Saltar para o conteúdo

Explicações urgentes

30 Abril, 2021

A sociedade gestora do ZMAR não só viu requisitado o mesmo ZMAR como é obrigada a assegurar os serviços necessários ao funcionamento do empreendimento em condições de higiene e segurança. Para percebermos o que levou o Governo a lesgislar desta forma brutal é urgente saber porque recusou a sociedade gestora do ZMAR o acordo que lhe foi proposto pelo Governo.

Experimente-se ler o Despacho n.º 4391-B/2021 colocando no lugar de ZMAR uma propriedade nossa e percebe-se que temos mesmo de perceber pq falharam as negociações.

O «ZMar Eco Experience», sito na Herdade A-de-Mateus, em Longueira-Almograve, Odemira, é um estabelecimento que apresenta as condições aptas e adequadas para a realização de confinamento em isolamento por pessoa a quem o mesmo tenha sido determinado pelas autoridades de saúde.

A situação epidemiológica, particularmente grave no município de Odemira, bem como a falta de acordo com a sociedade comercial supra indicada, fundamenta que, por razões de interesse público e nacional, com caráter de urgência se reconheça a necessidade de requisitar temporariamente o «ZMar Eco Experience» e os respetivos serviços,

(…)

3 – É decretada a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional, da totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes que compõem o empreendimento «ZMar Eco Experience», sito na Herdade A-de-Mateus, em Longueira-Almograve, Odemira.

4 – A declaração de requisição abrange a prestação de serviços necessários ao funcionamento do empreendimento em condições de higiene e segurança.

5 – A requisição é válida enquanto a declaração da situação de calamidade for aplicável ao concelho de Odemira.

6 – A operação do empreendimento objeto de requisição compete ao município de Odemira, com o apoio da autoridade de saúde e do responsável da segurança social territorialmente competentes.

7 – O pagamento de indemnização pelos eventuais prejuízos resultantes da requisição, calculada nos termos do Código das Expropriações, com as necessárias adaptações, é responsabilidade do Ministério das Finanças.

19 comentários leave one →
  1. FreakOnALeash permalink
    30 Abril, 2021 11:01

    E croissants quentinhos e sumo de laranja para o pequeno almoço todos os dias, senão têm de se haver com a (in)Justiça!
    Não havia nenhum equipamento público para usar!? Tendas de campanha!? Nada!? Têm mesmo de ser propriedade privada…a bandalheira dos okupas em Espanha em breve a escalar em Portugal!
    Vota esquerda…mas é melhor não teres casa própria ou carro, senão um dia apanham-te!

    Gostar

  2. André Silva permalink
    30 Abril, 2021 11:47

    Venezuela, here we come!

    Gostar

  3. rogerio alves permalink
    30 Abril, 2021 11:50

    E, já agora, quem são tais pessoas com necessidade de isolamento fora das suas habitações por razões de salubridade? Sem querer tentar caracterizar com mais pormenor tais pessoas, deixo outra pergunta: Não serão daquelas pessoas que (como é hábito) deixarão as instalações do ZMar totalmente destruídas?

    Liked by 1 person

    • 30 Abril, 2021 17:34

      Em principio serão imigrantes nepaleses; como em Vila Nova de Milfontes quase toda a gente lhes aluga casas (conheço pessoas que reclamam disso, que por causa dos nepaleses é dificil alugar casa em Milfontes) suspeito que não sejam muito de destruir coisas

      Gostar

  4. Luís Lavoura permalink
    30 Abril, 2021 11:56

    Coisas similares já foram feitas em diversos países europeus, em que os Estados requisitaram os serviços de hotéis para neles alojarem pessoas em quarentena.

    Gostar

  5. Luís Lavoura permalink
    30 Abril, 2021 11:59

    Não vejo o que isto tenha de especial. O ZMAR é um hotel. Esse hotel até estará provavelmente, neste momento, com pouca clientela. O hotel foi requisitado pelo governo para nele alojar, em condições de perfeita segurança, pessoas que são postas em quarentena. O mesmo já foi feito em diversos outros hotéis, em Portugal e no estrangeiro, durante esta epidemia. Qual é o espanto?

    Gostar

    • Paulo permalink
      30 Abril, 2021 15:04

      Nenhum, nos dias de hoje nenhum. É tudo nomal.

      Liked by 1 person

      • chipamanine permalink
        30 Abril, 2021 16:36

        Paulo. Por isso é que ele usou a palavra “similares”. Percebeu como se “torce” a linguagem para dizer coisas diferentes?. Todos os casos na Europa , os tais “similares” foram fruto de acordo e alguns deles até propostos pelos próprios e a requisição ( figura jurídica) permite indemnizar/pagar os respectivos proprietários. No caso do Zmar há realmente uma unidade hoteleira mas uma boa parte dele é de proprietários privados (casas) a que o governo nem sequer deu cavaco e se propõe invadir e alojar os migrantes que trabalham em estufas em condições (palavras do senhor Costa) “de hiperlotação e de condições de salubridade infra-humanas”.
        O senhor Costa ( o governo) tal como muitos “Luíses” nunca tinham reparado nessas tais condições infra-humanas antes da requisição mas agora serve para “justificar” a ocupação selvagem por parte do estado.
        Ainda dizem que o Chega e o BE são extremistas?

        Liked by 1 person

    • Mario Figueiredo permalink
      30 Abril, 2021 15:04

      Diga quais.

      Todos os casos que conheço na Europa resultaram de acordos entre os respectivos governos e os hotéis. Alguns desses acordos foram sem qualquer compensação e foram os hotéis que se ofereceram para receber estas pessoas. Em nenhum caso que conheço na Europa os governos requisitaram o serviço de hotéis contra a sua vontade.

      Liked by 1 person

    • Expatriado permalink
      30 Abril, 2021 16:20

      Fala em hotel e o pessoal imagina um edifício vertical. Aqui não é tal coisa como se vê nestas fotos

      https://www.google.pt/search?q=zmar&client=safari&hl=en-gb&prmd=imnv&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=2ahUKEwi9o_veoKbwAhXYDmMBHa1QAXQQ_AUoAXoECAIQAQ&biw=375&bih=635&dpr=3

      Nunca mais será a mesma coisa depois da ocupação selvagem.

      Gostar

  6. Weltenbummler permalink
    30 Abril, 2021 15:12

    atrasados 125 anos
    René Bazin in Terre d’Espagne
    Saint-Sébastien, 12 septembre 1894
    Nous sommes bien quatre-vingts voyageurs, à la file indienne, gardés à vue dans une salle. Nous passons devant lui. Il nous demande d’où nous venons. J’étais prévenu. Je lui montre un billet d’Hendaye. Il me regarde, ne me trouve pas tout à fait l’air d’un Basque, n’en dit rien, et me délivre un papier, sur lequel il affirme que je ne présente aucun symptôme de choléra. Une petite note, au bas de la signature, me prévient que cette « patente de santé » doit être remise, dans les vingt-quatre heures de mon arrivée, à la mairie de
    Saint-Sébastien, afin qu’on puisse me visiter pendant six jours, et que j’encours, en cas de
    contravention, une amende de quinze à cinq cents francs

    Gostar

  7. 30 Abril, 2021 18:04

    Eu interpreto como preparação para campos de concentração para os não covideiros.

    Gostar

  8. lucklucky permalink
    30 Abril, 2021 18:11

    A tirania do regime alastra.

    Gostar

  9. voza0db permalink
    30 Abril, 2021 21:34

    Queimem… Problema resolvido!

    Mas de resto não vos preocupeis ESCRAVOS BOÇAIS porque o ESTADO vos recompensará!

    7 – O pagamento de indemnização pelos eventuais prejuízos resultantes da requisição, calculada nos termos do Código das Expropriações, com as necessárias adaptações, é responsabilidade do Ministério das Finanças.

    Gostar

  10. marão permalink
    1 Maio, 2021 07:54

    Entre outros, como os palácios de Belém, da Ajuda ou S.Bento, a cidade desportiva de Oeiras, o aeroporto de Beja ou a quinta com cavalos do BdP não serviam?
    Nem as casas em Lisboa dos politicos que tem morada declarada lá na santa terrinha?

    Gostar

  11. Desalinhado permalink
    1 Maio, 2021 08:24

    Empresários agrícolas sem escrúpulos contratam imigrantes ilegais aos magotes, na busca selectiva de mão-de-obra escrava, sem preocupações adicionais em lhes proporcionar condições mínimas de habitação. E qual é a resposta do Governo?
    Em vez de agir com firmeza contra este abuso e prepotência, encerrando todas as explorações agrícolas que estejam nestas condições e expulsando do país estes trabalhadores ilegais, ao invés, fecha os olhos e assobia para o lado, porque também ele é cúmplice e conivente com o paraíso esclavagista que assentou arraiais um pouco por todo o Alentejo.
    Uma má política não se resolve com más soluções, e esta ideia estapafúrdia de se avançar com ocupações selvagens para acudir ao desgoverno deste socialismo defunto, mostra bem como descemos tão baixo nos valores da liberdade e da democracia.
    Continuo a dizer, sem quaisquer sofismas ou hesitações, que há hoje mais motivos para se fazer uma revolução do que havia em Abril de 1974.
    A ditadura socialista e maçónica que tomou conta dos nossos destinos desde então, irá fazer de Portugal o país mais pobre e atrasado da Europa, onde só a corrupção e o desmando terão terreno fértil para crescer.
    Como te gabo, ó povo, por ainda insistires em ser digno e honrado, apesar da indecorosa máfia que te governa.

    Gostar

    • A.Lopes permalink
      1 Maio, 2021 17:38

      Quanto eu gostava de ser brilhante nos meus comentários como o “Desalinhado”! Parabéns!!

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: