Skip to content

Texto progressista para sexta-feira chuvosa

3 Março, 2017

Nem sempre é fácil encontrar textos que definem o pensamento progressista. Por ter encontrado um que considero bastante exemplificativo, deixo aqui a sua tradução do original em Inglês, para que possam passar aos vossos amigos progressistas que, decerto, concordam com ele. Boa leitura.

Moralidade é um padrão que a sociedade criou para si própria para distinguir entre o “certo e o errado”. O que é então certo ou errado? Sobretudo, é tudo que conforma ou não com os diferentes sistemas de crenças que nos foram doutrinados pelas religiões durante dois mil ou mais anos.

Retirem-se os sistemas de crenças e deixam de existir certos ou errados. A maioria das acções são neutras, como comer, beber, sexo, caminhar, etc. Estas coisas não são nem boas nem más. Então e sexo inter-geracional, é errado? Bem, aqui chegamos novamente à palavra “errado”. Reparou como é fácil cair no julgamento de tudo através do sistema de crenças de “certo e errado”? Poderá então interrogar, que se causa dano, decerto tem que ser errado, certo? Escrevi propositadamente as frases anteriores para ilustrar o quão presos estamos ao julgamento pelo paradigma de “certo” e “errado”. Carregamos com esta forma de pensar, entre “certo e errado”, desde que somos crianças.

Quando não se usa o paradigma de “certo ou errado”, como se julga então seja o que for? Boa questão! Eu penso que a questão do julgamento moral tem que ser enquadrada de forma diferente: em vez de questionarmos se é “certo” ou “errado”, devemos perguntar antes se causa dano. Na minha opinião, essa é a verdadeira questão moral. De volta ao sexo e à intimidade, afirmei acima que são actividades neutras como comer ou beber. Como determino então que alguns actos sexuais não são aceitáveis, como violação, sexo não-consensual, etc? A questão a colocar deve ser então: causam dano?

A questão moral que devemos colocar a nós próprios é a da busca pelo dano ou pela sua possibilidade. Por exemplo, quando numa situação sexual acabamos a avançar uma mera fracção além do que é confortável para a outra pessoa, então vejo-o como um acto imoral que causa — ou pode causar — dano. Se penso apenas na minha própria satisfação sexual e ignoro o bem-estar do outro, não estou consciente das suas necessidades. Em tal situação, posso facilmente ir além do que a outra pessoa sente como confortável. Fazer amor ou ser íntimo é um jogo de equilíbrio com o bem-estar do outro.

Estou certo que concordam comigo que sexo não-consensual não é aceitável, que é uma violação da outra pessoa passível de causar dano psicológico ou de outro tipo. Se virmos bem, não estamos realmente a descrever um acto sexual e sim uma violação de outra pessoa — i.e. um acto de violência — em que o sexo é apenas a ferramenta usada para violar o outro. Tudo pode ser usado para violar alguém. No entanto, não podemos atribuir à própria ferramenta, ao sexo, o aspecto de culpa na situação. Este é o erro que é frequentemente feito através do paradigma de “certo e errado”, já que no pensamento religioso a maioria dos actos sexuais são classificados como “errados”. Isto reflecte-se nas leis, que são baseadas no antigo sistema de crenças de “certo e errado” e, consequentemente, sobretudo anti-sexuais e não anti-violência.

A nossa sociedade cometeu um erro básico há muito tempo. As religiões e os poderes instituídos estiveram sempre envolvidos em violência e continuam a estar. Ainda hoje procuram desculpas para as suas guerras e encarceramentos injustos. Então, levantando nuvens de fumo para esta violência, apontam os dedos ensanguentados a actos sexuais que não conformam com os seus paradigmas (i)morais ou com os sistemas de crenças. Caracterizam-os como errados e pecadores e, com esta atitude, lavam as mãos dos seus pecados de violência através da perseguição de inocentes.

Não há nada que cause dano em sexo consensual e intimidade. Pessoalmente, vejo sexo e intimidade como a glorificação do divino, porém vejo muito dano a ser causado pela nossa violenta sociedade. Actualmente, ainda se curva perante o passado para justificar o seu nojento comportamento violento.

Então, sempre que der por si a dizer os termos “certo” e “errado”, ou sempre que ouvir alguém a dizê-los, corrija e questione: “causa dano?” Esta é a verdadeira questão moral e, ao colocá-la, mudará a sua perspectiva moral.

© Gerald Moonen, 2006. Originalmente publicado no website da Ipce – International Pedophile and Child Emancipation

Advertisements
34 comentários leave one →
  1. 3 Março, 2017 10:41

    C’a nojo. Mas aina não abriram delegação cá

    Gostar

    • 3 Março, 2017 10:42

      Encontra alguma diferença na argumentação deste e a argumentação dos modernaços portugueses?

      Liked by 2 people

      • 3 Março, 2017 10:46

        Nenhuma- E de onde nasceram eles? Acaso não foi de dentro da ILGA?

        Liked by 1 person

      • 3 Março, 2017 10:54

        Claro. A única diferença em relação aos anos 70 é que a receptividade popular ao “progresso” era menor por necessitarem de obter subsistência. Com a generalização do ensino superior e a consequente absorção dos justiceiros sociais pela academia, disseminam a mensagem muito mais facilmente a uma sociedade dependente da segurança social e do subsídio. Ou seja, saíram da academia mais obscura para o espectáculo televisivo e entretenimento “humanista” do 1º mundo.

        Liked by 2 people

      • 3 Março, 2017 10:47

        Essa argumentação já eu a tinha lido em meados dos anos 70 ao Foucault

        Gostar

      • 3 Março, 2017 11:05

        Pois é. Isto começou tudo no marxismo cultural dos anos 70 e agora chegou à plebe.

        Lembro-me de um outro texto do Foucault que até tinha uma entrevista por causa de uma violação a uma criança. E a ideia geral era que até os pais acabaram por admitir que tinha havido consentimento entre a criança e o ogre.

        E ia jurar que foi publicada numa revista de Filosofia de cá, na altura liderada pelo Carrilho
        ehehe

        Ainda hei-de procurar isso. Estas coisas são mais bafientas que o dito bafiento salazarismo mas a gentalha escardalha acha que é progressismo.

        Liked by 1 person

      • 3 Março, 2017 11:07

        A teoria que defendia a merda chegou cá nos anos 70 por via francesa. Uma série de revistas altamente teóricos.

        O curioso é que a teoria não mudou mas trocou de poiso e língua. Agora é anglo-saxónica- tem estudos de bio-ética em Cambridge e depois vai para a prática na Holanda e na Bélgica

        Liked by 2 people

      • 4 Março, 2017 00:59

        Na Assembleia da República um deputado do CDS indignou-se com salários de 12 000 euros nas agências de regulação.
        Logo se levantou um deputado do BE (“Progressista”) a chamar ao deputado do CDS de Extrema -Direita demagógica.

        E estamos nisto.

        Há 40 anos atrás quem dizia o que o CDS diz hoje era esquerdista.
        E quem defendia os salários milionários era a Direita.

        Inverteram-se as posições políticas e o povo, em geral, não topa os de Esquerda porque é ponto assente que a Esquerda é boa e a Direita é má.

        Oh larilas!

        Gostar

    • Ambrósio permalink
      3 Março, 2017 18:08

      É o internacionalismo socialista.

      Gostar

    • rui a. permalink*
      3 Março, 2017 22:09

      Não está muito distante da aplicação de um certo «princípio da não-agressão» e da separação entre «moral» e «direito», que também nos desafia a pensar para além do bem e do mal…

      Gostar

      • piscoiso permalink
        4 Março, 2017 09:35

        Uma pessoa corre o risco de se tornar marginal pelo facto de não ser religioso.

        Gostar

  2. José Cerca permalink
    3 Março, 2017 10:41

    Um “perigoso” texto a, encapotadamente, promover a pedofilia! Se nem sempre os critérios de “certo” e “errado” poderão funcionar em todas as situações, também o critério de “causar dano” não consegurá resolver todas as questões sobre a moralidade ou não moralidade das nossas decisões. Esse critério, a meu ver, passará sempre pela própria consciência bem formada.

    Gostar

  3. 3 Março, 2017 10:54

    Tanto podia ter aparecido nesse site como num discurso dum qualquer presidente da AR.

    Liked by 4 people

  4. piscoiso permalink
    3 Março, 2017 11:12

    O que normalmente causa DANO a uns, causa PROVEITO a outros. Em que ficamos?

    Gostar

  5. Filipe permalink
    3 Março, 2017 11:19

    É uma tentativa de racionalização muito básica. Então se se usasse este critério os divórcios estavam praticamente proibidos porque causa sempre dano a alguém. Ele bate-lhe, está errado porque causa dano. Ela divorcia-se para deixar de apanhar, está errado porque lhe causa dano a ele. Enfim… e se a leitura do texto me causar dano posso considerar que o autor errou ao publicá-lo…

    Liked by 1 person

  6. Artista Português permalink
    3 Março, 2017 11:31

    Mais marxista que isto é difícil de encontrar. Qual a diferença neste texto entre “ópio do povo” e “sistema de crenças”? Vai tudo dar ao mesmo; são filtros. Eles não desistem.Mesmo depois de ter desabado a URSS. Agora é a retoma através do “politicamente correcto” em substituição da luta de classes.

    Liked by 2 people

    • licas permalink
      3 Março, 2017 22:37

      Ora aí está . . . (essa aproximação marxismo ~ politicamente correcto
      até tem a sua lógica, pela imposição à força do “dever de solidariedade”,
      digo eu)

      Gostar

  7. Tiradentes permalink
    3 Março, 2017 11:31

    Matar decapitar e esquartejar o gajo que produz esta diarreia é certo ou errado? não é uma coisa nem outra segundo ele próprio.

    Gostar

  8. 3 Março, 2017 11:31

    Sobre certo e errado vou citar um personagem televisivo que pronunciou uma acertada frase.
    Dr. House dirigia-se a um doente: “Ao contrário do que vos ensinam na escola há certo e errado. E a prova disso é que se eu errar no diagnóstico da tua doença vais morrer.”.

    Para mim, esta singela frase do personagem interpretado por Hugh Laurie diz tudo.

    Liked by 3 people

  9. Juromenha permalink
    3 Março, 2017 13:44

    Imaginem o texto, e o autor, na terra do Czar e do Patriarca Ortodoxo…

    Gostar

  10. Baptista da Silva permalink
    3 Março, 2017 14:22

    A Associação Martijn, fundada em 1981, defende os «contactos íntimos» entre adultos e menores a partir dos 12 anos, sempre e quando estes sejam prazerosos para as duas partes, não impliquem violência e não sejam feitos pelos seus pais.

    Percebem agora o progressismo?

    Liked by 1 person

  11. 3 Março, 2017 14:40

    Se a criança estiver a dormir ou drogada e não se lembrar não causa dano …

    Gostar

  12. Arlindo da Costa permalink
    3 Março, 2017 17:24

    Já reparei que os pedófilos encontraram na Extrema-Direita o seu porto de abrigo…

    Gostar

  13. Gabriel Orfao Goncalves permalink
    3 Março, 2017 17:24

    Ver blogue aberração jurídica sobre a abjecta defesa do “crime continuado” por parte dos deputados do PS. A norma, entretanto, já foi revogada. (Na minha opinião nunca chegou verdadeiramente a entrar em vigor, por ser inconstitucional. Nota: em Portugal, ao contrário do que é crença generalizada dos leigos, os tribunais NÃO PODEM aplicar normas inconstitucionais, mesmo que estas ainda não tenham sido declaradas como tal pelo TConstitucional. Perguntam: então quem é que decide se a norma é ou não constitucional? Ora… o próprio juiz do caso! Em cada caso que tem, o juiz não pode aplicar normas que considere inconstitucionais. Se uma das partes ou o MP discorda desse entendimento, há sempre recurso até lá acima. O Tribunal Constitucional sufragará então a posição do juiz – ou não.)

    Gostar

  14. Ambrósio permalink
    3 Março, 2017 18:22

    Isso de não haver certo ou errado chama-se relativismo moral e com isso tudo é permitido, até o canibalismo.

    Gostar

  15. António C. Mendes permalink
    3 Março, 2017 22:29

    A mim causa-me dano que se permita eutanasiar uma adolescente que sofre de depressão! Acho que está errado!
    Arlindinho, nossa riqueza, serei um monstro de extrema direita? O Arlindo fica a fazer xixi às pinguinhas com a possibilidade de se ver ao espelho e encontrar lá o Arlindo de extrema direita (não se preocupe, é tão esparvoeirado como você).

    Gostar

Trackbacks

  1. Texto progressista para sexta-feira chuvosa | O LADO ESCURO DA LUA

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: