Saltar para o conteúdo

A requisição da salada de frutos vermelhos

2 Maio, 2021

Neste 1º de Maio, enquanto em Lisboa desfilava o cortejo de recriação histórica a que se chama Dia do Trabalhador (cortejo esse que tem a particularidade de ser integrado por pessoas que na sua maioria pouco ou nada trabalharam), no Alentejo, onde os imigrantes substituíram as ceifeiras, tornava-se evidente que os frutos vermelhos não caem do céu. Ou que os vegetais não são cultivados por famílias com trajes regionais mas sim por nepaleses, paquistaneses e vietnamitas. As condições de alojamento ou mais exactamente a falta delas há muito que fazem desses alojamentos um local de risco. Logo que começou a pandemia foi visível que Odemira representava um risco agravado para a propagação do vírus. Não só não se trabalhou de forma a prevenir como, logo em 2020, nos garantiram existirem em Odemira 500 lugares para quarentena. Nenhum dele era no Zmar. Porquê requisitar agora em 2021 o Zmar? Porque o ministro Cabrita aposta no estardalhaço quando falha.

No fim a factura segue para o grupo do costume: os contribuintes. Os tais que vão ter de pagar o alojamento dos imigrantes no Zmar, as indemnizações aos proprietários do dito Zmar e, cúmulo dos cúmulos, o ordenado ao ministro Cabrita.

16 comentários leave one →
  1. Mário Marques permalink
    2 Maio, 2021 17:47

    Helena Matos, desculpe-me mas discordo de si, pois os nepaleses não são trabalhadores, acha que eles estão filiados na intersindical?, ou que são artistas de esquerda?, que são activistas ou pessoas que adoptam crianças pobrezinhas de África?, nada disso, é que essas pessoas que imigram (sazonalmente?) do Nepal, que nem sequer são negros, ou ciganos, não são trabalhadores politizados esclarecidos como o pessoal que marcha na Av. da Liberdade, de cravo ao peito e de boina à Che Guevara, pessoas que não têm tempo para trabalhar.

    Gostar

  2. Weltenbummler permalink
    2 Maio, 2021 18:12

    só os machos são cozinhados
    há quem ‘faça uns cabritos’
    as cabritas são para reprodução

    Gostar

  3. Mauritano permalink
    2 Maio, 2021 18:23

    Entre o que nos tocará pagar, aquilo que custa (doi) mais, é ter que pagar o ordenado da figura que representa o expoente máximo da incompetência.

    Gostar

  4. JgMenos permalink
    2 Maio, 2021 18:58

    A ‘dignidade’ está arvorada em tudo menos no que deve significar.
    Trabalho temporário/ uma camarata como local para dormir ? Logo acorre a ameaça à dignidade…

    Gostar

  5. marão permalink
    2 Maio, 2021 19:40

    Com Cabrita, sem ele e com ou sem todos os outros assalariados da quinta socialista, a resultante das bandalheiras carregam sem cessar em cima do manajeiro Costa.
    Que lá vai saltitando de charco em charco sem que ninguém se mostre capaz para lhe tolher as escapadelas.

    Liked by 1 person

  6. Expatriado permalink
    2 Maio, 2021 19:48

    Aqui vai mais uma vez:

    “Está em curso uma operação igual à que acontece nos países árabes do Golfo no que respeita a mão de obra do subcontinente indiano. Precisam de gente? No problem. Agentes indianos encarregam-se de angariar os desgraçados com uma proposta do eldorado (neste caso com o isco de um passaporte europeu) e aí vêm eles aos montes.
    Como chegam cá? Vêm de avião, barco ou através da fronteira?
    Qual o estatuto legal dos agentes (indianos e outros) residentes em Portugal? As empresas estão registadas e pagam impostos? Até agora não li ou ouvi dizer que a ASAE tenha feito qualquer operação de fiscalização a estas empresas.
    Quem garante que esses trabalhadores, supostamente temporários, saem de Portugal no fim do contrato?
    Quem investiga o teor dos supostos contratos?

    Posso-vos garantir que, no Algarve, há imensos apartamentos comprados por indianos onde se amontoam muitos indivíduos que passam os dias a passear (sempre pelo menos aos pares) e a falar ao telemóvel. Quem os sustenta? É que… são milhares deles.

    Quem se lembra de, no início da pandemia, ter havido uma pressa enorme em “regularizar” todo o “imigrante” que aparecesse no SEF (em Algezur)?

    Meus caros… continuem a dormir na forma contentes com o aumento de 10 euritos de aumento nas pensões e depois não se queixem.”

    Liked by 2 people

    • Oscar Maximo permalink
      2 Maio, 2021 22:16

      Ninguém os sustenta. Cada um paga 2000 euros, para arranjar um contrato num mini-mercado indiano, para obter o cartão de residência, para dar o salto para outro país europeu.

      Gostar

      • Oscar Maximo permalink
        2 Maio, 2021 22:20

        Cada mini-merrcado pode contratar dois trabalhadores, por coincidência um desses pares ! Isto sim, é que é pagar para trabalhar, e dar um lucro de 4 mil euros num ano. Passado o qual, virão outros dois.

        Gostar

      • chipamanine permalink
        3 Maio, 2021 07:20

        Isso é agora porque eu conheci um caso de um quiosque na baixa onde nem uma pessoa cabia, que tinha sete funcionários kkkkkkk. Além de pagarem ao “patrão” indiano a “taxa de inscrição” tinham de pagar a Seg Social todos os meses para ao final do ano poderem ter o cartão de residente. Agora está um pouco mais limitado, o que levou a que muitos “empresários indianos” tivessem também a sua “quota de mercado” mais “democraticamente”.

        Liked by 1 person

  7. Expatriado permalink
    2 Maio, 2021 19:51

    Ainda no seguimento do meu último comentário.

    “Todos iguais mas alguns ungidos mais iguais que os outros.

    https://observador.pt/2021/05/01/covid-19-governo-garante-direitos-dos-imigrantes-com-processos-pendentes/

    E ninguém diz/faz alguma coisa. Têm o que merecem.“

    Gostar

  8. 2 Maio, 2021 20:10

    A Helena está a transformar num drama aquilo que é, claramente, uma oportunidade de negócio; criar parques de contentores habitacionais, certificados, e pô-los à disposição dos emigrantes paquistaneses, nepaleses, e migrantes internos portugueses.
    De Almograve a Algezur (tudo “Al”, note-se) foram identificados 199 contentores habitação considerados conformes à salubridade mínima exigida nos países da UE.

    Porém aqui no Blasfémias, assiste-se ao carpir de mágoas por causa da burocracia, e de outros entraves ao livre estabelecimento de empresas por parte de empresários portugueses. Nenhum desses que se queixam lançou mãos à obra de transformar o sol, a água, e o trabalho de migrantes em frutos e hortaliças de alto valor acrescentado.

    Nenhum desses vai arregaçar as mangas e criar parcerias com as empresas de estufas criando parques de contentores habitacionais que resolvam o problema de que se trata aqui.

    Na prática o que se defende aqui é a intervenção de Estado a título gratuito para os trabalhadores e empresários. Defendem que quem deve pagar a fatura deve ser o Estado!!! mais uma PPP.

    É de prever que um ou mais empresários holandeses, alemães, ou outros estrangeiros venham colmatar a lacuna que existe, e os potenciais empresários portugueses ficam mais uma vez cheios de inveja do dinheiro que eles vão ganhar, e mais uma vez vão culpar o estado pela solução que foi encontrada.

    Gostar

    • chipamanine permalink
      3 Maio, 2021 07:37

      De prever teria sido que os “empresários indianos” comprassem muitas “habitações” nos concelhos e freguesias nas redondezas. Também é de prever que ao preço que cobram amontoando as pessoas e que muitas delas lhes devem a “taxa de traficância” os ditos “clientes” para os supostos contentores nem apareçam. Quantos holandeses e alemães já investiram em contentores? Os que existem são de alguns empresários agricolas ou em parceria com outras empresas apenas porque não tem alternativa no local e assim dispõem de mão de obra que quase nem sai do local estendendo assim a jornada de trabalho para 10/12 horas.
      A tudo isto a esquerda fecha os olhos. Porque a Câmara de Odemira é socialista e suportada pelo PCP-PEV que “nunca viram” o que lá se passa.
      Mas nada é por acaso. A esquerda adora estes “programas de importação” de mão de obra escrava de forma a poder baixar as expectativas dos trabalhadores nacionais que exigem, vejam lá o desaforo, condições condignas e contratos de trabalho. A CGTP não aparece lá. O BE sempre pronto a mandar umas patacoadas sobre tudo e sobre todos nem abre o bico.
      A eterna e sempre presente hipocrisia esquerdopata que depois ainda vem com “oportunidades de negócio” descobrindo a pólvora.

      Liked by 2 people

  9. LDM permalink
    2 Maio, 2021 20:14

    O Comunismo já chegou a Portugal?

    Gostar

  10. voza0db permalink
    2 Maio, 2021 22:29

    Divertido… Usar uma FALSA PANDEMIA sustentada via RT-PCR para agora fazerem de conta que estão preocupadinhos com escravos boçais de outras bandeiras!

    Enquanto isto o Glorioso CDC amerdicano já deu ordens aos laboratórios para só fazerem RT-PCR com Ct <=28 ao pessoal que foi infectado artificialmente (vacinados!) por forma a que raramente tenham “positivos” em animais vacinados… Assim temos a CERTEZA de que a vacina milagrosa funciona!

    Cá no Feudo podemos fazer o mesmo que fizeram ao Cristiano Ronaldo… Basta também fazerem NOVOS PCR com Ct <=28 aos escravos estrangeiros que o “surto” desaparece de Odemira num ápice… Se não funcionar com Ct 28 reduzir até dar “negativo”…

    O CR7 é que sabe!

    Gostar

  11. Desalinhado permalink
    3 Maio, 2021 09:22

    Quem “cabritas” aguenta e remodelações não faz, só pode ser por birra e obsessão de um governo de todo incapaz.
    A incompetência deste ministro já é certamente mais conhecida que a açorda e os coentros alentejanos e, quiçá, até que as cagarras do Cavaco Silva.
    Portugal passou a ser o paraíso europeu que recebe de braços abertos cidadãos ilegais e vai fechando os olhos a políticas laxistas que estimulam a ilegalidade e a anarquia.
    A reforma agrária no Alentejo já não é feita à jorna pelas mondadeiras e mandondeiros alentejanos.
    Nas herdades do Vale Fanado, outrora terras ricas em trigo e gado, como dizia a canção, há agora ranchos de nepaleses, vietnamitas e paquistaneses, na apanha maciça de frutos vermelhos, essencialmente para exportação, com a excepção de algumas caixas de framboesas que foram avistadas em Moreira de Cónegos para oferta.
    Toda esta situação deve estar a preocupar o partido comunista português, sobretudo Jerónimo de Sousa, que além de estar a ver diminuído o contingente humano para recrutar para as fileiras do partido e da CGTP, corre o risco de perder cada vez mais a sua influência no Alentejo que, na verdade, já não é vermelho, pois a única coisa que ainda o é, são pelos vistos os frutos vermelhos que por lá se colhem.
    Já não há Catarinas Eufémias nem reformas agrárias, e a dor de Baleizão é agora a realidade dolorosa de Odemira.
    O Cante Alentejano, reconhecido como património cultural imaterial da humanidade, pela Unesco, será um dia substituído pelo dohori, da música tradicional do Nepal, ou até pelos dhrupads, da música hindustani, e o passarinho que se ouvia às quatro da madrugada, cantando lindas cantigas à porta da sua amada, remete-se ao silêncio da sua própria extinção, como o primo priolo afastado nos Açores, apelando em cantos melancólicos de súplica que haja alguém que os defenda e salve.
    Razão tinha o Eça quando dizia, “que os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”.
    É que já não se suporta este cheiro e esta prepotência!

    Liked by 2 people

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: