabú me condiciona em relação a certos offshores.
    Não me importaria nadinha de ter alguma da minha massaroca numa offshore. Quantia e proveniência declrada, tudo cristalino.

    Gostar

    • piscoiso permalink
      9 Abril, 2016 18:17

      “Ai é? Então, qual é o motivo por que em vez de estar inshore vai para os offshores?” – É uma pergunta do Pacheco Pereira na pg. 50 do Público de hoje.

      Liked by 1 person

      • 9 Abril, 2016 20:11

        É mais chique, dá mais “pica”, muito mais VIP colocar a massaroca numa offshore. Dá um estatuto do carago !, inclusivé para tipos e tipas que militam e dirigem ou dirigiram partidos “socialistas”.

        Liked by 1 person

      • piscoiso permalink
        10 Abril, 2016 16:02

        Não me diga que a maior massaroca dos offshore é de socialistas! Julgava que era de anónimos.

        Gostar

  18. Chopin permalink
    9 Abril, 2016 18:53

    “Quando ouço falar em cultura, saco logo do meu revólver.” (Joseph Goebbels)
    “Quando ouço falar em cultura, saco logo do meu talão de cheques.” (Millor Fernandes)

    “Quando ouço falar em cultura, puxo logo o autoclismo.” (cidadão português)

    Gostar

  19. procópio permalink
    9 Abril, 2016 20:48

    A cultura devia ajudar as pessoas a ver a realidade.
    Começo por declarar o meu distanciamento do novo czar. Porém…
    O caso dos Panama Papers merece uma reflexão que resumo em 3 pontos.

    Ponto 1.
    John F. Kennedy desafiou uma “estrutura” de poder. Referiu-se pouco tempo antes do seu assassinato a uma conspiração.
    “… Uma conspiração monolítica e impiedosa que conta principalmente com os meios encobertos para expandir sua esfera de influência – na infiltração em vez de invasão, em subversão em vez de eleição, em intimidação em vez de liberdade de escolha, por guerrilheiros por noite em vez de exércitos por dia .
    É um sistema que tem recrutado vastos recursos humanos e materiais para a construção de uma máquina coesa e altamente eficiente que combina militar, diplomática, inteligência, económico, científico e operações políticas “.
    Ponto 2.
    O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigadores (ICIJ) baseia-se no centro de Washington DC. É um desdobramento do Centro de Integridade Pública (CPI) financiado pela Fundação CIA, ligado à ‘Fundação Open Society “de George Soros, ao cartel bancário internacional da família Rockefeller.
    A lista das agências de notícias media main-stream (MSM) fez uma parceria com o ICIJ servir o establishment político e financeiro. A lista inclui a British Broadcasting Corporation (BBC), o Guardian (Reino Unido) eo Huffington Post (EUA).
    Ponto 3.
    A ICIJ arrisca-se a iniciar uma operação Ariadne, a deusa dos labirintos.
    Que fio (o fio de Ariadne) os conduzirá? Talvez a desintegração da UE, a aniquilação de bancos europeus e o disseminar do caos que aproveita a forças por identificar.

    Gostar

  20. A. R permalink
    9 Abril, 2016 22:48

    Aposto pelo Tino de Rans. Se não for o Tino pode ser a Érica das malhadinhas (para malhar na direita).

    Gostar

  21. ali kath permalink
    10 Abril, 2016 10:40

    QUIM BARREIROS

    Gostar

  22. Arlindo da Costa permalink
    10 Abril, 2016 17:15

    Nunca ouvi falar do novo Ministro da Cultura proposto pelo Sr. Primeiro-Ministro. Todavia, acho que é uma muito boa escolha.

    Gostar

  23. licas permalink
    10 Abril, 2016 18:21

    Estou neste momento a ver na Telesur (do Nicolas Maduro) a sala de Trauma Choc, de um Hospital agora inaugurado/remodelado. Em breve, espero, devemos ver os internamentos dos “beneficiados” do tratamento educativo aplicado/prometido
    por um ex-Ministro do nosso país.

    Gostar

  24. chipamanine permalink
    10 Abril, 2016 19:51

    Este jagunço de nome Camões resolveu hoje difundir no pasquim de que é diretor ccomeçaruuma campanha contra a confina a dizer qque estão numa situação fiscal duvidosa. Mas o ttítulonnãocorresponde ao texto da nnotícia onde é apenas referido que existem ddivergência e que inclusivamente foram cconstituídas pprovisões para o efeito.se isto não eé mais uuma campanha aAraújo 44 delarilas com a aanuência deste espinha de silicone eentão e o qquê?

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: