Skip to content

A CML, a construtora de mesquitas

18 Maio, 2016

PÚBLICO: Com 63 anos, António Barroso e a mulher vêem-se pela segunda vez obrigados a mudar de casa. Depois de o prédio onde habitavam na rua Heróis do Quionga ter sido classificado como estando em risco por falta de condições de segurança, os edifícios que adquiriram há sete anos, recuperaram e onde agora moravam irão passar para as mãos da Câmara Municipal de Lisboa (CML), no próximo dia 23 de Maio, e serão demolidos para dar lugar a uma nova mesquita em Lisboa. Consternado, António não se conforma e avança para os tribunais.

O plano da Praça da Mouraria que prevê a construção de uma nova mesquita em Lisboa implica a demolição de dois edifícios. O projecto justifica a necessidade de uma nova mesquita argumentando que única existente na zona da Mouraria está instalada num prédio destinado à habitação, no Beco de São Marçal, “com condições muito reduzidas face às necessidades”. Mas o proprietário contraria esta informação. “Existem duas mesquitas: uma no Beco de São Marçal, que não é num prédio de habitação como a câmara afirma. Trata-se de um edifício único, próprio para a mesquita. Além disso existe outra na rua do Terreirinho, no número 86, essa sim, num prédio onde moram pessoas”.

“Nunca poderei concordar com esta decisão”, sublinha o proprietário dos imóveis, que assegura não ser contra a construção de uma nova mesquita. “O que eu não compreendo é porque não avançam com as obras num dos tantos prédios abandonados e vazios que a Câmara de Lisboa tem”, lamenta.

Numa carta dirigida à CML, António Barroso explica que “foi com um enorme esforço físico e financeiro” que recuperaram os dois edifícios. Ao PÚBLICO, António adianta que quando avançou com a recuperação dos imóveis, entre 2006 e 2009, foi obrigado a respeitar uma série de restrições impostas pelo gabinete da Mouraria. Conta que foi obrigado a proteger e manter os azulejos do século XVIII de um dos seus edifícios e que não pôde utilizar alumínios e soalho flutuante para respeitar o plano original do prédio, “o que veio encarecer toda a recuperação”.

No total, o proprietário estima ter feito um investimento superior a 350 mil euros e não compreende como é que se decide demolir um edifício com um património que deveria ser protegido. No projecto, a CML argumenta que os edifícios “não apresentam especial interesse arquitectónico”, apesar de o proprietário contrapor ter sido obrigado a respeitar os traços arquitectónicos originais e de “até a cor das janelas ter sido escolhida pelo gabinete da Mouraria”.

António Barroso garante que os cerca de 531,9 mil euros da indemnização que a CML lhe oferece não chegarão para a compra de um andar na zona para morar, além de que isso lhes fará perder não só os rendimentos que auferem com as rendas dos dois espaços comerciais que arrenda, bem como dos três apartamentos que aluga a turistas. O dono dos imóveis calculou o valor patrimonial dos prédios e dos rendimentos mensais que aufere – que correspondem a cerca de seis mil euros – e somou a estas alíneas a perda de actividade e negócio. O que o leva a exigir à Câmara cerca de dois milhões de euros, um valor quatro vezes superior ao que lhe é oferecido. “Ainda tenho dívidas à Segurança Social, às Finanças e ao Montepio”, cuja última prestação terminará em 2023. Maria Luísa, a mulher, partilha também a preocupação de quem “não tem forças para começar novamente do zero”.

Mahomed Afzal Valimade, de 58 anos, natural de Moçambique, é um dos inquilinos de António Barroso. É no número 151A, que o encontramos, atrás da secretária de onde gere a sua agência de viagens. Começou a ouvir falar das obras da nova mesquita naquela rua como um boato. A confirmação final chegou nas últimas semanas. “Eu não concordo. Mas para contestar tenho de arranjar um perito não sei onde, um avaliador”, um esforço que não consegue suportar, aponta. Mas o seu silêncio não é sinónimo de tranquilidade, garante. Afzal Valimade diz que nem tem dormido bem durante as últimas noites. Há quatro décadas em Portugal, Afzal Valimade está “preocupado” com a falta de alternativas ao espaço onde está, tentando procurar algo compatível com a indemnização de 10,2 mil euros que a CML lhe propõe.

Por tudo isto, António Barroso irá avançar com uma acção administrativa para impugnar o acto de “declaração de utilidade pública de expropriação com carácter de urgência” da autarquia junto ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa, invocando o incumprimento de “alguns requisitos legais”. Ao ser aceite a acção, tudo o resto fica sem efeito, explica a advogada de António Barroso, Tânia Mendes. Além disso, ao mesmo tempo, será também apresentada uma providência cautelar, esclarece.

“Conhecemos as fragilidades da nossa posição”, nota. Só para avançar com a impugnação, António Barroso teve de pagar 816 euros. Um valor que se repetirá para a providência cautelar, obrigando o proprietário a “despender dinheiro que não tem”, diz. Se não resultar, o próximo passo será procurar uma resposta junto dos tribunais judiciais.

Contactada pelo PÚBLICO, a Câmara de Lisboa escusou-se a comentar o caso alegando não ter sido ainda notificada das acções judiciais interpostas pelo proprietário.

Anúncios
53 comentários leave one →
  1. EMS permalink
    18 Maio, 2016 11:16

    “António Barroso garante que os cerca de 531,9 mil euros da indemnização que a CML lhe oferece não chegarão para a compra de um andar na zona para morar”

    Eu sabia que a habitação em Lisboa está disparatadamente cara.

    Gostar

    • Duarte de Aviz permalink
      18 Maio, 2016 17:36

      O que o senhor tem a fazer é enfiar um valente calote a um banco e dar o prédio como morada da família. Fica protegido por lei, não?

      Liked by 1 person

  2. A.Silva permalink
    18 Maio, 2016 11:42

    a leninha dando largas ao seu ódio à liberdade.

    Gostar

  3. José Domingos permalink
    18 Maio, 2016 12:03

    O multiculturalismo tem destas coisa. Estranho, são multiculturalistas de outras paragens, não pagarem os mesmos impostos, que os multiculturalistas, cá do burgo, pagam para ver o circo, mas isso não dá jeito, e o jornalixo da casa, prefere fazer recados.

    Liked by 2 people

  4. LTR permalink
    18 Maio, 2016 12:17

    Sugiro este exercício mental:

    imaginemos que o presidente da câmara era o Santana Lopes do PSD.

    Liked by 4 people

  5. procópio permalink
    18 Maio, 2016 12:29

    Uma leitura atenta do Corão é indispensável. Não é só a “Bola” e o “Record” que contam.
    De qualquer modo convém refletir sobre o que escreve Elisabeth Lévy directora do Causeur.
    “Le lien entre migrants et terroristes n’est pas individuel, même si quelques futurs meurtriers – qui passeraient de toute façon – se glissent dans le flux. Ce sont des cercles concentriques. Le djihadisme se nourrit du salafisme qui se nourrit d’un certain islam en ascension en Europe, qui se nourrit d’une immigration massive et subie que nous n’avons pas su intégrer, préférant adopter subrepticement un multiculturalisme qui consiste à ne demander aucun effort d’adaptation aux arrivants.
    On voit l’installation, dans les sociétés européennes, d’un islam rigoriste, intolérant, coercitif pour les membres du groupe et séparatiste par rapport au reste de la société”.
    Elisabeth Lévy est journaliste et directrice de la rédaction de Causeur

    A estratégia dos comunas que de resto são ateus, portanto sujeitos a serem degolados em termpo oportuno, é aproveitar-se do salafismo como meio de desagregar a UE.
    Pensam eles que depois os desbaratam, e impõem a tirania, ora com falinhas mansas e aparições fortuitas nos merdia, nomeadamente na rtp, tvi e sic a ombrear com os desafortunados e com as vítimas de violência dos namorados, ora de dente arreganhado na central de negócios à hora do telejornal.

    Gostar

    • lucklucky permalink
      18 Maio, 2016 14:13

      Os Comunas não são ateus têm uma religião. A religião da Europa desde o Séc.XX é a Politica.

      Liked by 1 person

      • asam permalink
        18 Maio, 2016 16:08

        É um acto de fé.

        Gostar

      • PiErre permalink
        18 Maio, 2016 18:38

        Todos os políticos têm uma religião comum: é o Estatismo.

        Liked by 1 person

  6. procópio permalink
    18 Maio, 2016 12:35

    Ah, Ah, Ah! O realmente inesperado…
    A Comissão Europeia decidiu esta quarta-feira adiar para o mês de julho a decisão sobre eventuais sanções a Portugal devido ao incumprimento da meta do défice, de 3%, em 2015.
    Portugal fica assim na expetativa durante mais um mês e meio, sensivelmente, para conhecer eventuais sanções, mas fica claro no comunicado do colégio de comissários que o Governo é instado a aplicar medidas adicionais para evitar mais desvios.
    A sanção aplicada a Portugal ficaria a meio caminho entre a multa, que pode ir até 0,2% do PIB, definida para os países que falham o prazo de saída do procedimento por défices excessivos, e a “última oportunidade” que Jean-Claude Juncker parece defender para os países ibéricos. No caso de Portugal, uma multa desta dimensão representaria um esforço de 360 a 370 milhões, consoante o valor do PIB utilizado.
    É sempre a última oportunidade para continuarmos a afundar e a pagar juros.
    Depois de Julho, virá o Outono e depois o Inverno.
    Em 2017 é provável que as estações acelerem.

    Gostar

  7. procópio permalink
    18 Maio, 2016 12:42

    Ainda temos mais um ano para construir mais mesquitas.
    “Estamos a propor novos prazos – mais um ano, e não mais – para estes países saírem dos respectivos procedimentos dos défices excessivos”, explicou o comissário dos Assuntos Económicos socialista, Pierre Moscovici.
    O não mais é sempre uma hipótese, enquanto a vaca, mesmo a definhar, continuar a dar leite, pode-se sempre adiar a coisa por mais tempo.
    Só que há evoluções que o próprio moscovici não domina.

    Gostar

  8. 18 Maio, 2016 13:16

    Isto é uma vergonha.
    Os hipermercados são feitos na estrada e só se lá pode ir de carro; esta merda para os turbantes é oferecida no centro da cidade.

    Se fosse Igreja católica a precisar de restauro, está quieto, os crentes que pagassem.

    Liked by 3 people

    • Dário permalink
      18 Maio, 2016 15:09

      Nem de propósito! A igreja de São Domingos está a dois passos do sítio onde se pretende construir a nova mesquita e espera por obras de restauro há décadas. Houve milhares de milhões para construir auto-estradas e obras faraónicas, como o Alqueva e o Aeroporto de Beja, mas não houve alguns milhões para restaurar a dita igreja de São Domingos, sita num local histórioc da baixa de Lisboa. Este povo não tem vergonha nas trombas, são uma cambada de desmazelados, corruptos e relaxados.

      Liked by 3 people

  9. 18 Maio, 2016 13:31

    De uma forma sintética, e pedindo desculpa aos espíritos que não admitem o calão, aqui vai: fod@*mos os nossos e subsidiamos com milhões a instalação de (mais) uma escola terrorista em Lisboa.
    A facilidade com que se ataca a herança católica – que quer se goste ou não nos trouxe a este nível civilizacional – contrasta vivamente com o cu para o ar com que a esquerdalhada se oferece aos rapazes do turbante…

    Liked by 3 people

  10. lucklucky permalink
    18 Maio, 2016 14:16

    Boa parte dos eleitores de Lisboa votam na extrema esquerda.

    Nem quando chegarmos ao pé da Venezuela acordarão uma vez que o jornais marxistas vão se encarregar de colocar as culpas nos mercados nos capitalistas, nos empresários etc..

    Liked by 2 people

  11. licas permalink
    18 Maio, 2016 14:57

    Mesquitas,

    Mesquitas, qual a razão
    Venham-me, pois, cá dizer
    Já não é religião
    De ao tuga pertencer:
    Não se acha nessa fé,
    Fora do jogo a Guiné.

    E depois são renitentes,
    Essa torpe malandragem
    Do Mafoma obedientes,
    Seguem a sua mensagem:
    O infiel cristão
    Morte a ele, sem perdão.

    O Dom Afonso Henriques
    Era quem tinha razão
    Não sofria de chiliques:
    À espadeirada então
    Punha no são a mudança
    Em força, e sem tardança.

    licas fecit

    Liked by 1 person

  12. Arlindo da Costa permalink
    18 Maio, 2016 15:07

    Quando Durão Barroso ajudou na guerra do Iraque e quando o governo anterior não denunciou a «primavera árabe» já sabia que tinha que receber mais muçulmanos refugiados e fugidos à guerra no Médio Oriente e África do Norte.
    Para mim deviam confiscar ou expropiar a casa do Durão Barroso e lá se erguer uma mesquita para os sarracenos.

    Gostar

    • 18 Maio, 2016 15:23

      es um filho da puta foleiro

      Liked by 2 people

    • 18 Maio, 2016 16:16

      Por mais que queira, disso não temos a certeza. Mas temos a certeza que é o moço de recados do costa que está à a tratar deste assunto e por isso
      “Para mim deviam confiscar ou expropiar as casas do Medina e do Costa e lá se erguer uma mesquita para os sarracenos”

      Liked by 2 people

    • Tiradentes permalink
      18 Maio, 2016 16:41

      a tua casa é que devia ser confiscada e tu ser passado no paredão e a tua família pagar a bala ao comité central do partido (como na China)

      Gostar

  13. licas permalink
    18 Maio, 2016 15:22

    Não seria construir um Hospital Psiquiátrico
    para o Arlindo estrear_____________como paciente, está visto.

    Gostar

  14. procópio permalink
    18 Maio, 2016 15:28

    O Sr. António Barroso tem que se actualizar.
    Vive numa cidade onde pululam tipos esquivos, baratas tontas e alarves feitos intelectuais.
    O Sr. Barroso, aceite o multiculturalismo antes que a cimitarra afiada golpeie o seu pescoço. O “avanço” da civilização leva-nos pela via da esquerda ao suicídio programado em gabinetes esconsos. O califado é mais do que uma idéia, é todo um programa fixe.

    Gostar

  15. antónio permalink
    18 Maio, 2016 15:39

    Pergunto à esquerdalhada que por aqui pulula se se aguenta esta gentrificação de Lisboa em nome da religião. Seus hipócritas do camandro…

    Gostar

  16. licas permalink
    18 Maio, 2016 16:22

    Acho piada a quantidade de amigos que o Saddam
    Hussein arranjou por cá . . .
    à conta do Ianquefobia da Esquerda piolhosa.

    Liked by 3 people

  17. Arlindo da Costa permalink
    18 Maio, 2016 16:28

    São reflexos da globalização e do «Neo-Liberalismo» que tão esganiçadamente defendais.
    Quem defende o livre mercado dos produtos e dos capitais deve também defender a implantação doutras «culturas» e religiões, a prostituição e as barrigas de aluguer. Isso anda tudo ligado, seus apóstolos do neo-pirosismo nacional.

    Gostar

  18. 18 Maio, 2016 16:42

    Pf assinem e ajudem a divulgar a petição contra isto:
    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT81171

    Helena, será que pode divulgar no blog também?

    Gostar

  19. Luís permalink
    18 Maio, 2016 17:31

    A Irlanda discretamente vai-se escapando ao multiculturalismo e à imigração.

    Os imigrantes não querem vir para cá.

    Em boa parte da Europa as populações estão zangadas, vão aderindo à extrema-direita e querem expulsar os imigrantes asiáticos e africanos.

    Cá vamos em sentido contrário e queremos receber imigrantes à força. As mesma elites que dão porrada no lombo dos portugueses e que os sugam com fascismo fiscal.

    Vão enganar outro. Que falta faz um Sade português.

    Liked by 2 people

    • 18 Maio, 2016 17:44

      Isso e certeiro: “Fascismo fiscal”. Os tugas pagam e não bufam, desde que tenham doses cavalares de futeboladas, telenovelas, vidas dos “famosos” para calhandrarem nas revistas, reality shows, galas, tremoços e bejecas aos domingos.

      A maioria dos tugas não sabe quem foi Sade. Esqueça.

      Liked by 1 person

      • 19 Maio, 2016 09:23

        Foi não.. Ainda não morreu … Gosto muito da sua musica. 😉

        Gostar

  20. 18 Maio, 2016 17:38

    O bi-lesado, bi-espoliado, bi-abusado ABarroso tem uma calma do carago ! Outro, colocava-se à porta de sua casa e o primeiro (fosse presidente da câmara, vereador ou polícia) que lhe levasse a “ordem” de demolição, disparava a caçadeira com canos serrados.

    Modismo: o P”S” está refém e embriagado com modismos, seja no governo ou na CMLisboa. Mais esta cedência, nova mesquita. Só falta chamar para a capital o Mesquita Machado.

    Gostar

  21. SRG permalink
    18 Maio, 2016 17:57

    ….e continua a islamização do país. Cuidado porque o povo português, embora continue adormecido, pode de um momento para o outro acordar com a barulheira que já se ouve ao longe, vinda dos lados do Brasil e da Venezuela. Fui combatente em África, também posso sê-lo aqui.

    Liked by 2 people

    • 18 Maio, 2016 18:10

      A vasta maioria dos tugas estão bovinizados, adormecidos, sedados, cagando-se para o seu futuro.

      Também fui combatente “além-mar”, muito pouco aprendi, dadas as contingências.
      Não estou mais interessado para ser notado como parvo ao lutar por quem não levanta o cu do sofá ou da cama.

      Gostar

  22. 18 Maio, 2016 18:05

    O AC-DC desdramatiza recomendações de Bruxelas. Siga o baile, “estamos no bom caminho e com sentido de responsabilidade”, o que interessa é que amanhã ainda governa –depois e verá. Marcello por certo subscreve.

    Liked by 1 person

  23. Juromenha permalink
    18 Maio, 2016 18:39

    Somos um povo anestesiado, indiferente , superficial e, admitamo-lo, ignorante.
    Somos o caldo de cultura ideal para trampolineiros,vigaristas e aldrabões fazerem carreira.
    Somos o vazadouro que permite , e aplaude, soares,sócrates,felgueiras, varas,costas e quadrilha respectiva, a companhia de circo que dá espectáculo diário em S.Bento…
    E elegemos um “compère” como presidente.
    Valha a verdade , e parafraseando Ernâni Lopes, que só nos restam os “.sinais exteriores de independência”, mendigos a quem a esmola ainda é garantida.
    Resta saber até quando…

    Liked by 3 people

  24. procópio permalink
    18 Maio, 2016 19:36

    MJRB, “Também fui combatente “além-mar”, muito pouco aprendi, dadas as contingências.
    Não estou mais interessado para ser notado como parvo ao lutar por quem não levanta o cu do sofá ou da cama”.
    Estou consigo e estou certo que quando chegar a hora, levantaremos mesmo o dito.
    O que é preciso é começar, para já pode não se ver ao perto, mas já começou.

    Gostar

  25. procópio permalink
    18 Maio, 2016 19:44

    O Salafismo jihadista é a maior ameaça do nosso tempo. O salafistas são os missionários de uma religião sanguinária. Se nós os deixarmos, eles vão destruir a nossa civilização.
    Em locais como lisboa, por ora são em pequeno número e ordeiros.
    Em pouco tempo esses mesmos são liquidados pelos seus irmãos e o caminho fica aberto.
    Já se viu noutros locais e continuará a ver-se.

    Liked by 1 person

    • PiErre permalink
      18 Maio, 2016 22:16

      Parece-me que o Kosta e outros xuxas também estão ali no meio da fotografia, de cu a jeito.

      Liked by 2 people

  26. Arlindo da Costa permalink
    18 Maio, 2016 20:27

    Estes nossos “liberais” não são cosmopolitas.
    Enquanto Londres, Paris, Bruxelas, Roma e Berlim está pejada de mesquitas, sinagogas e pagodes, aqui esta gente não quer nada disso.
    Até Londres já tem um Mayor muçulmano paquistanês.
    Os nossos «liberais» – aqueles que ferverosamente debitam aqui no rincão – seguir o Sr. Putin que proibiu a construção de mesquitas em Moscovo.

    Gostar

    • PiErre permalink
      18 Maio, 2016 22:18

      Se proibiu fez muito bem.

      Gostar

    • PiErre permalink
      18 Maio, 2016 22:22

      E tu, ó Arre Lindo, porque é que não vais ser cosmopolita para Rabat? Vá, embarca e desaparece daqui!

      Gostar

    • 19 Maio, 2016 10:52

      Sinagogas e pagodes?!?… Ai o que o vinho e a droga lhe fizeram à cabeça…

      Gostar

  27. licas permalink
    18 Maio, 2016 22:40

    Mais “Maduro” do que nunca

    No catastrófico estado
    Da sua Venezuela,
    Nunca antes observado
    Como certo se revela,
    Na inflação galopante
    E comida não bastante.

    Vai Maduro ocultando
    Da fome já seu perigo
    Frenético objurgando
    Inventado inimigo:
    Já se caçam cães e gatos
    Mansos pombos e lagartos.

    A culpa é da Direita
    Seja lá o que isso for
    Apoiado na receita
    Da denuncia sem pudor:
    O tão usado escape
    Quem achar bem, que o “pape”

    licas fecit

    Liked by 1 person

  28. procópio permalink
    19 Maio, 2016 00:08

    http://oglobo.globo.com/mundo/decreto-de-emergencia-nao-freou-escassez-inflacao-na-venezuela-19318340
    Carreguem nas setinhas na parte inferior e verão o que vos espera no protetorado.

    Liked by 1 person

  29. procópio permalink
    19 Maio, 2016 00:11

    O sorriso desce a barriga sobe. Os segredos contaminam.

    Gostar

  30. Expatriado permalink
    19 Maio, 2016 13:00

    Há uma solução terminal para impedir a construção desses antros.

    Basta espalhar umas saquetas com sangue de suíno pelo local e a superstição deles faz o resto.

    Gostar

  31. JP Ribeiro permalink
    19 Maio, 2016 14:16

    Isto é mais uma história da camara de Lisboa que mete nojo.
    Mete nojo porque o Sr Medina faz o que quer falando pelo povo de Lisboa, sem sequer ter sido eleito.
    Mete nojo porque a camara é o MAIOR proprietário urbano de Lisboa. Tem MILHARES de edifícios ao ABANDONO, e vai incomodar um pacato cidadão, só porque algum palhaço (um entre os doze mil parasitas – a maior densidade de funcionarios publicos por habitante do mundo), se lembrou de construir mais uma mesquita com os nossos impostos. Tem de ser ali mesmo e não na casa do lado ou duas casas mais à frente.
    Mete nojo porque nos bairros antigos de Lisboa não se tapa um buraco há anos, mas há dinheiro para mesquitas!

    Liked by 2 people

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: