Skip to content

E Se Fosses Tu, Idiota?

19 Maio, 2016

Tenho um amigo que, por receio de represálias no emprego – é motorista da Carris -, requisitou o total anonimato para que pudesse partilhar esta história com os leitores deste espaço. Há coisa de uma semana, foi apanhado por aquela telenovela muito boa da SIC, “E se fosse consigo?”, tendo, pelo mesmo motivo, sentido ser sua obrigação a solicitação da não-transmissão do segmento em questão. A situação montada pelos argumentistas da série juvenil era a seguinte: procuravam motoristas que, após longos períodos sentados ao volante do veículo, ao parar o autocarro na última paragem, se deslocassem a passo desajeitadamente apressado para uma árvore onde pudessem aliviar a urina acumulada num emprego dado a vibrações no períneo, movimentos regulares que, como é cientificamente comprovado através de múltiplos estudos, intensificam a sensação crescentemente desconfortável de bexiga cheia. Conceição Lino, saltando do interior de um inverosímil pequeno arbusto para a sua enorme estatura jornalística, lança, perante a ameaça de microfone excessivamente volumoso para um simples dinâmico com padrão cardioide, a inevitável questão: “e se o senhor fosse a árvore?” Apanhado ali, entre a articulação necessária para evitar a transformação de energia cinética em dor potencial pelas oscilações pendulares de fivela do cinto barato e o combate do tédio pela manutenção de uma pontaria tal que mantivesse a simetria da parábola – ora ascendente a partir do vértice aliviante, ora descendente até à escorrência do momento do embate contra o tronco -, não conseguiu evitar um desvio de alguns graus com bica em catenária, terminando de jorrar o subproduto do seu labor para o relvado descuidado do jardim.

“Minha senhora, isso não se faz”, terá conseguido dizer perante a repetição da pergunta – “e se o senhor fosse a árvore, gostaria de ser urinado por um homem?” – demonstrando, pela insistência, que o assunto é demasiado sério para ficar sem resposta.

Poucas pessoas duvidarão do direito inalienável do indivíduo a urinar. Compete ao Estado – tem o dever de – assegurar que qualquer cidadão e cidadona o possa fazer sem perturbar o direito inalienável da árvore à vida, mesmo sendo vida não humana. O que é um facto é que o Estado demite-se desse dever, preocupando-se mais com a inexistência de útero da Joana que com a bexiga de todos nós, principalmente daqueles que, com dedicação e zelo, permitem o transporte urbano de qualidade aos contribuintes e não-contribuintes.

“Sabe que uma mulher não pode simplesmente sacar de um apêndice e colocar-se em pé de igualdade consigo, apesar de também ser uma pessoa com sentimentos, sentimentos tão mais dignos que até nem optaria por denegrir a árvore, optando por se agachar para as ervas daninhas, muito mais nefastas para o bem comum?” – inquiriu, confirmando que, no que concerne a esvaziamentos de bexigas, o género é uma mera construção social com componente prática herdada de tradições enraizadas pela sociedade patriarcal para que a mulher se sinta obrigada, sob pretexto de conveniência, a rebaixar-se ao nível do solo, degradando-se, abdicando de estatura perante o homem, que costuma permanecer hirto durante a operação de trasfega. O meu amigo – de quem não tenho razões para duvidar, que isto de escrever artigos recorrendo a “contaram-me” serve para tanta coisa perniciosa que só deve ser feito se der mesmo jeito que seja verdade – lá conseguiu ocultar o apêndice, símbolo universal de cobiça freudiana e elemento opressor de toda uma sociedade chauvinista e, consequentemente, retrógrada, dirigindo-se para a carrinha vistosa com vidros pretos e “SIC” pintado na lateral, pedindo que não o filmem.

Apesar de compreender o drama humano do meu amigo, acho que as imagens devem passar. É importante consciencializar as pessoas para os três factos importantes levantados pelo programa de entretenimento ligeiro que compete com o Big Brother da TVI, a saber: uma árvore é um amigo que devemos bem tratar; é uma injustiça que construções sociais como o género ainda apresentem comportamentos e posturas físicas diferenciadas no momento de exercício do direito universal e inalienável de micção; e a demissão do Estado em providenciar o dever de dotar cada esquina com quartos-de-banho públicos unissexo para que cada um possa, sem discriminação, exercer o seu direito sem prejuízo do meio ambiente.

Anúncios
40 comentários leave one →
  1. sam permalink
    19 Maio, 2016 12:36

    Giro, giro, era ver a apresentadora a surpreender um canídeo. De preferência, um pit bull…

    Liked by 1 person

  2. sam permalink
    19 Maio, 2016 12:40

    Eu ia jurar que há mais que um estudo científico a avaliar positivamente o contributo da urina humana para o florescimento dos jacarandás em Lisboa.

    Liked by 1 person

  3. sam permalink
    19 Maio, 2016 12:47

    É uma inaceitável violência sexual recusar às árvores o prazer de um golden shower.

    Liked by 2 people

  4. Bago de Uva permalink
    19 Maio, 2016 13:07

    Muito me admira que o seu amigo motorista não tivesse mandado, imediatamente, o jornaleiro à merda.

    Gostar

  5. Arlindo da Costa permalink
    19 Maio, 2016 13:23

    Já chegámos ao nível da micção….
    Que mais nos irá acontecer aqui neste palanque das Ideias para Um Mundo Maravilhoso?

    Gostar

    • sam permalink
      19 Maio, 2016 14:14

      Tinhas de bolsar, ó Lindo, para piorar as coisas…

      Gostar

      • Bolota permalink
        19 Maio, 2016 14:28

        sam,

        O Arlindo ainda tem a virtude de bolsar tu nem isso és capaz de fazer. Tu espirras

        Gostar

      • 19 Maio, 2016 15:24

        Segundo o ex-ministro da cultura JSoares, escreve-se “bolçar”…

        Gostar

      • sam permalink
        19 Maio, 2016 17:19

        Ó Bolotinha, então eu espirro? Andas a pigarrear, é o que é,,,

        Gostar

  6. licas permalink
    19 Maio, 2016 14:04

    Dilma

    Agora Sua Excelência
    Vai ter que nos explicar,
    (Deram-lhe essa incumbência)
    A de “Golpe” se tratar
    Se quiser, não obrigada,
    Pode, sim, ficar calada.

    Imbuída na mania
    De estar sendo perseguida
    Gente dessa, só se fia
    Na calúnia repetida:
    Apesar do relambório
    Não lhe falta auditório.

    Fácil guiar o rebanho
    Quando de anhos se trate,
    Não se esqueça o empenho
    De dar comer que farte:
    Pode ser tudo roubado,
    O guia, esse, impado.

    licas fecit

    Gostar

  7. José Ribeiro permalink
    19 Maio, 2016 14:07

    Off the record…
    Vi o Tó Bosta a apresentar o “novo” Simplex e a cara de parvo ao dar a corda para a vaca que bate asas.
    Se o ridículo matasse…

    Liked by 1 person

  8. Bolota permalink
    19 Maio, 2016 14:19

    vc,

    Com estes temas e o que paga aos comentadeiros, acho que o Baslfemias, PaF. O Bolota ou começa a receber mais ou…Se a MEO pode bater os 10 milhões do Jesus mais 5 milhões de ordenado, não digo tanto mas podia melhor o valor dos nosso prestimos

    Gostar

    • licas permalink
      19 Maio, 2016 15:07

      Os Bolotas deste reino da parvoeira são
      pagos em rublos à maneira da União Soviética.
      Lembram-se do Octávio Pato, zeloso KGB?

      Gostar

      • 19 Maio, 2016 15:27

        Bolota,

        cada comentário que faço aqui no Blas, recebo 50 cêntimos.
        Sabe porque o faço ? Vou revelar-lhe mas não diga a ninguém: é para comprar o passe para os três dias da Festa do Avante !

        Gostar

  9. sempachorra permalink
    19 Maio, 2016 14:25

    Eheeh. Só precisa de uma revisãozinha no adjectivame. E consciencializar, consciencializar é muito fatela, diz-se ‘consciencitizar’.

    Gostar

  10. 19 Maio, 2016 14:37

    “é uma injustiça que construções sociais como o género ainda apresentem comportamentos e posturas físicas diferenciadas no momento de exercício do direito universal e inalienável de micção”
    Não sei se isso não é uma modernice: quando miúdo, vi mulheres, trabalhadoras rurais, mijando em pé, à vista de toda a gente. Será que as mulheres de agora, não podem fazer o mesmo, ainda que em privado?

    Gostar

    • licas permalink
      19 Maio, 2016 15:11

      Não é preciso ir ao campo: as varinas (vendedores de peixe)
      da Lisboa da minha meninice também praticavam esse “desporto”.

      Gostar

  11. campus permalink
    19 Maio, 2016 14:49

    E a Conceição Lino só aparecia de trá dos arbustos, depois dos homens tirarem para fora o pénis ou antes ?

    Gostar

  12. licas permalink
    19 Maio, 2016 15:16

    Latidos

    Deixou o riso patego
    Aquele do Equador
    Chegou o desassossego
    Nos olhos vê-se pavor:
    Está tremendo o Rafael
    Com perigos a tropel.

    Com os ventos contrários
    Estarão periclitantes
    Seus tronos assim precários
    Inventam os meliantes:
    Um novo Plano Condor?
    Só em tolas sem pudor.

    Denúncias de descarados
    Tiranetes encanecidos,
    Agora todos mijados
    Pela Justiça premidos
    Por infrene roubalheira
    Praticada à maneira.

    licas fecit

    Gostar

  13. 19 Maio, 2016 15:29

    Bom post — VCunha (embora pontualmente discorde dele) é desde há alguns meses, o melhor blogger tuga. Parabéns.

    Gostar

    • 19 Maio, 2016 15:32

      Bolota,
      mais 50 cêntimos que arrecadei com o comentário supra.

      Agora, tchauzinho, vamos lanchar e preparar para ouver o monstro Bruce Springsteen.

      Gostar

  14. 19 Maio, 2016 15:30

    THE PRIME MINISTER OF CANADA – ASSAULTS WOMAN PARLIAMENTARIAN!

    LOL (Doido pra ver o Kosta a dar um soco à Catarina )

    NDP equivalente ao BE

    Gostar

    • 19 Maio, 2016 15:39

      Quando o AC-DC começar a entender, finalmente, que está a ser mal aconselhado, começa aos socos verbais aos seus gurus governamentais Santos Silva, Galamba, e (cujos nomes não me ocorrem agora) o da agricultura mais o tal que disse que as pernas da Merkel tremeriam se…
      Com a Catarina não haverá problemas.
      Mas prevejo que o PC, através da CGTP, vai perturbar o governo quando lhe convier

      Gostar

      • PiErre permalink
        19 Maio, 2016 16:54

        Talvez não incomode porque não tem alternativa melhor.

        Gostar

  15. licas permalink
    19 Maio, 2016 15:46

    (campus, 14:49)

    Desse tal “material”
    Estaria ela farta,
    Só em casa, e no total,
    É que não se recata:
    Tais tamanhos e calibres
    Não contam para PIB´s

    (Não assino)

    Gostar

    • campus permalink
      19 Maio, 2016 17:21

      Fui chamado á rima
      cá está o que penso
      diz a minha prima
      na ousadia eu venço
      do urinar fazer assunto
      é preciso lata e munto.

      Temos futebol ás carradas
      em programas de televisão
      alguns políticos ás marradas
      em debates de opinião
      dos concursos ás novelas
      agora…até mijadelas ?

      campus

      Gostar

      • Bolota permalink
        19 Maio, 2016 17:46

        Agora até mijadelas???
        Achas que isto é rimar??
        Mas é grande essa cadela
        Ó meu vai-te catar…

        Gostar

      • campus permalink
        19 Maio, 2016 19:55

        Nisto, entrou o Bolota
        na conversa da mijadela
        Educação não se nota
        no amigo da Venezuela
        Mesmo com Chavez morto
        defende um regime porco

        Maduro, Fidel ou Staline
        grandes líderes do Bolota
        mais o Mao e o Lenine
        Milhões de gente morta
        Por culpa do comunismo
        versão refinada do socialismo

        campus

        Gostar

  16. maria permalink
    19 Maio, 2016 16:23

    Será pedir muito que os seus escritos sejam mais objectivos e curtos? Como sabe eu até aprecio os seus textos, mas se cortar umas linhas, são lidos com mais interesse.Uma folha A4 deve conter tudo o que se precisa.

    Gostar

  17. SRG permalink
    19 Maio, 2016 16:42

    Realmente urinar atrás de uma árvore é uma tremenda infâmia. Era preferível que tirasse as calças e “arriasse o calhau” pelo menos a árvore ficaria adubada convenientemente e a autora do programa deveria perante o cheiro respectivo, identificar aquilo que o homem teria comido ao almoço. O programa ficaria muito mais enriquecido.

    Gostar

    • Bago de Uva permalink
      19 Maio, 2016 17:52

      Até a vaca que ri …. CHOROU …. e os do pan calam-se?

      Gostar

      • Bago de Uva permalink
        19 Maio, 2016 17:53

        Se tiver tempo e pachorra diga-me lá onde fica a parte de trás de uma árvore

        Gostar

      • 19 Maio, 2016 17:58

        É o lado da árvore que permite ter arbustos com jornalistas no interior.

        Liked by 1 person

  18. PiErre permalink
    19 Maio, 2016 16:51

    Dizem que, antigamente, as mulheres usavam saias compridas e largas para poderem urinar de pé, como os homens ou ainda melhor. Era só dar um jeitinho à saia e afastar as pernas. Eu acredito e acho que foi tradição que infelizmente, se perdeu.

    Gostar

    • PiErre permalink
      19 Maio, 2016 17:02

      Só agora li os comentários de Tiro Ao ALvo e do Licas. Têm razão. As minhas desculpas.

      Gostar

  19. António C. Mendes permalink
    19 Maio, 2016 18:06

    A árvore é “pessoa humana”!! Algumas, quando em enurese, produzem “pessoas humanas” (Bolotas e afins).

    Gostar

  20. crizzum permalink
    19 Maio, 2016 19:07

    Só pode ser patrocinado pela Red Bull

    Gostar

  21. licas permalink
    19 Maio, 2016 19:15

    Oh PiErre, por quem é . . .
    Pois já está em desuso
    Esse tal mijar de pé
    Portanto não o acuso:
    Que com a sua idade
    Isso será novidade.

    Ainda bem, digo tal,
    Devia ser um cheirete
    Para amoniacal,
    Mesmo, mesmo um pivete:
    Deixar de usar cuecas
    ´Té facilitam as quecas.

    (não assino)

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: