Skip to content

Encontrei o senhor Domingos, que já não via há muitos anos

19 Abril, 2016

Ontem vi o senhor Domingos, que conheço desde que tinha borbulhas oriundas de uma infância feliz na pasmaceira da Gandra. O senhor Domingos já era adulto feito quando tive o meu primeiro carro – um usado com cinco anos sem sistema de som – e era conhecido na zona por arranjar auto-rádios. Não arranjar no sentido de passarem do estado de avariados para funcionais; arranjar no sentido de lhe aparecerem na mão – “não perguntes” – como uma concretização da vontade do Homem sobre a inexistência material, uma consubstanciação da oferta com a procura. Sempre encarei o senhor Domingos como um técnico especializado, como um hacker dos Anonymous a explorar vulnerabilidades do sistema para efeitos de melhoramento da segurança dos veículos, a saber, da resistência dos vidros e sistemas de fecho. Vendeu-me o meu primeiro auto-rádio. O senhor Domingos, quando não estava fora para arranjar auto-rádios, passava o tempo na oficina onde instalava sistemas de alarme em veículos vulneráveis, aos quais, facilmente, qualquer meliante podia roubar o auto-rádio.

“Leio-te de vez em quando lá nas Blasfémias” – disse, com ar sério. Corei um bocadinho. “Não entendo nada do que lá escreves” – acrescentou, com um tom que me fez pensar que este homem barbudo podia ser o nosso simpático comentador Bolota, o comunista residente. Tentei justificar-me, afirmando que o Adão e Silva escreve sempre a mesma coisa sem qualquer conteúdo no Expresso e que ninguém o deve abordar na rua para obter uma justificação para tal. “E pagam, lá no Expresso?” – perguntou, com a mesma dúvida que frequentemente me inquieta. “Devem pagar”. “Então deviam convidar-te, que também não dizes nada de jeito”. Anui com a cabeça.

A conversa continuou e percebi que o senhor Domingos era um eleitor do António Costa. “Agora já não arranjo auto-rádios, que ninguém quer isso. Temos que nos adaptar ao tempo novo, à nova realidade, às necessidades do mercado e ao empreendedorismo”. “O senhor Domingos sempre foi empreendedor”. “Verdade, tem que ser. Agora faço reabilitação urbana no Porto”. “É empreiteiro”? “Pois. Olha, se precisares de ferramentas, de uma betoneira ou de um martelo pneumático, diz, que eu arranjo”.

É assim, a ouvir o homem do povo, que percebemos porque é que o socialismo está entranhado nas pessoas.

Advertisements
28 comentários leave one →
  1. 19 Abril, 2016 10:17

    “É assim, a ouvir o homem do povo, que percebemos porque é que o socialismo está entranhado nas pessoas.” – Infelizmente.

    Bom texto Vitor, como sempre.

    Liked by 1 person

  2. Baptista da Silva permalink
    19 Abril, 2016 10:39

    O Sr Domingos não tem um auto-rádio a mais para dispensar?

    Gostar

    • sam permalink
      19 Abril, 2016 13:05

      Se vir algum montinho de pedaços de vidro junto a um carro, é sinal de que o mercado foi abastecido. Pode manter a esperança. A não ser que o carro fosse o seu…

      Gostar

  3. PiErre permalink
    19 Abril, 2016 11:39

    Este é um verdadeiro socialista, sem as aspas que o MJRB costuma pôr.

    Gostar

  4. PiErre permalink
    19 Abril, 2016 11:40

    O verdadeiro socialismo é mesmo único.

    Gostar

  5. PiErre permalink
    19 Abril, 2016 11:43

    Larapiar o alheio também é socialismo.

    Liked by 3 people

  6. Arlindo da Costa permalink
    19 Abril, 2016 11:52

    Os senhores banqueiros e os empresários «liberais» portugueses devem ser também eleitores do Dr. António Costa, pois não se fartam de «passar à esquerda».
    O socialismo está bem impregnado na sociedade portuguesa desde tempos imemoriais.

    Liked by 1 person

  7. Colono permalink
    19 Abril, 2016 11:56

    Conheço o bem o camarada Domingos… Agora dedica-se a “arranjar” carros de topo de gama e exportá-los para as offshores dos Palop!

    Gostar

  8. piscoiso permalink
    19 Abril, 2016 12:37

    A minha tia Pulquéria, um dia destes, ao regressar ao carro viu que faltava o auto-rádio e ainda viu um gajo a correr com ele debaixo do braço, enquanto o outro braço ia levantado com o punho cerrado.

    Gostar

  9. Carlos Reis permalink
    19 Abril, 2016 13:38

    VC, O rádio que “comprou” tinha um ponto azul? Se sim quase tudo indica que era o meu que foi roubado em V.do Conde vai já uns anitos. Por outro lado nunca pensei que um verdadeiro liberal entrasse em esquemas mafiosos socialistas, julguei-o um homem sério, às direitas.

    Gostar

    • 19 Abril, 2016 16:10

      Quando temos 18 anos ainda não pensamos nas consequências da nossa educação televisiva. Tinha um ponto azul, início dos anos 90.

      Gostar

      • Arlindo da Costa permalink
        19 Abril, 2016 18:59

        Blaukpunt 🙂

        Gostar

  10. basto_eu permalink
    19 Abril, 2016 13:39

    A reabilitação urbana do Porto e de Lisboa não foi aquela que recebeu um investimento de 1400 milhões de euritos do Fundo da Segurança Social de todos nós?

    Gostar

  11. Algarvio permalink
    19 Abril, 2016 16:46

    A mudança de actividade do Sr Domingos foi devida há eliminação deste posto de trabalho porque agora os auto rádios estão integrados nos tablié e no ramo das ferramentas de construção apenas é necessário partir o cadeado do contentor.
    É mais imediato.
    Quanto a ser socialista com certeza que se sente identificado com o mesmo.
    É natural.

    Gostar

  12. Algarvio permalink
    19 Abril, 2016 16:47

    Cada ovelha procura a sua parelha

    Gostar

  13. Abre-latas permalink
    19 Abril, 2016 18:27

    O senhor Domingos não roubava, redistribuía a riqueza.

    Liked by 1 person

  14. Carlos permalink
    19 Abril, 2016 19:28

    “…o senhor Domingos era um eleitor do António Costa.” “…à nova realidade, às necessidades do mercado e ao empreendedorismo”.”
    Victor, enganou-se o homem deve ser mais adepto do Massamá. Esse é que até tinha um governante para o empreendorismo… que mandava a rapaziada emigrar.

    Gostar

  15. 19 Abril, 2016 21:39

    muito fixe , já deu para rir um bocado 🙂 e dava-me jeito uma pistola de pintura…

    Gostar

  16. 19 Abril, 2016 22:49

    😀

    Gostar

  17. José Ribeiro permalink
    20 Abril, 2016 08:13

    «“Leio-te de vez em quando lá nas Blasfémias” – disse, com ar sério. Corei um bocadinho. “Não entendo nada do que lá escreves” – acrescentou, com um tom que me fez pensar que este homem barbudo podia ser o nosso simpático comentador Bolota, o comunista residente.»

    Ahhahahahahaha!
    Priceless!

    Gostar

  18. JCA permalink
    20 Abril, 2016 23:55

    .
    Os “Senhores Domingos” das ‘olites’ e das ‘estranjas’:.
    .
    =Who Will Protect Us From Space Pirates?
    .
    It may sound like sci-fi. But millions and millions of dollars are pouring into projects to mine asteroids and the moon. And with a space gold rush comes space pirates.
    .
    http://www.thedailybeast.com/articles/2016/04/15/who-will-protect-us-from-space-pirates.html
    .

    .

    Gostar

  19. António Melo permalink
    21 Abril, 2016 15:05

    Eu também conheço um Sr. Domingos. Aliás, conheço vários ; o que não falta em Portugal são “senhores Domingos”, de vário calibre e de grande qualidade. Este a que me refiro, é um sr. Domingos finório, licenciado, morador em Massamá, chefe da arrastadeira (sabem, aquele utensílio que serve para recolher as fezes e a urina dos doentes acamados) durante quatro anos, que elevou a arte de subtrair auto-rádios aos seus legítimos proprietários a um cume dificilmente atingível pelo comum dos mortais. Eu explico: cria-se uma empresa em grande tecnoforma, depois uma ong que depende dessa empresa e sacam-se umas broas valentes aos fundos europeus. Tudo limpinho, sem precisar de andar à procura de negligentes donos de auto-rádios, de partir vidros, de sujar as mãos. Este “sr. Domingos”, ainda por cima, tinha o génio da engenharia fiscal : não pagava impostos nem segurança social, afirmando peremptoriamente serem essas obrigações de qualquer cidadão. Este “sr. Domingos” de Massamá, tinha um amigo na Rua Braancamp, cujo nome agora não recordo, mas que faz lembrar um filósofo da Antiguidade, que também andava na faina dos auto-rádios: tinha um amigo que possuía um armazém cheio deles e, quando precisava de arranjar uns cobres, era só telefonar ao amigo e não havia limites para os rádios e outros artefactos técnicos. A coisa parece que não acabou bem. Um dia destes, ainda os havemos de ver cumprir pena juntos numa qualquer penitenciária.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: