Saltar para o conteúdo

Os privados, o lucro e a eutanásia

15 Fevereiro, 2020

Vi por aí indignação pela circunstância de grupos privados de saúde anunciarem que nas suas redes de cuidados não matarão doentes, ou seja, não practicarão a eutanásia.

Considerar esta decisão ofensiva dos direitos e liberdades individuais é absurda, desde logo porque supostamente quem é favorável à eutanásia não pretende que a práctica seja generalizada, muito menos obrigatória, mas apenas uma opção disponível. A fúria contra os privados é também evidentemente tola porque uma empresa não deve ser obrigada a prestar serviços que não quer oferecer aos seus clientes, além de que os proponentes da despenalização da eutanásia querem que seja o SNS a “tomar conta da ocorrência”.

Mas, numa coisa estes indignados anti-privados têm razão: as considerações económicas (ou “economicistas”, como lhe costumam chamar) não deveriam distorcer ou impedir as boas decisões.

E aqui a questão que se coloca é que cuidar dos enfermos e prestar cuidados paliativos sai muito caro e o SNS não tem dinheiro.
Ou melhor: sairia caro porque hoje apenas uma ínfima percentagem dos cuidados paliativos necessários é assegurada pelo SNS…

Do ponto de vista do governo e do estado, para gestão das finanças públicas, é muito mais simples e fácil de executar cortes ou cativações a eito. Essa é e será a cultura dominante na administração pública pois seria muito mais complexo alterar as prioridades e opções de investimento, já para não falar da sustentação política que tais medidas exigiriam.

Um doente que esteja bem informado sobre cuidados e acções disponíveis para prolongamento com qualidade da sua vida torna-se um centro de custo.
Um doente potencialmente caríssimo e uma despesa extra potencial que importa evitar.
Por muito eticamente conscientes e compassivos que sejam os profissionais do sector, os incentivos são o que são e, mais ou menos inconscientemente, as pessoas respondem a eles.
É fácil de perceber as consequências que daqui poderiam advir…

Por isso importa a todo o custo que no mercado, privado, não estejam disponíveis nem visíveis alternativas à opção definitiva pela eutanásia.

Certamente a Dona Moreira e a Dona Mortágua condenarão o objectivo de obtenção de lucro pelos operadores privados de saúde ao apresentarem serviços adicionais para prolongamento de vida aos doentes. Mas é precisamente esta procura de lucro que moraliza o mercado ao tornar mais informadas as pessoas e, sobretudo, ao dar mais graus de liberdade e escolha aos doentes para tomarem as suas próprias decisões.

Já sabemos que um rico tem sempre acesso a serviços diferenciados.
Mas no caso de um pobre pedir para o matarem se calhar será mais conveniente este não chegar sequer a saber que se tivesse dinheiro poderia viver mais tempo…

42 comentários leave one →
  1. Filipe Bastos permalink
    15 Fevereiro, 2020 19:44

    “Já sabemos que um rico tem sempre acesso a serviços diferenciados.”

    Não na saúde, Sr. Fernandes. Não devia ser assim. E é mais que tempo de perceber que o facto de ser assim é uma opção ideológica.

    Tão ideológica como a opção contrária, que deve passar a vida a criticar.

    Gostar

    • Tiro ao Alvo permalink
      16 Fevereiro, 2020 18:06

      O Filipe não sabe o que está a dizer. Os ricos têm sempre mais possibilidades de acederem a cuidados de saúde mais diferenciados, tanto em Portugal como no estrangeiro. Quem tem poder económico e não quer morrer, procura a cura nos sítios considerados melhores, estejam eles perto ou longe, Sempre foi assim e assim será mo futuro. E esta procura dos melhores cuidados de saúde, muito contribuiu para a evolução da medicina, quer o Filipe queira, quer não. Só questões ideológicas impedem de ver isso, como parece ser o seu caso.

      Gostar

      • Filipe Bastos permalink
        16 Fevereiro, 2020 20:54

        É e sempre foi assim porque os DDT querem que seja assim, Tiro ao Alvo. É uma opção ideológica. E muita carneirada, mesmo sendo pobre ou remediada, defende que seja assim!

        Experimente propor uma alternativa: chamam-lhe logo de comuna para baixo.

        Reconhecer a realidade não impede que se discorde dela; pelo contrário, é o 1º passo para mudá-la.

        Gostar

  2. Procópio permalink
    15 Fevereiro, 2020 20:01

    No sns já se pratica a eutanásia desde que a geringonça o destroçou com as hierarquias nomeadas a dedo..
    Há diversas formas de o fazer. Fazer um doente canceroso esperar meses por uma consulta, não ter tempo para acudir a uma insuficiência respiratória ou cardíaca dentro do próprio hospital, manter um doente com uma doeça grave por diagnosticar durante anos num centro de saúde, atrasar a administração de um medicamento, um engano aqui, um erro ali, é só ecolher. Não me obriguem a relatar casos. Sou daqueles que só considera possível a reforma do sns com recurso a comissões idóneas de advogados apoiados de peritos auditores nas diversas áreas clínicas
    Nos países onde se fazer estatísticas a ponto de saber a razão da morte dos doentes, sabe-se que um terço morre por erro dos serviços de saúde. Não se preocupem demasiado, lembrem-se daquela frase do toninho antes de fugir do pântano: “É a vida!”.
    Não é possivel discutir civilizadamente a magna questão público/privado.
    Para alguns iluminados a saúde não é um negócio. Adquirir medicamentos, próteses, fornecer água, electricidade, redes informáticas, luvas, batas, não é negócio.
    Quem pensa assim faz falta nos locais onde praticam o modelo.
    Quanto à eutanásia.
    O público abre a porta, os privados fecham-na.
    Tirem daí as devidas conclusões.
    No público porém, vai haver médicos que se recusam à prática.
    Serão outros colegas os escolhidos, os selecionados, imagina-se quem serão.
    A chegar a casa. Do filho curioso para o pai: ” Ó pai quantos despachaste hoje”?
    Agora vamos supor. A totalidade dos médicos do hospital negam-se.
    Serão obrigados? Por quem? Pelo ministro da administração interna ou pelo da economia? Recorre-se aos enfermeiros? E se também se negam?
    Restará recorrer aos deputados que votaram a favor.
    Estejam descansados. Viver afinal já não tem assim tanta importância e se formos a ver, quem não perfilhe o socialismo, nem nunca devia ter nascido.

    Liked by 2 people

    • Filipe Bastos permalink
      15 Fevereiro, 2020 20:20

      “Não é possivel discutir civilizadamente a magna questão público/privado. Para alguns iluminados a saúde não é um negócio. Adquirir medicamentos, próteses, fornecer água, electricidade, redes informáticas, luvas, batas, não é negócio.”

      Salvo melhor opinião, creio que estamos aqui civilizadamente.

      A saúde pode requerer produtos e serviços privados, como qualquer actividade, e pagar por eles a esses privados. Nada contra; não poderia ser 100% auto-suficiente.

      O que está em causa é tornar a saúde um negócio, vendendo-a como qualquer produto ou serviço, subordinando-a a lucros e accionistas, e restringindo o acesso à saúde, que deve universal, à ganância do ‘mercado’ e dos mamões que o exploram.

      Está a ver, Procópio?

      Gostar

    • 16 Fevereiro, 2020 14:12

      mas se já a praticam , de diferentes modos , nos hospitais públicos , conforme enumera , porque não descriminalizá-la? muito provavelmente esses ditos erros clínicos e atrasos , andam a matar pessoas que queriam viver … com a eutanásia , em principio,, será para quem quer , ou seja , os que estão morrendo de medo de ser eutanasiados à força podem ficar mais descansados. .:)

      Gostar

  3. 15 Fevereiro, 2020 20:31

    Ofereçam-se para carrascos. Vocação não vos falta.
    Não metam é médicos e enfermeiros nisto.

    Acaso há médicos públicos e outros seres chamados médicos privados?
    E o mesmo para enfermeiros/as.
    Não trabalham todos eles em ambos e usam o público para “picar o ponto”?

    E um médico do Estado pode passar a carrasco mas se for do privado tem a “fonte da eternidade” para venda?

    Gostar

    • 15 Fevereiro, 2020 21:04

      Eu não sabia é que agora a zazie falava em nome da consciência dos/de médicos e dos/de enfermeiros…

      rr.sapo.pt/2016/02/29/pais/bastonaria-dos-enfermeiros-eutanasia-ja-e-praticada-nos-hospitais-publicos/noticia/47983/

      http://www.jn.pt/nacional/-bastonaria-dos-enfermeiros-favoravel-a-eutanasia-com-regras-9286293.html

      Quando os médicos andavam a estragar as contas ao Passos e a chantagear o pais em greves., Ai eram uns filhos corporativos e interesseiros da (ph)uta. Agora é não toquem nos “inocentes e puros de espirito” dos médicos. Parecem o pcp a falar em nome dos “trabalhadores”.

      Gostar

      • 15 Fevereiro, 2020 21:36

        Consciência?

        Eu falo em nome dos doentes que tanto podem ter um que veio de matar, como outro que veio de salvar.
        E a prioridade não é do doente. É de quem tanto pode salvar vidas como tirá-las, como um carrasco.

        O que eu penso é que os merdas que se armam em muito humanistas e verdadeiramente liberais em prol de fazer dos médicos carrascos, são uns cobardes que nem coragem têm para o fazer aos seus próprios familiares.

        Descartam-se como sendo “um acto médico”, tirar a vida de forma asséptica

        Porque, se o argumento fosse mesmo aliviar o sofrimento de quem sabem e têm muita pena por esse sofrimento tremendo, então era fácil, desligavam os próprios essa vida.

        Qualquer um pode dar o tal golpe de misericórdia sem que se saiba que é homicídio, dado estar com os pés para a cova.

        O modo de o fazer é básico -vai ao Google que ensina e compra online. .

        Liked by 1 person

      • 15 Fevereiro, 2020 22:14

        Portantos pelo contrario a zazie não confia na consciência e boa fé dos médicos. É isso ?

        Gostar

      • 15 Fevereiro, 2020 22:49

        “O modo de o fazer é básico -vai ao Google que ensina e compra online.”

        Produzido e embalado numa vacaria, com um selo de qualidade de laboratório colado a cuspe na china ?

        Gostar

    • Oscar Maximo permalink
      16 Fevereiro, 2020 07:52

      Ora, ora, médicos que passam atestados falsos para baixas ou cartas de condução servem perfeitamente. Talvez até saibam dar uma injeção.

      Gostar

  4. 15 Fevereiro, 2020 20:33

    Eu gramava era que me traduzi-se a tal “alternativa à eutanásia”

    Será que vamos voltar à demanda do Prestes João das Índias, para sermos mais originais até na neotontice?

    Gostar

  5. 15 Fevereiro, 2020 20:33

    traduzisse! phónix!

    Gostar

  6. Procópio permalink
    15 Fevereiro, 2020 20:50

    Vejo bem, preferia às vezes não ver.
    Quem está a restrigir o acesso à saúde.
    Quem falou em exploração?
    Quem falou em accionistas?

    Gostar

  7. 15 Fevereiro, 2020 21:39

    Consciência?

    Eu falo em nome dos doentes que tanto podem ter um que veio de matar, como outro que veio de salvar.
    E a prioridade não é do doente. É de quem tanto pode salvar vidas como tirá-las, como um carrasco.

    O que eu penso é que os merdas que se armam em muito humanistas e verdadeiramente liberais em prol de fazer dos médicos carrascos, são uns cobardes que nem coragem têm para o fazer aos seus próprios familiares.

    Descartam-se como sendo “um acto médico”, tirar a vida de forma asséptica

    Porque, se o argumento fosse mesmo aliviar o sofrimento de quem sabem e têm muita pena por esse sofrimento tremendo, então era fácil, desligavam os próprios essa vida.

    Qualquer um pode dar o tal golpe de misericórdia sem que se saiba que é homicídio, dado estar com os pés para a cova.

    O modo de o fazer é básico -vai ao Google que ensina e compra online. .

    Gostar

    • Filipe Bastos permalink
      16 Fevereiro, 2020 01:43

      “O que eu penso é que os merdas que se armam em muito humanistas e verdadeiramente liberais em prol de fazer dos médicos carrascos, são uns cobardes que nem coragem têm para o fazer aos seus próprios familiares.”

      Creio que se a Zazie pensar um bocadinho verá que nem todos são capazes de matar um ente querido, mesmo que seja para lhe poupar sofrimento, e que isso não os torna cobardes.

      Um médico ou um enfermeiro lidam com a morte todos os dias; no mundo moderno uma pessoa comum só vê a morte de longe a longe, e ainda bem. Mais: fazer isso continua a ser ILEGAL.

      O argumento de “fazer dos médicos carrascos” não colhe: isto é para casos terminais onde a medicina já fez tudo que podia. Não é uma licença para matar de forma arbitrária ou punitiva.

      Ademais, muitos médicos já fazem pior: recusam tratamento por dinheiro. Deixam pessoas sofrer ou morrer por ganância. É isso a saúde privada. Faz da saúde um negócio.

      Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 10:29

        Se não são capazes, não deleguem! Ponto final.

        Se o próprio o desejava quando estava bem, então fizesse como faziam os romanos, delegava no escravo ou no criado.

        Quem não tem amigos para o matarem, devia ter arranjado a tempo e horas inimigos que o fizessem por gosto e à borla.

        Os médicos e enfermeiros nada têm a ver com estas questiúnculas privadas do âmbito da consciência de cada um.

        E a sociedade muito menos. Porque a sociedade não deve delegar em políticos o que é sua base moral ancestral.

        Isso substituir a tradição e a Moral, ela Lei jacobina, ditada por políticos eleitos a prazo que não vão responder pelo que decretam para o futuro, pois apenas estão lá a termo de 4 anos.

        Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 10:32

        pela Lei Jacobina.

        Os médicos não deixam ninguém a sofrer por ganância.

        Podem é despachar para poupar e prestarem serviço de poupança ao Estado.

        E sim. Já o fazem mesmo sem a lei estar aprovada e poderem por lei serem acusados de homicídio.

        Mas são apenas alguns- médicos e enfermeiros. Não são todos- daí esta questão de dar cobertura legal ao que alguns já fazem, também criar divisões entre a própria classe de cuidados de saúde.

        Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 10:36

        Alguém sabe explicar o motivo pelo qual as certidões de óbito deixaram de ter escrito o motivo da morte?

        Eu perguntei. Ninguém me respondeu de forma clara.

        Disseram que é comunicado à polícia-

        Se for óbito em casa, a polícia pode exigir autópsia.

        Se for morte em hospital, a polícia apenas fica com a notificação e a causa não é assinalada na certidão que os familiares recebem já com a autenticação da chancela do IRN.

        Gostar

      • Filipe Bastos permalink
        16 Fevereiro, 2020 16:44

        “Se não são capazes, não deleguem! Ponto final.”

        Só isso, ponto final? Condena assim incontáveis pessoas a sofrimento indescritível e escusado?Espero que nunca se veja nessa situação, Zazie: já não irá a tempo de mudar de ideias.

        A nossa “base moral ancestral” precisa de reparos urgentes. Está podre. Foi erigida sobre um Deus imaginário, que nunca previu esta classe pulhítica, os ‘mercados’ ou a internet.

        Outro exemplo é a saúde privada. Os médicos deixam pessoas sofrer, até morrer, por ganância. Deixam sim senhor. Um hospital privado ou uma farmacêutica negam-lhe o tratamento se não pagar. E a nossa sociedade acha isso normal!

        Vê como a moral está podre?

        Gostar

      • Velho do Restelo permalink
        16 Fevereiro, 2020 17:31

        “Os médicos não deixam ninguém a sofrer por ganância.”
        Ok, basta a zazie dizer e temos que acreditar ?
        Ah pois já me esquecia “Je fais ma loi” … está tudo dito !

        Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 18:05

        “Os médicos e enfermeiros nada têm a ver com estas questiúnculas privadas do âmbito da consciência de cada um.”

        Lá está a za-zie no zag zieg do diz e desdiz…

        Como diz o velho do restelo a zazie está certa porque “Je fais ma loi”. Ontem era assim que depois deixou de ser, porque nunca o disse. Agora reafirma aquilo que ontem negou ter dito.

        Liked by 1 person

      • 16 Fevereiro, 2020 19:07

        “E a sociedade muito menos. Porque a sociedade não deve delegar em políticos o que é sua base moral ancestral.”

        E o que é que foi a instituição da igreja católica dona zazie ? As ordem e a autoridade moral não vinham também por decreto e por decisão das altas instancias e dos seus concilios.
        Também era “jacobina” quando andava a destruir os locais sagrados pre-cristãos construindo-lhes igrejas em cima e à caça de quem não lhes seguisse as normas ? Qual era a diferença entre o “jacobinismo” da guilhotina e os seus anos de terror, e o “jacobinismo” dos autos de fé da inquisição e da salvação das almas pelo fogo ?

        Não foi cristo que quebrou com a moralidade do antigo testamento, que lhe custou o ódio e a perseguição dos que a queriam preservar ? A escravatura sempre foi condenada ?
        A moralidade romana era igual à da cristã ?
        A moral do antido testamento é a mesma que do novo ?

        Portantos, de que raio a zazie está a falar quando fala de “sociedade” e da sua base moral ancestral” ? Sociedade , qual sociedade ? Moral ancestral, qual delas?
        Diz que a sociedade não deve delegar a politicos, mas e aos padres e bispos já podia ser ?

        Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 22:45

        Portanto: defendem que, em nome da Ciência e sob junta médica, os médicos possam tirar a vida, porque a Ciência está tão avançada que lhes dá esta oportunidade, só não dá a de aliviar sofrimento por meio farmacológico.

        E então um suicida que está a sofrer tanto que sobe a um andar alto (já assisti na torre de Edinburgo) porque está com ideias e não se decide logo.

        Vai lá o médico dar o empurrão ou o bombeiro?

        Gostar

      • 16 Fevereiro, 2020 23:58

        Portantos a anti-cientoina zazie agora já acredita na maravilha romântica da ciência, e que é possivel em nome da magia da santa ciência “aliviar” o sofrimento por meio farmacológico…
        MAs nos já sabemos, a zazie tem estorias, e mais ninguem as tem…

        Gostar

      • 17 Fevereiro, 2020 16:42

        Olha aqui, ó analfa mija-nos-finados- qual é o étimo de “estórias”?
        Que merda de palavra é essa?

        Vai beijar o cu ao demo que o teu problema é orfandade mística.

        Gostar

  8. Mario Figueiredo permalink
    15 Fevereiro, 2020 21:46

    E se a eutanásia voltar a ser chumbada pela segunda vez, cá estaremos todos para a levar a votos na próxima legislatura. É até passar…

    A vontade do povo num país com mais de 50% de abstenção nas legislativas não interessa, Mas tão pouco interessam os actos legislativos anteriores. É assim como a Grécia, mas no nosso caso nem é preciso ir a referendo para o ignorar.

    Liked by 1 person

    • Carlos Rosa permalink
      15 Fevereiro, 2020 22:08

      Pois, isto aqui não é o Reino Unido. Lá a Democracia é a sério. É Brexit, é Brexit. OK?

      Aqui é uma pouca vergonha. E o André Ventura é que é mau por dizer as verdades.
      Os de Esquerda podem dizer todas as falsidades e poucas vergonhas que é sempre uma gracinha do politicamente correto. O Ventura não. Alto lá que é de Extrema-Direita.
      Continuem assim esquerdolas politicamente corretos. Digam mal do Ventura do Bolsonaro e do Trump que Portugal precisa de vocês assim para elegermos mais depressa e em terceiro lugar o primeiro da lista.

      Gostar

  9. 15 Fevereiro, 2020 22:03

    “sairia caro porque hoje apenas uma ínfima percentagem dos cuidados paliativos necessários é assegurada pelo SNS…”

    Esta afirmação que acabou de fazer é o que se chama em politiquês, uma “não verdade”…

    Já o constante oportunismo de tentar convencer os ingênuos, de que é na gestão tecnocrática do estado, que se encontra o pecado original, e que é na estrita vontade de lucro dos mercados onde se encontra a solução moral. Soa apenas a panfletarismo rasco libero/anarcocapitalista .

    Gostar

    • Tiro ao Alvo permalink
      16 Fevereiro, 2020 09:09

      O MG pensa que o SNS oferece, a todos os cidadãos em agonia, os cuidados paliativos adequados? Se pensa que sim, está muitíssimo enganado. Faltam muitas camas e muitos profissionais da saúde para termos cuidados paliativos para todos os necessitados, cada dia mais necessários – a população está a envelhecer.
      Porque é que os técnicos e os burocráticos que vão ser necessários para fazer eutanásias não são desviados para serviços de cuidados paliativos, evitando que os doentes e as suas famílias entrem em desespero?

      Liked by 1 person

    • 16 Fevereiro, 2020 13:53

      Isto é o que se chama dar um tiro ao lado. Com esta sua zarolhice, assim fica difícil acertar no alvo…
      A capacidade com que vocês da direitêlha interpretam o que não é escrito nem dito, e distorcem aquilo que lêem. Começam a competir ao mesmo nível cognitivo de irracionalidade histerica enquanto grupêlho politiqueiro, que os vossos adversários esganiçados possuídos.
      Regule a pontaria e tente novamente.

      Gostar

    • Velho do Restelo permalink
      16 Fevereiro, 2020 18:19

      E só não é mais caro porque depende em grande parte do Voluntariado!
      Olaré, ainda por estes dias alguém dizia que eram precisos mais voluntários para “melhorar” a capacidade de resposta dos paliativos !

      Gostar

    • 16 Fevereiro, 2020 18:24

      Alguém escreveu: “sairia caro porque hoje apenas uma ínfima percentagem dos cuidados paliativos necessários é assegurada pelo SNS…”
      O MG ripostou: “Esta afirmação (…) é o que se chama em politiquês, uma “não verdade”
      Eu escrevi: O MG pensa que o SNS oferece, a todos os cidadãos em agonia, os cuidados paliativos adequados? Se pensa que sim, está muitíssimo enganado.
      No Público de hoje, página 5, noticia-se: “Há doentes que esperam seis meses por uma consulta de cuidados paliativos”.
      Em resultado o MG vem chamar-me zarolho e direitolas. E acusar-me de distorcer aquilo que escreveu.
      Que se há de fazer?

      Gostar

  10. Carlos Guerreiro permalink
    16 Fevereiro, 2020 11:53

    Faz-me confusão esta conversa de matar o doente que já não tem esperança de vida e/ou vive em sofrimento, sem discutir a situação que o pode ter levado a esse estado.
    Quantas vezes o estado de saúde do doente agrava-se para além do ponto de reversibilidade porque o ventilador que está inoperacional por causa da falta uma peça que o hospital não compra há meses porque não tem verba, por não ter sido feito o exame complementar no devido tempo que ira fazer o diagnóstico (também aqui, muitas vezes por aparelhos estarem avariados a aguardar disponibilidade de verbas), por causa de longas listas de espera para consultas ou cirurgias.
    Estivesse o SNS a funcionar correctamente e a manter vivos, e com qualidade, os que querem viver e de certeza seriam muito menos os potenciais candidatos à eutanásia. Ou talvez não tendo em conta o número de “eutanásias”, contra a vontade do próprio (afinal está em lista de espera porque quer tratar-se), que o SNS já pratica com as suas longas listas de espera para tudo.

    Gostar

    • Velho do Restelo permalink
      16 Fevereiro, 2020 18:07

      Se isso lhe faz confusão, imagine a confusão que não fará a um doente imobilizado numa cama, sem qualquer esperança de cura, e com uma tremenda vontade de largar esta vida para iniciar a outra que lhe prometeram no além (sim ele até é crente), ao saber que uns quantos idiotas andam por aí a querer decidir por ele, e a engonhar com a tanga dos paliativos !
      Concordo na generalidade com a análise do Telmo, e acrescentaria :
      » Ainda que os paliativos funcionem exemplarmente.
      » Ainda que a medicina evolua ao ponto de tornar curáveis todas as doenças degenerativas e cancerosas que hoje nos preocupam.

      A eutanásia não tem de ser criminalizada, mas sim devidamente regulamentada !
      Mesmo que tudo funcionasse na perfeição, há uma coisa que vai falhar com regularidade:
      » Vai continuar a haver crises, cada vez mais frequentes, e quando não há dinheiro é necessário estabelecer prioridades.

      Até parece que não vimos já esse filme, mas os profissionais da “manipulação” querem é vender o “peixe podre” de quem os sustenta !
      Claro, quem tem dinheiro vai lá fora. Seja para tratar da saúde, ou para se livrar da gravidez indesejada (discretamente), e porque não para se livrar da própria vida ?

      Gostar

      • Carlos Guerreiro permalink
        16 Fevereiro, 2020 19:48

        “e com uma tremenda vontade de largar esta vida para iniciar a outra que lhe prometeram no além (sim ele até é crente)”

        Não me parece que seja muito crente, caso contrário saberia que se atentar contra própria vida, o lugar que lhe vai ser reservado é bastante aquecido, e vai ser para a vida eterna. Talvez um pouco de sofrimento na vida efémera seja vantajoso para obter alguma glória para a vida eterna… Isto sou eu a pensar sem confusões.
        Continuo a dizer o SNS deve concentrar os recursos nos vivos que querem viver, para que vivam com qualidade na saúde e com o mínimo sofrimento na doença. Quem se quer matar, crie o SNM (Serviço Nacional da Morte) sem retirar fundos ao SNS.

        Liked by 1 person

      • 17 Fevereiro, 2020 09:17

        Mas se a questão é só essa (o SNS), por mim temos acordo.
        Mas por uma questão de coerência, tirava do SNS (e de qualquer serviço pago pelo estado) o apoio às doenças aditivas ! Sim também não gosto de ver o dinheiro dos meus impostos gasto com viciados em coca, álcool …
        As pessoas são livres, tomam as suas opções devem assumir as consequências !

        Gostar

  11. 16 Fevereiro, 2020 12:28

    dado o bolo contribuinte ser limitado cabe perguntar aos que ganham para redistribuir quanto querem orçamentar para manter moribundos vivos no sns . devemos afectar os recursos aos que estão doentes com vida ou aos quase mortos?
    nada a opor que ricos sustentem anos quem eles quiserem no estado vegetal , gastem o dinheiro onde quisere ,não temos nada a ver com isso , com dinheiro públicos temos..

    Gostar

    • sam permalink
      16 Fevereiro, 2020 20:43

      Estás a confundir o desligar das máquinas com a eutanásia?

      Estás a confundir a recusa da obstinação terapêutica com a eutanásia?

      Sabes mesmo do que estás a falar?

      Liked by 1 person

      • 17 Fevereiro, 2020 16:45

        É mais um caso de trauma pessoal familiar.

        Acha que lhe deviam ter morto o pai e agora quer que os médicos passem a matar pais e mães dos outros.

        A marina não sabe o que diz. Acredita que as gerações se renovam se os velhos morrerem mais cedo.

        Estranho é não lhes nascer filho mesmo morrendo-lhes avós e o que mais restar de ascendência.

        Gostar

  12. 16 Fevereiro, 2020 21:31

    “Do ponto de vista do governo e do estado, para gestão das finanças públicas, é muito mais simples e fácil de executar.” Bastava ficar por aqui.

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: