Skip to content

acção humana

22 Dezembro, 2016
by

Quase todas as semanas temos tido sinais contraditórios sobre a evolução da nossa economia, de tal modo que os políticos, consoante as suas preferências e os seus interesses, utilizam esses dados de acordo com as suas diferentes e contrárias conveniências. Nuns dias temos o Banco de Portugal a rever em alta o crescimento, noutros o Conselho Económico e Social revê em baixa; depois o Índice de Confiança dos empresários e consumidores é mais optimista, para ser mais pessimista na semana seguinte; mais tarde, um relatório do FMI é-nos simpático, mas logo depois vem o INE e estraga-nos a festa; numas semanas a Comissão Europeia adverte-nos de que as coisas não vão bem, para, pouco depois, a mesma Comissão nos aprovar o orçamento sem fazer críticas de substância.

Isto quer dizer, essencialmente, uma coisa: que quase nenhuma desta gente percebe nada de economia. Para eles, a economia são estatísticas, números, mapas, modelos matemáticos, efeitos experimentais, demonstrações complexas, cálculos e previsões científicas. Ora, a economia é coisa muito diferente: são as pessoas e as suas acções, e estas não são planificáveis, nem inteiramente previsíveis, nem determináveis por modelos matemáticos desenhados nas mesas de técnicos e burocratas dos ministérios. A economia são as pessoas nas suas relações permanentes de troca e interacção. É o «mercado» e o «mercado» somos todos nós: quanto mais livre ele for, mais livres nós seremos.

Pois bem, as pessoas agem em razão das suas preferências subjectivas, dos seus interesses e necessidades, fazendo-o, por princípio, de acordo com as regras da sensatez e da prudência, de acordo com a informação que conseguem adquirir e a percepção normal que têm das coisas. Infelizmente, para conseguirem resultados políticos e eleitorais, os governos frequentemente falseiam essa informação para conseguirem apoio eleitoral, como sucede, infelizmente vezes de mais, quando incentivam o crédito e expandem artificialmente a massa monetária, sem que isso corresponda a um crescimento real da economia. Estão a dizer às pessoas que devem e podem gastar, mesmo que elas não necessitem de o fazer e sem que tenham disponibilidades geradas pelo acréscimo da produção ou da poupança.

Posto isto, o que se tem passado em Portugal, no últimos meses, é que a percepção geral das pessoas, sobretudo dos que mais directamente operam na actividade económica, como sucede com os empresários, é de que as coisas estão muito longe estar bem. São pessoas prudentes e sensatas, que sabem que as grandes reformas estão por fazer, que a dívida pública continua a crescer e que os sinais de crescimento são muito frágeis, estão bem aquém das necessidades do país e da sua gigantesca dívida, e, sobretudo, são facilmente reversíveis. As outras pessoas também não estão propriamente optimistas, mas têm sido instrumentalizadas pelo governo e pelos seus parceiros com um discurso político de confiança e de optimismo, no qual o primeiro-ministro é especialista e que tem beneficiado de políticas irresponsáveis do Banco Central Europeu, cuja factura já todos pagamos sem disso nos apercebermos. O socialismo acredita mesmo que o crescimento da economia se resume a estímulos sobre a procura, gerados num ambiente favorável ao consumo, e é isso que esta gente tem vindo a fazer.

Para além do desconhecimento de quem faz e interpreta os dados económicos, a divergência sobre as notícias da nossa realidade resulta também disto: umas reflectem a opinião dos agentes económicos directos, enquanto outras transmitem os efeitos da propaganda política e das suas medidas “salvíficas”. Em tempo veremos quem tinha razão.

Advertisements
29 comentários leave one →
  1. 22 Dezembro, 2016 10:14

    Impressiona e preocupa a facilidade com que este governo anuncia praticamente todos os meses “grandes medidas”, médias e mega-decisões com o dinheiro dum Estado falido, com um resgate por pagar e. com uma economia só pontual e ocasionalmente mente evolutiva.
    Mas a populaça-NADA gosta de ver arco-íris sobre o caos por ela provocado ao ignorar a realidade desde 2009.
    (Cada vez que me lembro da lata do AC-DC que num debate para as legislativas disse ao PPCoelho que foi o PSD quem pediu o resgate…).

    Liked by 1 person

    • PiErre permalink
      22 Dezembro, 2016 11:51

      Ao falar em populaça-NADA o caro MJRB demonstra que não percebe nada de acção humana, logo não percebe nada de economia.

      Gostar

      • 22 Dezembro, 2016 12:08

        Populaça-NADA é um termo meu, do qual não abdico para identificar a populaça indigente, ignorante, desinteressada pelo seu futuro e do país.

        O caro PiErre tem razão nisto: de economia percebo pouco e de mega-economia pouquíssimo.

        Gostar

      • PiErre permalink
        22 Dezembro, 2016 18:28

        A verdade é que eu não sei o que é essa coisa de mega-economia.
        Também é um termo exclusivo do caro MJRB?

        Gostar

  2. pita permalink
    22 Dezembro, 2016 10:32

    Anunciar é tal como o Arcanjo. Todos Mestres em publicidade. O aborrecido, chato e maçador, é que nada se faz, nada se conclui — excepção honrosa para o Arcanjo.

    O importante, agora, é que é um excelente post.

    Liked by 1 person

  3. Tiro ao Alvo permalink
    22 Dezembro, 2016 11:11

    “Em (devido) tempo veremos quem tinha razão”, quando estivermos, outra vez e amargamente a pagar estes devaneios.

    Gostar

  4. LTR permalink
    22 Dezembro, 2016 11:19

    Num dia a emigração na geringonça cabeça do PM é um cancro da anterior governação e no outro a diáspora é uma festa. É espantoso o circo e a miséria em que se transformou este país 🙂

    Liked by 1 person

  5. PiErre permalink
    22 Dezembro, 2016 11:55

    Gostei deste excelente texto de rui.a.

    Liked by 1 person

    • 22 Dezembro, 2016 19:53

      Mas eu esclareci-o que nada percebo de mega-economia…Termo que ouvi há anos dum economista que de tão mau, não passa de contabilista duma mercearia, com tintol à disposição quando mexe na papelada.

      Gostar

  6. ABC permalink
    22 Dezembro, 2016 13:28

    Este Natal os portugueses pensam gastar mais. Noutra notícia, o crédito ao consumo disparou. Evidentemente a Banca aprendeu com a crise. Aprendeu que se safa.
    Moral da história: estou farto de pagar os natais dos outros.

    Liked by 1 person

  7. carlos alberto ilharco permalink
    22 Dezembro, 2016 13:57

    Enquanto o SLB for ganhando o País (são seis milhões de adeptos) vive contente, come uns coiratos bebe umas bejecas e aumenta todos os índices altamente complexos que os senhores economistas descobriram e que só eles percebem.
    Ora um País onde a saúde económica depende de um bom pontapé de Pizzi ou uma boa defesa de Ederson, não pode ir muito longe.
    E não vai, provavelmente nem mesmo o SLB irá para lá desta eliminatória da Champions.

    Gostar

  8. 22 Dezembro, 2016 14:07

    nem mais .isto está de pantanas . o mês de novembro foi de fugir , dezembro está igual , vamos ver estes dias a seguir. mas quando se lê os jornaleiros ( trabalham à jorna 🙂 ) isto é mel a correr por todos os lados.

    Gostar

    • Manuel permalink
      22 Dezembro, 2016 14:45

      Sem dramatismos, a situação é preocupante e os investidores vivem quase em pré-pânico. A “economista”, premiada pelo observador, provocou dano insanável no que concerne ao imobiliário e lá se foi parte do trabalho do Adolfo Mesquita Nunes. A próxima tarefa da esquerdopata vai ser arrasar o arrendamento e o alojamento local.

      Gostar

  9. Colono permalink
    22 Dezembro, 2016 14:49

    Retrato fotoshop da geringonça:

    PCP ( e filial CGTP) não concorda com ordenado minimio proposto….
    Pergunto:

    Se fosse no tempo do governo anterior, que atitude tomaria a CGTP?

    Isto é importante, porque define bem a hipocrisia d’um partido que, de tanto “baixar as calças”, vai definhando dia a dia!

    Idem BE

    Gostar

  10. 22 Dezembro, 2016 15:00

    Para o PCP,

    Quanto pior, melhor! Observem.

    Gostar

    • Manuel permalink
      22 Dezembro, 2016 15:10

      O BE tem provocado mais dano ao investimento,considero-o, neste momento, mais nocivo ao país.

      Gostar

  11. Arlindo da Costa permalink
    22 Dezembro, 2016 16:37

    A percepção geral e o sentimento comum é que a economia está a crescer assim como a confiança.
    Abençoada mudança que se verificou em Portugal.
    Devemos estar agradecidos a quem quis salvar Portugal.

    Gostar

    • Tiro ao Alvo permalink
      22 Dezembro, 2016 16:46

      Se escreveres isso vinte vezes, o crescimento, que anda pouco acima de zero, aumenta para aí umas dez vezes mais. Se escreveres cinquenta vezes, só aumenta vinte vezes mais. Mas se escreveres cem vezes, ganhas um prémio do Partido. Mãos à obra, portanto!

      Gostar

    • 22 Dezembro, 2016 18:48

      O António Costa faz concorrência com a Nª SRª de Fátima a salvar Portugal.

      Liked by 1 person

  12. Arlindo da Costa permalink
    22 Dezembro, 2016 16:49

    Crescimento económico; diminuição do déficit; diminuição do desemprego; aumento da confiança na economia; mais rendimento disponível, etc.
    O que é que vocês querem mais?
    O Pai Natal?

    Gostar

    • Aníbal Duarte Corrécio permalink
      22 Dezembro, 2016 17:19

      Ó Arlindo…parece que acreditas ainda no Pai Natal. Então não vês que quando a ‘esmola’ é muita o pobre desconfia?
      Ó Arlindo, está tudo martelado. O que interessa é o PS ganhar balanço para ganhar eleições. O que estescharlatães querem é dar com os pés no PSD/CDS e atolar o País mais à esquerda.

      Gostar

    • 22 Dezembro, 2016 17:32

      O que se quer mais ?
      Queremos o privilégio de receber afectos pessoais do Marcelo Craveiro Thomaz e do AC-DC. Beijinhos, abraços, e que o Marcelo diga que se lembra de fulano e cicrano da universidade ou do Procópio, ou que se cruzou connosco na esquina da rua tal em 1982.

      Gostar

      • 22 Dezembro, 2016 23:15

        Comprei, num antiquário, um cagalhão que boiava no rio Tejo no dia em que o Afectuoso nadou por lá. Vou enviá-lo como presentinho!

        Gostar

    • LDM permalink
      23 Dezembro, 2016 19:30

      Arlindo, a economia cresce, mas poucochinho … menos que em 2015. Que chatice.

      Gostar

  13. 22 Dezembro, 2016 17:41

    O Arlindo DO Costa
    é que acredita no Pai Natal. Por exemplo, crê que o consumo neste período está a bater record desde por exemplo 2006… Que há muito dinheiro para gastar — e se houvesse, devia-se à presença do AC-DC e do seu governo…
    Acredita em tudo o que a propaganda emite. Na Coreia do Norte também há bovinizados.

    Gostar

  14. 22 Dezembro, 2016 17:58

    Hoje, na ARepública a ACristas ofereceu prendas especiais ao AC-DC. Este, e a propósito, tentou fazer uma gracinha com o PPCoelho, que ouviu com cara nada simpática. Acto contínuo, numa atitude louvável e de líder abandonou o hemiciclo, deixou o AC-DC a falar sozinho.

    Gostar

  15. 22 Dezembro, 2016 18:01

    Bem…concedo: o AC-DC consegue falar, expressar-se um pouquinho melhor do que o Jorge Coelho. Mas ouvi-los é autêntico insulto à inteligência.

    Gostar

  16. SRG permalink
    22 Dezembro, 2016 18:04

    Excelente análise Rui A. Este texto deveria ser lido pelos “especialistas” económicos mixordeiros que temos no país. Ainda estou para saber quem vai “entrar” com a massa para os credores do Novo Banco.

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: