Skip to content

Quem sabe esclarecer?

24 Outubro, 2017

Estou perdida no gigantismo das revoluções na floresta levadas a cabo por este Governo. Pelas minhas contas já vamos em duas pois no sábado passado “a maior revolução que a floresta conheceu desde os tempos de D. Dinis” anunciada pelo ministro Capoulas Santos  deu lugar à nova maior revolução que a floresta conheceu  desde a anterior  maior revolução que a floresta conheceu desde os tempos de D. Dinis?

Anúncios
6 comentários leave one →
  1. carlos alberto ilharco permalink
    24 Outubro, 2017 10:47

    Não vale a pena ir com a carroça à frente dos bois.
    Primeiro que tudo é preciso descobrir a causa.
    Um relatório diz que foi um raio.
    O outro diz que foi a EDP.
    Antes de se aclarar este assunto, não se pode fazer nada.
    Provavelmente o senhor Presidente da República, como o mais alto Magistrado da Nação vai desempatar a questão.

    Gostar

  2. LTR permalink
    24 Outubro, 2017 10:54

    Quinhentos milhões de euros é o custo surgido (e não orçamentado?) de repente para o governo não cair às mãos de Marcelo, mais um batalhão de recursos arranjados para pagar fogos às portas de Novembro! Ainda há umas semanas tinham só uns poucos de milhões dados por terceiros e pouco antes não havia falhas nenhumas.

    A Segurança Social foi reformada para 100 anos no governo de Guterres em 2001, depois novamente com sócrates, e agora há nova reforma. Dizia o mestre Ferro quando lá chegou que estava tudo resolvido. Ele e o Vieira.

    Liked by 1 person

  3. JgMenos permalink
    24 Outubro, 2017 11:24

    E é só o começo.
    Deve faltar uma mão-cheia de comissões e unidades de missão.

    Gostar

  4. lucklucky permalink
    24 Outubro, 2017 12:04

    A destruição de um grande pinhal ao fim de 700 anos parece-me uma revolução.

    Liked by 1 person

  5. Expatriado permalink
    24 Outubro, 2017 14:20

    …”A análise da origem dos incêndios florestais em Portugal Continental desde 2003 permite destacar a ação
    humana, por incendiarismo ou negligência, como as causas apuradas que originam maior número de ignições,
    pelo que, será premente intervir no âmbito da prevenção. Nos casos dolosos o conhecimento da punição dos
    incendiários poderia contribuir para inibir possíveis seguidores. A aposta na sensibilização dirigida a grupos
    específicos já referenciados, face aos comportamentos de risco tradicionalmente praticados, promoverá uma
    redução de ignições decorrentes de ações negligentes.
    Por outro lado, é imprescindível reduzir a percentagem de ocorrências com causa desconhecida. Estes casos
    exigem uma dedicação e esforço por parte da GNR no processo de investigação que, posteriormente, não se
    traduz em resultados efetivos. O facto do processo de investigação se basear no método das evidências físicas
    pode justificar parte do insucesso no apuramento das mesmas. A destruição das evidências físicas, que
    poderiam permitir aferir a causa da ignição, poderá justificar alguns casos. No entanto, é crucial a manutenção
    deste procedimento pois só assim é possível garantir provas que suportem a instrução do processo.”…

    http://www.icnf.pt/portal/florestas/dfci/Resource/doc/causas-incendios/Relatorio-Causas-incendios-2003-2013.pdf

    Gostar

  6. Arlindo da Costa permalink
    25 Outubro, 2017 01:06

    De facto assim é, Drª Helena. Estamos na presença da mãe de todas as revoluções na floresta portuguesa. Graças a Deus que temos um governo que não se rende aos interesses instalados!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: