Saltar para o conteúdo

No Country For Middle-Age Men

1 Setembro, 2020

Recentemente tive uma epifania. Só é possível sobreviver nesta era deixando tudo para viver como vagabundo de praia. Metaforicamente, e não só.

Encontro-vos de volta quando cá chegarem.

9 comentários leave one →
  1. voza0db permalink
    1 Setembro, 2020 18:39

    Esquece a Praia… Se a escumalha da bófia te apanha na Praia vais directo para a cadeia.

    Liked by 2 people

  2. Weltenbummler permalink
    1 Setembro, 2020 18:47

    dirigentes na Arca de Noé

    Gostar

  3. carlos rosa permalink
    1 Setembro, 2020 23:37

    Como é que era aquela cantilena do far west?
    Ajudem-me lá a cantá-la.

    A caminho da Califórnia,
    vai um carro sem travões,
    o chauffer sem cuecas,
    e o cavalo sem………..

    Mas com uma letra mais atual:

    A caminho da bancarrota,
    vai a geringonça sem travões,
    o Costa encurralado,
    e o Marcelo sem colhões.

    Liked by 2 people

  4. 1 Setembro, 2020 23:44

    Vitor, depende da tez, orientação sexual e religião do homem de meia idade.
    Mas ser vagabundo de praia é uma ideia que me apraz!

    Gostar

  5. 1 Setembro, 2020 23:49

    Espetacular Vítor, devo dizer-lhe que enquanto vagabundo de praia ficará mais distante dessa luz do conhecimento médico que é o blogue do seu amigo… É um grande risco, homem!

    Gostar

  6. P&V permalink
    2 Setembro, 2020 09:11

    Isto não é para velhos ou novos ou todos no meio é apenas país para as girls e para os boys.

    Gostar

  7. lucklucky permalink
    2 Setembro, 2020 12:48

    O melhor é comprar um barco e poder mudar do totalitarismo marxista.

    Gostar

  8. Pedro Cruz permalink
    13 Setembro, 2020 00:05

    Por coincidência, ou talvez não, dado o «ar do tempo», tenho pensado noutra semelhante…: no antigo monaquismo sob a regra de S. Bento numa Europa em escombros. Porém, dada a manifesta falta de potenciais confrades, só me ocorreu o dos anacoretas do deserto, solitário e ainda mais rigoroso e antigo. Entretanto, fortuitamente, deitei-me a ler Thaïs, magnífica obra do Anatole France (que hoje poucos leitores apreciarão e compreenderão), e vi que não seria empresa fácil, nem destituída de sérios desafios. Para incréus, a vida dos antigos cínicos, como Diógenes seria, também, uma possibilidade, esta susceptível de ser adoptada em meio urbano; género vagabundo de avenida, não de praia.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: