Saltar para o conteúdo

Em Lisboa não se morre

3 Março, 2018

Sempre que se coloca a possibilidade de se construírem capelas funerárias temos polémica e invariavelmente nessa polémica surge o argumento do trauma das crianças. Agora é em Telheiras. Já foi em Alvalade… Enfim em Lisboa não se morre. Ou pelo menos não se morre em alguns locais porque naqueles em que já existem capelas mortuárias estas e os seus mortos convivem sem problema algum com escolas, cafés, paragens de autocarros, lojas de roupa, padarias, jardins de infância cheios de vivos. Num caso até que conheço bem de um lado do edifício estãs as crianças e do outro as ditas capelas. E até agora nunca houve trauma algum.

Mas enfim para as criancinhas não se traumatizarem o melhor será doravante e para o futuro ninguém morrer assim de forma desregulada quando calha. As pessoas depois da intervenção da morte assistida  – ou derradeira liberdade como lhe chama uma daquelas manas cujo pai segundo elas fazia atentados a brincar e nessa por assim dizer brincadeira proporcionou ele e os seus amigos morte assistida por bala a um pobre que teve o azar de se cruzar entre o referido paizinho + amigos e respectivos intentos. Mas deixando de lado esta ditosa família voltemos às vantagens  de uma nova política para a morte:  depois de devidamente assistidos somos de imediato reduzidos a cinzas e pronta e higienicamente empacotados e minimizados. Depois nesse discreto preparo lá se fará a passagem do embrulho para a família que coitadinha a par das criancinhas é poupada ao trauma da morte.

Anúncios
4 comentários leave one →
  1. A. R permalink
    3 Março, 2018 21:50

    Tiro na nuca e vala comum: a receita comunista para estas coisas. Ou então uma coisa mais higiénica: os que não morrem comem os que morrem. Técnica comunista na Ucrânia e Nazino.

    Gostar

    • carlos alberto ilharco permalink
      4 Março, 2018 19:10

      Já se fizerem filme sobre isso, o mais famoso é Soylent Gren

      Gostar

  2. pitosga permalink
    4 Março, 2018 14:22

    Em lisboa não se morre… Enterra-se. A pena é não se enterrarem os esquerdalhos. Mas irá acontecer seguramente.

    Gostar

  3. José Domingos permalink
    4 Março, 2018 22:47

    Essa da derradeira liberdade, até dava para rir, mas ando cheio de cieiro.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: