Skip to content

Comissão de inquérito à falência da Santa Casa

5 Julho, 2017

Lisboa, 18 de Abril de 2024,

Decorreu hoje à tarde no Parlamento mais uma sessão da Comissão de Inquérito à falência da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa com o depoimento da ex-ministra das Finanças Mariana Mortágua. A actual deputada do Partido Democrático repetiu aquilo que tem sido a narrativa dos democratas durante vários anos: perante a bancarrota de 2019 e a necessidade de aplicar um programa exigente de rigor financeiro, todos os outros problemas se tornaram secundários. É certo que os problemas da Santa Casa se agravaram entretanto, mas o país tinha outras prioridades, e de qualquer das formas os erros mais graves foram cometidos, como toda a gente sabe, em 2016 e 2017. De facto, o depoimento da ex-ministra não destoou dos restantes depoimentos ao longo das últimas duas semanas. Recordemos:

A 4 de Abril, o depoimento de Tomás Correia, ex-líder da Associação Mutualista Montepio,   foi de novo adiado devido a um internamento de urgência. Não foi possível por isso esclarecer os vários factos estranhos ocorridos nos período 2016-2017, em particular o aumento da exposição da Associação ao banco Montepio, quando todas as boas práticas impunham o contrário. Por esclarecer ficou também recompra pela Associação das unidades de participação por um preço muito superior ao da sua cotação e as remunerações acima do mercado oferecidas pelos produtos financeiros da Mutualista.

A 5 de Abril, Carlos Costa, ex-governador do Banco de Portugal foi instado a explicar porque motivo não se opôs à entrada da Santa Casa no banco Montepio com base numa avaliação duvidosa. Carlos Costas desviou a conversa para os problemas da Associação Mutualista, que não tutelava. Lembrou que tanto a tutela da Santa Casa como a tutela do Montepio eram do Ministério do Trabalho e Segurança Social e que a intervenção da Santa Casa foi feita para salvar a Mutualista. Excusou-se a explicar a extraordinária permanência de Tomas Correia à frente da Mutualista no período 2016-2016 lembrando que não tutelava a Mutualista.

A 8 de Abril, a ex-ministra do trabalho e da Segurança Social, Mariana Vieira da Silva, justificou a integração dos fundos mutualistas da Associação do Montepio na Segurança Social em 2021 com a necessidade de proteger os 700 mil associados, muitos dos quais recebiam pequenos complementos à sua parca reforma. Negou qualquer impacto negativo na sustentabilidade da Segurança Social, e afirmou que esta está garantida  até ao final do século graças à reforma de 2022. Recordou que, por imposição da troika, restaram poucas soluções. Instada a explicar a que troika se referia, se à Troika de 2011 se à Troika de 2019, Mariana Vieira da Silva disse referir-se à de 2019, mas que de facto o problema é mais antigo, acusando o então ministro das Finanças Vítor Gaspar de não o ter resolvido quando ainda era possível. Referiu ainda que a passividade do Ministério durante os anos 2016-2017 não é da sua responsabilidade. Só se tornou ministra em 2019.

Pedro Santana Lopes prestou declarações dia 10 de Abril. Voltou a contar a história da sua demissão da Santa Casa em 2019. Quando percebeu que a avaliação do Banco Montepio o tinha levado a investir num banco que valia metade do que pensava, demitiu-se.  Defendeu-se dizendo que, em 2017, quando a comissão Lacerda Machado, como ficou conhecida, garantiu que o banco valia 2 mil milhões de euros, ninguém podia prever este desfecho. Recordou ainda a compra do Montepio foi apoiada pelo Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, pelo Banco de Portugal e pelo governo da época. Lembrou o objectivo meritório de criar um banco para a economia social.

A 12 de Abril foi ouvido o presidente da Comissão de Avaliação de 2017 e ex-presidente do Banco Montepio. Lacerda Machado pouco adiantou, justificando-se com falhas de memória e sigilo profissional. Por esclarecer ficou a compra, em 2019, de 50% do capital do Banco Montepio pela Santa Casa com base na avaliação de 2017. Defendeu-se alegando que ninguém podia prever a crise internacional de 2019.

A 15 de Abril a ex-provedora da Santa Casa Constança Urbano de Sousa foi instada a explicar o que a levou a aumentar a exposição da Santa Casa ao Montepio. Explicou, tentando evitar o choro, que o sucesso do novo jogo MegaBilhões, em parceria com a congénere indiana, tinha criado excesso de liquidez na Santa Casa e que lhe pareceu um bom negócio, depois de ler a avaliação da comissão Lacerda. Na época, o Montepio era o banco mais sólido do sistema e ninguém podia prever a desvalorização da rupia.

A 16 de Abril não houve sessão, talvez por isso o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tenha aproveitado para ocupar o espaço mediático. O Presidente referiu a importância da economia social e exigiu o apuramento de responsabilidades na falência da Santa Casa, até às últimas consequências, doa a quem doer. Aproveitou para desmentir a notícia do Expresso de Abril de 2017 que sugeria que a entrada da Santa Casa no Montepio tinha o seu apoio. “Nunca teve, sempre fui muito céptico em relação à mistura de organizações de solidariedade e a finança”.

A 17 de Abril, o actual Primeiro Ministro resumiu o impacto de toda esta aventura: 3000 milhões de euros foram injectados nos fundos da Associação Mutualista em 2021, 2000 milhões foram injectados no banco Montepio em 2019 e 1000 milhões foram injectados na Santa Casa e em outras Misericórdias em 2023. Resumiu, no ritmo pausado que lhe é habitual, aquilo que todos hoje pensam: a aventura da Santa Casa no Montepio foi uma aventura irresponsável com desfecho previsível. Em 2017 todos os intervenientes tinham toda a informação necessária para evitar este erro colossal.

Anúncios
35 comentários leave one →
  1. 5 Julho, 2017 07:22

    Adorei!

    Liked by 2 people

  2. Alexandre permalink
    5 Julho, 2017 08:37

    Pedro Santana Lopes levou a Santa Casa da MIsericórdia à falência.

    Gostar

  3. Monti permalink
    5 Julho, 2017 08:52

    Já deixei de dar para estes peditórios.
    Total confiança nos 230 bonzos da AR e bovinidade dominante.
    E onde é que isto ainda vai, agora com a ministrinha inconsequente:
    Maio de 2011: na primeira semana de Maio, tem lugar nas instalações da Autoridade Nacional de Protecção Civil uma reunião presidida pelo PM sobre a Segurança e Defesa dos Incêndios para o Verão. Presentes altos representantes dos sectores que prepararam a Ordem de Operações para o efeito, fruto do Plano de Operações Josefa de Out10: Forças Armadas (MDN), GNR e PSP, Protecção Civil e Bombeiros (MAI); Florestas (MA); Serviços prisionais e PJ (MJ); Associação Nacional de Municípios…
    Foram passados em revista, a preparação e prontidão dos meios e sistemas de defesa do território:
    A bem do Regime, que Portugal é grande e S. Bento o seu profeta.

    Gostar

  4. 5 Julho, 2017 09:21

    Esta história do Montepio Vs SCML é ridícula por previsível. Começou com os típicos rumores e desmentidos, com Santana Lopes a dizer que não e nunca. Santana Lopes que foi fazendo um lindo arco, digno dum Óscar, passando pelo “eu é que mando”, pelo “ninguém me leva para onde não quero ir”, e acabando previsívelmente pelo “se não fizer poem cá outro e eu tenho contas para pagar”.
    A imprensa domesticada já veio a terreiro defender a bondade do negócio, que é “social” e “muito necessário…para o país”. Silly me, pensava eu que tínhamos desembolsado 5000 milhões para a CGD pelo mesmo nobre motivo. Além disso, as misericórdias já detêm participações no Montepio, vejam só – devem lá ter contas abertas e uns fundos de tesouraria, mas pronto.
    Desde o início dos rumores estava mais que garantido que a SCML iria enterrar-se no Montepio, a farsa era desnecessária, mas pronto, aqui gostamos de novelas.
    O que se segue também é muito previsível.
    A SCML entra no Montepio, que é muito justamente avaliado por gente muito séria e que nunca terá qualquer pressão ou interesse no negócio. Assim que a SCML puser os pézinhos na água turva que é o Montepio mostram-lhe o buraco – e depois é tarde para saír e a culpa foi dos avaliadores e lava-se tudo mais branco com uma Comissão Parlamentar de Inquérito que não vai concluír nada.
    Daqui a uns anos a SCML é dona do Montepio e nós, contribuintes, donos da SCML.
    Yupi!

    Liked by 1 person

  5. LTR permalink
    5 Julho, 2017 10:01

    A manobra da ADSE vai ser muito pior que a dos 3% de aumento de salários da FP de 2009. Vai ser um descalabro total e ainda os assuntos dos hospitais e escolas não vieram à tona.

    Gostar

  6. Procópio permalink
    5 Julho, 2017 10:31

    “Doa a quem doer”. Dói sempre aos mesmos. Ad eternum?

    Liked by 2 people

  7. Aventino permalink
    5 Julho, 2017 11:04

    Em 18 de Abril, Pacheco Pereira assina um artigo no “Púbico” responsabilizando Passos Coelho por este não ter sido mais interventivo na denuncia destes escândalos.

    Liked by 1 person

  8. LTR permalink
    5 Julho, 2017 11:08

    É o descalabro total:

    Portugal gozado internacionalmente.

    O Presidente parece um gatinho a miar.

    47 mortos numa estrada do Estado e nada!

    Degradação da imagem de quase toda a estrutura de segurança e autoridades do estado.

    Um sistema de comunicações de emergência ridículo que não funciona nas crises.

    Reformas milionárias a fazer pelos que já fizeram as reformas falhadas.

    Comissões que obstroem chegada de informação sobre abusos na banca.

    “Defesa e Administração Interna deixaram 302 milhões na gaveta” em 2016.

    “Défice histórico à custa de cativações recorde ”

    “Dívidas fiscais prescritas duplicaram em 2016”

    “Os assaltantes de Tancos já estavam sob suspeitas. A autoridades queriam apanhá-los mas acabaram por perdê-los.”

    E o chefe ilegítimo disto tudo está de férias em Espanha?!!!!!!

    Liked by 2 people

  9. Artista português permalink
    5 Julho, 2017 11:39

    Foi pena não ter sido ouvido o brilhante gestor franciscano/sportinguista Vitor Melícias. Será que já morreu?

    Gostar

  10. Jorge permalink
    5 Julho, 2017 11:44

    Acho que está óptimo. Estava para desistir de ler este blog, mas, de vez em quando, vale bem a pena.

    Gostar

  11. CSJ permalink
    5 Julho, 2017 12:00

    Parabéns. Muito bom. O registo linguístico é perfeito para cada uma das personagens.

    Liked by 1 person

  12. jmpg permalink
    5 Julho, 2017 12:06

    Muito bem este texto . Estou em acordo absoluto .

    Gostar

  13. Tiro ao Alvo permalink
    5 Julho, 2017 12:14

    Não lhe conhecia, João Miranda, este seu jeito para escrever dramas com forte aderência à realidade previsível. .

    Gostar

  14. Ana Catarina permalink
    5 Julho, 2017 12:23

    Boa martelada.
    … e afinal quem é que foi condecorado?
    A rita diz que já ninguém se lembra dela
    o encosta continua fugido em parte incerta … mas fontes próximas dizem que é falso e o poucochinho está apenas a gozar as merecidas férias em Fermentelos, playa de Minorca.
    Lugar adequado para vilegiatura do primeiro minorca.
    Levanta-se um grave problema com a prolongada estadia do senhor.
    Os minorcas não querem que ele os abandone e até pedem que o senhor dos afectos lhe faça companhia
    Deus os oiça.

    Gostar

  15. Ricciardi permalink
    5 Julho, 2017 12:24

    O João Miranda é mais esperto do que o Passos Coelho, mas parece dum mal muito semelhante: Invocação compulsiva.
    .
    Invocar o diabo para daqui a sete anos de vista parece-me bem pensado. Nessa altura, se o diabo não corresponder à invocação, ninguém se lembrará de que a mesma foi efectuada há sete anos.

    Contudo, se o diabo corresponder, o invocador pode reclamar para si méritos inefáveis de adivinhação, só ao alcance dum punhado de iluminados, claro. Naquela base: estais a ver, eu previ isto há sete anos. Vejam como meto o zandinga num bolso.
    .
    Contudo, daqui a sete anos, o montepio pode mesmo ser o activo mais lucrativo da santa casa. Não se adivinha que o povo possa eleger novamente o passos coelho e, com isso, voltar a destruir o sistema financeiro.

    Por essa razão, estou mesmo convencido de que um investimento num banco desvalorizado, com uma rede de balcões jeitosa, depois duma limpeza no balanço, pode mesmo vir a ser um investimento fantástico.
    .
    Vamos ver o preço de entrada.
    .
    Rb

    Gostar

  16. Manuel permalink
    5 Julho, 2017 12:26

    Excelente! Dê-se conhecimento a PSL.

    Gostar

  17. 5 Julho, 2017 12:42

    Tremendo de ler e de ver o filme que não vai ser muito diferente.

    Liked by 1 person

  18. André Miguel permalink
    5 Julho, 2017 13:27

    Só não será assim porque em 2018 temos outra vez o FMI a aterrar em Lisboa. É só aguardar pelo fim do QE do BCE. Agarrem-se que desta vez será mesmo a doer.

    Liked by 1 person

  19. LTR permalink
    5 Julho, 2017 13:39

    Consta que o Centeno na AR sob pressão está a torna-se um pouco ordinário 🙂
    Por coincidência, descobriram-lhe parte da careca!

    Gostar

  20. Procópio permalink
    5 Julho, 2017 17:49

    http://observador.pt/2017/07/05/defice-historico-conseguido-com-9427-milhoes-de-euros-em-cativacoes/
    À atenção de todos os ricciardis, trolls e &

    Gostar

  21. Procópio permalink
    5 Julho, 2017 18:26

    O comunicado da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE) diz existirem riscos de um desvio face aos objectivos de consolidação estrutural exigidos pelas regras europeias. “O ajustamento do défice estrutural subjacente está em risco de desvio significativo em relação aos requisitos do Pacto de Estabilidade e Crescimento, reflectindo um esforço de consolidação estrutural insuficiente”, pode ler-se no documento publicado esta tarde, 5 de Julho.

    Gostar

  22. licas permalink
    5 Julho, 2017 20:14

    Marcelo quanto às armas preconiza o apuramento do que se passou
    “doa a quém doer” (trata-se da tropa). Muito bem.
    Quanto às conclusões da Comissão de Inquérito Parlamentar no que
    se refere às centenas de milhões evaporando-se da Caixa por empréstimos
    mais do que duvidosos vamos ficar
    _____pelo azar
    _____pela crise
    ou iremos ficar por “gestão não provadamente danosa” dos Dirigentes?
    Assim com água benta espargida sobre os credores, coitados, agora incobráveis,
    inocentes, vítimas das circunstâncias da Economia Mundial.

    Vai ser assim? E NÓS QUE PAGUEMOS?

    Gostar

  23. licas permalink
    5 Julho, 2017 20:20

    Afinal uma ninharia rondando os DOIS MIL MILHÔES de euros.

    Gostar

  24. Euro2cent permalink
    5 Julho, 2017 21:33

    Já os gregos e troianos do Homero não gramavam nada a Cassandra, aquela fulana que previa tintim por tintim os “slow motion train wrecks” em curso. Uma espécie de anti-Constança, não havia festa nem festança em que estivesse a Cassandra.

    Por essas e por outras é que os romanos só tinham adivinhos fatelas que diziam apenas o que lhes mandavam, e não havia cá teatros para ninguém – era gladiadores e corridas de quadrigas, para não ficarem a matutar doentiamente.

    Plus ça change, mas com aspirina e telemóveis.

    Gostar

  25. 5 Julho, 2017 21:48

    Óptimo post.

    Em 2024 ocorrerá o golpe de estado totalitário para o P”S”+PC+BE dominarem o país. Líder: Vitalino Canas, sub-líder Jorge Lacão, que colocará o Galamba como ministro das finanças e poucos meses depois, PM ad eternum.
    O MCThomaz vai viver deportado para os Açores (desejo manifestado há meses), o AC-DC criará uma empresa de construção civil com o Coelho,Jorge e o “estou-me cagando para a justiça” será CEO duma empresa de sanitas e autoclismos.

    Gostar

  26. Arlindo da Costa permalink
    5 Julho, 2017 22:03

    Felizmente a Santa Casa e o Montepio não são administrados pelos gangues cavaquistas, loureiristas, portistas e pela máfia do BPN.

    O ilustre ficcionista quer imitar o Georges Orwell mas nem a Prof. Bambo chega…

    Gostar

    • alex.soares permalink
      5 Julho, 2017 22:24

      Ho fdp (fdp) a máfia do bpn é aquela que o nacionalizou?
      Mostra-nos que não és ignorante ó salsichão.

      Gostar

  27. Alexandre permalink
    5 Julho, 2017 22:11

    João Miranda brinca com coisas muito sérias e até põe Mariana Mortágua como ex-ministra das Finanças. Na realidade, algumas dependências da Santa Casa da Misericórdia já entraram em falência técnica, como foi o caso da Covilhã, Madalena no Pico e Odemira. Se o caso da Covilhã se reporta a 2011, o de Madalena do Pico e Odemira a 2015 e 2016, já com Santana Lopes como provedor. Desde 2011, muito decorreu, como os ditos contratos suspeitos. Enfim, em vez de investigar, João Miranda prefere fazer o que todo o «direitinha» faz com assuntos melindrosos… Fazer comédia!

    Gostar

  28. André Miguel permalink
    6 Julho, 2017 14:39

    Só não adivinho o Euromilhões…

    Olhó o diabo à espreita:

    http://www.expansion.com/mercados/renta-fija/2017/07/06/595e291222601da5708b45b9.html

    Coitada da geringonça, um mal nunca vem só!

    Porque será que não lemos sobre isto na imprensa portuguesa?

    Gostar

  29. Carlos permalink
    6 Julho, 2017 15:55

    Gostava de ver uma entidade independente a pronunciar-se sobre a atual situação financeira, contabilística da SCML, e o impacto nos custos com pessoal nos últimos anos, assim só porque sim…

    Gostar

  30. piscoiso permalink
    6 Julho, 2017 17:45

    É um bom texto, mas há lá factos ocorridos em 2019.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: