Skip to content

Se bem percebo

29 Julho, 2014

o PS considera Maria Luís indispensável pelo que certamente a convidará para permanecer na pasta das Finanças caso ganhe as legislativas.

Como é que isto se chama no sector privado?

29 Julho, 2014

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses revela um dado significativo: mais de 70% das câmaras andaram a empolar as receitas orçamentais nos dois últimos anos. Basicamente, os presidentes de câmara usam o truque mais velho do manual. Inscrevem milhões no Orçamento que deviam resultar da venda de património imobiliário quando sabem que dificilmente conseguem atingir esses valores tendo em conta a má situação do mercado. Porém, vale a pena correr o risco. Pelo menos no início mostram boas contas. Depois, a execução logo se vê.

 

Os burocratas da pobreza

29 Julho, 2014

Li e reli este artigo do PÚBLICO ONG dizem que “uma soma de medidas não é uma estratégia” contra a pobreza e não li nada sobre a pobreza.Encontrei sim uma activa burocracia da pobreza – planos, estratégias… – que luta para aumentar o seu campo de actuação: o Governo deve integrar nos “grupos vulneráveis” à pobreza “a categoria dos trabalhadores pobres”  Que quer aumentar o número dos seus  funcionários: o Governo deve apostar na figura dos mediadores e educadores de pares.  E que mostra preocupação com a concorrência entre si: Transfere-se para a sociedade civil responsabilidades mas não os meios. Além disso, importa saber para que tipo de sociedade civil serão transferidas as responsabilidades.  Fora isso não encontrei mais nada.

Aqui fica o artigo. Pode ser que outros tenham leituras mais inspiradoras. Ler Mais…

Uma questão de curiosidade

29 Julho, 2014

A malta que defende o casamento de pessoas do mesmo sexo com argumentos de direitos humanos já explicou como enquadra isso com o apoio ao Hamas?

Ricardo Salgado: danos colaterais

29 Julho, 2014

“Quem sabe, sabe e o Ricardo sabe.” - O impacto da detenção de Salgado na luta pelo poder dentro do PS. Tema do meu artigo de hoje no DE.

Não há apoios

29 Julho, 2014

Génio do Euromilhões precisa de dinheiro

O único português escolhido para ir aos EUA apresentar um projeto inovador pode ficar em Braga por falta de dinheiro. Quer construir uma plataforma que aumenta 20 vezes a possibilidade de ganhar o Euromilhões. Nem a TAP lhe oferece a viagem.

Neste país não se apoiam os inovadores, é o que é. Se bem que, se a invenção é mesmo tão boa, não percebo porque não joga no euromilhões.

Só lido. Contado não se acredita

28 Julho, 2014

 O ARGUMENTO PODE SER DE DOIDOS MAS JÁ ESTÁ EM DIRECTIVA As associações de ciclistas defendem que os estragos causados por um acidente entre um veículo a motor e uma bicicleta devem ser pagos pela seguradora do motorizado, independentemente de quem é culpado e mesmo que o seguro seja agravado. A Federação Portuguesa de Cicloturismo considera que deve ser seguida uma directiva europeia denominada “responsabilidade objectiva”, que diz ser aplicada noutros países da União Europeia.

O ARGUMENTO MAIS FALSO DE TODOS  O presidente da federação, José Caetano, considera que, em caso de colisão entre os dois veículos, e ao abrigo desta directiva, deve ser activado o seguro do veículo motorizado como forma de “proteger os utilizadores da via mais vulneráveis, que são os peões e os utilizadores de bicicleta”.  (do ponto de vista do peão a bicicleta não é nada amigável)

O ARGUMENTO DA LUTA DE CLASSES: José Caetano alega ainda que a sinistralidade em Portugal é provocada pelos veículos motorizados, não por bicicletas, e que pedir aos ciclistas que tenham um seguro é uma questão que não pode ser levantada em tempo de crise. “Há pessoas que andam de bicicleta porque não têm dinheiro para um passe social ou para um automóvel, quanto mais para um seguro”, argumenta.

O ARGUMENTO DO TUDO AO MOLHO A VER SE NÓS É QUE NÃO PAGAMOS Para o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (Fpcub), o pagamento pelo seguro automóvel dos danos de um acidente causado por uma bicicleta tem ainda uma outra explicação. José Caetano acredita que se fosse obrigatório seguro para os ciclistas “também teria de ser obrigatório para os peões, já que [estes também] atravessam a via pública e usam passeios”.   

O ARGUMENTO HIGIÉNICO De acordo com o responsável da Fpcub, os problemas de sinistralidade devem ser “responsabilidade dos veículos motorizados, sejam eles motos, automóveis ou veículos pesados”, até porque “a utilização de bicicleta é boa para a saúde, ambiente e economia”.

O ARGUMENTO QUANDO SÃO OS OUTROS A PAGAR A MIM NÃO ME CUSTA NADA Para Mário Alves, representante da Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (Mubi), é natural que o seguro do automóvel seja agravado, mesmo quando a culpa é do ciclista, já que o carro “é bastante pesado e custoso para a sociedade”. “Mais um pequeno agravamento não parece que seja muito grave”, afirma.
O ARGUMENTO A VER SE PEGA O carro é “uma arma potencial”, frisa, acrescentando que “quem tem uma carta de condução, tem de ter responsabilidades para com aqueles que não têm”.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.318 outros seguidores