Saltar para o conteúdo

Madoff leva 150 anos

29 Junho, 2009
by

Mais ou menos o mesmo tempo que por cá levaria o processo a ser concluído…

Anúncios
53 comentários leave one →
  1. 29 Junho, 2009 17:07

    Certeira conclusão a sua, Mr. CAA !
    150 anos por cá…e possivelmente com pedido final de clemência…

    Gostar

  2. Anónimo permalink
    29 Junho, 2009 17:10

    então ainda calha qualquer coisa aos herdeiros.

    Gostar

  3. 29 Junho, 2009 17:14

    @MJRB …e possivelmente com pedido final de clemência…
    Eu diria antes, com um pedido de indemnização.

    Gostar

  4. 29 Junho, 2009 17:15

    e por “conclui’do” quer dizer “arquivado”.

    Gostar

  5. Anónimo permalink
    29 Junho, 2009 17:18

    assim como assim, podiam ter dado 500 anos, era mais didáctico e tinha o mesmo efeito.

    Gostar

  6. Basico permalink
    29 Junho, 2009 17:24

    6 meses entre a descoberta, prisao e condenacao.

    BPP?
    BPN?
    Freeport?

    Gostar

  7. 29 Junho, 2009 17:37

    Santa Nostalgia, 3

    ‘Consta’ da ‘indemnização’: os 2,5 milhões de dóllares a que a esposa Madoff tem direito; uns quantos mais, muitos mais milhões numa off shore — quem os movimentará ?; prisão especial *****

    Em todo o caso, a justiça nos USA perante este e outros casos, ‘não brinca’ !

    Gostar

  8. 29 Junho, 2009 17:38

    Basico, 6

    O caso Freeport está a ser serenado…Se possível antes das Legislativas.

    Gostar

  9. 29 Junho, 2009 17:46

    Se possível…Nunca…

    Gostar

  10. EMS permalink
    29 Junho, 2009 17:52

    Bah! Ele sai a meio da pena. É o costume.

    Gostar

  11. lucklucky permalink
    29 Junho, 2009 18:00

    “Bah! Ele sai a meio da pena. É o costume.”

    71 anos + 75 = 146 anos

    Gostar

  12. 29 Junho, 2009 18:04

    Fazendo as contas, o homem será libertado em 2159.
    Por essa altura já todos os membros do tribunal terão morrido.

    Gostar

  13. José Barros permalink
    29 Junho, 2009 18:05

    Nem de propósito, e para os interessados em matéria de direito, a crónica deste domingo de Teixeira da Mota relata um caso de liberdade de imprensa vs. direito à imagem ocorrido em Espanha e que versava umas fotografias tiradas e publicadas por um jornal de uma modelo espanhola muito conhecida apanhada numa praia a fazer “topless”. Ora bem, a acção foi intentada pela senhora em 1999 e acabou decidida pelo Supremo espanhol em 2009. Dez anos para resolver uma questão relativamente simples.

    Num caso em tudo semelhante tratado no Blasfémias – cfr. post do Carlos Loureiro aqui: https://blasfemias.net/2009/06/19/liberdade-de-expressao-e-de-imprensa/ -, os tribunais portugueses demoraram três anos a decidir com trânsito em julgado o objecto do litígio.

    Não pretendo que este exemplo seja sinal do que quer que seja. Apenas coloco muitas reticências relativamente a afirmações não sustentadas, atiradas para o ar, como mero pretexto para conversa de café, quanto à produtividade dos magistrados portugueses.

    Gostar

  14. Euroliberal permalink
    29 Junho, 2009 18:10

    Fica na história como o pencudo que mais prejudicou mais pencudos. 50 biliões, cum carago. O que é raro, eles preferem fazer isso aos outros… Deve ser isto que eles chamam um self-hating pencudo…

    Gostar

  15. José Barros permalink
    29 Junho, 2009 18:12

    6 meses entre a descoberta, prisao e condenacao BPP? BPN?
    Freeport?- básico

    Esquece-se que Madoff confessou os factos e colaborou com a justiça no seu apuramento, com o que o processo se tornou numa mera formalidade, resumida a questão da discussão da pena a aplicar. Ou seja, precisamente o que não aconteceu, nem acontecerá, nos casos BPN, BPP e Freeport.

    Gostar

  16. lucklucky permalink
    29 Junho, 2009 18:15

    A propósito acho uma imoralidade os 150 anos. Continua a deriva da Justiça na Civilização Ocidental para penalizar mais quem não faz violência. Enquanto quem viola, mata e rouba com violência passa e é libertado.

    E penas como exemplo como disse sem vergonha o Juiz é tudo menos Justiça.

    Guterres não foi preso quando o defice passou para 5% do PIB e o esquema de Ponzi deste Governo e dos Governos anteriores(Mais correctamente deste Regime) continua a funcionar alegremente. Os cálculos das pensões mudam todos os anos mesmo para quem foi prometido que não mudava. Se o Madoff,BPN,BCP conseguissem fazer dessas e doutras eram “honestos” e nunca teriam ido á falência. Quantos milhões foram roubados quando o IVA subiu de 17% para 19% ou de 19% para 21%?

    Entretanto há outro Madoff na América e está na Casa Branca! : Obama irá Preso?

    The Debt Tsunami,The CBO’s latest warning on the long-term deficit is scarier than ever.

    http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/06/27/AR2009062701979.html

    Chancellor Merkel Visits the Debt President
    The occupant of the White House may have changed recently. But the amount of ill-advised ideology coming from Washington has remained constant. Obama’s list of economic errors is long — and continues to grow.

    http://www.spiegel.de/international/world/0,1518,632494,00.html

    Mas como sabemos a Política(onde está o Poder Real) tudo consegue manipular.

    Gostar

  17. Basico permalink
    29 Junho, 2009 18:15

    Sim, porque toda a gente sabe que a complexidade do caso madoff é em muito inferior a da generalidade dos casos de liberdade de imprensa.

    6 meses foi mais do que suficiente para analisar todos os meandros de uma fraude financeira de 50 mil milhoes de dolares, envolvendo derivados complexos, mas nao sao o suficiente para chegar a qualquer conclusao num:

    1 – caso de trafico de influencias e/ou potencial corrupcao num outlet da margem sul (wooo)

    2 – um caso de burla num banco especilizado em gestao de activos que tinha um balanco de 2 mil milhoes de euros (woo)

    3 – um caso de burla ou fraude num banco cujo balanco era de cerca de 8 mil milhoes de euros (woo) e cuja actividade era essencialmente de banca de retalho.

    Gostar

  18. cagasentenzas permalink
    29 Junho, 2009 18:20

    Mais um José a pôr mel na justiça portuguesa.
    É por isso que as moscas ficam lá coladas até ao esquecimento.

    Gostar

  19. José Barros permalink
    29 Junho, 2009 18:39

    6 meses foi mais do que suficiente para analisar todos os meandros de uma fraude financeira de 50 mil milhoes de dolares, envolvendo derivados complexos, mas nao sao o suficiente para chegar a qualquer conclusao num:

    1 – caso de trafico de influencias e/ou potencial corrupcao num outlet da margem sul (wooo)

    2 – um caso de burla num banco especilizado em gestao de activos que tinha um balanco de 2 mil milhoes de euros (woo)

    3 – um caso de burla ou fraude num banco cujo balanco era de cerca de 8 mil milhoes de euros (woo) e cuja actividade era essencialmente de banca de retalho. – Básico

    Repito:

    No caso Madoff o arguido confessou e colaborou com a justiça. O que significa, nomeadamente, que o esforço da investigação criminal por parte da acusação foi necessariamente menor e que o arguido não requereu diligências probatórias, não recorreu de todas as decisões instrumentais (por exemplo, de admissão ou não de prova, de realização de mais diligências probatórias, etc…), nem requereu a abertura de instrução, como o poderia fazer se fosse julgado em Portugal. Em suma, tudo foi favorável a uma decisão rápida.

    Os portugueses têm, aliás, um bom exemplo, de como o comportamento das partes influencia o prazo da decisão nos casos de abusos sexuais de jovens ocorridos nos Açores e na Casa Pia. No primeiro caso, a sentença ocorreu pouco mais de um ano depois de iniciado o processo. No segundo caso, vamos com 5 anos e ainda não existe sentença. É por isso que as comparações não fazem sentido. Há que comparar o que é semelhante – vide, o exemplo que dei no comentário #13 – e não o que é radicalmente diferente.

    Gostar

  20. Amonino permalink
    29 Junho, 2009 18:57

    .
    Burla de 46 mil milhões de Euros. Evaporaram-se. Em 6 meses, numeros certos são numeros certos, perante eles só resta confessar pois não há nada a testemunhar contra. 150 anos (não era possivel pena perpetua) por Roubo, Fraude e Lavagem de dinheiro. Arresto total de bens para pagar a quem prejudicou. A esposa ficou com uma parte dos bens do casal que consideraram adquirida por salários e rendimentos não imputaveis à burla gigantesca do Fundo de Investimentos Madoff. Parece que estão a rebentar mais uns quantos por lá.
    .
    Ora por cá são 46 mil milhões de Euros os casos do BPP, BPN e outros casos que andam à ‘baila’ na Comunicação Social ? É mais ? É menos ?
    .
    Para evitar especulações talvez conviesse fazer um comunicado para esclarecer os Cidadãos sobre quais são afinal os instrumentos juridicos aprovados pela Assembleia da Republica que estão a impedir ou o que está a estorvar a celeridade prioritária nos ditos casos dadas as dimensões anormais. Pôr os pontos nos i’s. Parece que é o que compete a cada Poder que é soberano em Democracia.
    .

    .

    Gostar

  21. Tribunus permalink
    29 Junho, 2009 18:57

    Ai o pessoal das finanças devia ter vergonha que o pessoal da justiça, se enttole, em tricas e nada resolva, dando aso, que desde a abrilada, nunca se roubou tanto na industria, comercio e finança…………uns escritorios de advogados e fica tudo em familia! Nogeira de país!

    Gostar

  22. Anónimo permalink
    29 Junho, 2009 19:02

    nos states madoff leva 150 anos, em portugal 150 anos de fuck off

    Gostar

  23. Anónimo permalink
    29 Junho, 2009 19:04

    #21 – “Nogeira de país”
    não será antes carvalho.

    Gostar

  24. 29 Junho, 2009 19:28

    23.Anónimo disse
    29 Junho, 2009 às 7:04 pm

    está certo, no novo acordo o vai ali melhor do que o jota..
    Abituemonos.

    Gostar

  25. per caso permalink
    29 Junho, 2009 19:28

    Madoff, meu deus, tão rato, tão esperto, entretido de negócios, não chegou a entender o bom homem quão certo era ter-se feito português, ai, sic e assim mesmo, tão simplesmente um de nós.

    Gostar

  26. portela menos 1 permalink
    29 Junho, 2009 19:30

    BPP
    BPN
    Freeport

    porque carga d’água raramente se refere o caso PORTUCALE?
    está resolvido?

    Gostar

  27. Basico permalink
    29 Junho, 2009 19:40

    Carissimo Jose Barros,

    Eu ate entendo que haja processos cuja investigacao tenha maior complexidade, e que o facto dos suspeitos nao confessarem imediatemente dificulte o processo.

    Agora, Madoff confessou porque o esquema dele era demasiado evidente, nao conseguiria fazer aparecer os 50 bios de maneira alguma.

    BPP? primeiro estavam bem de saude, depois quando os bancos internacionais exigiram o aumento do colateral de alguns emprestimos, quizeram recorrer ao estado (um banco com um balanco de 2 mil milhoes de euros queria que o estado avalizasse um emprestimo de 750 milhoes de euros..). quando isso nao passou, rapidamente se verificou que todos os veiculos fora do balanco nao estavam a ser contabilizados e consolidados, e que as perdas nao estavam a ser reconhecidas. aparentemente, mentiram aos clientes a quem diziam que os produtos tinham capital garantido, quando nao tinham.
    Estes tipos estavam a correr um esquema ponzi, e fizeram fraude.
    Nao se consegue extrair uma confissao? Nao se consegue que um auditor confirme isto que eu escrevi em 5 linhas? Serao precisos anos a fio para que tal aconteca?

    No BPN a coisa era exactamente igual, mas ainda mais basica.
    Nao se consegue extrair uma confissao? Nao se consegue que um auditor confirme os problemas?

    O processo do freeport esteve parado propositadamente numa gaveta anos a fio? ninguem vai preso por incuria?

    Os resultados do BCP foram inflaccionados de forma fraudulenta, pelos vistos reportaram cerca de 520 milhoes de euros a mais. a CMVM vai multa-los por 5 milhoes de euros, uma penalizacao que corresponde a cerca de 10% do valor do crime. Parece-lhe normal?

    Se quizer explorar quanto tempo demora a resolver uma fraude com alguma complexidade, e sem cooperacao dos suspeitos, pode ver o caso da worldcomm. foram menos de 3 anos para prender os responsaveis pela entao maior fraude dos eua, 3.8 mil milhoes de dolares (o BPN sao 1.8 mil milhoes de euros, cerca de 2.5 mil milhoes de dolars)

    Acha tudo isto normal?
    http://en.wikipedia.org/wiki/MCI_Inc.

    Gostar

  28. pensador atípico permalink
    29 Junho, 2009 19:55

    Sim, é tudo normal.
    Na América, quem infringe paga.
    Na América é impensável que se confesse à polícia (eu disse polícia, nem sequer disse juiz de instrução) e se negue em tribunal.
    Na América não há inquéritos, nem arguidos – há pedidos de julgamento com provas.
    Na América não há “instrução”.
    Esqueci-me:
    a América é, evidentemente, uma espécie de ditadura podre. Um sistema contra a liberdade.
    Há porém uma coisa que dificilmente existe na América:
    anti-sociais com responsabilidades públicas ou que dessa anti-socialidade consigam fazer um fácil show público.

    Gostar

  29. 29 Junho, 2009 19:57

    http://bulimunda.wordpress.com/2009/06/29/japanese-high-school-vejam-a-enorme-tecnologia-que-existe-nas-salas-de-aula-o-metodo-inovador-assim-percebe-se-a-razao-do-nosso-atraso/
    Out of the post…vejam por acaso uma classe de uma escola japonesa e vejam a inovação nos métodos as tecnologias de ponta …enfim tudo o que faz do Japão um dos países com melhores resultados escolares…

    Gostar

  30. 29 Junho, 2009 20:00

    Já agora o Oliveira e Costa e o Jardim vão apanhar 30 dias com pena suspensa e ainda vão ser ressarcidos das custas do processo….vai uma aposta…?

    Gostar

  31. 29 Junho, 2009 20:08

    LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

    Brilhante!

    Gostar

  32. JMLM permalink
    29 Junho, 2009 20:24

    Caro CAA
    Perfeito.
    Que sirva de exemplo à justiça Nacional, á sua prática e aos seus praticantes.
    VIVA PORTUGAL.

    Gostar

  33. José Barros permalink
    29 Junho, 2009 20:40

    Acha tudo isto normal? – Básico

    Mais uma vez, depende dos casos.

    No caso Freeport, é absolutamente anormal. Foi publicamente assumido pelo PGR que o processo esteve parado durante quatro anos, pelo que a anormalidade não poderia ser maior. Há um inquérito que presumo estar a decorrer para que se perceba a razão dessa demora, no final do qual espero que os responsáveis sejam alvos de um processo disciplinar e sujeitos às sanções aplicáveis. Se me pergunta se é isso que eu acho que acontecerá, tenho dúvidas. Tenho dúvidas sobre o funcionamento da PGR, apesar de defender intransigentemente a sua autonomia.

    Quanto ao BCP e BPN não tenho conhecimento do andamento dos respectivos processos, pelo que mais vale não me pronunciar, sob o risco de dizer asneiras.

    Em suma, não acho normais muitos dos atrasos que existem na justiça. Mas importa analisar as causas. O que é necessário que se percebe é que a grande responsabilidade recai sobre o legislador que, nos domínios do processo penal e processo civil, é excessivamente garantista, admitindo requerimentos e recursos que permitem a um advogado protelar julgamentos e decisões judiciais. Depois, é claro que existem casos responsabilidade individual de procuradores e magistrados – responsabilidade essa muitas vezes não apurada -, mas, repito, não é essa, nem de perto, nem de longe, a razão principal dos atrasos.

    Gostar

  34. 29 Junho, 2009 20:51

    Pena ridicula.

    Gostar

  35. 29 Junho, 2009 21:01

    Pelo meu lado, comentei assim

    http://atributos-1.blogspot.com/2009/06/150-anos.html

    Melhores cumprimentos

    JM

    Gostar

  36. José permalink
    29 Junho, 2009 21:43

    O ferreira é lesto a condenar a justiça portuguesa e principalmente quem faz por a aplicar segundo as leis que os amigos políticos do ferreira tem feito. O ferreira dava um juiz tipo Roy Bean, com mais ranço.

    Gostar

  37. portela menos 1 permalink
    29 Junho, 2009 21:45

    29 Junho, 2009 às 7:30 pm

    pronto(s)…escusavam de responder todos ao mesmo tempo!

    Gostar

  38. Pifas permalink
    29 Junho, 2009 22:03

    Sempre que há crise “queimam-se” uns quantos judeus.

    Gostar

  39. José Manuel Santos Ferreira permalink
    29 Junho, 2009 22:50

    Vá lá meus amigos

    Hoje são eles amanhã somos nós

    150 anos de prisa ??

    Homens do regime cavaquista, bem reputados, gente séria e cumpridora em que nada constava em seu desabono

    No máximo 5 anos com pena suspensa
    É que têm muita massa

    Tiveram os seus devaneios
    Tiveram um livro de cheques à sua disposição
    Alguém se esqueceu de informar qual o plafond
    Era uma tentação e daí foi um fartar vilanagem

    Putas à borla, jantares à fartazana, viagens sem destino…….
    grandes negócios, grandes investimentos

    Quem é que pode levar a mal ???

    Só o José que é um invejoso bem instalado no poleiro dos reformados do estado, rói-se todo, ele também queria usufruir deste estatuto e ninguém lhe ligou puto

    Era muito sério, impoluto
    Agora vinga-se
    Difama, lança lama sobre as pessoas
    Apanhou um cagaço quando comia queijo flamengo
    Mas, salvaguardou-se logo da maneira mais vil que uma pessoa pode tomar na sua vida
    Agaixou-se, pôs de de cócoras: Eu, eu, eu…não

    Vivam os oportunistas
    Abaixo os justiceiros de pacotilha
    Abaixo os borrabotas

    Só gosto de quem faça melhor, não de quem saiba muito

    Gostar

  40. WALTZ permalink
    29 Junho, 2009 23:33

    parece que a ferreira leite… finalmente vai ser diferente. é só esperar…mais 150 anos. há trinta que esta gamela gama e defrauda os portugueses. mas não, vai ser desta. vai um putedo, mano alfredo. ah e justifiquem o golpe nas honduras que vos vai bem. enfim portugueses escroques.

    Gostar

  41. Anónimo permalink
    30 Junho, 2009 00:14

    # 39- Muito gosta o Van Krikas de meninos.

    Gostar

  42. melusine permalink
    30 Junho, 2009 00:16

    Muito gosta o Krikas # 39 de meninos

    Gostar

  43. WALTZ permalink
    30 Junho, 2009 03:22

    Democracia sim, mas só se for à nossa moda
    A semana começa com um golpe militar nas Honduras: os militares depuseram o presidente, raptaram-no em pijama e levaram-no à força para um país vizinho. Motivo: Manuel Zelaya pretendia levar à consideração dos eleitores a possibilidade de realizar mais um mandato (Quem é que decidiu que só podem ser dois? E não é aceitável que se decida agora outra coisa?). Os analistas ocidentais, porém, condescendem com os militares, argumentando que Zelaya se preparava para imitar Hugo Chávez, o presidente da Venezuela.

    Ficamos, portanto, a saber que para os democratas ocidentais, sempre prontos a ensinar a democracia aos povos bárbaros, é praticamente tão condenável fazer eleições como levar a cabo um golpe de estado, coisa que, se pensarmos bem, faz todo o sentido. Os pregadores da democracia preferem, na verdade, impor as mudanças à socapa. Veja-se o que vai acontecer com o Tratado de Lisboa. E imagine-se que Hugo Chávez e Manuel Zelaya faziam a mesma coisa. Pois…
    Por M.J.Marmelo
    Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

    Gostar

  44. Anónimo permalink
    30 Junho, 2009 07:49

    estão abertas as inscrições no infantário da flausina.

    Gostar

  45. cromo permalink
    30 Junho, 2009 08:49

    “claro que existem casos responsabilidade individual de procuradores e magistrados – responsabilidade essa muitas vezes não apurada -, mas, repito, não é essa, nem de perto, nem de longe, a razão principal dos atrasos.”

    Na certa que o José BArros é juiz ou prepara-se para ser. Já conheço esta conversa.

    Gostar

  46. Basico permalink
    30 Junho, 2009 10:06

    Jardim dirá que “offshores” foram “erro operacional”

    Sim, criar uma empresa offshore é como enviar um email ou fazer um post num blog, é clikar send e já está.

    Gostar

  47. Anónimo permalink
    30 Junho, 2009 10:29

    #45 – “Na certa que o José BArros é juiz ou prepara-se para ser.”
    o cagasentensasdois anda a estagiar aqui nos comentários.

    Gostar

  48. cromo permalink
    30 Junho, 2009 10:46

    “o cagasentensasdois anda a estagiar aqui nos comentários”.

    Não percebi.

    O que digo é que só consigo ouvir da boca de juizes que a falta de produtividade e celeridade da justiça não se deve, em grande parte, aos juizes.

    Deve ser embirração minha, mas nas variadíssimas vezes que tenho de ir a tribunal parece-me ser evidente a soberba, a improdutidade e falta de aocuntability dos juizes e ministério público e a relação directa que existe com o empancamento da justiça.
    Mas lá está, não tenho canudo em leis, não sei o que é o conselho da magistratura e o estatuto da carreira judical e etc e tal. Na certa levo abada.

    Gostar

  49. 30 Junho, 2009 11:41

    só falta sublinhar que o nosso sistema judiciário é feito pelos deputados e pelo governo desde 1976.

    Gostar

  50. Basico permalink
    30 Junho, 2009 12:14

    Eu nestas coisas todas só pergunto aquilo que é evidente.

    Ajustando a paridade de poder de compra, como comparam os juizes portugueses com os norte americanos? eu aposto que sao gajo para ganhar mais…

    Isto é como o caso do Victor Constancio, um presidente um banco central esvaziado de poderes que ganha mais que o presidente do FED (mesmo sem ajustar ao poder de compra). (e que ainda assim tem o desplante de dizer que, numa das poucas areas de competencia que lhe restam, nao consegue efectivamente contralar nada)

    Nao é por falta de incentivos ou de condicoes que esta gente nao é produtiva, o caos do país nao tem nada a ver com essas questoes, tem a ver com a incompetencia nata dos portugueses, falta de conhecimentos tecnicos ou vontade de os adquirir, com a inimputabilidade vigente, corrupcao, amigismo, partidarismo, nepotismo,etc e tal.

    Gostar

  51. 30 Junho, 2009 13:02

    Provedor critica Constâncio por falta de cooperação
    22-Jun-2009

    No seu relatório anual à Assembleia da República, o Provedor de Justiça critica o Banco de Portugal por falta de colaboração com a provedoria. O provedor considera que a atitude do Banco de Portugal não é diferente de anos anteriores, o que lamenta.
    Num caso concreto, o Provedor diz mesmo que o Governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio se escudou, “numa alegada ausência de competência regulamentar específica (…) na matéria em causa”.
    Neste caso, o Provedor de Justiça pretendia a colaboração do Governador do Banco de Portugal para conseguir “uma melhoria substancial dos procedimentos genericamente adoptados pela Banca em matéria de execução de ordens de penhora (não raro efectuada com violação de limites mínimos de impenhorabilidade…)”.

    E depois de uma primeira resposta negativa, voltou a insistir com Constâncio, mas… “não obstante o Provedor de Justiça tivesse voltado a dirigir-se ao Governador do Banco de Portugal… a resposta recebida apenas manteve o já anteriormente alegado”.

    No balanço anual das relações com o Banco de Portugal, o Provedor de Justiça refere que: “2008 não foi diferente de anos anteriores, o que se regista com pesar” e conclui: “Muito difícil se torna, pois, ao Provedor de Justiça, tranquilizar os cidadãos que se lhe dirigem quando estes se revelam descontentes ou inseguros quanto ao tipo de supervisão efectivamente exercida pelo Banco de Portugal, pois dela tem este órgão do Estado, também, conhecimento pouco profundo, não porque não tente conhecê-la melhor, mas porque não tem tido sucesso nessa sua tentativa”.

    Ao Diário Económico, uma fonte do Banco de Portugal diz que recebeu 15.000 reclamações e que face a essas “as 30 apresentadas à Provedoria da Justiça têm pouco significado”.

    Já na Assembleia da República o deputado João Semedo do Bloco de Esquerda, e outros deputados, criticaram a atitude do Governador do Banco de Portugal e a sua supervisão (Leia o artigo de João Semedo Bancos: nova supervisão, novo supervisor.

    Vítor Constâncio tem, no entanto, a compreensão dos banqueiros. Numa entrevista ao Jornal de Negócios dada na semana passada, o patrão do BES Ricardo Salgado veio defender a sua supervisão, dizendo mesmo: “nunca vi até agora nenhum governador de um banco central ser posto em causa por políticos, por parlamentos”.

    Gostar

  52. Basico permalink
    30 Junho, 2009 13:24

    O Ricardo Salgado devia abrir mais vezes a televisao na Bloomberg ou CNBC.

    Gostar

  53. José Barros permalink
    30 Junho, 2009 15:11

    Na certa que o José BArros é juiz ou prepara-se para ser. Já conheço esta conversa. – cromo

    Não sou juiz, nem serei nos próximos tempos. E quanto à minha opinião sobre juízes, é relativamente fácil de dar. Há uns poucos bons ou até excelentes, a generalidade é mediana ou fraca. Como em todas as profissões neste país. Enquanto não se perceber que o subdesenvolvimento é um fenómeno global que afecta todas as áreas, quererá sempre fazer-se da justiça (ou da educação ou da saúde) o bode expiatório das frustrações colectivas.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: