Saltar para o conteúdo

A ler

14 Fevereiro, 2022

Este texto do João Gonçalves sobre o CDS. O JG tem memória e esteve lá, nesse momento de 2013 em que o irrevogável foi revogado e começou a desenhar-se aquilo que João Gonçalves define como “desgraça do CDS”. O João Gonçalves tem razão. Ele estava lá: «Temos de recuar a 2 de Julho de 2013. Recuo com facilidade porque estava lá. Nesse dia, o então líder do CDS, e ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, desligou os telefones e fez saber que estava “irrevogavelmente” demissionário. Depois da comezinha distribuição dos “lugares” a que esse líder deu toda a importância no início do XIX Governo Constitucional, enquanto MNE começou a desenvolver uma espécie de “diplomacia económica paralela”. Alguns membros do Governo da área da Economia que o acompanharam nessa altura lembram-se bem do exercício, do caricato de certas situações. Da América Latina a África, o homem não parava. Mesmo assim, queria a Economia, de que obteve a “coordenação” enquanto vice-primeiro ministro ex-“irrevogável”. O “delegado” escolhido para a Horta Seca era um amável empresário do CDS, que sucedeu a Álvaro Santos Pereira, alguém permanentemente armadilhado no Governo.»

5 comentários leave one →
  1. João Brandão permalink
    14 Fevereiro, 2022 17:06

    “… Mesmo assim, queria a Economia, de que obteve a “coordenação” enquanto vice-primeiro ministro ex-“irrevogável”. O “delegado” escolhido para a Horta Seca era um amável empresário do CDS, …”
    Seria interessante saber o que estas duas figurinhas, o tal “ex-irrevogável”, o outro “escolhido para a Horta Seca” e mais um outro que aqui não é referido, um certo liberal, mas amigo de socialistas, andaram a fazer nos idos de dois mil e poucos e … o que terão em comum.

    Gostar

  2. Maria permalink
    14 Fevereiro, 2022 20:22

    Pois, já era de esperar. Por vários motivos que não vêm ao caso, mas sobretudo desde a “demissão irrevogável” e imediatamente após recuperável, comecei a desconfiar da honestidade política deste senhor P.P. Sempre gostei do CDS desde o seu início, embora admiradora incondicional do PSD e votando sempre neste partido. Uns anos depois, embora o PSD continuar a ser o meu partido de eleição, só não me filiei no CDS (havia então neste partido personalidades que muito apreciava e ainda subsistem algumas que continuo a admirar) por familiares me terem aconselhado a esperar uns tempos… fiz bem. Caso não tivesse seguido esse conselho avisado hoje estaria arrependidíssima.

    Gostar

    • João Brandão permalink
      14 Fevereiro, 2022 23:24

      Porque será que parte daquela gente lá do cds, de convicções absolutamente sólidas, claro(!), vai (ou ia!) acabar as carreiras políticas no pêésse??

      Gostar

  3. Duarte de Aviz permalink
    14 Fevereiro, 2022 22:42

    Mas o quê?
    Não me digam que ninguém no jardim das grandoladas descobriu que o fim do CDS começou com as cenas do eterno adolescente Portas.
    A sério?
    Andam todos a dormir ou pensam que o meu pai é estúpido?
    É que o meu pai votava sempre no CDS. E vá lá saber-se porquê, nunca mais votou.

    Gostar

  4. Weltenbummler permalink
    15 Fevereiro, 2022 10:54

    morra partido, fique fama

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: