Skip to content

“Engenheiro, engenheiro…”

26 Outubro, 2016

Um indivíduo respondendo pelo substantivo “engenheiro” foi entrevistado na TVI24 sob o pretexto de que lançará um livro. Não é o autor, não é o editor, é só um indivíduo que responde pelo título de “engenheiro” e que paga isto tudo só para aparecer na televisão em vez de ficar em casa a acariciar a sua masculinidade ao som da voz frágil que sussurra pelo “buraco”, como fazem as pessoas normais.

O livro é sobre a vergonha da justiça e a infâmia da perseguição política, a julgar pelo que lhe disseram para dizer, e que ele disse. Menciona-se um marquês e uma operação. Desejo imediatamente convalescença tranquila para o incógnito nobre, porque sou boa pessoa, sinto empatia imediata pelos outros. Mas este texto não é sobre mim, é sobre ele. Talvez seja sobre mim, mas não quero pensar que seja.

Como naqueles directos com a presença do emplastro, a entrevistadora foi repetindo o substantivo “engenheiro” como se de um adjectivo se tratasse. Talvez até seja. Na Grécia antiga, era prática commumente aceite, que remédio, a de ter aprendizes jovens que iam sendo instruídos para a realidade dura da vida. A rigidez da estrutura, hirta, como uma barra de aço. Por trás de um grande homem havia sempre um homem maior ou, na falta deste, um mais pequeno: um genuíno comboio de sabedoria inoculada pelo atrito de uma locomotiva que nunca perde o vapor até chegar ao destino, quando chegar, se chegar, por engenho e alguma consequência imprevista da condição humana.

“Engenheiro…”
“Engenheiro…”

Sou levado para a adega onde a personagem do Herman José conspira na presença de pessoas magnetizadas pelo erotismo do poder. Não tinha poder algum, mas era “o engenheiro”, isso basta, na presença estática de quatro ou mais cadeiras silenciosas.

Moderando sem visível êxito os trejeitos abichanados que lhe são naturais, a transmutação do organismo em extinção na personagem do animal selvagem ocorre por osmose com as câmaras de televisão. Nasceu para isto, o homem. Ao menos, ter-lhe-á sido dito por outro indivíduo a quem pagara para o dizer. Um amigo dos que o “engenheiro” conhece, os únicos que o querem conhecer. O amigo placebo.

Ainda havia quem achasse boa ideia comprar a TVI. Não é preciso, eles entrevistam qualquer coisa que queira parecer o que não é. Afinal, é a mesma casa da Quinta das Celebridades, onde pessoas que animam discotecas na terceira vila do concelho por quatrocentos euros por uma festa da espuma se pavoneiam como sendo celebridades. “Props people, tudo a saltar para o Engenheiro”. A espuma brota, o DJ mete brita, a explosão simbiótica acontece, corpo-a-corpo, espaço-a-espaço.

Advertisements
19 comentários leave one →
  1. 26 Outubro, 2016 23:31

    Estas prosas estão cada vez mais subtis e subliminares… Felizmente, temos “engenheiros” famosos… E conhecêmo-los de ginjeira…

    Gostar

  2. 26 Outubro, 2016 23:56

    mesmo sério que não havia outro filme de terror menos mau na tv ? como é que se sacrificam a ver isso é que não percebo. ainda vai ter pesadelos.

    Gostar

  3. José Domingos permalink
    27 Outubro, 2016 00:45

    A estação faz o que lhe mandam. É só ver por onde anda e aparecem as entrevistas nos jornalixos cá do burgo.
    Moços de fretes

    Liked by 1 person

  4. Arlindo da Costa permalink
    27 Outubro, 2016 02:56

    «Senhor Engenheiro», acho mais apropriado para quem foi PM deste país e que lidou e privou com as maiores individualidades deste nosso Mundo, desde Obama, Putin, Merkel, etc, etc.

    Gostar

    • oscar maximo permalink
      27 Outubro, 2016 04:59

      Veja lá se não se arrepende de chamar alta individualidade a Merkel, uma senhora que só nos empresta dinheiro para comprarmos Mercedes.

      Liked by 1 person

    • campus permalink
      27 Outubro, 2016 09:22

      O arre lindo está a esquecer-se de outros com quem o “engenheiro” privou ainda mais o Chavez, o Lula e o kadhafi.

      Liked by 2 people

    • PiErre permalink
      27 Outubro, 2016 09:24

      “…privou com as maiores individualidades …”

      Privou com o Arlindo da Costa e com o Tino de Rans.

      Gostar

    • Tiradentes permalink
      27 Outubro, 2016 11:50

      e não esquecer o amigo molusco do Brasil…aquele que roubou biliões da Petrobrás e que nunca leu um livro.

      Liked by 1 person

    • LDM permalink
      27 Outubro, 2016 13:42

      Quem? O preso 44?

      Gostar

  5. Rão Arques permalink
    27 Outubro, 2016 08:49

    Que Deus nos livro.

    Gostar

  6. LTR permalink
    27 Outubro, 2016 09:23

    Nós por aqui já podemos ver como a TVI chega às fontes de notícias como as do Banif 🙂

    Liked by 1 person

    • Manuel permalink
      27 Outubro, 2016 10:42

      Fiz o meu comentário sem ler o teu. Estamos totalmente de acordo.

      Gostar

  7. Manuel permalink
    27 Outubro, 2016 10:40

    Excelente prosa do VC. Passei por lá, mas não consegui ouvir dois minutos seguidos, tudo no homem parece falso e às vezes chego a pensar se não existem duplos pagos pelo “fundo fechado” do amigo. É demasiado burlesco e ridícula a sua filosofia de vendedor de banha da cobra, só faltou lá a jibóia. Como já não acredito em inocências, acompanho com particular preocupação a agenda para Portugal do principal grupo empresarial da TVI, é necessário tentar perspectivar para além do visível.

    Liked by 1 person

  8. Prova Indirecta permalink
    27 Outubro, 2016 13:02

    Se fizerssem um Tootsie 2 , este gajo metia o Dustin Hofman num chinelo .

    Gostar

  9. 27 Outubro, 2016 13:36

    Podiam ter convidado a trupe mais próxima e faziam uma mesa redonda. Armando Vara, Penedos, Maria de Lurdes,o Pedrosa da casa pia, todos tb injustiçados em tribunal, o criado do Costa que afinal tb não é ingenheiro, o amigo barriga de aluguer, a ex-sogra do sócas etc. A família xuxalista qdo se junta é um espectáculo,

    Gostar

  10. carlos alberto ilharco permalink
    27 Outubro, 2016 22:18

    Vi a entrevista e fiquei até ao fim à espera de que a locutora lhe fizesse uma pergunta que seria:
    Já tem data marcada para o julgamento?

    Liked by 1 person

  11. Mauritano permalink
    28 Outubro, 2016 08:03

    Por favor deixem de tratar o sr. por engenheiro. Não pretendo questionar a legalidade da licenciatura obtida a um domingo, mas o título de engenheiro é concedido pela respectiva ordem profissional (já sei, corporativa à semelhança das restantes), e da última vez que verifiquei, o sr. não consta das listas de membros efectivos da Ordem dos Engenheiros.
    Se querem mostrar alguma deferência pelo indivíduo então é começarem a tratar por sr. Sousa.
    Raios partam a nossa comunicação social sempre cheia de “lambe-cus”.

    Gostar

  12. Lucas Galuxo permalink
    28 Outubro, 2016 21:20

    O que faz comichão aos Victor Cunha é que, seja para o ver entrar numa prisão seja para assistir a uma entrevista, toda a gente olha. Ninguém fica indiferente. Nem vocês.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: