Skip to content

O Estalinismo está vivo

25 Julho, 2014
tags:

No passado dia 17 de Julho, o avião da Malaysian Airlines que sobrevoava o espaço aéreo ucraniano despenhou-se em circunstâncias que, apesar da suspeita de ter sido atingido, não estão ainda esclarecidas, provocando a morte a todos os seus ocupantes.

O voo MH-17 sobrevoava uma região marcada pela guerra desencadeada pelo regime no poder em Kiev que provocou já milhares de vítimas.
A trágica situação que vitimou os passageiros e tripulantes que viajavam neste avião, mesmo antes de concluída qualquer averiguação credível e num quadro de provocações recorrentes, está a ser aproveitada para promover a escalada da tensão na região e ao nível internacional, o que encerra perigos muito sérios para a paz na Europa e no mundo.

O esclarecimento rigoroso do que efetivamente ocorreu impõe-se, incluindo as razões que conduziram um avião comercial a sobrevoar uma zona de guerra e as causas que provocaram a sua queda.

Meus destaques. Original aqui.
O estalinismo está vivo.

Podemos falar de centros de excelência?

25 Julho, 2014

Um direito de resposta no Expresso levou-me a descobrir aquilo a que se chama investigação. Esta tese de mestrado – AMANDO VÁRI@S – INDIVIDUALIZAÇÃO, REDES, ÉTICA E POLIAMOR referida no site da Universidade Nove é sintomática dos caminhos daquilo que designamos como Ciências Sociais e Humanas

Esta tese tem como objectivo principal determinar se os utilizadores da mailing list alt.polyamory, ao verterem as suas experiências pessoais em texto, estão ou não a incidir em práticas queer de questionamento da normativização monogâmica e heterocêntrica, agindo como agentes auto-reflexivos que procuram cuidar de si (gnothi seauton) através da escrita (etopoiética) e leitura de si, ao invés de serem motivados pela tecnologia confessional; se, por analogia, o poliamor pode ser considerada como uma identidade queer. Dado que o poliamor é uma iteração da relação pura de Giddens, os desafios e contradições que apresenta colocam desafios específicos aos sujeitos, e necessitam de ser interpretados à luz das interacções entre dispositivo de aliança e de sexualidade. Recorreu-se também à elaboração teórica sobre a natureza das comunidades virtuais contemporâneas para contextualizar a recolha de dados. Para obter uma resposta, analisaram-se as trocas de emails iniciadas por utilizadores recém-chegados durante o ano de 2009, utilizando análise estatística, análise de conteúdo e análise de discurso. Os resultados apontam para uma diferenciação entre o grupo de recém-chegados e o grupo nuclear da mailing list, sendo que só os últimos mantêm, na lista, práticas potencialmente não-hegemónicas de subjectivação. O poliamor é então identificado como sendo, mais do que uma prática sexual, um posicionamento moral que envolve profundamente o sujeito na sua produção de si, e onde a parrhēsia (franqueza) é o principal elemento avaliativo da moralidade do sujeito poliamoroso. Esta parrhēsia é fundamental para a manutenção da autonomia do Eu, pelo que ela é oferecida mas também exigida do Outro; a equidade da relação de alteridade é fundamental para o sujeito que, sem o Outro, não se pode constituir como tal. Se tudo isto permite ao indivíduo questionar o horizonte de possibilidades daquilo que o constitui como sujeito, abre também a porta a uma possível hegemonização desta moral para todas as relações de intimidade.

Quer mesmo saber?

25 Julho, 2014

No Expresso Mariana Mortágua pergunta “E se Gaza fosse o País Basco?”  onde vem o argumentário do costume: os israelitas são responsáveis pelos seus actos e pelos actos dos palestinianos. Mas o que me interessa é mesmo o título E se Gaza fosse o País Basco? Se Gaza fosse o País Basco há muito tempo que franceses e espanhóis tinham acabado com o problema.  Pode ter a certeza. Certezinha mesmo.

A conversa informada e inteligente é outra coisa

25 Julho, 2014

A ouvir. E ver. Jaime Gama e Jaime Nogueira Pinto a conversar sobre a guerra nas terras de Israel e da Palestina

 

Comentário aberto: desopilar o fígado

24 Julho, 2014

Sou da opinião que todas as pessoas que participaram activamente para impedirem que candidatos realizassem a prova para professores devem ser expulsas da função pública ou, não sendo esse o caso, definitivamente impedidas de entrar.

Nota: excepcionalmente, por motivos antropológicos, todos os comentários colocados neste post nas próximas 48 horas que não incluam links, imagens ou vídeos serão publicados. Comecem os jogos.

Entretanto, em Mosul….

24 Julho, 2014

The al-Qaeda-Inspired Islamic State of Iraq and Syria (ISIS) has ordered all girls and women between the ages of 11 and 46 in and around Iraq’s northern city of Mosul to undergo female genital mutilation, the United Nations said on Thursday.(*)

 

However, they [Islamic State of Iraq and Syria] have also carried out many of these attacks in a systematic manner heedless of the impact on civilians, or have systematically targeted civilians and civilian infrastructure with the intention of killing and  wounding as many civilians as possible. Targets have included markets, restaurants, shops, cafés,  playgrounds, schools, places of worship and other public spaces where civilians gather in large  numbers. ISIL and associated armed groups have also continued to target systematically civilians using a range of improvised explosive device (IEDs), and to perpetrate targeted assassinations (community, political, and religious leaders, government employees, education professionals, health  workers, etc.), sexual assault, rape and other forms of sexual violence against women and girls, forced  recruitment of children, kidnappings, executions, robberies, attacks on installations with the potential of unleashing dangerous forces, and the wanton destruction or plundering of places of worship or of  cultural or historical significance. (* UN Report on Iraq (June/July 2014)

Separação de poderes

24 Julho, 2014

Ricardo Salgado é culpado. Em particular é culpado por ter sido (alegadamente) preso. Toda a gente sabe que: 1) não se prendem estudantes fora do país; 2) não se prendem pessoas que se identifiquem como professores mesmo que impeçam outros das suas liberdades; 3) não se prendem pessoas em exercício de cargos relevantes.

Salgado devia ter previsto a sua saída com uma (ou mais) das seguintes situações: 1) ir estudar para Paris; 2) participar em acções de protesto violentas contra o capitalismo e a morte consumada do SNS/escola pública/CTT/cluster do mar/clube de bridge/SIC Comédia/natalidade/agricultura/pescas/tribunal de Vila Chã Norte/inteligência; 3) arranjar um tacho.

É fundamental manter a separação de poderes em Portugal. Nomeadamente, é fundamental manter a separação entre os que os têm e os que os perderam.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.316 outros seguidores