Skip to content

Os militares não são deste tempo?

11 Setembro, 2016

É cada vez mais difícil compatibilizar o funcionamento, a hierarquia e os valores das forças armadas, sejam elas constituídas por tropas especiais ou não, com sociedades em que os jovens apenas podem receber ordens se estiverem num programa de talentos culinários. Já a avaliação está reservada aos concursos televisivos. As vicissitudes do clima só as podem enfrentar nos festivais de verão. Desastres e acidentes resultantes do esforço físico só se toleram (e calam) caso os jovens sejam praticantes de um qualquer desporto, de preferência rentável ou medalhável. Já se comparou a polémica que rodeia a morte de militares com o silêncio que acompanha as mortes súbitas de desportistas?

Anúncios
36 comentários leave one →
  1. Almeida permalink
    11 Setembro, 2016 11:09

    Este é o pior argumento que se pode usar em defesa das tropas especiais. As mortes que ocorreram, não foram provocadas por consequências normais do treino. Foram provocadas por mau planeamento do treino.

    Gostar

    • Carlos Alberto Ilharco permalink
      11 Setembro, 2016 13:17

      Não foram nada.
      Se houve um erro foi na pré selecção que não detectou alguma fragilidade ou como se afirma o uso de algum produto.
      O treino tem que ser duríssimo, igual a um teatro de guerra, e é por isso que 90% são eliminados.
      Quando (claro que nunca vai haver) um problema o senhor vai querer que haja tropa super especializada para o defender e não moços que desmaiam.
      Note mais uma coisa, são todos voluntários e em qualquer momento podem desistir.

      Liked by 2 people

      • Monti permalink
        11 Setembro, 2016 18:04

        Igual mas no tanto.
        Afeganistão, temperatura registada, perto de base da mili: 67 graus. Solução: tendas climatizadas, pessoal e material protegido, paragens em conformidade.
        Opinion inicial comandante macho espanhol: nada de ar concicionado e comodidades afim. Ao ar livre, com tinteiros e tubos de cola a derreter ou pulverizar.
        Exageros de juventude.

        Gostar

      • 11 Setembro, 2016 20:54

        A taxa de eliminação anda na ordem dos 45%.

        Gostar

    • lucklucky permalink
      12 Setembro, 2016 11:20

      “As mortes que ocorreram, não foram provocadas por consequências normais do treino. Foram provocadas por mau planeamento do treino.”

      Como sabe?

      Gostar

      • Almeida permalink
        13 Setembro, 2016 19:17

        Lucklucky:
        Porque não se actua no Afeganistão do mesmo modo que na Sibéria; porque oito soldados (segundo dados que vieram a público) afectados pelo mesmo problema, não permite dar muito crédito ao “acidente normal”.

        Gostar

    • Almeida permalink
      13 Setembro, 2016 19:14

      Carlos Alberto:
      Embora também admita a sua hipótese, o número de acidentes ocorridos no exercício, é um indicador a ter em conta. Como provavelmente sabe, para além das aptidões físicas e psicológicas, devem ser previstos meios adequados ao cenário em que se actua. Ora, um golpe de calor a afectar tantos soldados, aponta mais para a minha hipótese do que para a sua.

      Gostar

  2. JgMenos permalink
    11 Setembro, 2016 11:39

    A cretinice da Catarina é acto que só compromete uma tribo insignificante de cretinos residentes.
    Tudo o que subsiste é a dúvida sobre as capacidades de comando, que a disponibilidade para obedecer prova-se em mortos e estropiados.
    Tudo mais é jornalismo agoniante.

    Gostar

  3. PSC permalink
    11 Setembro, 2016 12:30

    “Se vis pacem, para bellum!”

    MAMA SUME!

    Gostar

  4. JCA permalink
    11 Setembro, 2016 15:48

    .
    Tropas especiais enquanto for assim, segundo estes polemicamente:
    .
    “a guerra é o sitio onde os Jovens não se conhecem nem se odiavam se matam entre si por decisão de Velhos que se conhecem e se odeiam mas não e matam entre si”
    .

    Gostar

  5. Carneiro permalink
    11 Setembro, 2016 19:33

    O treinamento das Tropas de elite não pode ser tão selectivo ao ponto de eliminar por morte os menos fortes. Por isso, o argumento da selectividade, é limitado.
    O que se passou foi a impossibilidade de eliminar calor, talqualmente o Lazaro em 1912 quando se besuntou de sebo para correr a maratona em Estocolmo. A estupidez foi “apenas” essa. Os miúdos cozeram por dentro a 42 graus de temperatura. Talvez evitassem o desenlace se fizessem o exercício em tronco nú. Mas com a farda e restante equipamento e o instrutor a gritar que assim é que a patria seria bem salva… E o socorro não foi expedito. Teriam que ser mergulhados numa banheira de gelo para baixar a temperatura e não ficar a ver se passava. isto é o que diz qualquer técnico do INEM… O resto os rambos é que sabem. Mas desde, pelo menos, a época do napoleão que se sabe que se perde uma guerra pela qualidade das botas. E também pela transpirabilidade dos casacos. Alcacer Quibir parece que provou isso. Dizem….

    Gostar

  6. JCA permalink
    11 Setembro, 2016 20:18

    .
    À margem do tema:
    .
    =No Comment: 3 Rules for Dealing With Internet Trolls
    .
    “There is only one thing in the world worse than being talked about, and that is not being talked about.”
    .
    https://www.psychologytoday.com/blog/psych-unseen/201609/no-comment-3-rules-dealing-internet-trolls
    .

    Gostar

  7. 11 Setembro, 2016 20:49

    5 estrelas , o post.

    Liked by 1 person

  8. Carlos Reis permalink
    11 Setembro, 2016 21:57

    D. Helena voluntarise-se nos Comandos e…

    Gostar

  9. Colono permalink
    11 Setembro, 2016 23:33

    As catarinas e sus muchachas, jamais esqueceram e perdoaram os Comandos de Jaime Neves, por lhes ter acabado com bagunça do militar barbuda da 5ª Divisão!

    Gostar

  10. Arlindo da Costa permalink
    12 Setembro, 2016 04:35

    Tenho saudades de ver as grandes paradas militares soviéticas, algumas delas recuperadas pelo Putin.

    Aquilo sim é que é amor e dedicação à Pátria. Brio e determinação ao marchar em frente dos seus líderes.

    Hoje as nossas Forças Armadas quando desfilam parece que vão atrás duma filarmónica.

    Deixem as Forças Armadas para os comunistas que eles é que sabem dessa matéria!!!!!

    Gostar

    • honi soit qui mal y pense permalink
      12 Setembro, 2016 09:19

      Pois sabem , sabem. Era vê-los a marchar do Afeganistão .
      Encenação .Tal como no doping de Estado , há uma longa arte e escola da coisa .

      Liked by 1 person

  11. oscar maximo permalink
    12 Setembro, 2016 13:29

    “Já se comparou a polémica que rodeia a morte de militares durante a instrução com o silêncio que acompanha as mortes súbitas de desportistas?”. Se calhar já se comparou, não a polémica, mas a relevância estatística, e é exatamente por esse distinto resultado que há polémica. Que não devia haver, uma vez que a ciência está bem estabelecida.

    Gostar

  12. Licas permalink
    12 Setembro, 2016 15:22

    aproveitando a filosofia trump/Eastwood sempre se pode dizer que:mulher não mete o bedelho em assunto de homem(nem a catarina,nem a lenita),e alem disso qualquer macho latino sabe que 43 graus não é nada.cambada de maricas,como diria o dirty harry…

    Gostar

  13. atom permalink
    12 Setembro, 2016 15:29

    Eu fui militar em Moçambique de 1996 a 1970… Alguns das senhoras ou senhores foram militares para sabermos se teem algum conhecimento de causa para serem assim tão assertivos nas opiniões sobre a vida militar? Não… é o que pensei…

    Gostar

    • PiErre permalink
      12 Setembro, 2016 16:17

      “Eu fui militar em Moçambique de 1996 a 1970…”

      Ah, pois! Tásse memo a ver, não tásse?

      Gostar

    • anonimo permalink
      12 Setembro, 2016 16:24

      E quantas rabdomiólises apanhou ? (Não, essas que está a pensar de caixão á cova não é a mesma coisa). Se não apanhou nenhuma, então também não tem conhecimento alguma de causa, não é ?

      A questão não é a parte militar do treino. É a parte do treino dos, por acaso, militares. E esse treino provocou rabdomiólise a alguns instruendos. E se provocou – e não poderia ter provocado -, o treino estava errado – ou na programação ou na execução. Não é preciso ir a Moçambique para perceber isto. Nem ser contra ou a favor dos comandos.

      O cerne da questão é a rabdomiólise que só ocorre quando o corpo humano desenvolve um calor excessivo pela pratica intensiva de exercicio e NÃO LHE É PERMITIDO PERDER ESSE CALOR.

      Fica na imaginação de cada um a quantidade de roupa com que os rapazes estavam a fazer exercício físico á torreira do sol.

      A questão não se coloca no nível de treino praticado. O qual foi igual ao dos outros cursos. Coloca-se apenas na refrigeração adequada àquelas condições concretas.

      Gostar

    • EMS permalink
      12 Setembro, 2016 16:49

      Eu fui militar mas nunca participei em nenhum concurso de culinária. Não tenho portanto nenhum termo de comparação e estou assim condenado a não poder apresentar a minha opinião.

      Liked by 1 person

      • EMS permalink
        12 Setembro, 2016 16:50

        PS.: Não ter participado em concursos de culinária provavelmente salvou-me de apanhar uma rabdomiólise.

        Gostar

  14. Colono permalink
    13 Setembro, 2016 00:14

    ONDE CHEGA A DESFASSATEZ

    DOIS GENERAIS COMANDOS NA RESERVA, CULPAM O GOVERNO ANTERIOR PELAS MORTES DOS MALOGRADOS MILITARES…

    IMAGINEM: POR TER “ACABADO” “REMODELADO” . O ANTIGO H. MILITAR!!!!

    COMO SE EM LISBOA NAO EXISTESSEM HOSPITAIS SUFICIENTES E CAPAZES DE OS TRATAREM…

    A CULPA FOI PURA E SIMPLESMENTE DA DEMORA DE EVACUAÇÃO DOS MILITARES E DA PROVAVEL INEXPERIENCIA DOS MÈDICOS NO LOCAL!

    Liked by 1 person

  15. Ruah permalink
    13 Setembro, 2016 16:42

    Tropa de elite como o Ranger, Comando, Fuzo ou Pára, tem que ter uma boa preparação. Não é um quaisquer cidadão que pode envergar tal distintivo. Mas tem que se nascer e preparar-se como tal. Quem não se lembra de Lamego. Ai Serra das meadas e dos cemitérios onde algumas vezes marrei com os queixos às duas da manhã. Mas havia um ranger da dentadura para chegar ao fim do curso. E o vocabulário dos instrutores? Esta tropa não é para maricas…

    Gostar

    • anonimo permalink
      13 Setembro, 2016 17:20

      as 2 da manhã não estão 44 graus ao sol. Podia ter morrido de frio se estivesse em tronco nú no inverno. mas não é esse o caso que nos ocupa. parabéns por não ser maricas. Está dispensado, por isso, de actividades complementares.

      Gostar

    • honi soit qui mal y pense permalink
      14 Setembro, 2016 13:08

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: